Como Ver Quanto Se Vai Receber De Irs?

O Programa de Estabilidade (PE) que será apresentado dentro de cerca de duas semanas vai incluir uma revisão do cenário macroeconómico, disse à Lusa o secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, que também indicou que é “expectável” que os reembolsos de IRS cheguem mais cedo este ano.

Dentro de aproximadamente duas semanas, duas semanas e meia, vamos apresentar o Programa de Estabilidade e, nessa altura, vamos apresentar a revisão do cenário macro e, consequentemente, a revisão das previsões do ponto de vista orçamental”, afirmou o secretário de Estado.

Em entrevista à Lusa, o governante afirmou que os dados “ainda estão a ser trabalhados”, precisando que, no que diz respeito à previsão da receita fiscal, “é muito importante” que todos tenham a consciência de que a decisão de um novo confinamento geral tem um “efeito muito significativo” do ponto de vista económico que se reflete “naquilo que é a receita fiscal, designadamente na receita dos impostos indiretos como o IVA”.

Os dados da execução orçamental divulgados pela Direção-Geral do Orçamento (DGO) indicam que a receita fiscal do Estado recuou 13,2% em janeiro face ao valor arrecadado no mês homólogo de 2020 e que a queda homóloga se acentuou ainda mais em fevereiro (caindo 17,4%), com todos os impostos a registarem um desempenho negativo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Relativamente ao facto de a carga fiscal ter registado em 2020 o valor mais elevado de sempre, desde pelo menos 1995, ao situar-se em 34,8% do Produto Interno Bruto (PIB), António Mendonça Mendes referiu que tal se explica pelo facto de a atividade económica ter descido mais do que a receita fiscal e contributiva.

Ressalvando que “a carga fiscal não mede aumentos de impostos”, nem o esforço fiscal das famílias e empresas, o secretário de Estado sublinhou que o que aconteceu foi que “a atividade económica desceu mais do que aquilo que foi a descida da receita contributiva e da receita fiscal”, apesar de não ter havido em 2020 qualquer aumento de impostos.

Segundo os dados, ainda provisórios, divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), no final da semana passada, a carga fiscal citou-se em 34,8% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2020, ano em que o total de receitas de impostos e contribuições sociais foi de 70.377,0 milhões de euros.

Em 2019, o valor total de receitas de impostos e contribuições sociais ascendeu a 73.837,9 milhões de euros (correspondendo a 34,5% do PIB).

Para António Mendonça Mendes, a evolução das receitas fiscais e contributiva em 2020 mostraram a resiliência do mercado de trabalho observada e que surpreendeu todas as estimativas existentes.

É expectável que reembolsos do IRS cheguem mais cedo este ano

Em relação ao IRS, o secretário de Estado afirmou ser “expectável” que os reembolsos comecem este ano a ser processados mais cedo do que em 2020.

Aquilo que posso garantir é que estamos em condições de fazer a campanha de IRS, de proceder às liquidações e de proceder aos reembolsos. É normal e é expectável que os reembolsos este ano possam ser relativamente mais rápidos do que foram no ano passado”, referiu à Lusa António Mendonça Mendes.

  • No ano passado, os primeiros reembolsos foram processados em 21 de abril, ou seja, 21 dias depois de ter arrancado a campanha da entrega da declaração anual de IRS, um período de tempo mais dilatado do que o registado em anos anteriores, mas que Mendonça Mendes considera ter refletido a rapidez “adequada ao momento”, ou seja, ao facto de o país se encontrar nessa altura a enfrentar o seu primeiro confinamento geral.
  • Este ano, reconhece, o contexto é “semelhante” ao do ano passado, mas tem uma grande diferença: uma experiência acumulada que em 2020 não existia, nomeadamente no que diz respeito ao facto de uma parte significativa dos funcionários da Autoridade Tributária (AT) estar a exercer as suas funções em teletrabalho por causa das restrições impostas pela necessidade de conter a pandemia de Covid-19.
  • “No ano passado, em que os últimos tempos de preparação para a campanha do IRS coincidiram exatamente com o início do confinamento, era normal que tivéssemos uma maior prudência na forma como teríamos de fazer as liquidações”, precisou o governante, lembrando que destas não resultam apenas reembolsos, mas também notas de pagamento ou nulas (em que não há lugar nem a pagar mais imposto ao Estado nem e receber reembolso).
  • Apesar das condições, a AT “conseguiu fazer as liquidações muito antes do prazo legal para o fazer” (que a lei fixa em 31 de agosto) e, ao longo das semanas, “foram-se rotinando cada vez mais as operações” o que permitiu que os tempos do reembolso acabassem por se tornar “muito semelhantes aos de anos anteriores”, referiu o governante, sem querer, no entanto, apontar uma data para o início do processo de devolução do imposto pago a mais pelos contribuintes.
  • “A nossa expectativa é fazermos uma campanha segura na forma como fazemos as liquidações para que ninguém seja prejudicado, nem o erário público, nem as pessoas, que têm a expectativa de receber o seu reembolso tão rápido quanto possível”, afirmou.
  • Sendo o reembolso do IRS o resultado da soma das retenções na fonte com as deduções à coleta dos contribuintes, António Mendonça Mendes assinalou que o Governo tem procurado, nestes últimos anos, refletir nas tabelas de retenção as decisões de política, de que são exemplos o alargamento, de cinco para sete, dos escalões de rendimentos coletável ou a criação do IRS Jovem.
  • O objetivo, precisou, é que o imposto retido se aproxime cada vez mais daquilo que é o imposto devido e que “os reembolsos decorram mais daquilo que são ou os benefícios fiscais municipais ou as deduções” e não resulte “propriamente de um excesso de retenção que possa existir”.
  • Tendo em conta o acerto nas tabelas de retenção na fonte realizado em 2020, o valor médio do reembolso poderá, assim, este ano ser de menor dimensão.
  • Lançado com o Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), o IRS Jovem será refletido pela primeira vez na declaração anual do imposto que vai ser entregue este ano e cujo prazo para fazer se inicia esta quinta-feira, dia 01 de abril, terminando em 30 de junho.
  • Quando a medida foi lançada, o Governo estimava que pudesse abranger até cerca de 160 mil jovens, mas o impacto da pandemia na atividade económica pode ter alterado o universo potencial, e apenas em setembro, precisou Mendonça Mendes, será possível fazer um primeiro balanço e ver quantas pessoas beneficiaram da medida.
  • Dirigida aos jovens entre os 18 e os 26 anos que entrem no mercado de trabalho após a conclusão do ensino secundário ou superior, esta medida atribui uma isenção de 30%, 20% e 10% durante o primeiro, segundo e terceiro anos de atividade, respetivamente, o que significa que estes pagarão IRS sobre 70%, 80% e 90% do rendimento que auferirem naqueles anos, com alguns limites.
Leia também:  Como Saber Qual Cabelo Combina Comigo?

IRS automático abrange trabalhadores que estiveram em lay-off

  1. No caso do IRS automático, Mendonça Mendes diz não haver “nenhum motivo” para que um trabalhador que tenha estado em lay-off simplificado não seja este ano abrangido, caso reúna os restantes requisitos, precisando que tal decorre do facto de no lay-off simplificado a empresa continuar a ser quem efetua o pagamento ao trabalhador, indicando os valores pagos, retenções e descontos na Declaração Mensal de Remunerações.
  2. A forma como os apoios desenhados para responder aos efeitos da pandemia vão ser tratados ao nível da declaração anual do IRS tem suscitado algumas dúvidas, mas Mendonça Mendes assegurou que, apesar das “variadíssimas situações que surgiram”, tudo “será feito de forma simplificada para que as pessoas possam preencher corretamente a sua declaração”.
  3. O governante precisou ainda que, entre as medidas Covid-19, há apoios que visaram compensar perdas de rendimentos ou substituir rendimentos de trabalho e outros que são verdadeiros apoios sociais, como sucede com o apoio a quem foi colocado em isolamento profilático ou quem ficou em apoio à família.
  4. “Portanto, há situações muito diversas que estão devidamente esclarecidas no Portal das Finanças, quer em termos de incidência de imposto, quer em termos de obrigação declarativa”, disse, ressalvando que o esforço tem sido dirigido no sentido do pré-preenchimento da declaração.
  5. O IRS automático vai abranger este ano pela primeira vez os trabalhadores independentes, mas apenas aqueles que em 2020 passaram exclusivamente recibos através do Portal das Finanças, o que significa que os que tiveram apoios por redução de atividade não poderão beneficiar deste automatismo.
  6. Esta é uma das situações que ajuda a explicar que sejam cerca de 250 mil os trabalhadores independentes que este ano irão juntar-se aos que já beneficiaram em anos anteriores do IRS automático, nomeadamente os contribuintes com rendimentos de trabalho dependente e/ou de pensões (exceto pensões de alimentos).
  7. No total, o universo potencial de agregados familiares abrangidos pelo IRS automático atinge este ano os 3,5 milhões, ainda que os dados dos últimos anos revelem que os que aceitam este automatismo ronde os 1,6 a 1,7 milhões de agregados.
  8. Mendonça Mendes lembrou, contudo, que basta o contribuinte fazer uma pequena alteração para que a declaração deixe de ser automática — o que sucede, por exemplo, se um casal optar pela tributação em conjunto — e salientou também o facto de nos últimos anos, com o cada vez maior número de campos pré-preenchidos, a entrega do IRS se ter tornado em “algo muito simples”.
  9. Tal como em anos anteriores, as juntas de freguesia poderão apoiar as pessoas que necessitem de ajuda na entrega da declaração anual do imposto, mas António Mendonça Mendes lembra que, como sucedeu no ano passado, os contribuintes podem recorrer ao centro de atendimento telefónico, que foi “reforçado”.
  10. Com o atendimento presencial nas repartições de finanças limitado ao agendamento prévio, o secretário de Estado lembrou que muitas pessoas, sobretudo as mais idosas que muitas vezes têm apenas rendimentos de pensões, estão abrangidas pelo IRS automático pelo que, mesmo que nada façam, este é considerado entregue no final do prazo.

Governo alarga a mais impostos planos prestacionais automáticos para dívidas fiscais

Por último, o governante confirmou que o Governo está a preparar uma proposta para tornar automáticos os planos de pagamento a prestações de dívidas de impostos que sejam receita do Estado.

A proposta do Governo, precisou António Mendonça Mendes, está ainda a ser finalizada, mas o objetivo é que os planos prestacionais automáticos que, no ano passado e este ano, foram criados como medida excecional para o pagamento de dívidas de IRS e IRC até 5.000 euros (particulares) e 10.000 euros (empresas), passem a estar previstos na lei e possam abranger mais tipologias de dívidas fiscais.

É intenção do Governo replicar aquilo que estamos a fazer agora de forma extraordinária”, disse o governante, acrescentando que o objetivo é que estes planos prestacionais automáticos abranjam, por um lado, montantes de dívida “que não necessitam da prestação de garantia” e, por outro lado, permitam “que o conjunto de tributos mais amplo possível esteja incluído nessa solução”.

  • “O objetivo é que seja para todos os impostos que sejam receita da administração central, incluindo retenções na fonte ou IVA” e “para estes montantes que não necessitam que seja prestada garantia”, afirmou o governante, adiantando que o processo legislativo (que terá de passar pelo parlamento) deverá ficar concluído este ano.
  • Relativamente à regulamentação do Governo à medida incluída no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) sobre os pagamentos por conta (PPC) do IRC, António Mendonça Mendes precisou que aquela foi feita de forma a permitir que as pequenas e médias empresas possam entregar os primeiro e segundos PPC em prestações, e que as micro empresas possam efetuar apenas 50% do segundo pagamento por conta, mesmo tendo tido lucros em 2020.
  • “Penso que a regulamentação que fizemos da forma como a norma foi aprovada no Orçamento do Estado é uma regulamentação adequada e não pode ser vista de maneira isolada porque, ao mesmo tempo que estamos a fazer estas limitações do pagamento por conta, estamos também a permitir que as empresas entreguem a autoliquidação do IRC em prestações”, referiu.
  • O governante observou ainda que as empresas beneficiárias destas limitações ou reduções dos pagamentos por conta são aquelas que, apesar da crise de 2020, conseguiram ter lucros.
  • O pacote de medidas fiscais tomadas pelo Governo para mitigar o impacto da pandemia na tesouraria das empresas prevê que os primeiro e segundo PPC possam ser feitos em três prestações pelas PME e limita a 50% o segundo PPC no caso das microempresas, com regularização no terceiro pagamento por conta.

Simulador Salário Líquido 2020

  • O Simulador de Salário Líquido 2020 vai permitir-lhe calcular o seu vencimento e saber quanto vai receber, este ano, já com descontos.
  • Calcule o seu salário líquido, com base nas novas tabelas de retenção na fonte (só disponíveis para o Continente) e compare com o seu rendimento actual.
  • Nota: Já pode calcular o seu vencimento de 2021 utilizando o Simulador de Salário Líquido 2021.

Garanta o preenchimento correto de todos os campos abaixo para o cálculo correto do seu Salário Líquido 2020.

Esta ferramenta pode ser utilizada por funcionários do sector público e privado e tem em conta a contribuição para a Segurança Social, bem como o pagamento em duodécimos dos subsídios de férias e de Natal.  

O que precisa de saber para simular o Salário Líquido? 

  • Qual o seu salário base
  • Situação matrimonial
  • Número de dependentes; 
  • Como vai receber os seus subsídios de Natal e Férias (por inteiro ou duodécimos e no segundo caso se são os dois subsídio em duodécimos); 
  • Valor subsídio de refeição e como o vai receber (remuneração ou numerário) 

Nota: Não se esqueça de que é importante referir o número de dias recebidos. Se receber uma proposta a tempo parcial e só trabalhar 3 dias por semana, só receberá subsídio de refeição pelos dias trabalhados. 

Leia também:  Como É Que Os Cfc Destroem O Ozono?

Fazer as contas ao seu Salário Líquido anualmente é tão fundamental como renegociar os seus créditos, serviços e prestações. Assim esperamos que esta ferramenta o ajude no planeamento das suas finanças pessoais e da sua poupança.

Como calcular o Salário Líquido sozinho?

  1. O Salário Líquido é o montante do seu vencimento bruto que vai receber após as deduções das contribuições e impostos.

  2. Para saber quanto vai ter na sua conta ao final de cada mês, vai ter de calcular a diferença entre o seu salário bruto e os descontos para Segurança Social e de IRS.

  3. Salário líquido = salário bruto – descontos de segurança social – descontos de IRS
  4. Assim, para calcular o seu vencimento líquido sozinho deve saber qual o seu escalão nas tabelas de retenção de IRS 2020, bem como o valor que vai deduzir para a segurança social, que corresponde a 11% do seu vencimento bruto.

O subsídio de refeição é um valor somado ao valor líquido, mas também pode estar sujeito a deduções. Assim, deverá saber qual o valor do mesmo, bem como o meio em que vai receber (cartão ou remuneração).

Outras ferramentas Doutor Finanças:

Partilhe este artigo

Reembolsos do IRS deverão começar no fim da próxima semana

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, afirma em entrevista ao jornal Eco que os reembolsos de IRS deverão começar a ser processados pelo fisco no final da próxima semana.

“Estou convencido de que, no final da segunda semana de Abril, já começaremos a ter progressivamente os reembolsos e também as notas de cobrança [para quem tem imposto a pagar]”, disse. O secretário de Estado Adjunto do ministro das Finanças acredita que, a partir dessa altura, os pagamentos já deverão ter uma “cadência bastante regular”.

“Os primeiros dias de entrega de declarações têm mais algum tempo em termos de tratamento, até porque é a altura em que o sistema vai sendo testado, porque esse sistema é testado também em tempo real”, afirma António Mendonça Mendes na entrevista.

O governante, que tem na sua alçada a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), não se compromete com um prazo indicativo, nem com o prazo médio de 11 dias que chegou a existir em 2018 para os contribuintes com acesso à funcionalidade do IRS Automático, porque, lembrou, só será possível saber qual é o tempo médio no final.

A “expectativa que todos devem ter”, diz, “é da rapidez” com que a administração fiscal tem actuado “nos últimos anos”.

O Ministério das Finanças já tinha referido que, ao contrário do ano passado, em que o início da entrega coincidiu com a primeira vaga da pandemia e o Estado demorou mais tempo a pagar, seria “expectável” que este ano não houvesse os “constrangimentos” de 2020.

Este ano, alguns contribuintes poderão receber um reembolso menor, por causa de dois factores. Por um lado, porque as tabelas de retenção na fonte foram ajustadas para aproximar a taxa do desconto mensal ao valor real do IRS a pagar.

Por outro, como o secretário de Estado confirma nesta entrevista ao Eco, “pela primeira vez, há um número de facturas registadas em sectores chave, como, por exemplo, na educação, menor do que em anos anteriores e isso pode, naturalmente, influenciar aquilo que é o reembolso”.

IRS Automático continuará a ser alargado

Este ano, a funcionalidade do IRS Automático chega pela primeira vez aos trabalhadores independentes inscritos no fisco para o exercício, exclusivamente, de uma actividade de prestação de serviços de um dos códigos da tabela a que se refere o artigo 151.º Código do IRS (com excepção dos que estão registados como “outros prestadores de serviços”, o código 1519).

Depois de este alargamento para abarcar mais 250 mil contribuintes, António Mendonça Mendes admite que nos próximos anos o fisco continue a adaptar esta ferramenta de entrega rápida e liquidação das declarações, para ela chegar a mais contribuintes da categoria B (com rendimentos empresariais e profissionais). “Temos um potencial de 3,6 milhões de agregados que podem utilizar o IRS automático e a utilização anda à volta de 1,6 [ou] 1,7 milhões”, afirma ao Eco.

Este ano, os trabalhadores independentes que receberam apoios à redução da actividade em 2020 estiveram em risco de, tendo acesso ao IRS Automático, não o poderem validar porque o fisco fazia a interpretação de que os apoios teriam de ser declarados para efeitos de IRS, mas, entretanto, o Governo anunciou uma alteração à lei que dispensa os contribuintes de declarar estes montantes.

O executivo anunciou a aprovação de um decreto-lei que altera a natureza legal destes instrumentos e, como os apoios passam a ser considerados ou equiparados a prestações do sistema da Segurança Social, a interpretação da AT já é diferente.

“IVAucher” em espera

Na mesma entrevista ao Eco, o secretário de Estado revela que o incentivo fiscal do “IVAucher”, uma das medidas previstas no Orçamento do Estado para 2021, só avançará quando houver condições de saúde e segurança.

Como a medida pretende incentivar o consumo no alojamento, cultura e restauração, o Governo está a avaliar as condições para a implementar em função da abertura da economia, já que este programa tem efeito quando não há confinamentos. Quem pedir factura com número de contribuinte nestes sectores de actividade irá acumular um montante correspondente ao IVA suportado durante um trimestre e poderá utilizar esse valor no trimestre seguinte em novos gastos.

Ao jornal económico, Mendonça Mendes diz que o “IVAucher” será “seguramente implementado, mas num momento mais adequado”, não dando como certo que avançará já se as condições epidemiológicas forem idênticas às do Verão de 2020. “Gostaríamos que tivesse sido no primeiro trimestre, todos gostaríamos que fosse o mais rápido possível. Aliás, a sua implementação significará que estamos em condições de saúde e de segurança ideais”, afirma.

Contribuintes podem submeter IRS a partir de hoje. Estas são as datas a ter em conta

Arranca hoje o habitual período do ano em que os contribuintes acertam contas com a Autoridade Tributária (AT). Desde a meia-noite desta quinta-feira e até 30 de junho que é possível submeter no portal da AT a declaração de IRS relativa aos rendimentos obtidos em 2020.

E apesar de alguns constrangimentos já reportados pelos contribuintes abrangidos por IRS Automático, nas primeiras horas do dia tinham já sido entregues 198.399 declarações, segundo a Autoridade Tributária.

A campanha de IRS deste ano traz algumas novidades, como o IRS Jovem, mas o valor dos reembolsos deve ser menor que em anos anteriores.

Comecemos pelas más notícias: o reembolso do IRS relativo aos rendimentos de 2020 será menor do que foi em 2019, e poderá ser ainda mais baixo em 2021, dependendo da situação particular de cada contribuinte. Em traços gerais, quem tem direito a receber receberá menos e quem paga poderá pagar mais.

É o efeito da redução da retenção na fonte iniciado pelo executivo no ano passado, e que deverá acentuar-se no IRS de 2021 (o que irá submeter em 2022), ano em que a reforma dos escalões de IRS está concluída.

Leia também:  De Quem Sao Os Filmes O Fantasma,Morrer Como Um Homem?

Na prática, como a retenção na fonte é menor, os contribuintes têm maior liquidez mensal mas também recebem menos no momento do acerto de contas anual com a AT.

Reembolsos mais rápidos

Agora as boas notícias: à partida o reembolso chegará mais rápido. O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, diz ser “expectável” que os reembolsos do IRS comecem este ano a ser processados mais cedo do que em 2020. No ano passado, os primeiros reembolsos foram processados 21 dias depois do início da campanha da entrega da declaração anual de IRS.

Um período de tempo maior do que o habitual que refletiu os constrangimentos do primeiro confinamento no país. “Aquilo que posso garantir é que estamos em condições de fazer a campanha de IRS, de proceder às liquidações e de proceder aos reembolsos.

É normal e é expectável que os reembolsos este ano possam ser relativamente mais rápidos do que foram no ano passado”, referiu à Lusa António Mendonça Mendes.

E a campanha deste ano traz algumas novidades. Desde logo, o alargamento do preenchimento automático aos trabalhadores independentes. É expectável que esta medida de simplificação abranja 250 mil novos sujeitos passivos.

Mas atenção: “os contribuintes abrangidos pelo IRS Automático e que durante o respetivo prazo de entrega não confirmem a declaração automática de IRS nem entreguem a declaração nos termos gerais verão, no final desse prazo, a declaração automática provisória tornar-se definitiva e ser considerada como a declaração entregue para todos os efeitos legais”.

Isto significa que estes contribuintes não estão obrigados a efetuar quaisquer procedimentos, seja de confirmação da declaração automática, ou entrega da declaração nos termos gerais.

Outra das novidades é o IRS Jovem, a medida aprovada no Orçamento do Estado para 2020 como forma de incentivar a qualificação dos mais jovens e de apoiar a sua integração na vida adulta e no mercado de trabalho após a conclusão dos estudos. Este o primeiro ano em que irão ser liquidadas as declarações de rendimentos dos sujeitos passivos que podem beneficiar do IRS Jovem.

Constrangimentos no IRS Automático

Nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira, mais de 198.399 contribuintes tinham já submetido as suas declarações, segundo a Autoridade Tributária. No entanto, a plataforma da AT tem estado a registar alguns constrangimentos.

Nas redes sociais, há várias partilhas de contribuintes que tentaram submeter as suas declarações sem sucesso. Segundo noticia o ECO, em causa estão sobretudo os contribuintes abrangidos pelo IRS Automático.

O portal da AT não está a permitir a submissão destas declarações e está a reencaminhá-las para o preenchimento manual. Uma funcionalidade que, se encontra também indisponível.

Ao Expresso, o Ministério das Finanças esclareceu que “os contribuintes têm três meses para confirmar ou preencher a sua declaração de IRS.

É natural, e comum todos os anos, que nas primeiras horas exista uma sobrecarga de acessos ao sistema e que, por outro lado, sejam necessárias correções ao sistema em face das alterações introduzidas este ano”.

Fonte oficial do ministério de João Leão pediu ainda que se evite a sobrecarga do site no primeiro dia para evitar constrangimentos desta natureza: “apelamos a que não haja uma “corrida” nas primeiras horas”.

Na campanha de IRS 2020 há várias datas a ter em conta

1 de abril

Início do prazo para submissão das declarações de rendimento de 2020, que decorre exclusivamente através do Portal das Finanças.

A apresentação do Modelo 3 à Autoridade Tributária é obrigatória, independentemente da natureza dos rendimentos obtidos pelo contribuinte.

O seu preenchimento pode ser automático ou manual, nos casos em que os contribuintes não estão abrangidos pela declaração automática.

30 de junho

Fim do prazo para a entrega da declaração anual de IRS. Nos casos em que o contribuinte está abrangido por declaração automática, se até esta data não feita a verificação da declaração, a AT considera-a como correta e submetida.

  • 31 de julho
  • É a data fixada pela AT para reembolso aos contribuintes e envio das respetivas notas de liquidação.
  • 31 de agosto
  • Termina o prazo de pagamento para os contribuintes que têm de devolver dinheiro ao Estado.

Simuladores para o seu IRS de 2021

A entrega da declaração de IRS decorre de 1 de abril a 30 de junho para todos os contribuintes e tem de ser feita, como nos últimos anos, obrigatoriamente através da internet. 

Para facilitar o processo, os contribuintes que tenham rendimentos exclusivamente de trabalho dependente ou pensões, com ou sem dependentes, podem ser abrangidos pelo IRS automático, desde que não tenham pensão de alimentos ou benefícios fiscais.

Quem não estiver abrangido ou não pretenda o IRS automático, deve seguir os procedimentos habituais de preenchimento. Para além de verificar as despesas, que teve de validar previamente no portal E-Fatura, precisa também de declarar os investimentos, se for caso disso.

É este ano que as tabelas de retenção na fonte do ano passado podem ter algum efeito no reembolso de IRS. As mudanças maiores deverão acontecer no próximo ano, uma vez que o Governo baixou 2%, em média, a retenção mensal a aplicar aos salários de 2021. Isto significa que em 2022 o acerto do IRS vai ser influenciado por essa menor retenção na fonte.

Se são demasiadas contas para fazer de cabeça, experimente estes simuladores para ter uma previsão do que pode ser o seu IRS:

  1. Simulador do Portal das Finanças

A Autoridade Tributária e Aduaneira tem disponível no Portal das Finanças um simulador relativo ao IRS. Basta aceder através desta página e descarregar a aplicação.

A consultora PWC disponibiliza no site um simulador que permite estimar o IRS devido, relativamente ao ano de 2020, e comparar a diferença do rendimento líquido. Basta fazer o download aqui. 

A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas também apresenta no seu site um simulador de IRS todos os anos. E divulga ainda na mesma página todas as deduções que as pessoas ou famílias podem fazer no IRS.

É importante lembrar que os simuladores dão apenas exemplos aproximados, de acordo com os dados introduzidos. Encare o resultado da simulação como uma hipótese e não como um valor garantido de reembolso, para gerir as suas próprias expectativas. 

Se tiver IRS automático, poderá receber o reembolso no prazo de 15 dias. Senão, o prazo limite é até 31 de julho se tiver dinheiro a receber. Se tiver de pagar, pode fazê-lo até 31 de agosto.

E não se esqueça. Vá pedindo fatura em todas as suas compras, para garantir que tem o máximo de deduções possível e um reembolso de IRS maior.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*