O Que É A Gota E Como Tratar?

O Que É A Gota E Como Tratar?

Geralmente dieta e medicamentos são indicados para diminuir a taxa de ácido úrico no sangue e, consequentemente, evitar as crises de gota.

Gota é uma doença caracterizada pela elevação de ácido úrico no sangue, o que leva a um depósito de cristais de monourato de sódio nas articulações. É esse depósito que gera os surtos de artrite aguda secundária, que tanto incomodam seus portadores.

É importante saber destacar que somente 20% das pessoas com a taxa de ácido úrico elevada (hiperucemia) desenvolverão a doença que acomete mais os homens adultos do que as mulheres.

Veja também: Ácido úrico (hiperucemia)

Causas

Estão entre as causas da doença:

  • Ausência congênita de um mecanismo enzimático responsável pela excreção do ácido úrico pelos rins. Sem a eliminação adequada, há um aumento da concentração desse ácido no sangue;
  • Produção excessiva de ácido úrico pelo organismo devido a um “defeito” enzimático (causa menos comum). Neste caso, a pessoa produz grande quantidade de ácido úrico que os rins não conseguem eliminar;
  • Uso de medicamentos como diuréticos e o ácido acetilsalicílico que podem levar à diminuição da excreção renal do ácido úrico.

Sintomas

Na maioria das vezes, o sintoma inicial é um inchaço na articulação do dedo grande do pé acompanhado de dor muito forte. A primeira crise pode durar de três a dez dias. Após esse período, o paciente volta a levar vida normal, o que geralmente faz com que não procure ajuda médica imediatamente.

Uma nova crise pode surgir em meses ou anos e comprometer a mesma ou outras articulações. Geralmente, as crises de artrite aparecem nos membros inferiores, mas pode haver comprometimento de qualquer articulação.

Sem tratamento, o intervalo entre as crises tende a diminuir e a intensidade da dor a aumentar.

Portador de gota, que não se trata, pode ter as articulações deformadas e ainda apresentar depósitos de cristais de monourato de sódio em cartilagens, tendões e bursas.

Diagnóstico

Só é possível fazer o diagnóstico de gota na primeira crise se forem encontrados cristais de monorauto de sódio no líquido aspirado da articulação.

Caso contrário, não é possível definir o diagnóstico antes de descartar outras causas possíveis do distúrbio.

Se a taxa de ácido úrico estiver normal durante a crise, mas mesmo assim houver suspeita do desenvolvimento da doença, o médico deverá pedir nova dosagem dentro de duas semanas.

Um exame de raio-X pode ajudar a definir o quadro.

Tratamento

Não há cura definitiva para a gota, já que a maioria dos casos acontece devido a falhas na eliminação ou na produção do ácido úrico. Como ambas as causas são genéticas, o tratamento não é definitivo.

Geralmente são indicados dieta e medicamentos para diminuir a taxa de ácido úrico no sangue e, consequentemente, evitar as crises de gota.

Recomendações para evitar crises de gota

  • Durante o tratamento, se os níveis de ácido úrico não estiverem alterados, o consumo de bebidas alcoólicas é permitido, mas com controle e moderação;
  • Não coma frutos do mar, miúdos, excesso de carne vermelha, quando os níveis de ácido úrico estiverem altos, porque você pode desencadear uma crise. Com a doença controlada, esses alimentos podem ser ingeridos sem exagero;
  • Não abandone o tratamento sem orientação médica, porque o nível de ácido úrico subirá novamente levando a deformidades das articulações.

GOTA – Causas, sintomas e tratamento

A gota é uma forma comum de artrite (inflamação das articulações) que surge de forma episódica em pacientes com níveis elevados de ácido úrico no sangue. A crises de artrite gotosa são caracterizadas por ataques súbitos e severos de dor, inchaço e vermelhidão em uma das articulações do corpo, mais comumente em um dos pés.

Quando não tratada adequadamente, a gota pode, a longo prazo, causar graves deformidades devido à deposição crônica de ácido úrico nas articulações e na pele. Outra complicação possível é a insuficiência renal por acúmulo de cristais de ácido úrico nos rins.

Por que o ácido úrico causa gota?

O ácido úrico é uma substância produzida no fígado, derivada do metabolismo da purina, um composto orgânico presente em vários tipos de alimentos. Quanto mais purina ingerimos, mais ácido úrico é produzido pelo nosso organismo.

Durante a evolução das espécies, o ser humano perdeu a capacidade de produzir uma enzima chamada uricase, que transforma o ácido úrico em alantoína, uma substância muito mais solúvel no sangue.

Como resultado, os humanos apresentam níveis de ácido úrico muito mais altos do que a maioria dos outros mamíferos.

Os nossos níveis de ácido úrico sanguíneo só não atingem níveis tóxicos porque a maioria de nós consegue eliminar o excesso através dos rins.

Nas mulheres em idade reprodutiva, os níveis costumam ser um pouco mais baixos devido a influência do estrogênio, que potencializa a eliminação do ácido úrico pelos rins.

Apesar do bom trabalho dos rins, ainda assim os nossos níveis sanguíneos habituais de ácido úrico estão muito próximos do limite de solubilidade, fazendo com que pequenos aumentos na sua concentração causem precipitação (cristalização) deste nos tecidos.

O ácido úrico é mais solúvel em temperaturas acima de 37ºC, que é a temperatura do sangue. Todavia, nas nossas articulações a temperatura é mais baixa, chegando a 32ºC em algumas delas, o que favorece a deposição de cristais nestes locais (toque no seu joelho e compare a temperatura deste com as das coxas ou pernas). O ácido úrico se deposita nos tecidos na forma de urato de sódio.

Quando ocorre deposição de cristais de ácido úrico (urato de sódio) nas articulações, estes provocam uma intensa reação inflamatória levando a uma artrite (inflamação das articulações) muito dolorosa que recebe o nome de gota.

Resumindo: O ácido úrico mantém-se dissolvido no sangue até níveis próximos de 7,0 mg/dl. A partir deste valor, quanto mais elevada for sua concentração, maior é a chance de cristalização e deposição nos tecidos, principalmente nas articulações, que são as regiões de menor temperatura do corpo.

Caso a concentração sanguínea de ácido úrico continue se elevando, a cristalização pode passar a ocorrer mesmo em tecidos mais quentes, como a pele. É importante destacar, porém, que são necessários alguns anos de ácido úrico elevado para se desenvolver a doença gota.

Falamos mais sobre a hiperuricemia no artigo: TER ÁCIDO ÚRICO ELEVADO É PERIGOSO?

Informações em vídeo

Antes de seguirmos em frente, assista a esse curto vídeo que explica os sintomas e as causas da gota.

Sintomas do ácido úrico alto

A elevação do ácido úrico sanguíneo, chamada de hiperuricemia, não causa sintomas. Na verdade, mais de 2/3 das pessoas com ácido úrico elevado nem sequer desconfiam do fato. O fato de causar sintomas não significa, entretanto, que níveis elevados de ácido úrico não possam levar a complicações. As duas mais comuns são as crises gota e as pedras de ácido úrico nos rins.

Algumas pessoas com histórico de gota referem descamação das mãos e pés quando os níveis de ácido úrico estão elevados. Na verdade, não existe nenhuma comprovação de tal relação. Descamação das mãos e pés é geralmente causada por ressecamento da pele e não por ácido úrico elevado.

Sintomas da gota

A manifestação clínica da gota é a artrite, ou seja, inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, vermelhidão, inchaço e calor local.

A gota é classicamente uma monoartrite, ou seja, uma artrite que atinge apenas uma articulação em cada crise. As articulações mais acometidas são as dos pés, principalmente o primeiro dedo do pé (dedão do pé) e joelhos.

A artrite da gota é tão dolorosa, que algumas pessoas não conseguem nem cobrir os pés, pois só o contato do cobertor com a área inflamada já causa uma fortíssima dor. Podem haver calafrios e febre, simulando um quadro infeccioso.

O ataque de gota dura alguns dias e depois desaparece espontaneamente. O intervalo entre a primeira e a segunda crise pode durar até dois anos. Se não for tratada, as crises de gota começam a ficar mais frequentes e intensas, podendo acometer mais de uma articulação por vez.

Gota tofácea

Ao longo dos anos, a gota não tratada leva à formação de tofos nas articulações, causados por deposição crônica de cristais de urato. Os tofos podem ser únicos ou múltiplos, levando a deformidades, como nas fotos ao lado e no início do artigo. Essa fase da gota é chamada de gota tofácea.

O excesso de ácido úrico também pode levar à formação de cálculos renais de ácido úrico. Existe também o risco de deposição de urato e formação de tofos nos rins, causando insuficiência renal crônica.

Como já explicado, a gota é causada por prolongados níveis elevados de ácido úrico sanguíneo. Porém, nem todo mundo que tem ácido úrico alto, desenvolve gota. Algumas pessoas mantém-se anos com níveis de ácido úrico maiores que 7 mg/dl e nunca apresentam artrite gotosa ou doença renal. O porquê disto, ninguém sabe.

A gota é muito mais comum em homens e ocorre entre 35 e 45 anos. Nas mulheres costuma ocorrer somente após a menopausa.

O diagnóstico da gota é feito quando há um quadro clínico típico associado a níveis elevados de ácido úrico. Quando há dúvida sobre a causa da artrite, o médico geralmente punciona o líquido da articulação inflamada, procurando pelos depósitos de cristais de urato.

Leia também:  Como Dizer Que Me Vou Despedir?

Para ver imagens da artrite gotosa e da gota tofácea, acesse o seguinte link: IMAGENS DA DOENÇA GOTA.

Fatores de risco para gota

Dieta para controlar o ácido úrico

Pacientes com gota ou com níveis elevados de ácido úrico devem ter uma dieta especial, evitando alimentos ricos em purinas.

Os alimentos ricos em purina (ácido úrico) são:

  • Carnes: bacon, porco, vitela, cabrito, carneiro, miúdos (fígado, coração, rim, língua).
  • Peixes e frutos do mar: salmão, sardinha, truta, bacalhau, ovas de peixe, caviar, marisco, ostra, camarão.
  • Aves: peru e ganso.
  • Bebidas alcoólicas.

Alimentos com moderada quantidade de purinas (ácido úrico):

  • Carnes: vaca, novilho e coelho.
  • Aves: frango e pato.
  • Frutos do mar: lagosta e caranguejo.
  • Leguminosas: feijão, grão-de-bico, ervilha, lentilha, aspargos, cogumelos, couve-flor, espinafre.

Alimentos com baixo ou nenhum teor de purina (ácido úrico):

  • Leite, chá, café, chocolate, queijo amarelo magro, ovo cozido, cereais como pão, macarrão, fubá, batata, arroz branco, milho, mandioca, sagu, vegetais (couve, repolho, alface, acelga e agrião), frutos secos, doces e frutas (mesmo as ácidas)

Tratamento e prevenção

O tratamento da gota se divide em duas fases: tratamento das crises e a profilaxia das crises. A gota não tem cura, mas pode ser muito bem controlada.

Tratamento da crise

Durante a crise de gota o tratamento é feito com anti-inflamatórios comuns (AINE), corticoides e/ou colchicina.

A colchicina em doses baixas é menos tóxica do que os anti-inflamatórios (especialmente para os rins e estômago) e controla a gota eficazmente, mas pode causar efeitos colaterais desagradáveis, como náuseas, vômitos e diarreia. Esse efeito adverso é geralmente relacionado à dose usada, sendo menos comum em doses baixas.

Nos pacientes que não toleram AINE ou colchicina, uma opção é o uso de corticoides, potentes anti-inflamatórios de origem esteroidal.

A aspirina (ácido acetilsalicílico) deve ser evitada sempre que possível, pois a mesma, apesar de ter efeito anti-inflamatório, reduz a excreção de ácido úrico pelos rins.

Prevenção da crise

Uma vez cessada a crise de gota, o tratamento se volta para a diminuição dos níveis de ácido úrico. A droga mais usada para este objetivo é o alopurinol.

É importante ressaltar que não se deve começar o alopurinol durante as crises, pois há risco de piora do quadro.

O alopurinol durante as ataques de artrite só é aceitável se o paciente já fazia uso crônico dele antes do início da crise (leia: ALOPURINOL – Para Que Serve, Doses e Efeitos Colaterais).

Sugere-se manter a colchicina para evitar novas crises enquanto os níveis de ácido úrico ainda não tiverem sido reduzidos pelo alopurinol. Podem ser necessários alguns meses de tratamento até se atingir valores desejáveis.

Uma outra opção para baixar os níveis de ácido úrico é a probenecida, um medicamento que aumenta a sua eliminação pelos rins. A probenecida não deve ser usada em pacientes com histórico de cálculo renal por ácido úrico.

Desde 2008 existe uma novo mediamento chamado Febuxostat, que serve de alternativa para os pacientes que não podem tomar nem alopurinol nem probenecida. O Febuxostat ainda não está disponível no Brasil.

Ácido úrico elevado sem sintomas – hiperuricemia assintomática

Como a maioria dos pacientes com ácido úrico elevado não desenvolve crises de gota ou cálculo renal, o consenso atual indica não usar alopurinol nestes casos. Só se começa tratamento com remédios se houver um primeiro episódio de crise de gota, cálculo renal, ou se os níveis de ácido úrico estiverem acima de 13 mg/dl no homem e 10 mg/dl na mulher.

Nos pacientes com hiperuricemia assintomática indica-se apenas uma alteração da dieta, visando evitar alimentos ricos em purinas.

Referências

Descubra o que é gota e como tratar! – PartMed – A maior rede de Clínicas Médicas do Brasil

Dores intensas nas articulações, com inchaço e vermelhidão, podem ser indícios de uma doença inflamatória relativamente comum. Se você sofre com esse problema, precisa saber o que é gota e como é possível tratá-la, procurando um médico imediatamente.

A doença tem cura, mas, para isso, é preciso fazer um diagnóstico precoce, adotando o tratamento adequado e uma rotina mais saudável. Do contrário, ela pode resultar em deformações permanentes nas articulações.

Neste post, mostramos o que é gota, os seus principais sintomas e as formas de tratamento. Continue a leitura e saiba como proceder!

O que é gota?

Trata-se de uma doença inflamatória que afeta, principalmente, as articulações dos membros inferiores, como o tornozelo. Também é conhecida como artrite gotosa, reumatismo nos pés ou doença dos reis.

A gota acontece quando a concentração de ácido úrico no sangue está muito alta, quadro chamado de hiperuricemia. No entanto, ela pode se manifestar de diversas formas, com crises agudas, dor crônica ou até com a formação de cálculos renais — que alteram a função dos rins e provocam muitas dores.

O ácido úrico é resultado da degradação natural da purina, um aminoácido. Normalmente, essa substância é excretada pelos rins na urina. No entanto, o excesso pode ficar retido na circulação e se acumular nas articulações.

Pelo fato de produzirem mais ácido úrico, a gota é mais comum nos homens. Sem contar que o estrógeno (hormônio feminino) contribui para a perda da substância nos rins. Por esses motivos, a doença é mais rara em mulheres antes da menopausa.

Quais são os principais sintomas?

Os sintomas da gota costumam ser agudos. As crises podem chegar de repente, sobretudo à noite. Os mais comuns são:

  • dor intensa por cerca de 12 a 24 horas nas articulações dos pés, tornozelos, joelhos e até das mãos e pulsos;
  • desconforto nas articulações depois da crise aguda de dor;
  • inchaço, vermelhidão e suor nas articulações inflamadas.

Caso a pessoa tenha novas crises, ela pode desenvolver a gota crônica, com dor recorrente, lesões e perda dos movimentos. Também podem surgir tofos — caroços nas articulações decorrentes do acúmulo de calcário.

Como tratar a doença?

O diagnóstico da gota é feito por meio de diversos exames, como raio-x, análise ou biópsia do líquido sinovial (fluido que preenche as articulações) e exames de sangue para verificar a presença de ácido úrico. Tudo isso é feito juntamente à análise clínica dos sintomas, uma vez que nem toda pessoa com hiperuricemia vai desenvolver a doença.

Depois de confirmado o diagnóstico, o médico pode indicar o tratamento com anti-inflamatórios, analgésicos e medicamentos específicos para reduzir a quantidade de ácido úrico no sangue. Se houver a perda de movimentos e até para aliviar as dores, podem ser indicadas sessões de fisioterapia.

Agora que você sabe o que é gota, também deve entender que o mais importante mesmo é prevenir o problema com a adoção de uma alimentação equilibrada, a ingestão de proteínas na quantidade adequada e a prática de exercícios físicos. De qualquer forma, procure um médico assim que os primeiros sintomas se manifestarem.

Gostou de saber o que é gota e quer conferir mais posts sobre saúde e bem-estar? Então, leia também nosso artigo com as principais opções de tratamento para o refluxo em idosos!

Gota – Distúrbios ósseos, articulares e musculares – Manual MSD Versão Saúde para a Família

Normalmente, o ácido úrico, um subproduto da quebra de ácidos nucleicos (ácido ribonucleico [RNA] e ácido desoxirribonucleico [DNA]) nas células, está presente em pequenas quantidades no sangue, devido ao fato de o corpo destruir células e formar novas células continuamente. Além disso, o corpo transforma prontamente substâncias presentes em alimentos chamadas purinas em ácido úrico. As purinas são os principais constituintes do RNA e DNA.

Níveis de ácido úrico anormalmente elevados no sangue resultam de

  • Eliminação diminuída de ácido úrico pelos rins (causa mais comum)
  • Consumo excessivo de alimentos ricos em purina e/ou álcool
  • Produção exacerbada de ácido úrico

Frequentemente, o nível de ácido úrico no sangue se torna anormalmente alto quando os rins não podem eliminar ácido úrico na urina suficientemente. Essa causa é geralmente determinada pelos genes da pessoa.

Muito ácido úrico no sangue pode resultar em cristais de ácido úrico sendo formados e depositados nas articulações ou ao seu redor.

Os quadros clínicos que podem comprometer a capacidade de o rim eliminar o ácido úrico também incluem

  • Alguns tipos de doenças renais

Consumo excessivo de alimentos ricos em purina (como fígado, rim, anchovas, aspargos, arenques, caldos e molhos de carne, cogumelos, mexilhões, sardinhas e pães doces) podem aumentar os níveis de ácido úrico no sangue.

Leia também:  Como Dizer A Um Rapaz Que Gosto Dele Por Sms?

No entanto, uma dieta estrita baixa em purina reduz os níveis de ácido úrico em apenas uma pequena quantidade.

No passado, quando o consumo de carnes e peixes era escasso, a gota era considerada uma doença que acometia pessoas ricas.

A combinação de uma dieta rica em purinas com álcool ou bebidas contendo xarope de milho rico em frutose pode piorar a situação, porque todas estas bebidas podem aumentar a produção de ácido úrico e interferir na sua eliminação pelos rins.

Por motivos desconhecidos, nem todas as pessoas que possuem hiperuricemia desenvolvem gota.

  • No passado, quando o consumo de carnes e peixes (alimentos ricos em purina) era escasso, a gota era considerada uma doença que acometia pessoas ricas.

Menos comumente, outro distúrbio faz com que o corpo produza ácido úrico em excesso. (Gota causada por outro distúrbio é chamada gota secundária). Esses distúrbios incluem

  • Qualquer tipo de doença renal crônica
  • Medicamentos que levam as células a se multiplicarem e/ou se destruírem rapidamente, como certos medicamentos antineoplásicos e radioterapia

Geralmente, os níveis altos de ácido úrico no sangue levam a níveis altos de ácido úrico nas articulações. Esse processo pode resultar na formação de cristais de ácido úrico no tecido das articulações e no líquido ao redor das articulações (líquido sinovial).

A gota muito frequentemente afeta as articulações dos pés, especialmente a base do hálux (inchaço, dor e vermelhidão do hálux é chamado podagra). Porém, afeta com mais frequência outras áreas: tornozelos, dorso dos pés, joelhos, pulsos e cotovelos.

A gota tende a afetar essas áreas mais frias, já que os cristais de ácido úrico se formam mais rapidamente em áreas frias do que em áreas quentes.

A gota raramente afeta as articulações das partes mais quentes e centrais do corpo, como a coluna vertebral, quadris ou ombros.

Exacerbações (crises) graves repentinas de gota (chamadas artrite gotosa aguda) podem ocorrer. Estas podem ser desencadeadas por

  • Doença (como pneumonia ou outra infecção)
  • Uso de diuréticos tiazídicos
  • Início de tratamento com determinados medicamentos (como alopurinol, febuxostate, probenecida e nitroglicerina, especialmente nitroglicerina administrada por via intravenosa que contenha álcool) que podem repentinamente alterar os níveis de ácido úrico no sangue
  • Consumo de grandes quantidades de álcool ou alimentos ricos em purina

Gota: o que é, sintomas, tratamentos e remédios

A gota (CID 10 – M10) é uma inflamação nas articulações e ocorre quando a taxa de ácido úrico no sangue está em níveis acima do normal. Os sinais de gota, também conhecida como Doença dos Reis, podem ocorrer de repente, principalmente à noite.

A apresentação clínica da gota é bastante variável, pois são possíveis diferentes combinações destas manifestações, ou seja, um paciente pode apresentar somente crises agudas de artrite, depósitos dos cristais e/ ou alterações de função renal ou cálculos renais.

Embora seja bastante comum nos pés e joelhos, a gota também pode acometer outras regiões, como as mãos e cotovelos.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

Veja exemplo (imagem a seguir pode ser forte):

Foto: Reprodução/Shutterstock

Tipos

A gota pode ser dividida em dois tipos:

A gota primária é causada por um erro inato do metabolismo das purinas (um defeito enzimático específico), caracterizado pela superprodução de ácido úrico e/ ou por defeito na excreção renal de urato, sendo este último o tipo mais comum.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

  • A gota secundária é aquela que surge durante o desenvolvimento de outras doenças: leucemia, linfoma, drepanocitose, outras anemias hemolíticas, psoríase, hiperparatireoidismo, insuficiência renal, estados de hiperinsulinemia ou resistência à insulina.
  • Também pode surgir devido auso de alguns medicamentos (diuréticos, salicilatos em doses baixas, L-dopa, pirazinamida, etambutol, quimioterápicos, ciclosporina, tacrolimus) ou quando o indivíduo está exposto à dieta rica em purinas, em estado de inanição ou desidratação grave.
  • A gota pode ser divida também em três fases:

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

A fase de artrite gotosa aguda (gota aguda) habitualmente manifesta-se a partir dos 40 anos, com uma crise súbita de dor articular, geralmente com comprometimento de uma única articulação. É associada ao calor, rubor e edema locais.

A articulação mais acometida é a primeira metatarsofalangeana (“dobra”) do primeiro dedo do pé (“dedão”), mas pode acometer as outras articulações dos outros dedos do pé, do dorso do pé, tornozelos, joelhos, punhos, mãos ou cotovelos.

Durante a crise aguda de gota, podem ocorrer febre e calafrios. Nesses casos, é importante uma cuidadosa avaliação para afastar infecção associada.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

A duração da crise aguda da gota varia de horas a poucos dias. Finalizada a crise aguda de gota, o paciente passa para a fase de período intercrítico: durante esta ele se mantém assintomático (sem sintomas).

O período intercrítico da gota tem duração bastante variável.Uma segunda crise de gota pode acontecer entre seis meses ou mesmo 10 anos, mas na maioria das vezes acontece entre seis e 24 meses após a primeira crise.

Crises agudas de gota não tratadas ou tratadas de forma inadequada tendem a favorecer ataques subsequentes mais graves e prolongados e a reduzir o período intercrítico.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

Consequentemente os sintomas não se resolvem completamente, havendo o comprometimento de mais de uma articulação, passando-se para a fase de gota crônica.

Na fase de gota crônica, os períodos livres de sintomas desaparecem. O paciente apresenta quadro de dor contínua em mais de uma articulação, associada a outros sinais de inflamação, como edema e calor, que levam a deformidades.

É nesta etapa que surgem também os tofos (nódulos resultantes do acúmulo de cristais de ácido úrico). Geralmente, os tofos são indolores e aparecem em várias partes do corpo, limitam a mobilidade da articulação perto da qual se localizam ou ulceram e drenam uma secreção que lembra pó de giz molhado.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

Durante toda a evolução da gota, o aumento do ácido úrico no sangue (hiperuricemia) pode causar dano aos rins.

A deposição crônica de urato nos rins pode levar a perda de função renal e formação de cálculos renais. Sabe-se que homens com gota têm duas vezes mais chance de ter cálculos renais do que homens sem gota.

Causas

A gota é causada pela presença de níveis mais altos do que o normal de ácido úrico na corrente sanguínea. Isso pode ocorrer se o corpo produzir ácido úrico em excesso ou se tiver dificuldade de eliminar o ácido úrico produzido.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

Quando essa substância se acumula no líquido ao redor das articulações (líquido sinovial), são formados cristais de ácido úrico. Esses cristais causam inchaço e inflamação nas articulações.

Cerca de 40% dos pacientes com gota apresentam histórico familiar desta doença, o que nos permite afirmar que há uma influência genética significativa, porém outros fatores determinam a expressão da doença, são relevantes:

  • Dieta
  • Consumo de álcool
  • Uso de algumas medicações
  • Presença de outras doenças

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

Uma combinação de predisposição genética e dos fatores de risco já identificados é que influenciam os mecanismos moleculares de metabolização de urato e inflamação induzida por cristais de urato. Contudo, a causa exata do excesso de ácido úrico ainda é desconhecida.

Fatores de risco

  • Histórico familiar, uma vez que a doença pode ser genética
  • Sexo: gota é mais comum em homens
  • Mulheres após a menopausa
  • Ingestão excessiva de álcool
  • Uso de determinados medicamentos diuréticos
  • Hipertensão
  • Diabetes
  • Colesterol alto
  • Altos níveis de gordura corporal
  • Arteriosclerose

Sintomas

Sintomas de Gota

Os sinais de gota são quase sempre agudos, podendo ocorrer de repente, principalmente à noite, e sem nenhum aviso. Entre eles estão:

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

  • Dor intensa nas articulações dos pés, tornozelos, joelhos, mãos e pulsos (costuma ser mais forte nas primeiras 12 a 24 horas)
  • Desconforto nas articulações, que pode durar alguns dias e, em alguns casos, até mesmo algumas semanas
  • Inflamações e vermelhidão na região das articulações afetadas, com presença de suor
Leia também:  Como Sei Que Ele Esta Interessado Em Mim?

Depois do primeiro ataque de gota, as pessoas não apresentam sintomas. Além disso, metade dos pacientes sofre outro ataque.

Locais do corpo que podem apresentar gota – Imagem: Minha Vida

Algumas pessoas podem desenvolver gota crônica. Aqueles que sofrem de artrite crônica desenvolvem lesões e perda de movimento das articulações. Nesses casos, o paciente apresenta dor nas articulações e outros sintomas a maior parte do tempo.

Outro sintoma de gota são os tofos, caroços sob a pele ao redor das articulações ou em outros lugares. Eles podem drenar material calcário. Geralmente, os tofos se desenvolvem em pacientes que convivem por muitos anos com a doença.

Buscando ajuda médica

Procure a ajuda de um especialista se você:

  • Sentir dor repentina nas articulações
  • Apresentar febre
  • Sentir queimação na região de articulações

Diagnóstico e Exames

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a gota são:

  • Clínico geral
  • Reumatologista

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições e medicamentos ou suplementos que tome com regularidade

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Em quais partes do corpo você está sentindo dor?
  • Quando os sintomas começaram?
  • Os sintomas são recorrentes ou contínuos?
  • Você tem algum parente com histórico de gota?
  • Você consome bebidas alcoólicas? Com que frequência e em quais quantidades?
  • Como é sua alimentação durante o dia?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Algumas perguntas básicas incluem:

  • O que está causando os sintomas?
  • Quais testes eu preciso fazer?
  • A minha condição é temporária ou crônica?
  • Qual tratamento você recomenda?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Gota

O médico realizará um exame físico para analisar as articulações em que há dor e, depois, fará perguntas sobre seu histórico médico e de sua família, a fim de encontrar vestígios de gota.

Exames

O médico poderá te pedir alguns exames, como:

  • Análise de líquido sinovial (exame que revelará cristais de ácido úrico)
  • Exames para medir a quantidade de ácido úrico no sangue e na urina
  • Raio X da articulação
  • Biópsia sinovial

Atenção: nem todas as pessoas com altos níveis de ácido úrico no sangue têm gota.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Gota

Os medicamentos devem ser tomados o mais rápido possível se você sofrer um ataque de gota súbito.

  • Use anti-inflamatórios assim que aparecerem os sintomas da gota. Consulte o seu médico sobre a dose correta. Você talvez precisará de doses mais fortes por alguns dias
  • O médico poderá prescrever analgésicos fortes para as dores.
  • O especialista poderá prescrever também alguns medicamentos que ajudem a reduzir a dor, o inchaço e a inflamação.
  • Os corticoides também podem ser muito eficazes. O médico pode injetar esteroides na articulação inflamada para aliviar a dor.
  • Em geral, a dor diminui dentro de 12 horas após o início do tratamento e desaparece completamente em 48 horas.
  • O uso diário de alguns remédios também diminui os níveis de ácido úrico no sangue. O médico poderá prescrever esses medicamentos se o paciente tiver vários ataques durante o mesmo ano ou se os seus ataques forem muito graves, se o paciente tiver lesões nas articulações, tofos e cálculos renais de ácido úrico.

O uso de compressas de gelo nas crises de gota e a mudança de hábitos alimentares, evitando-se aqueles ricos em proteína animal e aumentando o consumo de vegetais, verduras e frutas, leite e derivados auxiliam no tratamento da gota.

Faz parte da cultura popular o uso de chás e infusões com cúrcuma, cavalinha, abacaxi, cereja, gengibre e pepino para controle da crise aguda e prevenções.

Exame de imagem mostra acúmulo de ácido úrico nos pés – Foto: Shutterstock

O cuidado na alimentação das pessoas com hiperuricemia deve ser uma prioridade, já que vários alimentos são fontes de purinas que entram na formação do ácido úrico.

Portanto, quem sofre com gota não deve consumir:

  • Bebidas alcoólicas: principalmente cerveja
  • Vísceras: coração de galinha, rim, fígado, moelas, miolo
  • Peixes
  • Frutos do mar
  • Enlatados e conservas
  • Defumados
  • Carnes vermelhas e gordas

E existem alimentos e nutrientes recomendados, que oferecem uma certa proteção contra o desencadeamento da gota e deveriam fazer parte da estratégia alimentar dos pacientes com maior risco:

  • Vegetais
  • Leite e derivados desnatados
  • Café
  • Cerejas
  • Alimentos fontes de vitamina C, como as frutas cítricas

Cirurgias para Gota

Quando o paciente com gota apresenta dificuldade para andar devido à compressão do nervo peroneal, uma cirurgia simples pode ser indicada.

O objetivo do procedimento é melhorar a capacidade da pessoa de caminhar e realizar outras atividades.

Medicamentos para Gota

Os medicamentos mais usados para o tratamento de gota são:

  • Alopurinol
  • Androcortil
  • Beserol
  • Betametasona
  • Butazona Cálcica
  • Bi Profenid
  • Cataflam
  • Celestone
  • Cetoprofeno
  • Colchis
  • Dexalgen
  • Diclofenaco Colestiramina
  • Diclofenaco sódico
  • Feldene
  • Fenaflan D
  • Flancox
  • Flotac
  • Ibupril 300mg
  • Ibupril 600mg
  • Infralax
  • Mioflex A
  • Naproxeno
  • Nimesulida
  • Prednisolona
  • Prednisona
  • Profenid
  • Tandrilax
  • Torsilax

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique.

Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Convivendo (prognóstico)

Gota tem cura?

O tratamento adequado dos ataques agudos de gota permite que as pessoas tenham uma vida normal. Entretanto, a forma aguda da doença pode progredir para gota crônica.

Complicações possíveis

Gota não tratada pode evoluir para complicações mais sérias, como:

Convivendo/ Prognóstico

Algumas dietas e mudanças no estilo de vida ajudam a evitar crises de gota e facilitam a eficácia do tratamento. Siga algumas dicas e tenha um bom prognóstico:

  • Evite álcool
  • Reduza a quantidade de alimentos ricos em purina
  • Limite a quantidade de carne ingerida em cada refeição
  • Evite comidas gordurosas, como molhos para saladas, sorvete e frituras
  • Coma uma quantidade suficiente de carboidratos
  • Se estiver de dieta, emagreça lentamente: a perda rápida de peso pode provocar a formação de cálculos renais de ácido úrico

Saiba mais: Cerejas reduzem risco de crise de gota

Homem com gota nas articulações dos pés – Foto: Shutterstock

Prevenção

Prevenção

O distúrbio em si pode não ser prevenido, mas você pode evitar itens que desencadeiam os sintomas. Limite o consumo de álcool e de alimentos gordurosos, bem como de carnes e peixes, e beba muita água.

Mais sobre Gota

O ácido úrico é uma substância normalmente presente no nosso organismo que surge da degradação de um tipo de aminoácido, chamado purina, encontrado em vários alimentos. Depois de serem degradadas, as purinas são transformadas em ácido úrico. Uma parte dele permanece no nosso organismo e o restante é excretado pelos rins.

Os homens têm mais ácido úrico que as mulheres, sendo este o motivo de uma prevalência maior da gota em homens. Além disso, é sabido que o estrógeno (hormônio feminino) tem efeito uricosúrico (aumenta a perda de ácido úrico pelos rins), sendo este um dos motivos da gota ser rara em mulheres antes da menopausa.

Há registros dessa doença desde muitos séculos antes de Cristo, época em que era conhecida como “enfermidade dos patrícios”. Houve uma epidemia de gota na Roma Antiga e também na Inglaterra Vitoriana entre os séculos XVII e XIX, que durou aproximadamente 200 anos.

Acredita-se que a intoxicação pelo chumbo, presente nos alimentos e no vinho, tenha sido a causa da epidemia de gota que se disseminou entre os habitantes. Isso se deve porque o excesso de chumbo interfere na excreção de ácido úrico pelos rins.

Como na época a gota estava muito relacionada à alimentação farta e não havia medicamentos que reduzissem as quantidades de ácido úrico no organismo, há registros de gota em grandes nomes da História – como Alexandre, o Grande, Henrique VIII, Carlos Magno, Voltaire, Leonardo Da Vinci, Charles Darwin e Isaac Newton. Também por isso que a gota foi, durante muitos anos, associada ao pecado capital da gula.

Referências

  1. Sociedade Brasileira de Reumatologia
  2. Ana Beatriz Azevedo, reumatologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo
  3. Mayo Clinic
  4. American Orthopaedic Foot & Ankle Society (AOFAS)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*