Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço?

Sputnik foi o nome que se deu para os primeiros satélites enviados pelos soviéticos no início do seu programa espacial.

Esses marcaram a história por terem inaugurado a era de exploração espacial quando lançaram o primeiro satélite artificial para a órbita terrestre, o Sputnik 1, lançado em outubro de 1957.

Esse evento, inclusive, marcou o início da corrida espacial.

Acesse também: Conheça mais sobre a história da Astronomia

Corrida espacial e Guerra Fria

Os soviéticos inauguraram a era da exploração espacial quando lançaram o satélite Sputnik 1, em 4 de outubro de 1957, dando início a corrida espacial.

A área da tecnologia e da exploração espacial foi um dos campos em que norte-americanos e soviéticos disputaram a hegemonia.

Essa disputa entre americanos e soviéticos pela exploração espacial está diretamente relacionada com a Guerra Fria.

A Guerra Fria, por sua vez, foi a disputa no campo político e ideológico realizada pelos Estados Unidos e pela União Soviética entre 1947 e 1991. Essa competição levou ambos países e buscarem impor a hegemonia sobre o mundo e não aconteceu somente na área de tecnologia, foi reproduzida em outros campos também.

Na área da tecnologia, a querela entre ambos logo os levou a investirem de maneira pesada no desenvolvimento de novas armas, porque a imposição da hegemonia mundial começava pelo poderio militar. Assim, os novos estudos promoveram o desenvolvimento de mísseis, bombas nucleares e termonucleares.

Logo, os estudos realizados no desenvolvimento de mísseis foram também utilizados para a exploração espacial. Isso abriu uma nova área de competição entre norte-americanos e soviéticos: a exploração do espaço que ficou conhecida como corrida espacial, que aconteceu de 1957 a 1975.

Leia também: Apollo 11: tudo sobre a missão que levou o homen à Lua

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

Programa espacial soviético

Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? Sergei Korolev foi o cientista que esteve por trás de todo o programa espacial soviético. (Crédito: Baka Sobaka e Shutterstock)

O programa espacial soviético nasceu após a Segunda Guerra Mundial, e nele, o grande nome foi o do cientista ucraniano chamado Sergei Pavlovitch Korolev. Esse dedicou-se principalmente a desenvolver mísseis nucleares e foguetes espaciais. Dos estudos de Korolev, nasceu o foguete Semiorka, também chamado R-7.

Foi Korolev que esteve por trás de inúmeros feitos importantes do programa, tais como o envio do primeiro satélite artificial, o Sputnik 1, e o envio do primeiro homem ao espaço, Yuri Gagarin, que esteve na órbita terrestre em 1961. O Semiorka foi o foguete responsável por levar o Sputnik ao espaço e conseguia transportar mais de 1000 kg para fora da órbita terrestre.

A decisão de utilizar o Semiorka para lançar o Sputnik 1 partiu da Academia de Ciências da União Soviética, em 1956. Isso, no entanto, foi resultado da persistência de Korolev, que pressionou o governo soviético para que investimentos fossem realizados no desenvolvimento do programa espacial do país.

Korolev havia chamado a atenção das lideranças soviéticas acerca da importância da produção de satélites artificiais já na década de 1940, mas sem sucesso.

Na década de 1950, em posse de um estudo de um cientista russo chamado Mikhail Tikhonravov e da informação que os norte-americanos estavam investido na área, Korolev conseguiu autorização para desenvolver um satélite.

Os argumentos de Korolev conseguiram convencer membros do alto escalão do governo que estavam interessados nas aplicações militares do uso de satélites.

Leia também: Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua

Programa Sputnik

Com o início da elaboração do satélite soviético, Korolev decidiu que o lançamento desse deveria acontecer antes do início do Ano Geofísico Internacional — um projeto científico internacional que promoveria importantes estudos sobre a Terra e que se iniciaria em 1º de julho de 1957.

Estudos para o desenvolvimento do satélite foram realizados entre 1955 e 1956, até que a autorização para a construção dele foi emitida em 30 de janeiro de 1956. O projeto inicial dos soviéticos nomeou o seu satélite de Objeto D e estipulava que este pesaria mais de 1000 kg. Korolev e Tikhonravov estiveram à frente de seu projeto de construção.

Tal projeto, porém, sofreu tantos atrasos que Korolev resolveu reformulá-lo e convencer o governo soviético a permitir o lançamento não de um, mas de dois satélites, porém com pesos bem menores em relação ao projeto inicial. Assim, determinou a criação de dois satélites que continham peso inferior a 100 kg.

O governo soviético foi convencido por Korolev sob o argumento de que era importante lançar o satélite primeiro que os norte-americanos, e isso fez com que seu novo plano recebesse aprovação em 15 de fevereiro de 1957. Com o plano revisado, alterou-se o nome dos satélites, que passaram a ser chamados de PS-1 e PS-2.

O PS-1 acabou sendo conhecido como Sputnik 1 e teve seu lançamento marcado para o dia 6 de outubro de 1957. Quando o primeiro satélite soviético ficou pronto, tinha as seguintes propriedades:

  • Era uma esfera com 58 centímetros de diâmetro;
  • Era pressurizado a 1,3 atmosferas para garantir o funcionamento de seus equipamentos internos;
  • Possuía transmissores de rádios funcionando em duas frequências;
  • Possuía quatro antenas;
  • Pesava 83,6 kg.

Korolev determinou o lançamento do Sputnik 1 para o dia 6 de outubro de 1957, mas ficou tão preocupado com a possibilidade dos norte-americanos lançarem um satélite primeiro que resolveu antecipar o lançamento para o dia 4. O Sputnik 1 acabou sendo lançado de uma base localizada em Tyuratam, no Cazaquistão, às 22h28min, no horário de Moscou.

Repercussão internacional

O lançamento do Sputnik foi um grande feito científico e, naturalmente, foi alvo de intensa repercussão em todo o mundo. A princípio, os soviéticos não se deram conta do próprio feito e a repercussão foi bem tímida. Só depois de um tempo que a imprensa soviética começou a perceber o efeito que o fato provocava.

Curiosamente, o país que mais deu atenção à proeza soviética foram os Estados Unidos. A informação foi veiculada em jornais importantes do país e resultou em uma reação pública considerável

O que criou um certo clima de alarde nos norte-americanos, pelo país estar sendo supostamente ultrapassado pelos soviéticos no avanço tecnológico. O presidente americano na época era Dwight Einsenhower, e ele sofreu críticas contundentes, inclusive de parlamentares do país, por supostamente permitir essa ultrapassagem.

Em 6 de dezembro de 1957, os norte-americanos realizaram o lançamento do satélite Vanguard, mas este foi um fracasso. O primeiro satélite americano só foi lançado em 31 de janeiro de 1958 e foi chamado Explorer 1. Outra reação norte-americana foi criar uma agência para coordenar o programa espacial do país, a Nasa, em 29 de julho de 1958.

Leia também: A Terra é plana?

Outros lançamentos soviéticos

Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? O foguete Vostok foi inaugurado em maio de 1960, com o lançamento do Sputnik 4. (Crédito: Shcherbakov Ilya e Shutterstock)

Após o lançamento do Sputnik 1, o programa soviético continuou e, ao todo, foram lançados 10 satélites nomeados como Sputnik. Resumiremos aqui algumas informações a respeito de cada um deles:

  • Sputnik 2: lançado em 4 de novembro de 1957, continha o primeiro ser vivo enviado ao espaço, a cadela Laika, que faleceu 10 dias depois do lançamento.
  • Sputnik 3: lançado em 15 de maio de 1958, era um satélite com mais de 1000 kg. Conseguiu confirmar a existência de um cinturão radioativo ao redor da Terra, o Cinturão de Van Allen.
  • Sputnik 4: lançado em 15 de maio de 1960, foi o responsável por inaugurar o novo foguete desenvolvido pelos soviéticos, o Vostok.
Leia também:  Como Descobrir O Numero Que A Pessoa Esta Pensando?

Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? Belka e Strelka foram duas cadelas que tripularam o Sputnik 5 e os primeiros seres vivos a serem trazidos com vida do espaço.*

  • Sputnik 5: lançado em 19 de agosto de 1960, enviou ao espaço duas cadelas, além de coelho, camundongos, ratos e pássaros. Todos os animais foram trazidos em segurança.
  • Sputnik 6: lançado em 1º de dezembro de 1960, continha dois cachorros, e uma falha na reentrada na atmosfera levou os soviéticos a decidirem por autodestruir o satélite, matando os animais.
  • Sputnik 7: lançado em 4 de fevereiro de 1961, era uma sonda que seria enviada à Vênus, mas uma falha no lançamento fracassou a missão.
  • Sputnik 8: lançado em 12 de fevereiro, também era uma sonda que seria enviada à Vênus, mas a comunicação com a sonda perdeu-se durante a viagem.
  • Sputnik 9: lançado em 9 de março de 1961, era tripulado com uma cadela, ratos e um porquinho-da-índia. Todos os animais foram recuperados com vida.
  • Sputnik 10: último lançamento com o nome Sputnik. Foi lançado em 25 de março de 1961 e era tripulado pela cadela Zvezdochka, que foi recuperada com vida.

*Crédito da imagem: Alexey Broslavets e Shutterstock

Publicado por: Daniel Neves Silva

Conheça a história da cadela Laika, que viajou ao espaço a bordo da Sputnik II

Em 3 de novembro de 1957, a cadela Laika era enviada ao espaço a bordo da Sputnik II, morrendo entre cinco e sete horas depois do lançamento, muito antes do esperado pela equipe russa. A causa mortis da tripulante canina só foi revelada depois de décadas, em 2002, como sendo fruto do estresse causado pelo superaquecimento da cabine ao entrar em órbita.

Até então, as autoridades locais contavam que Laika havia morrido sem sofrer traumas e cerca de uma semana após o lançamento, mas, hoje, sabemos que a história verdadeira não foi bem essa.

Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? Laika: boa garota em sua caminha espacial (Imagem: domínio publico)

Laika foi uma cadela sem raça definida, provavelmente mistura de husky siberiano com algum tipo de terrier da região. Ela tinha apenas três anos e pesava pouco mais de seis quilos quando foi capturada para servir ao programa espacial russo. Antes disso, ela vivia pelas ruas de Moscou. 

Uma confluência de motivos fez com que Laika fosse considerada a tripulante certa para o Sputnik II: o seu porte era adequado ao tamanho da cabine, ela não contava com a saúde frágil de cães com pedigree e tinha um temperamento dócil e calmo, além de seu pelo liso e curto ser capaz de segurar melhor os sensores necessários à operação.

Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? Monumento em homenagem à cadela Laika em Moscou (Imagem: Reprodução/Flickr/James Vaughan)

O que muita gente não sabe é que Laika não foi o primeiro mamífero enviado para fora do planeta.

Em 4 de junho de 1949, Albert II, um macaco, chegou a atingir 134 km de altitude antes de morrer por conta de impactos na aeronave que o carregava. Albert I, o macaco antecessor a ele, morreu durante o lançamento do foguete V-2.

Outros dois macaquinhos, Albert III e IV, também foram mártires espaciais, morrendo durante lançamentos de seus foguetes devido a falhas nos paraquedas.

Os gateiros podem contar vantagem, entretanto. Félicette, a primeira gata a dar um rolê espacial, teve eletrodos implantados na pele do seu corpo, que transmitiam suas condições de saúde à equipe francesa que a enviou, em 18 de outubro de 1963, à altitude de 160 km. Ela voltou à superfície da Terra em segurança.

Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? Félicette, a gatinha espacial francesa que sobreviveu à jornada (Imagem: domínio público)

Mas, voltando à história de Laika… Hoje, a notícia faz marejar os olhos de muitos por conta da cadelinha que morreu em angústia no espaço sideral, mas a verdade é que o lançamento significou um avanço tecnológico sem precedentes naquela época, durante a Corrida Espacial entre União Soviética e Estados Unidos, em plena Guerra Fria.

Mesmo que tenha sobrevivido por apenas algumas horas, a contribuição involuntária desta cadela foi gigantesca para a ciência espacial de sua época — com isso, os soviéticos conseguiram provar que um organismo vivo seria capaz de tolerar o ambiente espacial, fora da gravidade terrestre. Isso pavimentou o caminho para que os primeiros seres humanos fossem, mais tarde, lançados por meio de foguetes rumo ao espaço. A missão Sputnik II deu 2.570 voltas ao redor da Terra, sendo queimada durante a reentrada na atmosfera.

*Matéria originalmente publicada em 03/11/2017; atualizada e republicada em 27/08/2020

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Sputnik, Laika e Gagarin

Quatro de outubro de 1957 foi o dia em que a humanidade acordou para o espaço. Pela primeira vez, a Terra tinha um astro companheiro em órbita de si que não era produto direto da natureza – um satélite artificial.

O lançamento do Sputnik, conduzido pela antiga União Soviética, deu início à chamada corrida espacial. Ninguém sabia direito o que estava por vir, é verdade.

Tanto que, na edição do dia seguinte do Pravda, o jornal oficial soviético, nem foi a manchete principal: só saiu no pé da primeira página.

Nem mesmo o premiê soviético, Nikita Kruschev, se tocou da importância do negócio. Mais tarde, ele relembraria o episódio assim: “Quando o satélite foi lançado, eles me telefonaram dizendo que o foguete tinha tomado o curso correto e que o satélite já estava girando em torno da Terra. Eu parabenizei o grupo de engenheiros e técnicos nesse feito impressionante e calmamente fui para a cama.”

Nos EUA, contudo, a reação foi muito diferente. O jornal The New York Times da mesma data estampou o lançamento com uma manchete de três linhas em letras garrafais: Soviéticos disparam satélite terrestre para o espaço; está circulando o globo a 18 mil milhas por hora; esfera é rastreada em quatro passagens sobre os EUA.

A reação foi de choque, no que ficou conhecido como “efeito Sputnik”. Pela primeira vez, desde o início da Guerra Fria, os americanos se sentiam em inferioridade tecnológica (e militar) comparados aos soviéticos.

Diante de tamanha comoção, o grupo de engenheiros e cientistas liderado por Sergei Korolev, o pai do programa espacial russo, não perdeu o timing.

Menos de um mês depois, em 3 de novembro daquele ano, voaria o Sputnik 2, transportando a bordo a cachorrinha Laika – era a sinalização de que a União Soviética pretendia levar humanos ao espaço. E, de lá, poderia sobrevoar os Estados Unidos quanto quisesse.

Sem falar que foguetes capazes de colocar espaçonaves em órbita também poderiam transportar com facilidade bombas nucleares até o outro lado do mundo, sem grande demora ou impedimento.

Leia também:  Como Saber Quem É Proprietario De Um Imovel?

Continua após a publicidade Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? A cadela Laika, que voou no satélite Sputnik 2. Sovfoto/Getty Images

O governo americano precisava responder. Por ordem do presidente Dwight Eisenhower, o programa de satélites foi acelerado, e a primeira tentativa de responder ao Sputnik veio em 6 de dezembro de 1957. Diante das câmeras, o foguete Vanguard subiu por apenas dois segundos antes de despencar e explodir sobre a plataforma. Papelão.

E o que você faz quando seu foguete falha? Chama o Meirelles? Não, chama o Von Braun.

Werhner von Braun, criador dos foguetes V-2 que bombardearam Londres para a Alemanha nazista durante a Segunda Guerra, havia sido trazido aos Estados Unidos e “desnazificado” pela Operação Clipe de Papel, junto com muitos outros cientistas importantes, e estava trabalhando na Agência de Mísseis Balísticos do Exército em Huntsville, Alabama. Ele preparou às pressas uma nova tentativa de lançamento, com seu novo foguete Jupiter-C, e em 31 de janeiro de 1958, partindo de Cabo Canaveral, o satélite americano Explorer 1 atingia sua órbita. Sob o governo Einsenhower, em 29 de julho de 1958, era fundada a Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço – hoje todo mundo só chama de Nasa. Sua principal missão: responder à União Soviética e preparar astronautas americanos para seus primeiros voos espaciais.

Apesar da dianteira soviética, o satélite americano Explorer 1 foi o primeiro a detectar os cinturões de radiação que existem ao redor da Terra.

O preço político de sair atrás na corrida espacial foi alto. Em 1960, os republicanos perderam a eleição para um jovem senador democrata de Massachusetts, John F. Kennedy, sob o argumento de que havia um atraso inaceitável na tecnologia americana de mísseis.

A União Soviética, contudo, manteria a dianteira. Em 12 de abril de 1961, antes que qualquer americano atingisse o espaço, o piloto russo Yuri Gagarin, nascido numa fazenda comunal nos arredores de Moscou, completaria uma órbita ao redor da Terra a bordo da nave Vostok 1, tornando-se o primeiro humano a deixar seu planeta de origem – ainda que por pouco mais de uma hora e meia.

Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? Yuri Gagarin, o primeiro humano no espaço. SAS/Getty Images

Kennedy então chamou ao pé do ouvido o administrador da Nasa, James Webb, e perguntou: qual meta seria tão difícil que teríamos chance de chegarmos primeiro que os russos? A resposta você pode imaginar qual foi. Estava aberta a corrida para a Lua.

Continua após a publicidade

  • astronautas
  • corrida espacial
  • Iuri Gagarin
  • União Soviética

Sputnik 1: O primeiro satélite a orbitar a Terra

Sputnik foi o nome do programa, desenvolvido pelos soviéticos, responsável por enviar o primeiro satélite artificial, nomeado Sputnik 1, para a órbita terrestre em 1957. Esse acontecimento foi resultado de anos de estudos realizados por cientistas do país e um marco histórico, porque é considerado o evento que iniciou a corrida espacial.

Acesse também: Apollo 11, a expedição que levou o homem à Lua

Contexto

O lançamento do Sputnik 1, o primeiro satélite artificial produzido pelo programa soviético, aconteceu em 4 de outubro de 1957 e deu início à corrida espacial. Esse acontecimento foi um dos capítulos que marcou a Guerra Fria, a disputa político-ideológica travada por norte-americanos e soviéticos a partir de 1947.

Durante essa guerra, norte-americanos e soviéticos disputaram a hegemonia mundial, e essa disputa resultou na polarização do mundo e no surgimento de grandes blocos de apoio para cada um desses países. O resultado dessa polarização e da busca pela hegemonia foi que norte-americanos e soviéticos disputaram o domínio em diferentes áreas.

A disputa pelo poder bélico foi uma dessas áreas e levou americanos e soviéticos a investirem no desenvolvimento de mísseis e de armamentos mais potentes, como bombas nucleares e termonucleares. A produção de novos mísseis e foguetes acabou também repercutindo no investimento tecnológico para a exploração espacial.

Saiba mais: Bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

Os soviéticos, assim como os norte-americanos, tiveram contato com os detalhes de um programa alemão que resultou na produção do primeiro míssil balístico da história e usaram isso para desenvolver seus próprios programas. Isso levou a grandes avanços na área de produção de mísseis e foguetes após a Segunda Guerra Mundial.

Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? Sergei Korolev foi o cientista responsável pelo projeto que levou os soviéticos a lançarem o primeiro satélite.

No caso dos soviéticos, grande parte desses avanços foi realizada pelo cientista ucraniano Sergei Pavlovitch Korolev, que, a partir de 1946, dedicou-se a programas que produziam mísseis nucleares e foguetes espaciais. Da pesquisa conduzida por Korolev, nasceu o Semiorka, um foguete que conseguia transportar um peso de até 1300 kg.

O Semiorka foi aprovado para lançar o primeiro satélite soviético, em 1956, pela Academia de Ciências da União Soviética.

No entanto, esse acontecimento só se deu, primeiramente, pela contribuição científica de Korolev para o desenvolvimento tanto do satélite quanto do foguete e, principalmente, porque ele foi o responsável por convencer o governo soviético da importância de investir nesse programa.

Korolev utilizou de um estudo sobre satélites realizado por Mikhail Tikhonravov e conseguiu convencer o alto escalão do governo soviético de que investir no desenvolvimento de satélites poderia ter relevante papel nas questões militares. Além disso, foi do conhecimento do governo soviético que os norte-americanos já promoviam estudos na área.

Leia também: Por que o homem ainda não voltou à Lua?

Projeto Sputnik

Em 1952, um projeto internacional de cientistas anunciou que 1957 seria o Ano Geofísico Internacional, com o objetivo de que diferentes países do planeta reunissem esforços a fim de realizar estudos importantes para o entendimento dos fenômenos terrestres. Os soviéticos estipularam que seu satélite deveria ser lançado antes do início desse marco.

Entre 1955 e 1956, os soviéticos realizaram uma série de estudos para viabilizar o projeto de envio do satélite para o espaço, e, em 30 de janeiro de 1956, foi aprovado pelo governo a criação desse satélite que, a princípio, recebeu o nome de Objeto D. Esse projeto, no entanto, sofreu inúmeros atrasos, e Korolev resolveu reformulá-lo.

Em vez de lançar um satélite com mais de 1000 kg, Korolev convenceu o governo soviético a lançar dois satélites com um peso menor de 100 kg, sob o argumento de que era necessário enviar o satélite primeiro que os norte-americanos. Apesar de três fracassos iniciais, Korolev conseguiu dois testes de sucesso e obteve autorização para lançar o PS-1, que ficou depois conhecido como Sputnik 1.

O lançamento do Sputnik 1 ficou marcado para o dia 6 de outubro de 1957, mas, como Korolev estava temeroso de que os norte-americanos lançassem seu satélite primeiro que os soviéticos, ele optou por antecipar o lançamento para o dia 4. O Sputnik 1 foi lançado da base localizada em Tyuratam, no Cazaquistão, às 22h28m no horário de Moscou.

O Sputnik 1 tinha 83,6 kg, com um diâmetro de 58 cm, e foi produzido de uma liga de alumínio. As antenas do Sputnik 1, responsáveis por enviar o sinal de rádio, tinham 2,4 m e 2,9 m de comprimento.

Leia também:  Como Recuperar Um Doc Do Word Que Não Foi Salvo?

Leia também: Mitos e verdades sobre a chegada do homem na Lua

Repercussão nos EUA

O lançamento do Sputnik 1 foi um grande feito científico e surtiu grande repercussão no mundo e na própria União Soviética.

A princípio, a maior repercussão deu-se nos Estados Unidos, e a opinião pública voltou-se contra o presidente dos Estados Unidos, Dwight Eisenhower, acusando-o de permitir que os EUA fossem tecnologicamente ultrapassados pelos soviéticos.

Os norte-americanos pretendiam responder o feito soviético com o lançamento de um satélite do projeto Vanguard.

O primeiro teste feito por eles aconteceu em 6 de dezembro de 1957 e foi um desastre, pois o foguete que transportava o satélite explodiu.

Só em janeiro de 1958 que os norte-americanos conseguiram lançar seu primeiro satélite: o Explorer 1.

Depois do lançamento do Explorer 1, o primeiro satélite norte-americano, o governo dos Estados Unidos ordenou a criação da National Aeronautics Space Administration, mais conhecida comoNASA. É essa agência que coordena todas as atividades relacionadas com o espaço desde 1958.

Outras missões

Como Se Chamava O Satélite Artificial Em Que A Cadela Laika Foi Enviada Para O Espaço? A cadela Laika foi o primeiro ser vivo a ser enviado ao espaço durante a missão do Sputnik 2.

Em 4 de novembro de 1957, os soviéticos lançaram o Sputnik 2, e com este alcançaram um novo feito: enviaram o primeiro ser vivo ao espaço. O Sputnik 2 pesava cerca de 508 kg e levou a cadela Laika ao espaço.

O módulo que transportava a cadela não havia sido projetado para retornar à Terra, e os cientistas soviéticos sabiam que, ao enviá-la, estavam sentenciando a cadela à morte. Depois de 10 dias, Laika faleceu em decorrência do superaquecimento da estrutura do Sputnik 2, e essa informação foi mantida em segredo até o fim da União Soviética, em 1991.

Em 15 de maio de 1958, foi lançado o Sputnik 3, satélite soviético de 1327 kg.

Esse satélite confirmou uma descoberta feita pelos norte-americanos: a existência de um cinturão radioativo ao redor da Terra conhecido como Cinturão de Van Allen.

O Sputnik 4 foi lançado em 15 de maio de 1960 e inaugurou o uso de um novo foguete, o Vostok.

O Sputnik 5 enviou dois cachorros (Belka e Strelka) para o espaço em 19 de agosto de 1960.

Ambos foram trazidos com vida para a Terra no dia seguinte.

O Sputnik 6 enviou mais dois cachorros (Ptsyolka e Mushka) ao espaço em 1º de dezembro de 1960, mas uma falha levou ambos à morte.

Sputnik 7 e 8 foram duas sondas enviadas para entrarem na órbita de Vênus. A primeira foi enviada em 4 de fevereiro de 1961, mas houve falha no lançamento e a missão fracassou. A segunda, por sua vez, foi lançada em 12 de fevereiro de 1961, mas a sonda perdeu contato com a Terra depois de viajar milhões de quilômetros no espaço.

Sputnik 9 e 10 tornaram a enviar cachorros para o espaço. Sputnik 9, lançado em 9 de março de 1961, tinha, além da cadela Chernuska, alguns camundongos e um porquinho-da-índia.

Sabe-se que a cadela retornou à Terra com vida. A última missão Sputnik foi realizada com a nave Sputnik 10, lançada em 25 de março do mesmo ano, com a cadela Zvezdochka. Esta foi recuperada com vida.

  • *Crédito da imagem: Alexey Broslavets e Shutterstock **Crédito da imagem: neftali e Shutterstock ***Crédito da imagem: fmua e Shutterstock Por Daniel Neves
  • Graduado em História

Envio da cadela Laika ao espaço completa 50 anos

Há 50 anos, no dia 3 de novembro de 1957, a cadela Laika tornou-se o primeiro ser vivo a entrar em órbita ao ser enviada ao espaço a bordo de uma cápsula soviética. Ela abriu simbolicamente – pagando com a vida – o caminho das estrelas para os seres humanos.

Um mês depois de ter lançado, em 4 de outubro, o primeiro satélite artificial da Terra, o Sputnik-1, uma esfera de 83 quilos repleta de antenas, os soviéticos enviaram o Sputnik-2, mais pesado (508 quilos) e mais complexo.

Uma cadela viva estava a bordo da cabine pressurizada.

O objetivo era duplo: confirmar, em um momento em que se aproximava o 40º aniversário da Revolução de 1917, a superioridade da tecnologia da então União Soviética em relação à de seus adversários norte-americanos, e verificar se um organismo vivo podia suportar as condições espaciais.

A cadela se chamava Kudriavka, mas se tornou famosa sob o nome de Laika. Conta-se hoje que a pequena vira-lata com ares de fox-terrier foi capturada nas ruas de Moscou antes de ser enviada ao espaço.

No dia 3 de novembro de 1957, às 22h28 no horário local, Kudriavka-Laika, vestida com um macacão cheio de captores para transmitir seus batimentos cardíacos, pressão arterial e freqüência respiratória e colocada diante de uma câmera, deixou a Terra para uma viagem sem volta.

Boatos – De acordo com as informações oficiais, Laika agüentou bem a missão, em uma altitude de 1.600 quilômetros. Houve, porém, incertezas sobre seus últimos momentos de vida.

Alguns diziam que a cadela morreu tranqüilamente em razão de veneno colocado em sua última ração, e outros explicavam sua morte pelo fim das reservas de oxigênio na cápsula espacial.

Oficial – Foi preciso esperar 45 anos e um congresso sobre o espaço nos Estados Unidos, em 2002, até que um dos organizadores da missão, Dmitri Malashenkov, do Instituto de Biomedicina de Moscou, revelasse que Laika havia falecido após algumas horas de sofrimento logo depois da decolagem do foguete.

Assustada com os barulhos e as vibrações do foguete na hora do lançamento, a cadela ficou desesperada: seu coração bateu três vezes mais rápido que o normal. Quando o foguete ficou em órbita, Laika se acalmou, mas problemas técnicos insuperáveis surgiram.

A isolação térmica da cabine havia sido parcialmente arrancada na hora do lançamento. Depois de quatro horas, a temperatura a bordo atingiu 41°C e continuou subindo. Passadas cinco horas, Laika não deu mais sinal de vida.

Seu túmulo celeste girou em cima da Terra até o dia 14 de agosto de 1958, quando se consumiu na atmosfera.

A missão foi um fracasso parcial, mas seus ensinamentos permitiram enviar outros cães ao espaço e, sobretudo, trazê-los de volta para a Terra sãos e salvos. O acesso do homem ao espaço se tornou realidade com o vôo de Yuri Gagarin, no dia 12 de abril de 1961. (Folha Online)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*