Serigrafia O Que É E Como Funciona?

Neste artigo queremos dividir com vocês leitores as diferentes modalidades do Silk Screen. Embora pouca gente saiba, uma arte pode ser estampada em silk de diferentes maneiras. Vamos dividir essas modalidades em quatro tipos:

  • Silk de cores sólidas (silk chapado)
  • Silk em Policromia
  • Silk Simulado
  • Silk Digital

Um conceito importante para entendermos as diferenças das modalidades é, em primeiro lugar, compreender a diferença de cores chapadas para cromias.

De forma objetivas, sabemos que uma arte possui cores chapadas quando você consegue contar de forma clara quantas cores tem uma arte.

Por exemplo: a logo da Coca Cola é uma arte chapada de uma única cor. Já a cor da logo da Petrobrás é uma arte chapada de três cores (verde, amarelo e branco).

Não há nenhuma sobreposição de cores nem mesmo degradês nesse tipo de arte. Já a cromia (ou policromia) são aquelas artes cuja separação não se faz possível.

Exemplo: a logo marca da Rede Globo possui incontáveis cores sobrepostas e degradês. Não é possível dizer ao certo quais cores exatamente se fazem presente.

Serigrafia O Que É E Como Funciona?Logo da coca cola logo da petrobras e logo da rede globo como exemplo de logos para personalização para empresas

Vamos começar?

Silk de cores solidas (chapadas)

Esse é o silk mais comum de ser feito e também o mais simples. Nesse caso as cores devem ser separadas sem sobreposição de forma que parar cada cor, uma tela será revelada. O encaixe entra as cores separadas é feito através do registro das telas, conforme ilustração abaixo:

Serigrafia O Que É E Como Funciona?Exemplo de estampa para camiseta personalizada de cachorro com frase frio de renguear cusco

Silk Policromia

A policromia não é nada mais do que fazer a separação de cores de sua arte em CMYK (ciano, magenta, amarelo, preto) e em caso de tecidos escuros é usado uma base branca.

Abaixo segue o exemplo:

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

Silk Simulado

O silk simulado é o silk mais complicado de ser feito, mais é também o melhor em termos de definição.

No Simulado a quantidade de cores aplicadas são ilimitadas, diferente da policromia, ele usa pantones diferenciados para mesclar, dando melhor acabamento nas cores, elas ficam mais vivas e podem ser editadas com facilidade, por serem cores separadas e não uma junção CMYK. Abaixo segue o exemplo:

Serigrafia O Que É E Como Funciona?Demonstração de combinação de efeitos de cores aplicados em um desenho do personagem hulk para personalização

Silk Digital

O silk digital é a modalidade mais avançada existente. É uma espécie de impressora de camisetas, na qual a arte é impressa diretamente no tecido sem a necessidade de revelação de telas. Embora seja classificada como Silk, por se utilizar de um tipo de tinta serigráfica, claramente essa modalidade se distancia das demais.

O silk digital apresenta algumas vantagens consideráveis:

  • A resolução de impressão de estampas fotográficas apresentam qualidades incríveis, atingindo patamares de qualidade superiores ao processo tradicional de policromia.
  • Por não precisar de telas em seu processo, torna-se possível personalizar camisetas sem número mínimo de peças!
  • A área de impressão do silk digital pode chegar a 50 x 70 cm

Serigrafia O Que É E Como Funciona?Máquina de silk screen na produção de estampa com logo das olimpíadas rio dois mil e dezesseis

Revelação de tela para Silk Screen(Silk de cores chapadas, silk policromia e silk simulado)

Depois de entendermos o processo de separação de cores, das artes a serem estampadas, vamos aprender o processo de revelação da tela para Silk Screen.A primeira coisa a se fazer depois de preparar a arte é transofrmá-la em um fotolito. Fotolito é um filme transparente que serve como matriz para impressão de qualquer material gráfico. Sua origem está no processo de foto e gravação. É a mídia intermediária entre a finalização (arte final) e o impresso. Ao lado temos um exemplo de um fotolito.

Depois da impressão do fotolito, vamos utilizá-lo para revelação de tela. Ele é colocado com uma moldura de nylon com madeira ou alumínio, por cima de uma mesa de luz que revela tudo que for preto.

Nesse processo, o calor e a luminosidade da revelação, queimam as partes da tela cujo fotolito aplicado em cima está preto.

Nesse sentido, a tinta passará para o lado do tecido justamente nesses pontos revelados.

Agora que a tinta foi passada da tela para a blusa, é só esperar secar que a blusa vai estar pronta para ser utilizada!

Serigrafia O Que É E Como Funciona?Produção de camisetas personalizadas com técnica silk sacreen e exemplos de resultados com camisetas azuis prontas

Como funciona o Silk-Screen ou Serigrafia?

A melhor técnica de estamparia é o Silk-Screen ou Serigrafia, e aqui na MX ROCK você pode personalizar seus brindes ou camisetas usando este método!

Serigrafia ou serigraph (em inglês) é uma fusão das palavra sericos (seda) e graphos (escrever) em Grego. Silk significa seda e Screen significa tela em inglês.

A serigrafia foi criada através da evolução de uma técnica de impressão chamada “estencil” onde criamos uma máscara vazada com o desenho em uma superfície rígida e com a aplicação de tinta sobre esse molde é feita a impressão.

A serigrafia é um processo de impressão no qual a tinta aplicada é vazada pela pressão de um puxador (um rodo) através de uma matriz (uma tela que preparamos e gravamos com um desenho). Com esse processo conseguimos fazer uma produção em série dos mais diversos tipos de produtos e matérias primas.

Veja uma comparação entre

o Stencil e a Serigrafia

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

O processo é feito através de uma matriz serigráfica (quadro ou tela de silk) que é aplicado no tecido e impresso diretamente cor a cor e peça por peça.

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

O fotolito tem um papel fundamental na serigrafia manual. É através dele que transportamos para nossa matriz serigráfica o desenho a ser impresso. Esse processo é feito através da gravação de tela por um equipamento chamado mesa de luz.

Nesse processo é necessário tomar todos os cuidados e providências para que a estampa saia perfeitamente sem nenhum defeito na peça, para isso é preciso que sua arte seja vetorizada em programas como Corel Draw ou Adobe Illustrator.

Você pode não saber, mas o silk screen é uma técnica usada para personalizar roupas,

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

eletrodomésticos, eletrônicos, porcelanas, papéis, adesivos, borracha, alimentos, vidro, enfim, uma infinidade de produtos.

Visite nossa loja na Tijuca no Rio de Janeiro para conhecer nossos trabalhos utilizando esta técnica.

Aqui na MX ROCK desenvolvemos seu projeto, fazemos a vetorização da sua arte, fazemos a matriz ou tela de serigrafia e estampamos suas camisas.

Tudo isto usando as melhores tintas, malhas ou brindes do mercado. Lembre, o endereço da nossa estamparia é Conde de Bonfim 214, Loja 13, Tijuca. Rio de Janeiro.

Serigrafia: o que é e como funciona?

A serigrafia é uma técnica de estamparia barata e versátil, mas que exige algum treino para que faz. Para te ajudar a entender o que é serigrafia e como ela funciona, preparamos este artigo. Aqui, vamos te mostrar como acontece o processo de estamparia por impressão de tela em uma camiseta.

Leia também:  Crm O Que É E Como Funciona?

Antes disso, se você quiser conhecer outras formas de estampar uma camiseta, clique aqui!

O que é serigrafia?

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

Serigrafia manual. Foto: Pinterest / Histórias de Casa

A serigrafia é uma técnica de impressão de telas em tecidos. Como na sua origem, essas telas eram feitas de seda, a serigrafia também é conhecida como silk screen, que significa tela de seda, em inglês.

Em suma, o processo de estampar consiste em forçar uma tinta por uma superfície vazada para que esta atinja o lugar certo.

De modo geral, a silk screen funciona em vários tipos de materiais e superfícies. Isso faz com que seja muito usada, principalmente em produções de larga escala de camisetas, canecas e cartazes.

Além disso, quando pensamos em camisetas, essa técnica é a ideal para tecidos de algodão. Fica a dica!

Como funciona estampar com silk screen?

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

Homem imprimindo telas em posters. Foto: Pxfuel

A serigrafia é um processo de impressão fotossensível. Para entender melhor o que isso significa, siga com a gente:

Em primeiro lugar, para fazer a estampa, você precisa ter um layout feito,geralmente, em computador. Sendo que este deve ser impresso em folhas próprias, chamadas de fotolitos. Cada cor da estampa será uma folha diferente. Por isso, se a estampa tiver 3 cores, você vai ter 3 fotolitos diferentes, um para cada cor.

Depois são necessários mais alguns materiais como, por exemplo:

  • uma tela ou matriz serigráfica de nylon ou poliéster
  • um quadro, também chamado de moldura ou bastidor em que a tela será esticada
  • uma mesa com luz ultravioleta
  • emulsão fotossensível
  • tinta adequada para o material que será estampado

Quando você tiver esses materiais, pode começar a fazer sua serigrafia. Para que fique mais fácil para você, veja o passo a passo de como funciona a silk screen:

Passo a passo

1- Prepare, seus fotolitos. Eles serão a base de sua estampa. Mas lembre-se de que os fotolitos são os negativos que correspondem a cara cor diferente de seu layout e juntos eles formarão a estampa. Isso é necessário porque, na serigrafia, você só consegue imprimir uma cor de cada vez. Por isso, para cada cor é necessário uma tela e um fotolito.

2- Deixe a tela preparada, coloque-a no quadro e aplique a emulsão fotossensível.

3- Em seguida, coloque o fotolito sobre a tela e ligue a luz ultravioleta.

4- Nesse momento, a luz vai refletir na tela, que tem pequenos furos. A presença da luz faz com que a emulsão fotossensível endureça onde está claro. Ou seja, feche os furinhos de onde não está coberto pelo fotolito.

5- Aplique a tinta com um rodo ou puxador. Desse modo a tinta ‘vaza’ pelos furos em aberto. Isto é, pela parte escura da tela, em que está o fotolito.

Repita esse processo para cada cor que sua estampa tiver.

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

Camiseta estampada com serigrafia. Foto: Unsplash / Free to use Sounds

Ao final, você terá uma camiseta personalizada para usar ou então para começar um pequeno negócio online.

Para saber mais dicas sobre camisetas, estampas e tecidos, siga acompanhando o blog do Disque Camisetas!

Você sabe como funciona o processo de estampa em serigrafia (silk screen)?

Você já deve ter escutado aquele ditado que diz “uma imagem vale mais do que mil palavras” certo!? Pois é, no ramo da moda esse ditado faz ainda mais sentido. Além das cores e corte das roupas, uma estampa pode fazer toda a diferença em uma peça.

Porém existem várias técnicas para se estampar uma camiseta, boné ou qualquer outro item de moda. Na São José Confecções trabalhamos com transfer, sublimação bordados e serigrafia, conhecida também como silk screen, e é justamente sobre ela que iremos falar neste artigo.

Aqui você irá aprender o que é serigrafia, como funciona todo o processo de estampa por serigrafia e também quais são as vantagens de optar por ela na hora de estampar uma peça.

O que é serigrafia

Um processo de personalização que utiliza matrizes e tinta serigráfica, um tipo de tinta bem versátil e que pode ser aplicada em diversos tipos de materiais como tecidos, plásticos, madeiras, etc. Entretanto cada tipo de material exige um tipo de tinta serigráfica diferente.

Aqui na São José Confecções usamos a tinta à base de água, que é a mais indicada para aplicação em substratos têxteis como tecidos de algodão, mistos ou sintéticos.

Serigrafia é um processo desatualizado?

Jamais! A serigrafia é um dos métodos mais antigos para personalização, e ainda amplamente utilizada por ser um processo flexível, baixo custo e que permite produzir grandes quantidades de um mesmo produto rapidamente. A produção da São José Confecções chega a estampar até 10.000 peças por dia dependendo da arte, e produto a ser personalizado.

Como funciona o processo de estampa por serigrafia

Criação da arte, separação das cores e fotolitos

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

O processo de estampa em Silk-Screen começa com o designer, que irá produzir a arte a ser estampada em uma software de vetorização como o Illustrator ou o Coreldraw. Em seguida a arte é separada por cores pois a serigrafia exige que cada cor seja gravada em uma matriz diferente.

Após todo o trabalho do designer chega a hora da impressão, que começa com os fotolitos (conhecido por alguns como negativos). A qualidade da separação de cores e dos fotolitos vão interferir diretamente na qualidade da estampa.

Gravação de matrizes e preparação de insumos

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

Com os fotolitos impressos é hora de começar o processo que dá nome ao tipo de estampa. Tudo é enviado para a Serigrafia onde serão gravadas as matrizes. Essas matrizes são feitas de metal ou madeira com uma tela bem esticada onde é passada uma emulsão fotossensível que endurece onde o fotolito não está presente, permitindo assim que a arte do fotolito fique visível.

Feito isso começa a preparação do material a ser usado na estampa e também o registro das matrizes para que o encaixe fique perfeito e as misturas das cores também.

Impressão, secagem e cura das tintas

Chega o momento onde a arte feita no computador é transferida para a peça a ser estampada. Essa “mágica” pode ser feita de forma manual ou automática. 

Na manual um operador posiciona a matriz sob cada uma das peças e manualmente faz a transferência da arte da matriz para a peça. Já na automática, as peças são posicionadas em uma máquina que faz a impressão automaticamente em cada peça.

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

Após a arte ser impressa é feita uma pré-secagem com sopradores térmicos ou por iluminação, em seguida é feito o processo de cura, que no caso de tintas a base de água, como as que nós usamos aqui na São José Confecções, é feita em temperatura ambiente.

Limpeza

Com todas as peças devidamente impressas é iniciada a limpeza de todo o equipamento utilizado como matrizes e rodos, para que tudo esteja pronto para uma nova produção.

Vantagens e recomendações

A grande vantagem da Serigrafia ou Silk-Screen é o custo-benefício, pois trabalha com equipamentos e materiais que exigem um menor investimento e ao mesmo tempo oferece qualidade e durabilidade as estampas produzidas.

Leia também:  Como Saber Que Corte De Cabelo Combina Comigo?

Outra vantagem desse processo é o tempo de produção que é bem mais rápido que outros métodos para tiragens acima de 100 unidades.

O processo de serigrafia é recomendado para estampas com cores sólidas, sem degradês ou efeitos especiais. A quantidade de cores também interfere no custo da produção, pois é necessário uma matriz para cada cor presente na estampa.

A São José Confecções oferece a opção de estampa por serigrafia (silk-screen) e diversas outras. Escolha em nosso site o produto que deseja estampar e solicite um orçamento sem compromisso, teremos um imenso prazer em ajudá-lo.

O que é o Silk Screen? Como funciona?

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

Se você não tem nenhum conhecimento sobre a técnica de silk screen pode ficar assustado com o quão presente ela está no nosso dia a dia. Também conhecida como serigrafia, é uma das formas mais comuns e tradicionais de estamparia.

De modo simplificado, podemos dizer que a serigrafia é uma técnica de impressão gráfica onde a tinta é transferida para superfície a ser estampada através da pressão de um rodo sobre a tela que contém um tipo de estêncil da arte.

Originária no Japão, as primeiras telas desenvolvidas foram feitas de cabelo humano, mas foi com a seda que elas conquistaram o mundo, daí seu nome silk screen (tela de seda). Atualmente as telas são feitas de nylon e os diferentes tipos de tinta que podem compor o processo garantem uma alta qualidade e durabilidade da impressão.

Do ponto de vista mais técnico, o silk screen começa a partir de uma arte que vai definir o tamanho, quantidade de cores e localização da arte que será estampada na peça. Daí se originam os fotolitos que são basicamente como transparências de retroprojetor. É nesse momento que ocorre a separação de cores e a oficialização da arte para formar as estampas.

Exemplos de fotolitos. Transparências utilizadas para gravar as telas de silk.

Fotolitos gerados é a hora de criar as telas, também chamada de matrizes. Cada cor a ser transferida corresponde a uma matriz diferente, o que garante uma estampa rica em detalhes. Com um tecido esticado e preso a um quadro, uma emulsão fotossensível é espalhada por ele. O fotolito deve ser localizado sob ele e então exposto à uma fonte de luz.

Como se fosse um sanduíche onde os pães são a tela e a luz e o recheio o fotolito. As partes da transparência que não possuem cor endurecem o tecido quando a luz reage com a emulsão e se tornam impermeáveis. O resultado disso? A área da tela com a parte a ser pintada continua vazada e, assim, permite que a tinta seja transferida apenas naqueles espaços.

1) Reveladora fotossensível para telas. 2) Aplicação da tinta com o rodo. 3) Estampador movendo tela na mesa.

Além da qualidade e durabilidade já mencionadas antes, a serigrafia também se destaca por conseguir estampar materiais claros e escuros. Além disso, como uma mesma tela pode ser utilizada várias vezes, o seu custo de produção costuma ser mais baixo que as demais técnicas de estamparia.

Entendeu como funciona? Que tal desfilar por aí com aquela arte que você desenvolveu ou com aquele símbolo que você tanto gosta? Aqui na Malharia Tropical oferecemos suporte e produtos de qualidade para você que quer tanto uma peça personalizada, criativa, para vestir e dar identidade para a galera! Entre em contato com a gente para saber mais!

Estampa para nosso cliente @ressacadodiabo

Texto por: Laís Sinicio

Entenda Como Funciona a Serigrafia – (silk-screen)

Neste primeiro post sobre Design de Moda falaremos um pouco sobre a Serigrafia, ou silk-screen. Esta técnica consiste basicamente na impressão à base de estêncil na qual a tinta é forçada através de um crivo fino para o substrato abaixo dela. As telas foram feitas originalmente de seda e, por este motivo, o nome de origem grega – seri (seda) e gráfia (escrever ou desenhar). A palavra serigrafia pode ser usada como sinônimo de silk-creen, mas é muitas vezes utilizada para impressão de itens de produção em massa como camisetas, cartazes e canecas. Hoje, as telas são desenvolvidas em poliéster ou nylon, finamente tecidas.

Esta é uma técnica de impressão muito versátil e permite obter uma grande variedade de resultados. Os tons sutis com características de aquarela, por exemplo, bem como reproduzir a densidade e riqueza de cores da pintura a óleo. 

O processo de impressão consiste em vazar a tinta – pela pressão de um rodo ou puxador – através da tela previamente preparada. A tela (matriz serigráfica) é esticada em um bastidor (quadro) de madeira, alumínio ou aço. A matriz é gravada pelo processo de fotosensibilidade, onde é preparada com uma emulsão fotosensível e colocada sobre um fotolito e, posteriormente, sobre uma mesa de luz. 

Os pontos escuros do fotolito correspondem aos locais que ficarão vazados na tela, permitindo a passagem da tinta pela trama do tecido. Os pontos claros (onde a luz passará pelo fotolito atingindo a emulsão) são impermeabilizados pelo endurecimento da emulsão fotosensível exposta a luz.

Para cada cor de impressão é utilizada uma matriz, resultando em um impresso com grande densidade de cor, saturação e textura. 

Um pouco sobre a história

 

Serigrafia tem suas origens em estampas e gravuras da dinastia, por volta de 960 e 1.279 dC. Mais tarde, no século XV, os japoneses passaram a utilizá-la para transferir desenhos à tecidos de seda. 

Este processo chegou no Ocidente no final do século XVIII, mas só foi comercialmente utilizado no século XX, quando a malha de seda tornou-se mais acessível, possibilitando seu uso de forma lucrativa. 

Foram os europeus que utilizaram o processo de serigrafia pela primeira vez para impressão em papel de parede, feito de linho, seda e outros tecidos finos. Com a expansão do mercado, a técnica tornou-se mais refinada e hoje é considerada uma tecnologia industrial valiosa. 

  • Andy Warhol é considerado a primeira pessoa a popularizar a serigrafia como silk-creen.
  • Impressos serigráficos como obras originais
  • Impressos serigráficos são obras originais e não podem ser considerados reprodução.
  • Embora existam máquinas serigráficas automatizadas, o processo manual ainda é muito utilizado, principalmente por empresas de pequeno é médio porte.
  • Por este motivo, os profissionais gráficos, assim como artistas plásticos que utilizam esta técnica para impressão de projetos, a consideram como uma técnica que não permite reprodução, e sim a impressão de cópias sempre originais. 

Serigrafia O Que É E Como Funciona?

Os principais países que utilizam a técnica de silk-screen são os Estados Unidos, o México e a India, de acordo com o site americano Serigraph. Recursos técnicos, assim como químicos e capacitação profissional como especialistas e engenheiros de tinta, são especialmente importantes para apoiar e assegurar que as especificações exigidas para o projeto sejam cumpridas. 

  1. Os designers têm a função de auxiliar os clientes no desenvolvimento de layouts de alto impacto e soluções específicas para a impressão em serigrafia e, com isso, dar vida a produtos e marcas e permite trabalhar com grossas camadas de tinta e possui a maior tela de impressão do mundo.
  2. Bibliografia: 
  3. FESPA Brasil
Leia também:  Como Formatar Uma Partição Que Tem Windows Instalado?

Serigrafia – Wikipédia, a enciclopédia livre

 Nota: “”Silk”” redireciona para este artigo. Para o longa-metragem com Keira Knightley e Alfred Molina, veja Silk (filme).
A serigrafia

Serigrafia, silk-screen ou impressão a tela é um processo de impressão permeográfica de texto ou figura (gravura planográfica) em uma superfície, na qual a tinta é vazada, pela pressão de um rodo ou espátula, através de uma tela preparada.[1]

A serigrafia caracteriza-se como um dos processos da gravura, determinado de “gravura planográfica”.

Sem realização de cortes ou sulcos para retirada de matéria da matriz, sendo processo feito no plano, ou seja, na superfície da tela serigráfica que é sensibilizada por processos fotosensibilizantes e químicos.

O princípio básico da serigrafia é relacionado ao princípio do estêncil, uma espécie de máscara que veda áreas onde a tinta não deve atingir o substrato (suporte).[2]

A tela preparada (matriz serigráfica), normalmente de poliéster ou nylon, é esticada em um bastidor (quadro) de madeira, alumínio ou aço.

[3] Em seguida a tela de nylon é pintada com uma emulsão fotossensível e posteriormente, colocada sobre um fotolito (contendo em cor preta o texto ou figura a ser impresso) em uma mesa de luz.

[1] Os pontos escuros do fotolito correspondem aos locais que ficarão vazados na tela, permitindo a passagem da tinta pela trama do tecido, e os pontos claros (onde a luz passará pelo fotolito atingindo a emulsão) são impermeabilizados pelo endurecimento da emulsão fotossensível que foi exposta a luz.[4]

É possível imprimir em variados tipos de: materiais (papel, plástico, borracha, madeira, vidro, tecido, etc.), superfícies (cilíndrica, esférica, irregular, clara, escura, opaca, brilhante, etc.), espessuras ou tamanhos, com diversos tipos de tintas ou cores. De forma mecânica (por pessoas) ou automatizada (por máquinas).

O termo serigrafia (serigraph, em inglês) é creditado a Anthony Velonis, que influenciado por Carl Zigrosser, crítico, editor e nos anos 1940, curador de gravuras do Philadelphia Museum of Art, propôs a palavra serigraph (em inglês), do grego sericos (seda), e graphos (escrever), para modificar os aspectos comerciais associados ao processo, distinguindo o trabalho de criação realizado por um artista de um trabalho de uso comercial, industrial ou reprodutivo.

Velonis também escreveu um livro em 1939, intitulado Silk Screen Technique (New York: Creative Crafts Press, 1939) que foi usado como manual para divisões de posteres. Orientando os artistas da FAP sobre a técnica da serigrafia.

História

Loja de serigrafia (especializada em estampas indígenas), em Araxá.

Desde os tempos mais remotos, existe, no Oriente, o estêncil (pl. estênceis, em inglês stencil) para a aplicação de padrões (modelos, espaços sequenciais) em tecidos, móveis e paredes.

Na China os recortes em papel (cut-papers) não eram só usados como uma forma independente de artefato, mas também como máscaras para estampa, principalmente em tecidos.

No Japão o processo com estêncil alcançou grande notabilidade no período Kamamura quando as armaduras dos samurais, as cobertas de cavalos e os estandartes tinham emblemas aplicados por esse processo.

Durante os séculos XVII e XVIII ainda se usava esse tipo de impressão na estamparia de tecidos.

Aos japoneses é atribuída a solução das “pontes” das máscaras: diz-se que usavam fios de cabelo para segurar uma parte na outra.

No Ocidente registra-se no século passado, em Lyon, França, o processo (de máscaras, recortes) sendo usado em indústrias têxteis (impressão a la lyonnaise ou pochoir) onde a imagem era impressa através dos vazados, a pincel.

No início do século registravam-se as primeiras patentes: 1907 na Inglaterra e 1915 nos Estados Unidos, e o números de impressos comerciais cresceu muito. Na América, os móveis, paredes e outras superfícies eram decorados dessa maneira.

Foram raros os artistas que utilizaram o processo como ferramenta para a execução de gravuras, ou de trabalhos gráficos.
Theóphile Steinlein, um artista suíço que vivia em Paris no início do século (morreu em 1923) é um dos poucos exemplos do uso da técnica.

Neste período da grande depressão de 30, nos EUA os esforços do WPA – Federal Art Projects, estimularam um grupo de artistas encabeçados por Anthony Velonis a experimentar a técnica com propósitos artísticos.

Os materiais e equipamentos baratos, facilmente encontrados sem grandes investimentos foram algumas das razões que estimularam os artistas a experimentar o processo. Entre eles, citamos Bem Shahn, Robert Gwathmey, Harry Stenberg.

Tais artistas iniciaram um importante trabalho de transformar um meio mecânico, cujas qualidades gráficas se limitavam às impressões comerciais, numa importante ferramenta para desenvolver seus estilos pessoais. O sentido desse esforço inicial estendeu-se aos artistas dos anos 1950, incluindo os expressionistas abstratos e os action painters, como Jackson Pollock.

Até Marcel Duchamp, que não era exatamente um artista-gravador, nos deixou um auto-retrato de 1959, uma serigrafia colorida que está no MoMa (Museum of Modern Art, Nova Iorque).

No fim da segunda guerra mundial, quando os aviões americanos aterrizaram em Colónia (Alemanha), com suas fuselagens decoradas com emblemas e comics em serigrafia, surgiu o interesse europeu pela técnica.

As barreiras e definições estabelecidas que tratavam a serigrafia como “manifestação gráfica menor” só foram eliminadas no fim dos anos 1950, início dos 1960.

O grande responsável por isso foi o processo fotográfico utilizado através da serigrafia e novos conceitos e movimentos artísticos, além do avanço tecnológico (ver Pop art, Op art, Hard-edge, Stripe, Color-field, Minimal Art).

Os primeiros artistas que se utilizaram do processo procuravam tornar mais naturais e menos frias as impressões.

Foram ressaltados, entre outros, dois pontos básicos da técnica: (1) sua extrema adaptabilidade que permite a aplicação sobre qualquer superfície inclusive tridimensional, muito conveniente para certas tendências artísticas (2) e suas especificidades gráficas próprias, ou seja características gráficas que apenas a serigrafia pode proporcionar.

Da necessidade de artistas como Rauschemberg, Rosenquist, Warhol, Lichtenstein, Vasarely, Amrskiemicz, houve o desenvolvimento contemporâneo do processo em aplicações artísticas. Novos conceitos foram associados às idéias tradicionais e o estigma “comercial” da serigrafia tornou-se uma questão ultrapassada.

Ver também

  • Gravura
  • Acabamento
  • Gráfica
  • Flexografia
  • Impressão offset
  • Litografia
  • Parque gráfico
  • Pré-impressão
  • Rotogravura
  • Indústria gráfica

Referências

  1. a b «Como montar uma empresa de serigrafia». Ideias. SEBRAE.

    Consultado em 27 de abril de 2017 

  2. ↑ Serigrafia – como funciona esta técnica de impressão?
  3. ↑ «O que é Serigrafia?». Blog atualidade & inovação. Printi Web2Print 
  4. ↑ «Serigrafia: O que é?».

    Artigos cotidiano & bem-estar. Portal Educação – Tecnologia Educacional. 21 de junho de 2013. Consultado em 27 de abril de 2017 

Bibliografia

  • А. Парыгин: Искусство шелкографии. ХХ век. — СПб, 2010. — 304 с. (rus).
  • M. Caza: La Sérigraphie – Genève: Bonvent, 1973. (franc).
  • J. I. Bigeleisen: Screen Printing: A Contemporary Guide. – New-York, 1972. (ingl).
  • M. Guberti-Helfrich: Serigrafia per Artisti. – Milan, 1957. (ital).

Ligações externas

  • Who’s Who in Screenprinting (em inglês)
  • Parygin. The Art of Silkscreen. XX century (em inglês)

Obtida de “https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Serigrafia&oldid=59400799”

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*