Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?

Compartilhe este conteúdo

Você já ouviu falar em mudança de comportamento repentina?

É comum ocorrer algumas alterações de humor durante o dia. Algo que não sai conforme o planejado, ônibus cheio, trânsito. Mas quando isso é muito frequente, pode se tratar de mudança de comportamento repentina.

  • Algumas instabilidades apresentadas pelo corpo humano, em sua maioria, podem ser indícios de doenças mais graves.
  • A mudança repentina de comportamento, quando ocorrida de forma brusca várias vezes ao dia, além de ser prejudicial para as relações interpessoais, também pode indicar transtornos mentais.
  • Neste artigo, vamos citar as possíveis causas da mudança de comportamento repentina e como lidar da melhor forma com alguém que sofre de transtorno mental.
  • Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?     Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?

Transtorno Bipolar: isso é mudança de comportamento repentina?

Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?

O transtorno bipolar é a oscilação entre o bom humor e a depressão. As doenças da mente representam alterações para mais ou para menos em relação aos aspectos emocionais comuns. A relação doentia de tais aspectos emocionais constituem polos. Como são dois, compreende-se então o termo bipolar. O estado é chamado transtorno afetivo bipolar.

A principal característica desse transtorno é a alternância de fases de tristeza e alegrias de forma doentia. Podem ocorrer no mesmo dia ou na mesmo hora.

Você está procurando uma boa clinica? Clique aqui.
Se deseja conversar diretamente com um terapeuta sobre clinicas Clique aqui.

Os sintomas são variados, como a irritabilidade exacerbada, energia excessiva, reação excessiva a estímulos, grandiosidade e aumento do amor próprio, diminuição na vontade de dormir, perda de noção de realidade, alterações emocionais súbitas e imprevisíveis etc.

Dependência Química pode causar mudança de comportamento repentina

A dependência química é considerada como uma doença de transtorno mental. O portador desse distúrbio não tem o controle do uso da substância, e com isso, a vida emocional, espiritual e psíquica se deterioram gravemente.

Relacionados:  Como escolher a melhor clínica de reabilitação para um filho?

Por ser uma dependência provocada por uma reação química no metabolismo do corpo, drogas como o álcool e o tabaco causam dependência em pessoas predispostas.

Os principais sintomas são: compulsão ou perda de controle, síndrome de abstinência, saliência do consumo etc.

Existem​ ​alguns​ ​comportamentos​ ​que​ ​costumam​ ​ser​ ​extremamente​ ​alterados​ ​pela dependência​ ​química.​ ​ ​Dentre​ ​eles,​ ​podemos​ ​citar: O​ ​modo​ ​como​ ​a​ ​pessoa​ ​lida​ ​com​ ​suas​ ​atividades​ ​e​ ​compromissos:​ ​quem​ ​é​ ​afetado​ ​por​ ​esse problema,​ ​muitas​ ​vezes​ ​se​ ​torna​ ​bastante​ ​desleixado​ ​quanto​ ​às​ ​suas​ ​obrigações;​ ​passa​ ​a faltar​ ​em​ ​compromissos,​ ​inventar​ ​desculpas​ ​e​ ​mentir.

Também​ ​é​ ​frequente​ ​que​ ​a​ ​vida​ ​social​ ​da​ ​pessoa​ ​sofra​ ​mudanças​ ​drásticas. Ela​ ​tende​ ​a​ ​se​ ​afastar​ ​de​ ​seus​ ​amigos,​ ​chegando​ ​a​ ​se​ ​isolar​ ​até​ ​mesmo​ ​daqueles​ ​com quem​ ​tinha​ ​mais​ ​proximidade​ ​e​ ​da​ ​família.

Portanto, é​ ​essencial​ ​lembrar​ ​que​ ​a​ ​dependência​ ​química​ ​não​ ​é​ ​um​ ​problema​ ​moral,​ ​mas​ ​sim​ ​uma doença​ ​de​ ​verdade​ ​que​ ​gera​ ​sofrimento​ ​e​ ​outras​ ​consequências​ ​muito​ ​graves.​ ​ Afinal, é ​preciso respeitar​ ​e​ ​ajudar​ ​o​ ​paciente em vez ​de​ ​julgá-lo.

Depressão também leva à mudança de comportamento repentina

Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?

A depressão é uma doença caracterizada por uma tristeza profunda e duradoura. A cada ano, uma em cada vinte pessoas apresenta como transtorno mental, a depressão.

Além da tristeza profunda, sintomas como falta de energia, apatia, desânimo, falta de vontade para realizar tarefas, sensação de vazio e falta de interesse por tarefas que antes eram apreciadas também podem ser apresentados.

O​ ​uso​ ​de​ ​drogas​ ​pode​ ​levar​ ​alguém​ ​à​ ​depressão​ ​se​ ​essa​ ​pessoa​ ​já​ ​tiver​ ​uma​ ​tendência​ ​ou uma​ ​predisposição​ ​(biológica,​ ​genética​ ​ou​ ​emocional)​ ​para​ ​o​ ​problema.​ Desse modo, ​certas​ ​substâncias, como​ ​LCD,​ ​maconha​ ​ou​ ​até​ ​medicamentos​ ​calmantes​ ​tendem​ ​a​ ​“deprimir”​ ​o​ ​sistema nervoso​ ​central,​ ​levando​ ​o​ ​usuário​ ​a​ ​um​ ​estado​ ​depressivo.

Por​ ​outro​ ​lado,​ ​pessoas​ ​que​ ​já​ ​sofrem​ ​de​ ​depressão​ ​podem​ ​ser​ ​mais​ ​propensas​ ​ao​ ​uso​ ​de drogas,​ ​buscando​ ​nelas​ ​um​ ​“alívio”​ ​de​ ​sua​ ​tristeza,​ ​uma​ ​fuga​ ​da​ ​realidade​ ​ou​ ​um​ ​meio​ ​de se​ ​sentir​ ​poderoso.

Assim,​ ​é​ ​importante​ ​lembrar​ ​que​ ​nesses​ ​casos,​ ​os​ ​tratamentos​ ​dé​ ​uso​ ​de​ ​drogas​ ​e​ ​de depressão​ ​devem​ ​ser​ ​conciliados:​ ​eles​ ​precisam​ ​ser​ ​realizados​ ​em​ ​conjunto,​ ​com​ ​um trabalho​ ​multiprofissional​ ​(englobando,​ ​por​ ​exemplo,​ ​médicos,​ ​psiquiatras​ ​e​ ​psicólogos​ ​que dialoguem​ ​entre​ ​si​ ​e​ ​dividam​ ​seus​ ​conhecimentos).

A síndrome do pânico é considerado como um transtorno de ansiedade que gera crises inesperadas de desespero e medo de que algo muito ruim aconteça, mesmo quando não existem sinais para isso.

Relacionados:  Sabe o que é a anorexia alcoólica? Entenda aqui

As crises de pânico duram geralmente cerca de 10 a 20 minutos, mas varia de paciente para paciente e da intensidade do ataque. É importante prestar atenção, pois muitas vezes, a crise de pânico é confundida com o ataque cardíaco.

Essas crises manifestam os seguintes sintomas: tremores, sentimentos de indiferença, dormência e formigamento nas mãos, pés ou rosto, medo de perder o controle, sensação de perigo iminente, tontura, desmaio, dor de cabeça etc.

Apesar​ ​de​ ​não​ ​ter​ ​uma​ ​causa​ ​(ou​ ​causas)​ ​definida​ ​encontrada,​ ​os​ ​especialistas​ ​afirmam que​ ​a​ ​síndrome​ ​do​ ​pânico​ ​pode​ ​aparecer​ ​como​ ​consequência​ ​de​ ​​ ​fatores​ ​genéticos​ ​ou ambientais,​ ​como​ ​ansiedade​ ​e​ ​estresse​ ​acentuados​ ​ou​ ​o​ ​uso​ ​abusivo​ ​de​ ​álcool,​ ​drogas​ ​e certos​ ​medicamentos​ ​(como​ ​as​ ​anfetaminas).

Geralmente​ ​o​ ​tratamento,​ ​para​ ​ser​ ​eficaz,​ ​conta​ ​com​ ​a​ ​associação​ ​de​ ​psicoterapia​ ​e medicamentos.

Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?     Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?

Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?

Estudos​ ​recentes​ ​sobre​ ​o​ ​Alzheimer​ ​apontam​ ​que​ ​mudanças​ ​repentinas​ ​no​ ​comportamento podem​ ​ser​ ​indicadores​ ​da​ ​doença​ ​e​ ​anteceder​ ​a​ ​perda​ ​de​ ​memória​ ​em​ ​si. Sendo assim, entre​ ​as​ ​alterações​ ​mais​ ​comuns,​ ​estão:​ ​mudança​ ​para​ ​uma​ ​agressividade​ ​repentina, ansiedade,​ ​depressão,​ ​desorientação,​ ​passar​ ​a​ ​tirar​ ​as​ ​roupas​ ​em​ ​público​ ​e,​ ​a​ ​mais​ ​comum, perda​ ​de​ ​memória.​ ​Além​ ​disso,​ ​o​ ​começo​ ​repentino​ ​no​ ​uso​ ​de​ ​drogas​ ​também​ ​pode​ ​ser​ ​um sinal.

Desse modo, é​ ​importante​ ​que​ ​a​ ​pessoa​ ​e​ ​a​ ​família​ ​relatem​ ​tudo​ ​ao​ ​médico.​ ​

Vale destacar que, independentemente de qual seja a mudança de comportamento ou a mudança de humor repentina, se essa alteração de comportamento se manter é importante procurar um profissional.

Além disso, a automedicação nunca é recomendada e pode trazer vários riscos. Por isso, os tratamentos mais eficientes, em qualquer caso, são aqueles que contam com um bom trabalho multiprofissional.

A melhor forma de lidar com pessoas que apresentam transtornos mentais é saber ouvir.

Portanto, muitas vezes, o paciente se isola, evitando interação social. Nesses casos, uma boa conversa (sem tom acusatório) pode ser o pontapé para que o diagnóstico seja feito por um profissional e o tratamento seja feito por um especialista.

Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de álcool, drogas e remédios. Entre em contato para conversarmos mais!

(11) 2088-1909
(11) 97522-6386 VIVO WHATSAPP
(011) 95997-7546 TIM
(11) 99199-2029 CLARO

(11) 94262-3311 NEXTEL

Variação de humor pode ter ligação com o Transtorno Bipolar?

Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?

O Transtorno Bipolar (TB) é um transtorno mental que atinge, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 30 milhões de pessoas em todo o mundo. É um transtorno cujos sintomas apresentam recorrência se não forem tratados. Infelizmente, o termo “bipolar” se popularizou e é usado de forma errônea para nomear pessoas que costumam ter variações normais do humor.

Mas, afinal, a variação de humor é normal ou pode mesmo ser um sinal de algum transtorno mental?

Segundo Dr. Caio Magno, psiquiatra e cofundador da Clínica Estar Saúde Mental, é completamente normal apresentar uma variação de humor ao longo do dia ou de algum período, dependendo dos acontecimentos.

“O humor é um estado de ânimo, ou seja, a pessoa pode acordar bem, feliz e motivada, mas ir dormir chorando ou irritada. A variação de humor é esperada, pois nossos estados emocionais dependem de alguns fatores, como a forma de lidar com nossas emoções e de situações externas, ou seja, do que nos aconteceu ao longo do dia ou num período específico”, explica.

Já a variação de humor que ocorre no Transtorno Bipolar é completamente diferente de acordar alegre e dormir triste.

O TB é uma condição psiquiátrica que se caracteriza por mudanças do humor recorrentes com características e duração específicas e que afetam a vida da pessoa em vários aspectos.

Isso quer dizer que os sintomas da bipolaridade podem levar a sofrimento emocional, prejuízo da capacidade de trabalhar, estudar e de se relacionar.

Variação do humor e duração dos sintomas são critérios importantes para o diagnóstico “O Transtorno Bipolar se caracteriza por episódios de humor elevado (mania ou hipomania) e episódios de humor deprimido, que é a fase da depressão, assim como períodos de remissão, ou seja, fases sem apresentar nenhum sintoma. Há ainda os casos mistos, em que há sintomas de mania ou de hipomania e de depressão ao mesmo tempo”, comenta Dr. Caio.

Leia também:  Como Saber Qual E O Meu Tarifario Meo?

Segundo o psiquiatra, a mania é um estado de humor exaltado ou irritadiço, com aumento de energia, sensação de grandiosidade, inquietação psicomotora e aumento de atividade direcionada para objetivos.

“Seria como se a pessoa estivesse “ligada no 220”, na expressão popular. A hipomania costuma ter duração mais curta e os sintomas serem mais brandos, sem interferência na funcionalidade da pessoa”, comenta Dr.

Caio.

Depressão é o quadro mais comum Apesar da bipolaridade ser caracterizada pelos episódios de mania ou hipomania, a depressão é quadro mais comum e persistente e é a principal causa de incapacitação.

“Esse é um dos principais desafios no diagnóstico do transtorno bipolar. É muito comum que no transtorno bipolar do tipo II haja inúmeros episódios de depressão antes da ocorrência de um episódio de hipomania.

Entretanto, em 60% dos casos uma crise de mania precede a depressão”, diz o médico.

Diagnóstico precoce e adesão ao tratamento são fundamentais De acordo com Dr. Caio, o tratamento é feito na fase aguda e para manutenção. O primeiro visa à redução dos sintomas, sofrimento e risco para o paciente.

Já a manutenção foca na prevenção de recaídas e ajudar a melhorar a capacidade funcional.

Além dos medicamentos, a associação com psicoterapia pode ser benéfica, sendo uma possibilidade a Terapia Cognitiva Comportamental (TCC) combinada com técnicas de psicoeducação para ajudar o paciente a entender sua doença e aumentar a adesão à terapia medicamentosa.

Para finalizar, a variação de humor, como vimos, é um comportamento esperado em qualquer pessoa. Porém, se ela impactar na capacidade funcional e se apresentar continuamente, o ideal é procurar um psiquiatra.

Mudanças constantes de humor podem ser sinal de demência, diz estudo – BBC News Brasil

  • Michelle Roberts
  • Editora de Saúde do site da BBC

Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?

Crédito, Thinkstock

Mudanças constantes de humor podem ser um sinal prematuro de demência, revelou uma nova pesquisa.

O estudo, realizado pela Universidade College London, no Reino Unido, envolveu pacientes com demência frontotemporal. As descobertas foram publicadas na revista científica Journal of Alzheimer's Disease.

Questionários preenchidos por amigos e familiares dos 48 pacientes revelaram que muitos notaram uma instabilidade no humor antes de a demência ser diagnosticada.

Uma característica constatada, por exemplo, era rir inadequadamente em eventos trágicos.

Especialistas dizem que mais estudos são necessários para entender como e quando as mudanças de humor podem agir como um indício da demência.

Há diferentes tipos de demência, sendo a demência frontotemporal uma das mais raras.

A área do cérebro afetada pela doença é responsável pela personalidade e pelo comportamento, e as pessoas que desenvolvem esse tipo de doença perdem sua inibição, tornam-se mais impulsivas e têm dificuldades em situações sociais.

Leia também: Como o rosto controla nosso destino

Para conduzir a pesquisa, a cientista britânica Camilla Clark e sua equipe recrutaram 48 pacientes com demência.

Em seguida, eles perguntaram a amigos e familiares desses pacientes para avaliar o gosto deles por diferentes tipos de comédia ─ da comédia pastelão, como Mr. Bean, à satírica ou absurda, como Monty Python, além de exemplos de humor em situações inapropriadas.

Praticamente todos os que responderam à pesquisa afirmaram que, olhando para trás, eles haviam percebido uma mudança significativa de humor nove anos antes de a demência ser diagnosticada.

Muitos dos pacientes haviam desenvolvido um senso de humor obscuro ─ por exemplo, rir em eventos trágicos da vida de outras pessoas ou no noticiário.

Ainda segundo o estudo, pacientes com demência também tendem a preferir comédias pastelão à satírica, quando comparados com 21 pessoas de idade semelhante.

“Essas são alterações marcantes ─ um humor completamente inadequado que vai além das raias do mau gosto. Por exemplo, um homem riu quando sua esposa teve queimaduras severas”.

Simon Ridley, do Alzheimer's Research UK, ONG de prevenção e combate ao Mal de Alzheimer, recomendou que as pessoas busquem apoio médico ao notar qualquer sinal de mudança de humor repentina.

“Enquanto a perda de memória é frequentemente a primeira coisa que vem à cabeça quando falamos sobre demência, esse estudo destaca a importância de olhar para uma diferente miríade de sintomas que impactam o dia a dia e os relacionamentos dos pacientes”, afirmou.

“Um entendimento mais aprofundado de toda a gama dos sintomas de demência aumentará nossa capacidade de fazer um diagnóstico mais adequado e preciso”.

Transtorno bipolar e mau humor: como diferenciar?

Os transtornos do humor estão aparecendo com maior frequência a cada dia que passa.

A vida moderna, repleta de tanta tecnologia que nos sobrecarrega ao invés de nos ajudar, tem tornado tudo mais estressante.

Com isso, vem o mau humor constante, com pensamentos negativos e a irritação nos acompanhando durante o dia. Porém, essas situações são diferentes de uma doença mais séria: o transtorno bipolar.

Apesar de ser constantemente abordado em redes sociais, websites informativos e blogs, o estigma social e a falta de consciência do público continuam a pautar a maioria dos pensamentos em relação ao Transtorno Bipolar.

No Brasil, aproximadamente dois milhões de pessoas sofrem com pelo menos um dos vários tipos de bipolaridade, o que representa pouco menos de 1% da população, de acordo com o Ministério da Saúde. Contudo, é notório que este tema ainda é um tabu.

Mas qual é a diferença entre eles? Por que são fáceis de serem confundidos? Vamos mostrar agora os conceitos de cada um e os principais sintomas.

O que é o mau humor?

Todo mundo já acordou com o pé esquerdo, não é mesmo? Nesses dias, nada está bom o suficiente e ficamos sempre no limite de explodir a qualquer comentário ou crítica que não nos agrade.

Ter esse sentimento de vez em quando caracteriza o que definimos como mau humor.

Ele pode acontecer ocasionalmente e está diretamente ligado a nossa capacidade de resiliência aos estímulos estressantes do dia a dia.

Sintomas

O mau humor costuma acontecer de forma pontual, ou seja, não é muito frequente e, normalmente, é desencadeado por algum acontecimento ruim no seu dia. Ele pode ser o sintoma de alguma doença psiquiátrica e afetar consideravelmente a sua vida e saúde quando surge com certa regularidade. Veja alguns sinais e sintomas de quem não está num dia bom:

Apesar de muita gente achar que as principais causas do mau humor são simplesmente os acontecimentos do dia (o ônibus atrasado, o café quente no vestido ou a enxaqueca inesperada), é bom saber que eles só representam 10%.

A genética tem 50% de culpa no cartório e a forma como nós nos comportamos diante de um problema representa 40% das causas. Ou seja, manter o otimismo e não se deixar abater é muito mais impactante em seu bem-estar do que a situação em si.

O mau humor crônico é chamado de distimia.

O que é o transtorno bipolar?

Como o próprio nome diz, o transtorno bipolar caracteriza-se por apresentar uma oscilação de humor que varia entre dois polos. Ou a pessoa está extremamente agitada ou extremamente apática

Os sintomas vão além da alternar alegria e tristeza de forma normal, como acontece com todos nós. É uma doença psiquiátrica onde há uma disfunção biológica, com taxas de neurotransmissores que oscilam entre altas e baixas, que podem nem mesmo precisar de um fator externo para desencadear um dos pólos do transtorno.

A origem da bipolaridade não é totalmente conhecida pelos médicos. Sabe-se que fatores genéticos e biológicos têm um papel determinante no desenvolvimento da doença, mas o estilo de vida, e contexto familiar também podem influenciar seu desenvolvimento.

  • Infelizmente, quando não é tratada, a perturbação bipolar pode ter consequências severas para os seus portadores, incluindo suícidio – que, para os portadores do transtorno é 20 vezes mais provável de acontecer.
  • O dado mais assustador, no entanto, é que o diagnóstico da bipolaridade pode demorar até 10 anos a ser concluído.
  • Parte da dificuldade em diagnosticar alguém sofrendo com o transtorno bipolar é o fato de que ele incorre em alterações profundas de humor, que podem variar entre episódios de depressão (com tristeza e desespero) e episódios de “mania”, que levam a pessoa a um estado eufórico, acelerado ou até irritável – características também comuns em outros distúrbios psiquiátricos.
  • Por tudo isto, é extremamente importante que todos percebamos a importância de entender melhor esta condição e assim, eliminar o estigma que a rodeia.

Sintomas

Se você conhece alguém com essa doença, vai perceber que ela passa por fases, períodos em que a pessoa se encontra eufórica como se estivesse extremamente feliz ou muito irritada e, em outros, está completamente depressiva e taciturna, desmotivada talvez até para sair de casa.

Leia também:  Como Saber Qual A Minha Motherboard?

Por exemplo, uma das faces da mania é muito fácil de ser confundida com o mau humor. A pessoa fica com o “pavio curto”, torna-se extremamente grosseira por qualquer motivo e pode externar esse sentimento verbalizando ou por meio de agressões físicas. Também há uma dificuldade para dormir por conta do elevado nível de agitação.

Na fase de depressão é totalmente o oposto. A tristeza que o indivíduo sente é tão profunda que ele não tem vontade de comer e pode passar dias e dias em casa sem ao menos tomar banho. É uma forma de depressão extrema.

Quando procurar ajuda profissional?

Qualquer transtorno do humor que esteja causando algum prejuízo na sua vida é caso de procurar um profissional. No transtorno bipolar, é essencial que seja realizado o tratamento psiquiátrico com o uso de medicações e também que haja o acompanhamento com o psicólogo.

No entanto, tal como qualquer outra doença, a perturbação bipolar pode também requerer medicação para o seu tratamento e controle.

Esta condição é crônica e inclui a ingestão de medicamentos durante muitos anos, se não mesmo para toda a vida. Estabilizadores de humor e antidepressivos são as soluções mais frequentes para quem convive com a bipolaridade – mas só funcionam se forem ingeridos de forma responsável e sem falhas.

Há um vasto conjunto de aplicações de saúde e lembretes para medicamentos nas lojas de apps que podem transformar o celular em uma importante ferramenta para quem vive com uma doença crônica, como é o caso do transtorno bipolar. A MyTherapy, desenvolvida em Munique e Varsóvia, é uma delas.

  1. Não ter vergonha da sua condição é extremamente importante para combater o estigma e contribuir para mostrar que pessoas com transtornos psicológicos podem viver uma vida normal.
  2. Uma orientação psicológica também é importante para todos, principalmente nos casos de inadequações que prejudicam a qualidade de vida das pessoas, ainda que não tenham sido diagnosticados com doença alguma.
  3. Como foi dito acima, o mau humor pode ser reduzido consideravelmente pelo modo como encaramos a vida, e a psicoterapia pode ajudar a potencializar a força psíquica, trazendo mais qualidade de vida e saúde.
  4.  Compartilhe sua experiência conosco!
  5. Como Se Chama As Pessoas Que Mudam De Humor Rapidamente?
  6. Referências:

Kapczinski, Flávio, and João Quevedo. Transtorno Bipolar-: Teoria e Clínica. Artmed Editora, 2015.

Pereira, Lilian Lopes, et al. “Transtorno bipolar: reflexões sobre diagnóstico e tratamento.” Perspectiva. São Paulo 34.128 (2010): 151-166.

Depressão bipolar: alteração de humor prejudicial

O transtorno bipolar faz com que os pacientes oscilem entre episódios de extrema excitação e outros de tristeza profunda. Diagnóstico errôneo faz com que patologia possa se agravar e até levar ao suicídio

Parte de uma doença ainda maior, a depressão bipolar é muitas vezes confundida com a depressão unipolar. A patologia faz parte do transtorno bipolar, uma condição mental crônica caracterizada por alterações de humor radicais sem explicação aparente. Essa oscilação de humor pode ser repentina e varia da mania para a depressão.

De acordo com o Laboratório EMS, o diagnóstico depende dos sintomas, da intensidade e da frequência com que a doença se manifesta.

Nas crises de mania, a pessoa tende a se sentir desinibida, impulsiva e extremamente eufórica, além de apresentar irritabilidade excessiva e um senso ampliado de si mesma.

Já no quadro depressivo, ela sente-se cansada, sem apetite e tende a perder o interesse por coisas que já foram prazerosas.

O professor titular do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Dr. José Alberto Del Porto, explica que os episódios maníacos são marcados por períodos distintos de humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável, e aumento anormal e persistente das atividades do paciente.

Já a fase depressiva apresenta sintomas como tristeza profunda, apatia, insônia, fadiga, perda de peso, dificuldade de concentração, baixa autoestima, pensamentos recorrentes de morte e pensamentos suicidas.

“Embora não existam sintomas patognomônicos (que possam determinar determinada doença), alguns ajudam na análise clínica feita pelo psiquiatra: idade de início das crises; maior número de episódios, com curtos períodos de recuperação; presença de delírios; e histórico de depressão pós-parto”, comenta.

Assim como a depressão bipolar, a esquizofrenia é um transtorno mental que merece atenção. A doença acomete entre 0,4% a 0,7% da população em geral, 70% têm entre 18 e 25 anos de idade quando descobrem a patologia e 80% não voltam às suas atividades anteriores.

Entre os principais sintomas estão os delírios, as alucinações (principalmente auditivas) e as psicoses.

Além disso, o paciente passa a ter desorganização de pensamento e comportamento; prejuízos cognitivos como falta de memória, atenção e perda das funções executivas; embotamento afetivo (dificuldade em expressar emoções ou sentimentos); alogia (falta de conteúdo pessoal em discurso ou conversa); entre outros.

O diagnóstico é clínico, sendo que os exames ajudam somente a excluir outras doenças, como um tumor, por exemplo. É preciso que o paciente apresente ao menos cinco dos sintomas, sendo um deles delírios ou alucinações que durem pelo menos seis meses e causem sofrimento e/ou prejuízos.

Fonte: psiquiatra da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Dr. Ary Gadelha

A doença, que acomete cerca de 2% da população (dados da Revista Brasileira de Psiquiatria), tem três variações: tipo I, tipo II e misto. Segundo o EMS, o primeiro se dá pela variação de humor entre depressão e mania profunda, o segundo entre depressão profunda e hipomania (mania leve), e, por fim, o transtorno misto engloba ambos os tipos.

O transtorno bipolar II é mais comum em mulheres, enquanto os homens costumam apresentar sintomas bipolares mais pelo abuso de álcool e drogas. Além disso, as mulheres têm três vezes mais chances de apresentar transtorno bipolar de ciclagem rápida.

Nesse caso, o Dr. Del Porto esclarece que o paciente tem quatro ou mais episódios de depressão, hipomania ou mania por ano, sofrendo as alterações de humor mais frequentemente que outros acometidos pela doença.

Em geral, os ciclos depressivos são mais comuns do que os de mania, o que leva a erros de diagnóstico da depressão bipolar. Os pacientes e os médicos acreditam que a pessoa sofra de depressão unipolar e que os episódios de mania são momentos de felicidade dentro deste quadro. O diagnóstico correto pode levar até dez anos.

Se há erro, normalmente, são prescritos antidepressivos comuns a esses pacientes. Por mais que os medicamentos possam diminuir os sintomas da depressão, eles podem aumentar as chances da pessoa sofrer com o ciclo misto, aumentando as possibilidades de suicídio.

“Além da medicação, é importante que as pessoas que convivem com o paciente consigam ler os sinais. Quando ele está hipomaníaco, por exemplo, tende a não perceber, mas quem está em sua volta, sim.

É importante saber que as mudanças de hábito podem ser passíveis de atenção médica e que a depressão não é causada por preguiça, falta de caráter, entre outras crenças”, alerta o professor da Unifesp.

Para o paciente

Com foco no difícil diagnóstico e controle da depressão bipolar e da esquizofrenia, a Daiichi-Sankyo Brasil lançou um antipsicótico atípico (cloridrato de lurasidona) aprovado para o tratamento de episódios depressivos associados à perturbação da depressão bipolar e para o tratamento da esquizofrenia em adultos.

“O lançamento no Brasil é uma opção terapêutica para pacientes que atualmente enfrentam depressão bipolar I e esquizofrenia. A lurasidona constitui uma nova opção de tratamento que, além de eficaz, é bem tolerado”, explica o diretor médico do laboratório, Dr. Allyson

Nakamoto. “O medicamento é uma alternativa para os médicos que tratam as duas doenças crônicas. No caso da depressão bipolar, por exemplo, o fármaco não apresentou alterações clinicamente significativas no peso, impactando diretamente na melhor adesão ao tratamento”, diz.

Conscientização geral

Para ajudar não somente os pacientes, mas todos os profissionais de saúde, a Daiichi-Sankyo lançou uma campanha chamada “Depressão bipolar: está na hora de falar sobre isso”. O objetivo é alertar sobre a importância da conscientização a respeito da doença, que atinge mais de quatro milhões de brasileiros, de acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

A campanha alerta para a importância de se falar sobre a depressão bipolar e, para isso, desenvolveu vários canais de comunicação para explicar tudo detalhadamente. O projeto quer informar o público leigo, influenciadores, profissionais de saúde e demais interessados.

A depressão bipolar não é a mesma coisa que a depressão que muita gente já ouviu falar. A depressão que a maior parte das pessoas conhece é a chamada depressão unipolar.

Depressão bipolar

Refere-se exatamente à fase depressiva do transtorno bipolar. Embora o paciente também tenha alguns episódios eventuais de mania, o portador de depressão bipolar apresenta episódios predominantemente depressivos.

  • Sintomas: tristeza profunda, apatia, insônia, fadiga, perda de peso, dificuldade de concentração, baixa autoestima, pensamentos recorrentes de morte e pensamentos suicidas.
  • Costuma surgir entre os 15 e os 25 anos de idade, mas pode se manifestar em qualquer fase da vida.
  • 2,2% dos brasileiros têm a doença.
  • 15% dos pacientes tiram a própria vida.
  • Diagnóstico:
    • Episódios prévios de alterações de humor;
    • Episódios atuais ou passados de depressão;
    • Sintomas depressivos antes dos 25 anos de idade;
    • Histórico familiar de suicídio;
  • • Resposta negativa ao tratamento com antidepressivos.
  • Tratamento:
    • A depressão bipolar não tem cura, mas pode ser tratada;
    • O tratamento não é o mesmo aplicado a outros tipos de depressão;
  • • Diferentes tipos de depressão têm diferentes abordagens terapêuticas.
  • Fonte: Daiichi-Sankyo
Leia também:  Como Saber O Que Devo Ao Banco De Portugal?

Entre as ações, foi desenvolvido um site sobre a patologia (www.vamosfalarsobreisso.com.br), incluindo um vídeo animado que explica, de forma didática, quais são os sintomas e como eles afetam a vida dos pacientes, mudanças de comportamento, as reais dificuldades no diagnóstico e tratamentos disponíveis.

A campanha tem, também, uma websérie inspirada em histórias reais relatadas em vídeo por pacientes que, em quatro episódios, contam suas vidas com a depressão bipolar antes e depois do início do tratamento adequado. Além disso, conta com o apoio de influenciadores digitais com foco em saúde mental para divulgar mais sobre depressão bipolar nas redes sociais.

Foto: Shutterstock

  • Cadastre-se no nosso Whatsapp

depressão bipolar doença saúde

Por que ter atenção à mudança de humor e comportamento?

As alterações comportamentais e de personalidade variam de tempos em tempos, dependendo das circunstâncias. Entretanto, quando ocorrem de forma repentina, a mudança de humor e de comportamento pode sinalizar a necessidade de intervenção profissional.

Nesse contexto, vale ressaltar que nem todas as alterações de personalidade ou de comportamento têm relação com transtornos mentais. Ou seja, existem muitas causas possíveis e que exigem atenção especial, principalmente quando há o consumo de drogas e os problemas que dele decorrem.

Quer saber mais? Veja como identificar quando as variações bruscas de humor caracterizam o uso de drogas, e quais são os melhores caminhos para auxiliar quem enfrenta esse problema. Boa leitura!

O que é mudança de humor e quando ela exige atenção especial?

De um modo geral, todos têm alguma mudança de humor. Ninguém consegue ter um humor completamente estável o tempo todo. Essas variações ocorrem, normalmente, ao longo do dia e ao longo da vida. Elas podem ser momentâneas ou circunstanciais, desde que não se tornem ameaça para si ou para os outros.

Porém, quando a situação ocorre de forma intensa, causa prejuízo funcional, começa a incomodar ou impactar a vida de alguém, é necessário intervir para recuperar o equilíbrio e proteger a saúde.

Nesses casos, o ideal é procurar ajuda profissional para avaliar a existência de algum transtorno mais grave. Somente um diagnóstico correto permite analisar se a mudança de humor se enquadra dentro de um contexto recuperável, como o abuso de tóxicos, por exemplo.

Como a mudança de humor e de comportamento está relacionada às drogas ou aos transtornos mentais?

Especialistas afirmam que a maioria dos indivíduos com transtorno de humor estão envolvidos com o uso de alguma substância química. Principalmente quanto ao uso de drogas na adolescência, a atenção precisa ser redobrada, pois nesses casos, os transtornos emocionais são bem mais elevados que na população em geral.

A depressão é um dos diagnósticos mais comuns em pacientes que tenham envolvimento com álcool ou com drogas ilícitas. Outra questão preocupante é a fobia social, que está muito associada ao uso de bebidas ou de tóxicos, como forma de facilitar a socialização.

Por isso, a identificação precoce desse problema é essencial para direcionar ao tratamento imediato a fim de que se tenha mais chances de recuperação. A ausência de intervenção profissional contribui para aumentar os riscos para os quadros psicóticos graves, o que pode resultar em ideações suicidas.

Diante da importância desse tema, listamos as principais alterações de humor e de comportamento que podem indicar que uma pessoa é usuário de drogas, ou que passa por transtornos mentais. Observe!

  • isolamento social;
  • fala agressiva ou ríspida;
  • impulsividade descontrolada;
  • queda no rendimento escolar;
  • euforia, aparentemente sem causa;
  • redução da produtividade no trabalho;
  • ideias ou falas relacionadas ao suicídio;
  • falta de habilidades no gerenciamento da raiva;
  • redução do diálogo com os pais, responsáveis ou amigos;
  • alternância entre depressão profunda e momentos de alegria;
  • furto de dinheiro de familiares ou de amigos para manter o vício;
  • necessidade generalizada de ficar sozinho, como se trancar no quarto por muito tempo.

Quando a mudança de humor e de comportamento necessita de intervenção profissional?

Normalmente, a dependências de droga pode mudar a maneira como as pessoas se apresentam e seu comportamento fica diferente. Até mesmo as modificações repentinas no estilo de se vestir, no corte de cabelo e nos hábitos de higiene, por exemplo, podem ser indícios de que algo não está bem.

Tais alterações comportamentais devem servir de alerta para que os familiares busquem uma forma de ajudar aos seus entes queridos. Há momentos, entretanto, em que o abuso de substâncias químicas causam mudanças muito radicais e que exigem intervenção profissional imediata. É preciso atenção e cuidado, já que o tratamento precoce é essencial à recuperação mental e física do paciente.

Porém, há outros fatores que também influenciam a mudança de humor e que levam as pessoas — principalmente os mais jovens — ao envolvimento com entorpecentes. Além do uso de drogas, listamos outros motivos que podem resultar nessas alterações repentinas de comportamento. Veja quais são:

  • luto;
  • desemprego;
  • estresse crônico;
  • crise depressiva;
  • perda financeira;
  • falta de perspectiva futura;
  • diagnóstico de doença grave ou incurável;
  • impacto da separação dos pais (para os mais jovens);
  • problemas afetivos, como fim de namoro ou de outras relações conjugais.

O que os amigos e familiares devem fazer?

É preciso desmistificar a ideia de que as alterações de comportamento, ainda que pareçam mais sérias, se resolverão sozinhas. Muitos familiares não dão a devida importância a esse problema ,e ainda se justificam dizendo para o parente que “isso é coisa da sua cabeça”.

Porém, a mudança de humor resultante de questões graves como o consumo de drogas, se não tratada adequadamente, torna-se um risco em potencial. Com o uso habitual de tóxicos, as complicações podem evoluir para doenças mentais irreversíveis, como as lesões cerebrais resultantes da overdose.

Portanto, as pessoas não podem ignorar os sintomas e ficarem expostas aos riscos associados às alterações comportamentais. O ideal é procurar um profissional de saúde para prover as soluções necessárias. Igualmente relevante é mudar o olhar diante do problema, superar o preconceito e desmistificar a ideia de que o psiquiatra é um médico para loucos.

A Psiquiatria é uma especialidade como qualquer outra, mas que foca a saúde mental, seja de forma preventiva ou terapêutica.

Assim, a família precisa compreender que as mudanças comportamentais bruscas exigem a necessidade de ajuda especializada, como a internação psiquiátrica.

Sobretudo para frear os impactos do consumo de drogas, é preciso priorizar o tratamento e a recuperação do fluxo normal de vida.

Como o Hospital Santa Mônica pode ajudar nestes casos?

Para superação dos sintomas e a redução dos riscos de complicações à saúde de forma segura, o hospital psiquiátrico é a melhor alternativa. O Hospital Santa Mônica tem uma equipe de profissionais experientes e especializados em tratamento para recuperação da saúde mental dos usuários de drogas.

A equipe multidisciplinar atua de forma integrada, personalizada, e de acordo com o estado emocional e físico do dependente químico. São profissionais plenamente capacitados para ajudá-lo na superação do vício.

As vias de tratamento podem ser intensivas ou ambulatoriais. Por meio da internação se estabelece mais rápido o diagnóstico, o tratamento e a medicação são monitorados de forma contínua. Ambulatorialmente, com consultas e terapias, também é possível proporcionar uma ajuda adequada. O Hospital Santa Mônica está preparado para atender todos esses e os demais casos relacionados à saúde mental.

Logo, a busca de tratamento adequado para a dependência química é essencial à reabilitação mental e física. Mudança de humor e de comportamento — principalmente resultantes do abuso de drogas — sinaliza a necessidade de intervenção profissional urgente. Do contrário, pode evoluir para condições clínicas irreversíveis e colocar em risco a vida do paciente.

Gostou deste artigo? Veja também quais os 5 sintomas que ajudam a identificar se uma pessoa usa drogas

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*