Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Com certeza você já passou por alguma situação que te deixou magoado(a). Mas a pior parte, é quando o responsável por isso é alguém que gostamos muito e não esperávamos uma atitude como essa.

É difícil aceitar que até nosso melhor amigo, nossos pais ou nosso(a) namorado(a) possam ser tão duros com as palavras e tomarem atitudes que nunca imaginamos, sem se importar se vão nos machucar ou sem perceber que aquilo nos faria tão mal. O problema, é que quando isso acontece, é difícil esquecer e voltar a ser como antes.

Fizemos uma seleção com frases de mágoa para você colocar para fora todos os ressentimentos que ainda ficaram de brigas e discussões que você já teve com alguém. Elas te ajudarão a colocar um ponto final nessa história e a seguir em frente. Veja e aplique na sua vida!

Direto ao ponto:

Frases de mágoa e rancor

Em alguns momentos é difícil lidar com nossas emoções e acabamos sentindo coisas que não queremos para nossa vida. Selecionamos frases de mágoa e rancor para você não permitir que esses sentimentos negativos invadam o seu coração. Confira e coloque em prática!

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Guardar mágoa e rancor é um veneno para a própria alma.

Não guardo nem dinheiro, vou guardar mágoa e rancor?

Não guarde mágoas, não guarde rancor, você não será feliz com esses sentimentos.

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Não guardo rancor, mas também não tenho amnésia.

No lugar de cultivar mágoa, ódio e rancor, cultive amor! A vida passa muito rápido para você perder seu tempo com essas coisas pequenas.

Mágoa, rancor e tristeza ocupam um grande espaço no nosso coração. É por isso que, às vezes, sentimos o coração tão apertado.

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Quanto maior o rancor, maior a dor.

Guardar mágoa no coração é como beber veneno pensando que o outro é quem vai morrer.

Sem ressentimentos, sem rancor, sem mágoas no coração. É assim que devemos viver nossa vida.

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

A vida é muito curta para guardar tanta mágoa, tristeza e rancor no coração. Liberte-se. Perdoe!

É difícil esquecer quando alguém especial nos magoa, porque depositamos naquela pessoa toda a nossa confiança e amizade e não esperamos que ela nos retribua ferindo os nossos sentimentos. Se você já passou por uma situação como essa, vai se identificar com a nossa seleção de frases de mágoa de alguém. Dê uma olhada!

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Estou magoado demais para pedir que você fique.

Tem gente que não vale a mágoa. Não vale o aborrecimento. Não vale a tristeza. Não vale a indiferença. Não vale sentimento algum.

Fiquei magoado, não por você ter mentido, mas por não poder voltar a acreditar em ti.

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Eu sempre perdoo as pessoas que me magoam. Não para me aproximar delas, mas para não me afastar de Deus.

Não guardo mágoa de todas as pessoas que me fizeram mal, mas isso não significa que as queira novamente em minha vida.

Guardar mágoa é o mesmo que dar fama a alguém que não merece.

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Eu não guardo mágoas… Eu guardo nomes.

Quando alguém te magoar, não se preocupe com a vingança. Essas pessoas normalmente caem sozinhas.

Quando alguém te magoar ou ofender, não retruque. Não responda da mesma forma. Apenas sinta compaixão daquele que precisa humilhar, ofender ou magoar para sentir-se forte.

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Se cada vez que alguém me magoa eu ganhasse 1 real, eu poderia me aposentar sem ao menos trabalhar.

Se uma pessoa te magoa uma vez, a culpa é dela. Se ela te magoa duas vezes a culpa é sua que permitiu ser magoado novamente.

Infelizmente a nossa vida não é um conto de fadas e todos nós passamos por decepções ao longo dela. Mas nem sempre estamos preparados para lidar com isso e acabamos sofrendo. Fizemos uma lista com frases de mágoa e decepção para você desabafar e compartilhar com quem te desapontou. Veja:

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Decepção, mágoa e tristeza: assim me resumo hoje.

Decepção não dói, só magoa e nos faz entender que nem todos são como a gente imagina.

Aprendi que o tempo cura, que a mágoa passa, que a decepção não mata, que hoje é reflexo de ontem, que os verdadeiros amigos permanecem e que os falsos, graças a Deus, vão embora.

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Você não me decepcionou nem me magoou. Foi a versão de você que eu criei que se desmoronou e acabou me ferindo.

Muitos vão te magoar, muitos vão te decepcionar, muitos vão te fazer chorar, mas não permita que ninguém tire o seu sorriso.

Mágoas, rancores e decepções fazem parte da vida. O bom mesmo é passar por isso e saber tirar proveito!

Já tomei tanto cuidado para não magoar certas pessoas e, no fim, elas que me magoaram.

Na decepção, a raiva passa com o tempo, mas a mágoa continua a machucar o coração e atormentar a alma.

As mágoas e as decepções nos fazem arregalar os olhos, trancar o coração e arregaçar a alma.

Eu não aguento mais depositar a minha felicidade nas mãos de quem só me decepciona.

As pessoas que mais amamos são as que mais nos decepcionam, pois achamos que são perfeitas e esquecemos que são humanas.

O que sentimos pelas pessoas depende do jeito que elas agem conosco. Por isso, uma louca paixão pode se transformar em uma grande mágoa quando alguém tem uma atitude que não gostamos. Veja nossa lista com frases de mágoa de amor e compartilhe com quem quebrou o seu coração.

Como é triste quando o amor se transforma em mágoa.

Você era o amor da minha vida, mas me magoou, me feriu.

Quem te ama não te magoa, não fere seus sentimentos e nem causa tristeza.

Você me magoou e meu coração se fechou. O meu erro foi te amar mais do que a mim.

Queria você. Hoje, não mais. Você me magoou demais. Te amava tanto, pena que você deixou o amor acabar.

Para que guardar mágoas de quem só merece dó? Eu não. Decidi que, para eu viver bem, de ti não guardarei nada de ruim, apenas as lembranças de um tempo bom que vivemos bem, quando tudo era amor.

O amor não magoa, quem magoam são as pessoas que não sabem o poder que ele tem.

Para que guardar toda essa mágoa onde já coube tanto amor?

Quando penso no quanto te amei, dói tanto o meu coração. Você me magoou profundamente e me deixou na solidão.

Eu não deixei de gostar de você, só cansei de me magoar. Vou aprender a me afastar de tudo que me faz mal.

Eu te dei o meu amor, mas ao invés de aceitá-lo você me magoou e o jogou fora!

Muitas vezes não temos coragem para dizer à pessoa o quanto ela nos magoou e acabamos fingindo que está tudo bem. Porém, é importante ser sincero(a) com seus sentimentos e esclarecer as coisas para que elas não se repitam. Veja nossa lista com frases de decepção e compartilhe com quem pisou na bola com você.

Frases selecionadas por Maria Eduarda Carneiro.

Gostou dessas frases? Compartilhe!

Entenda a importância e como esquecer de alguém que te magoou muito | Arita – Treinamento de Inteligência emocional

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Você já acompanhou aqui no blog alguns posts dentro deste tema, como sobre a diferença entre arrependimento e remorso, por exemplo. Hoje, seguindo esta linha, vamos entender a importância e como esquecer de alguém que te magoou muito. Confira na sequência algumas dicas para levantar a poeira e seguir sua vida com felicidade e ótima perspectiva de futuro.

6 dicas para esquecer e superar mágoas

1 – Evite lembranças: assim como um alcoólatra tem que evitar ao máximo o contato com bebidas alcoólicas e ambientes que influenciem o ato de beber, como festas e happy-hours, quem ainda sente mágoas de outra pessoa tem que evitar a todo custo as lembranças do que passou. Não olhe fotos antigas, evitar usar roupas e presentes associados a essa pessoa e assim por diante.

2 – Olhe e cuide mais de você: outra boa dica para esquecer de alguém que te magoou muito é olhar para você mesmo. Cuide mais da sua aparência, comece um novo hobbie, vá a academia, faça uma viagem ao exterior e pratique atividades que visam sua melhora de autoestima. Desta maneira, com o passar dos dias e meses, você ocupará sua mente e esquecerá aos poucos de tudo o que te magoa.

3 – Mude sua alimentação e faça mais exercícios físicos: você pode até se perguntar o que isso tem a ver com o tema de hoje. Mas, acredite, tem muita relação. Exercícios físicos e uma alimentação balanceada liberam os hormônios dopamina e ocitocina. O primeiro é responsável pela sensação de prazer e recompensa e o segundo é conhecido como “hormônio do amor”.

4 – Fim de papo: encerre a história que te traz mágoas. Não culpe mais ninguém por todo o sofrimento que passou ou ainda passa nos dias de hoje. Você perceberá, assim que colocar um ponto final na história, que somente você é responsável pela felicidade que deseja alcançar. Ninguém mais tem este poder e ficar alimentando assuntos antigos só pode lhe fazer mal.

5 – O tempo é o senhor da razão: certamente você já ouviu ou leu esta expressão popular em algum lugar. Para superar mágoas ela é 100% verdadeira. O tempo é muito sábio e ele cura.

6 – Desenvolva sua inteligência emocional: muitas pessoas não conseguem, simplesmente, superar mágoas e vivem vidas de tristeza e agonia. A boa notícia é que através de treinamentos de inteligência emocional é possível treinar a sua mente e criar estratégias personalizadas para buscar um caminho de mais felicidade. Procurar ajuda profissional não é vergonha, muito pelo contrário.

  • Leia mais no blog: conheça dos diferentes tipos de estados emocionais

A Arita Treinamentos está ao seu lado

Um dos grandes diferenciais da Arita, no que diz respeito às metodologias e treinamentos de inteligência emocional, é que a empresa é formada por profissionais que realmente entendem de assunto e que estão preparados para lidar com pessoas de diversas faixas etárias, com histórias e objetivos diferentes. Desta maneira, tem a capacidade de criar um planejamento de ações personalizado para você superar mágoas e esquecer de pessoas do passado.

Quer saber como tudo isso funciona na prática? Não perca mais tempo e envie hoje mesmo um e-mail solicitando mais informações. CLIQUE AQUI.

Crédito: AntonioGuillem / Tipo de licença: Royalty-free / Coleção: iStock / Getty Images Plus

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Graduada em Psicologia pela Universidade Bandeirante de São Paulo e em Engenharia pela FEI, Lizandra Arita é também psicóloga Institucional e Clínica, atuando desde 1998 (22 anos) em treinamentos de autodesenvolvimento.

Especialista em PNL (Programação Neuro Linguística), Hipnose e Autohipnose, Rebirthing, Psicodinâmicas, Gerenciamento de Emoções e Conflitos, Lizandra é especialista em casos de depressão, ansiedade, processos emocionais ou comportamentais, problemas de relacionamento, fobias, pânico e transtornos obsessivos compulsivos.

Entre suas especializações, Lizandra tem formação em cursos de aperfeiçoamento de Master Practitioner pela SBPNL, Disney’s Approach to Quality Service (Disney Institute), Os Segredos da Mente Milionária (T.

Harv Eker), Unleash the Power Within (Anthony Robbins), Hipnose & Auto-Hipnose (Instituto AmanheSer), Formação Profissional em Renascimento (Instituto Renascimento), Rebirthing (Instituto Sinergia),Grupo Dirigido de Psicodinâmica em Negócios (Cogni MGR), The Healing Potential of Non-Ordinary States of Consciousness (Stanislav Grof), Movie Yoga – Turning Your Life into an Epic Adventure (Tav Sparks), The Adventure of Self-Discovery/A Holotropic Breathwork Experience (Stanislav Grof e Tav Sparks), Gerenciamento de Emoções e Conflitos (Cogni MGR) e Psicologia Pré e Peri Natal (ACT Institute).

Leia também:  Como Evitar Que As Calças Rasgam No Meio Das Pernas?

Veja algumas dicas de como lidar com a mágoa

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

A mágoa é um dos piores sentimentos que podemos cultivar e um dos mais comuns também. Ela pesa em nosso peito, traz rancor, tristeza e nos afasta de quem amamos. Existem as mágoas recentes, de uma discussão que aconteceu a pouco tempo, por exemplo, mas também podemos guardá-la por anos, sem nem mesmo nos lembrar o que nos machucou. Devemos aprender como lidar com a mágoa para superar esta angústia.

É importante aprendermos a lidar com a mágoa para seguirmos com nossas vidas de uma forma mais tranquila, para que nossas mentes e nossos corações fiquem leves e cheios de sentimentos positivos, que nos levam para a frente e não energias negativas que nos paralisam.

A primeira coisa a aprender como lidar com a mágoa é perdoar. Essa tarefa não é nada fácil, pois envolve a vontade verdadeira de superar o que aconteceu. Muitas vezes não precisamos perdoar apenas quem nos machucou, mas a nós mesmas também, por deixarmos que alguém nos tratasse de uma maneira tão negativa ou por nos colocar em situações desfavoráveis.

Veja algumas dicas de como lidar com a mágoa:

  • Não tenha medo de expor os seus sentimentos, apenas escolha o melhor momento para isso. Espere a poeira baixar para que você consiga se expressar de maneira clara e com respeito.
  • Seja objetiva e não traga conflitos passados para a discussão.
  • Tente ver a situação com distância e analise os dois lados. Por mais difícil que seja, procure entender o lado do outro e se colocar em sua posição.
  • Não insista em sentimentos negativos. Eles criam um círculo vicioso de negatividade que vai levá-la cada vez mais para baixo.
  • Esqueça a postura de vítima. É muito importante assumir as responsabilidades do que acontece com você em sua vida. Mesmo que a culpa tenha sido de outra pessoa, não jogue todo o peso para fora.
  • Procure ajuda profissional. Se o sofrimento for muito grande, você pode procurar um psicólogo ou um terapeuta holístico que vai ajudá-la a lidar com todos os sentimentos envolvidos na situação, para que encontre o caminho do perdão e do recomeço.
  • Florais. Existem florais que nos ajudam a lidar com os sentimentos negativos. Vá a uma farmácia de manipulação ou de produtos naturais e converse com o responsável. Ele vai indicar a melhor opção para o seu caso.
  • Viva o presente e não fique remoendo o passado. Isso só aumenta a dor e não resolve a situação.

Por mais que a mágoa envolva mais de uma pessoa (quem causou e quem sofreu), ela só prejudica quem a guarda. Se for difícil se desfazer dela, pense que você não está se vingando ou fazendo mal a outra pessoa apenas por guardar o rancor.

Muitas vezes o outro nem sabe que você se sente assim, o que significa que você carrega todo o peso da discussão sozinha. Vale a pena? Ou é melhor seguir a sua vida e se rodear de quem quer o seu bem e procurar a felicidade?

Leia também:

Veja como a mesa radiônica pode te ajudar a encontrar o equilíbrio

Como lidar com "intenção" e "impacto" no outro?

A maioria dos conflitos tem 2 grandes problemas

Vou pegar emprestado um trecho do excelente livro “Conversas Difíceis”, de Doug Stone, Bruce Patton e Sheila Heen, do Programa de Negociação da Universidade de Harvard. É um simples exemplo para depois entrarmos mais a fundo nessa questão.

“Considere a história de Lori e Leo, que estão juntos há dois anos e têm brigas constantes, dolorosas para ambos.

O casal estava em festa de amigos, e Lori ia pegar mais uma bola de sorvete quando Leo disse: “Lori, por que você não evita o sorvete?” Lori, que luta contra seu peso, lançou um olhar fulminante para Leo, e os dois se evitaram por um tempo. Nesta mesma noite, mais tarde, as coisas pioraram:

LORI: Realmente fiquei magoada na festa, pelo modo como você me tratou na frente dos nossos amigos.

LEO: O modo como eu tratei? Do que você está falando?

LORI: Sobre o sorvete. Você agiu como se fosse meu pai. Você tem a necessidade de me controlar ou de me humilhar.

LEO: Eu não queria magoá-la. Você disse que estava de dieta, e eu só quis ajudá-la a se manter nela. Você fica sempre na defensiva. Acha que eu só ataco, mesmo quando quero ajudar.

LORI: Ajudar me humilhando na frente de amigos? É essa a sua definição de ajuda?

LEO: Sabe, eu nunca consigo vencer você. Se digo alguma coisa, você acha que estou querendo humilhar, se não digo, você me pergunta por que a deixei comer tanto. Já estou farto disso. Às vezes me pergunto se você não começa essas brigas de propósito.

O diálogo deixou tanto Lori quanto Leo magoados, zangados e incompreendidos. E, o que é pior, é uma conversa que tem se repetido. Eles entraram em uma guerra clássica de intenções: Lori acusa Leo de magoá-la de propósito; Leo nega. Eles se envolveram em um círculo que não compreendem e de onde não sabem como sair.”

A primeira vista, um exemplo corriqueiro de briga de casal. Acredito que pode ser aplicado à diversas situações, e não apenas em um relacionamento amoroso.

De modo geral, trata-se de um caso em que um lado se magoa com a posição do outro, insinua suas intenções e o outro lado se defende, também insinuando intenções e demonstrando pouca empatia na situação.

Enfim, um caso de um conflito extremamente comum, seja no ambiente profissional quanto no pessoal.

Vejo dois erros também comuns e que ajudam a alimentar o conflito, um de cada lado. Geralmente os cometemos de forma automática, pois numa situação tensa nosso instinto natural é de defesa, e nossa atitude inicial é a reação. Não criamos empatia, não ajudamos o outro, e por mais paradoxal que pareça, pensando apenas em si nós nos prejudicamos. 

Evitar reagir sem pensar é extremamente importante, e um bom treino para resolver conflitos.

Pesquisas sugerem que a prática da Atenção Plena pode reduzir a reatividade!

Bom, vamos aos pontos!

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?(Por menos discussões dispensáveis…)

Primeiro erro: Supor a intenção do outro

Quando Lori afirma que Leo “tem a necessidade de controlar ou humilhar”, ela está afirmando que a intenção de Leo é controlar ou humilhar, ou seja, que ela sabe a intenção dele.

O fato é que, ao mesmo tempo que nos importamos com a intenção do outro, simplesmente não conseguimos acessá-la. Nossa dedução sobre a intenção do outro é um mero chute, e como qualquer chute, a chance de estar errado é muito grande. E é o que geralmente acontece.

O grande problema é que muitas vezes deduzimos a intenção da outra pessoa baseado no impacto que a ação dela gerou. Se ficamos chateados, o outro quis nos deixar chateado. Se somos ignorados, o outro quis nos ignorar. Apesar de errada, essa dedução tem base pela forte emoção negativa que toma conta do momento.

E por que isso está errado? É simples: um mesmo impacto pode ser gerado por mais de uma intenção, e como não conseguimos descobrir o que está na mente da outra pessoa, não temos dados suficientes para restringir as possibilidades.

Isso quer dizer que as más intenções não existem? Claro que existem. Há casos em que alguém vai sim querer te magoar ou fazer algum outro mal. Porém esses casos são mais raros do que acreditamos, e infelizmente sem escutar a própria pessoa, não conseguiremos saber a real intenção.

Uma das consequências ruins deste primeiro erro é o julgamento sobre a outra pessoa e a consequente piora do próprio sentimento.

Ao deduzir más intenções, você acaba julgando aquela pessoa de alguma maneira — mal caráter, manipulador, difícil, entre outros — fazendo com que haja maior afastamento (baseado na premissa errada, que foi a dedução da intenção) e acaba ficando pior, mais magoado, com mais raiva.

Outra consequência é a automática defesa do outro. Ao acusar, o outro vai reagir tentando se proteger. No exemplo, ao expressar sua mágoa, Lori passou duas mensagens: que sabe o que Leo pensa (intenção) e também que está magoada. Leo, naturalmente, focou-se na primeira mensagem e se defendeu. E a mágoa, que seria o sentimento a ser trabalhado, foi esquecido.

Um último detalhe interessante sobre este erro é que em geral assumimos que a intenção do outro é ruim, porém a nossa é boa. Se um colega de trabalho faz uma crítica sobre você em uma reunião lotada, você assume que ele quer te passar a rasteira. No entanto, se você faz um “comentário construtivo” sobre ele na mesma reunião, tem interesse no bem do projeto. Um pouco controverso…

Apenas um adendo: Falando no mundo corporativo, esse tipo de interpretação acontece através de e-mails e mensagens também. Se numa conversa pessoal já não conseguimos saber a intenção do outro, imagina em um texto? Há informações demais faltando (expressão do outro, tom de voz, escolha de palavras) para podermos deduzir qualquer coisa.

Supor a intenção do outro é um chute que pode prejudicar bastante qualquer relacionamento

Segundo erro: Achar que boas intenções evitam o mau impacto

Quando Lori fala sobre sua mágoa e supõe a intenção de Leo, ele se coloca na defensiva. Ignora o fato de Lori estar magoada para justificar que sua intenção não era aquela. Leo viu a mensagem literalmente, e desse modo não escutou as reais necessidades dela.

Apesar de Lori ter dito que ele pretendia magoá-la, não foi exatamente isso o que ela quis dizer. Ela tem necessidade de ser ouvida, e sente que ele não se importa com ela como deveria. Ao se defender — Não! Eu tive boas intenções! -, ele passa a mensagem que pouco se importa com ela, só quer saber de si mesmo.

Isso acontece conosco com muita frequência, e podemos perceber mesmo sem estudar a fundo que talvez essa autodefesa não seja uma boa solução para o conflito.

A questão é que o núcleo dessa estrutura está invertido. A situação não é amenizada e a outra pessoa não fica mais feliz se justificarmos que nossa intenção é boa. A melhora virá com o entendimento do sentimento do outro, escutar de verdade as necessidades reais da pessoa depois daquela situação.

Pode parecer ridículo se pensarmos: “Ah, então se você não teve a intenção de me magoar, tudo bem falar para eu parar de comer e me deixar triste!”. Realmente é difícil que a solução seja mesmo essa.

Sentimos a necessidade de nos defender após uma acusação (geralmente) falsa. Mas vale a reflexão: Será mesmo que me defender agora é a melhor saída para o problema?

Muitas vezes é útil esclarecer as intenções, porém o timing em que isso é feito importa. Se for feito no início da conversa, talvez falte entender realmente os sentimentos e necessidades da outra parte para ajudar no restante do diálogo.

E como resolver isso?

Acredito que estar ciente da situação é um grande passo. Entender a diferença entre intenção e impacto, acreditar que realmente não conseguimos adivinhar as intenções do outro, e escutar de verdade o que o outro está sentindo por trás de uma acusação vão fazer diferença.

Leia também:  Como Saber Os Pontos Que Tenho Na Carta?

Outro ponto para pensar é que não há apenas dois tipos de intenções: boas e más. A complexidade das motivações dos seres humanos é muito maior do que isso. É maior do que isso para você, que sabe que não é sempre “bom” ou “mau”, e também é para a outra pessoa.

Primeiro: É importante tentar dissociar impacto de intenção. Lori, por exemplo, deve saber diferenciar “fiquei magoada” de “ele quis me magoar”. Um exercício para isso é tentar descobrir o que realmente ocorreu, a ação em si, e não o que o outro pensou ou quis fazer.

Em seguida, ficar ciente do sentimento que tomou. Quem fica magoado, não escolheu ficar magoado naquele momento, mas consegue ter ciência do sentimento e a AÇÃO que o causou — não a intenção.

Lori poderia ter dito: “Quando você falou aquilo, eu realmente fiquei magoada e me senti constrangida, pois estou lutando contra meu peso e preciso de apoio”. Se Leo não foi mal intencionado, provavelmente sua resposta será ajudar Lori com seu problema.

Segundo: Ouça os sentimentos. Duas mensagens foram passadas: “você teve más intenções” e “estou magoada”. A mensagem que importa é a segunda. A primeira pode ser entendida como um sentimento transbordando.

Se você entender isso, poderá ignorar o ataque, e ouvir o que a outra pessoa necessita, que é um modo de lidar com a mágoa, e confiança. Fazer isso é desafiador, pois estamos acostumados a nos defender, porém cada vez que conseguir será uma grande vitória.

Neste exemplo, Leo poderia ter respondido: “Você ficou magoada porque se sentiu constrangida?”, “Posso ver que você ficou realmente triste”, “Me diz o que você espera de mim numa situação dessa…”, e por aí vai.

Entender e aplicar essa dissociação de impacto e intenção dentro de um diálogo pode gerar resultados inacreditáveis. É uma mudança sutil e muito difícil de realizar. E como boa parte das coisas boas da vida, para ficar bom você deve praticar bastante.

Quando se perceber julgando a intenção do outro, tente parar para refletir. Quando estiver em uma conversa difícil e for atacado, tente sentir o que o outro realmente necessita.

Mais do que ser bom para o outro, esse comportamento é ótimo para você e seus relacionamentos, quaisquer sejam eles.

3 passos para reerguer-se quando o cônjuge lhe magoou profundamente | Familia

Eventualmente o marido e a mulher irão desentender-se e acabar magoando um ao outro. Se você está passando por isso, saiba como você pode reerguer-se.

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?

Quando alguém que amamos nos magoa, nos sentimos muito tristes. Principalmente quando esse alguém é seu marido ou sua esposa.

Por muitas vezes em nossa vida nosso cônjuge nos desapontará, seja de forma simples ou mais complexa, mas precisamos estar prontos para perdoar, resolver a situação, e não deixar com que esta mágoa destrua os sentimentos bons.

Se você se sente magoado(a) com seu cônjuge, isso provavelmente está afetando de forma muito ruim o relacionamento de vocês. Reerga-se com estes três passos:

1. Respire

Sim, todos nos dizem isso quando o nervosismo bate por algum motivo. Mas este é o primeiro passo – e importantíssimo inclusive – para que consigamos lidar com situações adversas com sabedoria.

A respiração profunda ajuda a oxigenar o corpo, liberando a tensão e ajudando a relaxar.

Quando estamos muito tristes, decepcionados ou com raiva, não devemos tomar nenhuma decisão, pois elas serão por impulso, e há uma grande chance de nos arrependermos depois. Portanto, respire e busque acalmar-se.

2. Lembre de seu valor

Quando alguém que amamos nos magoa, por vezes até podemos achar que o erro está em nós mesmos e então nos culpamos pelo erro de outra pessoa. Depois de sentir-se culpada, então a autoestima cai e a pessoa pode até ficar depressiva, acreditando não ter qualidades e talentos, sentindo-se um incômodo, isso não é certo.

Depois de respirar fundo, você não pode esquecer-se de seu valor, o quão especial você é e o quanto você se esforça para fazer o bem. Não pense que alguém lhe magoou por culpa sua, isso não existe.

Talvez você tenha falhado em algo, mas todos nós falhamos. Lembre-se de todas as coisas boas que você já viveu e as grandes coisas que já conquistou. Lembre-se também de todos os momentos maravilhosos que você e seu cônjuge já vivenciaram.

Você tem valor, o seu relacionamento tem um valor inestimável.

3. Procure uma solução

A situação pela qual você está passando não se resolverá de maneira feliz se você ficar procurando mais motivos para magoar-se, concentrar-se nos erros e nas coisas ruim que aconteceram, e em como você se sente magoado(a).

Depois de respirar, e, se necessário, respirar mais algumas vezes, e valorizar-se, então você pode e deve partir para o terceiro passo: procurar uma solução.

Se vocês não procurarem uma solução, irão procurar mais motivos para entristecer-se e discutir, e isso não é nada bom, a situação só irá piorar e vocês se magoarão ainda mais.

Seu cônjuge lhe magoou por erro exclusivamente dele? Se sim, você precisa expressar seus sentimentos e falar sobre o que está lhe afligindo, e precisa perdoar e ajudar. Você cometerá muitos erros também, e certamente irá querer perdão, por isso, perdoe as outras pessoas. Conversem e pensem em como podem melhorar e abandonar os erros cometidos, e apoiem um ao outro nesta tarefa.

O casamento é um relacionamento lindo, composto de um homem e uma mulher com defeitos, que cometem erros e que eventualmente magoarão um ao outro. Mas, o importante é que os dois se esforcem para o bem comum, que os dois saibam dialogar e buscar fazer feliz seu cônjuge, que saibam solucionar problemas e não agravá-los, que saibam perdoar e reerguer.

Quem magoa não se importa?

Jul 22, 2019·9 min read

Como Tratar Alguém Que Te Magoou?(ilustração por Paula Chimanovitch | contato: [email protected])

Indivíduos são universos inteiros e, em relacionamentos, temos um mínimo de dois universos tentando se abraçar. Idealmente, acreditamos que esse abraço de universos deve ser sempre leve e agradável.

Fazemos de tudo pra evitar conflitos e temos a tendência de enxergar conflitos como sinal de algo ruim.

Acontece que conflitos fazem parte de qualquer relação, pois as pessoas são diferentes umas das outras e, mais cedo ou mais tarde, sempre teremos discordâncias, sendo algumas delas irreconciliáveis.

Como lidar, então, quando esbarramos nesse momento em que a pessoa com quem você se relaciona faz algo que te magoa ou vice-versa? Você pode exigir que a pessoa não faça mais isso? Ela continuar fazendo significa que não se importa com você? Até onde você deve conviver com essas diferenças?

Tudo isso é muito relativo e subjetivo, pois depende de uma série de fatores, que envolvem conceitos como mágoa, liberdade, compromisso, responsabilidade, culpa etc. E, cada indivíduo sendo um universo, é claro que cada um tem suas próprias impressões do que esses conceitos significam em suas vidas pessoais. E são essas as nuances que quero discutir nesse texto.

Autonomia, proibição e transferência

É muito comum, tanto em relações monogâmicas quanto não monogâmicas, o casal dar permissão um ao outro para fazer certas coisas. Essa permissão costuma vir velada em discursos mais brandos do que “você deixa eu fazer isso?”, como, por exemplo, “você se incomoda se eu fizer isso?”.

A resposta que é considerada correta nesses casos costuma ser “não me incomodo” e, caso seja “me incomodo sim”, a reação que se espera da outra pessoa é que ela não faça a tal coisa.

Indo além, caso a pessoa faça tal coisa, isso é automaticamente relacionado a falta de cuidado, como se fazer algo que incomoda o outro fosse uma demonstração categórica de falta de consideração. Há muitos premissas e ligações falsas nesse modelo.

Primeiro de tudo, entre duas pessoas adultas e conscientes de seus atos, é impossível tratar plenamente dos conceitos de proibição e permissão.

Não existe dar liberdade a alguém, porque, pra começo de conversa, livres todos somos.

Quando consideramos que é aceitável permitir (e, consequentemente, também proibir) atitudes e comportamentos numa relação, estamos aceitando entrar em uma dinâmica nociva de transferência de responsabilidade.

Essa dinâmica é uma grande armadilha. Conheci um casal que mantinha um relacionamento aberto sem grandes divergências, até o momento em que o cara começou a transar com a melhor amiga.

A namorada ficou muito insegura com isso, pois, até então, ele só transava com outras mulheres com quem não mantinha uma relação afetiva mais próxima. Foi uma grande crise na relação e ele perguntou: “Você quer que eu pare de sair com ela?” e a namorada disse que sim.

Meses depois, o cara estava chateado porque tinha perdido a melhor amiga, já que aquela proibição causou uma situação chata entre eles dois e eles acabaram diminuindo bastante o contato.

Diante disso, a namorada se sentiu culpada por ter estragado a amizade dele e decidiu permitir que ele voltasse a sair com a amiga. Pouco tempo depois, estava magoadíssima novamente e o namorado, confuso com o problema, pois, afinal, ela tinha deixado, então ele não tinha feito nada de errado.

Analisando esse caso da maneira como se deu, a namorada não tinha como sair feliz dessa situação. Se ela dissesse “você não pode sair com ela”, qualquer consequência negativa decorrente disso na amizade deles seria culpa dela, afinal, foi ela quem proibiu.

Ao mesmo tempo, caso ela passasse por cima daqueles sentimentos e dissesse que ele podia sim sair com a amiga, se mais tarde ela se sentisse mal com isso, seria culpa dela também, afinal, ela disse que estava tudo bem. Enquanto isso, dentro dessa situação, o namorado parece ser um boneco, sem qualquer autonomia, obedecendo o que dizem que ele pode ou não pode fazer.

Acaba sendo uma situação muito conveniente, pois, não importa o que ele faça, a culpa da própria mágoa seria da namorada que deu as ordens.

Considerando-se que indivíduos são autônomos, a situação de pedir permissão não deveria existir, pois ela transfere a responsabilidade da atitude tomada pra quem permitiu ou não.

No lugar disso, as pessoas devem conversar para saber o que magoa ou não aquelas com quem se relacionam e aí fazerem escolhas e tomarem decisões informadas, assumindo completa responsabilidade por elas.

Ter mágoa não é ter razão

Ok, mas e se, no exemplo acima, a namorada tivesse apenas dito: “isso me magoa”? Seria responsabilidade do namorado parar de fazer aquilo? E, se o namorado decidisse, com toda a sua autonomia, continuar fazendo mesmo assim? Ele estaria errado? Talvez, mas não necessariamente.

Fugindo um pouco desse exemplo, vamos pensar em situações mais simples.

Se um homem cis hétero, em uma relação monogâmica, fala pra namorada que fica muito magoado quando ela sai com amigos também homens cis hétero, talvez ele esteja sendo sincero e fique mesmo muito magoado.

Isso não quer dizer, no entanto, que ele tenha razão e que ela não possa ter essas amizades. Inclusive, impedi-la ou coagi-la a cortar relações com os amigos seria uma atitude abusiva em qualquer relacionamento.

Há, no senso comum, uma tendência a acreditar que quem ficou chateado é quem está certo, mas isso não é verdade, porque depende muito do motivo da chateação.

Às vezes nos chateamos com bobagens e, ao exigirmos que as outras pessoas (universos completos) enquadrem o comportamento delas no que não nos chateia nunca, estamos limitando quem elas são e tentando moldá-las para nosso benefício. Isso não precisa ser mal intencionado para ser danoso à relação ou até abusivo. Precisamos assumir responsabilidade por nossos sentimentos.

Leia também:  Como Saber Quando A Guppy Vai Parir?

O outro pode ser empático ao que você sente e escolher mudar atitudes por isso, mas não é responsabilidade dele fazê-lo e ele não é uma pessoa horrível se escolher não fazer. (Mais sobre isso no final do texto.)

Se me magoa, é porque não se importa comigo?

Uso sempre o exemplo do nariz quebrado. Se uma pessoa te dá um soco e quebra seu nariz, ela intencionalmente te machucou. Se uma pessoa esbarra em você e isso quebra seu nariz, ela não teve intenção de te machucar. São situações diferentes, mas, em ambas, o resultado é o mesmo: seu nariz está quebrado. E agora, o que você vai fazer com isso?

Acredito que raramente as pessoas machucam as outras com intenção. Se você acha que alguém te magoou de propósito, apenas saia correndo.

Mas, se aconteceu o mais comum e você se magoou com algo que a outra pessoa nem se ligou que estava fazendo, cabe uma conversa.

Mágoa é uma consequência normal de conflito e conflitos requerem diálogo, não ultimatos. Às vezes a pessoa nem sabia que aquilo te magoava.

Outras vezes, a pessoa sabia sim que aquilo te magoava e mesmo assim o fez.

Há uma série de motivos pelos quais uma pessoa faz algo sabendo que vai chatear outra: fazer aquilo é uma prioridade pra ela, ela está tentando te proteger de uma chateação maior, ela discorda do seu princípio moral que considera aquilo ruim etc.

Não quer dizer que não se importa com você, mas, naquele momento, algo pode sim ter falado mais alto e sido mais importante. E isso faz parte das relações humanas, com pessoas que são diferentes e dão graus de importância diferente às mesmas coisas.

É diferente se a pessoa te magoa deliberada e sistematicamente.

Se ela não te dá um soco, mas vocês já conversaram diversas vezes e ela sabe que aquilo é ruim pra você e, mesmo assim, toda hora esbarra no seu nariz e ele quebra, aí fica complicado levar a relação adiante.

Assumir responsabilidade por si próprio passa por não ficar sempre pedindo desculpas pelas mesmas coisas e tomar uma atitude para mudá-las — se for entendido que elas são um erro.

Conciliações

É possível, então, manter uma relação com alguém que faz algo que te magoa? Como todo o resto, depende do que é, de diálogo honesto e da boa vontade de cada um para fazer aquilo dar certo.

Tive um namorado cuja namorada anterior, que era o grande amor da vida dele, morreu num acidente de carro. No dia do acidente, ele ficou tentando falar com ela e ela não respondia e ele achou que ela apenas estivesse ocupada. Só no fim do dia soube que ela tinha morrido e que ele tinha até passado pelo acidente mais cedo sem se dar conta de que aquele era o carro dela.

Fui a primeira namorada dele depois disso e, obviamente ainda traumatizado, ele me pedia que avisasse quando chegava e ia embora dos lugares.

Eu tinha amigas que achavam um absurdo que eu estivesse sempre avisando a ele onde estava e o que estava fazendo, mas eu entendia que aquilo era uma questão forte pra ele e que não custava nada eu me esforçar pra deixá-lo menos preocupado.

O sentimento de preocupação era uma questão dele, decorrente de um histórico de vida dele, e só ele tinha responsabilidade por isso. Mas eu, como pessoa próxima que o amava, escolhia acolhê-lo e vivia dando satisfação sobre o que estava fazendo.

Quando digo que esse sentimento era responsabilidade dele e não minha, o que quero dizer é que eu escolhi viver de acordo com o que o deixava mais à vontade, mas pense em uma pessoa que acabou de sair de um relacionamento abusivo, no qual o parceiro controlava todos os seus passos.

Se essa pessoa decidisse que não queria avisar o tempo todo onde estava porque se sentia controlada, ela não seria nenhuma grande vilã. Seria apenas um conflito de universos íntimos e que isso precisaria ser conversado. Não dá pra categoricamente escolher qual trauma merece ser mais respeitado.

Aliás, usei exemplos de traumas, mas isso também vale para questões emocionais mais simples.

Considerando que as pessoas com quem nos relacionamos têm (e devem ter) total autonomia para decidir se fazem ou não coisas que nos magoam, cabe a nós também ter autonomia para decidir se aceitamos isso ou não e nos responsabilizarmos por nossa decisão.

Se decidimos não aceitar, isso não pode ser usado como chantagem emocional, do tipo “se você fizer isso, eu termino com você”. Isso não é uma proibição explícita mas é um tipo de coerção.

E, se decidimos aceitar, também não vale depois culpar o outro pelas escolhas que fomos nós que fizemos.

É importante também aceitar o fato de que alguns conflitos são simplesmente irreconciliáveis. Quando aquilo que magoa a pessoa é algo tranquilo de você parar de fazer (como era meu caso com esse namorado, eu não me incomodava de avisar tudo toda hora), ótimo, mas quando é algo importante pra você (sentir-se controlada ou precisar de privacidade, por exemplo), temos um impasse.

Seja de qual lado estivermos (a pessoa que não quer mudar ou a pessoa que se relaciona com alguém que não quer mudar), precisamos entender que cortes e separações também fazem parte das relações. Um término ou afastamento não precisa ser evitado a qualquer custo, às vezes essa é a única saída quando os conflitos mexem com questões fundamentais para cada um.

Uma pessoa que teima em tentar mudar pela outra vai fatalmente ficar ressentida com o tempo se não estiver fazendo aquilo de bom grado, por ela mesma. Enquanto isso, ficar tentando mudar os outros é dar murro em ponta de faca. Ninguém sai ganhando. Por isso, não há nada de mau em, às vezes, concluir que aquela relação chegou ao fim de seu percurso.

Caso os conflitos sejam conciliáveis, há também de se ter muita paciência. Um nariz quebrado leva tempo pra parar de doer, por exemplo, independente de a quebra ter sido causada por agressão ou distração.

Entender racionalmente que a mágoa não foi causada de propósito não muda que, às vezes, ela requer muito tempo pra ser curada. Mais uma vez, isso só pode ser resolvido com diálogo honesto, tempo e paciência.

Sendo assim, precisamos ser mais empáticos quanto às necessidades de cada um, compreendendo que estarmos chateados não nos dá o direito de sobrepor nossas necessidades às dos outros.

Devemos entender que nem sempre vamos nos envolver afetivamente com pessoas compatíveis conosco e que a separação é uma das resoluções disponíveis.

Cabe a cada um estabelecer suas próprias prioridades, entender a si próprio e definir o que é ajustável numa relação e o que é “deal breaker”, isto é, um limite irreconciliável, e assim tentar resolver juntos quando for possível e separados quando não for — sem culpar a nós mesmos nem aos outros por isso.

Saiba como lidar com as mágoas e se libertar em 3 passos

Você sabe como lidar com as mágoas? O ser humano, por muitas vezes durante a sua vida, vivencia desavenças com pessoas do seu convívio, e alguns desses atritos não são solucionados.

O resultado disso são ressentimentos que são sustentados em sua mente e em seu coração. Há momentos em que o desentendimento é prolongado por não ser resolvido, se transformando em rancor, podendo perpetuar por várias semanas, meses ou até anos.

Trata-se de um cenário indesejável e inconveniente, que em vários casos não é revelado ao outro o seu lado da história e, assim, o contratempo permanece sem desfecho. Seja com um familiar, amigo ou colega de trabalho, é um sentimento que interfere nas ações do dia a dia e impede de seguir em paz consigo mesmo.

Pensando em amenizar esses conflitos psicológicos e emocionais, criamos uma lista com três formas de como lidar com as mágoas que insistem em afetar a nossa vida.

Como lidar com as mágoas?

Procure entender a razão

Para lidar com as mágoas, o primeiro passo é entender que quanto maior o tempo que ela permanecer em sua vida, mais profunda se transformará a ferida, tornando a cicatrização ainda mais difícil. Após essa reflexão, é importante identificar a raiz do ressentimento, buscando uma conversa pacífica e decisiva para reparar os danos causados pelo desentendimento.

Não tenha medo de expressar o que sente e procure deixar claro para a outra pessoa o quanto a reconciliação é necessária. Porém, os dois pontos de vista devem ser expostos durante a conversação, para que não ocorram mais decepções.

Exercite a compreensão

Com origem no latim, a palavra mágoa significa macula, que quer dizer “desgosto, pesar, tristeza, ressentimento”. Diante de sensações tão desagradáveis, faça a sua parte e promova a reconciliação, pois manter sentimentos ruins prejudica o progresso da sua vida e, por muitas vezes, eles tornam-se um empecilho para alcançar a felicidade em sua plenitude.

Compreender e aceitar que o outro também erra é uma etapa determinante para lidar com as mágoas. Vale lembrar: cada ser humano vê o mundo de uma maneira. Isso quer dizer que nem sempre a intenção da outra pessoa é magoar, pois uma atitude que é errada para você, pode ser considerada correta por ela.

Busque trabalhar o perdão

Você já deve ter ouvido aquela famosa frase: “passado deve ficar no passado”. Esse é o entendimento necessário para reconhecer que o perdão é a chave para lidar com as mágoas, pois elas estão sempre ligadas aos acontecimentos antigos que prolongamos em nossa mente.

Isso também vale para os relacionamentos a dois, em que o convívio gera desentendimentos cotidianos que enfraquecem a relação. O ideal é o que o casal reserve um tempo para conversar, garantindo uma união baseada no diálogo.

Saber como lidar com a mágoa não é uma tarefa tão simples, certo? Nesse caso, para aprimorar e interiorizar as suas ações diante desses sentimentos que permanecem em sua vida, é interessante que você converse com um psicólogo e seja acompanhado por ele. Afinal, é sempre válido dialogar com uma pessoa que esteja isenta no assunto e entenda sobre conflitos e aflições humanas.

Não tem tempo para ir a um consultório? Isso deixou de ser um problema, pois você pode utilizar o atendimento psicológico online em qualquer hora do dia e, até mesmo, nos fins de semana.

Gostou do tema abordado neste post? Então aproveite para navegar em nosso blog e conferir o conteúdo que explica os 5 passos para desenvolver o pensamento positivo.

Referência:

Dauber, Lia. “Perdão na saúde mental: ferramenta para a vida.” Anais do Congresso Internacional da Faculdades EST. Vol. 3. 2017.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*