E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Concorreram à 1ª fase do Concurso Nacional de Acesso mais de 62 mil alunos, o maior número dos últimos 25 anos, dos quais 82% ficaram colocados, sendo que 84% dos estudantes agora admitidos foram colocados numa das suas três primeiras opções. Das mais de 56 mil vagas disponíveis, ficaram 6.050 livres, representando uma diminuição de 10% em relação à mesma fase do concurso de 2019. O número de vagas sobrantes é o mais baixo dos últimos 10 anos.

Verificou-se que 50,5% dos alunos ficou colocado na 1ª opção, pelo que existe uma percentagem considerável que estará a considerar voltar a concorrer à 2 fase de candidaturas, a que se juntam os milhares de alunos que só estão habilitados a concorrer nesta fase.

Como funciona a 2ª fase de candidaturas?

  • Prazo de candidaturas: 28 de setembro a 09 de outubro.
  • Divulgação dos resultados: 15 de outubro.

Podes consultar aqui todo o calendário.

Já deves ter reparado que muitos dos cursos preencheram todas as vagas, mas ainda há esperança! Na 2ª fase de candidaturas as vagas a que poderás concorrer são a soma das seguintes:

  1. As vagas sobrantes da 1.ª fase do concurso – que já podes consultar aqui .
  2. As vagas ocupadas na 1.ª fase do concurso em que os colocados não façam a matrícula e inscrição, com exceção das vagas adicionais criadas nos termos do regulamento do concurso nacional de acesso – disponíveis dia 07 de outubro já estão disponíveis.
  3. As vagas libertadas em consequência da recolocação de estudantes colocados na 1.ª fase, com exceção das vagas adicionais criadas nos termos do regulamento do concurso nacional de acesso – só terás conhecimento destas nas colocações, pelo que mesmo um curso com 0 vagas disponíveis pode libertar uma vaga nesta fase.
  4. As vagas libertadas em consequência de retificações na colocação na 1.ª fase.

Depois de deduzidas as vagas adicionais criadas nos termos do regulamento do concurso nacional de acesso e as vagas que, até ao início da seriação dos candidatos, sejam utilizadas no atendimento de reclamações.

No caso de cursos em que sobraram vagas da 1.ª fase do concurso, o número de vagas colocado a concurso é de no mínimo 1.

Excecionalmente este ano, as vagas disponíveis para a 2.

ª fase do concurso, resultantes das várias situações referidas em cima, podem ainda ser reforçadas através da transferência de vagas fixadas e não ocupadas nos concursos especiais de acesso e ingresso no ensino superior, nos termos do disposto no n.º 8 do Despacho n.º 8501-A/2020, de 3 de setembro, caso se venham a verificar novas vagas não preenchidas em concursos especiais até ao início de outubro.

Quem pode concorrer à 2ª fase de candidaturas?

Podem concorrer a esta fase de candidaturas:

  1. Os candidatos à 1.ª fase não colocados;
  2. Os candidatos colocados na 1.ª fase que pretendam concorrer de novo (tem em atenção que se fores colocados na 2.ª fase, a colocação na 1.ª fase, bem como a matrícula e inscrição que realizaste, são anuladas. Se tiveres pago alguma prestação das propinas essa quantia é transferida para a nova instituição);
  3. Os candidatos que, embora colocados na 1.ª fase, não procederam à respetiva matrícula e inscrição;
  4. Os estudantes que, embora reunindo condições de candidatura no prazo de apresentação das candidaturas à 1.ª fase, não se apresentaram a ela;
  5. Os estudantes que só reuniram as condições de candidatura após o fim do prazo de apresentação das candidaturas à 1.ª fase.

Matrículas à 1ª fase

Quer concorras ou não à 2ª fase de candidaturas, deverás efetuar a matrícula no curso em que ficaste colocado caso o queiras frequentar ou garantir a vaga enquanto esperas o resultado das candidaturas seguintes.

  • Prazo da inscrição: 28 de setembro a 2 de outubro.

Algumas universidades fazem algum tipo de escala durante a semana, por exemplo, ordem alfabética ou determinados cursos para cada dia, mas essa é apenas uma forma de garantir que os alunos não efetuem as matrículas nos mesmos dias. Poderás matricular-te num dia que não o que te foi atribuído, devendo confirmar esta informação com a instituição em causa.

Os candidatos residentes nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira colocados em instituição de ensino superior do continente ou de outra Região Autónoma podem realizar a matrícula e inscrição no prazo especial fixado por despacho do diretor-geral do Ensino Superior desde que, até ao fim do prazo normal, entreguem, no Gabinete de Acesso ao Ensino Superior da Região Autónoma respetiva, uma declaração de intenção de matrícula e inscrição na vaga em que foram colocados. O mesmo acontece com os alunos continentais colocados nas ilhas segundo o artigo 52.º do Guia da Candidatura 2020.

Deverás consultar a página da respetiva universidade para saberes os horários e os documentos necessários para a inscrição, lembrando que no caso de cursos que pedem Pré-requisitos estes são entregues na matrícula.

Aproveitamos para dar os parabéns aos colocados e desejar a melhor das sortes aos que concorrem agora à 2ª fase de candidaturas.

2ª faseAcessoAcesso 2017colocaçõesmatrículas

Temos uma nova parceria com a Inlife e a Spotahome. Aproveita para usares os nossos códigos promocionais e obtém descontos nas tuas reservas!

Explora as residências universitárias parceiras do nosso site com opções de alojamento de confiança, com qualidade de serviço, em excelentes localizações e onde te sentirás seguro:

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer? E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer? E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer? E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer? E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Quero ser um candidato. E agora?

Em outro texto, vimos como os partidos se organizam para definir seus candidatos nas eleições. Mas vamos olhar da perspectiva dos aspirantes à carreira pública: o que é realmente necessário para ganhar espaço e ter a chance de concorrer nas eleições como candidato? Qual é o perfil ideal para a carreira política? É isso que vamos mostrar aqui.

A dificuldade dos novatos

Coloque-se na seguinte situação: você é jovem, socialmente engajado(a), é carismático(a), tem capacidade de liderança e possui ótima retórica. Você gosta de projetos sociais e já ajudou a concretizar muitas coisas legais para sua comunidade.

Agora, você quer tomar um passo adiante e entrar para a política “de verdade”, aquela política que você vê todos os dias na TV – suja, baixa, imersa em corrupção. Você, jovem líder, quer mudar essa história, mostrar que não é necessário se corromper para ser um político no Brasil.

Isso tudo é muito positivo, não tenha dúvida. O grande problema é: para entrar na política, você terá de começar do mesmo jeito que todos os políticos começaram! E aí começa o desafio: como fazer diferente?

Não é fácil ingressar no mundo da política. Pessoas novas e cheias de ideias podem encontrar vários obstáculos para concretizar suas aspirações. Sua trajetória política dependerá da sua capacidade de se articular dentro de um partido político. Para isso, em muitas situações será preciso dançar com a música, mesmo que às vezes você não goste da música.

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Preparamos abaixo um passo a passo para que você consiga deslanchar sua carreira política.

Passo 1: antes de ser candidato, trabalhe em projetos voluntários

Ter experiências prévias em trabalhos sociais, voluntários e afins, e com impacto real e mensurável nas comunidades envolvidas é um componente que aumentará suas chances de sucesso na política.

Participar de projetos dessa natureza demonstra que você possui interesse em temas coletivos. Além disso, você pode adquirir experiência em encontrar soluções para problemas coletivos.

Em sua carreira política, você terá de lidar com esse tipo de problemas o tempo todo e terá de desenvolver pensamento estratégico para pensar em suas soluções.

Também recomendamos que você participe das instâncias locais de deliberação política. Existem várias delas, e é uma forma de você viver a política na prática desde cedo. Veja alguns exemplos:

Muitas lideranças nacionais importantes surgiram do movimento estudantil, dos sindicatos e organizações similares. Esse pode ser um bom ponto de partida para você, pois irá demonstras que estás engajado coletivamente na defesa de direitos e ideais.

Passo 2: ingresse em um partido político de sua escolha (ou crie seu próprio)

No Brasil, os partidos políticos possuem o monopólio sobre as candidaturas para as eleições. Portanto, qualquer que seja o aspirante a um cargo eletivo, ele terá de ingressar em um partido político (ou então criar seu próprio partido, o que é uma tarefa ingrata para quem está apenas começando).

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Cada partido tem suas exigências em relação aos filiados, por isso conheça as regras do partido antes de fazer a filiação. Além disso, eles possuem princípios “ideológicos”, orientações de pensamento político que (em tese) devem nortear a decisão dos seus afiliados enquanto representantes políticos. Certifique-se de escolher um partido de sua confiança.

eBook: conheça TODOS os partidos políticos brasileiros!

Passo 3: faça contatos dentro do partido

O aspirante a político precisa passar por provas de fogo até demonstrar que tem potencial para a política. Provavelmente, você terá de convencer os “caciques” do partido de que pode conseguir muitos votos. Conquistar a confiança dessas pessoas é essencial.

Leia também:  Como Fazer Avioes De Papel Que Voam Muito Alto?

O que fazer, então, para aumentar sua projeção no início da carreira? Muitos iniciantes trabalham em campanhas de outros políticos, o que lhes permite conhecer o dia a dia de uma campanha e entrar em contato com a rede de pessoas e organizações que estão envolvidas nelas. Outros vão trabalhar no gabinete de candidatos eleitos, entendendo como é a rotina e os desafios de um político eleito. Tudo isso abre portas e facilita o ingresso nesse mundo.

Observação: os fatores “vantajosos”

Ainda queremos lembrar que existem alguns fatores que podem colocar algumas pessoas em vantagem em relação aos seus concorrentes. São vantagens que, infelizmente, fazem parte do cotidiano da política.

Ser parente de político pode pesar muito a favor de um principiante.

Além de ter um nome de família já conhecido pela população (o que facilita o marketing), o parente de político também acessa mais facilmente contatos importantes.

Não é à toa que 49% dos deputados federais eleitos em 2014 possuem políticos na família. Apenas é preciso lembrar que a Constituição (art. 14, par. 7) limita a candidatura de vários parentes de prefeitos, governadores e do presidente.

Ser assessor de político, ou trabalhar em posição de destaque nesse meio, também ajuda os principiantes em corridas eleitorais, pela facilidade com que os políticos com cargo eletivo conseguem transferir votos, pela vinculação de sua imagem.

Ser famoso também pode dar vantagem ao candidato. Jogador de futebol, humorista e participante de reality show: essas são apenas algumas das antigas ocupações de políticos que hoje nos representam no Poder Legislativo federal.

A fama prévia ajuda porque, dessa forma, o candidato já é conhecido e tem grande potencial de voto.

 No caso das eleições para vereadores e deputados, isso importa muito, pois os votos de sobra de um candidato garantem cadeiras para outros candidatos do partido ou coligação no Legislativo.

É assim que muitos famosos tornam-se puxadores de voto, como aconteceu com Tiririca em 2010 e 2014.

Passo 4: angarie recursos e apoiadores’

Este passo é complementar ao anterior. Contatos no mundo político levam a recursos.

De fato, este é um dado desanimador acerca da política brasileira: é improvável que você consiga desenvolver sua carreira sem ter acesso a grandes financiadores de campanhas –  quadro que pode mudar com a proibição das doações empresariais nas campanhas. Mas, por hora, vamos partir da realidade atual até então.

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Os financiadores são essenciais, pois você precisará de recursos para fazer uma campanha bem-sucedida. Nossas campanhas eleitorais estão entre as mais caras do mundo e quem consegue mais recursos ganha mais visibilidade junto aos eleitores, aumentando suas chances de sucesso.

A grande dificuldade é conciliar os interesses dos financiadores com o interesse dos eleitores em geral. Balancear esses fatores será um desafio permanente em sua vida pública – seja como vereador, prefeito, deputado ou presidente.

Além dos contatos com financiadores, é importante que você tenha correligionários, pessoas que acreditam no seu potencial e que o apoiem de perto. Tais pessoas podem se dispor a ajudar na sua campanha, seja no planejamento, seja como cabos eleitorais.

Passo 5: tenha propostas coerentes, factíveis e de apelo à população

É muito importante que você tenha um plano de governo bem delineado, antes mesmo de conseguir uma candidatura oficial.

 Pense nas “dores” dos seus eleitores e desenvolva uma pauta propositiva, que mostre claramente os problemas a serem atacados, e principalmente os resultados almejados.

Ter clareza quanto ao objetivo que você quer alcançar transmite uma mensagem clara tanto aos seus pares dentro do partidos, quanto para os eleitores.

Esses são os fatores que consideramos os mais importantes para você se tornar um candidato político. Leve esses fatores em conta caso queira entrar nesse mundo. E não se desanime se você ainda não tiver muitos contatos dentro da política partidária! Lute por seu espaço e ajude a construir uma política diferente.  

E você, tem algum tipo de interesse em se tornar candidato? Conte pra gente nos comentários!

Última atualização em 27 de abril de 2018

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Entenda agora quanto tempo vale a nota do ENEM e como utilizá-la

Você certamente sabe que o ENEM, o Exame Nacional do Ensino Médio, é uma avaliação aplicada anualmente em todo o Brasil. A nota da prova é decisiva em processos seletivos, sua importância é tanta, que milhares de estudantes a consideram indispensável. Mas você sabe por quanto tempo vale a nota do ENEM?

A nota do ENEM é aceita em universidades públicas e privadas, seja no ensino a distância, híbrido ou presencial. Por ser a principal forma de entrada para o ensino superior, o exame passou a ser muito concorrido, e não se engane ao pensar que é uma avaliação fácil. Continue a leitura e saiba mais sobre o ENEM e como utilizar suas notas.

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Para que serve a nota do ENEM?

Hoje em dia, o ENEM se tornou o principal meio para quem sonha em conquistar o diploma. O exame possibilita o acesso de diferentes classes sociais ao ensino superior de qualidade. Sua nota na prova pode garantir uma vaga nas inúmeras universidades públicas e privadas de todo o país, credenciadas pelo MEC.

O Exame foi criado em 1998, pelo Ministério da Educação (MEC) e seu principal objetivo era avaliar a qualidade do ensino médio no Brasil, desta forma, foi possível analisar o nível de educação básica dos estudantes recém formados.

Muita coisa mudou na estrutura do exame ao longo dos anos. Em 2012 a nota do ENEM já era requisito para o programa Universidade para Todos (Prouni), Financiamento Estudantil (Fies) e Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

No ano de 2014, o ENEM foi utilizado na seleção de bolsistas do extinto programa Ciência sem Fronteiras e passou também a ser aceito em universidades de Portugal.

A nota é um grande facilitador para ingressar em universidades particulares, pois, por meio dela dela é possível contratar o financiamento do Fies ou entrar com bolsas de estudos com descontos de até 100% na mensalidade.

Precisa fazer o ENEM todos os anos?

O ENEM foi criado para avaliar o ensino nas escolas de nível médio, mas isso não significa que a prova é exclusiva para os alunos que estão cursando ou já concluíram o ensino médio. Qualquer pessoa com interesse em testar seus conhecimentos pode se inscrever no ENEM e realizar a prova.

Não existe restrição de idade para se inscrever, é possível fazer a prova já no 9° ano do ensino Fundamental, ou durante a melhor idade. Você sabia que os idosos representaram 9.849 dos participantes do ENEM 2019?

O fato de não existir idade limite para a realização da prova possibilita que estudantes menores de 18 anos e que ainda não concluíram o ensino médio, participem como um ENEM treineiro.

Assim é possível se preparar para quando concluir os estudos de nível médio, fazer o exame novamente para obter uma nota que terá validade para concorrer a vagas em universidades públicas e privadas.

Você pode participar do ENEM quantas vezes quiser. Basta se inscrever com seus documentos pessoais, pagar o valor da taxa de inscrição e comparecer no local da prova nas datas e horários indicados no calendário disponibilizado pelo MEC.

Assim, a decisão de fazer o ENEM todos os anos, até que você ingresse na universidade é uma opção sua. Algumas instituições podem aceitar resultados apenas do último ENEM, enquanto outras aceitam a nota de provas passada. Ainda, os programas governamentais de bolsas e financiamentos também estipulam regras quanto a isso.

A dica é determinar o seu objetivo e consultar mais informações sobre a necessidade de fazer o ENEM todos os anos, ou não.

Validade da nota do ENEM para o Prouni

O ProUni é um programa criado pelo Ministério da Educação em 2004, seu objetivo é oferecer vagas em instituições de ensino particular por meio de bolsas de estudos de 50% e 100%, para estudantes de baixa renda de todo o território nacional.

Para se inscrever no programa, é obrigatória a participação da última edição do ENEM, com desempenho mínimo de 450 pontos na média geral enota da redação maior que zero. Vocênão pode ter diploma de curso superior e deve atender os requisitos cadastrais e socioeconômicos estipulado pelo programa:

  • possuir renda familiar de até 3 salários mínimos por pessoa;
  • ter cursado o ensino médio completo em escola pública ou em escola particular com bolsa integral da instituição; ou ter cursado o ensino médio parcialmente em escola pública e parcialmente em escola privada com bolsa integral da instituição;

Também se enquadram as pessoas com renda familiar de até 3 salários mínimos por pessoa e que sejam pessoa com deficiência. Professores da rede pública de ensino básico, em exercício.

Concorre a bolsa de 100% quem comprovar renda de até um salário mínimo e meio por membro da família. Todo processo é conduzido pelo Governo Federal, através do Ministério da Educação.

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Mas quanto tempo vale a nota do enem para o ProUni? A nota do ENEM tem validade de um ano.

O programa não aceita notas de exame de anos anteriores, portanto, se você tem interesse em se inscrever no ProUni para disputar bolsas de estudos no ensino superior, se atente as datas divulgadas pelo MEC e participe da edição mais recente da prova para tentar classificação no ProUni.

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Nota do ENEM e SiSU

O SiSU é uma plataforma online do Ministério da Educação, criado pelo Governo Federal em 2010. Seu objetivo é oferecer vagas em instituições públicas de ensino superior através do ENEM.

Hoje em dia, é a forma de ingresso que dispensa o vestibular nas universidades federais públicas.

E mesmo sendo um projeto do Governo Federal, algumas universidades estaduais também aderiram ao SiSU como critério de seleção.

Na primeira década de funcionamento do SiSU, o sistema ganhou o status de maior aglutinador de vagas em graduação nas universidades públicas do país. O total de vagas ofertadas no ensino superior no mesmo período saltou de 10,7% para 43%. É o ENEM garantindo, mais uma vez, o acesso à educação superior de qualidade a milhares de brasileiros.

Pode participar do SiSU qualquer candidato que tenha feito a edição no ano anterior ao da candidatura. Por exemplo, o estudante que quer se candidatar para o SiSU 2020, precisa ter feito o ENEM de 2019 e ter obtido nota na redação maior que zero.

A inscrição é gratuita e é feita exclusivamente pelo site do SiSU.

Para isso, é necessário informar seus dados cadastrais, o número de inscrição do ENEM e senha de acesso, escolher até duas opções de cursos entre as vagas disponíveis e aguardar o resultado.

E se você cursou todo o ensino médio em escola pública, tem direito a se cadastrar pela Lei de Cotas (Lei 12.711/2012).

Então, quanto tempo vale a nota do ENEM para o SiSU? A resposta é um ano. A seleção para o SiSU acontece em dois momentos do ano: uma em janeiro e outra em junho. A primeira edição, costuma oferecer mais vagas do que a segunda edição. Fique atento as datas de candidatura divulgados pelo governo pois o período de inscrição costuma ser breve.

ENEM e Fies

As vagas oferecidas pelo ProUni e SiSU são disputadas por milhares de estudantes de todo o Brasil, o que faz com que a concorrência é grande seja grande.

Uma alternativa a essas vagas é o Financiamento Estudantil, também conhecido como Fies, criado em 1999 com objetivo de financiar a graduação de estudantes que não podem pagar as mensalidades durante os estudos.

Assim como os demais programas apresentados neste artigo, o Fies também passou por atualizações ao longo do tempo. A última mudança aconteceu em 2020. Agora, o Novo Fies possibilita juros zero a quem mais precisa, além de disponibilizar também uma escala de financiamento que muda conforme a renda familiar do candidato.

E você, já pensou em financiar até 100% do seu curso de graduação em universidades particulares, usando a nota do ENEM? Pois saiba que isso é possível!

Para participar da seleção do FIES, é preciso atender a requisitos: não ter curso superior concluído, apresentar renda familiar de até cinco salários mínimos por pessoa, participar de uma das edições do ENEM (contando de 2010 em diante), atingir 450 pontos na média das provas do ENEM e não zerar a redação, além de apresentar demais documentações exigidas pelo financiamento.

O Novo Fies muda também as formas de pagamento do financiamento. O antigo formato de oferecido gerou um alto índice de inadimplência e, para solucionar, o governo reformulou a forma de pagamento em 2018.

No novo formato, os descontos das parcelas ocorrerão direto na folha de pagamento, após o aluno terminar o curso e conseguir entrar no mercado de trabalho com registro em carteira. E para quem optar por abrir uma empresa, a parcela será descontada automaticamente sobre o rendimento, com limite de desconto de até 10%.

O MEC abre inscrições para o FIES duas vezes ao ano, em geral acontece em fevereiro e julho. O cadastro é disponibilizado após a divulgação das notas do ENEM, SiSU e ProUni. O financiamento é a alternativa para os estudantes que não conseguiram vagas nos demais programas.

Mas então, você sabe por quanto tempo a nota do ENEM vale para o FIES? A nota não tem validade! Para concorrer ao financiamento o candidato pode usar notas de edições passadas, a começar pelo ano de 2010. A única exigência é ter tirado no mínimo 450 pontos na prova objetiva e não ter zerado a redação.

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Quanto tempo vale a nota do ENEM nas faculdades particulares?

O uso da nota do ENEM para entrar em universidades particulares, tem sido a saída para os estudantes que sonham em conquistar o diploma do ensino superior, mas não têm condições financeiras de arcar com os pagamentos mensais ou por algum motivo não conseguiu contratar o Fies.

Algumas instituições de ensino aceitam a nota do ENEM como forma direta de ingresso. Neste formato, o candidato apresenta a nota do exame à universidade que pretende iniciar seus estudos e se a pontuação estiver acima do mínimo exigido, pode se matricular sem precisar fazer outro vestibular.

As regras para usar a nota do ENEM como um substituto do vestibular são estipuladas por cada universidade. Antes de se inscrever em algum curso de graduação, consulte se essa possibilidade é válida.

Esse benefício pode ser usufruído em cursos da modalidade presencial, híbrido ou a distância.

Além de substituir o vestibular, a nota do ENEM em universidades particulares pode virar bolsa de estudos de até 100% na mensalidade.

Essa é uma opção muito interessante para quem está decidido a ir atrás de seus sonhos. Geralmente, essas bolsas de estudos estão relacionadas à sua nota, que quanto maior, maior o desconto. Portanto, que tal voltar a estudar para conseguir uma nota melhor no ENEM? Analise essa possibilidade também.

Como consultar a nota do ENEM?

Entre a realização da ENEM e a publicação do resultado são 2 meses de espera. E para quem pretende usar a nota para entrar em alguma universidade, é também um momento de muita angústia.

A consulta da nota pode ser realizada diretamente no site do Inep e também pelo aplicativo do ENEM, disponível para os sistemas operacionais Android e iOS. É preciso usar o CPF e a senha cadastrada no momento da inscrição para entrar no sistema e ter acesso a nota de cada uma das quatro áreas do conhecimento: linguagens, ciências humanas, ciências da natureza e matemática.

Inicialmente, o participante tem acesso a nota da redação. E nos meses seguintes, geralmente em março, é divulgado a correção das 180 questões que compõem a prova do ENEM.

Ainda em seu login de acesso para consulta do ENEM, procure por Boletim de Desempenho Individual. Ele é um documento gerado pelo MEC que registra e comprova a pontuação do participantes em todas as provas do ENEM que você realizou.

Com base no que foi apresentado, é possível perceber a importância do ENEM na formação acadêmica do brasileiro.

O Exame que foi criado para avaliar o nível de ensino da educação básica, virou a principal porta para a entrada de estudantes em universidades públicas e privadas de todo o Brasil.

Além disso, ele abriu mais vagas e ampliou o acesso ao ensino superior de qualidade para milhares de pessoas que conquistaram seus diploma.

Agora que você já sabe quanto tempo vale a nota do ENEM em programas disponibilizados pelo governo, como ProUni, SiSu e Fies, chegou a hora de ficar atento as datas de inscrição e garantir sua vaga no ensino superior.

Quer saber mais formas de ingressar na universidade? A Universidade Alto Vale do Rio do Peixe oferece diversas oportunidades, inclusive utilizando a sua nota do ENEM. Confira agora mesmo!

Como ganhar uma bolsa de estudos para fazer intercâmbio

E Agora O Que É Que Eu Faço Como Concorrer?

Minha jornada como uma pessoa que explica pros outros como ganhar uma bolsa de estudos para fazer intercâmbio ficou séria quando, em maio de 2012, fui convidada pela professora Adriana Amaral para conversar com os alunos de jornalismo da Unisinos, no Rio Grande do Sul, sobre o trabalho que eu fazia em um grande jornal local como colunista de intercâmbios. A conversa com os alunos teve de tudo:  jornalismo online, a experiência de fazer estágio em um jornal da Alemanha e, é claro, intercâmbio.

Todas as bolsas

Lá no final da apresentação, uma menina veio falar comigo. Ela me olhou como se eu fosse de outro mundo e perguntou: “como ganhar uma bolsa de estudos para fazer intercâmbio? como tu fez para ganhar essas bolsas todas?”.  A minha resposta foram quatro palavrinhas simples “eu simplesmente me inscrevi”. E fiz esse vídeo resumindo tudo que tá aqui no post.

>>> Como conseguir bolsa para estudar na França

Veja os 5 passos para ganhar uma bolsa de estudos

Inspirada na pergunta dela, escrevi esse post e percebi que aquela era a angústia de muita gente. Basicamente, quase ninguém acredita que é capaz de ganhar uma bolsa de estudos para fazer intercâmbio, seja por achar que sabe pouco inglês, seja por achar que os outros concorrentes são muito melhores. Baseados nisso, eles nem tentam concorrer para ver no que dá.

>>> Como conseguir bolsa para estudar em Portugal

Muito tempo depois da palestra, a minha caixa de mensagens me surpreendeu com uma mensagem da Cristiane Abreu, a menina lá da palestra na Unisinos. A notícia que ela tinha para me dar alegrou meu dia:

“[depois da resposta na palestra] Fiquei com aquilo na cabeça e, desde então, não me deixei intimidar pelo meu inglês intermediário e prometi não desistir de nenhuma bolsa sem antes pelo menos tentar. Demorou um pouquinho, mas agora eu finalmente consegui. Fui uma das contempladas com um bolsa do Santander e vou passar 3 semanas estudando numa universidade de Shanghai.”

>>> Como conseguir bolsa para estudar nos EUA

Obrigada, Cristiane, ganhei o dia com essa notícia! É incrível o poder que aquelas quatro palavrinhas tão simples tiveram. É lindo ver que algo que eu faço teve tanta importância na vida de alguém.

O mérito é todo dela, mas para conseguir chegar lá, ela precisou mudar a sua maneira de pensar. Porque, a partir daquele momento, a Cristiane simplesmente resolveu acreditar no potencial dela, persistiu correndo atrás do sonho e conseguiu. Parece auto-ajuda e, na verdade, até é, porque ou você se ajuda ou ninguém vai fazer isso ????

Muito obrigada por ter compartilhado essa história comigo, Cristiane! Mas tá…

como ganhar uma bolsa de estudos para fazer intercâmbio?

A resposta é e sempre vai ser a mesma que eu dei pra Cristiane: se inscrevendo para uma! Na verdade, o segredo não é se inscrever para uma, mas sim se inscrever para várias. Então, vão aqui umas dicas práticas para quem quer muito uma oportunidade de sair do país com tudo pago e ainda não sabe nem por onde começar.

1) Você tem internet, USE:

Existe uma quantidade infinita de fundações, universidades, programas e concursos que oferecem bolsas de estudo para todos os cantos do mundo e para todos os tipos de aluno. É só acessar o buscador de bolsas de estudos do Partiu Intercâmbio pra ver! Da maior parte deles, quase ninguém fica sabendo. Então, PARE

Tribunal Superior Eleitoral – O Tribunal da Democracia

No número anterior da revista eletrônica EJE, vimos diversas situações em que os ocupantes de cargos, empregos ou funções públicas precisam se afastar de suas funções para poderem concorrer a cargos políticoeletivos.

Veremos agora como fica a situação de quem já ocupa um cargo político-eletivo e deseja se candidatar novamente para o mesmo cargo ou para outro em 2012.

Nessas eleições, estarão em disputa os cargos de prefeito, viceprefeito e vereador.

Analisaremos primeiro a situação dos parlamentares, aqueles que ocupam cargos no Poder Legislativo, que são os senadores,deputados federais, deputados estaduais ou distritais e vereadores.

Para eles, a regra é bastante simples, pois não há na Constituição e na Lei Complementar nº 64/90, restrição à sua plena elegibilidade. Por isso, os titulares de cargos legislativos podem se candidatar a outros cargos, sem necessidade de desincompatibilização.

Assim, senadores, deputados e vereadores podem permanecer no exercício de seus mandatos e concorrerem a qualquer um dos cargos em disputa nas eleições deste ano.

Observe-se que não há um número limite de mandatos consecutivos de vereador, o que significa dizer que o político pode permanecer nesses cargos por tempo indefinido, desde que se candidate e seja eleito.

Existe restrição à candidatura de parlamentares apenas quando “nos seis meses anteriores ao pleito, houverem substituído ou, em qualquer época, sucedido o respectivo titular do Poder Executivo” (Res.-TSE nº 19.537/DF).

Nesse caso, aplica-se a regra de desincompatibilização referente aos chefes do Poder Executivo, prevista no art.

14, § 6º, da Constituição de 1988, que exige que eles se afastem definitivamente do cargo até seis meses antes do pleito para concorrer a cargos diferentes daquele que ocupam.

Por isso, se o parlamentar ocupou a chefia do Poder Executivo nos seis meses anteriores à eleição, fica impedido de concorrer, exceto no caso de vereador que sucedeu ou substituiu o prefeito, que pode ser reeleito para um único período subsequente, sem necessidade de se afastar do cargo (art. 14, § 5º, da Constituição).

A situação é diversa no caso de ocupantes de cargo no Poder Executivo (presidente da República, governador de estado ou do Distrito Federal e prefeito municipal), a respeito dos quais é preciso distinguir duas hipóteses: a candidatura para cargo diferente do que já ocupa e a reeleição para o mesmo cargo.

Na primeira hipótese, de candidatura para cargo diverso do que ocupam atualmente, os chefes do Executivo devem renunciar a seus mandatos até seis meses antes da eleição para concorrerem a outros cargos (art.

14, § 6º, da Constituição; art. 1º, § 1º, da LC nº 64/90), como mencionado anteriormente.

Assim, se a presidente da República ou algum governador de estado ou do Distrito Federal desejasse se candidatar nas eleições de 2012, seria preciso observar essa regra.

Da mesma forma, aquele que ocupou o cargo de prefeito no último mandato teria que renunciar no prazo estabelecido para poder se candidatar a vice-prefeito ou a vereador.

Contudo, se o prefeito já se reelegeu para o segundo mandato consecutivo, não pode, em seguida, se candidatar para o cargo de vice-prefeito, independentemente de ter renunciado até seis meses antes da eleição (Res-TSE nº 21.483/DF).

Isso porque “poderia tornar-se titular pela terceira vez consecutiva nas hipóteses de substituição e sucessão” (GOMES, 2010, p. 155).

A Lei Complementar nº 64/90 prevê, em seu art. 1º, § 2º, uma regra específica para os vices (vice-presidente, vice-governador e vice-prefeito), segundo a qual eles poderão candidatar-se a outros cargos, preservando seus mandatos, desde que, nos seis meses anteriores ao pleito, não tenham sucedido ou substituído o titular.

O vice-prefeito que estiver exercendo segundo mandato consecutivo pode concorrer ao cargo de prefeito numa terceira eleição, sendo que, se ele (como vice) substituiu o titular nos seis meses anteriores à eleição, não poderá posteriormente se reeleger como prefeito (Res.-TSE nº 22.757/DF).

Já a segunda hipótese diz respeito àqueles que podem concorrer à reeleição, ou seja, que podem se candidatar para o mesmo cargo por um único período subsequente, sem necessidade de renunciar ao mandato ou se afastar do cargo (art.

14, § 5º, da Constituição).

A regra é que o cargo de chefe do Poder Executivo não pode ser ocupado pela mesma pessoa por mais de dois mandatos consecutivos, o que não impede a candidatura ao mesmo cargo por outras vezes, desde quenão seja para mandatos seguidos.

De acordo com essa regra, aquele que exerceu o cargo de prefeito no período de 2009 a 2012 só pode se candidatar novamente para esse cargo se não o ocupou também no período de 2005 a 2008.

No caso do prefeito que exerce primeiro mandato, mas já exerceu dois mandatos consecutivos como viceprefeito, só pode concorrer à reeleição comoprefeito se não substituiu o titular nos seis meses anteriores ao pleito quando era vice.

Quem ocupou o cargo de vice-prefeito também pode se candidatar novamente ao mesmo cargo, para um único período subsequente, sem necessidade de desincompatibilização (Res.-TSE nº 19.952/97).

Se, no curso do primeiro mandato como vice, aquele que se elegeu como vice-prefeito passou a ser prefeito, ele deverá renunciar ao mandato seis meses antes do pleito para concorrer novamente a vice-prefeito, mas se ocorreu durante seu segundo mandato como vice, ele não poderá mais se candidatar aocargo.

É importante destacar que o TSE, no julgamento de processos referentes às eleições de 2008 (Recurso Especial Eleitoralnº 32.507/AL; Recurso Especial Eleitoral nº 32.539/AL, entre outros), considerou que a reeleição para um terceiro mandato consecutivo como prefeito municipal é proibida não só no mesmo município, mas também em outro.

  • Por fim, vale mencionar que, nos termos do disposto no art. 14, § 7º, da Constituição:
  • São inelegíveis, no território de  jurisdição do titular, o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição.
  • Assim, nas eleições municipais, o cônjuge/companheiro e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, do prefeito ou de quem o substituiu nos seis meses anteriores à eleição são inelegíveis para qualquer um dos cargos em disputa.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*