Qual A Validade Dos Exames Nacionais Como Provas De Ingresso?

Qual A Validade Dos Exames Nacionais Como Provas De Ingresso?

A inscrição para a realização dos exames finais nacionais do secundário 2020/2021, é efetuada através da plataforma de inscrição eletrónica em provas e exames, disponível em https://jnepiepe.dge.mec.pt e decorre nos seguintes prazos:

1ª FASE

  • PRAZO NORMAL: de 24 de Março a 15 de Abril de 2021Nota Importante: A 1.ª fase dos Exames Finais Nacionais dos 2º e 3º anos dos Cursos Profissionais, tem caráter obrigatório para todos os alunos.

2ª FASE

  • PRAZO ÚNICO2 a 6 de Agosto de 2021
  • Nota Importante: Podem realizar exames finais nacionais na 2.ª fase, os alunos que pretendam realizar melhoria de nota em qualquer disciplina cujo exame tenham realizado na 1.ª fase, no mesmo ano escolar, relevando o seu resultado apenas como classificação de prova de ingresso.
  • Documento a ser submetido aquando da inscrição através da plataforma de inscrição eletrónica em provas e exames, pelos alunos dos 3º anos do Ensino Profissional:
  • IMPORTANTE
  • Os alunos dos cursos profissionais da OFICINA realizam a inscrição em exames finais nacionais em escola pública e submetem documento comprovativo de conclusão do curso, emitido pela respetiva escola ou outra entidade formadora, ou declaração em como se encontram a frequentar os cursos, a qual deve também especificar a data prevista para a sua conclusão.

Na submissão da inscrição na plataforma disponível em https://jnepiepe.dge.mec.pt, a identificação da escola pública de inscrição corresponde a uma escola da sua área de residência ou do seu local de trabalho, mediante comprovativo.

  1. Podem apresentar-se aos exames finais nacionais, independentemente da oferta educativa ou formativa frequentada, os alunos que realizam exames finais nacionais nas disciplinas que elejam como provas de ingresso.
  2. Os alunos dos cursos profissionais realizam exames finais nacionais nas disciplinas que elejam como provas de ingresso, independentemente do ano, do curso ou percurso de formação que frequentam, devendo, contudo, ser acautelada a validade dos exames a utilizar como provas de ingresso.
  3. Mais informações sobre os Exames Nacionais e Acesso ao Ensino Superior:

https://www.dges.gov.pt/pt

Homepage

Qual A Validade Dos Exames Nacionais Como Provas De Ingresso?

Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior

Contigente Geral

Para concorrer ao concurso nacional são abrangidos todos os estudantes que

  • tenham a nacionalidade portuguesa,
  • sejam nacionais de um estado membro da União Europeia,
  • vivam no país legalmente há mais de 2 anos (pode ser também o pai ou a mãe que vivam em Portugal há mais de 2 anos e cujos filhos passem a residir com eles), 

se incluir-se num destes casos, poderá candidatar-se ao concurso nacional.

Pode apresentar-se ao concurso o candidato que satisfaça cumulativamente as seguintes condições:

  • Ser titular de um curso de ensino secundário português ou de habilitação legalmente equivalente;
  • Realizar, ou ter realizado nos últimos dois anos, os exames nacionais correspondentes às provas de ingresso exigidas para os diferentes pares instituição/curso a que vai concorrer;
  • Ter obtido em cada uma das provas de ingresso fixadas para esse par instituição/curso a classificação mínima fixada;
  • Ter satisfeito e ou realizado, conforme os casos, os pré-requisitos fixados para ingresso nesse par estabelecimento, se exigidos;
  • Ter obtido, na nota de candidatura, a classificação mínima fixada.

Estas condições são divulgadas anualmente no Guia de Candidatura, assim como o número de vagas a abrir para cada curso em cada instituição de Ensino Superior.

O concurso nacional realiza-se no final do ano lectivo e organiza-se em três fases, segundo o calendário anualmente aprovado. Para tal, o candidato deverá efectuar a sua candidatura.

  • Provas de Ingresso e Exames Nacionais
  • Para o ingresso ao Ensino Superior é necessário realizar os exames nacionais correspondentes às provas de ingresso exigidas para os diferentes pares instituição/curso que pretende concorrer.
  • Em relação à sua validade, os exames nacionais podem ser utilizados como provas de ingresso no ano da sua realização e nos dois anos seguintes.
  • Pré-requisitos

Os pré-requisitos são condições de natureza física, funcional ou vocacional que assumem particular relevância para acesso a determinados cursos do Ensino Superior.

Pré-requisitos que exigem a realização de provas de aptidão física, funcional ou vocacional Grupos C, G, I, K, M, P, R, V, Y e Z É gerada uma Ficha Pré-requisitos cujo código de activação deverá ser utilizado no acto de candidatura.
Pré-requisitos que são de comprovação meramente documental Grupos A, B, D, E, F, Q, U e X Entregue pelo candidato no acto da matrícula e inscrição no Ensino Superior, no pares instituição/curso que os exige, caso ali venham a obter colocação

Mais informações, consulte: http://www.dges.mec.pt/guias/preq.asp

  1. Vagas
  2. As vagas para cada curso em cada instituição de ensino superior são fixadas anualmente pelas próprias instituições, tendo em consideração os recursos de cada uma e subordinadas às orientações gerais estabelecidas pelo Ministro da Educação e Ciência, e divulgadas no portal da Direção-Geral do Ensino Superior antes do início da candidatura e através do Guia da Candidatura ao Ensino Superior Público e do Guia da Candidatura ao Ensino Superior Privado e Universidade Católica Portuguesa.
  3. Calendário
  4. O concurso nacional realiza-se no final do ano lectivo e organiza-se em três fases, segundo o calendário anualmente aprovado pela DGES.

Os candidatos poderão concorrer a várias fases do concurso. Contudo, é importante realçar que a colocação na 2ª ou na 3ª fases anula automaticamente a matrícula / inscrição da fase anterior.

  • Horário de atendimento em período de candidaturas: 10:00 — 16:00 (Sala 0S2)
  • Candidatura
  • De modo geral, o candidato deverá reunir os seguintes documentos para efectuar a sua candidatura:
  • Senha de Acesso (o pedido deverá ser feito em https://www.dges.mctes.pt/online/)
  • Ficha ENES (válida apenas no ano de candidatura)
  • Ficha de Pré-requisitos (se o curso que pretender os exigir)
  • Identificação – Bilhete de Identidade ou Cartão de Cidadão (se o candidato for menor será necessária a identificação da pessoa que demonstra exercer o poder paternal ou tutelar).
  1. No concurso nacional pode-se concorrer até seis pares instituição/curso, isto é, seis combinações diferentes de instituições e cursos, os quais se indica por ordem de preferência.
  2. No Guia de Candidatura ao Ensino Superior encontrará informações acerca da oferta formativa e condições de acesso.
  3. O Guia de Candidatura ao Ensino Superior Público é disponibilizado, pela Direção-Geral do Ensino Superior, anualmente.
Leia também:  Como Descobrir Quanto Ganha Um Youtuber?

CdP — Perguntas frequentes sobre a candidatura ao Ensino Superior

Conheça as respostas às perguntas mais frequentes sobre o Ensino Superior

1. Quem pode candidatar-se à matrícula e inscrição no ensino superior?2. Quais os cursos do ensino secundário que facultam o acesso ao ensino superior?3.

Que curso do ensino secundário (ou disciplinas) é necessário ter para concorrer ao ingresso num determinado curso do ensino superior?4. O que são as provas de ingresso?5. O que são os pré-requisitos?6. O que é a nota de candidatura?7. Como se calcula a nota de candidatura?8.

Como é feita a ordenação dos candidatos a cada curso?9. O que é necessário para me candidatar ao ensino superior particular e cooperativo?

1. Quem pode candidatar-se à matrícula e inscrição no ensino superior?

  • Podem candidatar-se ao ingresso num determinado curso e estabelecimento de ensino superior, em 2007, os estudantes que satisfaçam as seguintes condições:
  • • Ter aprovação num curso do ensino secundário
  • ou habilitação legalmente equivalente
  • • Ter realizado, em 2007, as provas de ingresso
  • exigidas por esse curso nesse estabelecimento
  • e ter nessas provas uma classificação igual ou superior à classificação mínima por
  • ele fixada
  • • Satisfazer os pré-requisitos
  • caso sejam exigidos por esse curso nesse estabelecimento
  • • Ter uma nota de candidatura igual ou superior ao valor mínimo fixado
  • pela instituição de ensino superior

2. Quais os cursos do ensino secundário que facultam o acesso ao ensino superior?

Todos os cursos do ensino secundário (12.º ano) e os cursos que a lei define como equivalentes facultam o acesso ao ensino superior.

A titularidade de um curso de ensino secundário pode também ser obtida através de equivalência de outras habilitações, nomeadamente estrangeiras.

3. Que curso do ensino secundário (ou disciplinas) é necessário ter para concorrer ao ingresso num determinado curso do ensino superior?

  1. Qualquer curso do ensino secundário permite concorrer ao ingresso em qualquer curso do ensino superior.
  2. No actual sistema de acesso ao ensino superior não é necessário ter um determinado curso do ensino secundário para concorrer a um determinado curso do ensino superior.
  3. Também não é necessário ter cumprido, no curso do ensino secundário, um determinado plano curricular para concorrer a um determinado curso do ensino superior.
  4. Naturalmente, os estudantes que pretendem vir a ingressar no ensino superior devem fazer a escolha do curso do ensino secundário mais adequado aos cursos superiores a que se pretendem candidatar, escolhendo um curso onde sejam ministradas as disciplinas:
  • Que estão fixadas como provas de ingresso dos cursos a que pretendem vir a concorrer;
  • Que, mesmo que não estejam fixadas como provas de ingresso, sejam especialmente importantes para a frequência desses cursos.

4. O que são as provas de ingressso?

  • As provas de ingresso para acesso a um curso num determinado estabelecimento de ensino superior são as provas definidas por este para, com base nas classificações obtidas em exame nacional e em combinação com outros factores, seleccionar e seriar os candidatos ao ingresso nesse curso.
  • As provas de ingresso cujos exames nacionais o estudante terá de realizar para a candidatura a cada curso, em cada estabelecimento de ensino superior, são propostas pelo próprio estabelecimento.
  • Para cada um dos seus cursos, cada estabelecimento de ensino superior fixa:
  • • no mínimo uma e no máximo duas provas de ingresso;
  • • uma classificação mínima nos exames prestados como provas de ingresso.
  • Cada estabelecimento de ensino superior pode ainda decidir que os estudantes titulares de determinados cursos não portugueses legalmente equivalentes ao ensino secundário português
  • possam apresentar os exames finais desses cursos.
  • O exame nacional da prova de ingresso só será válido para efeitos de acesso ao ensino superior se a sua classificação for igual ou superior ao valor fixado.

5. O que são os pré-requisitos?

Os pré-requisitos são condições de natureza física, funcional ou vocacional que assumem particular relevância para acesso a determinados cursos do ensino superior.

Compete a cada estabelecimento de ensino superior decidir se a candidatura a algum dos seus cursos deverá estar sujeita à satisfação de pré-requisitos e fixar o seu conteúdo.

  • Os pré-requisitos que se destinam à selecção dos candidatos são eliminatórios e têm um resultado expresso em APTO ou NÃO APTO. O estudante que seja considerado NÃO APTO nos pré-requisitos de um curso não poderá concorrer a esse curso.
  • Os pré-requisitos que se destinam à selecção e seriação dos candidatos são eliminatórios e o seu resultado é expresso em APTO, numa classificação numérica na escala de 100 a 200 pontos, a considerar no cálculo da nota de candidatura. O estudante que seja considerado NÃO APTO não poderá concorrer a esse curso.
  • Os pré-requisitos que se destinam à seriação dos candidatos não são eliminatórios e têm o seu resultado expresso numa classificação numérica na escala de 0 a 200 pontos, a considerar no cálculo da nota de candidatura.
Leia também:  Como Evitar Lesões No Joelho Para Quem Pratica Corrida?

6. O que é a nota de candidatura?

As instituições de ensino superior exigem uma classificação mínima na nota de candidatura.

Só poderão concorrer a um determinado par estabelecimento/curso os estudantes cuja nota de candidatura a esse par seja igual ou superior a esse mínimo.

7. Como se calcula a nota de candidatura?

  1. A nota de candidatura é uma classificação na escala de 0 a 200, calculada através da aplicação da seguinte fórmula, cujo resultado é arredondado às décimas, considerando como uma décima o valor não inferior a 0,05:
  2. a) Se for exigida uma prova de ingresso:
  3. (S x ps) + (P x pp)
  4. b) Se forem exigidas duas provas de ingresso:
  5. (S x ps) + (P1 x pp1) + (P2 x pp2)
  6. em que:
  7. S = classificação do ensino secundário;
  8. ps = peso atribuído pelo estabelecimento de ensino superior à classificação do ensino
  9. secundário;
  10. P, P1 e P2 = classificações, na escala inteira de 0 a 200, dos exames nacionais do ensino secundário correspondentes às provas de ingresso exigidas;
  11. pp, pp1 e pp2 = pesos atribuídos pelo estabelecimento de ensino superior às classificações das provas de ingresso.
  12. Nos cursos em que seja exigida a realização de um pré-requisito de seriação ou de selecção e seriação, a fórmula é:
  13. a) Se for exigida uma prova de ingresso:
  14. (S x ps) + (P x pp) + (R x pr)
  15. b) Se forem exigidas duas provas de ingresso:
  16. (S x ps) + (P1 x pp1) + (P2 x pp2) + (R x pr)
  17. em que:
  18. R = classificação atribuída ao pré-requisito;
  19. pr = peso atribuído pelo estabelecimento de ensino superior à classificação do pré-requisito.
  20. Nota: todos os cálculos intermédios são efectuados sem arredondamento.

8. Como é feita a ordenação dos candidatos a cada curso?

  • A ordenação dos candidatos a cada curso de cada estabelecimento de ensino superior é feita por ordem decrescente da nota de candidatura, calculada utilizando as seguintes classificações:
  • Classificação do ensino secundário com um peso não inferior a 50%
  • Classificação das provas de ingresso com um peso não inferior a 35 %
  • Classificação dos pré-requisitos de selecção/seriação, ou seriação, quando exigidos com um peso não superior a 15 %.
  • No concurso nacional o processo de colocação combina:
  • • a ordem de preferência em que o candidato colocou cada par estabelecimento/curso a que concorreu;
  • • a posição em que o candidato ficou nas listas ordenadas referentes aos pares estabelecimento/curso a que concorreu.

9. O que é necessário para me candidatar ao ensino superior particular e cooperativo?

  1. Aos estudantes que pretendam ingressar num curso de um estabelecimento de ensino
  2. superior particular e cooperativo aplica-se o sistema de acesso ao ensino superior público e
  3. deverão pois:
  4. • Concluir o ensino secundário (12.º ano de escolaridade);
  5. • Realizar, em 2006, os exames nacionais das provas de ingresso e neles obter
  6. classificação igual ou superior ao valor mínimo fixado;
  7. • Satisfazer os pré-requisitos porventura exigidos;
  8. • Ter uma nota de candidatura igual ou superior ao valor mínimo fixado.
  9. O preenchimento das vagas aprovadas está sujeito a um concurso institucional, isto é, a um concurso organizado por cada estabelecimento de ensino superior particular e cooperativo, onde a seriação dos candidatos é feita adoptando igualmente os critérios atrás referidos.

Saiba tudo sobre as provas de ingresso no ensino superior em 2021

Os resultados obtidos pelos alunos nas provas de ingresso no ensino superior são um dado fundamental para se apurar a sua nota de candidatura, que, por sua vez, poderá ser a porta de entrada no curso da sua preferência.

O que é que já sabe sobre a realização destas provas, tendo em consideração a situação atual?

Quando o assunto é o acesso ao ensino superior, a “média” é tudo. E para o cálculo desta média usa-se uma fórmula que é constituída por vários fatores, de entre os quais estarão as notas obtidas pelo aluno nesta avaliação.

É por esta razão que a realização das provas de ingresso é uma etapa importante da vida de qualquer estudante que deseja frequentar o ensino superior.

Para ingressar na universidade, o estudante deve obter aprovação num curso do ensino secundário ou habilitação equivalente e, igualmente, uma classificação média superior à mínima exigida pelo estabelecimento ao qual se pretendem candidatar. Para além disso, devem, também, realizar as provas de ingresso.

Provas de ingresso: o guia essencial

  • A realização das provas é determinada pela legislação, consistindo em testes para avaliar a capacidade e aptidão dos alunos para frequentarem o ensino superior.
  • As provas de ingresso para a candidatura à matrícula e inscrição no ensino superior no ano letivo de 2021-2022 concretizam-se através dos exames nacionais do ensino secundário.
  • De um modo geral, as provas de ingresso para acesso a um curso numa determinada instituição de ensino superior são as provas exigidas por esta para, com base nas classificações obtidas em exame nacional e em combinação com outros fatores, selecionar e seriar os candidatos ao ingresso nesse curso.

Este ano, face à pandemia da COVID-19, muitos exames nacionais não se vão realizar. Contudo, todos aqueles que servem como prova de ingresso para o ensino superior mantêm-se no calendário.

Dependendo da situação, os alunos devem inscrever-se nos exames nacionais ou nas provas de equivalência à frequência do ensino secundário, se pretenderem:

  • Obter aprovação em disciplinas que integram o plano curricular do respetivo curso;
  • Realizar exames finais nacionais apenas nas disciplinas que elejam como provas de ingresso;
  • Realizar exames finais nacionais para melhoria de nora, relevando o seu resultado apenas como classificação de prova de ingresso.
Leia também:  Como Evitar Que A Sopa Azede?

Seja qual for o fim a que se destinem, as inscrições para os exames finais do ensino secundário realizam-se nos seguintes prazos:

  • 1ª fase: de 24 de março a 15 de abril;
  • 2ª fase: de 2 a 6 de agosto.

Se este for o seu caso, mantenha-se calmo. Deve inscrever-se ou atualizar a sua inscrição nos 2 dias úteis seguintes ao da anulação da matrícula.

  1. Em 2021, as inscrições para a realização de exames finais e de provas de equivalência à frequência do ensino secundário são efetuadas através da Plataforma de Inscrição Eletrónica em Provas e Exames.
  2. Na candidatura à 2ª fase dos concursos de acesso ao ensino superior, só podem ser utilizados como provas de ingresso, no próprio ano escolar ou nos 2 anos subsequentes.
  3. Excecionalmente a esta limitação estão os exames de disciplinas não pertencentes ao plano de estudos realizados na 2ª fase por alunos que tenham feito na 1ª fase, um exame calendarizado para o mesmo dia e hora.

As provas de ingresso exigidas para cada curso são fixadas por cada instituição de ensino superior. Contudo, regra geral, não podem ser um número superior a dois.

  • O que pode acontecer é existirem conjuntos (determinados “elencos”) alternativos de provas – até um máximo de 3.
  • Ou seja, é essencial que verifique quais as provas de ingresso exigidas pelas instituições de ensino superior e respetivos cursos que pretender concorrer.
  • Pode consultar quais as provas de ingresso, no sítio de Internet da Direção-Geral do Ensino Superior, em GUIAS DIGITAIS DGES: Provas de Ingresso 2021, Guia Candidatura‘21 – Ensino Superior Público, e Guia Candidatura‘21 – Ensino Superior Privado e Universidade Católica Portuguesa.
  • Todas as instituições de ensino superior exigem uma classificação mínima nos exames realizados como provas de ingresso, correspondente a um valor de 95 pontos ou superior, na escala de 0 a 200.
  • Contudo, é importante ainda referir que o exame nacional realizado como prova de ingresso só é válido para esse efeito se a sua classificação for igual ou superior à classificação mínima exigida por cada instituição ou curso pretendido.
  • Se ainda tiver alguma dúvida, saiba que já existe um Guia Geral de Exames 2021 disponível online.

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro.

O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões.

A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].

Exames Nacionais 2021

A inscrição para a realização dos exames finais nacionais e das provas de equivalência à frequência dos ensinos básico e secundário 2020/2021, é efetuada através da plataforma de inscrição eletrónica em provas e exames, disponível em https://jnepiepe.dge.mec.pt e decorre nos seguintes prazos:

· 1ª FASEPRAZO NORMAL: de 24 de Março a 15 de Abril de 2021Nota Importante: A 1.ª fase dos Exames Finais Nacionais dos 11.º e 12.º anos do ensino regular e dos 2º e 3º anos dos Cursos Profissionais, tem caráter obrigatório para todos os alunos que pretendam realizar exames nacionais que se elejam como provas de ingresso.

· 2ª FASEPRAZO ÚNICO: 2 a 6 de Agosto de 2021Nota Importante: Podem realizar exames finais nacionais na 2.

ª fase, os alunos que a) Não tenham obtido aprovação nas disciplinas ou nos exames finais nacionais realizados na 1.ª fase como provas de ingresso; b) Pretendam realizar melhoria de nota em qualquer disciplina cujo exame tenham realizado na 1.

ª fase, no mesmo ano escolar, relevando o seu resultado apenas como classificação de prova de ingresso.

Documento a ser submetido aquando da inscrição através da plataforma de inscrição eletrónica em provas e exames, pelos alunos dos 12º anos e 3º anos do Ensino Profissional:

  • Pedido de senha (para candidatura de acesso ao ensino superior) a ser requerida em dges.gov.pt/online/Sessao/Iniciar.aspx. Deve submeter o recibo devidamente assinado pelo Enc. de Educação ou Aluno quando maior, através de ficheiro.

Podem apresentar-se aos exames finais nacionais, independentemente da oferta educativa ou formativa frequentada, os alunos que realizam exames finais nacionais nas disciplinas que elejam como provas de ingresso. Podem apresentar-se ainda aos exames finais nacionais os alunos autopropostos para efeito de aprovação de disciplinas e conclusão do ensino secundário.

  • Alunos dos cursos científico-humanísticos (ensino regular):
  • Os alunos dos cursos científico -humanísticos só podem realizar exames finais nacionais desde que estejam ou tenham estado matriculados no ano em que a disciplina é terminal.
  • Alunos dos cursos profissionais:
  • Os alunos dos cursos profissionais realizam exames finais nacionais nas disciplinas que elejam como provas de ingresso, independentemente do ano, do curso ou percurso de formação que frequentam, devendo, contudo, ser acautelada a validade dos exames a utilizar como provas de ingresso.
  • Mais informações sobre os Exames Nacionais e Acesso ao Ensino Superior:
  • https://www.dges.gov.pt/pt
  • http://iave.pt/

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*