Como Se Chama Cada Uma Das Linhas Que Compõe Um Poema?

Versos, rimas e estrofes são encontrados principalmente na estrutura de textos poéticos. São esses elementos que diferenciam a poesia dos textos em prosa, que são constituídos por parágrafos.

Leia também: Poesia, poema e soneto: conheça as particularidades de cada um

O que é verso?

  • Cada uma das linhas de um poema é chamada de verso. Assim,
  • “De tudo, ao meu amor serei atento” à 1º verso
  • “E rir meu riso e derramar meu pranto” à 7º verso
  • Os versos são classificados de acordo com o número de sílabas poéticas que eles contêm.

Como Se Chama Cada Uma Das Linhas Que Compõe Um Poema? Versos, estrofes e rimas são elementos comumente encontrados em textos líricos.

  1. Os versos receberão nomes específicos dependendo da quantidade de sílabas poéticas que possuírem. Veja o exemplo a seguir, em que o poeta brincou com o número de sílabas, fazendo um crescente verso a verso:
  2. Sobre a ambição
  3.                 Só                
  4. de pó
  5. Deus o fez.
  6. Mas ele, em vez
  7. de se conformar
  8. quis ser sol, e ser mar,
  9. E ser céu… Ser tudo, enfim!
  10. Mas nada pôde! E foi assim
  11. que se pôs a chorar de furor…
  12. Mas – ah! – foi sobre sua própria dor
  13. que as lágrimas tristes rolaram. E o pó,
  14. molhado, ficou sendo lodo – e lodo só
  15. (Guilherme de Almeida)
  16. Ao realizarmos a escansão, percebemos que o primeiro verso tem apenas uma sílaba poética, o segundo tem duas, o terceiro tem três e assim sucessivamente. Veja o poema metrificado:
  17. / Só / – 1 sílaba poética
  18. / de / pó / – 2 sílabas poéticas
  19. / Deus / o / fez / – 3 sílabas poéticas
  20. / Mas / e / le, em / vez / – 4 sílabas poéticas
  21. / de / se / con / for / mar / – 5 sílabas poéticas
  22. / quis / ser / sol, / e / ser / mar, / – 6 sílabas poéticas

/ E / ser / céu / … Ser / tu / do, en / fim! / – 7 sílabas poéticas

/ Mas / na / da / pô /de! E / foi / a / ssim / – 8 sílabas poéticas

/ que / se / pôs / a / cho / rar / de / fu / ror… / – 9 sílabas poéticas

  • / Mas / – ah! / – foi / so / bre / sua / pró / pria / dor – 10 sílabas poéticas
  • / que / as / lá / gri / mas / tris / tes / ro / la / ram. / E o / pó, / – 11 sílabas poéticas
  • / mo / lha / do, / fi / cou / sen / do / lo /do – e / lo / do / só / – 12 sílabas poéticas   

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

Número de sílabas poéticas Tipos de verso
1 monossílabo
2 dissílabo
3 trissílabo
4 tetrassílabo
5 pentassílabo ou redondilha menor
6 hexassílabo
7 heptassílabo ou redondilha maior
8 octossílabo
9 eneassílabo
10 decassílabo ou heroico
11 hendecassílabo
12 dodecassílabo ou alexandrino
mais de 12 sílabas bárbaro
sem número regular de sílabas poéticas versos livres
  1. Existem alguns tipos de versos mais famosos:
  2. As redondilhas, também chamadas de “medida velha”, eram muito utilizadas nas cantigas do trovadorismo, sendo também utilizadas em versos até hoje. Veja um exemplo de trova de Camões com cinco sílabas poéticas:
  3. E / les / ver / des / são, /
  4. e / têm / por / u / san / ça
  5. na / cor, / es / pe / ran / ça
  6. e / nas / o / bras, / não. /
  7. Vo / ssa / con / di / ção /
  8. não / é / d'o / lhos / ver / des,
  9. por / que /  me / não / ve / des.

[…]

  • (“Eles verdes são”, Luís Vaz de Camões)
  • A preferida das cantigas populares e de roda, também bastante utilizada pelos trovadores medievais, a redondilha maior é uma medida que facilita a memorização dos versos. Veja um exemplo de um poema também famoso do cânone literário brasileiro:
  • Mi / nha / te / rra / tem / pal / mei / ras
  • On / de / can / ta o / sa / bi / á
  • As / a / ves / que a / qui / gor / jei / am
  • Não / gor / jei / am / co / mo / lá

[…]

(“Canção do Exílio”, Gonçalves Dias)

Medida popularizada por Sá de Miranda quando levou a Portugal a forma do soneto, depois popularizada e aprimorada por Camões, e muito empregada até hoje nesse tipo de poema. É o caso do “Soneto da Fidelidade”, de Vinicius de Moraes.

  1. De / tu / do ao / meu / a / mor / se / rei / a / ten / to
  2. An / tes, / e / com / tal / ze / lo, e / sem / pre, e / tan / to
  3. Que / mes / mo em / fa / ce / do / mai / or / en / can / to
  4. De / le / se en / can / te / mais / meu / pen / sa / men / to

Bastante utilizado pelos parnasianos e simbolistas, o verso alexandrino tem origem francesa.

Os sonetos alexandrinos seguem um rigoroso esquema de composição, cujas rimas e tônicas devem obedecer a determinadas estruturas preestabelecidas.

É tido como forma ideal para exprimir ideias e adjetivos retumbantes, épicos, exaltados. Veja um exemplo:

  • Bai / lan / do / no ar, / ge / mia / in /quie / to / va /ga/-lu/me:
  • – “quem / me / de/ra / que / fo/sse a /que/la / lou/ ra  es/tre/la
  • que  ar/de / no e/ter/no a/zul,/ co/mo u/ma e/ter/na ve/la!”
  • Mas / a es/tre/la,/ fi/tan/do a / lua, / com / ci/ú/me:

[…]

(“Círculo Vicioso”, Machado de Assis)

Mas, afinal, o que é sílaba poética? A sílaba poética corresponde a uma unidade sonora, já que a poesia é um gênero textual feito para ser declamado, por isso é idealizada pensando em um ritmo. Isso significa que a sílaba poética é diferente da sílaba gramatical, pois ela leva em consideração não a gramática, mas os sons das palavras. Veja:

  • Divisão por sílabas gramaticais

De tu-do, ao meu a-mor se-rei a-ten-to (12 sílabas) An-tes, e com tal ze-lo, e sem-pre, e tan-to (13 sílabas)

  • Divisão por sílabas poéticas
  1. De / tu/do ao / meu/ a/mor / se/rei /a/ten/to (10 sílabas)
  2. An/tes/, e / com / tal / ze/lo, e/ sem/pre, e/ tan/to (10 sílabas)
  3. Essa contagem de sílabas poéticas é chamada de metrificação ou escansão.
  • Como fazer a metrificação?
  • 1) Contamos as sílabas poéticas até a última sílaba tônica.
  • As últimas sílabas átonas de cada verso não têm valor de sílaba poética, pois sonoramente não são consideradas. Veja:
  • Quero vivê-lo em cada vão momento
  • E em seu louvor hei de espalhar meu canto
  • E rir meu riso e derramar meu pranto
  • Ao seu pesar ou seu contentamento
  • 2) Unimos em uma só sílaba poética as vogais iguais.
  • Esse recurso é também chamado crase. Veja:
  • “An/tes/, e / com / tal / ze/lo, e/ sem/pre, e/ tan/to”
  • E em / seu / lou/vor / hei / de es/pa/lhar / meu / can/to”
  • 3) Unimos em uma mesma sílaba poética as ditongações.
  • Quando uma palavra termina em vogal átona e a palavra seguinte começa com vogal átona diferente da anterior, contamos as duas sílabas como a mesma sílaba poética. Veja:
  • E a/ssim/, quan/do /mais/ tar/de /me/ pro/cu/re
  • Quem / sa/be a /mor/te, an/gús/tia/ de/ quem/ vi/ve”

Veja também: Função poética: a função de linguagem que tem como foco a mensagem

O que é estrofe?

Cada um dos blocos de versos é chamado de estrofe. No poema mencionado como exemplo inicial, percebemos dois blocos de quatro linhas mais dois blocos de três linhas, ou seja, são quatro estrofes: duas com quatro versos, duas com três versos.

  1. 1ª estrofe: “De tudo, ao meu amor serei atento / Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto / Que mesmo em face do maior encanto / Dele se encante mais meu pensamento.”
  2. 2ª estrofe: “Quero vivê-lo em cada vão momento / E em seu louvor hei de espalhar meu canto / E rir meu riso e derramar meu canto / Ao seu pesar ou seu contentamento.”
  3. 3ª estrofe: “E assim, quando mais tarde me procure / Quem sabe a morte, angústia de quem vive / Quem sabe a solidão, fim de quem ama”
  4. 4ª estrofe: “Eu possa me dizer do amor (que tive): / Que não seja imortal, posto que é chama / Mas que seja infinito enquanto dure.”
  5. Observação: Note que quando queremos nos referir aos versos em texto corrido, usamos uma barra (“/”) para marcar onde começa e onde termina cada verso.

Essa forma do poema de Vinicius de Moraes é uma composição tradicional: trata-se do soneto. Essas estrofes, portanto, recebem nomes específicos: dois quartetos e dois tercetos.

  • 1ª e 2ª estrofes: quartetos
  • 3ª e 4ª estrofes: tercetos
  • As estrofes são classificadas de acordo com o número de versos que contêm. Veja:
  • 1 verso – monóstico 2 versos – dístico ou parelha 3 versos – terceto ou trístico 4 versos – quarteto ou quadra 5 versos – quintilha, quinteto ou pentástico 6 versos – sextilha, sexteto ou hexástico 7 versos – septilha, hepteto, heptástico, sétima, septena ou estrofe de sete versos 8 versos – oitava ou octástico 9 versos – nona 10 versos – décima
  • 11 ou mais versos – irregular 

O que é rima?

Rima é o nome que se dá à igualdade de sons nas sílabas poéticas.

No poema exemplificado no início, percebemos que “atento” termina com o mesmo som de “pensamento”; o mesmo acontece com “tanto” e “encanto”. É essa igualdade ou semelhança entre os sons que é chamada rima.

Leia também: Recursos estilísticos da poesia: figuras de linguagem

  • Alternadas ou cruzadas: esquema ABAB, quando se alternam – o primeiro verso rima com o terceiro; o segundo rima com o quarto.
  1. Na névoa da manhã, tranquila e suave (A)
  2. Vieste do fundo incerto do passado; (B)
  3. Ainda tinhas o mesmo passo da ave (A)

E o mesmo olhar magoado… (B)

[…]

(Ronald de Carvalho, “Romance”)

  • Emparelhadas ou paralelas: esquema AABB, quando o primeiro verso rima com o segundo, o terceiro rima com o quarto, o quinto rima com o sexto e assim sucessivamente. Veja um exemplo:
  • Filho meu, de nome escrito (A)
  • Da minh’alma no Infinito. (A)
  • Escrito a estrelas e sangue (B)    

No farol da lua langue… (B)

Das tuas asas serenas (C)    

Faz manto para estas penas. (C)

[…]

(Cruz e Sousa, “Recolta de Estrelas”)

  • Opostas ou interpoladas: esquema ABBA, quando as rimas se opõem – o primeiro verso rima com o quarto; o segundo rima com o terceiro. É o caso do “Soneto da Fidelidade”:
  1. De tudo, ao meu amor serei atento (A)
  2. Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto (B)
  3. Que mesmo em face do maior encanto (B)
  4. Dele se encante mais meu pensamento (A)
  5. (Vinicius de Moraes)
  • Versos brancos: quando o poema não possui rimas. Por exemplo:
Leia também:  Tudo O Que Vejo Está Nítido Como Um Girassol Analise?

[…]

  • Uma flor nasceu na rua!
  • Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.
  • Uma flor ainda desbotada
  • ilude a polícia, rompe o asfalto.
  • Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
  • garanto que uma flor nasceu.

[…]

(Carlos Drummond de Andrade, “A Flor e a Náusea”) 

Publicado por: Luiza Brandino

Alguém sabe me dizer como se chama cada linha de um poema?

ate as 8:30
preciso de ajuda nessa n consegui fazer

quatro monossílabos tônico ​

Em que ano e onde ela nasceu? ​

No trecho: “Padre Cabral levara os deveres para corrigir em sua cela. ”, o predicado desta oração é:A) nominal.B) verbal.C) verbo-nominal.D) oração se

m predicado.​

circule os substantivos e classifique o cachorro esta feliz​

Preciso pra até as 8:30.

1) Quais as palavras chaves do documentário?*https://youtu.be/8vL1i4Ynqts(é um documentario )urgente !!!!​

4- A crônica é um gênero textual que pode ser dividido em diferentes tipos. Classifique a crônica acima:( ) Crônica descritiva – A crônica descritiva

é tipificada pela descrição dos elementos na narrativa. Ou seja, é um texto que expõe os detalhes de objetos, lugares, personagens e demais partes.

( ) Crônica narrativa – Esse tipo de crônica é marcado pela narração em primeira ou terceira pessoa do singular. Ele costuma conter humor, ação e crítica.( ) Crônica dissertativa – A crônica dissertativa pode ser escrita em primeira ou terceira pessoa do plural. Ela traz à tona o ponto de vista do autor sobre o assunto em foco.

( ) Crônica humorística – Humor, ironia e sarcasmo são os componentes da crônica humorística. Diferentes abordagens e estratégias podem ser adotadas nesse tipo de texto para tratar dos temas que impactam a sociedade de forma cômica.( ) Crônica lírica – No gênero lírico, a expressão de emoções é predominante.

A crônica lírica, portanto, evidencia o sentimentalismo.( ) Crônica poética – A crônica poética utiliza versos poéticos em sua composição. Dessa forma, além de traços de poesia, também contém sentimentos e emoções.( ) Crônica narrativo-descritiva -Esse tipo de crônica combina a narrativa e a descritiva.

( ) Crônica jornalística- A crônica jornalística tem um viés do texto jornalístico no que diz respeito à veiculação de notícias e fatos. Dessa forma, busca abordar acontecimentos atuais, do mesmo dia ou semana, por exemplo.

( ) Crônica histórica – Ao contrário da crônica jornalística, que destaca eventos recentes, a crônica histórica relembra episódios passados.( ) Crônica filosófica – Por fim, a crônica filosófica que carrega uma reflexão sobre determinado assunto.​

modelo de mapa emental artigo de opinião​

Por que quando dissemos que a pronúncia ordinária, coloquial da palavra macaco para “macacu” não configura mudança tão somente do ponto de vista do ní

vel fonológico. Justifique sua resposta. *

Diferença entre estrofe e verso

O verso e a estrofe são elementos do texto poético. Cada linha de um poema representa um verso, já a estrofe é o conjunto de versos.

Tomemos como exemplo a primeira parte do poema Vou-me embora pra Pasárgada, de Manuel Bandeira:

  • “Vou-me embora pra Pasárgada
    Lá sou amigo do rei
    Lá tenho a mulher que eu quero
  • Na cama que escolherei”

Neste caso, a frase “Vou-me embora pra Pasárgada” é um verso, assim como “Lá sou amigo do rei” é outro verso, e assim por diante. O conjunto dos quatro versos formam uma estrofe.

O que é verso?

Um verso é uma única frase em uma composição poética. É o elemento que define a poesia, em oposição à prosa. Um conjunto de versos com sentido completo chama-se “estrofe”.

Os versos dão ritmo, melodia e métrica a uma poesia. Eles podem ser classificados quanto ao número de sílabas métricas, ou sílabas poéticas, que são diferentes das sílabas gramaticais.

Para exemplificar os versos e estrofes, vamos utilizar o poema Canção de exílio, de Gonçalves Dias. Cada linha desse poema representa um verso.

Minha terra tem palmeiras, (primeiro verso)Onde canta o Sabiá; (segundo verso)As aves, que aqui gorjeiam, (terceiro verso)Não gorjeiam como lá. (quarto verso)

Tipos de versos

De acordo com o número de sílabas poéticas dos versos, temos a seguinte classificação:

  • Monossílabo: uma sílaba poética
  • Dissílabo: duas sílabas poéticas
  • Trissílabo: três sílabas poéticas
  • Tetrassílabo: quatro sílabas poéticas
  • Pentassílabo ou Redondilha Menor: cinco sílabas poéticas
  • Hexassílabo: seis sílabas poéticas
  • Heptassílabo ou Redondilha Maior: sete sílabas poéticas
  • Octossílabo: oito sílabas poéticas
  • Eneassílabo: nove sílabas poéticas
  • Decassílabo: dez sílabas poéticas
  • Hendecassílabo: onze sílabas poéticas
  • Dodecassílabo ou Alexandrino: doze sílabas poéticas
  • Verso Bárbaro: verso com mais de doze sílabas poéticas

O que é estrofe?

Na poesia, uma estrofe é uma unidade dentro de um poema, sendo formada por versos. Nas estrofes, os conjuntos de versos são ordenados de maneira a apresentar uma correspondência métrica com outras estrofes.

Cada conjunto de versos, separados pelas linhas pontilhadas, é uma estrofe. O poema abaixo possui 5 estrofes:

  1. Minha terra tem palmeiras,Onde canta o Sabiá;As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá.
  2. —————————————-
  3. Nosso céu tem mais estrelas,
    Nossas várzeas têm mais flores,
    Nossos bosques têm mais vida,
  4. Nossa vida mais amores.
  5. —————————————-
  6. Em cismar, sozinho, à noite,
    Mais prazer eu encontro lá;
    Minha terra tem palmeiras,
  7. Onde canta o Sabiá.
  8. —————————————-
  9. Minha terra tem primores,
    Que tais não encontro eu cá;
    Em cismar sozinho, à noite
    Mais prazer eu encontro lá;
    Minha terra tem palmeiras,
  10. Onde canta o Sabiá.
  11. —————————————-
  12. Não permita Deus que eu morra,
    Sem que eu volte para lá;
    Sem que disfrute os primores
    Que não encontro por cá;
    Sem qu'inda aviste as palmeiras,
  13. Onde canta o Sabiá.

Tipos de Estrofe

Segundo o número de versos presentes em cada estrofe, temos:

  • Monóstico: estrofe de 1 verso
  • Dístico: estrofe de 2 versos
  • Terceto: estrofe de 3 versos
  • Quarteto ou Quadra: estrofe de 4 versos
  • Quintilha: estrofe de 5 versos
  • Sextilha: estrofe de 6 versos
  • Septilha: estrofe de sete versos
  • Oitava: estrofe de 8 versos
  • Nona: estrofe de 9 versos
  • Décima: estrofe de 10 versos
  • Irregulares: estrofe com mais de 10 versos

E o que é a rima?

Outro elemento do texto poético é a rima. Voltando ao poema Canção de exílio, podemos ver que o segundo verso e o quarto verso de todas as estrofes possuem a terminação das palavras com sons parecidos, como “sabiá” e “lá”, e “flores e amores”.

O uso dessas combinações de palavras que apresentam certa semelhança de som é chamado de rima, sendo usado pelo poeta para tornar a poesia mais musical e sonora.

No caso acima, a rima era utilizada no fim dos versos, chamada de rima externa, mas ela também pode ser usada no interior, sendo a rima interna. O uso de determinados tipos de rima varia de acordo com a intenção do autor e do efeito que ele deseja.

Tipos de rima

Rima alternada ou cruzada (ABAB)

“O poeta é um fingidor. (A)
Finge tão completamente (B)
Que chega a fingir que é dor (A)
A dor que deveras sente.” (B)

(Trecho do poema Autopsicografia, de Fernando Pessoa)

Nesse trecho, a rima ocorre entre versos pares e ímpares, onde o 1º verso rima com o 3º, e o 2º verso rima com o 4º.

Rima intercalada ou oposta (ABBA)

“Hoje, voltas-me o rosto, se ao teu lado (A)
passo. E eu, baixo os meus olhos se te avisto. (B)
E assim fazemos, como se com isto, (B)
pudéssemos varrer nosso passado.” (A)

(Trecho do poema Indiferença, de Guilherme de Almeida)

No exemplo acima, a rima é encontrada entre o 1º e o 4º verso, e entre o 2º e 3º verso.

Rima emparelhada (AABB)

“Aos que me chamam de deputado (A)
Quando nem mesmo sou jurado, (A)
Aos que, de bons, se babam: mestre! (B)
Inda se escrevo o que não preste.” (B)

(Trecho do poema Obrigado, de Carlos Drummond de Andrade)

No trecho desse poema, as rimas são encontradas entre os versos 1º e o 2º e entre o 3º e 4º.

Veja também a diferença entre:

  • Poema e poesia
  • Prosa e poesia
  • Texto literário e texto não-literário

Poema: o que é, características, estrutura e tipos (com exemplos)

Daniela Diana

Professora licenciada em Letras

Um poema é um texto literário composto de versos, e que podem conter rimas ou não.

Assim, diferente da prosa, escrita em texto corrido, o poema é escrito em versos que se agrupam em estrofes.

As principais características dos poemas

Os principais elementos que compõem um poema são o verso, a métrica, a estrofe, a rima e o ritmo.

1. Verso e métrica

O verso é cada linha de um poema, e a métrica representa as medidas dos versos utilizados. Assim, os versos são classificados de acordo com as sílabas poéticas que apresentam. São eles:

  • Monossílabo – verso com uma sílaba poética
  • Dissílabo – verso com duas sílabas poéticas
  • Trissílabo – verso com três sílabas poéticas
  • Tetrassílabo – verso com quatro sílabas poéticas
  • Pentassílabo – verso com cinco sílabas poéticas
  • Hexassílabo – verso com seis sílabas poéticas
  • Heptassílabo – verso com sete sílabas poéticas
  • Octossílabo – verso com oito sílabas poéticas
  • Eneassílabo – verso com nove sílabas poéticas
  • Decassílabo – verso com dez sílabas poéticas
  • Hendecassílabo – verso com onze sílabas poéticas
  • Dodecassílabo – verso com doze sílabas poéticas

Tipos de versos

  • Versos regulares: também chamados de versos isométricos, são aqueles que possuem a mesma medida.
  • Versos livres: também chamados de versos heterométricos, são os aqueles que possuem medidas diferentes, ou seja, são irregulares.
  • Versos brancos: também chamados de versos soltos, são aqueles que não apresentam esquemas de rima, no entanto, podem apresentar métrica (medida)

Exemplos de poemas

Soneto da Fidelidade (Vinicius de Moraes) – poema com versos regulares

Leia também:  O Que Visitar Em Lago Como?

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama

  • Mas que seja infinito enquanto dure.
  • Esperança (Mario Quintana) – poema com versos livres e brancos

Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança…
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:

— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA…

Saiba mais sobre o tema:

  • O que é verso?
  • Versificação
  • Versos livres

2. Estrofe

Representa o conjunto de versos e de acordo com cada agrupamento, as estrofes são classificadas em:

  • Monóstico – estrofe com um verso
  • Dístico – estrofe com dois versos
  • Terceto – estrofe com três versos
  • Quadra ou Quarteto – estrofe com quatro versos
  • Quintilha – estrofe com cinco versos
  • Sextilha – estrofe com seis versos
  • Septilha – estrofe com sete versos
  • Oitava – estrofe com oito versos
  • Nona – estrofe com nove versos
  • Décima – estrofe com dez versos

Tipos de estrofe

Segundo a métrica de cada verso, a estrofe pode ser:

  • Estrofes simples: poema composto de versos que possuem a mesma medida.
  • Estrofes compostas: poema que agrupa versos de medidas diferentes.
  • Estrofes livres: poema com agrupamento de versos sem rigor métrico.

Leia mais sobre a Estrofe.

3. Rima

As rimas estão associadas à sonoridade dos poemas e que acontece com a aproximação sonora entre as palavras ou expressões. No entanto, há poemas que não possuem rimas e são chamados de versos brancos.

Exemplo de poema com rima

Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.
Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,

  1. se tão contrário a si é o mesmo Amor
  2. (Amor é fogo que arde sem se ver, de Luiz Vaz de Camões)
  3. Exemplo de poema sem rima

Sonhe com aquilo que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que quer.
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor das oportunidades
que aparecem em seus caminhos.
A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam
Para aqueles que buscam e tentam sempre.

E para aqueles que reconhecem

  • a importância das pessoas que passaram por suas vidas.
  • (O sonho, de Clarice Lispector)

Tipos de rima

Dependendo do esquema de rimas utilizado no poema, elas são classificadas em:

  • Rimas alternadas: formadas entre versos pares e os versos ímpares.
  • Rimas opostas: estão localizadas entre o primeiro e o quarto verso e, entre o segundo e o terceiro verso.
  • Rimas emparelhadas: estão entre o primeiro e o segundo verso e, entre o terceiro e o quarto verso.
  • Rimas internas: aquelas que aparecem no interior dos versos.

Leia mais sobre esse conteúdo:

  • O que é rima?
  • Verso, estrofe e rima

4. Ritmo

O ritmo está relacionado com a sonoridade e a musicalidade presente nos poemas. Trata-se de um elemento muito importante produzido de maneira intencional de acordo com as palavras escolhidas pelo escritor.

  1. Exemplo de poema com ritmo
  2. Meu canto de morte,
    Guerreiros, ouvi:
    Sou filho das selvas,
    Nas selvas cresci;
    Guerreiros, descendo
    Da tribo tupi.
    Da tribo pujante,
    Que agora anda errante
    Por fado inconstante,
    Guerreiros, nasci:
    Sou bravo, sou forte,
    Sou filho do Norte;
    Meu canto de morte,
  3. Guerreiros, ouvi.

(…)

(Trecho do poema I-Juca-Pirama, de Gonçalves Dias)

Tipos de poemas

Segundo a classificação literária, os poemas são reunidos em três gêneros:

1. Poemas líricos: de caráter sentimental e subjetivo, por exemplo, o haicai e o soneto.

Exemplo de poema lírico

Caçador de estrelas.
Chorou: seu olhar voltou

com tantas! Vem vê-las!

(O Poeta, haicai de Guilherme de Almeida)

2. Poemas épicos: contém a presença de heróis, por exemplo, a epopeia e a fábula.

  • Exemplo de poema épico
  • As armas e os Barões assinalados
    Que da Ocidental praia Lusitana
    Por mares nunca de antes navegados
    Passaram ainda além da Taprobana,
    Em perigos e guerras esforçados
    Mais do que prometia a força humana,
    E entre gente remota edificaram
  • Novo Reino, que tanto sublimaram.
  • (trecho de Os Lusíadas, de Luíz Vaz de Camões)

3. Poemas narrativos: feitos para serem encenados, por exemplo, os autos e as farsas.

  1. Exemplo de poema narrativo
  2. Fique atento nesta narração
    É a história de um cabra-macho
    Mas preste bastante atenção
    Não tinha sossego no facho
    De ninguém era capacho
    Só arrumava confusão
    O nome dele era João
    Grilo era só um apelido
    Tinha um grande coração
    Chicó era seu melhor amigo
    Viviam sempre em perigo
  3. Nessa história de armação
  4. (Trecho do Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna)
  5. Leia mais sobre os Gêneros literários.

Estrutura do poema

Quanto à estrutura de um poema, ela é classificada em dois tipos:

  1. Estrutura interna: corresponde aos aspectos relacionados ao conteúdo explorado no poema, que inclui: o tema, a linguagem, o discurso, a opinião do autor, o eu-poético, a organização, etc.
  2. Estrutura externa: representa os aspectos formais dos poemas, ou seja, a forma do poema e que inclui: os tipos de versos, de estrofes, o esquema de rimas, a métrica, etc.

Vale ressaltar que existem os poemas de forma fixa e os de forma livre, os quais não apresentam uma estrutura rígida. Alguns poemas de forma fixa muito utilizados pelos poetas são:

  • Soneto: formado por 14 versos, sendo que dois deles são quartetos (conjunto de quatro versos) e dois são tercetos (conjunto de três versos).
  • Trova: formado por uma estrofe com quatro versos heptassílabos (com 7 sílabas poéticas).
  • Haicai: formado por 3 versos (terceto), sendo o primeiro verso composto de 5 sílabas poéticas (pentassílabo); o segundo de 7 sílabas poéticas (heptassílabo); e o terceiro de 5 sílabas poéticas (pentassílabo)

Saiba mais sobre o Soneto e o Haicai.

Recursos estilísticos poéticos

  • As figuras de linguagem são um dos recursos estilísticos mais utilizados nas poesias, pois oferecem maior expressividade aos textos.
  • Como exemplo temos: metáfora, antítese, sinestesia, hipérbole, prosopopeia, anáfora, aliteração, paronomásia, assonância, onomatopeia, etc.
  • Recordação (Cecília Meireles) – poema com sinestesia

Agora, o cheiro áspero das flores
leva-me os olhos por dentro de suas pétalas.
Eram assim teus cabelos;
tuas pestanas eram assim, finas e curvas.

As pedras limosas, por onde a tarde ia aderindo,
tinham a mesma exaltação de água secreta,
de talos molhados, de pólen,
de sepulcro e de ressurreição.
E as borboletas sem voz
dançavam assim veludosamente.

Restitui-te na minha memória, por dentro das flores!
Deixa virem teus olhos, como besouros de ónix,
tua boca de malmequer orvalhado,
e aquelas tuas mãos dos inconsoláveis mistérios,
com suas estrelas e cruzes,
e muitas coisas tão estranhamente escritas
nas suas nervuras nítidas de folha,

– e incompreensíveis, incompreensíveis.

Obs.: a sinestesia é uma figura de linguagem que mistura sensações relacionadas aos cinco sentidos humanos: tato, audição, olfato, paladar e visão.

  1. O relógio (Vinicius de Moraes) – poema com onomatopeia
  2. Passa, tempo, tic-tac
    Tic-tac, passa, hora
    Chega logo, tic-tac
    Tic-tac, e vai-te embora
    Passa, tempo
    Bem depressa
    Não atrasa
    Não demora
    Que já estou
    Muito cansado
    Já perdi
    Toda a alegria
    De fazer
    Meu tic-tac
    Dia e noite
    Noite e dia
    Tic-tac
    Tic-tac
    Dia e noite
    Noite e dia
    Tic-tac
    Tic-tac
  3. Tic-tac…

Obs.: A onomatopeia é uma figura de linguagem que imita os sons de objetos, de animais, de pessoas, etc.

Diferença entre poema e poesia

Embora esses dois termos sejam utilizados como sinônimos, existem diferenças entre eles:

  • Poema: gênero literário composto de versos, estrofes e, por vezes, rimas.
  • Poesia: qualquer produção artística que provoca emoções e que pode ser literatura, artes plásticas, escultura, etc.

Dessa forma, podemos dizer que todo poema tem poesia, mas nem toda a poesia tem poema.

Leia também:

Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.

Poesia: Versos, estrofes, métrica

  • Poesia visual
  • Versificação

O que é poesia? Qual a diferença em relação à prosa? Essas são questões centrais para os estudiosos de literatura. A palavra vem do grego poiésis, criação, fabricação.

O poema é uma obra de arte e tem valor permanente. No poema a seguir, o poeta latino Catulo, traduzido por Haroldo de Campos, cantou o amor.

Vivamos, minha Lésbia, e amemos, e as graves vozes velhas – todas – valham para nós menos que um vintém. Os sóis podem morrer e renascer: quando se apaga nosso fogo breve dormimos uma noite infinita. Dá-me pois mil beijos, e mais cem, e mil, e cem, e mil, e mil e cem. Quando somarmos muitas vezes mil misturaremos tudo até perder a conta: que a inveja não ponha o olho de agouro no assombro de uma tal soma de beijos.
Leia também:  Koksartroza – przyczyny, objawy, leczenie zwyrodniania biodra

Algumas definições de poesia referem-se à emoção, à beleza, à concisão, à perfeição da elaboração poética, ao sintetizar uma experiência universal. O escritor italiano Umberto Eco define a poesia de uma forma simples e eficaz:”Poesia é aquela coisa que muda de linha antes que a página tenha terminado.”

  • :: VEJA IMAGENS DE GRANDES POETAS ::
  • Escritura contínua

O verso, portanto, define a poesia, por oposição à prosa – basicamente, é cada uma das linhas que ocupa a poesia. A prosa é uma escrita contínua, sem pausas, métrica ou ritmo. A prosa é o veículo natural das narrativas, como o conto, a novela ou o romance.

  1. Apesar disto, certas obras narrativas, como a Odisseia ou a Ilíada, de Homero, foram escritas em versos.
  2. Segundo o poeta norte-americano Ezra Pound, há três grandes formas de a linguagem se carregar de significado:

Também existem poemas em prosa. Embora sejam escritos em prosa, têm todas as características da poesia, como os temas, o estilo e a inspiração.Podemos dizer que o poema é uma obra fechada em si mesma, curta e escrita em versos. O poema tem uma relação direta e intensa com a língua em que é escrito; nele, a informação aparece condensada, o significado está tensionado.

  • Induzindo correlações emocionais pelo som e pelo ritmo (“melopeia”);
  • Trazendo um objeto para a imaginação visual (“fanopeia”);
  • Produzindo associações emocionais e intelectuais (“logopeia”). Escrita métrica O verso é uma escrita métrica. Ele pode ser medido. Nas línguas clássicas, como o grego e o latim, a medida dos versos é indicada pela alternância de sílabas longas e breves.Em português, a medida de um verso é indicada pelo número de sílabas que ele apresenta. Os dois primeiros versos do poema Bilhete, do poeta gaúcho Mário Quintana, apresentam dez sílabas, isto é, são decassílabos.A contagem das sílabas métricas vai apenas até a última sílaba tônica do verso.
    Se/ tu/ me/ a/ mas,/ a/ ma/ -me/ bai/ xi/ nho
    1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
    Não/ o/ gri/ tes/ de/ ci/ ma/ dos/ te/ lha/ dos
    1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

    Estrofe Um conjunto de versos chama-se “estrofe”. Um soneto, por exemplo, é um poema que apresenta quatro estrofes – dois quartetos (estrofes de quatro versos) e dois tercetos (estrofes de três versos).Para conhecer a estrutura interna de um poema, é importante conhecer o número de estrofes e o número de versos em cada estrofe.Os efeitos rítmicos também podem ser obtidos através de rimas, estribilhos, repetições e variações de sons. Há uma infinidade de recursos que criam a sonoridade peculiar de um poema. Sons e imagens O poeta se comunica por sons e por imagens. Ele percebe e cria relações entre o que vê, imagina, sente e pensa. Ele estabelece comparações e contrastes e cria imagens e analogias, isto é, procura semelhanças e diferenças entre as coisas. A linguagem poética tem um grande poder de evocação, de criar novas realidades. Eu lírico Por fim, é importante lembrar que não é o próprio autor que se expressa no poema, mas sim um “Eu poético” ou “Eu lírico”. O Eu poético também é uma criação literária, uma ficção.Mas afinal o que é poesia? O poeta Manuel Bandeira assim se expressou:”Compreendi que a poesia está nas palavras, se faz com palavras e não com ideias e sentimentos, muito embora, bem entendido, seja pela força do sentimento ou pela tensão do espírito que acodem ao poeta as combinações de palavras onde há carga de poesia.”

Estrutura externa de um poema

A estrutura externa de um poema se refere a seus aspectos formais. Numa análise formal, os poemas são analisados quanto ao número de estrofes, número de versos por estrofe, esquema rimático em cada estrofe, métrica dominante e tipo de rima existente.

A poesia, por oposição à prosa, é escrita em verso. Cada linha do poema é chamada de verso. Um conjunto de versos, separado de outro conjunto de versos por uma linha branca, é chamado de estrofe.

Versos e estrofes

Os poemas podem possuir desde um a vários versos, bem como desde uma a diversas estrofes. Embora haja poemas de estruturas fixas, a maioria dos poetas atuais opta pela liberdade na criação da estrutura do poema.

Classificação de estrofes quanto ao número de versos:

  • Estrofe com um verso: monóstico;
  • Estrofe com dois versos: dístico;
  • Estrofe com três versos: terceto;
  • Estrofe com quatro versos: quarteto ou quadra;
  • Estrofe com cinco versos: quintilha;
  • Estrofe com seis versos: sextilha;
  • Estrofe com sete versos: septilha;
  • Estrofe com oito versos: oitava;
  • Estrofe com nove versos: nona;
  • Estrofe com dez versos: décima;
  • Estrofe com mais de dez versos: estrofe irregular.

Exemplo de uma quadra:
“Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!”

(Mário Quintana)

Exemplo de uma sextilha:
“Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!”

  • (Castro Alves)
  • Poemas com estrutura fixa:
  • Soneto: Formado por duas quadras e dois tercetos.
  • Balada: Formada por três oitavas (ou décimas) e uma quadra (ou quintilha).
  • Sextina: Formada por seis sextilhas e um terceto.
  • Rondó: Formado por uma quintilha, um terceto e outra quintilha.
  • Rondel: Formado por duas quadras e uma quintilha.
  • Haicai: Formado por um terceto.

Exemplo de um soneto:
“Eu faço versos como os saltimbancos
Desconjuntam os ossos doloridos
A entrada é livre para os conhecidos…

Sentai, Amadas, nos primeiros bancos!

Vão começar as convulsões e arrancos
Sobre os velhos tapetes estendidos…
Olhai o coração que, entre gemidos,

Giro na ponta dos meus dedos brancos.

“Meu Deus! Mas tu não mudas o programa!”
– Protesta a clara voz das Bem-Amadas –

“Que tédio!” – o coro dos Amigos clama.

“Mas que vos dar de novo e de imprevisto?”
– Digo… e retorço as pobres mãos cansadas:
“Eu sei chorar… Eu sei sofrer… Só isto!”

  1. (Mário Quintana)
  2. Exemplo de um haicai:
    “Tudo dito,
    Nada feito,
    Fito e deito.”
  3. (Paulo Leminski)

Escansão e sílaba métrica

Escansão é a divisão de um verso em sílabas métricas. Estas se referem às sílabas existentes num determinado verso e diferem das sílabas gramaticais.

O verso é considerado na sua totalidade, como se fosse apenas uma palavra.

A contagem das sílabas existentes num verso é feita apenas até à sílaba tônica da última palavra do verso e, além disso, duas ou mais vogais no fim de uma palavra e no início de outra pertencerão à mesma sílaba.

Classificação de versos quanto ao número de sílabas:

  • verso com uma sílaba: monossílabo;
  • verso com duas sílabas: dissílabo;
  • verso com três sílabas: trissílabo;
  • verso com quatro sílabas: tetrassílabo;
  • verso com cinco sílabas: pentassílabo ou redondilha menor;
  • verso com seis sílabas: hexassílabo ou heroico quebrado;
  • verso com sete sílabas: heptassílabo ou redondilha maior;
  • verso com oito sílabas: octossílabo;
  • verso com nove sílabas: eneassílabo;
  • verso com dez sílabas: decassílabo
  • verso com onze sílabas: hendecassílabo;
  • verso com doze sílabas: dodecassílabo ou alexandrino;
  • verso com mais de doze sílabas: verso bárbaro;
  • verso livre: usado atualmente pelos poetas modernistas, não possuem número exato de sílabas.
  • Exemplo de heptassílabo ou redondilha maior:
    “Da aurora da minha vida” (Casimiro de Abreu)
  • (Da au / ro / ra / da / mi / nha / vi da)
  • Exemplo de decassílabo:
    “E, se mais mundo houvera, lá chegara.” (Luís de Camões)
  • (E / se / mais / mun / do hou / ve / ra / lá / che / ga ra)

Rima e esquema rimático

Na poesia, as rimas se caracterizam pela repetição de sons no final de dois ou mais versos, conferindo musicalidade ao poema. A classificação de rimas poderá ser feita quanto à fonética, quanto ao valor, quanto à acentuação e quanto à posição no verso e na estrofe. O esquema rimático é obtido através da posição das rimas nos versos e nas estrofes.

Classificação de rimas:

  • Quanto à fonética: rima perfeita ou consoante, rima imperfeita, rima toante ou assonante e rima aliterante.
  • Quanto ao valor: rima pobre, rima rica e rima rara ou preciosa.
  • Quanto à acentuação: rima aguda ou masculina, rima grave ou feminina e rima esdrúxula.
  • Quanto à posição no verso: rima externa e rima interna ou coroada.
  • Quanto à posição na estrofe: rimas alternadas ou cruzadas, rimas emparelhadas ou paralelas, rimas interpoladas ou intercaladas, rimas encadeadas, rimas mistas ou misturadas e versos brancos ou soltos.

Exemplos:
“E conversamos toda a noite, enquanto
A Via Láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.”

(Olavo Bilac)

Esquema rimático: ABAB – rimas alternadas ou cruzadas.Enquanto/pranto: rimas externas, graves, consoantes e ricas.Aberto/deserto: rimas externas, graves, consoantes e pobres.

Fique sabendo mais!
Além da estrutura formal, a análise de um texto poético deverá englobar também a análise do conteúdo e da estrutura interna do poema (subdivisões e forma de organização das ideias), bem como dos aspectos linguísticos utilizados, como o tipo de linguagem, o tipo de discurso e as figuras de linguagem. Poderá ainda contemplar uma opinião fundamentada sobre o poema, referindo características do autor e do contexto social e literário existente aquando da criação do texto poético.

Professora de português, revisora e lexicógrafa nascida no Rio de Janeiro e licenciada pela Escola Superior de Educação do Porto, em Portugal (2005). Atua nas áreas da Didática e da Pedagogia.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*