Franchising O Que É Como Funciona?

Franchising O Que É Como Funciona?

Quando você opta por investir em uma rede de franquias, tem conhecimento de que uma das grandes vantagens em ser um franqueado é poder contar com as orientações do seu franqueador. No entanto, você sabe como funciona uma franquia, de fato, e quais são as responsabilidades das partes envolvidas no negócio?

A seguir, falaremos mais sobre o assunto, confira! 

Como funciona uma franquia, e qual o papel das partes envolvidas nessa parceria

Basicamente, a regra da modalidade de franquia é a seguinte: o franqueador fornece todo o know how e o franqueado executa as ações em sua unidade, auxiliado por uma equipe de suporte para tirar as dúvidas necessárias. Todos os detalhes dessa relação são estabelecidos por um contrato firmado entre os envolvidos.

Acompanhe as atribuições de cada uma das partes, dentro de alguns pontos principais do negócio:

No que se refere à seleção do ponto comercial

Quando se estuda a respeito de como funciona uma franquia, este é um dos primeiros pontos a serem considerados para que bons resultados sejam possíveis. A localização da unidade do franqueado vai depender de diversos fatores, desde o modelo de negócio até o público alvo.

O franqueador não busca o ponto comercial para o franqueado, mas fornece todas as informações sobre as características que o ponto deve ter para obter sucesso. Além disso, faz parte das atribuições da rede franqueadora dar suporte ao parceiro franqueado durante todo o processo de compra ou aluguel do imóvel.

Em termos de publicidade e marketing

Quando se compra uma franquia, já se tem suporte para a divulgação da marca. Este trabalho é feito mediante uma taxa paga pelo franqueado (que normalmente já está inclusa no valor total de investimento) que vai direto para o fundo de propaganda.

O capital é investido em campanhas nos veículos de mídia (televisão, rádio, revistas, jornais e portais), anúncios e banners para fortalecer e ampliar a visibilidade da marca, beneficiando todas as unidades da rede.

A criação das peças é responsabilidade do franqueador. O franqueado precisa, nesse caso, realizar a veiculação local.

Em relação à arquitetura

  • Nas pesquisas sobre como funciona uma franquia, o franqueado descobre que todo franqueador conta com um arquiteto que monta um projeto padrão para todas as unidades da rede — esse projeto é passado para o franqueado antes dele inaugurar a unidade.
  • E, nesse quesito, como funciona na Franquia de Escolas SUPERA?
  • No caso do SUPERA, o dono da unidade envia para o franqueador as fotos e medidas do imóvel em questão, e a arquiteta responsável produz projetos personalizados.
  • “Neste caso, o franqueado fica responsável por acompanhar a execução, e nós oferecemos apoio durante o período, caso ele tenha dúvidas sobre como proceder”, explicou a Gestora de Implantação de Franquias da marca, Vanessa Galvão.

Franchising O Que É Como Funciona?

Em termos de contratações

As contratações da equipe são de responsabilidade do franqueado. Porém, novamente, há ajuda do franqueador para isso — ele fornece um roteiro para auxiliar o passo-a-passo da tarefa.

Como funciona na Franquia de Escolas SUPERA: Aqui, são disponibilizadas artes para postagem em redes sociais e testes de seleção para serem aplicados. A entrevista final, contudo, fica por conta do franqueador, que pode aprovar ou não o colaborador.

Em relação às vendas

  1. Nesse último quesito a respeito de como funciona uma franquia, vale pontuar que faz parte das responsabilidades do franqueador fornecer às unidades franqueadas todo o suporte necessário em termos de treinamentos, apostilas e manuais.

  2. Desta forma, todos os vendedores ou consultores comerciais da rede conseguem atender bem os clientes — além, claro, de  vender os produtos ou serviços com excelência.

     

  3. Agora que você já compreendeu melhor quais as responsabilidades do franqueador e franqueado, que tal saber mais detalhes sobre como funciona uma franquia de ginástica para o cérebro?
  4. Preparamos um conteúdo com todos os detalhes da Franquia de Escolas SUPERA nesse sentido, confira aqui!

Mais sobre a Franquia de Escolas SUPERA

O SUPERA foi inaugurado em 2006, e é a primeira empresa brasileira que conta com um método exclusivo de ginástica cerebral. Atualmente, a marca soma mais de 400 unidades espalhadas por todo o Brasil, e está entre as mais rentáveis redes do país para se investir. 

De 2015 a 2019, por exemplo, a Franquia de Escolas SUPERA registrou um aumento de 339% em seu faturamento (saltando da casa dos R$ 22 milhões para R$ R$ 98 milhões). 

Vale destacar que a rede franqueadora oferece todo o suporte necessário aos seus franqueados — com métodos de trabalho focados em contribuir com as suas unidades parceiras na busca pelo sucesso. Não por acaso, o empreendimento já conquistou nove vezes o Selo de Excelência ABF, principal honraria concedida pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). 

Para mais informações, ou para tirar qualquer dúvida a respeito da Franquia de Escolas SUPERA, entre em contato com a nossa equipe!

Franchising O Que É Como Funciona?

O que é o Franchising?

Franchising O Que É Como Funciona?Aprenda o que é o franchising, como funciona e as vantagens. Muitas marcas usam este plano de negócios, para ter uma rede massiva de lojas. Descubra porquê!

O mais certo é que antes de chegar até esta página, tenha pesquisado por “o que é o franchising?“, “como funciona o franchising?” ou outros termos comuns. Antes de responder sobre o que é, como funciona e as vantagens, é preciso entender o que significa o termo franchising.

O franchising ou franchise consiste num negócio em parceria, no qual uma empresa (franchisador) ensina a um terceiro (franchisado) o seu conceito de negócio, permitindo-lhe que utilize a marca, ensinando os seus métodos de gestão, a sua fórmula de negócio e prestando-lhe apoio contínuo. Em alguns casos tem o direito de revender em exclusivo os seus produtos numa determinada região. O McDonald’s, as agências imobiliárias Century21 ou Remax, são um bom exemplo de um negócio de franchising.

Será que compensa? Nós explicamos melhor o Franchising

  • O franchising é a maneira mais segura de criar um negócio, pois o franchisado já recebe um negócio comprovado, operacional e administrativamente legal, obtendo os benefícios de uma economia de escola que não poderia obter com um negócio independente, sem falar na publicidade centralizada e, sobretudo, na experiência acumulada do franchisador, o qual evita a passagem por uma curva de aprendizagem às suas próprias custas e, ainda assim, e ter o risco de falhar nos negócios.
  • Basicamente, o franchisador expande o seu negócio e recebe royalties, ou seja, um valor mensal, fixo ou uma determinada percentagem sobre a facturação de cada franchisado.
  • O franchisado compra o direito para abrir uma loja, o chamado direito de entrada, uma espécie de jóia paga pelas vantagens de se tornar membro de uma cadeia já estabelecida no mercado e usar a marca.

É uma negócio positivo para ambas as partes! As empresas criam uma marca global e líder, enquanto os empreendedores (franchisados) recebem um negócio pronto a abrir que funciona.

Vantagens do Franchising

O franchising é um negócio que tem várias vantagens para os donos do franchise, mas também, para os empreendedores que querem abrir um negócio:

  • Capital mínimo de investimento
  • Solução de negócio chave na mão
  • Empreendedores motivados
  • Expansão rápida
  • Poder de compra
  • Estratégia de saída
  • Fonte de ideias
  • Flexibilidade

Franchising O Que É Como Funciona?

O que é mais importante no Franchising?

Antes de escolher um franchising para abrir um negócio na sua rua, freguesia ou cidade, deve ter em conta os seguintes itens:

  1. Rentabilidade
  2. Apoio
  3. Experiência
  4. Aprendizagem
  5. Sistematização
  6. Acessibilidade
  7. Originalidade
  8. Adaptabilidade
  9. Atração comercial
  10. Compromisso

Agora que sabe o que é, como funciona e as vantagens de abrir um franchising, está na hora de procurar por negócios de franchising que possam ser boas oportunidades de negócio.

Franquia: como funciona este modelo de negócio?

Provavelmente, ao passear por shoppings e centros comerciais, você notou que já havia visto muitas marcas que estavam ali em outro lugar. Isto é devido ao fato de shoppings serem um grande centro de concentração de franquias. 

Um fator que normalmente chama a atenção das pessoas é como que esses pontos em diferentes lugares podem ter o mesmo padrão. Como é possível ir em uma loja do McDonald’s em uma cidade e na outra consumir o mesmo produto? 

Estas são características do mercado de franchising e que em muitos casos, é pouco esclarecido e difundido entre as pessoas. Afinal, o que é franquia? Confira e saiba mais! 

Saiba o que você irá encontrar neste artigo:

De uma forma simples, franquia é um modelo de negócio que se baseia na concessão do direito de uso de uma marca, patente, infraestrutura, know-how ou conceito a um investidor. Este modelo é baseado na padronização de processos e produtos. 

Este direito é concedido por um franqueador – proprietário da marca –  a um franqueado – investidor – para replicar, em outros formatos e locais, os serviços e produtos oferecidos pela marca. Portanto, o modelo de franquia é a permissão dada por um proprietário de um negócio reconhecido e bem-sucedido a um investidor interessado em replicar este modelo.

O modelo de negócio baseado no franchising iniciou nos Estados Unidos, no ano de 1850. A primeira empresa a pensar em um formato primário de franquia foi a Singer Sewing Machine, da região de New England. A empresa decidiu conceder licenças de uso da marca para comerciantes que gostariam de revender seus produtos em outras regiões do país. 

Em 1898, outra grande empresa decidiu tomar o mesmo rumo. A General Motors, apostou neste modelo de expansão de seus pontos de venda, quando criou, assim, o conceito de concessionária de veículos. A Coca-Cola também entrou para o mercado neste mesmo período, dando direito a outros empresários de produzir e vender seus refrigerantes por outras localidades dos EUA. 

A proposta de negócio começou a ser reproduzido no Brasil com a pioneira Yázigi Internexus. A escola de idiomas teve sua primeira franquia no Brasil no estado de São Paulo, no ano de 1954. 

A partir disso, outras diversas empresas foram optando por este modelo de expansão. Apostaram no mercado com a esperança de chegar no sucesso que é hoje ao redor de todo o mundo. 

Este formato de negócio é baseado em uma relação de dependência entre franqueador e franqueado. O franqueado, investidor, é responsável pela administração da unidade. Ele tem diversas obrigações para com a marca. O investidor deve pagar as taxas que envolvem o sistema e cumprir com as determinações da marca. 

A parte franqueadora, que detém o direito de uso da marca, é responsável pela prestação de suporte aos franqueados. Os franqueadores têm a obrigação de repassar o know-how e todo o treinamento para funcionamento do negócio. Além disso, a parte detentora pode ter obrigações contábeis, operacionais e de fiscalização da rede. 

Quais são as principais taxas do mercado de franquia? 

Como parte das obrigações dos franqueados com os franqueadores, estão algumas taxas que devem ser pagas para obter o direito de comercializar a franquia. Essas taxas são definidas no contrato de franquia, que o franqueado assina ao comprar o direito de uso da marca. 

Algumas são pagas quando se adquire a franquia e outras funcionam como espécie de remuneração mensal para o franqueador. Essa taxa mensal também engloba os processos administrativos e operacionais que o franqueador deve prover. Confira quais são as principais taxas do franchising:

  • Taxa de franquia: esta taxa única é paga ao adquirir o direito de uso da marca. Este pagamento faz parte do investimento inicial da franquia. É cobrada normalmente para cobrir os custos que a franqueadora terá com suporte, implantação da unidade, processos de treinamento e etc. 
  • Royalties: ao contrário da taxa de franquia, os royalties são cobrados periodicamente; normalmente, a cada mês. Esta taxa funciona como pagamento do franqueado à rede franqueadora pela exploração constante da marca e suporte oferecido, além de uso de eventual serviço prestado pela rede. A cobrança é feita, geralmente, sobre o faturamento bruto da unidade ou sobre as vendas. 
  • Fundo de Propaganda/Marketing: esta taxa, assim como os royalties, é cobrada mensalmente. A cobrança é referente a todo o custo com marketing e campanhas publicitárias que a rede tenha para promover a marca no mercado. Geralmente é cobrada sobre o faturamento bruto ou vendas e variam entre 2% a 5%, apesar de não ser estabelecido um valor fixo. 

Segmentos do franchising

O mercado de franquias é dividido em diferentes segmentos, que facilitam divisão de atuação de cada franquia conforme o serviço ou produto que oferece. O franchising, no Brasil, é dividido em 11 segmentos, sendo eles: 

  1. Alimentação;
  2. Saúde, Beleza e Bem-estar;
  3. Serviços e Outros Negócios;
  4. Moda;
  5. Hotelaria e Turismo;
  6. Serviços Educacionais;
  7. Casa e Construção;
  8. Serviços Automotivos;
  9. Comunicação, Informática e Eletrônicos;
  10. Entretenimento e Lazer;
  11. Limpeza e Conservação.

Formatos de franquia

Dentro do modelo de negócios do franchising, existem alguns formatos de atuação que podem ser adotados, conforme disponibilidade da rede. Alguns dos principais formatos são:

  • Loja;
  • Quiosque;
  • Food Truck;
  • Container;
  • Home-based.

Atualmente, no Brasil, o mercado de franquias é regulado pela Lei Nº 13.966, promulgada em dezembro de 2019. A atual lei substituiu a primeira regulamentação feita em 1994. 

A Lei de Franquias estabelece as regras que regulamentam o mercado. A lei estabelece todos os requisitos para funcionamento do negócio. Além disso, também especifica a cobertura jurídica do franqueador e do franqueado. A regulamentação abrange regras sobre ponto comercial, regras de expansão e internacionalização, obrigações trabalhistas e etc. 

Circular de Oferta de Franquia

A Circular de Oferta de Franquia (COF) é o documento exigido pela Lei e que deve ser entregue ao franqueado até 10 dias antes da abertura da unidade. Este documento prevê todas as informações sobre o mercado do franchising e sobre a rede. 

Nesta circular, deve estar definido pontos como as atividades que a rede exerce, histórico de franqueados, investimento e taxas, balanços e demonstrações financeiras e todas as obrigações do investidor como franqueado. Além disso, o documento deve especificar os concorrentes direto da marca e especificações do mercado em que atua.

O mundo dos negócios é repleto de opções de investimento. Cada vez mais têm surgido diferentes modelos de negócios. O empreendedorismo está em alta e tem levado cada vez mais pessoas a se aventurarem tendo seu próprio negócio. Mas e o franchising? Vale a pena investir neste mercado? Saiba quais são os principais benefícios do mercado de franquias: 

Para franqueados:

  • Investir em uma franquia é apostar em um negócio já consolidado no mercado. Dessa forma, o empreendedor corre menos riscos e tem mais chances de obter sucesso;
  • Não é necessário ter experiência no setor que deseja ingressar. Ou seja, você pode empreender na área que deseja sem precisar ter tido outras experiências com a área;
  • Suporte constante de uma rede. Auxílio administrativo, financeiro, operacional, tudo isto está à disposição do investidor para ajuda na gestão do negócio;
  • Equipamentos e fornecedores homologados pela rede. Isto fará com que já tenha os fornecedores confiáveis e evite problemas com serviços mal prestados.

Para franqueadores

  • Para um empresário, expandir seu negócio por meio do franchising é optar por um mercado que cresce cada vez mais. A expansão é mais rápida, descentralizando a gestão e diminuindo investimentos;
  • Optando pelo franchising, o empresário terá mais oportunidades de focar em inovação e criação de novos produtos e serviços. Isto se dá devido a gestão do negócio não estar somente sob seu controle;
  • O modelo de negócios oferece menos riscos para franqueadores. O franqueado assume a maior parte das responsabilidades por seu negócio. Desta forma, você estará expandindo sua marca sem se responsabilizar por todas unidades.

Diante disso, não há dúvidas de que o mercado de franquias é uma ótima opção para quem busca investir e para quem visa sua expansão.

Entenda o que é franchising e como funciona esse modelo de negócio

Muito tem se falado sobre franquias e como é vantajoso investir nesse modelo de negócios. Para quem não sabe o que é Franchising, aqui vai uma definição: modelo de negócios em que uma empresa cede para o franqueado os direitos de uso da marca e a comercialização dos produtos/serviços, além de transferir o know-how necessário para operar a unidade.

Para quem está pensando em administrar o negócio próprio, o franchising apresenta boas opções de investimento e de lucro. No entanto, é preciso saber como funciona o dia a dia de uma franquia, seus maiores desafios, vantagens e desvantagens. Confira:

Como funciona o franchising

O franqueador cede ao franqueado a possibilidade de operar um modelo de negócios já estruturado no mercado. O papel da empresa franqueadora é oferecer o suporte e a transferência do know-how da empresa. O franqueado, por sua vez, deverá seguir as orientações e respeitar as regras e os padrões estabelecidos pela empresa matriz.

Para abrir uma franquia, o franqueado deverá realizar um cadastro na empresa de interesse. Essa, por sua vez, fará um estudo de seu perfil e, caso esteja alinhado com a proposta da franqueadora, o empreendedor poderá fechar negócio e dar os primeiros passos para operar sua unidade.

Além da taxa de investimento inicial, algumas empresas cobram taxas de publicidade e royalties sobre os produtos/serviços. É preciso ler atentamente o contrato e ver, especificamente, quais são as responsabilidades de ambas as partes (franqueado e franqueador).

Vantagens e desvantagens de abrir uma franquia

Vantagens

  • Operar um negócio já estruturado e maduro, que já possui um público-alvo definido;
  • Contar com o apoio e o suporte de uma empresa com experiência no mercado, aumentando as chances de sucesso do seu investimento;
  • Menor risco de perder o capital investido, já que a taxa de mortalidade das franquias é quatro vezes menor do que para empresas criadas do zero;
  • Possibilidade de trabalhar com uma marca que já possua credibilidade e reputação.

Desvantagens

  • Pouca flexibilidade, o que pode não combinar com empreendedores criativos;
  • Não há autonomia para modificar produtos ou serviços;
  • Tem que obedecer as regras e os padrões estabelecidos pela empresa franqueadora.

Cuidados necessários

Antes de abrir uma franquia, é necessário tomar alguns cuidados para não tomar alguma decisão por impulso. Apesar de ser um investimento de risco reduzido, alguns fatores contribuirão diretamente para o sucesso de sua franquia. São eles:

  • Afinidade com a franqueadora: é preciso que o franqueado tenha afinidade com o dia a dia da unidade, seu produto, área de atuação e público-alvo. Além disso, é aconselhável escolher uma área em que o franqueado tenha experiência profissional.
  • Planejamento financeiro: além do investimento inicial, o futuro franqueado certamente deverá meter a mão no bolso para cuidar de assuntos pertinentes à operação de sua unidade. Gastos com materiais descartáveis, ambientação, reparos, capital de giro geralmente não estão inclusos no investimento inicial da franquia. Crie um planejamento imaginando todos os gastos que sua unidade terá até se firmar no mercado.

O mercado de franchising está em constante expansão e se você possui um capital reservado para empreender, escolha uma área pela qual você tenha paixão e dê o primeiro passo!

Gostou do artigo? Compartilhe com seus amigos que estão considerando abrir uma franquia, mas não entendem como funciona o modelo de negócios.

Entenda o que é e como funciona uma franquia – Vem Empreender – Diário do Nordeste

Quando uma pessoa pensa na palavra franquia, imediatamente pode imaginar um grande restaurante, uma lanchonete internacional ou uma loja de grife, que, apenas com a força de sua marca, alcança um faturamento alto todos os meses.

Certamente pode ser um bom negócio tornar-se um franqueado, porém, os bons resultados só virão com muito trabalho e investimento.

Além disso, é possível fazer parte de uma rede de franquias, não necessariamente de grande porte, pois há diversas opções de segmento no mercado.

Essas e outras orientações são básicas para quem pretende ingressar nesse ramo, que apresenta bons índices nos últimos anos no Brasil.

“No Nordeste, o mercado de franquias faturou R$ 5,7 bilhões no primeiro trimestre de 2020, o que representa um aumento de 2% no faturamento da região frente ao mesmo período anterior”, comenta Leonardo Lamartine, Diretor Regional da Associação Brasileira de Franchising (ABF) no Nordeste.

Nesta entrevista exclusiva ao Vem Empreender, Leonardo Lamartine traz mais detalhes a respeito do segmento e explica de que forma os empreendedores podem conseguir melhores resultados ao entrar para o ramo de franquias.

Diário do Nordeste: De que forma podemos definir uma franquia? Leonardo Lamartine: Franquia é um sistema de venda de licença no qual o franqueador (o detentor da marca) cede, ao franqueado (o autorizado a explorar a marca), o direito de uso da sua marca, patente, infraestrutura, know-how e direito de distribuição exclusiva ou semiexclusiva de produtos ou serviços. Esse franqueado, por sua vez, investe e trabalha na franquia e paga parte do faturamento ao franqueador sob a forma de royalties. Eventualmente, o franqueador também cede ao franqueado o direito de uso de tecnologia de implantação e administração de negócio ou sistemas desenvolvidos ou detidos pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem ficar caracterizado vínculo empregatício.

Diário do Nordeste: Quais são as diferenças (conceituais e de funcionamento) de uma franquia para outros tipos de negócios? Leonardo Lamartine: A franquia oferece um modelo de negócio testado, produtos ou serviços prontos, suporte e treinamento da franqueadora, acesso a uma marca reconhecida, ao poder de compra da rede e ações de marketing, dentre outros. Com isso, vêm também algumas responsabilidades, principalmente a necessidade de seguir padrões e regras, reportar dados à franqueadora, cumprir obrigações contratuais e contribuir com as taxas devidas. Em tese, no negócio próprio, o empresário tem mais liberdade e até agilidade para tomar algumas decisões, mas deve fazer tudo isso sozinho, sem ter acesso à experiência e aos recursos de uma rede. De acordo com o objetivo particular, o empresário deve fazer a ponderação de qual formato se encaixa melhor para ele. Porém, ressaltamos que o modelo de franquias traz muitas vantagens para quem está abrindo seu primeiro negócio, tanto que a taxa de mortalidade é muito inferior à de negócios isolados.

Diário do Nordeste: Quais são os tipos de franquias existentes? Leonardo Lamartine: O sistema de franquias é muito amplo e inclui os mais variados segmentos e valores. O mercado possui cerca de 2,8 mil redes franqueadoras, que variam de R$ 2 mil a R$ 40 milhões. A ABF divide as marcas em 11 segmentos.

Legenda: Leonardo Lamartine: em 2020, o mercado nordestino ampliou em 7% o número de redes, atingindo o patamar de 955 marcas ativas na Região.

Foto: Divulgação

Diário do Nordeste: Como o interessado pode escolher o melhor tipo de franquia? Leonardo Lamartine: O principal conselho para o futuro empreendedor é, acima de tudo, a autoavaliação.

É analisar se há uma identificação com o tipo de negócio a ser investido.

Nesta hora, honestidade com si mesmo é tudo, pois muito mais do que poder aquisitivo para iniciar o negócio, é preciso afinidade e dedicação para mantê-lo.

Diário do Nordeste: Antes de decidir abrir uma franquia, o que o interessado deve saber? Leonardo Lamartine: Antes de escolher uma marca, é importante que o investidor faça uma análise criteriosa que inclui conhecer a fundo o sistema de franchising – que traz muitos benefícios, mas também obrigações. O segundo passo é conhecer em profundidade o segmento em que se quer atuar, o público-alvo e a área geográfica de atuação. O terceiro é estudar com cuidado as informações fornecidas pela rede, especialmente a COF – Circular de Oferta de Franquia. Inclusive, recentemente entrou em vigor o novo marco regulatório do setor, que prevê um grau de transparência maior por parte da franqueadora. É preciso ficar atento a estes detalhes. Conversar com franqueados e ex-franqueados é outra abordagem importante, pois fornece detalhes da operação cotidiana. Outra dica importante é fazer uma avaliação ampla, que abranja aspectos financeiros, de concorrência e de riscos externos. Por fim, antes de fechar, recomendamos levar o contrato de franquia para um advogado especializado, uma vez que se trata de um compromisso de longo prazo e com muitos detalhes importantes envolvidos.

Diário do Nordeste: Onde o interessado pode conseguir mais informações sobre franquias, antes de decidir por abrir o negócio? Leonardo Lamartine: A ABF possui um portal oficial com informações das marcas associadas, números dos segmentos e outras informações para o interessado no sistema de franquias. Além disso, a ABF oferece cursos e palestras para que o empreendedor possa conhecer profundamente o sistema e fazer uma avaliação sobre o tipo de negócio que irá se dedicar. Temos como objetivo a formação e o constante aprimoramento de profissionais que atuem no setor.

São os 11 segmentos de franquias, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF): Alimentação; Casa e Construção; Comunicação; Informática e Eletrônicos; Entretenimento e Lazer; Hotelaria e Turismo; Limpeza e Conservação; Moda, Saúde, Beleza e Bem Estar; Serviços Automotivos; Serviços e Outros Negócios; e Serviços Educacionais.

Diário do Nordeste: Como está o mercado para as franquias no Brasil e no Nordeste? Leonardo Lamartine: Com a pandemia, o sistema de franquias foi um dos mais impactados.

Mas, uma recuperação gradual começa a se desenhar de forma mais nítida no horizonte do mercado brasileiro. De acordo com um estudo da ABF e da empresa de pesquisas AGP, o setor registrou, em julho, pelo segundo mês consecutivo, uma redução nas perdas de faturamento.

Em junho, a queda média no faturamento das franquias foi de 30,1%, menor do que os 41% em maio e os 48,2% em abril. A reabertura da economia em alguns Estados, a elevação das unidades em operação e o maior desenvolvimento de outros canais de venda a partir do digital são as principais causas desta recuperação.

Em junho, assim como na pesquisa anterior, em todo o País os segmentos de Entretenimento e Lazer, e Turismo e Hotelaria continuam a ser os mais afetados, enquanto Saúde, Beleza e Bem-Estar, Serviços e Outros Negócios, e Serviços Educacionais apresentaram quedas menores de, respectivamente, 1%, 7% e 23%.

Assim como em outros mercados e a economia de forma geral, os estudos da ABF/AGP indicam que essa trajetória tende a se manter nos próximos meses. Os dados regionais são do primeiro trimestre de 2020.

Diário do Nordeste: Na sua visão, abrir uma franquia também pode significar mais credibilidade para o empreendedor – visto que muitas delas são marcas já consolidadas no mercado? Leonardo Lamartine: Sim.

Ao ingressar em uma rede, o franqueado tem acesso a produtos e serviços formatados e experimentados, sistemas de TI e gestão, a uma marca reconhecida, a uma rede de fornecedores credenciados e uma série de padrões visuais para embalagens, comunicações e para o ponto de venda.

Além disso, ele tem acesso ao conhecimento e experiência do franqueador, que também treina e capacita sua rede.

Logo, trata-se de um ambiente muito mais preparado e favorável, tanto para o empreendedor de primeira viagem como para profissionais com alguma experiência – tanto que o índice de mortalidade de franquias, cerca de 5%, é bastante inferior ao de empresas isoladas.

De forma que, sim, começar uma franquia é mais vantajoso para iniciar um negócio – inclusive, costuma ter uma implantação mais rápida –, mas é importante que o empreendedor tenha em mente que todo esse benefício também traz obrigações, como respeitar os padrões da rede e reportar resultados, dentre outros.

Saiba mais

Associação Brasileira de Franchising (ABF)

Sebrae: Como funciona o sistema de franquias

FRANCHISING OU SISTEMA DE FRANQUIAS: ENTENDA COMO FUNCIONA

Por: Igor Burigo

Você sabe o que é franchising? Com o crescimento da sua empresa e a sua consolidação no mercado, grandes desafios surgem e novos meios de inovar são necessários para se manter vivo frente à feroz concorrência.

McDonald’s, Starbucks e Wizard  são alguns exemplos de empresas que adotaram o franchising e escalonaram o seu negócio, chegando ao topo da lista das empresas mais bem sucedidas em seus respectivos ramos.

Devido à sua forte presença em nosso cotidiano, o sistema de franqueamento, para muitos, já é familiar.

Todavia, embora conheçamos grandes franquias pelo Brasil e pelo mundo, é comum o desconhecimento em relação aos termos envolvidos no processo, sendo de fundamental importância a compreensão desses conceitos para aqueles que querem se inserir nesse sistema ou apenas ter uma ampla visão de mercado.

MAS, AFINAL, O QUE É FRANCHISING?

Franchising, ou sistema de franqueamento, é o modelo de negócios pelo qual o franqueador vende a licença de exploração da sua marca e a tecnologia do seu negócio ao franqueado, que paga determinado valor pelo seu uso e se compromete em manter o padrão exigido pela franqueadora.

Segundo o art. 2° da lei n°8.955/1994, que define uma franquia empresarial, a franquia tem as seguintes características:

Art.

2º – Franquia empresarial é o sistema pelo qual um franqueador cede ao franqueado o direito de uso de marca ou patente, associado ao direito de distribuição exclusiva ou semi-exclusiva de produtos ou serviços e, eventualmente, também ao direito de uso de tecnologia de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvidos ou detidos pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem que, no entanto, fique caracterizado vínculo empregatício.

Pela visão do franqueador, o sistema de franquias é amplamente reconhecido como uma forma de expandir rapidamente a sua companhia e, ainda assim, permitir a manutenção da essência do seu negócio através de uma ótima organização de conhecimento.

Já para o franqueado, o franchising se mostra uma boa opção para aqueles que querem iniciar um negócio com bases já consolidadas, produtos/serviços desenvolvidos e um ótimo apelo do público, obtendo um retorno rápido do seu investimento.

Em troca da concessão do direito de utilizar a marca, e de todos os benefícios que advém dela, o franqueado deve pagar periodicamente ao franqueador valores determinados em contrato – os royalties.

Cabe ao franqueador, então, deixar claros dados como a porcentagem de royalties cobrada e a periodicidade do pagamento no contrato de franquia, conhecido como Circular de Oferta de Franquia (COF). O art. 3° da lei 8.

955/1994, em seu parágrafo VIII, deixa claro que na COF, no que diz respeito aos royalties, devem dispor:

  • VIII – informações claras quanto a taxas periódicas e outros valores a serem pagos pelo franqueado ao franqueador ou a terceiros por este indicados, detalhando as respectivas bases de cálculo e o que as mesmas remuneram ou o fim a que se destinam
  • O KNOW-HOW E O CONTRATO DE FRANQUIA
  • Tendo dito o que é uma franquia, devemos analisar os conceitos particulares do franchising para contemplar o sistema como um todo.

O conjunto de informações fornecidas à unidade franqueada, que engloba aspectos técnicos do processo produtivo, da gestão e os métodos operacionais da empresa, é chamado de know-how e o sistema de franquias o utiliza para padronizar o seu negócio. Em outras palavras, o know-how atua como um sistema “CTRL C + CTRL V”, em que todas as unidades franqueadas são “clones” idênticos de um mesmo modelo.

A rede de restaurantes “fast-food” Subway é um exemplo clássico dessa transferência de informação: o padrão da marca é mantido intacto em todas as lojas por meio de uma fiscalização eficiente, para que os clientes saibam que o atendimento, a comida e o ambiente serão iguais tanto nos Estados Unidos, quanto no Brasil ou em qualquer outro lugar no mundo.

Por essa perspectiva, para garantir a transferência do know-how e o cumprimento do padrão de negócio por parte do franqueado, o franqueador faz o contrato de franquia, mais conhecido como Circular de Oferta de Franquia (COF).

Além de apresentar disposições sobre a padronização dos produtos e serviços, a COF contém obrigações, deveres e responsabilidades de ambas as partes, envolvendo, principalmente, questões da seara jurídica, como a cobrança de royalties.

Portanto, a presença de uma assessoria jurídica é uma peça essencial na formatação da sua franquia, seja você um futuro franqueador ou franqueado.

Em resumo, o sistema de franquias é uma ótima opção para aqueles que buscam uma alternativa de negócio. Facilitadora para os franqueadores e promissora para os franqueados, esse modelo mescla aspectos jurídicos e operacionais para criar uma alternativa sólida e adequada ao mercado atual.

  1. AINDA RESTA ALGUMA DÚVIDA?
  2. Converse com a equipe especializada da Locus Iuris, que está pronta para entender suas necessidades específicas e produzir recomendações úteis ao seu negócio e a sua sociedade.
  3. Referências:

http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/conheca-o-sistema-de-franquias,6c9b39407feb3410VgnVCM1000003b74010aRCRD

http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/sebraeaz/como-funciona-o-sistema-de-franquias,46cf39407feb3410VgnVCM1000003b74010aRCRD

Como funciona o franchising?

Esta simples questão pode não ser tão simples de responder quanto parece. Em Portugal, o sistema empresarial do franchising tem vindo a crescer, não só em número de marcas franchisadoras como também no volume do número de franchisados. “Como funciona o franchising” é uma questão pertinente que merece toda a atenção no artigo de hoje.

Muitos empreendedores portugueses se debatem com esta questão procurando por uma resposta objetiva que lhes esclareçam todas as dúvidas a fim de se sentirem mais confiantes na hora de investir num negócio via franchising.

Hoje em dia, o franchising converteu-se numa fórmula empresarial de exxelência para aqueles que desejam abrir o seu próprio negócio, de braço dado com uma marca já reconhecida no mercado, com um know-how desenvolvido e com experiência a nível nacional e, em certos casos, internacional.

Contudo, e pelo entusiasmo que se gera à volta de todo este sistema, acabam por ficar esquecidas quais as regras deste jogo empresarial chamado franchising.

 No nosso artigo anterior “Quero abrir um franchising” esclarecemos as 10 dúvidas mais comuns que mais empatam os nossos empreendedores na hora de investir num franchising. Hoje vamos esmiuçar o funcionamento geral de uma rede de franchising. Conheça a informação básica que deve saber caso esteja a pensar investir num franchising.

Como funcionam os franchisings

O franchising é uma forma de negócio de colaboração empresarial que estabelece um contrato entre duas partes: o franchisador e o franchisado.

Mediante este sistema, o franchisador põe à disposição do franchisado a possibilidade de explorar a sua imagem comercial, o seu know-how adquirido ao longo do tempo de atividade (experiência no mercado) e a sua metodologia; em contrapartida, o franchisado deve contribuir com um valor financeiro – o direito de entrada, pago na hora da assinatura do contrato e sempre que haja renovação do mesmo; royalties mensais e, em alguns casos, taxas de publicidade, que podem ser mensais ou anuais.

Esta definição básica pode ser completada, afinada ou ajustada, com outros fatores igualmente importantes como são os direitos e deveres de ambas as partes.

Essencialmente, o franchisador deverá fornecer uma formação inicial ao seu franchisado bem como apoios contínuos na gestão do negócio; o franchisado deverá seguir todas as diretrizes impostas pelo seu franchisador. 

Assistência, informação e formação

Uma das razões fundamentais pela qual os empreendedores decidem investir num franchising é exatamente o apoio prestado ao longo de toda a atividade.

Este apoio é iniciado antes da própria abertura da loja e assume a procura do local, a montagem da loja, a preparação do franchisado para determinado mercado de trabalho, as licenças que deverá obter para se tornar legalmente um franchisado, os materiais gráficos e de publicidade, peças de comunicação, etc. Em certas ocasiões, o franchisador também assiste o franchisado na obtenção de financiamento junto das instituições bancárias.

Antes da abertura do negócio, o franchisador deverá formar o seu franchisado, fornecendo manuais operativos para que este conheça detalhadamente todos os processos de atuação da marca – estas são as vias para a transmissão do know-how em franhising.

Para além da formação inicial existe também a chamada formação contínua, válida para toda a duração da atividade e que supõe a total disponibilidade por parte do franchisador para esclarecer certas dúvidas que possam surgir ao franchisado.

Se está a pensar investir num negócio via franchising não deixe de visitar o nosso diretório de franchisings.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*