Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

Quando as pessoas planeiam férias em Portugal, tendem a focar-se em locais como Lisboa, Porto, Algarve e Açores.

Cada um destes locais oferece uma ampla gama de atividades, locais históricos, comida deliciosa e experiências culturais ricas e profundas. Mas se limitar a sua experiência portuguesa a estes locais, estará a deixar partes significativas da história, cultura e ambiente portugueses inexplorados.

Na região do Minho, no norte de Portugal, encontra-se a cidade de Guimarães. Afetuosamente chamada de berço da nação portuguesa, Guimarães foi declarada Património Mundial pela UNESCO e tem muito para ver e fazer. Em 2012, a cidade foi eleita a capital europeia da cultura. É um lugar que deve definitivamente ser adicionado à lista de qualquer viajante.

Aqui está a nossa lista de razões pelas quais deve visitar Guimarães, Portugal:

Os locais históricos

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

A história de Portugal é longa visto que Guimarães, local de nascimento do primeiro monarca português, D. Afonso Henriques, desempenha um papel importante na formação do país.

Castelo de Guimarães

Elevando-se sobre o centro da cidade encontra-se o Castelo de Guimarães. Este edifício medieval é um dos mais bem preservados do país. Construído no século X, acredita-se que o castelo tenha sido o local do nascimento de D. Afonso Henriques em 1110. A capela de São Miguel, situada na zona ocidental do castelo, é onde o rei foi batizado.

Hoje os visitantes podem caminhar pelas muralhas e subir as escadas até ao topo da torre para ter uma vista incrível de Guimarães e do Monte da Penha.

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?Castelo de Guimarães, Portugal

Paço dos Duques de Bragança

Ao pé do castelo, encontrará o Palácio dos Duques de Bragança. Encomendada em 1401 por Dom Afonso, o primeiro duque de Bragança, esta residência real foi construída no estilo borgonhês. Foi a residência da família Bragança, mas caiu em ruínas quando se mudaram para Vila Viçosa no início do século XVI.

Em 1934, o edifício foi remodelado e passou a ser residência do Presidente António Salazar.

Os visitantes podem visitar o museu para ver tapeçarias flamengas, tapetes persas, armas medievais e obras de arte raras. Não deixe de visitar a capela para ver os incríveis vitrais!

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?Paço dos Duques de Bragança, Guimarães, Portugal

O centro histórico da cidade

Uma cidade classificada como património mundial tem com certeza um centro histórico incrível. Andar pelas ruas de Guimarães é como voltar atrás no tempo e estes são apenas alguns dos locais imperdíveis!

Largo da Oliveira

O Largo da Oliveira é o coração social da cidade. Com o nome da oliveira centenária que aqui cresce, esta praça é histórica e animada, rodeada por cafés e monumentos históricos.

Da praça, dificilmente não conseguirá ver a majestosa torre sineira da Igreja de Nossa Senhora da Oliveira, do século XII, cujos claustros albergam o Museu de Alberto Sampaio (mais sobre o museu mais tarde!).

O monumento gótico conhecido como Padrão do Salado também pode ser encontrado aqui. Este santuário foi erguido para celebrar a vitória portuguesa sobre os mouros na batalha do Salado em 1340.

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?Padrão do Salado, Largo Da Oliveira, Guimarães, Portugal
Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?Igreja de Nossa Senhora da Oliveira, Guimarães, Portugal

Rua de Santa Maria

Esta é a rua mais famosa de Guimarães e contém alguns exemplos notáveis de arquitetura medieval.

O trajeto original da rua foi traçado no século X para ligar o mosteiro do Largo da Oliveira ao castelo.

Hoje é uma rua charmosa com muitos edifícios históricos como a Casa do Arco, a Casa dos Peixotos, a Casa Gótica dos Valadares e o Convento de Santa Clara. Tem também muitos restaurantes e lojas excelentes, por isso é perfeito para um passeio relaxante, uma refeição ou uma ida às compras!

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?Rua de Santa Maria, Guimarães, Portugal

Igreja de São Francisco

Fora do centro da cidade fica a igreja de São Francisco. Esta igreja é um conjunto arquitetónico mais conhecido pelos azulejos do século XVIII que decoram o seu interior.

A estrutura atual data do século XV e é bastante inclassificável no que diz respeito a igrejas, mas, por dentro, o altar dourado, o teto de madeira pintado em trompe l'oeil e a nave ornamentada com gravações são uma verdadeira beleza.

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?Igreja de São Francisco, Guimarães, Portugal

Citânia de Briteiros

Cerca de uma dúzia de quilómetros a norte de Guimarães encontra-se a Citânia de Briteiros, um antigo povoado de origem celta que remonta ao século I AC. Este local arqueológico contém os alicerces de 150 habitações unifamiliares e é possível encontrar duas cabanas, ou castros, que foram reconstruídas para dar uma ideia de como eram na altura da ocupação.

Os esforços de escavação revelaram ruas pavimentadas, esgotos, cisternas subterrâneas, condutas de água e uma fonte. Destaque para a Pedra Formosa, monólito de talha pertencente a uma antiga casa de banho.

Os museus

Para obter uma melhor compreensão de Guimarães, da sua cultura e do seu significado histórico, deve fazer uma visita a um dos museus da região.

Museu Alberto Sampaio

Situado no claustro de Nossa Senhora da Oliveira, este museu exibe as inúmeras obras religiosas desta igreja e de outras da região.

A coleção abrange os séculos XIV a XVIII e inclui esculturas medievais e renascentistas, pinturas, cerâmicas, joias raras e até vestimentas bordadas.

A sala Santa Clara apresenta incríveis talhas douradas, mas as peças mais impressionantes são o retábulo de talha dourada do século XIV e a túnica usada por D. João I durante a batalha de Aljubarrota.

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?Museu Alberto Sampaio, Guimarães, Portugal

Museu Martins Sarmento

Se está a visitar a Citânia de Briteiros, faz sentido visitar o Museu Martins Sarmento no regresso à cidade.

Fundado em 1881, este museu guarda uma enorme coleção de artefactos arqueológicos que foram retirados do povoado. Algumas das coisas que pode ver em exposição incluem fragmentos de cerâmica, pedras esculpidas, joias e colunas romanas.

O museu em si está instalado num convento do século XIV, por isso não deixe de admirar os belos claustros enquanto aprende sobre os artefactos.

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?Museu Martins Sarmento, Guimarães, Portugal

A paisagem natural

Como a maior parte de Portugal, Guimarães está rodeada por uma beleza natural magnífica.

Monte da Penha

Para uma pausa da agitação da cidade, apanhe o teleférico e suba ao topo do Monte da Penha. A caminhada até ao topo não é longa, mas terá vistas espetaculares ao elevar-se acima das árvores e chegar ao cume.

Com pouco mais de 600 metros de altura, é possível explorar a vista da cidade de vários ângulos, aproveitando as muitas plataformas e terraços.

Se puder, afaste-se do panorama e veja a Penha de Santa Catarina em art déco, local de peregrinação popular até hoje.

O Parque da Penha de Santa Catarina faz parte da Reserva Ecológica Nacional e é possível observar diversos tipos de flora e fauna nativas da região.

Pode seguir os trilhos para explorar a vegetação exuberante e maravilhar-se com as enormes pedras de granito que estão espalhadas por entre as árvores antigas.

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?Monte da Penha, Guimarães, Portugal

Jardins do Palácio de Vila Flor

Se está curioso sobre as origens culturais de Guimarães, não deixe de visitar o palácio e os jardins de Vila Flor.

Os jardins são acolhedores e serenos, combinando a criatividade humana com a beleza natural. O jardim de buxo com terraço oferece aos visitantes outra excelente vista do castelo a partir da balaustrada.

O palácio foi construído no século XVIII pelo aristocrata local Tadeu Luís Fonseca e possui uma impressionante fachada barroca com estátuas de reis portugueses. Desde 2005, o Centro Cultural Vila Flor foi anexado ao palácio. O centro cultural possui dois auditórios, um para 800 pessoas e outro para 200. É aqui que são realizados muitos dos eventos culturais da cidade.

O Palácio de Vila Flor, Guimarães, Portugal
Jardins do Palácio de Vila Flor, Guimarães, Portugal

Muitas pessoas irão visitar a região do Minho em Portugal como parte de uma rota do vinho, uma vez que produz alguns dos melhores vinhos do país e está muito próxima do Porto e do Vale do Douro, tornando Guimarães perfeita para uma viagem de um dia. Não importa o que o atrai para a área, Guimarães é um destino imperdível.

Para mais ideias sobre o que fazer na região, pode conferir o nosso roteiro de um dia em Guimarães aqui, ou entre em contacto connosco para que possamos ajudá-lo a organizar as férias perfeitas.

Leia também:  Como Saber Quando Termina A Fidelização?

Guimarães, aqui nasceu Portugal

Guimarães foi mais uma das paragens da viagem durante a Semana Santa. Sim, sou de Braga! E SIM, gosto de Guimarães! ???? Há amores que parecem impossíveis e este é um deles.

Conhecida como “cidade berço”, “o berço da nação portuguesa”, ou pelo lema “aqui nasceu Portugal”, Guimarães é uma cidade pequenita mas com muito peso na história deste país à beira-mar plantado.

A cidade foi fundada há mais de um milénio por um homem chamado Vimara Peres, nascido na Galiza e que vinha a mando de Afonso III das Astúrias para conquistar a Galécia aos mouros.

O mundo dá tantas voltas que, depois de conseguir conquistar o território, Vimara Peres acabou por ficar deste lado da fronteira e, durante o século IX, fundou um pequeno burgo perto de Braga chamado Vimaranis.

Tornou-se no primeiro conde do Condado Portucalense e desde Vimaranis governou o condado até à chegada do conde D. Henrique.

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

Estátua de Vimara Peres em frente à Sé do Porto(autor: Enrique Fernandez Marcote)

Quando o conde D. Henrique casou com D. Teresa de Leão, o Condado Portucalense foi-lhe dado como dote e o casal decidiu vir morar para aqui, ocupando o castelo que em tempos havia sido construído por uma nobre local.

O lema que podemos ler na muralha “Aqui nasceu Portugal” faz referência ao facto de a Batalha de São Mamede (24 de Junho de 1128), que destronou D. Teresa e ergueu D.

Afonso Henriques como 1º rei de Portugal, ter tido lugar nesta cidade, e não ao facto de, como muita gente pensa, D. Afonso Henriques ter nascido aqui. Até porque ninguém sabe muito bem onde ele nasceu.

Guimarães, Coimbra e Viseu são algumas hipóteses.

O centro histórico de Guimarães, com as suas ruelas serpenteantes e edifícios medievais foi eleito em 2001 Património Cultural da Humanidade pela UNESCO.

10 locais a não perder

Guimarães pode parecer uma cidade pequena, mas existem tantas coisas que ver por aqui, e foi um local tão importante para a história do país, que é difícil escolher apenas os 10 monumentos mais importantes.

1 – Castelo de Guimarães

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

Foi mandado construir no século X pela Condessa Mumadona para defender a população dos ataques muçulmanos. Quando D. Teresa de Leão e o seu marido o Conde D. Henrique se mudaram para o norte do Condado Portucalense, escolheram o castelo para ser a sua morada oficial. Rezam as lendas que aqui nasceu D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal…

2 – Paço dos Duques de Bragança

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

Construído no século XV por D. Afonso 1º Duque de Bragança e reflectia os seus gostos e as suas viagens pela Europa. Esteve ao abandono durante muitos anos e foi recuperado no período do Estado Novo. Dizem que as restaurações não foram muito fiéis, portanto nunca saberemos se este era o aspecto original do palácio.

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

Em frente ao Paço dos Duques podemos apreciar a estátua de D. Afonso Henriques, símbolo de Guimarães, obra de Soares dos Reis (estátua) e José António Gaspar (pedestal). A ideia da sua construção partiu de um grupo de portugueses emigrados no Rio de Janeiro. Foi inaugurada em Setembro de 1887.

Outros artigos sobre este tema:  20 sitios para visitar em Braga

3 – Capela de São Miguel do Castelo

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

(fonte: dct.uminho.pt)

Localizada a meio caminho entre o Castelo de Guimarães e o Paço dos Duques, é uma pequena capela de granito construída no século XIII onde, segundo a lenda, foi baptizado D. Afonso Henriques.

4 – Rua de Santa Maria

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

De origem medieval, é uma das ruas mais bonitas e pitorescas da cidade. É quase impossível não a encontramos já que, quando descemos do castelo para o centro histórico esta é a rua que nos aparece mesmo em frente!

5 – Igreja de Nossa Senhora da Oliveira

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

(fonte: turismoenportugal.org)

Do edifício original já não sobra nada, este foi mandado construir já durante o século XIV por D. João I. Chegou a albergar a Colegiada de Santa Maria de Guimarães e é um local de culto muito importante para os Vimaranenses pois aqui se encontra a Nossa Senhora da Oliveira, padroeira da cidade.

6 – Praça da Oliveira e Padrão do Salado

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

A praça cheia de casas coloridas onde está inserida a Igreja de Nª Sra. Da Oliveira e o Padrão do Salgado. É popularmente conhecida como o centro da cidade e é por aqui que a maior parte da vida se desenrola… Está cheia de bares e barzinhos, restaurantes e outros comércios muito interessantes.

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

O Padrão do Salado é uma construção gótica erguida no século XIV por Afonso IV de Portugal para comemorar a vitória na Batalha do Salado em 1340.

7 – Praça de Santiago

Porque É Que Guimarães É Conhecido Como Berço De Portugal?

Junto com a Praça da Oliveira é considerada o centro da vida nocturna da cidade. A praça é caracterizada pelas suas casinha pequenas, com balcões de madeira e traços medievais e pelos inúmeros bares que por ali se espalham.

O edifício dos Antigos Paços do Concelho é o que separa a Praça da Oliveira da de Santiago.

8 – Largo do Toural

Toural antes das obras (fonte: booking.com)

Em tempo o Largo do Toural foi um bonito jardim, com inúmeros canteiros floridos, bancos e uma fonte. Hoje em dia é uma praça empedrada, sem sombra nem vestígios das flores que por ali cresceram um dia…

Toural depois das obras (fonte: publico.pt)

9 – Muralha

A muralha que rodeava Guimarães foi praticamente toda demolida durante o reinado de D. João I para que a cidade se pudesse expandir. No entanto alguns bocados foram conservados, sendo um deles o que vemos no final do Largo do Toural e que tem a famosa frase “Aqui nasceu Portugal”.

10 – Santuário da Penha

(fonte: wikimedia commons / autor: LuisCosta)

Construído durante os anos 30, é dedicado à figura de Nossa Senhora da Penha. Mesmo para os visitantes que não são religiosos, vale a pena dar um saltinho até ao monte! Podemos aproveitar a viagem de teleférico para ver a cidade e, chegados ao Monte da Penha, desfrutar da paisagem e das inúmeras ofertas naturais que ele nos dá!

Recomendações

Com vontade de visitar Guimarães? Aqui ficam algumas recomendações sobre como chegar, onde comer, sair à noite e onde ficar hospedado.

Onde comer

Há muito anos que não almoço/janto em Guimarães. Das 2 últimas vezes que lá fui tinha em mente visitar um dos restaurantes que mais gosto, mas o plano acabou por sair furado. De qualquer forma, e como em todas as cidades, no centro histórico é possível encontrar vários restaurantes (que eu achei demasiado caros para a oferta que tinham!).

Eu aconselho a que provem a Adega dos Caquinhos, uma “instituição” em Guimarães e que toda a gente conhece. A comida é típica do norte de Portugal e a decoração é a da tasca do Ti Manel lá da aldeia perdida no meio do campo.

Não esperem ser recebidos com pompa e circunstância, isto é uma tasca! E é bem possível que ouçam os donos a gritarem um com o outro e a dizerem palavrões enquanto falam com a clientela!

Outros artigos sobre este tema:  Aproveite o melhor de Lisboa em 3 dias

Se tiverem o azar de a Adega estar fechada, perguntem a alguém que encontrarem na rua! Não se deixem levar pelos sítios turísticos e muito aprumadinhos ????

Sair à noite

Os locais mais concorridos são sem dúvida a Praça da Oliveira, a Praça de Santiago e a Rua de Santa Maria.

Entre os bares que costumava frequentar quando saía em Guimarães estão o El Rock (o bar mais antigo do centro histórico, dedicado ao rock), o Tasquilhado, o Café-concerto Centro Cultural Vila Flor, a Projecto e o Centro de Artes e Espectáculos São Mamede (onde curti uma grande Passagem de Ano lá pelo ano 2009).

Leia também:  Como Ajudar Alguem Que Esta Triste?

Alojamento

  • Nunca dormi em nenhum hotel de Guimarães, mas pelo que pude ver em várias pesquisas que realizei, os hotéis melhor pontuados da zona são:
  • Residencial das Trinas
  • São Mamede Hotel *
  • Hotel Mestre de Avis **
  • Hotel Fundador ***
  • Hotel Toural ****
  • Pousada Santa Marinha

Como chegar

Se não puderes ir de carro, tanto o autocarro como o comboio são boas opções!

Desde o Porto é possível apanhar o comboio urbano e por 3,10€ e em 1h12min chegas a Guimarães. Uma caminhada de 10/15min e estás em frente ao “Aqui nasceu Portugal”. Não aconselho a viajarem no intercidades porque poupam apenas 10min de viagem e o bilhete sai por quase 12€.

Também é possível vir de autocarro com a empresa Transdev e por 4,60€ (50min de viagem).

Desde Braga a opção mais confortável é viajar em autocarro, também com a Transdev e por 2,75€ chegamos a Guimarães em pouco mais de meia hora.

Infelizmente não existem comboios directos de Braga a Guimarães… É necessário apanhar o comboio até Nine e depois mudar. Não vale a pena, pelo tempo que perdem!

  1. Para download:
  2. Mapa de Guimarães
  3. Guia da cidade 
  4. PROGRAMA A TUA VIAGEM

Faz as tuas reservas através dos links parceiros que te deixamos no final de cada artigo. Ao utilizares os nossos links NÃO PAGAS MAIS e ajudas-nos a manter o blog, já que recebemos uma pequena comissão por cada venda.

 Reserva os teus voos através da plataforma do Skyscanner, onde encontrarás os voos mais baratos e as melhores combinações de viagens.

 Reserva os teus hotéis no Booking, com toda a garantia e segurança de de uma plataforma mundialmente reconhecida.

 Descobre as melhores atividades da cidade com a Civitatis! Tours, entradas para museus, espetáculos e muito mais.

  •  Contrata o teu seguro de viagens com a IATI através dos nossos links e recebe 5% de desconto!
  •  Consegue até 39€ de desconto na tua primeira reserva no AirBnb com o nosso código!
  • Alugue carros ao melhor preço com a Budget!

Precisas de um Uber ou Cabify? Recebe 5€ de desconto no Uber para a primeira viagem fazendo o registo com o nosso código, ou 3€ nas próximas 3 viagens fazendo o registo no Cabify com o nosso código.

Guimarães: O Berço da Nação

Guimarães é considerada a cidade berço de Portugal porque aqui nasceu Afonso Henriques, que viria a ser o primeiro rei de Portugal.

Associado à formação e identidade de Portugal, Guimarães é uma das mais importantes cidades históricas do país, sendo o seu centro histórico considerado – com base nos valores de originalidade e autenticidade – como Património Cultural da Humanidade, tornando-a uma das cidades mais belas do Mundo.

A cidade ainda hoje possui um conjunto patrimonial harmonioso e preservado que se mostra em graciosas varandas de ferro, balcões e alpendres de granito, casas senhoriais, arcos que ligam ruas estreitas, lajes do chão alisadas pelo tempo, torres e claustros.

Cada passo nesta cidade é imaginar um cenário medieval, onde a nobreza foi construindo as suas moradias, que dão a Guimarães um ambiente único.

Nas suas ruas e monumentos relembra-se a história que encanta quem a visita. Guimarães é um local onde a história e a contemporaneidade se fundem e é atualmente uma cidade que soube conciliar a consequente manutenção do património com o dinamismo e empreendedorismo que caracterizam as cidades modernas.

Em 2012 foi igualmente reconhecida pela União Europeia como Capital Europeia da Cultura, um importante impulso no desenvolvimento cultural, social e económico sustentável da cidade Vimaranense.

Esta cidade que fica entre muralhas e que viu nascer uma nação, foi eleita pelo New York Times como um dos 41 locais a visitar em 2011 e a considerou um dos emergentes pontos culturais da Península Ibérica. Foi ainda Cidade Europeia do Desporto (CED), em 2013. Também conhecida por ser o berço da Nação, as suas ruas e monumentos respiram história, mas também juventude e animação.

O centro histórico, onde estão localizados museus e outras atrações, depois de o sol se pôr, transforma-se em palco de animação marcado pelo ritmo e pela dinâmica dos vários bares e cafés, por onde a população, dos 8 aos 80, convive e passeia alegremente nas carismáticas ruas da cidade.

Os vimaranenses ou conquistadores, como são muitas vezes tratados, fruto da herança histórica da conquista, têm a hospitalidade expressa num sorriso de boas vindas.

Centro histórico de GuimarãesNo coração da cidade baixa o largo da Oliveira ergue o Padrão do Salado e a Igreja e Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira, que alberga o célebre Museu Alberto Sampaio.

A Praça de Santiago, que num passado distante acolhia os peregrinos que na Idade Média se dirigiam a Compostela, hoje acolhe os residentes e turistas nos seus restaurantes e esplanadas. O Convento de Santa clara, a Casa do Arco entre outras casas nobres fazem a ligação à cidade alta.

Marginada por restos da antiga muralha situa-se a cidade alta entre o Paço dos Duques de Bragança e o tão vistoso castelo. No caminho até ao alto do castelo encontra-se o referido Paço, monumento do séc. XV onde é possível observar a influência da arquitetura senhorial francesa, o Monumento a D. Afonso Henriques, a românica Capela de S.

Miguel e, por fim, o Castelo, que nos leva a uma viagem ao séc. X e que está intimamente ligado à fundação de Portugal.Outra das atrações de Guimarães é o o Largo do Toural, com o seu chafariz quinhentista e a Rua D. João I, que na Idade Média era a via de acesso ao Porto e que ostenta casas antigas com balaustradas em madeira e fachadas seiscentistas.

Na Igreja do Convento de S. Domingos, na Rua de Paio Galvão, encontra-se o edifício neo-românico do Museu Arqueológico Martins Sarmento, que se estende para o claustro do Convento.

Pouco mais à frente fica o edifício do antigo mercado municipal, onde funciona hoje a Plataforma das Artes e o Centro de Artes Internacional José de Guimarães, com uma retrospetiva da obra deste conceituado artista, natural da cidade.

Provar GuimarãesGuimarães tem muito mais para conhecer, além dos grandiosos monumentos. Poder saborear a boa gastronomia minhota é mais uma das muitas atrações desta cidade.

A boa mesa representa Guimarães pela diversidade gastronómica. Aqui, pode sentar -se a degustar os variados pratos ofereceidos pelos muitos restaurantes da região.

 Bacalhau com migas, rojões, cabrito e vitela assados no forno, além do típico bucho recheado são alguns dos mais conhecidos sabores de Guimarães. A acompanhar estes pratos está, invariavelmente, o vinho verde da região.

Muito influenciada pelas raízes conventuais, a doçaria exibe verdadeiros tesouros da gastronomia nacional, tais como o Toucinho do Céu e as Tortas de Guimarães.

ArtesanatoEm Guimarães há uma grande tradição na criação de artesanato. A “Cantarinha dos Namorados” é uma das peças que simboliza a grande riqueza criativa que começou como atividade secundária dos criadores e hoje representa uma verdadeira indústria.

A história de Guimarães, a história de PortugalQuando pensamos na cidade de Guimarães – bela urbe minhota, que reflecte bem toda a singeleza, elegância e denodado carácter das gentes do Norte de Portugal – facilmente nos vem à memória aquela célebre frase, “Aqui nasceu Portugal”.

A cidade de Guimarães é considerada o “berço” da nacionalidade portuguesa, pois, para além de, segundo a tradição, aqui ter nascido o primeiro rei de Portugal, também foi neste local que se deram os acontecimentos mais marcantes que conduziram à independência de Portugal.

A história de Guimarães começa com a Condessa Mumadona Dias, mulher de D. Ermegildo Mendes, conde de Tuy e do Porto, nobre galega, que no séc. X, recebeu do governador da Galiza, Ramiro II a concessão da vila de Creixomil.

No século XI o rei Afonso VI de Leão e Castela entrega o governo da Província Portucalense ao Conde D. Henrique, que para aqui vem viver. Este casa-se com D. Teresa (filha ilegítima de D. Afonso IV).

Desta união nasce, em 1111, aquele que viria a tornar-se o primeiro monarca de Portugal, D. Afonso Henriques.

Leia também:  Como Se Chama O Pigmento Que Da Cor A Pele Humana?

No dia vinte e quatro de junho de 1128, dá-se a Batalha de S. Mamede. O Campo de S. Mamede é apontado por vários historiadores como tendo sido um dos seus palcos. Esta batalha é travada entre as hostes de D. Afonso Henriques e as de sua mãe, D. Teresa e do Conde de Trava de Galiza, em que os primeiros defendiam a independência do condado face ao reino de Leão.

Esta batalha é vencida por D. Afonso Henriques, marcando assim os alicerces da nação portuguesa.

Em 1179, D. Afonso Henriques é reconhecido rei de Portugal pelo Papa Alexandre III.No século XII, o Convento, fundado pela Condessa Mumadona Dias, fora transformado em Colegiada, que ao longo dos tempos viu o seu prestígio e importância valorizados face às doações e privilégios que lhe foram sendo concedidos por reis e nobres.

No plano religioso, a devoção pela Virgem Santa Maria de Oliveira faz da vila um importante centro de peregrinação. Em volta dos seus dois pólos dinamizadores – do Convento e do Castelo – construíu-se uma muralha defensiva e, a ligá-los, formou-se a Rua de Santa Maria.

Aos poucos, estes dois aglomerados urbanos fundiram-se num único e a organização e fisionomia da vila intramuros pouco se modificaram após o século XV.

A instalação das ordens religiosas dos Dominicanos e Franciscanos, fora dos muros do burgo, contribuiu para a urbanização extra-muros e consequente alargamento da cidade.

No ano 1853, a Rainha D. Maria II eleva a vila à categoria de cidade, sendo que a partir daqui foi autorizado o derrube das muralhas.

Na primeira metade do séc. XIX, a vila sofre as consequências de uma sociedade afetada em primeiro lugar pelas invasões francesas, seguidamente pelas políticas internas.

O desenvolvimento industrial surge então, nos têxteis, couros, ourivesaria, cutelaria, serralharia e fundição e torna a cidade um dos maiores pólos fabris do país. Conhecer a pitoresca cidade de Guimarães é conhecer a história onde nasceu “Portucale”.

É conhecer as ruas e ruelas onde nasceu aquele que viria a ser o primeiro rei de Portugal. É conhecer as muralhas dos castelos que defenderam o nosso reino mas, sobretudo, é conhecer Portugal.

Guimarães, um passeio pelo berço de Portugal – Cumbicão

Como você viu nos posts anteriores (e na escola!) Portugal é um país com uma história riquíssima, e uma viagem para lá te dá a oportunidade de ver de perto muitos dos lugares cruciais não só na história deles como na do Brasil. E um dos destinos de viagem mais interessantes neste contexto é a cidade de Guimarães.

O motivo disso é muito interessante.

Portugal foi a primeira nação organizada da história, e foi justamente na cidade de Guimarães que tudo isso começou.

Entre 718 e o começo dos anos 1000, praticamente toda a Península Ibérica e consequentemente o território que hoje corresponde a Portugal foi tomado pelos árabes. Praticamente o norte do que hoje é Portugal restou como um bastião da resistência cristã.

Aos poucos os cristãos foram retomando do norte ao sul os territórios e formando pequenos reinos.

Pouco tempo depois, os reinos passaram a ser unificados sob o comando de Afonso Henriques (1106 – 6 de dezembro de 1185), que também ficou conhecido como Afonso I, “o Conquistador”, ou ainda o primeiro rei de Portugal.

D. Afonso Henriques

Ele foi aclamado rei depois de vencer os árabes na batalha de Ourique.

Dai para a unificação dos demais reinos de Portugal e o estabelecimento da capital em Coimbra, foi um pulo, ou mais precisamente, 1143, ano da celebração do Tratado de Zamora que foi assinado entre D. Afonso Henriques por Portugal e Afonso VII de Leão e Castela, reconhecendo-se assim a independência total portuguesa.

Mas onde entra Guimarães nesta história toda? Guimarães é o local de nascimento justamente de Afonso Henriques.

Como chegar

A forma mais prática de visitar Guimarães é a partir da cidade do Porto.

Se você tiver alugado um carro, são apenas 55km / 40 minutos de carro. E para estacionar nos arredores das atrações abaixo é super tranquilo. Como nós fomos durante a baixa temporada deu para estacionar o carro na porta do castelo (parquímetro), mas se você for na alta temporada (primavera/verão), pode ficar tranquilo que existem enormes bolsões de estacionamento público nos arredores.

Não está de carro? Tudo bem. Dá para ir de trem a partir do Porto em uma viagem de 75 minutos que custa aproximadamente €2,2 a partir da estação de São Bento.

Ou seja, você não tem desculpa para não conhecer Guimarães.

O que fazer em Guimarães

A cidade tem todas as suas atrações concentradas em uma área bastante pequena, então dá para conhecer  tudo praticamente em um dia, ou em um período, se você estiver num itinerário mais apertado.

Castelo de Guimarães

A primeira atração que eu sugiro você visitar é o Castelo de Guimarães.

Vista aérea do Castelo de Guimarães.

Ele foi construído no século X, para proteger dos árabes um mosteiro que existia ali, a estrutura que você vê hoje é fruto de uma série de alterações realizadas no século XIV.

Durante a história ele foi utilizado como residência para vários nobres, sendo o mais importante deles justamente D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal.

O interior do castelo pode decepcionar alguns, já que a estrutura está bastante danificada, mas mesmo assim eu acho que vale a pena visitar o seu interior e principalmente caminhar pela muralha. Dá para ter a exata noção de como era na época. Fiquei imaginando o frio na barriga de ver os invasores chegando pelos campos que circundam o castelo. ????

Torre e pátio interno. Muralhas do castelo.

Diante do castelo, fica a pequena e charmosa igreja de São Miguel do Castelo.

Igreja de São Miguel do Castelo.
No chão tumbas da época da reconquista. E a pia batismal.

Toda de pedra, reza a lenda que foi nela que o D. Afonso Henriques teria sido batizado. No chão dela, tumbas de heróis da época da reconquista e até mesmo a tal pia batismal.

Paço dos Duques

Paço dos Duques.

Descendo alguns poucos metros a partir da colina onde está o Castelo, você encontra o Paço dos Duques, uma majestosa construção de 1420.

Se você achou que o castelo não é lá aquelas coisas, eu garanto que você não irá se decepcionar com o Paço dos Duques. Talvez tenha sido a construção mais bela, junto com o Jerônimos, que vimos em toda a viagem.

O seu interior é simplesmente maravilhoso!

Paço dos Duques.

O tour é feito percorrendo os vários cômodos, onde você vê tapeçarias, armaduras e armas, além de lindas peças de porcelana da Companhia das Índias Orientais.

Tapeçaria e porcelana são o destaque. Aposentos no Paço dos Duques.

A mais impressionante das salas é a sala de banquete. Enorme e com um teto todo trabalhado é sem dúvida um dos pontos altos da visita.

Sala de banquete do Paço dos Duques.

Não deixe de conferir também a capela que é toda decorada com madeira e belíssimos vitrais.

Capela do Paço dos Duques. Repare como a luz do vitral reflete.

Uma curiosidade sobre o local é que lá viveu a princesa Catarina que tinha por hábito todos os dias, no final de tarde tomar um chá. Anos mais tarde ela casou-se com um príncipe inglês, que virou rei Charles II e exportou o hábito para a Inglaterra. Foi justamente ai que começou o tal chá das cinco da rainha, porque vários outros nobres adotaram o costume.

Outra curiosidade é que ele serviu de residência presidencial para o ditador Salazar.

Paço dos Duques. Já pensou morar em um lugar assim?

O ingresso para o Paço dos Duques custava €5 na data da nossa visita custava, e o que além do Paço dos Duques combinava o Castelo valia €6,00, Logo, por apenas €1, fica claro que compensa visitar o castelo.

E aí? Te convenci a conhecer, ainda que brevemente Guimarães?

Booking.com

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*