Como Sei Que Tive Um Orgasmo?

Antes de pesquisadores norte-americanos descobrirem, no ano passado, o porquê de o orgasmo feminino sequer existir, ele representava um grande e completo mistério para a ciência.

Para muita gente, aliás, ele permanece até hoje um fenômeno um tanto quanto enigmático: de acordo com pesquisa publicada em fevereiro deste ano no Archives of Sexual Behavior, mulheres heterossexuais são as que menos chegam ao orgasmo.

Apenas 65% afirmam gozar “geralmente ou sempre” ao transar – em oposição a 66% das bissexuais e 86% das lésbicas.

Leia mais: 10 mitos sexistas sobre sexo que todo mundo precisa superar

Ainda é comum ouvir de mulheres por aí, inclusive, que elas nunca atingiram o clímax – ou que não sabem bem dizer se o fizeram. Seja você uma delas ou não, o MdeMulher compilou relatos de 12 mulheres sobre o que elas sentem durante o orgasmo. Será que, assim, conseguimos quebrar um pouco esta aura de “mistério”?

Vontade de socar ou apertar

“Sinto vontade de contorcer o corpo, reflexo pra socar ou apertar algum lugar – acaba sendo sempre a pessoa, né, foi mal – e no final eu dou risada. E tenho espasmos. E sinto calafrios”.

Vontade de gemer bem alto

“Quando eu chego ao orgasmo, minha vontade é de gemer muito alto. Algumas vezes eu me sinto até mais sonolenta e vulnerável, já chorei por diversas vezes e fico querendo mais proximidade, carinho etc. Diferente dos homens, que já ficam com sono. Mas a vontade maior de todas é gemer, mesmo, beijar, ter mais proximidade, continuar o sexo, ter outro orgasmo”.

Leia mais: Você sabe mesmo como é um clitóris? Versão 3D será usada em aulas na França

Como se tivesse morrido e retornado

“Poucos minutos antes de atingir o orgasmo, sinto como se meu corpo, principalmente a parte do ventre, virilha e pernas se enrijecesse com uma forte tensão, até que sobe uma onda de calor muito grande e um frio na barriga, uma euforia toma conta de mim, solto gargalhadas espontâneas.

Sinto como se tivesse morrido e retornado de alguma forma, provavelmente porque após toda aquela tensão e euforia, uma sensação de tranquilidade profunda toma conta de todo meu ser, todos meus músculos relaxam, sinto o corpo solto e palpitações em todo ele. Me entrego para aquele momento”.

Como Sei Que Tive Um Orgasmo? – Reprodução/Giphy

Um fio de energia no corpo inteiro

“Acho que como toda mulher hétero, infelizmente, eu demorei um pouco pra saber o que é orgasmo. Até hoje não tive um com penetração, só no oral ou usando as mãozinhas mesmo.

Mas o que eu sinto quando tenho um orgasmo bom demais mesmo é um negócio muito doido, parece que passa um fio de energia no meu corpo inteiro e eu fico focada naquela sensação, em aproveitar aquele momento de prazer.

Eu me sinto muito consciente do meu corpo e eu só quero fazer aquela sensação durar, sabe? Mas é sempre meio rápido, e eu ainda não descobri a maravilha dos orgasmos múltiplos também, mas um dia a gente chega lá”.

Liberdade

“É um misto de sensações… O corpo treme, a ponta do pé fica queimando, dá vontade de me contorcer e fazer barulho, também dá uma sensação de liberdade”.

Continua após a publicidade

Sonho

“Meus primeiros orgasmos eram em sonho, ficava pensando ‘como assim, que sensação maravilhosa, será que isso acontece quando a gente tá acordada?”

Leia mais: Site revolucionário ensina DIREITINHO como dar prazer às mulheres

Estar fora do próprio corpo 

“A sensação é maravilhosa, já tive daquelas de tremer a perninha, de se esvair, virar para o lado e dormir, já tive duplo e triplo, sensação de estar fora do próprio corpo, de perder os sentidos dos pensamentos e perguntar onde estou, várias coisas. É sempre muito intenso e meu marido não faz nada enquanto eu não gozar ou chegar ao orgasmo, as damas primeiro.”

Como Sei Que Tive Um Orgasmo? – Reprodução/Giphy

Derretendo

“Eu sinto que meu clitóris está derretendo – mas de um jeito bom!”.

Concentrando toda a energia

“Antes de realmente rolar o orgasmo, eu sinto que meu corpo vai concentrando toda sua energia só para isso, como se, pouco a pouco, aquele prazer fosse se transformando em tudo o que importa para o meu corpo.

Na ‘hora H’, parece que é realmente isso que acontece, que só aquilo ali importa… Meu corpo se retorce inteiro e o clitóris fica quente, muito quente.

logo depois que acaba, meu corpo fica muito cansado e o que eu mais gosto de fazer é tirar um cochilo”.

Leia mais: O ponto G existe mesmo? Um novo estudo diz que não!

Chorando

“Eu sinto o corpo esquentar, o quadril levantar, uma vontade de gritar, e termino chorando”.

Como Sei Que Tive Um Orgasmo? – Reprodução/Giphy

Pressão e explosão

“Parece que você está chacoalhando uma garrafa, que a pressão vai aumentando, aumentando – e aí explode. Depois, eu só quero dormir. Gozar é melhor do que remédio para dormir!”.

Sinto até no coração

“No começo da minha vida sexual, lá pelos 13 anos, eu sentia orgasmos muito fortes. Sentia um arrepio por todo o corpo, como se fosse uma energia que começa pelo clitóris e se estende por toda a região do corpo. Depois de uns anos, ela começou a ser mais fraca, mas não deixou de ser gostosa e de me fazer sentir este arrepio pelo corpo todo.

Depois que pari, meu orgasmo ficou muito mais forte, do mesmo jeito que no comecinho, e se tornaram mais constantes durante a relação sexual.

Quando me masturbo, sinto orgasmos múltiplos: sinto que a energia flui por todo o corpo, parece até que sinto no coração.

No ato sexual com penetração, depois do orgasmo eu sinto um choque ao tocar no clitóris que chega a ser ruim, parece que é uma energia muito forte que está lá… Eu sou igual homem, depois de gozar eu preciso parar e respirar – senão não consigo mais!”.

Continua após a publicidade

  • Comportamento – sexo
  • Curiosidades
  • Orgasmo feminino

Como saber se eu tive um orgasmo? | Amor e Sexo | iG

Você está conversando com suas amigas, o assunto é sexo e aí você se pega pensando: será que eu já tive um orgasmo? Se você se identificou com a cena, não se preocupe. Muitas mulheres ficam em dúvida se já sentiram ou não.

Leia também: Como fazer sexo: saiba como se preparar para a sua primeira vez

shutterstock
O corpo apresenta uma série de sinais na hora do orgasmo, como coração acelerado e respiração mais rápida

O orgasmo
é uma sensação que percorre o corpo todo no momento mais intenso de prazer durante o sexo ou a masturbação. Mais do que isso, ele dá alguns sinais físicos de que algo está acontecendo, como aumento da frequência cardíaca e respiratória.

A sexóloga Débora Pádua ainda explica que é comum a vulva ficar mais inchada, o corpo ter contrações involuntárias e aumentar a sudorese. “Só que o orgasmo pode ter intensidades diferentes. Em alguns momentos mais intensos, pode ficar claro para a mulher essas alterações. E, às vezes, em um orgasmo não tão intenso você não consegue perceber tanto”, pontua.

Por isso, é sempre bom buscar o autoconhecimento, se tocando e prestando atenção de que forma o corpo reage a determinados estímulos. Nesse sentindo, Débora fala que é possível sentir o orgasmo em vários momentos. Então, o ápice do prazer pode ser tanto no sexo oral, quando na penetração vaginal ou até anal.

É importante lembrar que não há uma regra de como sentir orgasmo
e na forma como se manifesta. Os sinais falados pela sexóloga são os mais comuns, mas é possível que o seu corpo apresente outras reações, como espasmos e vontade de gritar. A dica é se entregar e curtir o prazer naquele momento.

Leia também: Sexo com penetração não me dá prazer, por quê? Delas responde

Saiba tudo sobre orgasmo

Essa reportagem faz parte do nosso especial sobre orgasmo. Até domingo vamos publicar diariamente conteúdos sobre o tema para te ajudar a “chegar lá” com mais facilidade. Veja o que já foi publicado e o que ainda vem pela frente:

#Bônus: 5 posições sexuais para ter orgasmo com mais facilidade

O sexo é algo muito único e particular de cada casal. Por isso, é difícil indicar uma posição ideal para sentir o orgasmo. Segundo Débora, é mais interessante que os dois explorem diferentes posições sexuais para
descobrir o que mais funciona.

No entanto, como a maioria das mulheres chega ao orgasmo com o estímulo clitoriano, selecionamos cinco posições que podem te ajudar a “chegar lá” com mais facilidade. Confira:

Leia também:  Como Deixar De Guardar As Imagens Que Me Enviam No Whatsapp?

Leia também: 20 dicas para ter um orgasmo e sentir mais prazer na relação

De quatro

Arte/iG
Nessa posição o homem consegue estimular o clitóris da mulher ou ela mesma se masturbar enquanto é penetrada

Arte/iG
Com as pernas para cima, a mulher é penetrada mais profundamente, o que ajuda a chegar ao orgasmo

Cavalgada

Arte/iG
Na famosa posição de cavalgada fica mais fácil estimular o clitóris

Cavalgada reversa

Como Sei Que Tive Um Orgasmo?

Arte/iG
A cavalgada reversa permite que a mulher estimule o clitóris enquanto é penetrada

Sentada

Como Sei Que Tive Um Orgasmo?

Arte/iG
Sentada no parceiro, ele consegue estimulá-la durante a penetração

Leia tudo sobre:

Como saber se o que tive foi um orgasmo?

Como Sei Que Tive Um Orgasmo? Foto: iStock

O orgasmo é uma experiência pessoal e única – não há regras para que ele aconteça e nem características que o definam, mas o corpo dá alguns sinais de que ele pode te rolado!

O orgasmo é uma resposta sexual vinculada a processos cognitivos e emocionais, o que faz dele uma experiência pessoal. A intensidade orgástica varia de acordo com vários fatores: a qualidade da transa, os estímulos, o(a) parceiro(a), o estado psicológico e a condição emocional. Por isso, cada menina sentirá o orgasmo do seu jeito. Não há regras!

Entretanto, existem algumas alterações físicas que ocorrem no organismo feminino, durante o orgasmo, que podem ajudar você a descobrir se teve um. Olha só:

• Há uma contração involuntária dos músculos do assoalho pélvico (o grupo de músculos que fica na parte baixa do nosso abdome), das pernas e até dos braços. Depois disso há um reflexo corporal, como se você levasse pequenos choques em algumas partes do corpo;
• A respiração fica mais acelerada e ofegante.

A mulher sente ondas de calor que podem ir da ponta dos pés à cabeça;
• Há uma leve inclinação da cabeça para trás e o tronco se eleva (dependendo da posição que a garota está);
• Útero, vagina e ânus têm contrações simultâneas e muito rápidas;
• Os mamilos ficam enrijecidos;
• Os batimentos cardíacos aumentam;
• Há uma necessidade, ainda que inconsciente, de fechar as pernas, como uma forma de pressionar o clitóris, pois ele fica mais sensível;
• O clitóris, a vagina e os lábios vaginais aumentam de volume e ficam mais avermelhados. Isso acontece pois aumenta a irrigação sanguínea;
• Ocorre um aumento da lubrificação;

• O orgasmo feminino pode durar até 20 segundos e algumas mulheres podem ter orgasmos múltiplos.

Quem deu as informações: Thalita Domenich, médica assistente da Santa Casa de São Paulo e mestre em tocoginecologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Como Sei Que Tive Um Orgasmo?Como escolher a sua ginecologista?

9 dicas para ter o seu primeiro orgasmo

Como Sei Que Tive Um Orgasmo?

Em uma cultura que fala tanto sobre sexo – e, cada vez mais, empoderamento feminino entre quatro paredes – é fácil afirmar que não apenas todo mundo está praticando, como também tendo orgasmo a todo o momento. Mas de acordo com um estudo recente do periódico internacional Archives of Sexual Behavior, apenas 65% das mulheres conseguem atingir o ápice durante a relação sexual. Ou seja, 25% delas não conseguem ter orgasmos com sexo.  Além disso, muitas delas nunca chegam ao clímax.

+ Dia do sexo: 9 posições para ter um orgasmo garantido

+ 14 passos para ter um orgasmo com o vibrador

Se você nunca teve um orgasmo, examinar potenciais inibidores pode ser extremamente útil. Isso pode partir de algum tipo de insegurança, problemas de intimidade até efeitos de medicamentos que impactam a libido. (Se você está lidando com algum tipo de trauma sexual, ou sente alguma dor física, converse com um médico ou terapeuta).

Para te ajudar a descobrir como finalmente ter um orgasmo, conversamos com especialistas no assunto. Siga essas dicas para um fim certeiro.

Comece sozinha

Você pode aprender muito sobre você ao se masturbar. Se nunca atingiu o orgasmo, comece se conhecendo sozinha. Mas não faça do clímax o seu objetivo. Em vez disso, use o tempo para se tocar, se dar prazer e perceber o que está acontecendo fisicamente, emocionalmente e mentalmente.

Explore e fantasie

Não vá direto ao ponto. Tente explorando diferentes partes do seu corpo com as suas mãos, brinquedos eróticos ou acessórios, como penas e vendas para os olhos. O mesmo vale para quando estiver com um parceiro.

Ao mesmo tempo, tente também imaginar diferentes fantasias sexuais, para ver o que funciona para você. Esteja aberta para fantasiar, ler algo erótico, assistir filmes pornôs. Crie as condições corretas para criar sua excitação física e mental.

Aproxime-se do seu clitóris

Quase 80% das mulheres respondem a estímulos no clitóris. Não é tanto a questão de encontro o clitóris, mas de descobrir quais tipos de estímulos nessa região funcionam melhor para você. De acordo com Van Kirk, pesquisas mostram que a maioria das mulheres sente mais prazer com a estimulação indireta do clitóris.

Na realidade, o clitóris continua abaixo de cada lado dos lábios, como o formato de um ossinho da sorte. Estimular essa área, bem como a parte de cima ou ao redor da glande do clitóris pode ser mais prazeroso para a maioria das mulheres. Se o clitóris não for o caminho, pode ser o ponto G ou a estimulação da vagina.

Escute o seu corpo

Enquanto você explora, repare no que, exatamente, funciona ou não. Por exemplo, se um vibrador não te faz sentir nada, exceto uma sensação estranha, descarte essa opção e tenta algo que estimule o clitóris gentilmente.

É pela prática que a gente aprende formas de repetir bons resultados. Quando estiver pronta para tentar um orgasmo com o seu parceiro, vocês vão querer descobrir como funciona.

Seu parceiro pode ser apto para te ajudar, mas cabe a você saber a que estímulos você responde.

Repense as suas angústias

A ansiedade geralmente tem envolvimento com a incapacidade para o orgasmo – mesmo se for um problema físico, o estresse para atingir o orgasmo só vai dificultar ainda mais o processo. Entenda a ansiedade que envolve esse momento e o que isso está desencadeando.

Você está preocupada de não ser boa o suficiente na cama? Acha que será egoísta? Que atingir o orgasmo vai demorar muito? Repense essa ansiedade. A sua excitação precisa ser maior que a ansiedade.

Se for muito difícil refletir sobre isso, procurar um terapeuta pode ajudar a chegar à raiz do problema.

Peça o que você quer

Quando conseguir atingir o prazer sozinha, comunique seu feito ao parceiro. Se não for um papo fora da cama, use estratégias verbais curtas (como “mais forte” ou “mais rápido”), dê pistas físicas, como gemidos. Também vale arquear as suas costas ou com as suas mãos. Você precisa comunicar seus desejos.

Seja fiel aos seus valores

Saber o que te faz bem vai além das questões físicas. Você tem que ser fiel aos seus valores a respeito do sexo.

Isso abrange tudo vocalizando desde a maneira como gosta de ser tocada (estimulação interna e externa) até defender o tipo que sexo que você quer ter.

Por exemplo, se o seu valor sexual é fazer sexo com um parceiro que você ame e que te ame também, pode ser mais difícil atingir o orgasmo com sexo casual.

Não se esqueça do lubrificante

Lubrificante pode ser o diferencial entre ter um orgasmo ou não. Nunca se esqueça de um bom lubrificante, mesmo se acha que tem lubrificação por conta própria.

Pare de tentar ter um orgasmo

Quanto mais você está focando para que algo aconteça, menor a probabilidade disso acontecer. Então tente relaxar e eliminar a ideia “tenho que ter um orgamos” da sua lista de metas. Isso é fácil de dizer, mas se puder praticar, isso permitirá que você se concentre na sensação e se divirta. Estresse por não ter orgasmo não vai te ajudar a ter um.

Sem Frescura: como saber se você realmente teve um orgasmo?

Minha amiga, imagine só: você está lá no bem bom e, do nada, sente uma sensação diferente. Na hora, você pensa: “Será que eu gozei?”.

Pode parecer brincadeira, mas não é: segundo pesquisas, as mulheres heterossexuais chegam ao orgasmo em apenas 65% das vezes em que transam. É menos vezes, por exemplo, do que o que acontece com as lésbicas, que gozam em 86% das vezes, e das bissexuais, que “chegam lá” em 66% delas.

Não é estranho, portanto, ter pessoas que, mesmo com a vida sexual ativa, não sabem exatamente o que é ter um orgasmo.

Em primeiro lugar, esqueça tudo que você viu na mídia: o orgasmo não é, necessariamente, aquela sensação absurdamente intensa acompanhada de gritos capazes de acordar a sua vizinhança inteira (mas pode ser).

Vamos deixar claro, desde o início, que detalhes do orgasmo variam de mulher para mulher, mas há sensações que, normalmente, envolvem essa situação. Sentir o corpo “descoordenado”, por exemplo, é uma delas. Há também alterações no padrão da respiração e aceleramento dos batimentos cardíacos.

Leia também:  Como Livrar-se Do Chefe Quando Nos Conhecemos?

Também podemos incluir na lista contrações na região da vagina e, em casos bem raros, a mulher pode até expelir líquido lubrificante que pode estar acumulado em glândulas na região da uretra.

Como o orgasmo é um misto de sensações, em geral ele acaba sendo difícil definir. Então, se no meio de uma transa você sentir esse “algo que não consegue definir” e essa sensação envolver algum desses detalhes anteriores, provavelmente você está tendo um orgasmo.

Mas como chegar lá? Bem, especialistas reforçam que gozar é algo que se aprende. Masturbar-se, por exemplo, é importante para saber quais pontos do seu corpo proporcionam mais prazer e, com isso, indicar para o seu parceiro ou sua parceira o que fazer na hora H.

Além disso, conforme os anos passam, a tendência é que fique mais fácil chegar ao orgasmo. Isso porque, ao menos em teoria, ao longo do tempo as mulheres vão conhecendo melhor o seu corpo.

Então, não tem muito segredo: a melhor forma de ter mais e melhores orgasmos passa por enxergar o sexo como algo bom e, principalmente, aumentar o nível de conhecimento sobre o seu próprio corpo

Roteiro: Rodrigo Lara. Fontes: Gabriela Daltro, psicóloga e sexóloga da plataforma Sexo sem Dúvida e Marlon Mattedi, psicólogo especialista em sexualidade da plataforma Sexo Sem Dúvida.

Sinais do orgasmo feminino; como saber se já aconteceu com você

Muitas mulheres aparecem nas minhas redes sociais, e também nas palestras perguntando quais os sinais que demonstram que tiveram um orgasmo. Por isso, apresento aqui 10 sinais de que você, mulher, pode ter tido um orgasmo e ainda não sabe.

Mas como assim? Você não sabe se teve um orgasmo?

Inicialmente, achava muito estranha essa pergunta. De imediato pensava: se ela está me perguntando, significa que nunca teve um orgasmo. Seria o mais lógico, talvez.

No entanto, a frequência com que essa dúvida surgia era cada vez maior, e isso me fez pesquisar mais. Foi quando descobri que, de fato, nem toda mulher consegue identificar quando está no ápice do prazer.

Isso se dá por conta da educação sexual repressora que boa parte de nós tivemos. E que, como consequência, nos limita e poda em tudo que seja relacionado ao prazer feminino.

Crédito: Margarita Fedorenko/istockNem sempre o orgasmo é uma experiência avassaladora de prazer com gritos e gemidos

A falta de conhecimento e informação a respeito da sexualidade abre espaço para medos, tabus, mitos, vergonhas. E como resultado temos mulheres infelizes, com muitas dúvidas, desempenho sexual insatisfatório, frustrações, e por aí vai.

Nesse caso específico do orgasmo, existem mitos em torno das exageradas expectativas criadas como uma experiência extraordinária.

Vejam bem, pode ser que aconteça algo assim, pode ser que não, e está tudo bem. Nem sempre o orgasmo virá acompanhado de intensos gemidos e gritos de prazer. Em muitos casos, podem ser mais rápidos e discretos.

Listei aqui alguns sinais que PODEM acontecer OU NÃO, segundos antes e no momento do orgasmo.

10 sinais do orgasmo feminino:

1. Cresce o ritmo respiratório – a respiração fica mais acelerada e ofegante, contribuindo para circulação sanguínea ser mais rápida.

2. Aumenta a frequência cardíaca – os batimentos ficam mais acelerados afim de bombear mais sangue para as zonas onde a excitação é maior.

Continue lendo aqui: Sinais do orgasmo feminino. Como saber se já aconteceu com você?

Texto escrito por Raquele Carvalho e publicado no Superela. 

Veja também: O caminho para o orgasmo feminino (de verdade!) em 6 dicas

Orgasmos múltiplos feminino: O que são? Qual é a sensação?

Cerca de 14% das mulheres relatam não experimentar orgasmos durante as relações íntimas, e 8% delas não experimentam orgasmos nem mesmo sozinhas, durante seus momentos de masturbação. Esses são dados de pesquisa conduzida pela Prazerela (2018), e que contou com 1.370 respondentes de todas as regiões do Brasil.

Nessa realidade frustrante para muitas mulheres, falar em orgasmos múltiplos pode soar como conto da carochinha.

Como assim vivenciar mais de um orgasmo se muitas vezes não conseguimos conquistar sequer o primeiro? Será que existe mesmo essa coisa de orgasmos múltiplos da mulher? Seria o orgasmo múltiplo a mesma coisa que o chamado orgasmo duplo? Afinal, o que é esse fenômeno da potência orgástica feminina que chega a causar inveja até em Caetano Veloso?

O que são os orgasmos múltiplos?

O orgasmo feminino não apresenta um padrão único e cada mulher descreve a sensação que é provocada no corpo de uma forma muito particular.

De maneira prática, o orgasmo é um pico de prazer, marcado por uma descarga de energia pelo corpo que acontece após um bom acúmulo de tensão e carga sexual. Sua principal característica é a sensação intensa de prazer misturada com certo alívio e satisfação.

A intensidade do orgasmo

A intensidade do orgasmo pode variar muito de acordo com a qualidade da excitação e o acúmulo de carga que foi provocado. Um orgasmo curto significa pouco acúmulo de tensão e carga, o que consequentemente leva a uma descarga orgástica também menor, na forma de arrepios e pequenos reflexos involuntários.

Já um orgasmo forte acontece, normalmente, após bastante estimulação e excitação do corpo, e geralmente vem acompanhado de grandes descargas de energia, espasmos intensos, tremores, contração muscular da região genital e um total descontrole selvagem do corpo. A sensação também é um pouco mais prolongada que a dos orgasmos de menor intensidade.

Muitas vezes, após atingir o ápice de prazer, seja através de um orgasmo pequeno e curto ou através de um orgasmo forte e prolongado, as mulheres experimentam uma sensação de relaxamento profundo, mas podem também se sentirem extremamente dispostas e reenergizadas. Há ainda as mulheres que ora experimentam uma sensação, ora outra. Por isso a experiência do orgasmo é algo muito pessoal e único para cada pessoa.

Os orgasmos múltiplos

Os orgasmos múltiplos acontecem quando, após o primeiro orgasmo, o corpo é capaz de sustentar a excitação e continuar acumulando tensão e carga sexual até que se experimente uma nova descarga prazerosa, vivendo assim picos sucessivos de intenso prazer sem que seja preciso aquele intervalo de pausa e descanso no meio para retomar as energias.

Muitas vezes experimentamos muita sensibilidade após o primeiro orgasmo e temos o impulso de parar imediatamente qualquer tipo de estímulo sexual, seja na região genital ou no restante do corpo. Não nos permitimos continuar a excitação e o processo de acúmulo de tensão e carga que nos levará a novas descargas.

Às vezes isso ocorre porque experimentamos desconforto e agonia com a continuidade do estímulo, e isso é compreensível, mas muitas outras vezes isso ocorre porque não acreditamos que somos capazes de sustentar toda a nossa potência orgástica e vivenciar novas ondas de prazer.

De toda forma, o fato é que, principalmente as pessoas que têm vulva, vagina e clitóris, possuem uma anatomia prazerosa que é programada para vivenciar o prazer dos orgasmos múltiplos.

Quais são as sensações causadas por um orgasmo múltiplo?

Assim como a sensação do orgasmo único é particular para cada mulher, também o será a sensação dos orgasmos múltiplos.

Algumas mulheres fazem uma analogia das ondas de prazer dos orgasmos múltiplos com as contrações de um parto. Onde os ciclos acontecem em intervalos de tempo cada vez mais curtos e a intensidade do prazer vai aumentando a cada onda.

Outras comparam com uma montanha russa onde você sobe, sobe, sobe, atinge o clímax, desce um pouquinho e antes que perceba já está subindo de novo. Muitas vezes, levando mais tempo para atingir o primeiro orgasmo do que os orgasmos que se seguem com a continuidade da tensão e da carga sexual. 

  • Há ainda as mulheres que relatam uma progressão na intensidade dos orgasmos, sendo o primeiro de todos um pouco mais curto e o último tão forte a ponto do corpo ficar mole e continuar tremendo por minutos após o clímax.
  • O mais importante é notar como a percepção de um orgasmo múltiplo é muito pessoal, e como cada mulher o sentirá de maneira única e será capaz de tirar as suas próprias conclusões a respeito das sensações que experimenta.
  • Ninguém nunca será capaz de definir por você as sensações experimentadas na sua própria pele.
  • Leia também: Como aumentar a libido feminina: 4 dicas e reflexões cruciais!
Leia também:  Como Dar Banho Em Gato Que Nunca Tomou Banho?

O que a ciência sabe sobre os orgasmos múltiplos femininos?

A ciência reconhece a existência dos orgasmos múltiplos femininos, mas pouco sabe a seu respeito. A maior parte dos estudos sobre sexualidade feminina destinam seu foco às questões patológicas e reprodutivas da mulher, contemplando muito pouco as questões relacionadas a nossa anatomia e fisiologia prazerosa.

A ausência de estudos na área é resultado da nossa herança cultural, que é patriarcal e machista, com grande interesse no controle do exercício da nossa sexualidade e pouquíssimo interesse no conhecimento sobre os aspectos científicos da nossa potência orgástica. Afinal, conhecimento é poder.

O clitóris

A anatomia completa do clitóris, com todos os detalhes de sua estrutura, tamanho e inervações, foi identificada apenas em 1998 por Helen O`Connell, pesquisadora australiana especializada em urologia.

Esse órgão com mais de 8 mil terminações nervosas, o dobro das terminações que são encontradas na glande peniana, até onde se sabe, possui a função específica de proporcionar prazer, possuindo papel central na obtenção dos orgasmos femininos.

A conexão entre o clitóris e o cérebro

Existem nervos somáticos e autônomos que conectam o clitóris ao cérebro e que atuam como os principais reguladores do orgasmo feminino. Ou seja, há uma combinação entre estímulos voluntários e involuntários para se chegar ao clímax. Ao estimular o clitóris de maneira direta ou indireta, esses impulsos nervosos são levados ao cérebro por diferentes vias de acesso.

A multiplicidade de trajetos para os impulsos nervosos do prazer é o que leva as pessoas a experimentarem diferentes sensações de orgasmos e pode ser o principal fator relacionado à possibilidade de obtenção dos orgasmos múltiplos femininos.

Orgasmos múltiplos masculino: são possíveis?

Os orgasmos provocam a ativação de muitas regiões do cérebro. Pessoas com vulva, vagina e clitóris possuem uma anatomia prazerosa programada para vivenciar o prazer dos orgasmos múltiplos porque não experimentam o período refratário após o clímax. Ou seja, diversas regiões do cérebro continuam ativas e respondendo à estimulação e excitação mesmo após o orgasmo.

Já para pessoas com pênis, onde o orgasmo geralmente vem acompanhado da ejaculação, há perda de ereção e a atividade dessas regiões do cérebro fica reduzida, não respondendo mais a estímulos sexuais e exigindo um tempo de recuperação antes que seja possível voltar a atividade e atingir um novo orgasmo.

Orgasmos secos

Pessoas com pênis, no entanto, podem experimentar a potência dos orgasmos múltiplos através dos orgasmos secos, que ocorre quando o clímax é atingido sem que o mesmo venha acompanhado da ejaculação. Com ausência de ejaculação, não há período refratário e o corpo é capaz de sustentar a tensão e carga sexual por mais tempo.

O controle e a obtenção dos orgasmos secos é algo que se consegue com a prática, mas que poucas pessoas conseguem experimentar no dia a dia. Cabe no entanto, compreender que é possível sim que o corpo tenha a resposta neurológica e muscular do orgasmo sem que isso necessariamente esteja acompanhado do processo de expulsão do esperma (ejaculação).

Como aumentar as chances de ter orgasmos múltiplos?

Agora que você compreendeu como o orgasmo funciona no corpo, aqui vão algumas dicas para aumentar as suas chances de vivenciá-los.

Tudo começa com o relaxamento

Para potencializar as sensações dos seus orgasmos, é importante que o relaxamento venha antes da excitação. 

Isso ocorre porque, ao encontrarmos um estado de relaxamento, reduzimos a atividade do neocórtex do nosso cérebro, região responsável pela nossa racionalização e tomada de decisão, e ampliamos a conexão com a porção límbica do nosso cérebro, por sua vez responsável pelo processamento das emoções, sensações e sentimentos. Ou seja, ampliamos nossa capacidade de sentir, e nossos orgasmos tem tudo a ver com esse potencial sensitivo.

Exploratória sensorial

Nosso corpo é inteiro erógeno e capaz de nos proporcionar sensações prazerosas. Antes de estimular diretamente a região do seu genital, esteja você sozinha ou acompanhada, desperte primeiramente o seu corpo para receber o prazer através de uma exploratória sensorial.

Você pode começar com um carinho com a ponta dos dedos que passa por todas as regiões do corpo, massagear seus cabelos, seios e coxas, e aí sim começar estimular a região externa da sua vulva, seus lábios externos, lábios internos e o seu clitóris.

Variação nos estímulos

Como existem muitas vias de acesso para a transmissão dos impulsos nervosos do prazer, uma das estratégias para obtenção dos orgasmos múltiplos é tanto variar nos estímulos que serão realizados quanto pensar em um grau de evolução para eles. Isso será particularmente interessantes caso você sinta muita sensibilidade na região estimulada depois do primeiro orgasmo.

É interessante também começar os estímulos com uma intensidade mais leve e nas suas regiões menos sensíveis, e gradualmente evoluir para uma intensidade mais forte e nas suas regiões mais sensíveis.

Estímulos diretos e indiretos

Se a princípio você obteve um orgasmo com estímulo direto na glande do clitóris, a pontinha mais visível que fica na região externa da vulva, você pode agora dar mais tensão e carga sexual para o seu corpo fazendo uma estímulo indireto no clitóris por dentro da vagina. 

O ponto G ou área G é justamente essa região de prazer com textura levemente rugosa, mais facilmente identificável quando você já está bastante excitada, e que encontra-se no começo da entrada da vagina. 

Você pode estimular essa região com a ponta dos dedos, por exemplo, pressionando levemente para cima e estimulando indiretamente o seu clitóris. Pode ainda combinar simultaneamente o estímulo direto e indireto com toque nas duas regiões, externa e interna.

Suas chances de vivenciar orgasmos múltiplos podem aumentar ainda mais se você começar utilizando apenas os seus dedos nos primeiros orgasmos, e evoluir no seu processo de tensão e carga sexual adicionando um estímulo na glande do seu clitóris com um vibrador clitoriano (os chamados bullets).

Outros estímulos que você poderá adicionar em seguida são a penetração e até mesmo estímulo da região anal, desde que estes sejam estímulos prazerosos para você.

Experimente-se sozinha

É extremamente interessante fazer esse processo de descoberta pessoal do seu prazer na sua individualidade. Primeiro sozinha para depois pensar em experimentar alguma coisa acompanhada. 

Através da masturbação você poderá conhecer melhor as suas possibilidades de prazer e descobrir suas zonas de maior ou menor sensibilidade sem a tensão de estar compartilhando o momento íntimo com outra pessoa. 

Assim, quando esse momento chegar, você estará muito mais consciente dos seus limites e daquilo que favorece ou desfavorece o seu prazer. Ou seja, a masturbação sozinha pode te ajudar a fortalecer a sua confiança e por consequência deixar o sexo a dois bem mais gostoso!

Leia também: Masturbação Feminina: como ter mais prazer com menos tabu?

Orgasmo clitoriano, orgasmo vaginal e orgasmo duplo

Algumas pessoas farão a distinção entre os tipos de orgasmo chamando um de orgasmo clitoriano, outro de orgasmo vaginal e a combinação entre os dois de orgasmo duplo.

Mas o fato é que todos eles são orgasmos clitorianos, o que muda é a região do clitóris que está sendo estimulada, acionando aquelas diferentes vias de conexão com o cérebro e consequentemente provocando sensações variadas de prazer.

Sendo assim, o ponto G se trata de um estímulo indireto no clitóris, qualquer outro ponto com qualquer outro nome, também se trata de um estímulo direto ou indireto no clitóris. É esse órgão potente, com suas diversas inervações e possibilidades de estimulação o que nos torna multiorgásticas. Por isso ele nunca pode ficar de fora quando o assunto é orgasmo múltiplo.

Conclusão

Mesmo entre as pessoas que experimentam essa sensação prazerosa, ter orgasmos múltiplos é algo raro e desafiador para a maior parte das mulheres e nunca deveria ser colocado como meta nas relações, ou pode acabar gerando muitas frustrações.

As mulheres que conseguem vivenciar os orgasmos múltiplos estão, em geral, mais conscientes do seu próprio corpo e da sua sexualidade.

Sabem o que gostam e o que não gostam na hora do sexo ou da autoestimulação. Mas isso não significa que elas tenham mais libido ou maior capacidade de sentir prazer do que as outras.

Afinal, vimos como a sensação do orgasmo é muito particular e única para cada pessoa.

No lugar de ter em mente metas e objetivos para o seu momento íntimo, é mais interessante pensar em criar as condições que favoreçam o seu prazer e a sua excitação.

E buscar se satisfazer e se divertir ao longo do processo, simplesmente.

Se os orgasmos múltiplos vierem, ótimo! Se não vierem, tudo bem, o importante mesmo é que a relação esteja gostosa e prazerosa para todos os envolvidos.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*