Quando A Via Se Encontra Molhada, Como Devo Proceder Para Evitar A Hidroplanagem?

Quando A Via Se Encontra Molhada, Como Devo Proceder Para Evitar A Hidroplanagem?

Em dias chuvosos, é necessária maior atenção por parte do motorista, uma vez que o veículo pode derrapar, exigindo um espaço maior para frenagem, além de as poças de água encobrirem buracos que podem danificar o veículo. Contudo, outro problema comum quando a via está molhada é a aquaplanagem.

A aquaplanagem ocorre quando a água cria uma fina camada sobre a pista, fazendo com que os pneus percam atrito com o solo e o veículo deslize sem controle. Nem é preciso dizer que, se o motorista não reagir corretamente, pode causar um acidente grave.

Por isso, em dias chuvosos, trafegue sempre com velocidade reduzida – quanto menor a velocidade, maior o tempo para a água escoar pelos sulcos do pneu, evitando a aquaplanagem.

O carro aquaplanou: o que faço?

Se o veículo aquaplanar, a primeira coisa a se fazer é manter a calma e não pisar no freio bruscamente. Isso poderá causar o travamento das rodas, agravando a situação.

O correto é reduzir e velocidade gradativamente, aliviando a pressão no pedal do acelerador. Se o veículo possuir freios ABS (que evitam o travamento), freie progressivamente até que os pneus recuperem a aderência com o solo. Além disso, assegure-se de manter o volante na trajetória, mas sem movimentos bruscos que podem fazer o veículo rodar na pista.

Dá para evitar a aquaplanagem?

Algumas dicas simples podem reduzir a chance de aquaplanagem na pista molhada. A primeira é reduzir a velocidade, como já dito anteriormente. Sob chuva, dirija 30% abaixo da velocidade máxima permitida na via.

Outra dica é evitar frear e acelerar bruscamente, adotando sempre manobras suaves. O mesmo vale em curvas. Mantenha também uma distância maior do veículo à frente, observando o rastro dos pneus deixado por ele. Se o rastro se fechar muito rápido, é sinal de que há muita água na pista.

Lembre-se que, mesmo que seu veículo seja dotado de tecnologias como controle de tração e de estabilidade, para que eles funcionem, é preciso ter atrito dos pneus com o solo. Ou seja, em caso de aquaplanagem, eles só atuarão quando a aderência com o piso for retomada. Por fim, mantenha os pneus calibrados e em boas condições. Eles têm papel fundamental na aderência com a via.

Aquaplanagem: como evitar e reagir a ela?

Conduzir em dias chuvosos exige mais dos motoristas para manter a segurança nas vias e driblar possíveis situações de perigo, como a aquaplanagem.

Em dias assim, a visibilidade fica comprometida e existe uma menor aderência do carro no solo, o que deve ser motivo de atenção para todos. Afinal, evitar acidentes exige cuidados e é uma questão de direção defensiva.

  • Mas, quais são as ações que você pode tomar para evitar a aquaplanagem e reagir bem a ela?
  • É sobre isso que vamos falar agora!
  • Confira as dicas a seguir para dirigir com mais segurança e manter o controle do seu veículo, mesmo com água na pista.

Para início de conversa, o que é a aquaplanagem?

A aquaplanagem é um fenômeno físico, que acontece quando o carro perde o contato com o solo, por conta de uma camada de água que fica debaixo do pneu.

Quando isso acontece, o carro literalmente flutua, deixando o motorista vulnerável e sem controle do veículo.

Dois fatores costumam colaborar para que isso aconteça. O primeiro deles é a espessura da água e o segundo a velocidade do veículo.

Portanto, evitar acidentes e reagir corretamente a aquaplanagem depende principalmente da nossa conduta ao volante.

Dicas de direção defensiva em dias de chuva

Como você pode ver, a aquaplanagem é extremamente perigosa. Em especial, quando ela acontece nas quatro rodas, onde é possível perder totalmente o controle do veículo.

A boa notícia é que é possível se precaver a ela e ainda, minimizar os transtornos da aquaplanagem, caso isso venha acontecer com você.

O que fazer para evitar a aquaplanagem?

É normal que em dias de chuva a preocupação com acidentes aumente. Afinal, quando existe água na pista basta um descuido sequer para que o nosso carro colida com outro veículo. Ou ainda, soframos alguns danos ou corramos o risco de gerar algum atropelamento.

Por isso, a primeira coisa que temos de ter em mente é de que devemos dirigir em uma velocidade reduzida. Sempre respeitando os limites impostos na via.

Isso porque, quanto maior a velocidade do veículo e mais profunda for a lâmina d’água maior é o risco de aquaplanagem.

Fora isso, manter os pneus em bom estado de conservação, calibrados corretamente e fazer o rodízio deles a cada 5km são mais algumas das ações que precisam estar em dia.

E se, mesmo com todos os cuidados, ela acontecer com você?

Caso a aquaplanagem ocorra é importante que você mantenha a calma e esteja preparado para tomar a atitude correta!

Em primeiro lugar, reduza a velocidade e assim que sentir que o carro já não está mais no seu controle, tire o pé do acelerador.

É importante frisar que, em caso de aquaplanagem você jamais deve acionar o freio bruscamente. Se o veículo possuir sistema de ABS os efeitos de uma frenagem brusca serão minimizados.

  1. Tecnologias como essa, assim como pneus mais adequados, são bons ajudadores quando a intenção é aumentar a segurança no trânsito.
  2. Ainda assim, mantenha as mãos firmes no volante e não faça movimentos bruscos, para o seu carro não girar.
  3. Depois disso, permaneça assim por alguns instantes e ao perceber que os pneus voltaram a ter contato com a pista retome a condução normal.

E aí, gostou das dicas para evitar e reagir a aquaplanagem? Neste caso, que tal compartilhar essa informação com outras pessoas para que juntos possamos fazer do trânsito um local mais seguro? Abraços e até a próxima!

Aquaplanagem: como evitar e o que fazer caso aconteça

Dirigir é algo desafiador, mesmo os motoristas mais experientes podem encontrar dificuldades em diversas questões, como manobrar carros ou fazer uma baliza perfeita.

Além disso, há pontos extras que podem influenciar a dirigibilidade, por isso, conhecer os preceitos básicos da direção defensiva pode lhe ajudar a evitar muitos acidentes, e uma das maiores causas, principalmente em dias de chuva, é a aquaplanagem.

Você sabe o que é e como funciona a aquaplanagem? Basicamente, é quando o carro passa pelo asfalto molhado e, por alguns segundos, desliza sem que você tenha o mínimo controle do veículo. Ou seja, é quando acontece a perda de contato do veículo com o solo por conta da camada de água debaixo do pneu, o carro flutua e deixa o motorista totalmente vulnerável.

A aquaplanagem é interessante e extremamente perigosa, pois quando o veículo passa sobre a superfície com poças, forma-se uma espécie de onda à frente dos pneus. Em geral, quando o funcionamento do carro e dos pneus ocorre corretamente, a banda de rodagem rompe essa onda, devido à compressão.

No entanto, quando isso não ocorre, é porque a pressão do pneu é inferior à da água. Não havendo força suficiente para conseguir empurrá-la, então, o pneu perde o contato com o solo. Com isso já fica claro que fazer a calibragem dos pneus constantemente e corretamente é fundamental para a segurança.

E falando em segurança, algo que também não pode faltar é um seguro auto. Diante de tantos acontecimentos, deixar o seu carro desprotegido é uma atitude, no mínimo, imprudente.

No caso da aquaplanagem, por exemplo, o seu carro pode colidir com outros veículos, sofrer diversos danos, sem contar outros tipos de acontecimentos, como atropelamentos. Por isso, fazer um seguro de carro é essencial, você estará protegido de batidas, roubos, furtos, colisões com terceiros, além de ter coberturas caso sofra acidentes pessoais, danos materiais e muito mais.

Cote o seu seguro com a Minuto Seguros! Ligue para 0800 773 3000 e fale com um de nossos consultores.

Há a possibilidade de personalização de planos de acordo com as suas necessidades e perfil.

Leia também:  Como E Que Os Daltonicos Veem?

As cotações são feitas em mais de 10 seguradoras altamente reconhecidas do mercado de seguros do Brasil e certamente alguma terá um plano que vai te atender.

COTE SEGURO AUTO GRÁTIS

Falando em segurança, saber evitar a aquaplanagem é muito importante, pois você pode se precaver de diversos acidentes e acontecimentos desagradáveis com o carro. E saber o que fazer caso isso aconteça também é prudente. Hoje existem tecnologias que ajudam diretamente esse tipo de problema, como os freios ABS ou até mesmo pneus mais adequados.

A pressão correta dos pneus evita a aquaplanagem

Calibrar os pneus corretamente é o primeiro passo para evitar esse fenômeno. Um indicativo que precisa ficar atento é: se a pressão dos pneus estiver 30% abaixo do recomendado pelo fabricante, a probabilidade de sofrer a aquaplanagem aumenta muito.

Uma dica válida na hora de calibrar os pneus é fazer isso no momento em que os pneus estiverem frios. O ideal é não rodar mais do que 3 quilômetros em velocidade baixa para realizar o procedimento.

Um pneu quente aumenta a calibragem. Por exemplo, se você coloca 30 libras com o pneu e ele não estiver frio, a pressão tende a chegar até a 40.

Pneus gastos é sinônimo de aquaplanagem

Quando os pneus estão muito gastos, praticamente não existem mais ranhuras, ou seja, ele perde totalmente a capacidade de drenar a água. Isso impacta significativamente caso a superfície esteja com poças de água. Quanto mais liso o pneu estiver, as as chances de acontecer uma aquaplanagem são bem maiores.

Faça uma boa análise dos pneus e troque sempre que necessário. Assim como os freios, os eles estão ligados diretamente à segurança que o carro transmite a você.

O que fazer para evitar a aquaplanagem

Não ande em velocidades muito altas! Essa é a principal dica para evitar que aconteça a aquaplanagem, mesmo com pneus em ótimas condições, pois quanto maior a velocidade do carro e mais profunda for a poça de água, a chance de acontecer aumenta.

Portanto, quando há muita chuva, mantenha uma velocidade segura, no qual você esteja com o controle absoluto do carro e não corra riscos desnecessários. Antever o problema é outra dica: quando perceber uma poça à frente, reduza a velocidade e não acione nem o acelerador, nem o freio. Apenas mantenha-se com as mãos bem firmes na direção.

É importante lembrar que deve-se evitar pneus mais econômicos e de marcas desconhecidas. Isso tem influência no comportamento do carro: no piso seco podem até cumprir com a função correta, mas no molhado costumam oferecer pouca ajuda e a aquaplanagem pode tornar-se corriqueira.

Se são econômicos é porque, em linhas gerais, poupam em desenvolvimento. Para quem gosta de compras pela internet, há dicas importantes para comprar pneus online, como o modelo correto para o seu carro.

O que fazer caso aconteça?

Se mesmo depois de todos esses cuidados, você ainda se sentir inseguro e com medo de sofrer uma aquaplanagem, há algumas outras medidas essenciais a serem tomadas. Primeiramente, reduza a velocidade e assim que você sentir que o carro não está mais no seu controle, tire o pé do acelerador.

É importante ressaltar que você não deve jamais pisar no freio durante a aquaplanagem. A probabilidade do carro girar ao acionar o freio é gigantesca.

Mantenha as mãos firmes no volante para que o veículo não rode, pois, qualquer movimento brusco pode causar isso. Após alguns segundos, mexa levemente o volante para os lados para sentir se o carro já passou pela poça, mas, novamente, não faça movimentos rápidos.

Agora, se a aquaplanagem acontecer numa curva, mantenha o volante voltado para traçar a curva em que você estiver fazendo e não vire mais até recuperar o controle do carro, espere que o caminho se complete para fazer mudanças de direção. Mantenha-se calmo, pois essa situação em sinuosidades, em geral, é um pouco mais complexa do que em retas.

3.33 / 9 votos

Escola de Condução Invicta – Condições Climatéricas e Ambientais Adversas

Principais Comportamentos a Adoptar

O condutor deve adaptar a velocidade de circulação às características do veículo, da via, às condições climatéricas e ambientais.

Se estiver a chover, ou se existirem poças de água na via, o condutor deverá circular a velocidade moderada. Desta forma poderá parar com segurança.

Relativamente às poças de água, o condutor deve ter o máximo cuidado por vários motivos:

  • Para não molhar os peões que circulam nos passeios perto da via.
  • Para que o veículo não se desvie da sua trajectória por ter passado por uma poça mais profunda do que previa.
  • Deve ter especial cuidado porque pode não se aperceber da profundidade ou das características dessa poça.
  • Depois de passar por um troço cheio de água, deve verificar a eficácia dos travões.

Quanto maior for a velocidade do veículo em pavimento molhado, as rodas empurram à sua frente a água que está no pavimento, provocando o que se chama aquaplanagem ou hidroplanagem. Nestas circunstâncias a segurança do veículo está seriamente comprometida, podendo derrapar e despistar-se.

Aquaplanagem

A aquaplanagem é a perda de aderência, resultante da formação de uma camada de água sobre a qual os pneus deslizam, produzindo um efeito semelhante ao de uma camada de lubrificante.

Isto acontece quando a velocidade é excessiva e as rodas não têm tempo para desalojar a água existente no pavimento e patinam sobre a sua superfície, o que faz perder quase completamente o domínio da direcção e dos travões.

Quando há geada ou está a nevar, cria-se uma camada de gelo vidrado sobre o pavimento, que o torna escorregadio quando sobre ele circula o veículo. Para permitir que o veículo possa rodar sobre a neve ou gelo, tem que se envolver as rodas motoras do veículo em correntes próprias para que se possam cravar e agarrar no gelo ou neve.

Nestas situações, deve-se levantar o pé do acelerador, não se deve travar nem mover o volante, esperando que o veículo diminua de velocidade e os pneus voltem a tomar contacto com o pavimento.

Quando estiver a chover ou o pavimento ainda continuar molhado, o condutor deve:

  • Reduzir a velocidade, adaptando-a às condições de aderência e de visibilidade.
  • Aumentar a distância de segurança.
  • Prever uma distância de travagem maior (a distância de travagem aumenta aproximadamente 50%).
  • Evitar acelerações e travagens bruscas.

Condução em Piso Molhado

Verifique regularmente os pneus…

Verifique sempre os pneus antes de seguir viagem. Não se esqueça de efectuar a seguinte manutenção de rotina:- Mantenha os pneus com a pressão de ar correcta. A pressão de ar correcta para os seus pneus está especificada pelo fabricante do veículo e está indicada na soleira da porta do veículo e na tampa do porta-luvas ou tampa do depósito de combustível.

Também se encontra no manual de instruções. O número indicado no flanco do pneu não é a pressão de ar recomendada para o seu pneu, é a pressão de ar máxima para o pneu. Deve verificar a pressão de ar dos pneus pelo menos uma vez por mês. Verifique a profundidade do piso dos pneus. A profundidade correcta do piso irá impedir as derrapagens e a aquaplanagem.

Leia também:  Como Saber Quem É A Sua Alma Gemea?

Reduza a velocidade.

À medida que a chuva vai caindo, esta vai-se misturando com a sujidade e óleo depositados na estrada, criando condições de aderência precária propícias a derrapagens. A melhor forma de evitar as derrapagens é reduzir a velocidade. A condução a uma velocidade menor permite que uma maior superfície do piso do pneu esteja em contacto com a estrada, possibilitando uma melhor tracção.

Saiba como recuperar de uma derrapagem.

As derrapagens podem acontecer mesmo aos condutores mais cautelosos. Se o seu automóvel derrapar, lembre-se de não carregar a fundo no travão. Não bombeie os travões se o seu automóvel estiver equipado com um sistema de travagem anti-bloqueio (ABS). Em vez disso, exerça uma pressão firme e constante nos travões e vire o automóvel na direcção da derrapagem.

Mantenha uma distância segura para o veículo que segue à sua frente.

A condução em piso molhado exige uma utilização suave de todos os comandos principais:- Direcção, embraiagem, travões e acelerador, e uma maior tolerância para erros e emergências.

Quando inicia uma viagem com chuva, os seus sapatos estão molhados e podem facilmente escorregar dos pedais. Limpe as solas nos tapetes de borracha do automóvel antes de colocar o motor em funcionamento.

Todos os condutores devem verificar regularmente se os faróis, luzes traseiras, luzes de stop e indicadores de mudança de direcção estão a funcionar correctamente. A distância de travagem é três vezes maior em piso molhado do que em piso seco.

Uma vez que é necessária mais distância para travagem, é importante não ir muito junto ao veículo que segue à sua frente. Mantenha um pouco mais do que o comprimento de dois automóveis entre si e o veículo que segue à sua frente.

Conduza no rasto dos pneus do veículo que segue à sua frente.

Evite utilizar os travões. Sempre que possível, reduza a velocidade retirando o pé do acelerador. Acenda os faróis, mesmo com chuva ligeira. Não só o ajudam a ver a estrada, mas também ajudam os outros condutores a vê-lo. Se o seu automóvel estiver equipado com luzes de condução diurna, deve acendê-las para que os veículos que seguem atrás de si possam vê-lo melhor.

Prepare-se para a viagem.

A condução em piso molhado exige uma utilização suave de todos os comandos principais:- Direcção, embraiagem, travões e acelerador e uma maior tolerância para erros e emergências.

Quando inicia uma viagem com chuva, os seus sapatos estão molhados e podem facilmente escorregar dos pedais. Limpe as solas nos tapetes de borracha do automóvel antes de colocar o motor em funcionamento.

Todos os condutores devem verificar regularmente se os faróis, luzes traseiras, luzes de stop e indicadores de mudança de direcção estão a funcionar correctamente.

Aprenda a evitar e lidar com a aquaplanagem.

A aquaplanagem acontece quando a água à frente dos pneus se acumula mais rapidamente do que a capacidade do peso do seu automóvel em empurrá-la para fora do caminho. A pressão de água faz com que o automóvel suba e deslize sobre uma fina camada de água entre os pneus e a estrada.

Nesta altura, o automóvel pode perder totalmente o contacto com a estrada e o condutor corre perigo de derrapar ou de sair da faixa, ou mesmo da estrada. Para evitar o aquaplaning, mantenha os pneus com a pressão de ar correcta, mantenha um bom piso nos pneus e substitua-os quando necessário, reduza a velocidade e mantenha-se afastado das poças de água.

Tente conduzir nos rastos dos pneus dos automóveis que seguem à sua frente. Caso verifique a ocorrência de aquaplaning, não trave ou vire o volante repentinamente. Isso pode provocar uma derrapagem do automóvel. Solte ligeiramente o pedal do acelerador até que o automóvel reduza a velocidade e volte a sentir a estrada.

Se precisar de travar, faça-o suavemente, bombeando os travões ligeiramente. Se o seu automóvel estiver equipado com ABS, trave normalmente; o computador do automóvel irá reproduzir a acção de bombagem, sempre que necessário.

Se a chuva passar a ser muito intensa, pare o automóvel!

A chuva forte pode sobrecarregar as escovas do limpa pára-brisas, permitindo uma camada de água quase contínua sobre o pára-brisas.

Quando a visibilidade é tão limitada que as bermas da estrada ou os outros veículos não puderem ser vistos a uma distância segura, deve parar o automóvel e esperar que a chuva passe. É melhor parar nas áreas de repouso ou noutras áreas abrigadas.

Se a berma da estrada for a sua única opção, afaste-se o máximo possível da faixa de rodagem e aguarde até que a tempestade passe. Mantenha os faróis acesos e acenda as luzes de emergência para alertar os outros condutores.

As primeiras chuvas tornam o piso muito escorregadio.

As primeiras chuvas fazem sempre com que a estrada esteja muito difícil de conduzir, uma vez que a lama e o óleo se misturam com a água, formando uma camada bastante escorregadia. É provável que os condutores sintam um menor controlo e são aconselhados e terem cuidados redobrados na primeira meia hora após o início da chuva.

  • O céu nublado reduz a visibilidade.
  • Tenha especial cuidado quando ultrapassar outros veículos.
  • Seque os travões depois de conduzir através de água acumulada na estrada.
  • Se tiver conduzido através de água acumulada suficientemente profunda para molhar as pastilhas dos travões, accione os travões ligeiramente para secá-las.
  • Não conduza com cansaço.
  • Pare o automóvel pelo menos de 2 em 2 horas ou de 160 em 160 quilómetros para descansar.
  • Como Evitar a Derrapagem
  • Sempre que em circunstâncias especiais reduzam excessivamente a aderência dos pneus ao pavimento, a condução exige algumas precauções especiais para evitar a derrapagens, entre as quais se recomenda que o condutor:
  • Movimente o volante da direcção com maior suavidade possível.
  • Não acelere nem desacelere com brusquidão.
  • Quando pretender parar o veículo, em vez de fazer uma travagem forte e contínua, faça uma série de pequenas e suaves travagens para evitar o bloqueio das rodas (actualmente os veículos estão equipados com ABS que evita este perigoso efeito).
  • Utilize velocidades de menor andamento, de modo a reduzir ao mínimo o uso dos travões.
  • Depois de reduzir de velocidade na caixa de velocidades, não solte o pedal da embraiagem repentinamente.

As derrapagens iniciam-se com os movimentos bruscos da direcção, dos travões e das acelerações do motor. Este perigo agrava-se quando a velocidade for exagerada. Se todas as acções da condução forem suaves, o perigo de derrapar é mínimo.

Como Corrigir a Derrapagem

Não existem soluções infalíveis que permitam corrigir o efeito produzido por uma derrapagem, mas os condutores com mais experiência concordam que, por vezes é possível conseguir a sua neutralização se, nesse momento, forem cumpridas algumas regras, nomeadamente:

  • Deixar de travar (embora exista sempre tendência para fazê-lo).
  • Não desembraiar (para que o motor prenda as rodas).
  • Rodar o volante para o mesmo lado que desliza a retaguarda do veículo.
  • Logo que o veículo comece a normalizar a sua trajectória, rodar o volante suavemente no sentido oposto para evitar uma segunda derrapagem em sentido contrário.

A derrapagem é uma situação anormal muito difícil de corrigir pelo que, é mais fácil e prudente evitar as razões que dão origem à mesma.

Neve e Gelo

A queda de neve reduz a visibilidade. Assim para melhor ver e ser visto, o condutor deve utilizar as luzes de cruzamento (médios) e, no caso de redução significativa da visibilidade, as luzes de nevoeiro à retaguarda.

Leia também:  Mulher Que Gosta De Mulher Como Chama?

À frente o condutor pode utilizar as luzes de nevoeiro, em substituição ou para complementar as luzes de cruzamento.

O condutor deve ainda utilizar o sistema de ventilação (para evitar o embaciamento dos vidros) e, quando necessário, os limpa pára-brisas.

A presença de neve ou gelo sobre o pavimento, torna-o escorregadio, provocando assim, uma redução muito grande da aderência que, por vezes, chega a ser quase nula.

Nestas circunstâncias, o condutor deve:

  • Reduzir a velocidade, adaptando-a às condições de aderência.
  • Aumentar a distância de segurança.
  • Prever as paragens com bastante antecedência.
  • Evitar acelerações e travagens bruscas.
  • Verificar se existe sinalização que obrigue ou aconselhe à utilização de correntes de neve.

O condutor não se apercebe com antecedência da presença de gelo sobre o pavimento, motivo pelo qual deve estar especialmente atento, sobretudo quando circula em zonas habitualmente favoráveis à formação do mesmo.

Vento

O vento é a deslocação do ar atmosférico que, conforme a sua intensidade, pode influenciar a normal trajectória do veículo.A maior ou menor influência do vento sobre a trajectória dos veículos, faz-se sentir em função da velocidade a que circulam, das suas dimensões e da carga que eventualmente transportem e o seu acondicionamento.

O vento lateral forte provoca desvios de trajectória, especialmente quando se passa de zonas abrigadas para descampadas, ou quando de ultrapassa ou cruza com outro veículo. O condutor para atenuar os efeitos provocados pelo vento, deve:

  • Reduzir a velocidade.
  • Segurar com mais firmeza o volante.
  • Estar especialmente atento, pois o vento forte pode arrancar ramos das árvores ou deslocar os mais diversos objectos.
  • Deixar um espaço lateral maior na ultrapassagem ou cruzamento com veículos de duas rodas.

Condução Nocturna

A condução nocturna é necessariamente diferente da condução diurna; é de noite que há mais riscos de ocorrência de acidentes. A condução nocturna resulta da conjugação dos seguintes factores:

  • O condutor
  • O veículo
  • Os outros utentes da via
  • As condições ambientais
  • Meio circundante

Assim, à noite, a maior monotonia da condução, a menor visibilidade (da estrada, das vias e dos outros utentes), a possibilidade de encandeamento e a diferente relação acção/reacção, são os factores que mais influenciam o condutor.No que respeita ao veículo, as alterações do sistema de iluminação e a diminuição da capacidade da mesma podem influenciar negativamente a condução nocturna.

Quanto às condições ambientais, aos outros utentes e ao meio circundante, o nevoeiro, a pluviosidade intensa, a deficiente iluminação das localidades, a fraca visibilidade das bermas, dos peões e dos veículos de duas rodas, são os factores a ter em conta quando se conduz à noite.

Para manter uma condução nocturna segura, o condutor deve seguir as seguintes indicações:

  • Reforçar o cuidado evitando ingerir bebidas alcoólicas, e dar maior atenção ao seu estado de fadiga.
  • A acuidade visual nocturna está reduzida.
  • Deve verificar o sistema eléctrico do seu veículo e o estado de limpeza do pára-brisas, espelhos retrovisores e faróis.
  • Deve reduzir a velocidade nas localidades e se as condições atmosféricas o exigirem.
  1. Aurora e Crepúsculo
  2. No período em que o sol se apresenta na linha do horizonte, vulgarmente designado como “pôr do sol” ou “nascer do sol”, se a luz solar incidir directamente nos olhos do condutor, este tem enorme dificuldade em observar os pormenores envolventes, os obstáculos existentes na via e ainda em calcular a distância que o separa dos outros veículos.
  3. Nestas situações o condutor:
  • Pode atenuar estes efeitos, utilizando dispositivos apropriados (palas) ou óculos de sol apropriados.
  • Deve reduzir a velocidade, adaptando-a às condições de visibilidade.
  • Não deve efectuar ultrapassagens que exijam a utilização da parte da faixa de rodagem destinada ao trânsito de veículos em sentido contrário, porque pode não dispor de visibilidade suficiente para realizar a manobra em segurança.

Encandeamento – Causas e Comportamentos

O encandeamento consiste numa diminuição da visão pelo facto dos olhos receberem um excesso de luz. Pode ser originado:

  • Pelas luzes de outro veículo que circula em sentido contrário, principalmente se circula com os máximos ligados, ou se as suas luzes estão mal reguladas.
  • Pelo reflexo no espelho retrovisor interior das luzes dos veículos que seguem na traseira.
  • Pelo sol, reflectindo em superfícies brilhantes, como superfícies de gelo, ou poças de águas, ou mesmo pelo sol reflectido no pavimento em certos dias de Verão.

Em caso de encandeamento provocado pelos faróis de outro veículo, o condutor deve evitar olhar para a luz que o incomoda, desviando o olhar para o pavimento. Deve reduzir a velocidade, ou se necessário encostar à berma e parar, tendo no entanto a preocupação de verificar se existem peões ou motociclistas que possam ser perturbados.

Se for encandeado pelo retrovisor, deve redireccioná-lo rapidamente para deixar de ter essa luz nos olhos.

Se for encandeado pelo sol, deve orientar adequadamente as palas de protecção do sol, e se necessário colocar óculos de sol.

Como Conduzir o Carro em Casos de Aquaplanagem?

Em dias de chuva forte é naturalmente mais difícil e perigoso de conduzir o carro. O motorista precisa ter certa experiência e manter a aceleração em um nível que dê total controle sobre o veículo. Tudo para que não ocorra, entre outros fenômenos, o da aquaplanagem.

O que exatamente é a aquaplanagem?

Você está dirigindo na chuva, as ruas estão com o famoso “espelho d’água” e, de repente, ao passar em um deles, seu veículo não responde mais aos comandos da direção. Esse é um típico caso de aquaplanagem e é um dos principais problemas com o carro na estrada. Mas afinal, o que exatamente acontece nesta situação?

O que ocorre é que, devido à alta velocidade, o atrito do pneu com o chão ocorre em intervalos menores, ou seja, a área de contato fica menos tempo unida ao asfalto. Ao passar por uma espessa camada de água na pista, o pneu tende a perder o atrito com a pista e desliza sobre a superfície da água.

Ainda que o pneu esteja em bom estado, ele não impede que isso aconteça e nesse momento você precisa saber como agir para manter o controle do veículo.

Como conduzir o automóvel no caso de hidroplanagem?

Deve-se, acima de tudo, ir contra o instinto desesperado de frear o carro. Ao brecar, o carro perderá o equilíbrio e sairá rodando, o que pode causar acidentes graves. Também não se deve tentar virar a direção, pois o esforço será em vão e pode piorar ainda mais o controle do veículo.

O ideal é segurar a direção na mesma linha e desacelerar aos poucos, retirando o pé do acelerador sem pressionar o freio. Dessa maneira, o controle do carro será retomado e nada ruim acontecerá.

Como evitar que seu carro plane na água

Existem algumas atitudes e cuidados simples que você pode tomar para evitar esse fenômeno, confira!

Dirija com pneus calibrados e em bom estado

O pneu tem uma estrutura chamada de “íncavo”, que são canais marcados na borracha que auxiliam no escoamento da água. Com um pneu careca, essas estruturas ficam menos evidentes e não fazem seu trabalho corretamente.

Além disso, sem as ranhuras o pneu perde naturalmente o atrito com o asfalto, o que se agravará ainda mais durante um incidente de hidroplanagem.

Mantenha uma velocidade estável

Em caso de enchentes, é importante não querer acelerar muito. Para evitar a aquaplanagem, o ideal é manter o velocímetro de 70km/h para baixo. Dessa maneira, dificilmente seu carro planará.

Para mais dicas sobre direção e o mundo automotivo acompanhe o blog do Despachante.com!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*