Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?

Minas Gerais é o estado com maior número de cavernas conhecidas no Brasil. Além disso, a região dos municípios de Arcos, Pains e Doresópolis, no Centro-Oeste mineiro, tem 2.500 cavernas, a maior concentração da América Latina.

Somos ricos em moradas subterrâneas que abrigam curiosas espécies de animais, além de guardar mistérios sobre a vida natural. Convidamos você a explorar a diversidade da escuridão. E ai, topa?

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?Cavernas Graníticas no Leste de Minas Gerais. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea

O que é uma caverna?

Caverna é um ecossistema frágil e delicado.  Ela é formada por canais horizontais, verticais com fraturas e fendas nas rochas. O fundo das cavernas é um ambiente escuro onde não crescem plantas e vivem animais em condições muito restritas. São locais extremamente úmidos e com temperaturas que não variam muito.

Nesses ambientes subterrâneos existem animais pequenos, que gostam de viver isolados e levam uma rotina bem diferente das espécies de superfície. São geralmente de cor branca e cegos. O sentido da visão é quase desnecessário a eles, por causa do escuro, mas esses bichos desenvolvem um olfato muito aguçado.

Aranha troglóbia que vive em cavernas de ferruginosas de MG. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea

Vida subterrânea

Nas cavernas é possível encontrar peixes, aranhas, pássaros, morcegos, baratas, cigarras, invertebrados variados, além de muitos fungos e bactérias. O professor dr.

Marconi Souza Silva, na Universidade Federal de Lavras (UFLA), investiga os ambientes subterrâneos.

Junto com a equipe do Centro de Estudos em Biologia Subterrânea, ele entra nas cavernas para conhecer e estudar os animais que lá vivem.

Barata troglóbia que vive em cavernas de quartzíticas do Sul de Mias Gerais. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea

Veja mais fotos de animais na  site do centro de estudos.

De acordo com o professor, as espécies têm hábitos para ambiente escuro e preferem o sossego das cavernas. Algumas aparecem também na superfície, mas outras ficam para sempre no mundo subterrâneo.

O professor conta, por exemplo, que em grutas do Parque Estadual do Ibitipoca, na Zona da Mata de Minas, há um tipo de barata que se isolou e vive somente nas moradas subterrâneas. No Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, no Norte de Minas, onde há grutas bonitas e volumosas, vivem peixes cegos que habitam o local há muitos anos.

Riquezas de Minas

O Brasil tem 15 mil cavernas conhecidas sendo que 6 mil estão em Minas Gerais. Em uma das pesquisas do professor Marconi foram estudadas 51 cavernas, onde os cientistas encontraram 22.960 animais invertebrados.

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?Morcego predador que vivem em cavernas. Nome científico: chrotopterus auritus. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea

Durante esse trabalho, a equipe visitou cavernas em São Thomé das Letras, Carracas, Itamonte, Andrelândia, Paraisópolis, Campestre, Munhoz, Santa Rita de Ibitipoca, Lima Duarte, entre outros municípios e distritos.

Em Minas, há muita diversidade de rochas, por isso é possível encontrar cavernas de origens carbonáticas, ferruginosas, areníticas, quartizíticas, graníticas. Esses nomes diferentes estão relacionados ao material que forma a rocha podendo ser calcário, arenito, ferro, entre outros.

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?Cavernas Ferruginosa no quadrilátero ferrífero, Região Central de Minas. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea

Como os cientistas pesquisam cavernas?

O grupo de pesquisa coordenado pelo professor Marconi tem cerca de 30 pessoas, que fazem expedições às cavernas para coletar material. Munidos de botas, capacetes e lanternas, eles se cuidam para garantir a segurança em cada entrada. Algumas grutas exigem que os cientistas façam rapel para entrar.

Depois do trabalho de campo, os pesquisadores encaram horas de trabalho nos laboratórios para entender detalhes sobre os animais encontrados nas grutas. Eles fazem até estudos genéticos desses bichinhos.

Também é papel dos cientistas lutar para preservar as cavernas. Por isso, levantam conhecimento sobre a vida subterrânea para que toda a sociedade saiba da necessidade de proteger e conservar esses espaços.

Se você quer trabalhar explorando as cavernas, saiba que é uma área em crescimento e carente de profissionais. De acordo com o professor Marconi, os ambientes subterrâneos são ricos para estudos de biologia, geologia, história, arqueologia, entre outras ciências.

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?Animal que vive em cavernas de Pains. Nome científico: crustacea isopoda. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea

Mais ciência nas cavernas

Além de importantes porque guardam uma variedade de espécies de animais, as cavernas armazenam micro-organismos que podem ser usados na produção de remédios, como já acontece nos EUA.

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?Andorinhão-de-coleira encontrada em cavernas no Sul de Minas Gerais. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea

Há cientistas também que estudam o comportamento de animais das cavernas, em pesquisas de cronobiologia, para definir reações dos organismos em um local onde não é possível separar noite e dia.

Diferente da nossa rotina, em que existe período de claridade e escuridão, lá nas profundezas das grutas, tudo é escuro o tempo todo.

Na França, há cientistas e produtores rurais usando as cavernas para maturar queijos. Alguns tipos de queijo são enriquecidos por fungos e bactérias.

Em breve a Revista Minas Faz Ciência Infantil trará uma matéria especial sobre o mundo vivo que há dentro dos queijos. Não deixe de ler!

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?Caverna no Parque Estadual do Ibitipoca. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?Caverna no Parque Estadual do Ibitipoca. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?Caverna na cidade de Pains. Foto: Centro de Estudos em Biologia Subterrânea

Polvos. Curiosidades sobre os polvos

O polvo é um molusco que se caracteriza por possuir corpo mole com oito tentáculos saindo da cabeça. Encontrados em ambientes marinhos, os polvos são animais que vivem solitários, escondidos entre pedras e grutas, e procuram algum parceiro somente na época de sua reprodução. Têm o peso variando de 3 a 40 Kg, e podem atingir até três metros de comprimento.

Animais que se alimentam de peixes, crustáceos e outros animais invertebrados, os polvos possuem olhos muito bem desenvolvidos, semelhantes aos olhos dos animais vertebrados, o que ajuda na fuga e também na captura de alimento.

Os tentáculos dos polvos possuem duas fileiras de ventosas adesivas que são utilizadas na locomoção e na captura de presas. Além disso, na ponta de cada tentáculo há células especializadas em captar cheiros.

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad? As ventosas dos polvos ajudam-no na locomoção e na captura de alimentos

Na época da reprodução, a fêmea do polvo libera um hormônio na água para atrair o macho. Após o acasalamento, a fêmea põe os ovos, cerca de 150 mil, no interior de uma caverna, e fica cuidando para que eles não sejam predados. Durante o tempo em que a fêmea fica vigiando seus ovos, ela não se alimenta e, por esse motivo, morre logo depois que os filhotes saem dos ovos.

Leia também:  Como Saber Qual A Potencia De Electricidade A Contratar?

Esse animal possui várias formas de se defender de seus predadores: uma delas é a liberação de uma tinta escura para despistar o inimigo enquanto foge. Em outras vezes, quando o inimigo consegue prender um dos tentáculos do polvo, ele deixa esse tentáculo com o inimigo e foge em disparada. Dias depois, outro tentáculo nasce no lugar do que foi arrancado.

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad? Quando se sentem ameaçados, os polvos soltam tinta para despistar o predador

Outra forma que o polvo utiliza para se defender é a camuflagem. Em questão de segundos esse animal é capaz de mudar completamente de cor, ficando com as mesmas cores da areia ou de uma pedra, enganando seus predadores e também suas presas.

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad? A camuflagem é um meio de defesa dos polvos

Há uma espécie de polvo chamada de polvo-véu que utiliza uma forma muito interessante de defesa. Quando se sente ameaçado por algum animal, ele desenrola uma grande membrana que se espalha e ondula na água como se fosse uma capa, dando a impressão de que o animal é muito maior, o que acaba afugentando os predadores.

  • Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad? A membrana que o polvo-véu desenrola deixa o animal com aparência muito maior
  • Por Paula Louredo
  • Graduada em Biologia

Vivendo no escuro: os animais das cavernas

Desde a Pré-história as cavernas (ou grutas) já são conhecidas pelos homens, seja como abrigo ou por motivos religiosos (o que acontece até hoje). Mas, o que atualmente vem despertado mais interesse para nós são os organismos que lá vivem, desde seres que utilizam esses ambientes como abrigo até outros que são exclusivos deles.

Os animais mais conhecidos encontrados nas cavernas são os morcegos, os quais ficam abrigados lá dentro até o anoitecer, para depois saírem e se alimentar. Esses animais são chamados de troglóxenos, que vivem parte do dia no ambiente externo e parte no subterrâneo, principalmente para se abrigar. 

Não apenas os morcegos são considerados troglóxenos, Mócos (Kerodon rupestris), Andorinhões (Apodidae) e até invertebrados possuem tal hábito.

Morcegos, os troglóxenos
mais conhecidos em cavernas.

Outro grupo de animais que freqüentam as cavernas refere-se àqueles que vivem tanto dentro quanto fora, que são os troglófilos (em tradução livre: aqueles que tem afinidade por cavernas). Esses seres, que compõe a grande parte da fauna no ambiente, vivem sem problema nenhum dentro das cavidades, e para isso podem possuir algumas pré-adaptações.

Como por exemplo, serem fotofóbicos (aversão a luz). Alguns grupos de aranhas (e.g. Uloboridae, Theridiidae, Pholcidae), diplópodes (e.g. Pseudonannolene, Spirobolida, Polydesmida), lacraias (e.g. Geophilomorpha, Scolopendromorpha) e insetos (e.g.

Coleoptera, Diptera, Lepidoptera, Psocoptera, Orthoptera, Hemiptera) possuem espécies consideradas troglófilas. 

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?

Por último, há animais que podem ser restritos às cavernas, chamados de troglóbios. Tais seres possuem uma característica importante compartilhada entre si, que é a exclusividade nesse ambiente, isto é, a espécie nunca será encontrada fora das cavernas.

Neste grupo, algumas modificações estão presentes, isto é, as pré-adaptações que levaram os organismos a viverem no subterrâneo foram potencializadas para a vida nesse novo ambiente, assim levando o organismo a possuir formas adeptas às cavidades, chamando-os também de troglomórficos.

As aranhas, como Enoploctenus spp., são consideradas
troglófilas.

Por exemplo, tais animais tendem a perder o aparato ocelar, às vezes chegando até a anoftalmia, possuem uma redução acentuada na pigmentação (diferente de albinismo) e alongamento de apêndices (sensoriais como antenas ou locomotores como pernas). Existem também modificações fisiológicas, como a redução da taxa metabólica basal e até longevidade.

O primeiro animal troglóbio conhecido, um vertebrado, foi a salamandra Proteus anguinus, um anfíbio totalmente cego e despigmentado encontrado em águas subterrâneas nos carstes dináricos. O primeiro invertebrado foi um Coleoptera (besouro) encontrado nas cavernas da Eslovênia, Leptodirus hochenwartii, com pernas e antenas alongadas, ausência de pigmento e redução dos olhos.

No Brasil exemplos é o que não faltam. Existem peixes cegos troglóbios (Stygichthys typhlops, Ancystrus cryptophthalmus, Pimelodella kronei, entre outros), Besouros (e. g. Coarazuphium pains), Baratas (e. g. Litoblatta camargoi), diplópodes (e.g. Glomeridesmus spelaeus e Pseudonannolene spelaea) e diversos outros insetos, aranhas, crustáceos e lacraias.

 

Proteus anguinus, o primeiro troglóbio conhecido. Leptodirus hochenwartii, o primeiro
invertebrado, e Astyanax mexicanus o lambari.

Atualmente no nosso país, a partir do decreto lei n° 6.640, todas as cavernas brasileiras podem ser destruídas, principalmente por atividades de mineradoras.

Exceção é feita para cavidades que possuem animais raros (como os troglóbios) que são categorizadas como de relevância máxima para preservação (outros critérios, como os geológicos, também possuem força na categorização).

Portanto, a presença de animais nesses ambientes excede a curiosidade e admiração. De fato, os peixes, besouros, aranhas e muitos outros podem ajudar, e muito, a conservação das cavernas!

Este post foi escrito por Luiz Felipe Moretti – Veja outros posts de Felipe.

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?

 

Biodiversidade nas cavernas

POR: novaescola 02 de Setembro | 2017

  • Compreender como ocorre a formação de cavernas
  • Despertar o interesse para a pesquisa sobre a biodiversidade em cavernas
  • Reconhecer a existência de biodiversidade dentro de cavernas
  • Reconhecer as particularidades dos seres vivos que habitam cavernas

Conteúdo(s) 

  • Formação de cavernas
  • Diversidade de fauna em cavernas
  • Manutenção da biodiversidade em cavernas

Ano(s) 

1º, 2º, 3º, 4º, 5º

Tempo estimado 

Quatro aulas

Material necessário 

  • Cadernos
  • Lápis
  • Canetas
  • Borrachas
  • Lápis de cor
  • Canetas hidrográficas
  • Papel pardo
  • Cola branca
  • Cópias de imagens
  • Computador com acesso à internet
  • Dicionários de Língua Portuguesa

Desenvolvimento 

Conceitos importantesCarste – tipo de paisagem criada pela água quando a chuva ou os rios recebem substâncias químicas presentes no ar ou em solos cobertos por vegetação abundante. Essas águas adquirem, então, a capacidade de dissolver lentamente determinados tipos de rochas, como o calcário, formando cavernas, rios subterrâneos.

Cavernas – uma caverna pode ser definida como um leito natural subterrâneo e vazio, podendo se estender vertical ou horizontalmente e apresentar um ou mais níveis. Com o passar do tempo, as cavernas vão se alargando, chegando a formar salões altos.

Os rios subterrâneos são de grande importância no transporte de alimentos para os seres vivos que ali habitam, além de transportarem sedimentos como areia e argila que formam o solo das cavernas. Todas as formas de acumulação encontradas nas cavernas recebem o nome genérico de travertino.

Existem também, dentro das cavernas, um entremeado de câmaras e passagens estreitas.

Espeleotemas – são formações minerais que ocorrem em cavernas, como estalactites, estalagmites, colunas, cortinas, entre outras. Apresentam cores, formas e dimensões que dependem da morfologia de cada gruta, do tipo de mineral depositado e do mecanismo de deposição.

Estalactites e estalagmites – são dois tipos de espeleotemas. O principal mineral formador desses e de outros espeleotemas é a calcita. As estalactites e as estalagmites se formam com o gotejamento de água saturada em calcita, ao longo de sua infiltração em rochas calcárias.

A estalactite forma-se do teto para baixo, pela superposição de anéis de calcita. E a estalagmite “cresce” do piso da caverna para cima, bem embaixo da estalactite, com o gotejamento de água saturada em calcita que se precipita da estalactite. Quando a estalactite se junta com a estalagmite, forma-se um outro espeleotema chamado coluna.

A velocidade de crescimento das estalactites varia entre 0,01 mm a 3 mm por ano.

Cascatas – ao escorrer pela parede rochosa da gruta, a água vai depositando calcita durante seu percurso descendente. Tais depósitos são denominados cascatas, devido a sua forma e cor, geralmente alvíssima.

Essas superfícies normalmente são lisas.

Constituem um depósito uniforme da parede até o chão da gruta; porém, em alguns casos, pode terminar por estalactites formadas a partir das bordas, dando um aspecto semelhante ao de um órgão.

Fonte: Ambiente Brasil Introduza o assunto sobre cavernas questionando os alunos sobre o que sabem sobre cavernas. Podem ser feitas as seguintes perguntas para a turma: o que são cavernas? Como imaginam uma caverna? Quem já esteve em uma caverna? Como foi, o que pôde observar? Deixe que exponham suas impressões e anote as respostas no quadro para produzir uma lista de palavras-chave. Releia com eles essa seleção de termos, que será revista ao final desta sequência com uma discussão sobre quais eram as impressões iniciais e o que foi apreendido com as atividades.

Leia para a turma o texto que segue. Peça novamente que anotem as palavras desconhecidas, para procurar seus significados.

Texto para o aluno Cavernas: o fascinante Brasil subterrâneo Não se visitam cavernas impunemente. Ali tudo é diferente, belo e novo. Como uma das últimas “fronteiras” de nosso planeta, pode-se ainda experimentar o prazer incomum de penetrar em recantos onde nenhum outro ser humano adentrou sem pegadas à frente. Nesses mundos de silêncio e trevas não há estações do ano, a vegetação superior inexiste por falta da luz solar e o próprio tempo parece fossilizar-se. Um lugar onde é tanto o silêncio, que nosso cérebro, com seus irrequietos neurônios, faz-se ouvir como se fosse uma fábrica, fabricando sonhos. Ali, nossa imaginação é pequena perante os belos e intrincados cristais de pedra que imitam flores e crescem em todas as direções, perante animais albinos e cegos que vencem todas as hostilidades do meio: é a vida insistindo mesmo onde a luz desistiu de chegar. Tudo isso se expondo além dos grandes pórticos ou de simples e estreitos orifícios na montanha. Assim, pela sensibilidade, pela curiosidade cientifica e pela atração da beleza, somos contaminados inevitavelmente pelo chamado “vírus espeleológico”, uma espécie de febre benigna que apresenta entre seus sintomas a necessidade de se conhecer novas cavernas, estudá-las, sistematizar esses conhecimentos e divulgá-los contaminando assim mais e mais pessoas.Fonte: Clayton F. Lino,  Cavernas: o fascinante Brasil subterrâneo (Apresentação), 2ª edição. Ed. Gaia, 2001.

Após a leitura e a discussão sobre as palavras desconhecidas, peça que formem grupos de quatro a cinco integrantes. Cada grupo deverá receber uma cópia dos mapas abaixo. O primeiro indica a localização das principais cavernas turísticas do Brasil e o outro tem a delimitação dos estados do país.

Peça a cada grupo que compare os mapas e localize em quais estados estão as cavernas. Solicite, então, que escolham um estado brasileiro com cavernas turísticas para fazer uma pesquisa sobre esses ambientes.

Mesmo que os grupos escolham um mesmo estado, podem levantar dados sobre cavernas e grutas diferentes e apresentar esse estudo na próxima etapa desta sequência.

O site Portal São Francisco  relaciona as principais cavernas turísticas do país.

Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad? Mapa com cavernas do Brasil Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?

Avaliação 

Avalie a participação dos alunos, o desenvolvimento dos trabalhos em grupo, a cooperação e troca de ideias. Com base nas atividades realizadas, verifique o domínio dos novos conceitos aprendidos durante as aulas.

Questione-os novamente sobre a vida dentro das cavernas e verifique se compreenderam que a manutenção da vida é possível com o desenvolvimento de processos adaptativos.

Retome as palavras-chave anotadas na lousa na primeira etapa e discuta com a turma se elas permanecem as mesmas, quais podem ser acrescentadas e quais podem ser descartadas.  

Créditos: Kelly Cristina Melo Formação: Bacharel e licenciada em Geografia, atua na formação de professores e em consultoria em meio ambiente.

Compartilhe este conteúdo:

Cavernas: Fauna da caverna conta com morcegos e animais troglóbios

As cavernas são ambientes subterrâneos e naturais que ocorrem principalmente em terrenos rochosos. Elas são formadas a partir de diversos processos geológicos e químicos, como a erosão das rochas pela água das chuvas e dos rios, o vulcanismo e os terremotos. Chamamos de meio epígeo o ambiente externo à caverna e de hipógeo, ou cavernícola, o meio subterrâneo.

  • Como Se Chamam Os Animais Que Vivem Em Grutad?A entrada de uma caverna

O interior das cavernas pode ser dividido em três zonas. Primeiro, a zona de entrada, situada próxima à abertura da caverna, na qual as características climáticas são semelhantes às do meio externo e onde os raios de luz incidem diretamente.

Depois, a zona de penumbra, que corresponde à região na qual a luz incide de forma indireta e as temperaturas começam a se tornar mais amenas, ao mesmo tempo em que a umidade aumenta. Por último, temos a zona afótica, caracterizada pela ausência de luz, baixas temperaturas e umidade relativa do ar próxima de 100%.

Vivendo no escuro

A escuridão da zona afótica acarreta algumas peculiaridades ao ambiente cavernícola, tais como a ausência de organismos fotossintetizantes, ausência de estímulos visuais e ausência de fotoperíodos (ciclos biológicos regidos pela alternância de períodos claros e escuros).

Se não existem organismos fotossintetizantes na zona afótica, de onde vem o alimento necessário à vida dos animais que habitam essa área das cavernas? Uma parte mínima da energia é fornecida por bactérias quimiossintetizantes, organismos capazes de sintetizar substâncias orgânicas a partir da energia fornecida por reações químicas, mesmo na ausência de luz.

Porém, a maior parte dos nutrientes é importada do meio externo, chegando ao ambiente cavernícola através de rios subterrâneos, da água da chuva que consegue penetrar no meio hipógeo, de animais que entram acidentalmente nas cavernas e acabam por morrer em seu interior e das raízes de plantas situadas no meio externo. Outra fonte de alimento é a matéria orgânica presente nas fezes de espécies frugívoras que habitam as cavernas, como os morcegos. Esse material é chamado de guano.

A fauna das cavernas pode ser dividida em três grupos: trogloxenos, troglófilos e troglóbios. A classificação é feita de acordo com o uso que o animal faz desse ambiente.

Morcegos

Os trogloxenos são animais que utilizam as cavernas como locais de abrigo, reprodução ou alimentação, mas que dependem de saídas periódicas ao meio epígeo para completar seus ciclos de vida. Exemplos de trogloxenos são os morcegos, algumas espécies de roedores e serpentes.

Troglófilos são os animais que podem viver tanto no meio hipógeo quanto no meio epígeo. Entre estes animais podemos citar alguns moluscos gastrópodes, insetos e pequenos crustáceos.

Os troglóbios são animais restritos ao meio subterrâneo, incapazes de completar seus ciclos de vida fora das cavernas. Dentre estes, podemos citar algumas espécies de peixes como os lambaris, anelídeos, insetos, crustáceos e aracnídeos.

Características dos animais troglóbios

Uma das principais características que pode ser encontrada nos troglóbios, e que está relacionada a sua adaptação à vida no meio subterrâneo, é a redução ou mesmo ausência de olhos.

A ausência da visão é compensada pela presença de órgãos quimio, mecano ou eletrorreceptores que auxiliam o animal na percepção do ambiente.

Outras características dos troglóbios são: redução ou ausência de pigmentação, baixo metabolismo e crescimento lento.

Os troglóbios também apresentam algumas diferenças comportamentais, quando comparados a seus parentes que vivem no meio epígeo. Essas diferenças são mais conhecidas para os peixes cavernícolas. No interior das cavernas, os peixes ocupam o topo da cadeia alimentar, ou seja, não possuem predadores.

A falta da pressão seletiva representada pela predação levou a uma redução do comportamento agressivo e também a uma regressão do hábito de nadar em cardumes, estratégia normalmente utilizada pelos peixes para confundir seus predadores.

A fauna cavernícola é formada por populações pequenas e que estão intimamente relacionadas ao meio hipógeo.

Possuem baixa tolerância a perturbações causadas pelo homem, tais como: poluição, turismo excessivo nas cavernas e mineração.

Por isso, a adoção de medidas de proteção, tanto das áreas subterrâneas como de seus entornos, é muito importante para a conservação dessa fauna tão rica e particular que habita as profundezas da terra.

Animais que vivem em cavernas

Eles podem utilizar cavernas ou grutas para hibernar durante o inverno, ou também para dormir durante o dia. Os animais que vivem em cavernas são conhecidos também como trogloditas ou cavernícolas e têm hábitos muito especiais. Conheça-os a fundo no artigo a seguir.

Tipos e hábitos de animais que vivem em cavernas

Mesmo sendo mais comum que invertebrados vivam em cavernas, também pode haver mamíferos, peixes ou répteis que usam as grutas como habitat para se desenvolver.

Os animais que vivem em cavernas podem, talvez, passar a vida inteira lá dentro (troglóbios), ou sair dependendo da época do ano ou momento do dia (troglóxenos). Além disso, é preciso diferenciar as espécies que têm a capacidade de sobreviver tanto fora como dentro de uma caverna (troglófilos).

Por que escolhem esses lugares? Basicamente, porque lhes oferecem condições ambientais – temperatura e umidade – estáveis, lhes protegem de predadores, lhes permitem dormir e descansar sem problemas. Ou seja, são os lugares perfeitos para ter crias, ou porque seus organismos precisam de escuridão para sobreviver.

Os animais que vivem em cavernas adaptaram seus metabolismos e sistemas corporais para poder habitar nesses espaços com muito pouca ou nenhuma luz. Alguns trocaram a cor de seus corpos, outros perderam a vista e também encontramos aqueles que modificaram seu tipo de alimentação.

Exemplos de animais cavernícolas

As espécies a seguir têm como característica especial a capacidade de sobreviver em uma caverna:

Esse mamífero carnívoro é originário da América do Norte e Eurásia, e habita principalmente em bosques. Pode viver 30 anos e medir até três metros. A cor do urso pardo varia entre o marrom claro e escuro. Troca o pelo a cada verão e não tem uma visão muito desenvolvida, mesmo que possa ver as cores à noite.

Já que passa o inverno hibernando, escolhe cavernas ou covas para dormir um bom sono e sem variar sua temperatura corporal. Quando acorda, da à luz a seus filhos e criá-os.

Esse mamífero que vive na América do Sorte e Eurásia tem um grande instinto caçador e pode abater uma presa de até 10 vezes seu próprio peso.

De corpo comprido e focinho pequeno, olhos grandes e patas e rabo curto, a doninha muda o pelo no verão e habita em locais afastados de humanos.

Prefere cavernas de pedra, mas também escolhe montes de lenha ou árvores caídas como casa.

É um anfíbio que vive nas cavernas do Texas, nos Estados Unidos, e cada vez há menos exemplares (aproximadamente 100). Não possui pigmentos na pele, que é sensível às mudanças de corrente embaixo d’água. Pode passar meses sem comer e não tem olhos. Detecta o movimento das presas, sua cabeça é plana e tem brônquios para respirar na água.

Essa espécie de ave distribuída pela África, Ásia e Europa pode ser encontrada em diversos habitats como, por exemplo, bosques temperados, tundras, estepes e áreas semidesérticas.

Faz ninhos em cavernas, rochas e ninhos antigos de outras aves. É muito territorial e vive sozinha, com exceção da época de cria.

Tem um voo direto, plana, e sua voz pode ser ouvida a dois quilômetros de distância.

Existem cerca de 1,4 mil espécies de escorpiões. Uma de suas principais características é que seu rabo acaba em uma forma curvada para picar, e com ele destila veneno.

Além disso, conta com braços que terminam em forma de pinça. Vivem em terrenos rochosos ou arenosos, debaixo da terra e em cavernas que eles mesmo fazem.

São muito velozes e se alimentam principalmente de insetos.

Fonte: PD-USGov

Os quirópteros são mamíferos com asas. Há quase 110 espécies desses animais que vivem em cavernas, e estão presente no mundo inteiro, com exceção da Antártida. É o único mamífero voador e desempenha vários papéis ecológicos: controlador de praga de insetos, polinizador e espalhador de sementes.

A maioria dos morcegos são insetívoros e frutívoros. Eles têm hábitos noturnos, e tanto o nariz como as orelhas lhes permitem emitir e potencializar os ultrassons, achar comida e se localizar. Vivem em gretas, fissuras de paredes rochosas, cortes de árvores e também em sótãos ou debaixo de pontes.

Fonte da imagem principal: Bering Land Bridge National Preserve.

Pode interessar a você…

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*