Eu Como Muito E Não Engordo Porque?

Você deve conhecer alguém que come de tudo, mas não engordar, enquanto você só fica só na saladinha, e ele lá, atacando uma macarronada. Daí surgem as perguntas. Por que essas pessoas não engordam?

Pensando nisso, iremos abordar de fato o verdadeiro motivo dessas pessoas comerem qualquer tipo de comida e não ganhar aqueles quilinhos a mais. 

Por que algumas pessoas não engordam?

Segundo algumas pesquisas feitas por médicos da área do esporte, a tendência dessas pessoas comerem muito ou pouco e não engordar ou emagrecer é algo genético.

A genética altera a célula conhecida como lipócito, pois ele tem uma capacidade maior de armazenamento de gordura. Assim, quem tem a tendẽncia a engordar, não tem mais dessas células em comparação a outras pessoas. 

O metabolismo do ser humano tem grande papel no emagrecimento dessas pessoas que comem muito e não engordam. Além disso, a genética também pode ser acelerada fenotipicamente, ou seja, meu caro, fazendo atividades física regularmente. 

Eu Como Muito E Não Engordo Porque?

Qual a vantagem em ter um metabolismo acelerado?

A maior benefícios em ter o metabolismo acelerado é a facilidade da queima de calorias mais rápida. Assim, tornando muito mais fácil a perda de peso, mas por outro lado, fica mais difícil a manutenção de energia. 

Devido a isso, o nosso organismo vai exigir uma ingestão maior de calorias para se manter saudável. 

Por isso, quando um médico fala que alguém tem o metabolismo lento, isso significa que o organismo tem mais facilidade de ganhar peso, pois gasta menos calorias em comparação com aqueles pessoas que têm metabolismo normal ou acelerado

Como acelerar o metabolismo de maneira saudável?

  • Tomar café da manhã;
  • Evitar o estresse;
  • Dormir bem;
  • Fazer treino intervalado;
  • Consumir pimenta;
  • Comer chocolate amargo;
  • Consumir canela;
  • Consumir suco verde.

Eu Como Muito E Não Engordo Porque?

Não consigo engordar: o que devo fazer?

  • Se você não consegue ganhar mais peso corporal, mesmo comendo muito, primeiro você precisa investigar qual é a causa.
  • Além disso, procurar um profissional da área da saúde para diferenciar se existe alguma dificuldade de engordar, ou um quadro de emagrecimento. 
  • As causas geralmente estão relacionadas à predisposição genética da pessoa, como:
  • Distúrbio Hormonal;
  • Estresse;
  • Ansiedade;
  • Não realizar uma dieta adequada;
  • Falta de exercícios físicos.

Geralmente, quando uma pessoa tem problemas de saúde associado à dificuldade de engordar, ela emagrece sem fazer muitas mudanças na dieta ou no seu estilo de vida. 

As principais causas de emagrecimento que podem provocar dificuldade de ganhar peso, são:

  • Diabetes e Infecções;
  • Câncer e AIDS;
  • Ansiedade e Hipertireoidismo;
  • Mau funcionamento das glândulas suprarrenais.

Eu Como Muito E Não Engordo Porque?

  1. Além disso, existe uma série de doenças que podem estar relacionadas com o emagrecimento, assim dificultando o ganho de peso. 
  2. Por isso, é importante que a pessoa faça um exame de sangue para avaliar o hemograma, as proteínas circulantes, hormônios e o sistema imunológico, sempre acompanhado de um profissional médico que o auxilie em cada procedimento.
  3. Se esses exames forem normais, então a pessoa poderá implementar medidas para ganhar peso, como mudanças na alimentação e atividade física, mas claro, de forma orientada por um profissional da área médica qualificada.

O que fazer para engordar?

Veja a seguir o que você pode fazer para engordar de forma saudável sem prejudicar sua saúde. 

  • Comer alimentos ricos em carboidratos (Pão, Massa, Arroz, Cereais, Batatas);
  • Comer alimentos ricos em proteínas (Carnes, Aves, Ovos, Leite);
  • Comer alimentos ricos em gordura não saturada (Azeite, Nozes, Castanhas, Abacate).

Além de uma boa alimentação, é importante você fazer musculação, pois isso vai favorecer o ganho de massa muscular, assim, resultando em ganho de peso. 

Eu Como Muito E Não Engordo Porque?

Muito importante também são as horas que você come. Comer com frequência, a cada três horas, com lanches entre as refeições, pois ficar muitas horas em jejum fará seu corpo queimar massa muscular para produzir energia. 

Por isso, comer com moderação doces e alimentos gordurosos pode aumentar os níveis de colesterol e triglicerídeos.

Não se esqueça também de incluir bebidas na dieta, pois o objetivo de uma dieta para ganhar peso é promover o ganho da massa muscular, só assim a pessoa consegue “engordar” de forma saudável. 

Só tenha cuidado, pois o excesso de gordura corporal pode ser prejudicial à saúde, aumentando os riscos de doenças cardiovasculares e diabetes. E mais uma vez, salientamos a necessidade de ser acompanhado por um profissional.

Existe algum tipo de remédio para engordar?

Para pessoas que querem um pouco de ajuda dos remédio para engordar, os profissionais de saúde recomendam os medicamentos antialérgicos. Eles aumentam o apetite e podem ajudar no processo de engordar. 

Porém, esses remédios possuem efeitos colaterais, como por exemplo:

  • Sono;
  • Lentidão;
  • Dificuldade de memória.

Eu Como Muito E Não Engordo Porque?

Por isso, a importância de você antes de começar a tomar esses remédios, procurar uma avaliação médica.

Como por exemplo, o usar cortisona não é indicado porque faz a pessoa perder músculos, apesar de aumentar o apetite e o peso, isso ocorre devido ao acúmulo de gordura e líquido, podendo assim gerar outros problemas de saúde. Você não quer isso, certo?

Um outro exemplo que podemos dar é a insulina, pois não é recomendada. Esse remédio pode levar a quadros grandes de hipoglicemia, isso acontece quando os níveis de açúcar baixa no sangue. 

Já o uso de anabolizantes, apesar de aumentar a massa muscular pela ação dos hormônios masculinos, como a testosterona, podem provocar diversos efeitos colaterais, tanto no homem quanto na mulher. Então tome bastante cuidado! 

Se você tem dificuldade em aumentar de peso, consulte um médico endocrinologista para avaliação e orientações adequadas.

Pronto, se você demais e não ganhar peso corporal, siga nossas dicas de como ganhar peso de forma saudável. E para você que come pouco e acaba engordando demais, procure um médico, pois isso não é normal.

Por que algumas pessoas comem muito e não engordam?

Todo mundo tem aqueles amigos que comem demais, não engordam e, enquanto você está na saladinha, eles partem para a pizzaria, com direito a sobremesa. O metabolismo acelerado e a genética são os dois principais fatores da magreza desses comilões.

+ Encontre aqui um desafio virtual que combina com você!

Eu Como Muito E Não Engordo Porque?O metabolismo também tem grande papel no emagrecimento dos sortudos Foto: Photographee.eu/Fotolia

Por que as pessoas comem muito e não engordam?

Segundo a médica do esporte, Ana Paula Simões, a tendência a engordar ou emagrecer é algo imutável geneticamente. “A genética altera a célula conhecida como lipócito que tem uma capacidade maior de armazenar a gordura. Quem tem tendência a engordar, não tem mais células que outras pessoas e sim maior capacidade da célula crescer e aumentar de volume”, explica.

O metabolismo também tem grande papel no emagrecimento dos sortudos, mas além da genética ele pode ser acelerado fenotipicamente, ou seja, através de atividades físicas.

O servidor público federal, Roberto Farah Torres, é uma daquelas pessoas que dá até nervoso de ver o quanto come é mais uma das pessoas que não engordam um grama. Ele conta que sua família é magra, mas não tanto como ele, assim Roberto acaba virando o comentário durante as refeições. Apesar de não ser louco por doces, não dispensa brigadeiro e doce de leite.

Nesse caso o metabolismo pode ser o grande culpado, mas com o envelhecimento ele tende a ficar mais lento.

Roberto é corredor e procurou um médico nutrólogo visando um melhor rendimento da corrida, mas ao invés de receber uma dieta rígida, o médico concluiu que ele tinha um déficit calórico e chegava a queimar massa magra durante a corrida.

O resultado: continuar comendo grandes quantidades e nos dias de musculação e corrida consumir seis shakes de diferentes suplementos.

Eu Como Muito E Não Engordo Porque?Alguns dos mini pratos de Roberto Foto: Arquivo pessoal

A doutora explica que até há uma fórmula para ‘ensinar’ as células a se manterem aceleradas, a receita é simples e bem conhecida. “Devemos comer alimentos saudáveis a cada duas ou três horas e em pequenas quantidades”, diz.

+ Seu calendário completo de corridas está aqui!

Apesar de comer muito, Roberto conta que também costuma demorar para terminar as refeições. “Desde criança sou abandonado na mesa. Dizem que comer devagar faz as pessoas se alimentarem menos, então nem consigo imaginar o quanto eu comeria se fosse rápido”, diz.

Ele ainda expõe sua indignação com as revistas de boa forma. “Com toda essa situação sempre me irrito com as chamadas de capa dizendo: como perder peso ou perca a barriga correndo. Nunca vi uma chamada sobre: ganhe peso mesmo correndo, ou coisa parecida”.

A doutora deixa o alerta de sempre procurar um médico para investigar disfunções, como por exemplo, alteração na tireoide que interfere diretamente no metabolismo. “Devemos fazer sempre um check-up para ter certeza que emagrecer demais ou engordar subitamente, tem relação com alguma doença”, finaliza.

Leia também:  Como Ser Aquela Pessoa Que Todo Mundo Gosta?

Por que algumas pessoas comem muito e nunca ganham peso?

Sempre teremos alguém em nosso ciclo de vida, seja um parente ou algum amigo, que ingere o dobro de calorias recomendadas, mas mesmo assim, não engorda.

É considerado até uma injustiça, uma vez que outras pessoas precisam se controlar para não comer todos os alimentos que está em sua frente.

No entanto, em casos como esse, com quem devemos reclamar? Com o nosso apetite ou metabolismo? Não! Porém, o questionamento “por que algumas pessoas nunca ganham peso?”, pode ter uma resposta, afinal.

Existe ou não um segredo para comer muito e não engordar?

Para sanar as dúvidas dos seus leitores para tal questionamento, a Live Science fez uma entrevista com uma profissional desta área, a Kathleen Melanson, professora de nutrição e ciências da alimentação da Universidade de Rhode Island.

Quando foi questionada sobre o porque de algumas pessoas comerem muito e não engordar, ela respondeu que “não existe uma resposta simples para essa pergunta. Há fatores genéticos, nutricionais e até comportamentais envolvidos. E a extensão em que cada um desses fatores entra em jogo em qualquer indivíduo varia”.

Continua depois da publicidadeO aumento ou perda de peso pode estar relacionado ao sedentarismo. Fonte: Freepik.

Assim, não existe nada de tão especial por trás desse aumento ou perda de peso. Não é por causa de uma diferença entre os metabolismos, ou devido a sua cor ou até mesmo, um pedido a uma estrela cadente.

Nesse momento, tudo será uma questão de perspectiva.

Para confirmar esse fato, Melanson revelou que “muitas pessoas que parecem comer o que quiserem sem ganhar peso não estão comendo mais do que o resto de nós”.

Para tornar a informação ainda mais confiável, Kathleen expos um exemplo de uma situação bastante corriqueira. Onde, “seu amigo que toma sorvete diariamente pode naturalmente compensar essas calorias extras comendo menos em outra refeição ou comendo menos durante o resto do dia. Ou talvez, quando comem pizza, estão comendo devagar, ficando cheias e parando depois de apenas algumas fatias”.

Afinal, em alguns casos, por que algumas pessoas nunca ganham peso?

Se fosse realizado um estudo entre pessoas que comem muito e não engordam, e com outras que possuem uma enorme facilidade para ganhar peso, resultaria em um índice calórico quase padrão. De acordo com o Dr. Frank Greenway, diretor médico do Pennington Biomedical Research Center, “se você mede as calorias dessas pessoas, elas podem não comer tanto quanto você pensa”.

Confira: Quantas calorias por dia devo comer para emagrecer?

Continua depois da publicidade

Por trás dessa diferença de peso pode existir outros inúmeros fatores, sendo que os principais, estão associados ao sedentarismo e a prática de atividades físicas de forma regular.

Uma caminhada para iniciar o dia ou uma corrida, influencia bastante na hora de perder peso.

Então, mesmo que uma pessoa consuma muitas calorias diárias, se ela se manter ativa, seja em seu trabalho, brincando com seus filhos, terá menos chance de acumular gordura.

O ato de engordar pode não está associado as gorduras ingeridas, desde que a pessoa faça alguma atividade física. Fonte: Freepik

Segundo Melanson, o ato de se manter ativo de forma constante, está associado a produção e perda de energia. Assim, a nossa fábrica energética é proveniente de pequenas organelas chamadas de mitocôndrias.

“Estão presentes dentro das células do músculo, onde aumentará em número e em sua atividade.

Essas são as usinas que estão criando energia, usando energia para o movimento”, então, quanto maior a quantidade dessas organelas, mais calorias serão queimadas.

Dessa forma, quando estiver se questionando sobre o “por que algumas pessoas nunca ganham peso?”, é preciso ter em mente os fatores físicos que rondam por trás de cada uma. Como foi dito, o importante não é o consumo de muitas calorias, mas sim, o jeito ativo que uma pessoa adepta a exercícios físicos terá sobre um alguém sedentário.

Com informações da Live Science.

Continua depois da publicidade Eu Como Muito E Não Engordo Porque?

Dificuldade para engordar | Entrevista

Eu Como Muito E Não Engordo Porque?

Quem tem dificuldade para engordar pode estar absolutamente saudável, desde que a magreza seja constitucional.

Por paradoxal que possa parecer nos tempos em que a obesidade se transformou num problema de saúde generalizado e de difícil controle, existem pessoas magrinhas que querem engordar, mas não conseguem. Nesse caso, é importante distinguir a magreza constitucional daqueles que são saudáveis, comem bem e mesmo assim não ganham um grama sequer, do emagrecimento patológico.

Não é normal perder peso sem mudar radicalmente os hábitos alimentares, nem ficar inapetente por longos períodos. Por trás desse sintoma, podem estar doenças que requerem tratamento específico e controle.

Certamente, não é o caso das crianças bem nutridas, às vezes até um pouco rechonchudas, que mães e avós consideram magrinhas.

Insistem que elas se alimentam mal e pedem aos pediatras que prescrevam um remédio que ajude a abrir o apetite da meninada.

Veja também: Anorexia e bulimia nervosas

DEFINIÇÃO

Drauzio – Do ponto de vista médico, o que caracteriza a dificuldade para engordar?

Marcello Bronstein – Antes de responder essa questão, é importante definir o que é magreza, considerando o índice de massa corporal (IMC), que se obtém dividindo o peso pela altura ao quadrado. Resultado entre 25 e 29 indica que o adulto está gordinho; acima de 30, é classificado como obeso e abaixo de 19 é considerado magro. A magreza começa a causar preocupação quando o IMC é menor do que 17.

Drauzio– Em que medida a magreza pode comprometer a saúde?

Marcello Bronstein – Magreza excessiva é sinal de que vários nutrientes fundamentais para o organismo – vitaminas e proteínas, por exemplo – não estão sendo utilizados. Isso acontece na anorexia nervosa.

As pacientes, em geral, são adolescentes ou mulheres jovens com IMC 15, 16 e imagem corporal distorcida, pois se consideram gordas apesar de estarem magérrimas.

Essas pessoas acabam tendo anemia por causa da deficiência de ferro, edemas (inchaço) por falta de proteínas, quedas da pressão arterial, defesas do organismo diminuídas, e são mais suscetíveis a infecções.

VARIAÇÃO DO APETITE

Drauzio– Existem crianças pequenas que sentem muita fome, gostam de doces e estão a toda hora abrindo a geladeira ou os armários atrás de alguma coisa para comer e há aquelas que não dão a menor importância para a comida e, na hora da refeição, é sempre aquele tormento, porque nada lhes apetece. A que você atribui essas diferenças individuais? 

Marcello Bronstein – Certamente existem fatores hormonais ou neuro-hormonais que influenciam a maior ou menor voracidade pela comida.

Não tenho dúvida, porém, de que fatores educacionais e socioculturais são os maiores determinantes dessa diferença. Muitas vezes, a oferta de alimentos é irrestrita, a criança faz as refeições vendo televisão e não se dá conta de quanto come nem do que come.

As crianças precisam aprender quais são os alimentos adequados para a boa nutrição e os horários convenientes para as refeições.

No entanto, o que merece atenção especial atualmente é o culto à magreza excessiva, evidente no dia a dia dos consultórios e estimulado pela moda que transformou em paradigma de beleza as manequins com índice de massa corpórea muito abaixo do desejável. Daí à instalação de doenças graves como bulimia e anorexia nervosa, o limite é muito tênue.

Drauzio – Como se explicam os chamados “magros de ruim” que comem muito bem e não engordam, enquanto outros comem um pouquinho mais e já engordam dois ou três quilos?

Marcello Bronstein – Ninguém sabe o que determina a magreza constitucional nem por que são obesas algumas pessoas que não comem muito. Uma das teorias atribui o fato à ação das UCPs (uncoupled proteins), ou proteínas desacopladoras.

No processo metabólico, o alimento pode ser armazenado no organismo sob a forma de gordura, de músculo, etc., ou dissipado sob a forma de calor, de energia. Por isso, os atletas se alimentam antes da competição.

Pois bem, embora os achados não sejam definitivos, estudos em andamento mostram que a quantidade de UCPs que dissipam o calor e não deixam o alimento ser armazenado é maior nos magros do que nos obesos. Por isso, eles comem mais e não engordam.

MAGREZA E EMAGRECIMENTO

Drauzio– Você recebe uma pessoa magra com a queixa de que não consegue engordar de jeito nenhum. Como conduz o caso?

Marcello Bronstein – O primeiro ponto é diferenciar magreza de emagrecimento. Na pessoa que manteve sempre o peso num índice inferior, mas é saudável, a magreza é constitucional.

No entanto, não é normal perder 5 kg em dois meses ou 3 kg em duas semanas, sem ter mudado radicalmente os hábitos alimentares.

Leia também:  Como Saber Onde Esta A Minha Encomenda Ctt?

Por trás desse emagrecimento, pode estar um distúrbio hormonal, por exemplo, o hipertireoidismo, uma vez que o funcionamento excessivo da glândula tireoide faz a pessoa perder peso, mesmo que esteja comendo mais do que habitualmente.

Drauzio– Qual a função dessa glândula no organismo?

Marcello Bronstein– A tireoide é uma glândula endócrina em forma de escudo, situada no pescoço, na frente da traqueia, a meia distância entre o pomo de Adão e o começo do esterno.

O hormônio que produz exerce o controle metabólico do organismo. Se ela estiver funcionando demais, entre outros sintomas, acelera a queima energética e o ritmo cardíaco, e a pessoa emagrece.

Se funcionar de menos, provoca menor consumo de energia e, consequentemente, obesidade.

Drauzio – Diante de uma pessoa que se queixa de magreza, a primeira medida é avaliar o funcionamento da tireoide. É complicado fazer isso?

Marcello Bronstein – Não é. Clinicamente, é possível até avaliar se o emagrecimento está ligado a problemas da tireoide, porque existem outros sintomas: transpiração, calor, frequência cardíaca aumentada, olhos brilhantes, nervosismo, alteração do sono. Além disso, existem exames laboratoriais muito simples que ajudam a fechar o diagnóstico.

Drauzio – Se a tireoide estiver em ordem, qual o passo seguinte?

Marcello Bronstein – As adrenais são glândulas situadas acima dos rins e que podem estar envolvidas no emagrecimento. Entre outros hormônios, elas produzem cortisol e cortisona. Se não funcionam bem, além de emagrecimento, provocam vômitos, cansaço, falta de disposição, depressão.

Drauzio – Há outra causa endócrina para o emagrecimento?

Marcello Bronstein– Mais do que o mau funcionamento das adrenais, o diabetes pode ser responsável pelo emagrecimento.

Essa doença é causada por deficiência na produção de insulina pelo pâncreas, um hormônio fundamental para o armazenamento das calorias ingeridas sob a forma de músculos e de gordura.

Quanto maior a deficiência de insulina, mais a pessoa emagrece, porque passa a urinar muito, perde água em excesso e os estoques de energia sob a forma de músculos e gordura também se dissipam.

A tendência é engordar menos com o envelhecimento. Na verdade, pode até haver um aumento de gordura no corpo, mas há perda de massa óssea e muscular.

Drauzio –  Quais são as outras causas possíveis para a perda de peso?

Marcello Bronstein – Infecções, neoplasias, câncer dos mais diversos tipos, aids, em suma, uma série de outras doenças pode estar relacionada com o emagrecimento.

Por isso, é importante fazer uma avaliação do hemograma, das proteínas circulantes e, eventualmente, do sistema imunológico. Se tudo estiver bem, do ponto de vista médico, a pessoa é saudável apesar de bastante magra.

PESO NOS IDOSOS

Drauzio – Por que as pessoas idosas vão ficando magrinhas com o tempo?

Marcello Bronstein – Isso acontece por involução própria do envelhecimento, porque a pessoa vai perdendo músculos e massa óssea. Outra causa é a tendência da pessoa idosa à depressão. Dependendo das condições de vida, pode perder o interesse por alimentar-se. Outra hipótese é que tenha diminuído a sua oferta de alimentos.

Drauzio– O que se pode fazer nesses casos?

Marcello Bronstein – Em primeiro lugar, garantir o apoio da família ou de instituições especializadas nessa faixa de idade. Depois, procurar desenvolver a motivação pelas refeições e fazer com que ingiram alimentos ricos em proteína, porque os idosos perdem muita proteína.

Drauzio– Nem todas as pessoas perdem peso com o envelhecimento.

Marcello Bronstein— Não necessariamente a pessoa perde peso à medida que envelhece. No entanto, é muito difícil engordar quando chega à terceira idade. Mesmo os obesos perdem um pouco de peso depois dos 60, 65 anos.

TRATAMENTO

Drauzio– Existe tratamento para a pessoa magrinha ou muito abaixo do peso que quer engordar um pouco?

Marcello Bronstein– O primeiro cuidado é com a alimentação. Ela deve fazer o que a maioria das pessoas gostaria, mas não pode: comer à vontade principalmente alimentos energéticos, ricos em hidratos de carbono, como mingaus, sorvetes, doces, mel, pizza, pães, etc.

É óbvio que a dieta não deve restringir-se a esses alimentos. Deve incluir também proteínas e gorduras, em especial, gorduras não saturadas. Querer engordar não é pretexto para ingerir alimentos prejudiciais ao organismo.

Drauzio Existem remédios para abrir o apetite?

Marcello Bronstein – A única medicação que não tem efeitos colaterais importantes para abrir o apetite são as drogas antialérgicas. O problema é que, além de aumentar ao apetite, dão sono. No entanto, a tendência é essa reação adversa ir-se estabilizando com o tempo.

Não faz sentido o uso de cortisona nesses casos. Realmente, ela abre o apetite e a pessoa engorda porque adquire tecido adiposo, mas perde músculos. Outra indicação pouco recomendável é usar insulina. Primeiro, porque tem efeito transitório, pois ninguém vai tomar insulina pelo resto da vida. Segundo, porque pode induzir problemas graves como a queda de açúcar no sangue.

Embora atualmente o consumo de anabolizantes seja indiscriminado e muitos frequentadores de academias façam uso excessivo desses produtos, ele deveria ser terminantemente proibido, porque essas substâncias aumentam a massa muscular às custas de uma sobrecarga de hormônios masculinos, da testosterona, por exemplo, e são responsáveis por vários efeitos colaterais indesejáveis: nas mulheres, provocam o crescimento de pelos e voz fica mais grave; nos homens, podem levar à distrofia muscular.

Drauzio– Exercícios físicos são recomendados para abrir o apetite?

Marcello Bronstein – Eles são recomendados não propriamente para abrir o apetite. Na verdade, exercícios extenuantes podem ter até efeito inverso.

Eles são recomendados, porque o aumento da massa muscular interfere também no peso. O IMC do lutador de boxe Mike Tyson está na faixa da obesidade, mas ele não tem um grama de gordura a mais. É só músculos.

Por isso, o exercício físico é bem-vindo na tentativa de aumentar o peso do magro constitucional.

Drauzio– Há quem ache que a pessoa engorda com mais facilidade depois dos 60 anos.

Marcello Bronstein – A tendência é engordar menos com o envelhecimento. Na verdade, pode até haver um aumento de gordura no corpo, mas há perda de massa óssea e muscular.

Veja também: O gordo e o magro

RISCOS

Drauzio – A obesidade aumenta o risco de hipertensão, diabetes e tantas outras doenças degenerativas crônicas. Já a magreza não está associada a nenhum problema de saúde mais sério. O que acontece, quando a pessoa vive no limite inferior do peso e, de repente, pega uma doença consumptiva?

Marcello Bronstein – Tudo depende do tempo de instalação e da gravidade da doença, mas a pessoa que está no limite inferior do peso corre risco maior de emagrecimento patológico do que a que tem reservas.

No entanto, o que merece atenção especial atualmente é o culto à magreza excessiva, evidente no dia a dia dos consultórios e estimulado pela moda que transformou em paradigma de beleza as manequins com índice de massa corpórea muito abaixo do desejável. Daí à instalação de doenças graves como bulimia e anorexia nervosa, o limite é muito tênue.

MAGREZA PERSISTENTE

Drauzio– Pode-se dizer, então, que os corpos humanos são máquinas com necessidades energéticas diferentes? Cada um tem um ponto de equilíbrio que deve ser perseguido individualmente. Não é possível estabelecer regras que valham para a humanidade inteira.

Marcello Bronstein – Exatamente. O interessante é que, segundo indica a prática do consultório, é mais difícil engordar um magro constitucional do que emagrecer um obeso constitucional.

Não sei explicar por quê, talvez tenha algo a ver com as proteínas desacopladoras (UCPs).

Drauzio Essa dificuldade do magro para ganhar peso dura a vida toda?

Marcello Bronstein – Mesmo que tenha sido magra na adolescência, a pessoa tende a ganhar peso na idade adulta e, depois, a perder peso quando envelhece.

De modo geral, a não ser que existam mudanças drásticas, externas ou internas, há um padrão ao qual ela está limitada. No cinema, às vezes, um ator para desempenhar uma personagem precisa engordar 5 kg, 10 kg.

No entanto, terminado o filme, mesmo sem fazer dieta, ele retoma o peso anterior.

Drauzio – Se uma pessoa magra, sem nenhum problema de saúde, com magreza constitucional, procura você porque quer engordar um pouco, que tipo de orientação você dá?

Marcello Bronstein – Em primeiro lugar, asseguro-lhe que é uma pessoa normal, saudável, mas procuro respeitar seu desejo. Assim como o obeso pode sentir-se mal com o excesso de peso, o magro pode incomodar-se com a magreza excessiva.

Afastadas todas as causas que podem levar ao emagrecimento patológico, recomendo alimentação balanceada, rica em alimentos calóricos, e exercícios físicos. Se for o caso, prescrevo alguma substância para aumentar o apetite, em geral, derivada de anti-histamínicos, os mesmos medicamentos indicados nas alergias.

Leia também:  Como Se Chama O Animal Que Come Carne E Vegetais?

"Magro de ruim"? Cientistas descobrem por que algumas pessoas não engordam

Sabe que aquele amigo que só come alimentos repletos de gordura e não engorda mesmo assim? Parece que um grupo de cientistas dos Estados Unidos encontrou uma explicação.

O estudo, publicado no periódico Nature na quarta-feira (30), revelou que um grupo de células do sistema imunológico no intestino pode influenciar o metabolismo dos nutrientes, para favorecer o armazenamento de gordura sobre o uso de energia.

O mecanismo funciona quando as células T intra-epiteliais, que são um tipo de célula imune que reside no revestimento do intestino delgado, possuem um gene ativo para a proteína integrina beta 7.

Quando os pesquisadores do Massachusetts General Hospital e da Harvard Medical School alimentaram camundongos que não tinham essas células com uma dieta rica em gordura e açúcar, os animais não desenvolveram obesidade, pressão alta, colesterol alto, doenças cardíacas ou diabetes.

  • Ratos que tinham o gene da integrina beta 7, ou seja, o grupo de controle, comeram menos do que o outro grupo e mesmo assim engordaram mais.
  • Quando os cientistas realizaram testes metabólicos nos camundongos, eles descobriram que aqueles sem integrina beta 7 usaram mais alimentos para energia, sugerindo que seu “metabolismo basal” funcionava em uma taxa maior do que os ratos com a proteína.
  • Além disso, os camundongos sem integrina beta 7 tiveram melhor tolerância a glicose e gordura, apresentaram níveis mais baixos de triglicérides e converteram mais glicose em gordura marrom em energia.

Na segunda parte do estudo, a equipe investigou o efeito de uma dieta rica em gordura, açúcar e alto teor de sódio nos dois tipos de camundongos. Os camundongos com integrina beta 7 desenvolveram obesidade e outros sintomas que caracterizam a síndrome metabólica. Já os ratos sem a proteína, por outro lado, ficaram magros e não desenvolveram esses outros sintomas.

  1. Os pesquisadores também testaram o efeito de silenciar o gene da integrina beta 7 nas células imunes de camundongos predispostos a desenvolver colesterol alto, que é outro sintoma da síndrome metabólica.
  2. Os resultados mostraram que, mesmo com maiores riscos de ter colesterol alto, os ratos não desenvolveram o problema e seus níveis lipídicos permaneceram normais.
  3. Além disso, esses animais “excretaram mais colesterol”, apresentaram melhor tolerância à glicose e desenvolveram menos fatores de risco cardiovascular, como menos placas nas artérias.

A notícia é ótima, mas a inibição dessas células em humanos ainda está em um futuro distante. Entre as questões que requerem mais investigação está exatamente como o mecanismo funciona em pessoas que parecem ter altas taxas de metabolismo. Mas a pesquisa deu um passo enorme na formação de uma base para novos tratamentos para obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares.

VivaBem no Verão

O UOL VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. Um espaço com atividades para você se exercitar, mas também curtir e relaxar na entrada da Riviera de São Lourenço. Venha nos visitar!

  • Data: até dia 03 de fevereiro de 2019, de quinta a domingo Horário: das 16h às 00hEndereço: Avenida da Riviera, ao lado do shopping, na praia de Riviera de São Lourenço
  • Entrada: gratuita
  • SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS

Entenda por que há pessoas que comem muito e não engordam

Para muitas pessoas, comer e não engordar está entre os desejos mais utópicos acalentados durante a vida.

Mas há aqueles que são bons de garfo e, na hora de subirem na balança, frustram-se porque a calça jeans segue larga no corpo.

O povo da cintura fina por natureza pode fazer parte do seleto grupo dos magros constitucionais, o que significa ser assim em função da constituição do próprio corpo.

A endocrinologista Graciele Tombini explica que a medicina ainda não consegue determinar as causas da magreza constitucional, bem como por que algumas pessoas não comem grandes quantidades mas são consideradas obesas.

— Uma das teorias atribui o fato à ação das UCPs (proteínas desacopladoras). No processo metabólico, o alimento pode ser armazenado sob a forma de gordura e músculo ou dissipado sob a forma de calor (de energia). Alguns estudos mostram que a quantidade de UCPs que dissipam o calor e não deixam o alimento ser armazenado é maior nos magros do que nos obesos.

Pessoas que apresentam dificuldade para ganhar peso têm o metabolismo acelerado. A nutricionista Carla Piovesan explica que ele é calculado levando em consideração questões como altura, peso, idade, sexo e atividades desempenhadas durante o dia.

— É uma conta com muitas variáveis. Os homens, por exemplo, em uma comparação direta com as mulheres, têm o metabolismo mais acelerado. O corpo masculino gasta mais calorias do que o feminino.

Por isso, eles podem comer um pouco mais do que as mulheres. Podemos ter duas mulheres com a mesma altura, peso e idade com metabolismos diferentes, dependendo da quantidade de massa magra do corpo.

Quanto mais músculo, mais acelerado vai ser o metabolismo — explica Carla.

Mas nem sempre a dificuldade de ganhar peso está ligada a fatores metabólicos.

Graciele Tombini diz que quando o Índice de Massa Corporal (IMC) – resultado da divisão do peso pela altura ao quadrado – é menor do que 17, é hora de ligar o sinal de alerta.

Doenças como hipertireoidismo, câncer, diabetes, parasitoses intestinais, doenças inflamatórias do tubo digestivo, doenças infecciosas, depressão e anorexia podem ser a causa de um emagrecimento excessivo.

— A preocupação maior é que a magreza geralmente está associado à desnutrição, menor resistência imunológica, baixa massa óssea, aumentando o risco de fraturas. Os hormônios são formados a partir da gordura, e um peso muito baixo pode provocar uma série de alterações. Nas mulheres, por exemplo, a menstruação é interrompida, além de causar a infertilidade – declara Graciele.

Idosos também precisam ficar atentos. Com o passar do tempo, ocorrem perdas muscular e óssea.

Estas são maiores na menopausa e na andropausa, já que os hormônios, especialmente a testosterona, que também é produzida por mulheres, são muito importantes para o ganho e a manutenção da massa magra.

Nesses casos, o ideal é a prevenção. Crie uma rotina de exercícios físicos, preferencialmente antes dos 50 anos, para evitar a perda de massa magra.

— Quando o objetivo é ganhar peso, o ideal é aumentar o peso muscular, já que músculo pesa mais do que gordura. Além disso, sempre se procura diminuir o peso de gordura por questões de saúde.

Portanto, o foco deve ser o aumento da massa muscular e, nesse sentido, o treinamento de força seria o ideal, desde que prescrito por profissional da educação física devidamente capacitado – afirma Jerri Luiz

Ribeiro, professor de fisiologia do IPA. Também existe a opção de suplementos alimentares, que auxiliam no ganho de massa muscular. Mas antes de iniciar qualquer ingestão de complementos alimentares, procure um nutricionista para que ele recomende o mais adequado para o seu perfil.

Quer tentar ganhar alguns quilinhos com saúde? Veja esse cardápio da nutricionista Carla Piovesan. Se nada mudar, procure uma especialista

  • CAFÉ DA MANHÃ
  • – Uma caneca de leite semidesnatado com cacau em pó mais uma colher de sopa cheia de leite em pó.
  • – Duas fatias de pão integral.
  • – Duas colheres de chá de geleia de fruta.
  • – Uma fatia grossa de queijo minas.
  • – Meio mamão papaia com uma colher de sopa de chia.
  • LANCHE DA MANHÃ
  • – Um copo de salada de frutas com três colheres de sopa de granola.
  • ALMOÇO

– Salada mix de folhas verdes com beterraba e manga à vontade. Tempere-a com duas colheres de sobremesa de azeite de oliva.

  1. – Duas colheres cheias de arroz integral.
  2. -Uma concha de feijão com uma colher de sopa de maltodextrina (suplemento de carboidrato) misturada.
  3. – Uma posta de salmão grelhada.
  4. – Um copo de suco de laranja com uma colher de sopa de maltodextrina diluída.
  5. LANCHE DA TARDE
  6. – Uma porção de açaí com banana picada e uma colher de sopa de leite condensado ou quatro unidades de nozes ou castanhas e um iogurte sem adição de açúcar.
  7. JANTAR

– Refogado de abobrinha, berinjela, cenoura e vagem torta à vontade. Tempere com uma colher de sopa de azeite de oliva.

  • – Um prato fundo de macarrão integral com molho de tomate, cebola e manjericão.
  • – 150g de peito de frango grelhado.
  • – Um copo de suco de uva integral.
  • CEIA
  • – Vitamina de morango com maçã batida com um copo de leite semidesnatado mais duas colheres de sopa de aveia em flocos.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*