Como Se Chama O Som Que Os Grilos Fazem?

Como Se Chama O Som Que Os Grilos Fazem?

Grilo. Foto: encikAn / Shutterstock.com

  • Taxonomia
    Reino: Animalia
    Filo: Arthropoda
    Classe: Insecta
  • Ordem: Orthoptera

Em todo o mundo, existem cerca de 900 espécies de grilos. São insetos onívoros, terrestres e noturnos.

Estrutura

São insetos relativamente grandes: olhos compostos grandes, pronoto grande. O fêmur da perna posterior geralmente é dilatado para melhor desempenho nos saltos. Os grilos medem cerca de 1,5 cm, com as antenas do mesmo comprimento do corpo. Alguns possuem asas. Possuem órgãos auditivos para perceber os sons produzidos pelas suas asas.

Nutrição

O grilo sai em busca de alimento durante a noite, pois fica entocado durante o dia. Sua alimentação pode conter cereais, plantas, fungos, alimentos humanos tecidos de lã e restos de outros insetos.

Reprodução

Os grilos se reproduzem com grande facilidade, gerando um número grande de filhotes. Cada fêmea coloca cerca de 100 ovos durante seu período reprodutivo.

O grilo é um inseto ovíparo com metamorfose incompleta (não apresenta a fase de pupa).

Os ovos demoram entre 15 e 20 dias para eclodir, medem aproximadamente 2 mm, são razoavelmente translúcidos. A fêmea põe os ovos no chão durante o outono e as crias nascem na primavera seguinte.

As ninfas (grilos jovens semelhantes aos adultos) sofrem de 5 a 7 mudas até se tornarem adultos (maturidade sexual), isso leva cerca de 60 dias.

A maturidade sexual pode ser observada quando os machos começam cantar.

O ovopositor da fêmea é grande, delgado e cilíndrico; a genitália masculina pode não ser observada externamente. Além desta diferença, os machos são menores que as fêmeas – dimorfismo sexual.

Os grilos machos cantam para atrair as fêmeas para a reprodução. Somente os machos cantam. O som é emitido a partir da fricção entre as suas asas e é chamado de estridulação. Na borda de suas asas existem pelos, alinhados como pentes. Em cada época do ano, um som peculiar é produzido.

Curiosidades

Pessoas de algumas partes da Ásia mantêm grilos como animais de estimação há centenas de anos. Elas acreditam que eles trazem alegria e boa sorte, e seu canto é considerado uma excelente música.

Alguns chineses até levavam seus grilos em suas caminhadas; colocavam os insetos em recipientes, que ficavam guardados no bolso, para ouvir seu canto enquanto caminhavam (seria isso o início dos mp3 players?)

O modo como os grilos são criados se assemelha muito ao nosso modo de criar pássaros: em gaiolas, recebendo alimentação periodicamente, expostas em locais para ornamentar o ambiente e escutar seu canto.

Em alguns países os grilos são criados para serem vendidos como iguarias, animais de estimação e iscas para pescaria. Os grilos são animais asseados, fáceis de serem criados.

Referências
Zoologia dos Invertebrados. Edward E. Ruppert. Editora Rocca, 2005
http://zoopets.maisforum.com

http://pt.wikipedia.org/wiki/Grilo

Texto originalmente publicado em https://www.infoescola.com/insetos/grilos/

O que o cri-cri-cri do grilo quer dizer?

Lembra daquela piada que você adorava e que contou para os amigos? Pois é: com a sua turma, ela não fez sucesso. No final, em vez de gargalhadas, você só escutou um barulho assim: “cri-cri-cri”. Mas não era um grilo: era um dos seus amigos, preenchendo o silêncio e mostrando que ninguém riu do que você havia achado tão divertido!

Com o som que produzem, os grilos chamam a atenção das fêmeas ou alertam o seu grupo sobre algum perigo (foto: Philipp Weigell).

Mas não estou aqui para falar do seu amigo da onça. Ops! Quero dizer: do seu amigo. Meu assunto é o barulho que ele imitou: o cri-cri-cri dos grilos, gafanhotos e esperanças. Sabia que esse ruído tem um nome? Ele se chama estridulação. Com ele, os insetos machos chamam a atenção das fêmeas ou avisam o seu grupo de que um predador se aproxima.

Os gafanhotos estão mais ativos durante o dia. O que vemos aqui é conhecido popularmente como brasileirinho (foto: Filipe Pereira Rego dos Santos).

Para produzir esse som, os grilos e esperanças friccionam uma de suas asas na outra. Já os gafanhotos friccionam a perna posterior — a que usam para saltar! — nas asas. De um jeito ou de outro, é assim que esses insetos geram o ruído que pode levar ao acasalamento — já que funciona como uma “cantada” — ou que alerta sobre a aproximação de um animal que representa perigo.

Mas será que, além de dar uma força no namoro ou na segurança, o cri-cri-cri pode ajudar a identificar se quem está na área é um grilo, esperança ou um gafanhoto? A orthopteróloga Maria Kátia Matiotti da Costa, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, especialista nesses insetos e seus parentes, conta que o melhor, nesse caso, é reparar na cor deles e no comprimento das suas antenas. “As antenas dos grilos e das esperanças são mais longas, chegando a ultrapassar o comprimento do corpo, já as do gafanhoto são mais curtas. Além disso, o grilo tem uma coloração marrom escura, a esperança tem uma asa que imita uma folha de cor verde, enquanto o gafanhoto pode ter diferentes tons de marrom, verde e colorido”, conta ela.

Eis aqui uma esperança, que geralmente é confundida com grilos e gafanhotos. Esse inseto tem hábitos noturnos, corpo delgado e cor geralmente verde (foto: Terri Heisele).

Então, agora que você já sabe o que os grilos, as esperanças e os gafanhotos querem dizer com seu cri-cri-cri, mantenha os ouvidos atentos ao som desses insetos e olhos bem abertos para as suas características!

Na CHC 176, você encontra um texto que explica em detalhe as diferenças entre grilos, gafanhotos e esperanças. Peça o seu exemplar pelo telefone 0800-7278999.

Grilo – Wikipédia, a enciclopédia livre

Esta página cita fontes confiáveis, mas que não cobrem todo o conteúdo. Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico) (Junho de 2019)

 Nota: Para outros significados, veja Grilo (desambiguação).

Gryllidae
Classificação científica
Familias
Grilo-doméstico (Acheta domesticus)
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Orthoptera
Subordem: Ensifera
Infraordem: Gryllidea
Superfamília: Grylloidea
Gryllidae

Grilos cantando

Grilo (do latim grillus) são insetos relacionados aos gafanhotos, e mais intimamente relacionados com gafanhotos verdes e grilos do mato (família Tettigoniidae) e wetas (famílias Anostostomatidae e Rhaphidophoridae). Eles têm seu corpo um pouco achatado e longas antenas. Existem cerca de 900 espécies de grilos.[1] Eles tendem a ser noturnos[2] e são frequentemente confundidos com gafanhotos porque possuem uma estrutura corporal semelhante incluindo saltar as patas traseiras. Grilos são inofensivos aos seres humanos.

Características

Somente os grilos machos produzem sons e o fazem para atrair as fêmeas para a reprodução. Para tanto, os machos possuem uma série de pelos nas bordas de suas asas, alinhados como pentes, e produzem os sons roçando uma asa contra a outra.

Assim cada espécie produz um canto peculiar que varia com a época do ano, e que é mais intenso para atrair a fêmea e mais suave quando ela já está presente e se inicia a fase do cortejo.

A fêmea possui um longo órgão ovopositor característico. Estes insetos são onívoros terrestres e noturnos. Cavam no solo orifícios com até meio metro de profundidade que terminam numa habitação circular. A entrada da toca é mantida sempre limpa porque aí se constitui a zona de canto do macho.

Existem cerca de 900 espécies de grilos ao redor do mundo e muitas vezes estes são confundidos com os gafanhotos, dos quais são bem diferentes, embora aparentados.

Sua principal alimentação é de folhas, além de vários tipos de frutas, como banana, maçã,abacate,etc. Legumes, como brócolis, cenoura,etc. Insetos mortos, desde que não possam passar algum tipo de doença para o grilo, também são um ótimo alimento.

Animais de estimação

Em algumas culturas os grilos são tomados como animais de estimação. Na China, o pouso de um grilo em uma pessoa significa muita sorte, e em várias partes do mundo eles são consumidos como alimento.

  • Os grilos são encontrados em diversas partes do mundo, e a criação em cativeiro é feita há mais de mil anos em países como a China, Japão, África do Norte, e Europa Ocidental.
  • A maneira como eram criados antigamente lembra e muito a forma como temos nossos pássaros hoje em dia: em nossas residências, colocados em gaiolas ricamente ornamentadas, e com o mais belo canto possível.
  • Eram considerados amuletos de boa sorte, e por incrível que pareça criavam-se “grilos-de-briga”, que disputavam torneios tão populares como as rinhas de “galos-de-briga”.
  • Os adversários eram deixados por um longo período de jejum e o prêmio do vencedor era poder devorar o oponente.
  • Atualmente são criados em larga escala em vários países, para serem vendidos como alimento vivo em lojas de animais de estimação, como iscas para pescaria em “pesque-pagues” e como iguaria culinária em restaurantes especializados.
  • Grilos são insetos muito asseados, sendo fácil criá-los, mas alguns fatores devem ser considerados antes de dar início a uma criação:
  • grilos fazem barulho – para minimizar esse problema, uma dica é reduzir o número de machos na caixa de criação (um macho para três fêmeas);
  • necessitam de atenção diária, para se verificar a existência de água limpa e comida;
  • considere que algumas fugas serão inevitáveis;
  • os grilos têm um odor característico.
  • podem cometer canibalismo.
Leia também:  Como Saber Que Penteado Me Fica Bem?

Taxonomia

Subfamílias da família Gryllidae:

  • Eneopterinae —
  • Gryllinae — grilo comum ou do campo; castanho ou preto; alguns deles, apesar do nome, frequentam casas, como por exemplo o grilo-doméstico (Acheta domesticus)
  • Nemobiinae — grilos terrestres
  • Oecanthinae — grilos arborícolas; normalmente verdes com asas largas e transparentes; frequentam árvores e arbustos.
  • Phalangopsinae
  • Podoscirtinae — grilos anómalos
  • Pteroplistinae
  • Trigonidiinae — grilos de cauda em espada

Imagens

  • Grilo marrom australiano do campo

  • Grilo-africano (Gryllus bimaculatus)

  • Grilo japonês (Teleogryllus emma)

Referências

  1. ↑ Garber, Stephen (2013). The Urban Naturalist. Courier Dover Publications. p. 61. ISBN 0486148327
  2. ↑ «University of Arizona, Cricket Info». Consultado em 27 de setembro de 2013. Arquivado do original em 27 de maio de 2015 

Bibliografia

  • Gorochov, A.V. & Mostovski, M.B. 2008. Apterous crickets of the tribe Gryllini from South Africa and Namibia (Orthoptera: Gryllidae). African Invertebrates 49 (1): 109-121.
  • Lisa Gail Ryan, Berthold Laufer, Lafcadio Hearn (1996). Insect musicians & cricket champions: a cultural history of singing insects in China and Japan. China Books. ISBN 0-8351-2576-9.
  • Franz Huber, Thomas Edwin Moore, Werner Loher (1989). Cricket behavior and neurobiology. Cornell University Press. ISBN 0-8014-2272-8.

Ligações externas

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Grilo

O Wikispecies tem informações sobre: Grilo

  • Será que os grilos cantam mais no verão? E todos os grilos cantam?, por Helena Geraldes, Wilder, 16.09.202016.09.2020
  • The cricket suicide
  • Portal da biologia
  • Portal da zoologia

Obtida de “https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Grilo&oldid=60576299”

Como funciona o canto dos grilos?

Não há um som tão diferenciado e característico quanto o canto dos grilos. Trata-se de um som que é reconhecido mundialmente e que ficou consagrado em todos os tipos de histórias.

Usado em filmes, documentários e até mesmo no humor para gerar diferentes emoções, a verdade é que a maioria das pessoas, em algum momento, já se surpreendeu com o som dos grilos.

Alguns artistas criaram obras com a gravação do canto de diferentes grilos. São melodias capturadas em circunstâncias e lugares opostos; mais suaves ou mais fortes, mais curtas ou mais longas, mas todas provenientes do mesmo ser.

É natural que as pessoas ouçam este som sem conseguir encontrar o animal. As ondas são espalhadas uniformemente de uma forma que nos confunde. Inclusive, se eles estão em perigo, mudam o seu alcance para que possam se proteger.

O canto dos grilos: asas que vibram

Ao contrário de muitos outros animais, os grilos não emitem o seu canto com as cordas vocais. Eles usam as asas para gerar vibrações sonoras que enchem o ar. O que produz o famoso canto dos grilos são as asas chamadas de élitros.

Toda vez que alguém ouve o canto de um grilo, deve saber que se trata de um macho, pois somente eles têm as asas endurecidas com protuberâncias e uma espécie de farpa. Ao esfregar umas nas outras, é produzida a sua melodia inconfundível, em diferentes tons.

As fêmeas, por outro lado, têm asas lisas e ficam atentas ao chamado.

Por que os grilos cantam?

Muito além das crenças que existem em relação a esses animais nas diferentes culturas, há um motivo real para o canto dos grilos. Esta é a sua maneira de comunicar à fêmea que estão no local. Ou seja, esta é uma espécie de cortejo sexual com o qual eles ganham o seu amor.

Além disso, os grilos geralmente emitem esse som para afastar outros machos que venham a se aproximar. O objetivo real sempre é o de atrair uma parceira para o acasalamento.

As ondas sonoras que eles transmitem são facilmente detectadas por elas, uma vez que elas possuem tímpanos preparados para encontrar a localização do macho rapidamente.

Quando o canto dos grilos fica mais forte?

Existem três razões principais pelas quais o som de cri-cri fica mais alto.

Tamanho maior

Os grilos maiores são aqueles que produzem um som mais forte e contínuo. As suas asas são mais longas e fortes, de tal forma que eles têm mais vantagens. Na sua sociedade, ter um macho grande é de vital importância; eles são considerados mais habilidosos para conseguir alimentos.

A posição das asas

De acordo com a altura na qual os seus élitros se encontram, o som fica mais forte ou mais fraco e o seu significado também muda.

Quando fazem as asas vibrarem bem no alto, os grilos produzem a melodia mais estridente. Este é o canto dos grilos que é ouvido mais alto. Considera-se que ele tem a firmeza de chamar a possível parceira. Eles estão dando ordens diretas para que elas se aproximem.

Quando o grilo não levanta as asas, é produzido um timbre que não tem a mesma repercussão. O resultado é um som suave e fraco. Esse canto é produzido quando o grilo já atingiu o seu objetivo, ou seja, a fêmea respondeu ao seu chamado e está ao seu lado.

O próximo passo agora é começar com o ato de acasalamento.

A temperatura ambiente

À medida que a temperatura aumenta, o canto dos grilos pode ficar mais agudo. O fato de serem animais de sangue frio faz com que eles tenham mais energia com o calor. Assim, eles podem fazer as asas vibrarem com maior velocidade e força.

Existe uma espécie, conhecida como grilo arborícola, que produz melodias muito intensas. Apesar de serem muito pequenos, eles podem alongar as asas e cantar com uma grande frequência. O que domina as ondas sonoras é a velocidade com a qual eles movem os élitros.

Crenças sobre o canto dos grilos

Existem muitos mitos em relação a esses insetos cantores que transcendem fronteiras e gerações. A maioria deles é muito positiva.

  • Boa sorte. Há muitos séculos, principalmente na cultura asiática, eles são considerados provedores da boa sorte. Muitas pessoas provavelmente ouviram as avós dizerem para não matar os grilos.
  • Proteção. Os grilos costumam ficar em silêncio quando alguém se aproxima. Isso levou algumas pessoas a considerá-los inteligentes e alertas. Assim, ter um grilo cantor poderia ser útil para identificar intrusos. Por esta razão, diferentes amuletos com a sua figura começaram a ser usados.
  • Boa safra. Muitos agricultores ficam felizes com o canto dos grilos. Eles acreditam que, se ele aparece, é porque haverá chuvas que vão favorecer o seu trabalho.

O que você acha de todas essas curiosidades? Certamente, este é um inseto muito especial.

Pode interessar a você…

Gafanhoto, grilo, esperança, louva-a-deus ou bicho-pau? Veja como diferenciar esses insetos

2 de 12
Sons provocados pelos gafanhotos provêm do atrito de pernas e asas e estão relacionados, entre outras funções, com a aproximação sexual — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Sons provocados pelos gafanhotos provêm do atrito de pernas e asas e estão relacionados, entre outras funções, com a aproximação sexual — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Caso ouça falar sobre uma nuvem de insetos se aproximando, entre as opções acima, certamente, a aglomeração será de gafanhotos.

Embora tenham hábitos solitários, algumas espécies desses animais podem formar grandes grupos para se deslocar e devoram tudo pela frente.

E não fazem isso em silêncio, pois costumam produzir um som fruto do atrito entre as pernas com as asas ou as asas batendo entre si.

É nas pernas posteriores robustas que adquirem a capacidade de saltar, uma característica comum entre gafanhotos, grilos e esperanças. Ao contrário dos “colegas”, porém, os gafanhotos possuem antenas curtas, apresentam os tímpanos, um par de órgãos auditivos, no primeiro segmento do abdome e seu órgão para depositar os ovos também é menor.

Leia também:  Como Saber Qual O Ip Do Meu Roteador?

3 de 12
Na foto, a seta destaca o local onde está o tímpano dos gafanhotos no primeiro segmento do abdome — Foto: Kátia Matiotti/Acervo Pessoal

Na foto, a seta destaca o local onde está o tímpano dos gafanhotos no primeiro segmento do abdome — Foto: Kátia Matiotti/Acervo Pessoal

Esses animais diurnos possuem mais de sete mil espécies no mundo todo e aproximadamente 875 no Brasil. Embora sejam temidos pelo apetite, a pesquisadora taxonomista da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) Dra. Kátia Matiotti, especialista em gafanhotos, afirma que são eles e seus “colegas” quem sofrem as maiores pressões.

“Existem quatro problemas globais que levam à extinção de insetos: perda de habitat, desmatamento, expansão da agricultura e poluição, especialmente via pesticidas e fertilizantes”, explica ela que ressalta a importância ecológica dos gafanhotos como alimentos para uma série de outras espécies e como desfolhadores naturais.

4 de 12
Grilos se alimentam de carcaças e frutas e habitam de forma abundante a Mata Atlântica — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Grilos se alimentam de carcaças e frutas e habitam de forma abundante a Mata Atlântica — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

As pernas saltadoras e as antenas mais longas são alguns dos elementos já citados que aproximam e diferenciam grilos de gafanhotos.

Nesses animais famosos pela vocalização, o som também é uma forma de distingui-los.

Produzido por machos adultos, o “cricricri” serve para atrair as fêmeas e ocorre de forma predominante no período noturno, ao contrário do que acontece com gafanhotos, que são diurnos.

A maneira com que esse chamado é gerado também ajuda a diferenciá-lo. É o que explica o professor do Departamento de Entomologia do Museu Nacional, Pedro Souza Dias, especialista nesses insetos: “nos grilos e esperanças o som é produzido pelas asas anteriores. Para fazer um sinal acústico esse animal precisa abrir e fechar as asas para sair o som”, define.

5 de 12
Como grilos não são mestres na camuflagem e são totalmente inofensivos costumam se esconder sob troncos, galhos e tocas quando ameaçados — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Como grilos não são mestres na camuflagem e são totalmente inofensivos costumam se esconder sob troncos, galhos e tocas quando ameaçados — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

A forma com que descansam as asas também é especial: sobrepõem a direita sobre a esquerda, ao contrário de esperanças que as recolhem lateralmente. O corpo mais “achatado” e as cores mais opacas e escuras, como marrom ou preto, também são elementos de exclusividade de grande parte dos grilos.

6 de 12
Esperanças se dividem em pouco mais de sete mil espécies no globo, todas ausentes de venenos ou tóxicos — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Esperanças se dividem em pouco mais de sete mil espécies no globo, todas ausentes de venenos ou tóxicos — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Se você já pensou que um animal fosse uma folha, provavelmente esteve diante de uma esperança. Esses insetos, em sua maioria verdes e muito bem camuflados em plantas ou líquens, possuem o corpo mais cilíndrico do que seus parentes e também são donos de antenas superiores ao tamanho de si mesmos.

Assim como os grilos, as esperanças produzem sons friccionando uma asa à outra, mas, como já explicado, descansam esses membros de forma diferente. Se alimentam de plantas, frutos e flores, mas há famílias predadoras capazes de devorar gafanhotos ou até mesmo outras esperanças.

7 de 12
Esperanças são determinantes nas teias alimentares compondo a dieta de pequenos mamíferos (como morcegos e macacos) e até aves e répteis — Foto: Marcos Fianco/Acervo Pessoal

Esperanças são determinantes nas teias alimentares compondo a dieta de pequenos mamíferos (como morcegos e macacos) e até aves e répteis — Foto: Marcos Fianco/Acervo Pessoal

Segundo o especialista nesses animais, Marcos Fianco, doutorando na Universidade Federal do Paraná (UFPR), embora o Brasil seja o país mais rico em diversidade desse grupo animal, poucas pesquisas envolvem o inseto.

“Temos uma enorme lacuna de conhecimento em quase todo o território.

Em meu trabalho, registrei 87 espécies de esperanças para o Parque Nacional do Iguaçu e quando publicá-lo será a maior fauna local conhecida para o Brasil”, exemplifica.

8 de 12
Louva-a-deus possuem o primeiro par de perna “raptorial”, ou seja, adaptado para agarrar e subjugar a presa — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Louva-a-deus possuem o primeiro par de perna “raptorial”, ou seja, adaptado para agarrar e subjugar a presa — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Ao contrário de grilos, esperanças e gafanhotos, os louva-a-deus pertencem a outra ordem animal e, por isso, não possuem as típicas pernas saltadoras.

Adquiriram, porém, um membro determinante: uma espécie de braço coberto de “espinhos” com músculos muito fortes, capazes de agarrar e capturar as presas.

Diante de uma mudança tão brusca na aparência, há diferenças marcantes no cardápio desses animais também.

De acordo com o biólogo especialista em louva-a-deus, César Favacho, os animais são predadores vorazes capazes de comer até mesmo os indivíduos da mesma espécie. “Naturalmente comem tudo que conseguem subjugar, mas geralmente se alimentam de insetos e aracnídeos menores. Existem alguns registros de louva-a-deus comendo até pequenos anfíbios, lagartos ou aves (como beija-flores)”, define.

9 de 12
Com tamanhos variados, Brasil é o país com a maior diversidade conhecida de louva-a-deus no continente americano — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Com tamanhos variados, Brasil é o país com a maior diversidade conhecida de louva-a-deus no continente americano — Foto: César Favacho/Acervo Pessoal

Como na maioria das espécies apenas os machos possuem asas, se tornam, em maioria, totalmente dependentes da área onde ocupam.

Nesses ambientes, ao contrário dos outros seres, não se escondem: permanecem imóveis ao menor sinal de presa ou predador.

Outra diferença está na cabeça triangular e extremamente flexível dos louva-a-deus, o que lhes garante a possibilidade até de “olhar por cima dos ombros”, como define o especialista.

10 de 12
Esta impressionante espécie de bicho-pau recebe o nome científico de 'Ceroys cristatus' — Foto: Divulgação Projeto Phasma/Arquivo Pessoal

Esta impressionante espécie de bicho-pau recebe o nome científico de 'Ceroys cristatus' — Foto: Divulgação Projeto Phasma/Arquivo Pessoal

Também donos de sua própria ordem dentro da classe dos insetos, os bichos-pau são animais com mais de três mil espécies no mundo, sendo pouco mais de 200 delas habitantes do Brasil. Tamanho grande, corpo delgado, cores camufladas e alimentação à base de plantas são alguns dos atributos desse grupo, mas a confusão com os “amigos” é inevitável.

Apesar do corpo alongado e da aparência de galho, o especialista nesses insetos Edgar Blois Crispino, mestrando do museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (USP), afirma que uma estratégia para os distinguir é observar que a cabeça é mais arredondada e a boca é posicionada sempre a frente dos olhos. Ao contrário de louva-a-deus, esses animais não possuem as pernas dianteiras com “espinhos” e, se diferenciando de grilos, esperanças e gafanhotos, não possuem pernas traseiras com a capacidade de saltar.

11 de 12
Os bichos-paus têm grande importância ecológica já que ajudam a compor a base da cadeia alimentar de vários outros animais e também auxiliam no controle de crescimento das plantas — Foto: Divulgação Projeto Phasma/Arquivo Pessoal

Os bichos-paus têm grande importância ecológica já que ajudam a compor a base da cadeia alimentar de vários outros animais e também auxiliam no controle de crescimento das plantas — Foto: Divulgação Projeto Phasma/Arquivo Pessoal

“Bichos pau também não produzem som (como os gafanhotos, grilos e esperanças) e são exclusivamente herbívoros (diferentemente dos Louva Deus)”, destaca o especialista.

Pacatos e inofensivos, os bichos-pau podem apenas secretar uma substância mal cheirosa em caso de ameaça. Dependem tanto do ambiente onde vivem que algumas espécies são capazes de desaparecer diante da ausência de algum tipo de planta.

Processos como esses são estudados pelo Projeto Phasma, no qual Edgar Crispino atua.

12 de 12
Os pesquisadores responsáveis por cada um dos grupos de insetos citados; na ordem: gafanhoto, bicho-pau, louva-a-deus, esperança e grilo — Foto: Kátia Matiotti, Edgar Crispino, César Favacho, Marcos Fianco e Pedro Souza Dias/Acervo

Leia também:  Como Saber Quanto Vou Pagar De Luz?

Os pesquisadores responsáveis por cada um dos grupos de insetos citados; na ordem: gafanhoto, bicho-pau, louva-a-deus, esperança e grilo — Foto: Kátia Matiotti, Edgar Crispino, César Favacho, Marcos Fianco e Pedro Souza Dias/Acervo

Teste seus conhecimentos sobre os insetos

    • Gafanhoto
    • Grilo
    • Esperanças
    • Par de pernas adaptado para agarrar e subjugar a presa, capacidade de voar e pernas para saltar
    • Par de pernas adaptado para agarrar e subjugar a presa, camuflagem em folhas e aplicação de veneno
    • Par de pernas adaptado para agarrar e subjugar a presa e comportamento imóvel antes do ataque
    • Louva-a-deus
    • Esperança
    • Grilo
    • Alimentação composta de outros animais, corpo alongado e, em algumas espécies, asas
    • Corpo alongado, alimentação à base de plantas, cabeça arredondada e boca à frente dos olhos
    • Pernas dianteiras com espinhos, corpo alongado, capacidade de saltar e, em algumas espécies, asas

Do grilo ao vaga-lume

Sempre me pergunto: qual a finalidade do cantar dos grilos? Seria um rito de acasalamento? Éder Leandro da Silva, Araxá, MG

Conte essa para a garotadinha esperta no Mr. Shows: o som emitido pelo grilo não é um canto, mas uma estridulação, produzida pelo atrito das asas anteriores, explica Hilda Alice Gastal, a bióloga da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul.

Como você bem deduziu, tem a ver com reprodução: é o ruído produzido pelos machos para cortejar as fêmeas e, em casos extremos, afugentar outros machos que apareçam sem ser convidados.

O espetáculo da estridulação só é interrompido quando predadores se aproximam e, garantem alguns, bonecos de madeira ganham vida, situação em que os grilos se tornam falantes.

Como uma mosca consegue voar tranquila dentro de um carro se ela não está na mesma velocidade do veículo?Thales Duarte, Torres, RS

Pelo mesmo motivo que, se você der carona para o malabarista do sinal, ele pode passar a viagem inteira jogando bolinhas para cima que elas não vêm na cara dele. Ok, é um exemplo improvável: as bolas provavelmente vão bater no teto, mas o espírito é esse. Dentro do carro há uma bolsa de ar que se move na mesma velocidade do veículo.

“A velocidade da mosca ou do mosquito é em relação a esse ar que se desloca com o carro. Logo, o inseto voará para onde quiser, desde que no interior do carro”, diz Armando Tavares, do Instituto de Física da Uerj.

Caso não permitam que você traga sua mosca de estimação dentro do carro, é preciso dirigir bem devagarzinho, porque o máximo que elas atingem é 10 km/h.

Por que o vaga-lume brilha? Ruan Manoel Espíndola, Piquete, SP

Continua após a publicidade

Por quê? E beleza carece de razão? Precisa motivo para brilhar? Quem é você, Ruan, o fiscal do piscar? Enfim, tudo acontece graças a duas substâncias de nomes diabólicos, luciferina e luciferase, que, em contato com oxigênio, reagem quimicamente criando a oxiluciferina – liberada na forma de luz. O pirilampo acende sempre que chega a noite ou na presença do sexo oposto. É o mesmo sistema utilizado por aqueles peixes das profundezas abissais e por aqueles caras que instalam neon embaixo do carro.

Os insetos sentem dor?Adson Mamede, Divinópolis, MG

Qualquer animal, até mesmo uma anêmona, tem um sistema nervoso que o faz sensível. Portanto, quando amassamos uma barata com o pé, ela sente alguma coisa, mas não tem como dizer que é dor.

Com a palavra, Marcio Pie, entomólogo (estudioso dos insetos) da Uiversidade Federal do Paraná: “Uma das perguntas mais difíceis de responder é o que um animal sente. Quando conversamos entre humanos, um entende o que o outro diz quando reclama de dor.

Mas, quanto mais distante um animal é de nós na escala zoológica, mais difícil é projetar seus sentimentos”. E mais fácil dar aquela chinelada.

No sorteio de cara ou coroa, qual é a cara e qual é a coroa? Garanto que o pessoal da SUPER esclarecerá essa dúvida que surgiu entre o pessoal do clube. O que ficou combinado é que a resposta que vocês derem será acatada: vale uma grade de cerveja. Antonio Carlos Martins, Pato Branco, PR

Como você percebeu, a pergunta não tem nada a ver com insetos. Mas, poxa, um engradado de cerveja depende dessa resposta. Aliás, tem gente atrás de desculpa para beber, porque é simples: nas moedas de real, a “cara” é o lado que tem um rosto; e a “coroa” é o outro lado, o do valor da moeda, mesmo sem coroa. Um brinde.

Créditos das imagens:Borboleta (Vanessa cardui): Lilly M / GNU Free Documentation LicenseGrilo (Acheta domestica): Hexasoft / Domínio PúblicoMosca (Sarcophagidae): J J Harrison / GNU Free Documentation LicenseVaga-lume (Lampyris noctiluca): Creative Commons 2.0

Continua após a publicidade

  • Comportamento animal
  • Curiosidades
  • Insetos
  • Mundo Animal

como se diz o som que o grilo faz – Brainly.com.br

De acordo com as cantigas é correto afirmar: *
2 pontos
os jograis produziram as melhores cantigas do período trovadoresco.
os jograis produziram as c

antigas e os trovadores faziam o acompanhamento com instrumentos musicais e danças.
as cantigas alcançaram grande popularidade porque eram facilmente memorizadas e transmitidas oralmente.

quem é provável leitor de infografia justifique sua resposta com elementos do texto resposta​

Leia o texto abaixo.P080873I7_SUPuso dos porquêsEsse texto foi escrito paradefender uma opinião.divulgar uma pesquisa.relatar acontecimentos.sintetiza

r informações.​

ME. AJUDA. Faça análise morfológica das orações abaixo, conforme o modelo:
Modelo: Os cães invadiram uma favela da periferia.
↓↓↓↓↓↓↓ Artigo substa

ntivo verbo artigo substantivo preposição substantivo
1) A presença de búfalos na fazenda deixou o pasto devastado. 2) Vários navios brasileiros zarparam rumo à Europa.

3) Leu todos os dez romances do escritor.
4) Se a professora estivesse perto, o problema seria resolvido. 5) Procurei uma bela estória de rainha, mas não a encontrei.
6) Jamais li um livro desse autor.
7) A criança pobre chorava copiosamente.
8) Há meses não vejo meu querido amigo.

9) O pantanal de Mato Grosso recebe muitos turistas estrangeiros. 10) Luís XIV foi um bom rei para a França.
11) Compete aos pais a educação dos filhos.
12) O ser humano, às vezes, despreza a liberdade.
13) O terreno era cercado de muitas árvores frutíferas.
14) É proibida a venda de álcool líquido.

15) A padaria do Nicolau foi assaltada ontem de madrugada.

a meta e 10 seguidores me ajude que eu te ajudo à te Segui ​

cinco palavras ou expressões típicas do sul do país Rio Grande do Sul Paraná…​

2. Releia os versos a seguiresse medo fascinante e fremente de curiosidade que fazo jovem felino seguir para a frente farejando o ventoao sair, a prim

eira vez, da gruta.

a) Algumas palavras provocam nossa imaginação e nos fazem recordar algo, alguém ou uma situa-ção vivida.

Do que a palavra vento faz você lembrar? E a palavra gruta?b) Em sua opinião, quais dos termos a seguir podem ser associados às palavras vento e gruta nocontexto em que foram utilizadas no poema? Justifique suas escolhas.

aventurafuturomedomundonovidadec) Localize, nesses versos, palavras utilizadas de modo figurado. Essas palavras se referem a quetipo de ser?d) A partir dessa utilização, a que o adolescente é comparado, de maneira figurada?e) Você concorda com a comparação proposta pelo poeta? Justifique.​

transcreva um exemplo de substantivo masculino que,para ser flexionado no feminino ,altere sua terminação -o para -a​

a chamada cultura do cancelamento é um tema recente ?comprove sua resposta com uma passagem do texto​

ao registrar uma situação do cotidiano de forma simples e coloquial e breve o narrador não só produziu humor como também fez uma crítica social como s

e pode confirmar que as características da Econômica em estudo ​

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*