Como Vomitar Quando Se Esta Passando Mal?

O vômito é um reflexo natural do organismo para eliminar comida estragada ou substâncias tóxicas que possam estar no estômago e, por isso, quando é realmente necessário, o corpo provoca automaticamente o vômito. Assim, o vômito só deve ser induzido quando existir indicação do médico ou quando se comeu algo que está causando um mal estar muito intenso, que não melhorou de outra forma.

Em situações em que alguém ingeriu uma substância venenosa ou algum tipo de líquido irritante, como produtos de limpeza, o ideal é não provocar o vômito, já que esse líquido terá de voltar a passar pela garganta, podendo causar mais danos. O ideal, é que nessas situações se vá imediatamente ao hospital, para iniciar o tratamento mais adequado. Veja o que fazer quando alguém bebeu veneno ou produtos de limpeza.

Como Vomitar Quando Se Esta Passando Mal?

Para provocar o vômito corretamente e evitar muito desconforto ou complicações graves, deve-se:

1. Lavar bem as mãos

Lavar as mãos é sempre muito importante, pois evita a transmissão de bactérias e outros micro-organismos para a garganta, prevenindo o surgimento de infecções como amigdalite, por exemplo.

2. Ajoelhar em frente ao vaso

Ficar de joelhos em frente ao vaso é uma das posições mais confortáveis e seguras para vomitar, no entanto, deve-se evitar fazer muita pressão sobre a barriga, já que pode causar ainda mais desconforto.

3. Colocar o dedo na garganta

No início da garganta existe um ponto que pode ser apertado para produzir a vontade de vomitar.

Para isso, deve-se colocar o dedo dentro da boca e depois fazer uma ligeira pressão na parte de trás da língua, na região onde começa a garganta.

A vontade de vomitar é quase imediata, porém algumas pessoas podem ter de fazer esta manobra 2 ou 3 vezes antes de conseguir vomitar com sucesso, já que o corpo pode tentar bloquear o sinal nas primeiras vezes.

4. Beber 1 copo de água

Após vomitar é muito importante beber um copo de água para remover o excesso de ácido gástrico que fica grudado nas paredes da garganta e que pode causar pequenas queimaduras e inflamação.

5. Esperar 30 minutos antes de lavar os dentes

Embora após vomitar exista uma grande necessidade de eliminar o sabor que fica na boca, o melhor é apenas bochechar com água, pois o revestimento dos dentes fica sensível quando entra em contato com o conteúdo do estômago. Assim, deve-se esperar pelo menos 30 minutos antes de escovar os dentes.

Possíveis riscos de provocar o vômito

Um dos maiores riscos de vomitar é a possibilidade de desenvolver uma pneumonia.

Isso acontece porque quando se vomita o conteúdo que está no estômago volta para a boca e, nesse processo, pode acontecer de um pouco desse conteúdo ser aspirado para os pulmões.

Caso isso aconteça, irá acontecer um inflamação e as bactérias que estão na comida digerida poderão se desenvolver no pulmão, causando uma pneumonia.

No entanto, o vômito frequente também pode causar lesões no esôfago e na boca, pois são locais com mucosas muito sensíveis que não estão preparadas para entrar em contato direto com o ácido gástrico.

O que pode causar vômito

Embora a vontade de vomitar seja relativamente comum, existem situações nas quais pode ser um sinal de alterações no organismo. Algumas são:

  • Problemas abdominais graves, como apendicite ou obstrução intestinal;
  • Alterações no sistema digestivo, como intoxicação alimentar ou úlcera;
  • Alterações do sistema nervoso, como meningite, hidrocefalia ou tumores;
  • Gravidez, especialmente depois da 6ª semana de gestação;
  • Uso de medicamentos, como Digoxina, Codeína ou quimioterápicos.

Embora existam algumas situações em que se pode induzir o vômito sem grandes riscos, caso a vontade de vomitar surja muito frequentemente e não melhore, ou seja acompanhado de outros sinais como sangue ou cheiro fétido, é importante ir ao hospital para avaliar a situação.

Veja quais as 10 principais causas de vômito.

Quando não provocar o vômito

O vômito nunca deve ser usado como uma forma de retirar comida ingerida do estômago apenas porque se comeu demais. Caso isso esteja acontecendo frequentemente, é possível que se esteja sofrendo com bulimia, um tipo de transtorno alimentar no qual a pessoa provoca o vômito após comer para não engordar. Saiba mais sobre a bulimia e como combater essa vontade.

Além disso, caso se tenha bebido algum veneno ou algum produto de limpeza, também não se deve vomitar, já que existe um risco muito elevado de causar queimaduras no esôfago.

O que deve-se comer depois de um vômito?

Vômito ou sentir Náuseas é desagradável, independentemente da causa.

Se a pessoa estiver grávida, sofrendo de uma doença do estômago, vivenciando os efeitos colaterais de uma medicação, ou o vômito é causado por Estresse emocional, é necessário tomar cuidado com o próprio corpo.

O desejo de comer após vomitar, geralmente retorna lentamente. No entanto, é importante fornecer ao corpo a nutrição e hidratação, até se não estiver apto para consumir uma refeição completa.

O Vômito pode provocar emagrecimento não saudável, desidratação, e até estender sintomas de uma doença. Quanto mais cedo comer depois de vomitar é melhor para a própria saúde, desde que tenha identificado a causa do problema. Nutrir o próprio corpo pode ajudar a encontrar o caminho de volta para saúde. O que comer após vomitar pode ser uma escolha difícil.

1 – Começando: A pessoa pode não sentir a vontade em relação a o que comer após vomitar, ou não ter ideia do que comer quando vomitar, mas até se estiver morrendo de fome, o ideal ainda é comer de modo leve e devagar. Começar com líquidos claros. Tentar beber ao menos de 8 a 10 copos de água, por causa da perda excessiva de água. Uma vez que se saiba que a água não desencadeará outro ataque de Vômito.

Como Vomitar Quando Se Esta Passando Mal?

As bebidas esportivas diluídas permitem beber algo com sabor. O chá fraco e descafeinado é outra opção. Algumas variedades de chá são até ditas a acelerar o processo de cura. Se houver sucesso com líquidos, é possível tentar picolés de gelatina, ou um pouco de caldo de carne ou sopa.

2 – Dieta Convalescente: A “Dieta Convalescente“ é uma dieta rica em nutrientes, apetitosa e facilmente digerível. Então, Além das opções listadas acima, é possível tentar também uma dieta convalescente, em relação a o que comer após vomitar. Estas opções ajudam a nutrir o próprio corpo sem exagerar. As opções de alimento são leves e de ajuda para recuperar.

3 – Medicação: Isto pode ser uma resposta comum à questão de o que comer após vomitar. Nos casos de Náusea ou Vômito severo ou crônico, o médico poderia sugerir medicação. Há duas medicações de prescrição disponíveis para controlar o Vômito. Prometazina (Fenergan) é um anti-histamínico que também previne vômito.

4 – Coisas para Evitar: Além de o que comer após vomitar é necessário também ter atenção das coisas a evitar comer. Estes poderiam desencadear crises de vômito adicionais ou deixar a pessoa sentir-se enjoada e inchada.

Os alimentos com odor picante podem desencadear sensações de Náusea. Até se tipicamente achar os cheiros agradáveis, podem ter o efeito oposto quando está sentindo-se mal.
Os alimentos que são gordurosos ou salgados também devem ser evitados.

A maioria destes nunca é boa, mas o corpo reagirá imediatamente se exposto durante um ataque de vômito. Alguns dos alimentos na lista proibida incluem produtos de panificação, pão branco, salsichas, hambúrgueres, batatas fritas, pizza, alimentos fritos, e itens enlatados.

Se tiver qualquer vontade, uma vez que sentir-se melhor, voltar a comer estes alimentos lentamente. É possível até buscar por uma opção mais saudável que satisfaça a vontade.
Produtos lácteos, cafeína, álcool e bebidas carbonatadas podem também desencadear problemas quando está se sentindo mal.

E podem fazer a pessoa sentir-se inchada, irritar a mucosa do estômago, ou desidratar.
Alimentos picantes devem ser evitados até que se sinta melhor. Embora muitas especiarias ofereçam propriedades curativas, não são úteis quando o estômago está enfrentando tumulto.
Frutas e vegetais crus.

Não comer frutas e vegetais crus até que se volte ao normal. Estes são alimentos muito saudáveis, mas contêm muita fibra e podem ser difíceis para estômago e intestino.

Analgésicos. A pessoa desejará evitar os medicamentos de dor como ibuprofeno, aspirina, e naproxen. Estes perturbam o estômago, então se o vômito for acompanhado de dores, a indicação é buscar outros remédios que não vão piorar o problema.

Fonte: Saúde e Dica

Síndrome do Panico

Como Vomitar Quando Se Esta Passando Mal?

O sentimento fundamental da síndrome do pânico é o medo. Exemplo: Medo de passar mal, medo de não receber socorro, medo de não ter recursos que atendam suas necessidades naquele momento no qual passa muito mal, etc. O comportamento mais comum no momento da crise costuma ser correr para obter ajuda.

O comportamento mais comum depois da crise costuma ser o de evitar que estas crises ocorram novamente, e para isso é comum que o portador de panico evite retornar a lugares parecidos com aqueles onde estava no momento da crise. Exemplo: Se teve a crise em casa evitará ficar em casa sozinho, se teve a crise na estrada tentará evitar estradas, se passou mal em um túnel fará pesquisa sobre novos caminhos para que não precise passar por túneis.

Outra forma de tentar evitar crise pode ser de amparar-se em “muletas emocionais” como garrafas d’água, medidores de pressão, ou qualquer objeto ou forma que imagine que controlaria a ansiedade.

Sintomas comuns na síndrome do pânico

  • As principais sensações da síndrome do pânico são:
  • – Falta de ar ou sensação de abafamento
  • – Tontura ou sensação de desmaio
  • – Aceleração dos batimentos cardíacos
  • – Tremor
  • – Suor
  • – Asfixia , sensação de sufocar
  • – Estomago revirado
  • – Náuseas ou sensação de que vai vomitar
  • – Se sentir irreal ou despersonalizado, sentir que você não é você
  • – Formigamentos
  • – Dor de barriga
  • – Medo de morrer
  • – Dor no peito
  • – Medo de enlouquecer
  • – Medo de fazer algo fora de controle
  • – Outros
  • Não são todos portadores de síndrome do pânico que padecem com todos os sintomas, normalmente as pessoas apresentam apenas dois ou mais.
  • Algumas pessoas não saem de casa, deixam de trabalhar, de estudar ou estar com amigos por medo dos sintomas.
Leia também:  Como Saber Que O Ovo Esta Estragado?

Como a síndrome do pânico inicia

Cada pessoa costuma apresentar o inicio de forma diferente. Exemplos:

-Maria estava fazendo compras, quando chegou ao caixa para pagar suas compras começou a passar mal, o coração acelerava, parecia que ia sair pela boca, tremia, nem conseguia pegar o dinheiro na bolsa. Depois disso ficou com medo de sair de casa sozinha e principalmente com medo de ir ao mercado novamente, e até hoje precisa de alguém para estar junto a ela quando precisa sair de casa.

– João estava viajando a negócios quando começou a passar mal no trem, sentiu uma ânsia de vomito muito forte. Não havia indícios de ter comido algo que pudesse ter lhe feito mal. Depois disso ele teve que desistir deste emprego e aceitar outro que mesmo pagando bem menos não tinha que andar de trem.

– Pedro estava de férias, caminhando na praia, de repente começou a suar frio, deu dor de barriga, ele só queria sair correndo dali e com isso interrompeu as tão esperadas férias.

O primeiro ataque costuma ser sem aviso, não há aparentemente nenhuma boa razão.

Não há duas pessoas que descrevam seus ataques de pânico exatamente da mesma maneira. Para uns são palpitações, parece que estão tendo um ataque do coração, outros, sentem tontura, parece que vai desmaiar, outros sentem enjoo e ficam com medo de vomitar na rua, outros tem falta de ar, outros precisar correr para o banheiro.

Agende sua consulta >> Ligue no (11) 3262-0621 ou clique aqui

Como as pessoas lidam com a síndrome do pânico

Muitos vão ao médico e descrevem todos os sintomas, mas na síndrome do panico é comum que o médico diga que “está tudo bem”. Alguns médicos identificam que se trata de uma questão psicológica e encaminham para psicoterapia.

Quem está por perto também pode sofrer, pois pode haver conseqüências em conviver com alguém que mudou sua rotina depois de ter iniciado com crises de pânico.

Diferença entre síndrome do pânico e fobia

Fobia é quando a pessoa se apavora diante de um estímulo específico, para alguns pode ser pombos, para outro altura, por exemplo. A síndrome do pânico não se refere ao medo de algo que está fora, trata-se do medo de sentimentos e sensações internas.

A Síndrome do pânico pode mudar uma pessoa

Algumas mudanças podem ser:

1º Medo de ter outras crises ou do que pode acontecer no próxima crise.

2ª Auto observação – O portador da síndrome do panico costuma desenvolver um foco para as sensações corporais. O problemas é que nossos corpos mudam o tempo todo, ora você sente frio, ora calor, ora bate o coração mais rápido. Para quem já teve um episódio de pânico tudo isso passa a significar perigo.

3ª Evitação – O portador de panico pode evitar o lugar que considera possível deflagar o pânico.

Medo de que?

No ataque de pânico não há explicação objetiva, pelo menos naquele momento, para pessoa sentir todo este medo, não tem um “pit bul” ameaçando mas a sensação é de que há algo muito ruim acontecendo.

As pessoas que passam por uma crise de pânico costumam ficar confusas, não encontram uma razão para de repente sentir esse mal estar e por isso que passam a pensar que estão sofrendo um ataque do coração, que terão um tumor cerebral, que estão tendo um colapso mental, que vão perder o controle de si mesmas a qualquer momento. As pessoas imaginam perigos diferentes durante uma crise de pânico. Um exemplo: Uma pessoa está no metrô, o vagão está lotando cada vez mais, uma hora ela sente uma ponta metálica apontando nas suas costas, pronto, nessa hora ele lembra que ouviu falar dos assaltos no metrô, ela tem certeza de que vai ser assaltada, fica apavorada. Até olhar pra trás e ver uma velhinha com seu guarda chuva distraidamente pegando nas suas costas.

O que causa a síndrome do pânico

Mesmo que aparentemente não haja nenhuma ligação obvia do pânico com as coisas que estão acontecendo na vida da pessoa, pode haver ligação com acontecimentos passados. Por isso pode ser importante lembrar quando foi o primeiro episódio.

  1. As situações mais comuns envolvidas na causa da síndrome do pânico costumam ser:
  2. Morte ou doença de marido, esposa, parente, amigo, etc.
  3. Doença ou cirurgia no companheiro,
  4. Problemas no casamento , separação, companheiro muito violento, ou muito crítico, descoberta de uma amante na vida do outro, ou divorcio.
  5. Filhos, ter um bebê, aborto, acidente com filhos, ou a pressão de cuidar dos filhos.
  6. Família, ter de cuidar de pais idosos, intromissão dos pais na sua vida.
  7. Mudanças na vida como sair de casa, começar um novo emprego, mudar de bairro, começar a faculdade.
  8. A própria pessoa ficou doente, ou sofreu um acidente.
  9. No trabalho – o estresse, as cobranças, prazos impossíveis de cumprir.
  10. Preocupações com dinheiro, fracasso nos negócios.
  11. Uso de drogas.
  12. Afastar-se dos amigos.
  13. Estar preso em um casamento infeliz, ou ter que viver com sogros, ser controlado por outra pessoa, marido, chefe, pais
  14. Etc.
  15. Agende sua consulta >> Ligue no (11) 3262-0621 ou clique aqui
  16. Fonte: Vicente E. Caballo – Tratamento Cognitivo Comportamental dos Transtornos Psicológicos

Como aliviar e prevenir náuseas e vómitos | CUF

Estão muitas vezes associados, mas não são a mesma coisa. As náuseas caracterizam-se pela sensação de mal-estar e desconforto na zona do estômago, que pode provocar uma vontade urgente de vomitar. Contudo, não quer dizer que a pessoa o faça. Já os vómitos são o ato voluntário ou não de esvaziar o conteúdo do estômago através da boca.

Nenhum deles é em si uma doença, mas sim sintomas, e normalmente não são nefastos para a nossa saúde. Contudo, podem ser sinal de que existe algum problema mais grave, especialmente quando associados a outros sintomas.

Saiba o que pode fazer para acabar com as náuseas ou vómitos sem sair de casa e em que situações é que deve falar com o seu médico assistente.

Quem tem maior probabilidade de ficar maldisposto?

Ambos os sintomas podem ocorrer tanto nas crianças como nos adultos.

As náuseas e vómitos são comuns em pessoas que estejam a fazer tratamentos oncológicos, como radioterapia ou quimioterapia, persistindo durante algumas horas ou até dias após a administração.

Contudo, hoje em dia, a equipa médica do doente conta com recursos que permitem evitar estes efeitos secundários. Também podem ocorrer durante o primeiro trimestre da gravidez, conhecidos vulgarmente por enjoos matinais.

O que pode provocar náuseas e vómitos

A ocorrências destes sintomas pode ser sinónimo de outras condições clínicas de gravidade variável. Algumas delas são:

  • Enjoo de movimento
  • Dor intensa
  • Infeções
  • Primeiro trimestre de gravidez
  • Intoxicações alimentares
  • Indigestão
  • Comer demais
  • Apendicite
  • Bloqueio intestinal
  • Concussão
  • Danos cerebrais
  • Enxaquecas
  • Ataque cardíaco (enfarte do miocárdio)
  • Distúrbios dos rins ou do fígado
  • Distúrbios do sistema nervoso central
  • Tumores cerebrais
  • Alguns tipos de cancro
  • Exposição a químicos
  • Stress emocional (medo)
  • Problemas de vesícula biliar

Cuidado com a desidratação

Quando se tem vómitos, é importante ter o cuidado de evitar a desidratação. Este risco é menor nos adultos, que conseguem detetar os sintomas, como sensação de sede e boca ou lábios secos.

Nas crianças a probabilidade de ocorrer desidratação é maior, sobretudo quando associada aos vómitos está a diarreia. É importante que os adultos estejam atentos aos sinais nas crianças, como lábios e boca secos, olhos encovados, respiração ou pulsação acelerados, ou, nos bebés, diminuição da produção de urina ou uma fontanela (zona macia na parte de cima da cabeça) encovada.

Como aliviar as náuseas e vómitos

Existem algumas medidas que o doente pode adotar e que ajudam a minimizar as náuseas:

  • Prefira alimentos leves (por exemplo, pão simples).
  • Coma devagar e refeições mais pequenas, mas várias vezes ao dia.
  • Evite comida frita, com muita gordura ou doce.
  • Não misture alimentos frios com quentes.
  • Beba líquidos devagar e faça-o entre refeições em vez de durante.
  • Evite atividade física depois de comer.
  • Não escove os dentes depois de comer.
  • Ingira bebidas gaseificadas frescas e com gelo.
  • Se se sente nauseado quando acorda de manhã, coma algumas crackers ou alimentos ricos em proteína, como queijo, antes de se levantar.
  • Se faz quimioterapia, durante a administração do tratamento, tende distrair-se, lendo, ouvindo rádio, vendo televisão ou conversando.
  • Apanhe ar fresco, abrindo uma janela ou usando um ventoinha.
  • Consuma gengibre, quer em chá ou cristalizado.

Já para tratar os vómitos, algumas estratégias que pode adotar são:

  • Aumentar gradualmente a quantidade de líquidos que ingere.
  • Evitar alimentos sólidos até que o episódio de vómitos tenha passado.
  • Descansar.
  • Interromper temporariamente a toma de fármacos orais, que podem irritar o estômago e agravar os vómitos.
Leia também:  Como Saber Quanto Descontei Para O Irs?

Se os vómitos e diarreia durarem mais de 24 horas, deve tomar uma solução de hidratação oral para prevenir e tratar a desidratação.

Se está a fazer tratamentos

Atualmente existem medicamentos antieméticos muito eficazes que permitem prevenir ou limitar, consideravelmente, os efeitos das náuseas e a vontade de vomitar. Estes serão administrados no início de cada tratamento de forma intravenosa ou em comprimidos ou supositórios.

Fale com o seu médico se…

Quando as náuseas duram há mais de uma semana ou se existe a possibilidade de se deverem a uma gravidez, a pessoa deve consultar o seu médico assistente.

Normalmente, os vómitos começam a melhorar após seis a 24 horas e podem ser tratados em casa.

Se os cuidados que tem em casa não forem suficientes, se está desidratado ou se tem algum tipo de lesão (por exemplo, na cabeça ou uma infeção) deve consultar o seu médico assistente.

Nos mais novos, se a criança tem menos de 6 anos, leve-a ao médico se:

  • Os vómitos já se prolongam há várias horas
  • Existe diarreia associada
  • Estão presentes sinais de desidratação
  • A febre é superior a 37,8º
  • Não urina há mais de seis horas

Em crianças com mais de 6 anos, é motivo para ir ao médico se:

  • Os vómitos duram há mais de um dia;
  • A diarreia e vómitos ocorrem há mais de 24 horas;
  • Existem sinais de desidratação;
  • A febre é superior a 38,9º;
  • Não urina há mais de 6 horas.

Independentemente da idade, deve ir imediatamente ao médico se ocorrem sintomas como:

  • Sangue no vomitado
  • Dores de cabeça fortes ou rigidez no pescoço
  • Letargia
  • Confusão
  • Diminuição do estado de alerta
  • Dor abdominal forte
  • Vómitos com febre superior a 38º
  • Diarreia associada aos vómitos
  • Respiração ou pulsação acelerada

Como Vomitar da Forma Mais Confortável Possível

  1. 1

    Ninguém gosta de vomitar em público! Crises de vômito apresentam alguns sinais de aviso prévio: os lábios ficam pálidos, a pele sua mais que o normal, a boca começa a salivar e muitas pessoas ficam tontas. Se você sentir algo do tipo, vá ao banheiro o quanto antes para passar mal na privada ou, no máximo, em uma lata de lixo.[1]

    • Não é legal vomitar em pias, mas elas também são úteis em último caso.
    • Se você estiver em um lugar aberto, vá a uma área mais reservada e sem pessoas.
  1. 1

    Afaste o cabelo do seu rosto quando você for passar mal. Se você tem cabelo longo, prenda-o em um rabo de cavalo antes de começar a vomitar. Caso isso não seja possível, pelo menos ponha os fios por baixo da gola da sua camiseta.[2]

    • Sempre é melhor e mais confortável pedir para uma pessoa de confiança segurar o seu cabelo!
  1. 1

    É normal ficar um pouco cansado depois de vomitar. Deite-se e repouse por alguns minutos. Caso você precise beber mais água, sente-se para não engasgar.[5]

    • É normal vomitar várias vezes seguidas quando as crises são fortes. Fique perto do banheiro até você sentir que já expurgou tudo.
  1. 1

    Você precisa reidratar o corpo depois de vomitar. Tente tomar algum fluido transparente e natural, como suco de fruta sem açúcar. Evite produtos ácidos, como frutas cítricas (laranja, maçã etc.), pois eles podem piorar a situação.[6]

    • Evite também alimentos oleosos, apimentados ou gordurosos enquanto você estiver passando mal ou se recuperando.
  1. 1

    O seu estômago vai precisar de um tempinho. Mesmo que você se sinta melhor logo depois de vomitar, espere entre uma e duas horas antes de voltar a comer. O seu estômago precisa desse tempo para se recuperar mais.[7]

    • Se tiver comido muito, você provavelmente não vai sentir fome logo de cara. Nesse caso, fica mais fácil esperar um pouco.
  1. 1

    Depois de vomitar, você precisa esperar um tempo antes de voltar a se alimentar normalmente. Até lá, é melhor comer apenas produtos leves, como banana, um pouco de arroz ou torrada — e somente se você sentir fome.[8]

    • Alguns médicos recomendam um período de espera de oito horas antes que a pessoa coma até coisas leves.
    • Volte a se alimentar normalmente depois de 24 a 48 horas.[9]
  1. 1

    Ibuprofeno e paracetamol podem piorar o problema. Se você acabou de vomitar, espere até conseguir comer de novo antes de tomar qualquer medicamento. Analgésicos podem causar diarreia, o que pioraria o quadro de desidratação.[10]

    • Se você estiver cuidando do seu filho ou de outra criança pequena, consulte um pediatra antes de dar qualquer remédio.
  1. 1

    A maioria das pessoas para de vomitar depois de algumas horas ou, no máximo, dois dias. Se você continuar passando mal após 48 horas, é hora de ir ao pronto-socorro. Caso esteja cuidando do seu filho pequeno, leve-o ao pediatra se o quadro não melhorar dentro de um único dia.[11]

    • Vá ao pronto-socorro imediatamente se você notar sinais de desidratação, como boca seca, vontade frequente de urinar, urina escura, fraqueza ou tontura.
    • Chame uma ambulância se você apresentar dor no peito, confusão, dor abdominal, sangramento pelo reto ou febre alta e ficar com o pescoço rígido.
  • Se você tem algum trauma de vomitar, tente se acalmar e respirar fundo. Lembre-se de que esse episódio é temporário!

Lidando com náuseas e vômitos – Instituto Oncoguia

A náusea pode ser definida como uma sensação de desconforto associada a uma vontade de vomitar. Normalmente, é referida como enjoo ou ânsia e é percebida na garganta ou como dor no estômago.

Aproximadamente 80% dos pacientes em tratamento do câncer apresentam quadros de náuseas e vômitos. Mas existem muitos medicamentos que podem controlar bem esses sintomas.

Causas das náuseas e vômitos

As náuseas e vômitos no paciente com câncer podem ser provocados ​​por muitas razões. Na maioria das vezes, são problemas de curto prazo e desaparecem com o término do tratamento. Se perdurarem, não melhorarem com o fim do tratamento ou dificultarem a ingestão de alimentos ou de bebidas, informe, imediatamente, seu médico.

Problemas provocados pelas náuseas e vômitos

Quando náuseas e vômitos forem intensos ou perdurarem por muito tempo, podem dificultar a execução de suas tarefas diárias. Também podem atrapalhar a realização de seu tratamento oncológico.

O vômito pode levar à desidratação, que é a falta de líquidos e minerais necessários ao organismo. Também pode fazer você se sentir cansado, com problemas de concentração, perder peso e apetite. Esses efeitos colaterais devem ser tratados imediatamente para ajudá-lo a manter seu peso e energia.

Tratamento das náuseas e vômitos

Os medicamentos usados ​​para controlar a náusea são denominados antieméticos. Todo paciente em tratamento oncológico pode e deve receber medicamentos para prevenir náuseas e vômitos.

Os medicamentos antieméticos são administrados regularmente durante o dia, ou seja, o paciente toma mesmo que não apresente sintomas. Mas, às vezes, a administração desses medicamentos é feita conforme a necessidade; o paciente deve tomar a medicação ao primeiro sinal de náusea para evitar que fique pior. Às vezes, 2 ou mais medicamentos são administrados simultaneamente.

Como diminuir náuseas ou vômitos

No caso de você estar fazendo quimioterapia ou radioterapia, para reduzir náuseas e vômitos:

  • Tente alimentar-se normalmente enquanto estiver fazendo o tratamento. A maioria dos pacientes prefere fazer uma refeição leve ou um lanche antes das sessões de quimioterapia.
  • Prefira alimentos e bebidas de fácil digestão ou que fazem você se sentir melhor.
  • Use roupas confortáveis.
  • Informe seu médico quando os medicamentos antieméticos não estiverem fazendo efeito.
  • Evite sons, imagens e odores que provocam náuseas e vômitos.
  • Converse com seu médico sobre alternativas que você pode tentar, como hipnose, biofeedback ou imagens guiadas.

O que você pode fazer para se alimentar da melhor forma possível durante o tratamento:

  • Não seja exigente com você mesmo se não conseguir comer. Tente fazer pequenas refeições ou lanches ao longo do dia, em vez de três grandes refeições.
  • Adicione calorias e proteínas extras às suas refeições. Os suplementos nutricionais podem ajudar durante esse período. Procure experimentar diferentes marcas para descobrir novos sabores. Nunca tome por conta própria nenhum suplemento ou medicamento. É importante que seu médico saiba o que você está tomando e quando.
  • Ingira alimentos que lhe são apetitosos.
  • Experimente alimentos frios ou em temperatura ambiente.
  • Aproveite ao máximo os dias em que se sente bem e sente vontade de comer. Mas ouça seu corpo. Não se force a comer.
  • Peça ajuda a familiares e amigos para fazer compras e cozinhar.
  • Mantenha a boca limpa. Escove os dentes e lave a boca toda vez que vomitar. Comer bem é importante durante e após o tratamento. Se você apresenta efeitos colaterais dos medicamentos antieméticos ou eles não estão controlando os sintomas, converse imediatamente com seu médico.

Conversando com seu médico

Náuseas e vômitos podem ser efeitos colaterais do tratamento do câncer. Mas não significa que não possam ser tratados. Converse com seu médico se estiver sentindo náuseas para que a causa possa ser diagnosticada e tratada.

Fonte: American Cancer Society (Junho/2017)

Este conteúdo ajudou você?

Vômitos em crianças – Informações, especialistas e perguntas frequentes

Quase todos os bebês vomitam de vez em quando. Depois da amamentação, etc.

Quando uma criança fica doente, seu estômago não irá funcionar corretamente, não se esvazia tão rápido como de costume e isso faz com que o alimento seja expelido para o exterior. A criança vomita facilmente.

Vomitar é incômodo para a criança, mas raramente é perigoso.

Leia também:  Como Tratar Um Homem Que Não Te Valoriza?

O que faz vomitar?

Existem muitas razões pelas quais uma criança pode vomitar.

  • Se a quantidade é pequena e o bebê está OK, pode ser simplesmente porque a criança tem comido demais e vomita o que é ingerido em excesso.
  • Vômitos podem ocorrer em casos de indigestão, acompanhada muitas vezes com diarreia. Uma possível causa é uma infecção do estômago por um vírus.
  • Quando uma criança sofre de uma infecção no ouvido (otite), trato da garganta, vias respiratórias ou pulmões, trato urinário ou apêndice (apendicite), enquanto experimenta um aumento na temperatura (febre), também existem vômitos freqüentes.
  • Crianças sob forte estresse na escola ou em casa podem vomitar uma vez. Se isso acontece com mais freqüência, você deve consultar o seu médico.

Como devo tratar vômitos em crianças?

  • Uma vez que a criança tenha vomitado, ajudar a lavar a boca com água, porque o vômito deixa um gosto azedo. Crianças pequenas que não sabem comer usamos um pouco de água de enxágüe.
  • Depois de vomitar, a criança geralmente sente frio, suado e cansado. Limpe o rosto com uma toalha úmida e deixe descansar. A maioria das crianças quer dormir depois de vomitar e isso é normal. Verifique em sua freqüência e estão prontos para ajudar se você se sentir mal novamente.
  • A amamentação deve ser mantida, mas se o vômito persistir, contacte o seu médico.
  • Se a criança é mais velha, pode ser benéfico não dar leite nem produtos lácteos por uns dias.
  • Certifique-se que a criança não está desidratada dando bastante líquidos para ela beber. Especialmente recomendado  diluir suco ou cola sem gás (ou removidos anteriormente com uma colher para removê-lo).
  • Não há necessidade de ingerir uma grande quantidade de líquido imediatamente depois de vomitar, porque o líquido pode irritar o estômago e que você faz errado de novo. Se a criança não tolera qualquer fluido, deixe descansar por algumas horas e tente, em seguida, dar pequenas quantidades, mas freqüentes.
  • Se, entretanto, a criança está com sede, dê-lhes pequenas quantidades de água com uma colher de chá.
  • O estômago tolera melhor se a água está muito fria. Se a criança quer beber demais ou com grande avidez, dê um cubo de gelo para el air chupando.

Como prevenir a desidratação?

  • Quando o vômito enquanto tiver diarréia, pode produzir uma perda excessiva de líquido. Esta condição não é grave se ele dura apenas alguns dias, mas se repetido ou prolongado, deve consultar o seu médico.
  • O seu médico poderá aconselhá-lo a comprar a partir de sua farmácia uma solução de carboidratos e eletrólitos, ou envelopes de pó para se preparar. A estas soluções adicionar uma água potável extras hidratante e sais que fornecem energia.
  • Uma alternativa menos desejável é você preparar a solução de reidratação oral diluído com limonada ou água adicionando um pouco de sal e açúcar. Adicionar a um litro de água 8 colheres de chá (40 gramas) de açúcar e uma colher de chá (5 gramas) de sal. Se a criança não melhorar em um ou dois dias, consulte o seu médico.
  • Se a criança estiver vomitando ou com diarréia persistente, contacte o seu médico.

Como você pode saber se o seu filho precisa de líquidos?

Verificar quantas vezes ele evacua. Se ainda usa em fraldas, você tem que contar a mudança. Outro sinal de desidratação é que a criança chora sem lágrimas. Olhe dentro da boca: a mucosa oral deve ser úmida e rosa, a língua deve ser úmida e ter saliva.

Se a criança se recusa a beber líquidos, você precisa chamar o médico.

Vômitos podem ser graves?

Em raras ocasiões, quando uma criança de três a cinco semanas de idade, de repente começa a vomitar repetidamente e violentamente, pode ocorrerestenose pilórica , que consiste em um fechamento ou estreitamento da saída do estômago (piloro) por um estritamento excessivo do anel muscular que a controla. Nestes casos, obter ajuda médica rapidamente. O transtorno pode requerer cirurgia, mas a recuperação é completa.

Uma imagem de vómitos graves em uma criança com menos de quatro anos pode ser devido à intussuscepção. As crianças podem levantar as pernas, pálidas e remover o sangue com os movimentos intestinais. É necessário consultar imediatamente um médico, mas a cirurgia nem sempre é necessária.

Se a criança está se comportando estranhamente, parece confusa ou com dificuldade de se comunicar, consulte o seu médico.

Escolha a consulta online para iniciar ou continuar o seu tratamento sem sair de casa. Se precisar, você também pode marcar uma consulta no consultório.

Mostrar especialistas Como funciona?

Vômitos em crianças na maioria das vezes não são uma doença, mas sim uma defesa da criança para eliminar algo contaminado ou estragado que tenha ingerido, ou fazem parte de doenças benignas e autolimitadas como gripes, resfriados ou gastroenterites agudas. Quando acompanhados de outros sintomas como dores abdominais intensas, ausência de evacuações, febre ou cefaleia, podem fazer parte de uma doença mais grave e a consulta com o médico deve ser mais urgente. O objetivo do tratamento é manter a criança hidratada, aumentando ingestão de líquidos como água, chás, água de coco e suco de frutas. Procure manter dieta normal e nunca o medique sem orientação de seu pediatra. Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.

Fique atento aos possíveis sintomas da intoxicação alimentar

Um problema muito comum no verão preocupa a Organização Mundial de Saúde (OMS). De acordo com as estatísticas da entidade, uma a cada 10 pessoas ficam doentes todos os anos no mundo por causa da intoxicação alimentar.

A intoxicação acontece quando ingerimos água ou alimentos contaminados por bactérias, vírus ou parasitas, que se multiplicam com maior facilidade em ambientes de pouca higiene e altas temperaturas. O mal-estar costuma passar em pouco dias, mas pode se complicar dependendo do agente causador.

A bactéria Salmonella, por exemplo, pode levar à desidratação aguda. Já a que causa botulismo é capaz de afetar nosso sistema nervoso e até levar à morte.

Por isso, ao sinal de qualquer sintoma, é importante procurar um médico para que ele identifique que tipo de germe está causando a intoxicação e para que você consiga tratar, logo, o problema.

Sintomas mais comuns da intoxicação alimentar

A diarreia causada pela intoxicação alimentar costuma ser aquosa. Isso significa que o corpo vai liberar uma quantidade de água muito alta junto às fezes. É por isso que uma parte importante do tratamento é a hidratação: precisamos beber muito líquido para repor o que perdemos.

Em casos de intoxicação alimentar grave, a diarreia persiste por mais de três dias. Outro indicador preocupante é a presença de sangue nas fezes.

  • Dores e cólicas abdominais e intestinais

Dor abdominal, dor de estômago ou dor na barriga são sintomas comuns da intoxicação alimentar. Elas podem acontecer em qualquer parte da barriga e podem ser um sintoma de outras condições médicas.

Repare na região do abdômen onde a dor está aparecendo, se ela é constante ou se vai e vem. O médico provavelmente vai te perguntar sobre isso para fazer um bom diagnóstico.

  • Náuseas, enjoos e vômitos

A intoxicação alimentar acontece porque seu corpo ingeriu algo que o faz mal. Assim, é natural que o organismo tente expelir esse germe indesejado. Isso pode provocar a sensação de estômago embrulhado e vômitos. Um sinal de que a intoxicação alimentar é grave é a presença de sangue no vômito.

Se você se sentir enjoado, repasse mentalmente as refeições dos últimos dias e pode ser que você identifique o que foi que te fez mal.

Outros sintomas que também são comuns em casos de intoxicação alimentar são , calafrios, dor de cabeça, flatulência, mal-estar e perda de apetite.

Intoxicação alimentar grave

Nos casos mais agudos da doença, além de sangue nas fezes e no vômito, podem ocorrer também febre acima de 38º, visão dupla, e sintomas de desidratação (sede excessiva, boca seca, fraqueza e tonturas).

A intoxicação alimentar tem mais chances de se complicar em gestantes, crianças, idosos ou pessoas que estão em tratamento de outras doenças e, por isso, estão com o sistema imunológico temporariamente fragilizado.

Previna-se

Segundo o Ministério da Saúde, os alimentos que mais causam intoxicação alimentar no Brasil são:

  • Ovos crus;
  • Frutos do mar;
  • Enlatados;
  • Maionese;
  • Queijos;
  • Saladas cruas ou frutas;
  • Carnes mal passadas;
  • Água;
  • Sorvetes.

Para reduzir as chances de ingerir alimentos contaminados, é necessário ter cuidados na higiene e na preparação das refeições:

  • Lave as mãos antes, durante e depois do preparo dos alimentos, depois de ir ao banheiro ou tocar em objetos sujos ou animais;
  • Lave e desinfete frutas e legumes antes das refeições com hipoclorito de sódio;
  • Lave as superfícies e utensílios usados para preparar alimentos com água quente e detergente;
  • Assegure-se de que alimentos quentes sejam sempre mantidos em temperaturas acima de 60º e alimentos frios, sempre abaixo de 5º;
  • Evite ingerir alimentos que ficaram muito tempo sob temperatura ambiente;
  • Confira prazo de validade, etiqueta, aparência, consistência e odor dos alimentos antes de comprá-los;
  • Evite qualquer alimento cru ou mal cozido;
  • Evite alimentos ou água de procedência duvidosa.

Se você se identificar com qualquer sintoma que possa indicar uma intoxicação alimentar, pode procurar o Pronto Atendimento 24h do Hospital Semper. Temos um corpo clínico qualificado para identificar o que está causando a intoxicação e qual a melhor forma de tratá-la. Conte com a gente!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*