Vpn O Que É E Como Funciona?

A quantidade de informação acerca dos seus hábitos e historial de navegação que transmite sem dar por isso quando navega pela Internet é tão grande que, se a conseguisse ver, assustava-se. Existem algumas formas mais ou menos complicadas de assumir controlo dessa informação. Uma das mais simples é através da utilização de uma Virtual Private Network, ou VPN.

O que é uma VPN?

Simplificando, uma VPN cria um «túnel» encriptado entre o seu computador e um servidor que é operado pela empresa responsável pelo serviço. Todo o seu tráfego é encaminhado através desse túnel, estado por isso a salvo de quaisquer intercepções ao longo do caminho.

E mesmo que seja interceptado é mais difícil detectar o ponto de origem desse tráfego de informação.

Quando os seus dados chegam ao servidor VPN, entram na Internet pública e o servidor VPN age como se fosse o seu computador e liga-se ao site que quiser ver ou ao serviço que quiser usar.

Vpn O Que É E Como Funciona?

A maioria dos utilizadores confiam implicitamente nas redes wi-fi públicas e ligam-se sem pensar duas vezes, mas essas redes são inerentemente inseguras, quanto mais não seja porque não se sabe quem pode estar vigiar o tráfego de internet que passa por elas.

Na prática usar uma rede pública para ver o seu saldo bancário ou aceder a uma rede social, é quase como “entregar o ouro ao bandido” porque a informação de login pode ser facilmente interceptada e usada por terceiros.

O problema descrito acima pode ser minimizado, ou mesmo eliminado, se tiver um serviço de VPN instalado, isto porque os dados são encriptados logo à saída do seu dispositivo e durante todo o caminho que fizerem pela Internet e só são desencriptados pelo site de destino.

Outra situação em que as VPN são úteis é nos casos de acesso a sites bloqueados. Há muito tempo que em Portugal está em vigor um sistema que permite o bloqueio de sites de uma forma mais ou menos arbitrária. Estes bloqueios podem ser facilmente ultrapassados através da alteração do endereço do servidor DNS da sua ligação à Internet. Como muita gente sabe.

No entanto, existem situações em que essa alteração pode não ser possível ou aconselhada. Aqui os serviços de VPN podem dar uma ajuda, porque a grande maioria deles permitem ao utilizador escolher o país em que o túnel emerge para a Internet pública o que efectivamente faz com que os bloqueios locais sejam ultrapassados.

Neste caso, a utilização de uma VPN tem a vantagem adicional de manter o anonimato das ligações.

Independentemente da plataforma que utilize (Windows ou Mac), as VPN funcionam mais ou menos da mesma forma e, se não quiser usar o software de VPN integrado no próprio sistema operativo, as empresas que fornecem estes serviços oferecem software para as duas plataformas.

Já no caso dos dispositivos móveis iOS e Android, apesar da maioria das operadoras de VPN disponibilizarem apps para este efeito, pode haver alguns problemas de compatibilidade com as redes de dados móveis que tornam as ligações instáveis.

Apesar das aplicações de VPN para dispositivos móveis serem mais ou menos iguais, independentemente da plataforma, muitas vezes os protocolos de encriptação utilizados são diferentes visto que a Apple requer que as versões para iOS destas aplicações utilizem encriptação de última geração mais robusta.

O que uma VPN não faz

Como funciona uma VPN? Veja cinco perguntas e respostas

Disponível em versões gratuitas e pagas, a VPN pode ser instalada em celulares Android e iPhone (iOS), notebook, smartphone, PCs ou no tablet. Basta baixar e fazer uma assinatura do serviço para conectar seu aparelho a uma rede privada. Confira, na lista a seguir, cinco perguntas e respostas sobre como funciona uma VPN.

1 de 4
VPNs criam um “túnel” que protege dados trafegados entre o usuário e a Internet — Foto: Filipe Garreti/TechTudo

VPNs criam um “túnel” que protege dados trafegados entre o usuário e a Internet — Foto: Filipe Garreti/TechTudo

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

1. O que é e como funciona uma VPN?

A VPN é uma ferramenta que possibilita se conectar à Internet de maneira segura e confidencial, e pode ser instalada em dispositivos como computadores, tablets e celulares. Ao acessar a web com o recurso, os dados enviados e recebidos são redirecionados para o servidor criptografados, e assim, não podem ser lidos caso alguém tente interceptá-los.

Além disso, a identidade do usuário e sua localização também são protegidos porque a VPN oculta o IP pessoal, fornecendo outro endereço para disfarçar a verdadeira origem do acesso.

Dessa forma, é possível navegar anonimamente pela web e impedir que as atividades online possam ser rastreadas por terceiros.

O recurso ainda permite a conexão remota a servidores em outros países, fazendo parecer que o IP está localizado em uma região diferente.

Veja também: Instagram: como deixar de seguir perfis com quem você interage pouco

Vpn O Que É E Como Funciona?

Instagram: como deixar de seguir perfis com quem você interage pouco

Alguns usuários ainda utilizam VPN para navegar na Internet como se estivessem em outros países, podendo acessar conteúdos que não estão disponíveis no Brasil, como o catálogo americano da Netflix, Amazon Prime Video e Hulu.

Além disso, é possível ter acesso a jogos que ainda não foram lançados no país, porque os servidores de VPNs estão distribuídos no mundo inteiro. No entanto, essas práticas não são recomendadas e podem trazer riscos aos usuários.

2. Quais são as vantagens de usar VPN?

As vantagens do uso de uma VPN são o aumento da privacidade e a prevenção contra ataques virtuais, mantendo senhas de bancos e de cartão de crédito, por exemplo, longe dos olhos de hackers e criminosos cibernéticos. Também fica mais seguro acessar redes de Wi-Fi públicas como as que são oferecidas nos cafés, shoppings, ônibus e aeroportos.

2 de 4
VPNs ajudam a manter o sigilo de informações trafegadas pela Internet — Foto: Pixabay

VPNs ajudam a manter o sigilo de informações trafegadas pela Internet — Foto: Pixabay

No caso das empresas, a VPN contribui para que funcionários acessem informações na rede local da companhia de forma segura, mesmo que estejam fisicamente distantes.

A medida contribui para reduzir custos com um possível vazamento de dados sigilosos.

Em 2019, o Brasil perdeu mais de R$ 80 bilhões com ataques cibernéticos, estima o levantamento mais recente da União Internacional de Telecomunicações (ITU, na sigla em inglês), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU).

A segurança da VPN dependerá da qualidade do serviço prestado pelas empresas que fornecem o recurso. É importante lembrar que, ao optar por uma companhia que oferece a VPN, o usuário está compartilhando seus dados.

Ou seja, nenhum serviço oferece 100% de anonimato.

Assim, a melhor maneira de acessar uma VPN com segurança é escolher prestadores de serviços que têm credibilidade no mercado e utilizem ferramentas de proteção contra malwares.

Portanto, o uso de uma VPN não dispensa o usuário de se preocupar com o seu nível de exposição online e de continuar a usar em seus dispositivos outras medidas de seguranças, como o firewall e antivírus.

3 de 4
Falhas de segurança nos serviços de VPN podem abrir brecha para hackers — Foto: Pexel

Falhas de segurança nos serviços de VPN podem abrir brecha para hackers — Foto: Pexel

4. Quais são os riscos de usar VPN?

Alguns serviços gratuitos de VPN podem monitorar as atividades dos usuários e usar seu acesso para redirecionar anúncios de seus próprios produtos ou de outros anunciantes.

Geralmente, as empresas costumam deixar explícito em suas políticas de privacidade se coletam dados dos clientes.

Existem também diversas denúncias de desvio de banda larga dos usuários e comercialização do perfil de consumo dos clientes.

Um ponto que também merece atenção é o risco de fraudes, caso haja falha de segurança por parte da empresa escolhida. Um hacker, por exemplo, pode criar uma página falsa fazendo o internauta pensar que está acessando um site oficial e, como os dados trafegam pela VPN, ele pode descobrir senhas e outras informações.

4 de 4
Planos com limite de dados maiores melhoram a experiência com as VPNs — Foto: Pexel

Planos com limite de dados maiores melhoram a experiência com as VPNs — Foto: Pexel

5. Como escolher uma VPN?

A maioria das fabricantes de VPN oferecem soluções para desktops e smartphones que podem ser gratuitas ou por meio de pagamento mensal.

Em sua maioria, os que são cobrados têm a vantagem de oferecer um limite de uso de dados maior.

Também é preciso verificar se as configurações dos equipamentos são compatíveis com o serviço escolhido, alguns celulares, podem travar também dependendo da velocidade da Internet contratada pelo usuário.

Antes de assinar um serviço de VPN, vale a pena checar a reputação de fornecedores da ferramenta em sites especializados e fóruns de discussão. Outra dica é prestar atenção às políticas de privacidade e os termos do serviço.

Existem alternativas grátis como WindScribe, que possui limite de dados até 10 GB por mês e servidores disponíveis em 10 países.

Outra opção popular é o TunnelBear, com o limite de 500 MB mensais, e acesso a servidores de 23 países, e o VPN Gate, que tem como diferencial ser um software livre (código aberto) e estar presente em mais de 90 países.

Qual é a melhor versão do Windows? Deixe a sua opinião no Fórum do TechTudo

VPN: o que é, como funciona, por que e quando usar VPN?

  • Segurança nunca é demais, não é mesmo?
  • Instintivamente, a grande maioria das pessoas que responderem à pergunta acima, responderão que, quanto mais segurança pudermos ter em nossa vida prática, melhor.
  • Por outro lado, também é verdade que existe um aspecto de nossa vida, cuja segurança é constantemente negligenciada: nosso acesso à internet.
  • Circular por sites e aplicativos diariamente requer uma determinada dose de proteção e, embora essa preocupação passe longe da cabeça da maioria dos usuários recorrentes da web, existem hoje no mercado opções bastante interessantes de amparo à segurança de dados.
  • Uma delas é a VPN.
  • No artigo de hoje, explicarei melhor o que é VPN, para que ela serve e como ela pode trazer mais segurança para nossas conexões.
  • Vamos lá?

O que é VPN?

  1. VPN é a sigla de abreviação de Virtual Private Network, ou, em bom português, Rede Privada Virtual.

  2. Esta rede é a tecnologia que estabelece a comunicação entre a sua máquina e a internet, mas, ao contrário das redes padrão, a VPN determina uma comunicação segura através da criptografia dos dados transmitidos.

  3. Basicamente, a VPN cria um túnel encriptado para que a sua máquina possa acessar à internet sem que o seu provedor consiga registrar as suas atividades. 
  4. Com uma VPN, a sua navegação é anônima e não rastreável.

Para que serve a VPN?

  • A VPN serve, fundamentalmente, para garantir a proteção de dados e estabelecer uma navegação virtual segura.
  • Outras utilidades para uma VPN são alterar a localização do seu IP, acessar sites bloqueados em seu país, proteger sua privacidade e aumentar a sua segurança ao acessar a internet através de redes de wi-fi públicas, por exemplo. 
  • A VPN também é um recurso muito utilizado por empresas que precisam proteger seus dados quando é necessária a comunicação entre pontos remotos e a matriz de tecnologia.

É seguro usar VPN?

Existem diversas empresas que oferecem o serviço de VPN, bem como existem diversos protocolos diferentes para se conectar a uma rede privada.

As VPNs pagas, de modo geral, são mais seguras que as gratuitas. Isto acontece porque, ao utilizar um serviço gratuito, não é possível ter a garantia de que os dados coletados por esse serviço não serão vendidos ou distribuídos a outras empresas.

As redes pagas também tendem a ter qualidade superior de conexão e menos impacto na velocidade da navegação.

Como a VPN funciona?

De modo bastante simples, a VPN funciona construindo uma espécie de túnel entre a sua máquina ou dispositivo e a internet. Por este túnel as informações são transmitidas de modo anônimo e privado e sem a possibilidade de serem interceptadas por invasões hackers.

  1. Explicarei de modo mais detalhado para melhor compreensão:
  2. Ao visitar um site ou aplicativo, a sua máquina ou smartphone se conecta a um provedor, informando a ele que você deseja acessar determinado site ou app.
  3. É este provedor que se comunica com a internet e retorna as informações para a sua máquina, possibilitando, assim, a visualização destas páginas.

Todas as atividades que você fizer dentro desta rede, porém, são rastreáveis e ficam registradas por este provedor. É desta forma, inclusive, que os sites consegue mapear demograficamente quem são seus visitantes e extrair outros dados de analytics.

  • Imagine que toda esta comunicação, além de ser rastreável, acontece de forma aberta e pode, eventualmente, ser invadida durante alguma transmissão de dados.
  • Já ao acessar a internet conectado a uma VPN, a única informação que o seu provedor terá é a de que você está conectado a um servidor remoto, que pode estar localizado em qualquer parte do mundo, e nada mais.
  • Todos os seus passos a partir do momento em que você se conecta a esse servidor estarão protegidos, e todos os dados fornecidos estarão preservados sob criptografia e serão transmitidos através deste túnel que os isolará de possíveis invasões.
Leia também:  Como Curar Umbigo De Recem Nascido Depois Que Cai?

Sem VPN

A grosso modo, sem VPN a sua conexão com a internet é desprotegida e o seu provedor sabe tudo o que você faz enquanto navega.

Isso acontece porque o seu endereço de IP, que serve para identificar a sua máquina, será fornecido aos provedores e toda a atividade será vinculada a ele. 

Com VPN

Por outro lado, com uma VPN, o seu endereço IP será oculto e o único IP que os provedores poderão ver será o IP do servidor remoto ao qual você está conectado.

Este endereço de IP é compartilhado por inúmeros usuários e muda regularmente.

Proxying

  1. Um proxy também é um intermediário entre o usuário e a internet e pode, muitas vezes, ser confundido com VPN.

  2. A diferença entre os dois é que o proxy repassa todas as informações necessárias ao site requisitado pelo visitante quando este acessa a internet, como por exemplo o endereço IP do proxy específico de uma máquina; enquanto a VPN repassa apenas o IP do servidor remoto utilizado.
  3. Uma VPN funciona como um proxy online que permite que um usuário navegue de forma anônima.

Autenticação

A autenticação é o processo pelo qual o cliente VPN e o servidor VPN remoto garantem que estão conversando somente entre si e de maneira totalmente segura.

Tunelamento

Tunelamento é como chamamos o método pelo qual um pacote de dados é encapsulado para ser enviado ao provedor de internet.

A VPN codifica estes dados antes de transmiti-los, impedindo que terceiros sejam capazes de compreendê-los.

Criptografia

  • Criptografia é prática de encriptar dados para que eles sejam assimilados apenas pelo destino específico ao qual eles estão sendo enviados.
  • No caso das VPNs, os dados enviados ao provedor de internet são criptografados para que as informações enviadas por um usuário não possam ser rastreadas ou interceptadas por invasões.
  • A codificação destes dados os protege e só pode ser decodificada pelo provedor requisitado.

O que são protocolos de VPN?

  1. Um protocolo de VPN é o método pelo qual a sua máquina ou dispositivo vai se conectar ao servidor de uma rede privada.
  2. O que muda de um protocolo a outro são os padrões de criptografia, procedimentos de autenticação, velocidade e etc.

  3. Entre os protocolos de VPN mais comuns no mercado estão OpenVPN, IKEv2, Lightway, WireGuard, SSTP, PPTP, entre outros.
  4. Para escolher o melhor protocolo para a sua navegação é preciso definir o que você deseja priorizar nesta navegação.

  5. Os protocolos impactam, por exemplo, na velocidade da sua conexão, por isso alguns deles são mais indicados para quem deseja fazer downloads.

Quais são os tipos de VPN?

Existem diversos tipos de VPN e cada uma delas é indicada para um tipo de navegação.

Falarei abaixo sobre alguns tipos mais comuns.

Comercial / Corporativa

As VPNs mais “comerciais” são as chamadas VPNs baseadas em rede, ou network-based.

Estas VPNs são as mais recomendadas para a conexão não somente de dispositivos, mas de diversas redes ao mesmo tempo e são as mais seguras para a conexão de intranets de diferentes unidades de uma mesma empresa.

Pessoal

  • As VPNs mais recomendadas para uso pessoal quando o processo engloba somente a conexão de um usuário com uma redes são as chamadas VPNs baseadas no cliente, ou client-based.
  • Estas redes são estabelecidas por aplicativos que criam a rota de comunicação entre usuário e servidor e funcionam da maneira mais simples possível, geralmente através de login e senha.
  • Estas são as VPNs mais apropriadas para o uso doméstico.

Por que usar VPN?

Existem inúmeros motivos que advogam em prol do uso da VPN, seja para uma empresa ou para um uso pessoal de conexões domésticas.

Detalharei abaixo os mais comuns.

Para sua segurança

Proteger a segurança dos seus dados é, geralmente, o primeiro motivo para a adoção do uso regular de uma rede privada.

Uma VPN pode proporcionar mais segurança e tranquilidade para quem trabalha com grande fluxo de dados ou simplesmente deseja aumentar os padrões de segurança dentro de sua casa.

Proteger sua privacidade

  1. Para muitas pessoas, proteger sua privacidade dentro da internet pode parecer um exagero, mas a verdade é que tomar alguns cuidados para isso não deve ser uma tarefa secundária.

  2. A extração e a venda de dados privados de milhões de usuários são um dos maiores produtos negociados hoje por trás das cortinas da internet, e se você não deseja ter informações sobre a sua navegação circulando por aí, uma VPN pode te ajudar.

  3. Ao mascarar o seu endereço IP, o servidor remoto que você está usando para navegar na internet através de uma VPN impede que suas atividades virtuais sejam rastreadas, protegendo, assim, a sua privacidade ao fazer compras ou acessar aplicativos que contenham informações pessoais.

Acessar sites bloqueados ou censurados por firewall

VPN explicada: Como funciona? Por que eu deveria usá-la?

Leia o resumo aqui O que é uma VPN: resumo

As VPNs criam uma conexão segura entre você e a internet. Quando você se conecta à internet pela VPN, todo o seu tráfego de dados é enviado através de um túnel virtual criptografado. Essas são as vantagens:

  • Você ficará mais anônimo na internet: seu endereço de IP e sua localização não ficarão visíveis para qualquer pessoa.
  • Você ficará mais seguro na internet: o túnel criptografado afastará hackers e criminosos cibernéticos, e seu dispositivo não ficará tão suscetível a ataques.
  • Você ficará mais livre na internet: ao utilizar diferentes endereços de IP, você poderá acessar sites e serviços online que normalmente estariam bloqueados.

Você quer começar a usar uma VPN? Nós recomendamos a ExpressVPN. Esta VPN possui muitos recursos, oferece uma ótima segurança e alcançou uma excelente nota em nossos testes. Seus resultados garantiram à ExpressVPN o primeiro lugar!

Leia nosso artigo completo abaixo e descubra como configurar uma conexão VPN e como as VPNs podem ajudá-lo.

Cada vez mais pessoas utilizam VPNs para navegar pela internet. A sigla VPN significa Virtual Private Network (Rede Privada Virtual). É uma ferramenta fácil e eficiente que oferece três recursos essenciais para você navegar online: mais segurança, privacidade online e liberdade. Se você não estiver acostumado com o conceito de uma VPN, pode ser meio assustador.

Esta página explicará exatamente como funciona uma VPN e por que as pessoas a usam. Vamos contar tudo o que você precisa saber sobre as vantagens e possibilidades das VPNs. Também falaremos sobre alguns provedores de VPN excelentes que você pode querer experimentar.

O que é uma VPN?

Quando você está usando a internet, há um processo constante de troca de dados de seu dispositivo com outras partes na web. Uma VPN, ou Rede Privada Virtual, cria um túnel seguro entre seu dispositivo (por exemplo, smartphone ou notebook) e a Internet. A VPN permite que você envie seus dados por meio de uma conexão segura e criptografada para um servidor externo: o servidor VPN. A partir daí, seus dados serão encaminhados ao seu destino na internet.

Formar uma conexão segura com um servidor externo estabelece três coisas. Primeiro, ajuda a ocultar seu endereço IP real. Em segundo lugar, ele protege seus dados. E terceiro, permite que você use a Internet com mais liberdade. Explicaremos tudo isso com mais detalhes abaixo.

Vídeo explicativo: O que é uma VPN?

Para quem tem orientação visual, fizemos um pequeno vídeo para explicar o que é exatamente uma VPN e como ela funciona. Aproveite! O artigo continua abaixo do vídeo.

Como uma VPN funciona?

Depois de assinar um provedor de VPN, geralmente você pode baixar e instalar um aplicativo facilmente em seu smartphone, tablet, computador ou smart TV.

Com alguns cliques, você seleciona suas configurações de segurança preferidas e configura uma conexão segura com o servidor VPN escolhido. Conectar-se a uma VPN geralmente é simples.

Quando a conexão for estabelecida, seus dados seguirão os seguintes passos:

  1. O software VPN em seu computador criptografa seu tráfego de dados e os envia (por meio de seu provedor de serviços de Internet) para o servidor VPN por meio de uma conexão segura.
  2. Os dados criptografados do seu computador são decifrados pelo servidor VPN.
  3. O servidor VPN enviará seus dados pela internet e receberá todo o tráfego enviado de volta, sendo o usuário o destinatário final.
  4. O tráfego, então, é criptografado novamente pelo servidor VPN e enviado de volta para você.
  5. O software da VPN no seu dispositivo decifrará os dados para que você possa entender e utilizá-los.

A conexão VPN criptografará seu tráfego de dados, dificultando muito a vida de hackers e autoridades que tentarem ver ou interceptar suas informações pessoais.

A conexão segura também oferece maior anonimato aos usuários, pois seu tráfego de internet é roteado através de um servidor VPN externo.

Como você está navegando pela internet com o endereço de IP do servidor VPN, seu endereço de IP real permanecerá oculto.

Geralmente, sua localização e sua identidade podem ser reveladas através do seu endereço de IP, pois ele é único da sua conexão com a internet. Ao utilizar um IP diferente (o atribuído a você pelo servidor VPN), nenhuma das suas atividades online poderão ser rastreadas até você utilizando seu endereço de IP, e você poderá navegar à vontade pela internet em anônimo.

O aplicativo da VPN será executado em segundo plano no seu computador, tablet ou smartphone. Você poderá acessar a internet como sempre faz e não perceberá nenhuma diferença além do fato de conseguir burlar restrições geográficas.

Por que eu preciso de uma VPN?

Talvez você esteja se perguntando se é realmente necessário usar uma Rede Virtual Privada . Grande parte da nossa vida atualmente é online. Acessamos nossas contas bancárias, conversamos com nossos amigos, conferimos nossos registros médicos e também trabalhamos, tudo online.

É importante que todas essas informações sobre você não caia em mãos erradas. Afinal, ninguém deixa seus extratos bancários largados por aí.

Se você não proteger sua conexão de internet, você corre o risco de outras pessoas, como hackers, governos, seu fornecedor de internet, sites, seu empregador e todo tipo de gente saibam mais sobre você do que você gostaria. Uma VPN blinda seus dados de todos esses grupos.

Para que serve uma VPN? Existem muitos motivos para começarmos a usar uma VPN. As principais são as seguintes:

  1. Oferecem mais segurança online.
  2. Aumentam sua privacidade online.
  3. Permitem que você navegue com mais liberdade (burlando restrições e censuras online).
  4. Torna o Wi-Fi público mais seguro.

Vamos explicar exatamente o que isto significa a seguir.

Como uma VPN oferece segurança online

Uma VPN oferece segurança porque criptografa fortamente todo o seu tráfego de internet, mesmo antes de chegar aos servidores VPN, guiando seu tráfego de dados por um “túnel VPN” muito mais seguro.

Isso dificulta muito para outras pessoas, como governos e hackers, interceptarem e visualizarem seus dados.

Por este motivo, é altamente recomendado o uso de uma VPN ao utilizar redes públicas de Wi-Fi (perigosas).

Seja no trabalho ou em casa, o uso de uma boa VPN é igualmente importante. Provedores como a NordVPN ou a ExpressVPN oferecem criptografia de ponta, AES de 246 níveis. Com este tipo de proteção, você não precisará se preocupar com ninguém colocando as mãos nos seus dados e usando-os contra você.

Como uma VPN oferece privacidade e anonimato online

Uma VPN oferece mais anonimato online pois você não navegará pela internet com o seu endereço de IP exposto publicamente. Uma VPN permite que você mantenha sigilo sobre os sites que visita.

Seu endereço de IP pessoal ficará oculto assim que você se conectar ao servidor VPN. Geralmente, outras pessoas podem relacionar suas atividades online à sua identidade e sua localização, baseados no seu endereço de IP.

Por exemplo, geralmente, seu provedor de internet, os sites que você visita e autoridades podem ver tudo que você faz online.

O que é uma VPN e como funciona?

VPN significa “Virtual Private Network” (Rede Privada Virtual) e descreve a oportunidade de estabelecer uma conexão de rede protegida ao usar redes públicas.

As VPNs criptografam seu tráfego de Internet e disfarçam sua identidade online. Isso torna mais difícil para terceiros rastrear suas atividades online e roubar seus dados.

A criptografia ocorre em tempo real.

Como funciona uma VPN?

Uma VPN oculta seu endereço IP deixando que a rede redirecione você por meio de um servidor remoto especialmente configurado executado por um host VPN. Isso significa que se você navegar online com uma VPN, o servidor VPN se tornará a fonte de seus dados.

Isso significa que seu Provedor de Serviços de Internet (ISP) e terceiros não podem ver quais sites você visita ou quais dados você envia e recebe online. Uma VPN funciona como um filtro que transforma todos os seus dados em “rabiscos”.

Mesmo que alguém apreendesse dados, seria inútil.

Quais são os benefícios de uma conexão VPN?

Uma conexão VPN disfarça seu tráfego de dados online e o protege de acesso externo. Os dados não criptografados podem ser vistos por qualquer pessoa que tenha acesso à rede e queira vê-los. Com uma VPN, os hackers e criminosos cibernéticos não podem decifrar esses dados.

Leia também:  Como Se Diz Porque Em Frances?

Criptografia segura: Para ler os dados, você precisa de uma chave de criptografia . Sem uma, levaria milhões de anos para um computador decifrar o código no caso de um ataque de força bruta. Com a ajuda de uma VPN, suas atividades online ficam ocultas mesmo em redes públicas.

Disfarçando seu paradeiro: Os servidores VPN atuam essencialmente como suas proxies na Internet. Como os dados de localização demográfica vêm de um servidor em outro país, sua localização real não pode ser determinada.

Além disso, a maioria dos serviços VPN não armazena registros de suas atividades. Alguns provedores, por outro lado, registram seu comportamento, mas não repassam essas informações a terceiros.

Isso significa que qualquer registro potencial do seu comportamento de usuário permanece permanentemente oculto.

Acesso a conteúdo regional: O conteúdo regional da web nem sempre é acessível a partir de qualquer lugar. Os serviços e sites geralmente contêm conteúdo que só pode ser acessado em certas partes do mundo.

As conexões padrão usam servidores locais no país para determinar sua localização. Isso significa que você não pode acessar o conteúdo de sua casa durante uma viagem e não pode acessar o conteúdo internacional a partir de sua casa.

Com Spoofing de localização VPN, você pode mudar para um servidor de outro país e efetivamente “mudar” sua localização.

Transferência segura de dados: Se você trabalha remotamente, pode precisar acessar arquivos importantes na rede da sua empresa.

Por razões de segurança, este tipo de informação requer uma conexão segura. Para obter acesso à rede, geralmente é necessária uma conexão VPN.

Os serviços de VPN se conectam a servidores privados e usam métodos de criptografia para reduzir o risco de vazamentos de dados.

Por que você deve usar uma conexão VPN?

Seu ISP geralmente configura sua conexão quando você se conecta à Internet. O serviço mantém rastria suas atividades por meio de um endereço IP. Seu tráfego de rede é roteado pelos servidores do seu ISP, que podem registrar e exibir tudo o que você faz online.

Seu ISP pode parecer confiável, mas pode compartilhar seu histórico de navegação com anunciantes, polícia, governo e/ou terceiros. Os ISPs também podem ser vítimas de ataques de criminosos cibernéticos: Se eles forem hackeados, seus dados pessoais e privados podem ser comprometidos.

Isso é especialmente importante se você se conectar regularmente a redes Wi-Fi públicas. Você nunca sabe quem pode estar monitorando seu tráfego de Internet e o que eles podem roubar de você, incluindo senhas, dados pessoais, informações de pagamento ou até mesmo toda sua identidade.

Como uma boa VPN atua?

Você deve confiar em sua VPN para realizar uma ou mais tarefas. A VPN também deve ser ela mesma protegida contra comprometimentos. Estas são os recursos que você deve esperar de uma solução de VPN abrangente:

  • Criptografia do seu endereço IP: O trabalho principal de uma VPN é ocultar seu endereço IP de seu ISP e de terceiros. Isso permite enviar e receber informações online que só podem ser vistas por você e seu provedor VPN, mas sem risco de visualizações indesejadas.
  • Criptografia de protocolos: Uma VPN também deve impedir que você deixe rastros, por exemplo, na forma de histórico da internet, de pesquisa e cookies. A criptografia de cookies é especialmente importante porque evita que terceiros tenham acesso a informações confidenciais, como dados pessoais, informações financeiras e outros conteúdos de sites.
  • “Kill switch”: Se sua conexão VPN for interrompida repentinamente, sua conexão segura também será interrompida. Uma boa VPN pode detetar esse tempo de inatividade repentino e encerrar os programas pré-selecionados, reduzindo a probabilidade de os dados serem comprometidos.
  • Autenticação de dois fatores: Usando uma variedade de métodos de autenticação, uma VPN forte verifica todos que tentam fazer login. Por exemplo, pode ser solicitado que você insira uma senha, após a qual um código é enviado para seu dispositivo móvel. Isso dificulta o acesso de terceiros indesejados à sua conexão segura.

A história das VPNs

Desde que o ser humano começou a usar a internet, têm sido envidados esforços para proteger e criptografar dados do navegador de Internet. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos já se envolveu em projetos de criptografia de dados de comunicação da Internet na década de 1960.

Os predecessores da VPN

Esses esforços levaram a à criação da ARPANET (Rede da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada), uma rede de comutação de pacotes, que por sua vez levou ao desenvolvimento do Protocolo de Controle de Transferência/Protocolo de Internet (TCP/IP).

O TCP/IP tinha quatro camadas: Link, internet, transporte e aplicativo.

Ao nível da Internet, redes e dispositivos locais podem ser conectados à rede universal – e é aqui que o risco de exposição se torna claro.

Em 1993, uma equipe da Universidade da Columbia e da AT&T Bell Labs finalmente conseguiram criar uma espécie de primeira versão de VPN moderna, conhecida como swIPe: Protocolo de criptografia de IP de software.

No ano seguinte, Wei Xu desenvolveu a rede IPSec, um protocolo de segurança na internet que autentica e criptografa pacotes de informações compartilhados online. Em 1996, um funcionário da Microsoft chamado Gurdeep Singh-Pall criou um Protocolo de Túnel Peer-to-Peer (PPTP).

Primeiras VPNs

Contígua ao desenvolvimento do PPTP de Singh-Pall, a popularidade da Internet estava crescendo e surgiu a necessidade de sistemas de segurança sofisticados e prontos para o consumidor.

Naquela época, os programas antivírus já eram eficazes para impedir que malware e spyware infetassem o sistema de um computador.

No entanto, pessoas e empresas também começaram a exigir software de criptografia que pudesse ocultar seu histórico de navegação na internet.

As primeiras VPNs, portanto, começaram no início dos anos 2000, mas eram quase exclusivamente usadas por empresas. No entanto, após uma enxurrada de violações de segurança, especialmente no início de 2010, o mercado consumidor de VPNs começou a crescer.

VPNs e seu uso atual

De acordo com GlobalWebIndex, o número de usuários de VPNs em todo o mundo aumentou mais de quatro vezes entre 2016 e 2018.

Em países como Tailândia, Indonésia e China, onde o uso da internet é restrito e censurado, até um em cada cinco usuários de internet utilizam uma VPN.

Nos EUA, Grã-Bretanha e Alemanha, a proporção de usuários de VPNs é baixo com cerca de 5%, mas está crescendo.

Um dos maiores impulsionadores da adoção de VPN nos últimos anos tem sido a crescente demanda dos usuários para acessar conteúdo com restrições geográficas de acesso.

Por exemplo, serviços de streaming de vídeo, como o Netflix ou YouTube, tornam certos vídeos disponíveis apenas em alguns países.

Com as VPNs contemporâneas, você pode criptografar seu endereço IP para que pareça estar navegando de outro país, permitindo que você acesse esse conteúdo a partir de qualquer lugar.

Como navegar em segurança com uma VPN

Uma VPN criptografa seu comportamento de navegação, que só pode ser decodificado com a ajuda de uma chave. Apenas o seu computador e a VPN conhecem essa chave, portanto, seu ISP não pode reconhecer onde você está navegando. VPNs diferentes usam processos de criptografia diferentes, mas geralmente funcionam em três passos:

1. Quando estiver online, inicie sua VPN. A VPN atua como um túnel seguro entre você e a Internet. Seu ISP e terceiros não conseguem detetar este túnel.

2. Seu dispositivo agora está na rede local da VPN e seu endereço IP pode ser alterado para um endereço IP fornecido pelo servidor VPN.

3. Agora você pode navegar na Internet à vontade, pois a VPN protege todos os seus dados pessoais.

Que tipos de VPNs existem?

Existem muitos tipos diferentes de VPN, mas você definitivamente deve se familiarizar com os três tipos principais:

SSL VPN

Frequentemente, nem todos os funcionários de uma empresa têm acesso a um laptop da empresa que possam usar para trabalhar em casa.

Durante a crise de corona na primavera de 2020, muitas empresas enfrentaram o problema de não terem equipamento suficiente para seus funcionários. Nesses casos, muitas vezes recorre-se ao uso de um dispositivo privado (PC, laptop, tablet, celular).

Neste caso, as empresas recorrem à solução de um SSL-VPN, que geralmente é implementada por meio de uma caixa de hardware correspondente.

Geralmente o pré-requisito é um navegador compatível com HTML-5, que é usado para acessar à página de login da empresa. Os navegadores compatíveis com HTML-5 estão disponíveis para praticamente qualquer sistema operacional. O acesso é protegido por um nome de usuário e senha.

VPN site-a-site

Uma VPN site-a-site é basicamente uma rede privada destinada a disfarçar intranets privadas, permitindo que os usuários dessas redes seguras acessem recursos mutuamente.

Uma VPN de site a site é útil se você tiver vários locais em sua empresa, cada um com sua própria rede local (LAN) conectada à WAN (Rede de Grande Extensão). VPNs de site a site também são úteis se você tiver duas intranets separadas entre as quais deseja enviar arquivos sem que os usuários de uma intranet acessem explicitamente à outra.

As VPNs site-a-site são usadas principalmente em empresas de grande porte. Eles são complexos de implementar e não oferecem a mesma flexibilidade que as VPNs SSL. No entanto, eles são a maneira mais eficaz de garantir a comunicação dentro e entre grandes departamentos.

VPN Cliente-a-Provedor

Conectando por meio de um Cliente VPN pode ser interpretado como se você estivesse conectando seu PC doméstico à empresa com um cabo de extensão.

Os funcionários podem discar para a rede da empresa a partir de seu escritório residencial por meio de uma conexão segura e agir como se estivessem no escritório.

No entanto, um cliente VPN deve primeiro ser instalado e configurado no computador.

Isso envolve o usuário não estar conectado à Internet através do seu próprio ISP, mas estabelecer uma conexão direta através do seu provedor de VPN.

Isso basicamente diminui a fase do túnel da jornada da VPN.

Assim, em vez de usar a VPN para criar um túnel de criptografia para disfarçar a conexão com a internet existente, a VPN pode criptografar automaticamente os dados antes de disponibilizá-los ao usuário.

Esta é uma forma cada vez mais comum de VPN, especialmente útil para provedores de Wi-Fi pública desprotegida WLAN. A solução impede que terceiros acessem e comprometam a conexão de rede e criptografa dados até o provedor.

Também impede que os ISPs acessem dados que, por qualquer motivo, permaneçam sem criptografia e contorna quaisquer restrições ao acesso do usuário à Internet (por exemplo, se o governo daquele país restringir o acesso à Internet).

A vantagem desse tipo de acesso VPN é uma maior eficiência e acesso universal aos recursos da empresa.

Desde que um sistema telefônico apropriado esteja disponível, o funcionário pode, por exemplo, conectar-se ao sistema com um alto-falante e agir como se estivesse no local de trabalho da empresa.

Por exemplo, os clientes da empresa não conseguem nem saber se o funcionário está trabalhando na empresa ou em seu escritório doméstico.

Como instalar uma VPN no meu computador?

Antes de instalar uma VPN, é importante se familiarizar com as diversas maneiras de implementá-las:

Cliente VPN

O software deve ser instalado para clientes VPN independentes. Esse software está configurado para corresponder aos requisitos do terminal. Ao configurar a VPN, o terminal executa o link de VPN e se conecta ao outro terminal, criando o túnel de criptografia.

Nas empresas, esta etapa geralmente requer a introdução de uma senha emitida pela empresa ou a instalação de um certificado apropriado. Ao usar uma senha ou certificado, o firewall pode reconhecer que esta é uma conexão autorizada.

O funcionário, então, se identifica por meio de credenciais de seu conhecimento.

Extensões para navegador

Descubra por que usar uma VPN e veja como escolher a melhor

A sigla VPN significa Virtual Private Network, ou Rede Virtual Privada. Ela é formada por um grupo de computadores que se conectam usando uma rede pública: a internet. Algumas empresas usam VPNs para conectar centros de dados distantes.

Funcionários podem se conectar a VPNs para acessar a rede local da empresa sem estar fisicamente lá. Também é uma excelente maneira de proteger e criptografar sua comunicação com a internet em redes públicas não confiáveis, como redes WiFi de aeroportos.

Ou seja, basicamente, uma VPN permite acesso remoto a recursos de uma rede local, ainda que você não esteja fisicamente conectado nessa rede. Também serve para garantir proteção durante a troca de informações pela internet em redes públicas.

Quando você se conecta a uma VPN, geralmente executa algum cliente em seu computador ou clica num link especial em um site, faz login com suas credenciais e cada máquina em cada ponta verifica a autenticidade da outra.

Quando ocorre a confirmação, sua comunicação com a internet é criptografada e protegida de interceptação. Este é o principal detalhe de uma VPN: a segurança que ela proporciona para sua navegação na internet, evitando que seus dados fiquem visíveis para pessoas não autorizadas.

Leia também:  Como Evitar Que O Tapete Escorregue?

01. Por que usar, uma VPN, ou quais os benefícios

Uma VPN por si só é apenas uma maneira de melhorar sua segurança e acessar recursos numa rede na qual você não está fisicamente conectado. Porém, dependendo do uso, ela pode fazer milagres acontecerem.

Em geral, usuários de VPN se encaixam nas seguintes categorias:

  • O funcionário: aquele que tem responsabilidades a cumprir e usa uma VPN fornecida por sua empresa para acessar recursos nessas redes mesmo quando está em casa ou viajando. Caso não confie na rede em que está conectado, pode ativar a VPN e impedir que interceptem a conexão.
  • O que adora downloads: independente de estar baixando conteúdo legal ou ilegal, esse tipo de usuário não quer que alguma empresa coloque-o na lista negra só por estar usando torrents. Usar uma VPN é a única maneira de se manter seguro enquanto usa essas redes peer to peer. Para ele, é melhor prevenir do que acabar num tribunal ou pagando uma multa altíssima por algo que pode ou não ter feito.
  • O que adora privacidade: independente de estar num ambiente totalmente livre e aberto ou em um com alto nível de monitoramento, este perfil usa uma VPN para manter suas comunicação segura e criptografada, longe de olhos curiosos, seja em casa ou numa viagem. Para ele, conexões inseguras significam que sempre tem alguém lendo o que dizem.
  • O viajante: você está fora do país e quer ver os seus programas de TV favoritos no momento em que vão ao ar. Você quer escutar estações de rádio via internet que possuem filtro de país ou deseja usar um novo serviço/aplicativo que parece ótimo, mas está limitado a um determinado país ou região.
  • Uma mistura dos anteriores: aqueles que não se encaixam apenas em uma categoria, mas se identificam com uma mistura delas. Em todo caso, um serviço de VPN pode ser útil para quem quer proteção, manusear informações sensíveis do trabalho sem ser demitido ou para quem está se escondendo de órgãos antipirataria.

E mesmo que você não se identifique com nenhum desses casos, acredita que ainda assim é possível se beneficiar com uma VPN? Você deve usar uma quando viaja ou quando trabalha numa rede que não confia (leia-se: uma rede da qual você não é proprietário, nem gerencia nem confia em quem gerencia).

Como exemplos podemos usar aqueles momentos em que abrimos nosso notebook numa cafeteria ou lemos nossos e-mails no WiFi aberto do aeroporto. São situações com considerável risco de ter o tráfego interceptado.

Agora resta saber como escolher o melhor serviço.

Os melhores serviços de VPN têm um bom equilíbrio de recursos, localização de servidores, protocolos de conexão e preço. Alguns são ótimos para uso ocasional, enquanto outros são feitos para burlar restrições de localização que algumas empresas aplicam.

Também tem aqueles destinados a pessoas que adoram fazer download e querem um pouco de privacidade enquanto baixam. Aqui está o que você deve ficar de olho:

  • Protocolos: enquanto pesquisa por um serviço de VPN, é possível dar de cara com termos como SSL (chamado às vezes de OpenVPN), TLS, PPTP, IPSec, L2TP e outros tipos de VPN. Conexões SSL são as mais usadas atualmente e todos esses protocolos fornecerão uma conexão segura. De qualquer forma, a maior parte dessas soluções passa despercebida para o usuário final. Cada protocolo tem seus prós e contras, então se você está preocupado com isso, talvez já esteja ciente dos problemas (como vulnerabilidades PPTP). A maioria dos usuários não precisa se preocupar com isso.
  • Locais de saída: dependendo do uso que você deseja fazer da VPN, os locais de saída que o serviço oferece são detalhes importantes a considerar. Se você deseja burlar filtros de localização e assistir canais de TV do Reino Unido (por exemplo), tenha a certeza de que o provedor da VPN tem servidores no Reino Unido. Se está preocupado com sua privacidade e quer evitar que o governo bisbilhote sua conexão, pode ser uma boa ideia escolher servidores fora do país onde você mora. Da mesma forma, se o serviço tem sede nos Estados Unidos, eles estão sujeitos às leis desse país e podem forçar o provedor a passar informações para as autoridades quando solicitado. Muitas pessoas se importam com isso mais do que o necessário, mesmo quando não apenas os Estados Unidos tem essas regras. Mas é importante ter certeza de que o serviço de VPN tem servidores em múltiplos locais ou ao menos nos lugares que você tem interesse.
  • Registro de informações: quando você se conecta a um serviço de VPN, está confiando seus dados a ele. Sua comunicação pode estar segura contra interceptação, mas outros sistemas na mesma VPN podem registrar informações caso desejem. Se isso te incomoda, não deixe de ler as políticas de registro de informações antes de se cadastrar. Dizem que VPNs localizadas nos Estados Unidos são obrigadas a manter um registro, o que não é verdade, mas de qualquer forma o governo de qualquer país pode requisitar qualquer registro que for mantido pela empresa, desde que ela tenha alguma representação nele.
  • Proteção contra vírus e spyware: apesar de toda segurança fornecida por uma VPN, isso não significa que você está livre de toda e qualquer ameaça. Tenha sempre certeza de que o site usa HTTPS onde for possível e tome cuidado com o que você baixa. Alguns serviços de VPN incluem um programa que escaneia o que foi baixado para ter certeza de que nada está infectado.
  • Aplicativos móveis: você deve conseguir uma experiência consistente, seja num desktop ou num smartphone. A maioria dos provedores oferece soluções para desktops e dispositivos móveis, porém VPNs de escolas e empresas podem não estar no mesmo passo, mas estão chegando lá. Busque não utilizar duas VPNs diferentes com dois termos distintos só para poder usar no seu smartphone e no seu notebook.
  • Preço: não deixe de olhar com atenção a política de privacidade e os termos de serviço do provedor que você está interessado e esteja ciente das diferenças entre a versão gratuita e a versão paga. Serviços gratuitos podem vir a registrar suas atividades e direcionar anúncios com isso. Eles também podem oferecer menos locais de saída e se importar pouco com sua privacidade. Eles podem até oferecer recursos incríveis, mas se privacidade for importante para você, é melhor evitá-los. Serviços pagos levam sua privacidade mais a sério, já que você está pagando pelo serviço. Anúncios não são comuns aqui, porém o registro de suas atividades varia de empresa para empresa. Em geral, elas oferecem teste grátis para você experimentar, mas lembre-se: só porque você está pagando, não significa que precisa ignorar tudo o que leu até aqui.

A mistura de bons recursos e preços atraentes fazem um serviço de VPN ser considerado bom, mas existem muitos serviços ruins se passando por bons. Procure artigos escritos por fontes confiáveis, que discutem os méritos baseados nos recursos.

A seguir estão alguns serviços de VPN para você escolher.

NordVPN

  • Suporta: Windows, OS X, Linux, iOS, Android.
  • Protocolos: Utiliza tecnologia de nível militar baseada tanto em protocolos IKEv2/IPsec quanto OpenVPN, ambas com criptografia AES (Advanced Encryption Standard) com chaves de 256 bits, padrão recomendado pela NSA para proteger inclusive informações classificadas como TOP SECRET.
  • País de origem: Panamá, e possui uma rede de mais de 5.600 servidores espalhados por 59 países, que continua sendo expandida.
  • Registro de informações: não rastreia ou coleta dados de clientes, tão pouco compartilha com governos, agências reguladoras ou terceiros. Não grava nenhuma informação dos seus dados de endereço IP, data e duração da conexão, quantidade de dados transferida, sites acessados, arquivados baixados e software usado, prometendo privacidade total.
  • Preço: ofertas a partir de US$2,99 mensais. Possui ainda uma garantia de reembolso válida por 30 dias que garante que você só pagará se realmente gostar do serviço.

Surfshark

  • Suporte: extensões Windows, Mac, Linux, iOS, Android, Chrome e Firefox, sistema Smart DNS para consoles de jogos, TVs e muito mais.
  • Protocolos: O Surfshark apresenta fortes aspectos técnicos essenciais: criptografia AES-256-GCM, suporte a OpenVPN UDP, TCP e IKEv2, política de não registro de logs e um interruptor de interrupção para proteger você se sua conexão cair.
  • País de origem: O Surfshark está sediado nas Ilhas Virgens Britânicas e possui mais de 1700 servidores em impressionantes 160 localizações em 64 países.
  • Coleta de informações: Como o Surfshark é baseado nas Ilhas Virgens Britânicas, isso significa que não é necessário manter registros das ações do usuário. O Surfshark não coleta: endereços IP de entrada e saída; Navegação, download ou histórico de compras; Servidores VPN que você usa; Largura de banda usada; Informações da sessão; Carimbos de data e hora da conexão; Tráfego de rede.
  • Preço: o preço mensal do Surfshark começa em US $ 1,99, que é um dos preços mais baixos do mercado para uma VPN completa. Também oferece uma garantia de devolução do dinheiro em 30 dias, para que você possa experimentá-lo gratuitamente.

ProXPN

  • Suporta: Windows, OS X, iOS.
  • Protocolos: SSL e PPTP.
  • País de origem: Estados Unidos, com locais de saída também na Holanda, Cingapura e Reino Unido.
  • Registro de informações: nível baixíssimo de registro de atividades. Eles coletam seu endereço de e-mail, forma de pagamento, uso de banda, duração da conexão e horários de uso. Essas informações são mantidas por até 14 dias e informam que jamais as compartilham.
  • Preço: dispõem de um plano gratuito que limita a velocidade a 300Kbps e restringe o local de saída para Miami, nos Estados Unidos. Contas pagas desbloqueiam o suporte para PPTP (para uso em dispositivos móveis e roteadores), removem o limite de transferência e permitem escolher qualquer um dos locais de saída. Os preços começam em US$ 10 mensais.

TorVPN

  • Suporta: Windows, OS X, Linux, iOS, Android.
  • Protocolos: SSL (às vezes chamado de OpenVPN), PPTP e SSH tunneling.
  • País de origem: Hungria com saídas também nesse país.
  • Registro de informações: eles não registram suas atividades, mas registram o uso de banda para limitar a quota mensal e mantêm informações sobre método de pagamento. Dizem estar comprometidos com sua privacidade e que não vão entregar seus dados sem uma solicitação das autoridades húngaras.
  • Preço: o plano gratuito tem limite de 1GB por mês antes do serviço ser cortado. Contas pagas começam em 5 euros por mês por 5GB até 30 euros mensais por 100GB de tráfego. Eles não têm política de devolução do dinheiro e, apesar de usarem a rede TOR, não fazem parte do projeto TOR.

TorGuard

  • Suporta: Windows, OS X, Linux, iOS e Android.
  • Protocolos: SSL (OpenVPN), PPTP e L2TP (com criptografia de 256 bit).
  • País de origem: Panamá, com saídas também na Holanda, Romênia e Ucrânia.
  • Registro de informações: eles valorizam sua privacidade, permitindo que você respire um pouco mais aliviado. Os registros são apagados diariamente e eles só mantêm suas informações de pagamento. Nem sequer ficam com os horários que você usou o serviço.
  • Preço: para quem quer anonimato, os preços começam em US$ 6 mensais. Para quem adora torrents, os preços começam em US$ 5 mensais. Para uso geral, os preços começam em US$ 10 mensais.

WiTopia

  • Suporta: Windows, OS X, Linux, iOS, Android, webOS e Chromebooks.
  • Protocolos: SSL, PPTP, IPSec, e L2TP (com criptografia de 256 bit).
  • País de origem: Estados Unidos, com saídas em 10 cidades nele mais países na América Latina e América do Sul, Ásia, Austrália, Europa, África e Oriente Médio.
  • Registro de informações: nada que possa identificar um usuário é mantido e os registros são apagados semanalmente. O que fica retido são apenas os dados de registro e informações de pagamento.
  • Preço: de US$ 50 a 70 por ano dependendo do nível de criptografia que você precisa. Eles também vendem um roteador VPN para você levar enquanto viaja.

Monte a seu própria VPN

Você pode montar sua própria VPN usando um servidor VPS ou um servidor doméstico com ferramentas como o Hamachi, Privoxy e OpenVPN. Com este último, dá para configurar roteadores para usá-lo e fazer a VPN cobrir toda sua rede doméstica. Combinando o OpenVPN com o Privoxy, você consegue a privacidade e anonimato de um serviço pago sem gastar um centavo (a menos que você alugue um VPS).

Assim, o controle fica todo em suas mãos e, apesar de não ganhar todo o anonimato ou locais de saída como um serviço pago voltado para isso, você consegue os principais benefícios de uma VPN: segurança, privacidade e anonimato enquanto está longe de casa.

Veja Também: RusVPN

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*