Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

As VIII Jornadas Doutorais em Comunicação e Estudos Culturais, organizadas pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da Universidade do Minho, terão lugar nos dias 13 e 14 de outubro de 2021, no campus de Gualtar, Braga. As Jornadas Doutorais

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

No próximo dia 9 de abril, pelas 10h00, terá lugar o próximo Seminário Doutoral de Ciências da Comunicação e Estudos Culturais. Alda Costa, docente da Universidade Eduardo Mondlane, de Maputo, é a convidada; “Museus de Moçambique: de encruzilhada em encruzilhada,

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

A 24 de março abre a primeira fase de candidaturas ao programa doutoral em Estudos Culturais. Podem candidatar-se: – Os titulares de grau de Mestre ou um segundo ciclo de formação superior numa qualquer área das Ciências Sociais, Humanidades ou Artes;

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

No próximo dia 26 de março, pelas 14h30, terá lugar o próximo Seminário Doutoral de Ciências da Comunicação e Estudos Culturais. Luís Fernandes, Professor Associado da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, é o convidado;

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

“O projeto de investigação: da ideia ao plano de trabalho” é o tema do próximo Seminário Doutoral de Ciências da Comunicação e Estudos Culturais. A sessão será conduzida por Madalena Oliveira e transmitida por Zoom. Madalena Oliveira doutorou-se em Ciências

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

No próximo dia 26 de fevereiro, pelas 15h00, terá lugar o primeiro Seminário Doutoral de Ciências da Comunicação e Estudos Culturais do ano letivo 2020-2021. Manuel Chaparro, da Universidade de Málaga, é o convidado; “Políticas públicas, decolonialidad y nuevas narrativas

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

A sessão do Seminário Permanente de Comunicação e Diversidade reúne duas investigações que se debruçam sobre perspectivas distintas de comunicação e de diálogo intercultural. O doutorando Cláudio Abdo (CECS) fará uma comunicação centrada nas percepcões sobre a crise migratória em

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

No dia 12 de março será realizado o Seminário Interdisciplinar Interculturalidades e consciência histórica: desafios atuais para a cidadania, a reunir diversos investigadores para partilharem experiências em torno dos estudos sobre consciência histórica, representações sociais, narrativa, identidade, memória cultural, práticas

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

Realizaram-se no dia 27 de outubro, pelas 10h00, as provas de doutoramento em Estudos Culturais de Fernando Augusto Silva Lopes. A tese, orientada por Moisés de Lemos Martins, tem o título “Cultura e Tecnologia: A Imagem Digital Como Signo Cultural

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

A conferência de abertura dos programas doutorais em Ciências da Comunicação e em Estudos Culturais teve lugar no dia 9 de outubro, pelas 15h00, no Auditório de Engenharia II. “Cultura e Comunicação digital: desafios atuais” foi o tema da conferência

Estudos Históricos e Culturais em Música

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

Sobre este Grupo

Este Grupo de Investigação assenta numa abordagem  multidisciplinar, combinando a Musicologia Histórica os contributos da História Cultural, da Etnomusicologia e da Sociologia da Música.

Entre 2015 e 2017, algumas actividades do grupo foram organizadas em estreita articulação com duas vertentes temáticas “Música e Media” e “Abordagens Históricas da Performance Musical”.

Mais recentemente, o Grupo expandiu o seu âmbito de investigação para o estatuto social e profissional dos músicos em Portugal desde o Antigo Régime até ao final do século XX.

Objectivos

  • Aplicar perspectivas dos Estudos Culturais à investigação sobre “música erudita” em Portugal e no Brasil desde o século XVI até ao presente;
  • Estudar ideias musicais, géneros e práticas através de uma perspetiva interdisciplinar, incluindo uma ampla variedade de abordagens, da história cultural à sociologia, da antropologia à análise musical;
  • Realizar trabalho de campo e pesquisa de arquivo sobre o património musical e processos contemporâneos, tendo em conta uma grande variedade de recursos: documentos históricos e actuais, partituras, tratados teóricos, fontes literárias, iconografia, gravações e materiais audiovisuais.
  • Dinamizar acções de divulgação junto do público em geral.

Prioridades

  • As principais instituições musicais portuguesas e os seus repertórios do século XVI à actualidade;
  • História das ideias musicais em Portugal e no Brasil desde o Antigo Regime até à modernidade;
  • Música em Portugal durante o Antigo Regime, com especial ênfase no patrocínio real e no mecenato privado, nos modelos cerimoniais e na produção e circulação de repertórios.
  • Sociabilidades musicais em espaços públicos e privados e interação entre música erudita e músicas tradicionais e populares urbanas;
  • “Música e Estado”, centrado nas relações entre a vida musical portuguesa e a criação e evolução das políticas culturais, com duas áreas predominantes: Música e representação do poder real no Antigo Regime e Música e política durante o Estado Novo;
  • O estatuto social e profissional dos músicos e as suas transformações;
  • História dos géneros musicais em correlação com os seus contextos e práticas interpretativas;
  • O impacto da introdução e disseminação da mediação tecnológica na música portuguesa (teatro, fonografia, rádio, cinema).
  • Investigador Principal
  • Rui Vieira Nery
  • Eventos Regulares
  • Cultura, Ciência e Política em Portugal no século XX
  • Em colaboração com CICS.NOVA (FCSH) e CEIS20 (Universidade de Coimbra)
  • Colóquio Abordagens Históricas à Performance Musical
  • Seminários Internacionais “Música nas Côrtes Ibéricas (séculos XVIII-XIX)
  • Em colaboração com o Instituto Complutense de Ciencias Musicales (ICCMU), Madrid
  • Produção Científica (2013 – 2018)
Leia também:  Como Ver Qual A Memoria Ram Do Pc?

Estudos Culturais O Quê E O Como Da Investigação?

  1. Projectos Competitivos em Curso
  2. Xperimus – Experimentação em música na cultura portuguesa: História, contextos e práticas nos séculos XX e XXI
  3. PTDC/ART-PER/31380/2017 (como entidade participante)
  4. PTDC/ART-PER/32624/2017
  5. PTDC/ART-OUT/32320/2017 (como entidade participante)
  6. PerformArt – Promoting, Patronising and Practising the Arts in Roman Aristocratic Families (1644-1740). The Contribution of Roman Family Archives to the History of Performing 
  7. Arts (ERC-CoG 2015 –Consolidator Grant; Grant agreement ID: 681415; IP: Anne-Madeleine Goulet; Host Institutions: CNRS; École Française de Rome) (como entidade participante)
  8. PTDC/CPC-MMU/3559/2014
  9. The Portuguese colonial empire and urban popular culture: comparative visions of the metropolis and the colonies (1945-1974). ICS
  10. PTDC / CPC-CMP / 2661/2014 (como entidade participante)
  11. Projectos Competitivos Concluídos
  12. Musicology applied to classical concert in Spain (XVIII-XXI centuries). Historical, productive, interpretative and ideological aspects
  13. I+D HAR2014-53143-P, Ministerio de Economía y Competitividad, Spain
  14. University of La Rioja (2015-2017) (como entidade participante)
  15. Chamber music in 18th-century Spain: genres, performance and recuperation
  16. I+D HAR2011-22712, Ministerio de Ciencia e Innovación, Spain 
  17. University of La Rioja (2012-2014) (como entidade participante)
  18. PTDC/EAT-MMU/118753/2010
  19. Projecto Pós-Doc financiado pela FCT: SFRH/BPD/75201/2010
  20. Music, ideology and politics in the art culture during Franco’s regime (1938-1975)
  21. I+D HAR2010-17968, Ministerio de Economía y Competitividad, Spain
  22. University of Granada (2010-2013) (como entidade participante)
  23. PTDC/EAT-MMU/100899/2008
  24. The sound and the screen: cinema, television and music industries in twentieth century Portugal 
  25. Projecto Pós-Doc financiado pela FCT: BPD/UI72/6958/2014 | BPD/UI72/6958/2017
  26. Projectos de Transferência de Conhecimento
  27. Biblioteca Nacional de Portugal – Acordo para actividades de divulgação (exposições, conferências, concertos, publicações) relacionadas com as colecções de música da instituição
  28. Museu da Música Portuguesa (Casa-Museu Verdade de Faria) – Acordo para actividades de divulgação (exposições, conferências, concertos, publicações) relacionadas com as colecções do Sindicato Português dos Músics e do Compositor Fernando Lopes-Graça da instituição
  29. Museu Nacional da Música  – Colaborações com o Ciclo de Concertos “Um Músico, Um Mecenas”, com instrumentos históricos
  30. Palácio Nacional da Ajuda –  Acordo para utitilzação das instalações e para actividades de divulgação (exposições, conferências, concertos, publicações) relacionadas com o património musical da Biblioteca da Ajuda
  31. CEMSP – Centro de Estudos Musicais Setecentistas em Portugal (Palácio Nacional de Queluz) – participação no Conselho Científico
  32. Equipa
  33. Investigador Principal
  34. Investigadores Integrados Doutorados
  35. André Deus Pereira
  36. Carla Minelli
  37. Cristiana Spadaro
  38. Cristina Fernandes
  39. Helena Marinho
  40. João Silva
  41. Manuel Deniz Silva
  42. Maria João Albuquerque
  43. Pedro Castro
  44. Rui Cabral Lopes
  45. Sofia Lourenço
  46. Vasco Negreiros
  47. Doutorandos
  48. Bernardo Santos
  49. Diana Vinagre
  50. Fernando Jalôto
  51. Gonçalo Antunes de Oliveira
  52. Hélder Batista Sá
  53. Inês Elisa Thomas de Pinho e Almeida
  54. Mariana PortasNery Borges
  55. Pedro Boléo Duarte RodriguesRodrigo AffonsoSamuel Barros
  56. Sara Braga Simões
  57. Tiago Hora
  58. Colaboradores
  59. Francesco Esposito
  60. Judith Ortega Rodríguez
  61. Maria Bernardete Castelan Póvoas
  62. Pilar Diez del Corral
  63. Teresa Cascudo
  64. Vanda de Sá 
Leia também:  Como Se Chama O Corpo Celeste Que Tem Nucleo?

Estudos culturais – Wikipédia, a enciclopédia livre

Comunicação
Tipos

  • Social
  • Massa
  • Interpessoal
  • Intrapessoal
  • Verbal
  • Não verbal
  • Visual
  • Audiovisual
  • Segmentada
  • Redes
  • Ciberespacial
  • Não violenta
Meios

  • Cartaz
  • Cinema
  • Correio
  • Fanzine
  • Internet
  • Jornal
  • Livro
  • Outdoor
  • Panfleto
  • Podcast
  • Banda desenhada
  • Rádio
  • Revista
  • Televisão
  • Vídeo
Profissões

  • Assessoria
  • Design gráfico
  • Editoração
  • Jornalismo
  • Produção audiovisual
  • Produção cultural
  • Produção editorial
  • Publicidade
  • Radialismo
  • Relações públicas
  • Roteiro
Disciplinas

  • Análise do discurso
  • Análise de conteúdo
  • Cibercultura
  • Dialética
  • Economia da informação
  • Estudos culturais
  • Hermenêutica
  • Linguística
  • Marketing
  • Memética
  • Retórica
  • Semiótica
  • Teoria da comunicação
  • Teoria das mediações
  • Teoria da propaganda
Conceitos

  • Agendamento
  • Audiência
  • Censura
  • Ciberespaço
  • Cultura
  • Cultura de massa
  • Espiral do silêncio
  • Evento midiático
  • Imagem
  • Imprensa
  • Indústria cultural
  • Informação
  • Interatividade
  • Linguagem
  • Meios de comunicação social
  • Propaganda
  • Signo
  • Símbolo
  • Texto
  • Veículos
  • Multimodalidade
Elementos

  • Canal
  • Código
  • Contexto
  • Emissor
  • Feedback
  • Meio
  • Mensagem
  • Processo
  • Receptor
  • Repertório
  • Ruído
Temas e Questões

  • Limitação de Internet Banda Larga
  • Convergência tecnológica
  • Democratização da comunicação
  • Fluxo de informação
  • Grande mídia
  • Imperialismo cultural
  • Inclusão digital
  • Mídia alternativa
  • Mídia independente
  • Sociedade da informação
  • Pós-modernidade
Tecnologia

  • Animação
  • Ethernet
  • Hipermídia
  • Máquina de escrever
  • Microfone
  • Novas tecnologias de informação
  • Podcasting
  • Radiodifusão
  • Radiotelefonia
  • Satélite
  • Telecomunicações
  • Teledifusão
  • Telefonia
  • Telegrafia
  • Videocassete
Escolas

  • Estruturalismo
  • Escola de Frankfurt
  • Instituto de Pesquisa Mental de Palo Alto
  • Teoria funcionalista
  • UNESCO
Categoria
  • v
  • d
  • e

Os estudos culturais são um campo de investigação de caráter interdisciplinar que explora as formas de produção ou criação de significados e de difusão dos mesmos nas sociedades atuais. Nessa perspectiva, a criação de significado e dos discursos reguladores das práticas significantes da sociedade revelam o papel apresentado pelo poder na regulação das atividades cotidianas das formações sociais.[1][2] Sendo assim, os estudos culturais não se configuram exatamente como uma disciplina distinta, mas sim uma abordagem ampla dentro das disciplinas constituídas.[3]

O âmbito dos estudos culturais combina a economia política, a teoria da comunicação, a sociologia, a teoria social, a crítica literária, o cinema, a antropologia cultural, a filosofia e o estudo dos fenômenos culturais nas diversas sociedades. Os estudiosos da área frequentemente se interessam por como um determinado fenômeno se refere a questões de Ideologia, -nacionalidade, etnia, Género (sociedade) e classe social.[4]

Os Estudos Culturais são um ramo das humanidades particularmente forte no mundo de fala inglesa, e se desenvolveram em particular nos EUA a partir dos anos 1960, no contexto do surgimento do pós-modernismo, pós-colonialismo e multiculturalismo, e dos movimentos sociais como o movimento negro e a segunda onda do feminismo.

Um dos principais contribuintes dos Estudos Culturais Ingleses foi o autor Stuart Hall. O sociólogo de origem jamaicana foi diretor do Center for Contemporany Cultural Studies (CCCS), localizado na Universidade de Birmingham.

Entre suas principais contribuições está da Teoria da Recepção, tese que organiza a comunicação em um processo de codificação-decodificação da mensagem. Em sua teoria, Hall rompe com a ideia da linearidade comunicativa entre emissor-receptor, considerando a importância do código na compreensão da mensagem.

Além disso, admite a influência de fatores sociais, políticos e culturais que alteram na forma como o indivíduo decodifica mensagens. Nesse sistema, etapas independentes se relacionam no processo de formação da mensagem e sua posterior compreensão (produção, circulação, consumo/distribuição e reprodução).

Ele ainda defende a impossibilidade de “erro” na compreensão de um conteúdo, o que ocorre é a assimetria entre o sentido pretendido pelo produtor (posição dominante) e o decodificado pelo receptor.[5]

Ver também

  • Escola de Frankfurt
  • Teoria crítica da sociedade
  • Richard Hoggart
  • Raymond Williams
  • Roland Barthes

Referências

  1. ↑ JOHNSON, Richard et al. O que é, afinal, estudos culturais?. Autêntica Editora, 2006.
  2. ↑ MATTELART, Armand; NEVEU, Érik. Introdução aos estudos culturais. Parábola, 2004.
  3. ↑ ESCOSTEGUY, Ana Carolina.

    Os estudos culturais. Teorias da Comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis, Vozes, p. 151-170, 2001.

  4. ↑ Teoría Culturalista y sus principales representantes
  5. “Encoding / Decoding”. [S.l.: s.n.

Ligações externas

  • Bibliografia de Estudos Culturais

Obtida de “https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Estudos_culturais&oldid=56763666”

Estudos Culturais – Sociologia

Os Estudos Culturais são caracterizados especificamente por sua natureza interdisciplinar e por sua transitoriedade, aliás, uma qualidade já implícita no próprio nome desta disciplina – estudos -, que remete a algo em constante transformação. Como ela se destina a questionar interações que se baseiam no poder e na autoridade, é fundamental que ela mesma não se constitua de verdades absolutas e dogmáticas.

Esta disciplina procura investigar a multiplicidade vigente no interior de cada cultura e nas relações interculturais, ricas e diversificadas. Suas pesquisas revelam também o quanto estes elos entre diferentes culturas estão permeados por vínculos de poder e hierarquização.

Estes estudos destacam igualmente a elaboração de significados culturais e sua disseminação nas sociedades contemporâneas. Relações de dominação e soberania marcam este processo de produção sócio-cultural, características estas amplamente questionadas por este campo de investigação, que assume claramente a defesa dos grupos que não têm acesso aos meios de produção da cultura.

O que diferencia este ramo do conhecimento dos outros mais convencionais é sua opção decisiva pela luta política, o empenho em transformar o status quo.

Ele não se importa em parecer parcial, pois esta é justamente sua intenção, a não objetividade.

Assim, diferentemente das demais disciplinas, os Estudos Culturais buscam instrumentalizar o saber conquistado em prol de uma nítida intervenção na esfera político-social.

Revestida deste objetivo, a disciplina procura incessantemente converter a reflexão e a crítica em ferramentas indispensáveis na transcendência do universo acadêmico, burocrático e restritivo, e, assim, alcançar os grupos sociais excluídos do conhecimento aí produzido.

Com este propósito, os Estudos Culturais articulam em seu interior diversas disciplinas, como a economia política, a comunicação, a sociologia, a teoria social, a teoria literária, a teoria dos meios de comunicação, o cinema, a antropologia cultural, a filosofia e a investigação das diferentes culturas que emergem dos mais diversos corpos sociais.

Os Estudos Culturais nascem a partir dos estudos realizados por Raymond Williams, crítico de literatura britânico, apontado como um dos criadores desta disciplina, e pelo historiador E. P. Thompson, os quais, ao lado de Richard Hoggart, primeiro diretor do Centro de Birmingham, tecem as primeiras reflexões que irão compor o arcabouço deste campo de pesquisas.

Em Cultura e Sociedade, Raymond revela que a esfera cultural – aqui vista como um ponto de vista antropológico – é decisiva tanto para a compreensão literária quanto para os estudos da sociedade.

Tanto este pesquisador quanto Thompson partiram de vivências concretas para a construção desta teoria, pois as raízes dos Estudos Culturais têm origem nas aulas que ambos ministravam para trabalhadores no período da noite.

A partir desta experiência, os dois começaram a refletir sobre a prática pedagógica, visando encontrar um meio de vencer os limites de uma educação dirigida, através da qual é comum que os segmentos sociais dominantes imponham seus valores e princípios às classes desprovidas dos meios de produção. Thompson, particularmente, lança a ideia de uma interação mais flexível entre mestres e alunos, pretendendo, assim, libertar-se do âmbito das relações estabelecidas nas salas de aula.

Atualmente os Estudos Culturais, paradoxalmente, se transformaram em disciplinas acadêmicas, e embora, na teoria, continuem almejando a tão sonhada intervenção sócio-política, a desejada libertação dos limites que restringem a disseminação do conhecimento, parecem encontrar as mesmas dificuldades que os outros campos de conhecimento, ou seja, como romper as barreiras burocráticas da Universidade. Alcançado o novo status, esta disciplina dá mostras, agora, de se distanciar das suas propostas originais.

Fontes:
http://www.espacoacademico.com.br/027/27wlap.htm
http://www.fnpj.org.br/downloads/TELEJORNALISMO%20E%20ESTUDOS%20CULTURAIS.doc
http://www2.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/E/estudos_culturais.htm
http://pt.wikilingue.com/es/Estudos_culturais

Victor Andrade de Melo. A Animação Cultural. Conceitos e Propostas. Editora Papirus, Campinas, SP, 2006.

Texto originalmente publicado em https://www.infoescola.com/sociologia/estudos-culturais/

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*