Como Se Chama A Pessoa Que Atende?

Leia em 6 min.

Qual a diferença entre paciente e cliente? Esses termos podem ser utilizados para a mesma pessoa? Confira neste artigo a jornada do consultório de forma completa, e tire todas as suas dúvidas.

Afinal, qual a importância de saber a diferença entre paciente e cliente? Esse conhecimento ajuda no atendimento médico, ou aumenta a fidelização de pacientes?

No começo, é difícil compreender a importância  da jornada do consultório e como o seu entendimento pode proporcionar  um serviço médico de excelência, principalmente, quando falamos de oferecer uma experiência incrível para os pacientes. 

Porém, entender essa jornada é essencial para os médicos empreendedores, principalmente, quando pensamos em uma realidade na qual o mercado médico e a concorrência crescem cada vez mais. 

Um estudo divulgado pela SciELO (Scientific Electronic Library Online), e produzido pelo Dr. Ercy José, menciona a importância de entendermos a diferença entre os termos cliente e paciente.

“Essas questões não são meramente semânticas, uma vez que as denominações propiciam e induzem diferentes maneiras de olhar e de compreender. Não é por outra razão que a Medicina abandonou o termo “lepra”, em favor de “hanseníase”, descontaminado dos estigmas que caracterizavam aquele.”

Como o próprio Dr. Ercy afirma em seu estudo, saber as diferenças entre esses dois conceitos é fundamental para o médico que deseja não apenas melhorar seu atendimento, mas fidelizar mais pacientes.

Continue a leitura e descubra as principais diferenças desses dois conceitos.

Principais diferenças entre um paciente e um cliente

Seguindo outro relatório divulgado na SciELO, sobre qual termo era mais utilizado por estudantes de enfermagem, podemos destacar algumas das principais diferenças entre paciente e cliente.

  • Paciente: a origem do termo paciente vem da palavra sofredor, derivada do latim patiens, de patior, que significa sofrer. A palavra paciente também carrega o significado de “paciente é aquele que espera”, uma pessoa que precisa de cuidados médicos. É também a denominação mais comum e antiga entre o meio médico.
  • Cliente: o termo cliente é uma denominação mais atual, uma forma moderna de chamar a pessoa que utiliza o serviço de saúde, sendo ele público ou particular, porque, de alguma forma, sempre pagamos pelo atendimento médico, seja através de convênio ou impostos.

O termo “paciente” normalmente é mais utilizado pelos profissionais de saúde, principalmente por conta da palavra passar uma imagem de relação mais humanizada e íntima do que cliente.

Porém, também há algumas controvérsias em relação a esse termo. Uma delas, por exemplo, é o estigma de que paciente transmite a ideia de uma pessoa passiva, que apenas espera o profissional de saúde, alguém totalmente dependente.

Por outro lado, o termo cliente acaba trazendo mais autonomia para as pessoas que utilizam o serviço de saúde. Pois, como clientes, possuem direito de exigir um atendimento excelente, se tornando agentes do seu próprio cuidado com a saúde.

Não podemos ignorar o fato de que os médicos possuem receio em utilizar a palavra cliente, principalmente por conta da sua ligação com o comércio, por medo de transformar seu atendimento em algo comercial.

Quer entender a jornada do paciente assistindo um vídeo explicativo? É só clicar no player aqui embaixo:

  • É importante enfatizar que não há um termo mais certo ou errado, principalmente porque não há um consenso entre os próprios especialistas de saúde sobre quando usar cada um, ou seus significados.
  • O objetivo desse artigo é mostrar como você pode utilizar ambos os termos para entender a jornada do consultório, e oferecer um atendimento médico ainda mais excelente.
  • Pensando nisso, chegamos ao seguinte questionamento:

É preciso escolher entre um termo ou outro?

Não, na verdade, os termos “paciente” e “cliente” são usados para se referir a mesma pessoa. Eles ajudam a diferenciar em qual momento da jornada do consultório ela está, e por isso, ambos são essenciais para os médicos.

Mas, afinal, qual é a jornada do consultório? Como uma mesma pessoa pode ser paciente e cliente ao mesmo tempo?

Calma, vamos explicar tudo no próximo tópico. Acompanhe e tire todas as suas dúvidas!

Qual é a jornada do paciente no consultório?

A jornada do paciente no seu consultório, diferente do que muitos pensam, não começa apenas quando alguém chega ao consultório. Essa jornada começa muito antes, como quando uma pessoa decide marcar uma consulta e começa a procurar na internet por um profissional.

De acordo com a especialista Fernanda Costacurta, que possui MBA Executivo em Saúde pela FGV, “O cliente é a pessoa que irá pagar pela consulta, aquele que você precisa atrair para seu consultório. Ela se torna paciente a partir do momento que entra na sua sala de atendimento”.

Para entender melhor como essa jornada funciona na prática, montamos como seria o passo a passo do caminho que é percorrido pelos seus pacientes. Confira!

1. O cliente decide marcar uma consulta 

Independente da motivação, quando uma pessoa decide marcar uma consulta, ela ainda não é seu paciente. Afinal, ela ainda irá passar por todo o processo de agendamento até finalmente te conhecer.

  1. Portanto, é importante ter em mente que, nesse momento, aqueles que decidiram que irão se consultar com um profissional de saúde, são seus potenciais clientes
  2. É fundamental ter essa visão porque, diferente da maneira como normalmente se enxerga um paciente – uma pessoa que precisa de cuidado, um atendimento diferenciado e individual -, um cliente precisa ser conquistado e atraído para o seu consultório.
  3. Uma ótima estratégia para conquistar clientes é investir na presença digital do seu consultório, principalmente quando falamos de redes sociais, site, e até mesmo um blog.

Imagine que sua especialidade médica seja neurologista, e um cliente pesquise “neurologista em São Paulo”, e seu site aparece como primeiro resultado. Além de ser encontrado mais facilmente, isso também demonstra sua autoridade online e gera uma visão ainda mais profissional do seu serviço.

2. O cliente realiza o agendamento da consulta

Após escolher qual profissional de saúde deseja se consultar, o cliente finalmente começa o processo de agendamento. Esse processo pode acontecer de diferentes maneiras e, infelizmente, pode demorar um certo tempo.

Se o seu consultório apenas agenda a consulta por meio da recepcionista, por exemplo, isso significa que o cliente pode precisar ter um tempo para ligar e esperar para conseguir ser atendido, e em um mundo tão tecnológico como o nosso, as pessoas têm cada vez menos paciência para esperar no telefone.

O ideal seria disponibilizar um serviço de agendamento online, que permite um agendamento 24 horas por dia, tornando esse processo extremamente ágil e prático. 

Como Se Chama A Pessoa Que Atende?

Dessa forma, seu cliente começa a ter uma ótima experiência mesmo antes de entrar no consultório.

3. O cliente chega no consultório

  • Esse momento é uma parte fundamental da jornada do consultório, porque será a primeira experiência física do cliente com o seu serviço médico.
  • Isso significa que é extremamente importante que a sala de espera seja um ambiente acolhedor, e que os profissionais da recepção sejam treinados para oferecer um ótimo atendimento.
  • Afinal, talvez o cliente esteja com alguma dor, ou até mesmo preocupação, e tudo que ele menos precisa é de uma situação estressante, como ficar aguardando em uma sala desconfortável, sem nenhuma informação sobre o tempo de espera para ser atendido.
  • Nesse momento, também é essencial olhar essa pessoa como um cliente, pois ele ainda não está em contato direto com você, um profissional de saúde, e sim com seus colaboradores como recepcionistas, mas ainda sim precisam oferecer o melhor atendimento possível.

4. O paciente entra na sala de atendimento

Agora sim, o paciente entra na sua sala de atendimento. 

Essa experiência está diretamente relacionada com o seu atendimento médico. E como vimos no começo do artigo, o termo paciente traz essa relação mais humanizada, que é fundamental nesse momento, pois cada pessoa está passando por uma situação particular, e necessita de um atendimento diferenciado, personalizado e empático.

Bom, esse tópico você já domina completamente. É a hora de oferecer uma consulta humanizada para o seu paciente, aquele que necessita dos seus cuidados médicos e orientações, e não um cliente que está pagando por um serviço.

5. Contato pós-consulta com o paciente

A partir de agora, aquela pessoa sempre será o seu paciente, com exceção dos momentos como pagamento na recepção, ou o processo de agendamento de retorno, onde o cliente normalmente lida com profissionais da recepção.

O momento pós-consulta é fundamental para os médicos que desejam fidelizar seus pacientes, afinal, um motivo muito recorrente para os pacientes não voltarem aos consultórios, é o esquecimento.

  1. Na hora de enviar algum tipo de comunicação para seu paciente, seja por uma mensagem, ou até mesmo e-mail marketing, lembre-se de usar uma linguagem mais informal, com o objetivo de tornar o relacionamento mais íntimo e também para evitar temos muito formais, que normalmente os pacientes não entendem.
  2. Lembre-se que a utilização desses dois diferentes termos é apenas para facilitar a compreensão da jornada do consultório, não há um certo ou errado sobre a forma como você chama seus pacientes: o mais importante é oferecer uma experiência incrível para quem está no seu consultório – ou para quem pretende ir.
  3. Durante o artigo mencionamos a importância da presença digital, principalmente quando falamos de clientes – aqueles que ainda não conhecem seu serviço médico, ou pretendem voltar para um retorno.
  4. Quer saber qual a melhor forma de se comunicar com seus pacientes online? Baixe gratuitamente nosso eBook sobre o assunto e saiba mais:

Como Se Chama A Pessoa Que Atende?

Entendeu como os termos paciente e cliente são utilizados? Conte pra gente como você enxerga essa experiência no seu consultório nos comentários abaixo, e inscreva-se na nossa newsletter para receber mais artigos relevantes!

Leia também:  Como Fazer Com Que O Meu Ex Volte Pra Mim?

Veja 9 profissões para quem gosta de ajudar pessoas

Como Se Chama A Pessoa Que Atende?

No momento de escolher uma profissão, são vários os aspectos que levamos em consideração. Nosso estilo de vida e o que gostamos de fazer devem ter prioridade neste assunto.

Quem gosta de ajudar as pessoas, por exemplo, pode ficar em dúvida ao escolher uma carreira que concilie seu sucesso profissional com a vontade de se dedicar ao outro. Existe um falso conflito entre cuidar da própria vida profissional ou ajudar o próximo. Essas duas coisas podem muito bem andar juntas!

A verdade é que ajudar as pessoas não é sinônimo de trabalho voluntário. Existem diversas profissões cujo foco é ajudar a sociedade de alguma forma, seja no aspecto físico ou psicológico. Algumas destas profissões estão, inclusive, entre as mais bem pagas do País!

Se você quer conciliar sua vida profissional à vontade de ajudar o próximo, conheça 9 profissões onde é possível trabalhar se dedicando a outras pessoas!

1. Enfermeiro

A essência do trabalho de um enfermeiro é cuidar das pessoas para manter e restabelecer sua saúde. O enfermeiro fica em contato direto e constante com pacientes. É ele quem realiza os primeiros socorros, administra medicamentos, faz curativos, prepara para a realização de exames e muito mais.

Para seguir esta profissão é preciso gostar de lidar com pessoas e ter preparo emocional para confortar pacientes em situações de bastante fragilidade.

Muitas vezes o enfermeiro precisa lidar também com os familiares e amigos dos pacientes, dando orientações práticas ou oferecendo apoio emocional.

2. Psicólogo

O psicólogo ajuda as pessoas a se conhecerem melhor. Ele é capaz de identificar as causas dos problemas de seus pacientes e ajudá-los a rever certos comportamentos, ideias ou sentimentos.

É o profissional capaz de diagnosticar e tratar distúrbios emocionais e de personalidade. Fazer o paciente se sentir melhor e ter confiança para enfrentar seus medos e problemas é uma de suas atribuições diárias.

Quem deseja seguir esta profissão precisa ter estrutura emocional para ouvir os conflitos pessoais de seus pacientes e ajudá-los na superação de seus problemas.

Psicólogos também podem ajudar as pessoas trabalhando na área de Recursos Humanos, seja cuidando do bem estar de funcionários de uma empresa ou ajudando candidatos a encontrarem o emprego ideal, entre outras atividades.

3. Assistente Social

O trabalho de um assistente social é promover o bem estar coletivo e integrar os indivíduos à sociedade. Um dos objetivos deste profissional é defender os direitos humanos e viabilizar o acesso da população a políticas sociais como educação, saúde, moradia, previdência social, etc.

Crianças, adolescentes e pessoas que estão em situação de vulnerabilidade social ou têm seus direitos violados são o principal alvo do trabalho dos assistentes sociais.

Para quem deseja combater as desigualdades sociais e ajudar as pessoas a lutarem por seus direitos, esta é uma boa opção de carreira a seguir.

4. Médico

A principal função de um médico é tratar e curar doenças. Ele trabalha investigando os sintomas dos pacientes para identificar as causas dos problemas que os afetam.

Muitos médicos se dedicam a cuidar de pacientes individualmente em clínicas e hospitais. Outros conseguem ajudar um número ainda maior de pessoas desenvolvendo pesquisas para criar vacinas, novos medicamentos e tratamentos.

Há também aqueles que se dedicam a levar cuidados de saúde a quem dificilmente teria acesso.

São profissionais que se engajam em órgãos internacionais de ajuda, se dispõem a cuidar de vítimas de conflitos, grandes tragédias naturais ou populações isoladas.

5. Nutricionista

O nutricionista estuda os alimentos e os efeitos que eles provocam em nosso organismo. Ele orienta as pessoas sobre como devem se alimentar de forma saudável para melhorar sua qualidade de vida.

Quem se forma no curso de Nutrição pode atender pacientes em seus consultórios, cuidar de um grupo de pessoas (como uma equipe esportiva, funcionários de uma empresa, etc.), ou atuar na saúde coletiva desenvolvendo programas e fiscalizando cozinhas industriais, restaurantes, etc.

Se você entende a importância de um estilo de vida saudável e quer ajudar as pessoas a cuidarem do bem estar através da alimentação, esta pode ser uma ótima escolha de profissão.

6. Segurança

Uma das maneiras de ajudar as pessoas é protegê-las de qualquer perigo e assegurar que seu patrimônio esteja a salvo. Quem trabalha na área de segurança está preparado para identificar e analisar os riscos aos quais determinada pessoa ou empresa estão sujeitas. A partir disto, este profissional define as ações que serão tomadas para prevenir as situações de perigo.

Os profissionais de segurança costumam trabalhar para garantir o bom andamento de eventos, de estabelecimentos como bancos e shoppings, fazer escoltas pessoais, prevenir acidentes em locais de trabalho, criar políticas de segurança, e muito mais.

7. Profissionais da área de Direito

Quem se forma no curso de Direito tem como principal objetivo resolver conflitos aplicando as leis vigentes do país. Advogados, juízes, promotores e delegados ajudam a garantir a ordem entre os indivíduos.

Estes profissionais defendem os interesses de seus clientes e asseguram que seus direitos sejam respeitados.

Se você quer ajudar a população em geral e busca por uma sociedade mais justa, o curso de Direito pode garantir a carreira de seus sonhos.

8. Pedagogo

O principal objetivo do pedagogo é melhorar a qualidade da educação como um todo. Quem se forma no curso de Pedagogia pode tanto ministrar aulas para crianças em fase de alfabetização, quanto atuar na parte administrativa de instituições de ensino.

O pedagogo é um orientador educacional. Ele auxilia professores a criarem seus planos de aula, coordena reformas curriculares, realiza reuniões pedagógicas com professores, alunos e familiares, planeja e organiza atividades culturais e de aprendizagem.

Não é apenas em escolas que um pedagogo pode atuar. Ele pode também trabalhar junto ao departamento de recursos humanos em empresas de diversos setores, treinando os colaboradores e promovendo mudanças comportamentais.

Além disso, este profissional é capaz de criar materiais pedagógicos para a educação infantil, como livros e brinquedos. Ou ainda, ajudar crianças que estão internadas, criando um ambiente de aprendizagem em hospitais e clínicas médicas.

Se você entende que a educação é um caminho importante para um mundo melhor e gostaria de fazer a diferença nessa área, a carreira em Pedagogia pode ser uma boa opção para você.

9. Fisioterapeuta

O fisioterapeuta ajuda pessoas com lesões ou problemas musculares, aplicando técnicas para restaurar os movimentos e a capacidade física do paciente. Ele realiza atividades como massagens, exercícios e tratamento à base de frio e calor para tratar e prevenir lesões musculares.

O fisioterapeuta pode atender pacientes de forma individual ou trabalhar com um grupo de pessoas. É um profissional muito requisitado, por exemplo, no esporte, onde acompanha os atletas, faz avaliações para verificar o condicionamento físico de cada um e prescreve tratamentos para evitar traumas e lesões.

Fazer com que alguém recupere os movimentos exige diversas sessões de fisioterapia. Quem deseja trabalhar nesta área tem que gostar de cuidar de pessoas e ser persistente para ajudar os pacientes a alcançarem os resultados desejados.

Onde estudar

  • Se você já decidiu qual carreira seguir, o próximo passo é escolher uma faculdade de qualidade e credenciada pelo Ministério da Educação (MEC) para se qualificar.
  • Confira algumas universidades bem avaliadas que oferecem cursos para quem gosta de ajudar ao próximo:
  • Veja também:
  • Conheça os 8 profissionais mais felizes

Você está buscando uma profissão em que possa ajudar as pessoas? Alguma das carreiras acima chamou sua atenção? Deixe seu comentário aqui!

Profissões para trabalhar na internet: quais são e por que apostar nelas?

Quem não quer trabalhar na internet?

Flexibilidade de horários, baixo custo de manutenção do negócio, possibilidade de se conectar a várias pessoas e manter uma rotina bem mais interessante do que o tradicional bater o ponto das 8h às 18h.

Mas quais são as profissões mais promissoras para trabalhar na internet? Confira neste infográfico!

#1. Web Designer

O web designer é o profissional responsável por planejar, desenvolver e realizar a manutenção de sites e outras plataformas na internet.

Cursos relacionados: Web Design, Design Gráfico, Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

#2. Social Media

O social media é quem planeja e executa estratégias de comunicação em redes sociais, estabelecendo uma comunicação de mão dupla com o público da empresa.

Cursos relacionados: Marketing Digital, Publicidade, Jornalismo, Redes Sociais.

#3. Tutor de cursos EAD

O tutor EAD é responsável por sanar as dúvidas de alunos, promover debates e mediar a relação entre alunos e instituição de ensino em ambientes virtuais de aprendizagem.

Cursos relacionados: todas as licenciaturas e bacharelados, desde que o estudante tenha uma pós-graduação.

#4. Desenvolvedor de aplicativos

Sabe aquela infinidade de aplicativos no seu smartphone? Pois bem, eles são criados por profissionais especializados no desenvolvimento de aplicativos e soluções digitais.

Cursos relacionados: Ciência da Computação, Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Engenharia da Computação.

#5. Jornalista digital

Cada vez mais requisitado em portais de notícias, revistas eletrônicas, blogs profissionais e outras plataformas, o jornalista digital é o profissional responsável por apurar fatos e dados e transmitir informações verídicas para o público do veículo de comunicação para o qual trabalha.

Curso relacionados: Jornalismo, Publicidade, Relações Públicas, Marketing.

#6. Analista de SEO

Atrair tráfego orgânico para sites de empresas é outra forma de ganhar dinheiro na internet e ter uma profissão que foge ao tradicional. O analista de SEO (Search Engine Optimization) é o profissional que traça táticas e estratégias de posicionamento na web.

Cursos relacionados: Marketing Digital, Tecnologia da Informação, Ciência da Computação.

Leia também:  O Que É Maçonaria E Como Funciona?

#7. Digital Influencer

Pessoas bem relacionadas e que amam disseminar ideias e promover experiências online podem se dar bem como digital influencers. Esses profissionais atraem um grande público e influenciam essa audiência sobre temas como moda, tecnologia, negócios, finanças, entre outros.

Cursos relacionados: Administração, Marketing, Moda, Publicidade, Jornalismo.

#8. Produtor de conteúdo digital

O marketing de conteúdo conquistou o mercado e se dá bem nesse segmento quem tem verdadeiro amor pelas palavras. Esse profissional cria artigos para blog, chamadas para redes sociais, e-books, whitepapers, entre outros conteúdos online.

Cursos relacionados: Jornalismo, Letras, Publicidade, Relações Públicas, Comunicação Institucional.

#9. Assistente Virtual

Pessoas físicas e jurídicas podem poupar recursos contratando um assistente virtual, isto é, um profissional qualificado para gerenciar atividades administrativas, tais como contato com clientes, reuniões, contratos, gestão de documentos, entre outras.

Cursos relacionados: Administração, Processos Gerenciais, Secretariado Executivo, Gestão de Pessoas.

#10. Gestor de e-commerce

O gestor de e-commerce é o profissional responsável por planejar estratégias de vendas online, definir preços e políticas de descontos, além de lidar diretamente com a logística de entrega e estratégias de divulgação de produtos.

Cursos relacionados: Gestão Comercial, Administração, Logística, Processos Gerenciais.

Curtiu conhecer essas 10 profissões para trabalhar na internet? Assine nossa newsletter e receba novidades cursos e profissões que vão potencializar sua carreira!

Como se chama a pessoa que trabalha em posto de gasolina???

porque o jongo é uma manifestação cultural que ilustra as raízes culturais africanas do brasil?​

quais as diferenças que você identifica nestas duas doutrinas? ​

01- “O RENASCIMENTO CULTURAL, surgido na Península Itálica no século XIV, se espalhou por toda a Europa com a intenção de inovar as técnicas relaciona

das à arte, cultura, literatura e ciências.

Seu maior desafio foi provocar uma mudança no pensamento e na produção cultural medievais, tirando de cena o papel exclusivo dado à Igreja.

” De acordo com o texto e com as informações sobre o Renascimento Cultural, assinale a alternativa correta:
a) Todo tipo de atividade ligada à arte era financiada pelo clero católico;
b) A cultura renascentista priorizava o direito coletivo sobre o direito individual;
c) O antropocentrismo, teoria na qual se insere o homem (suas vontades, sentimentos, direitos, etc.) como sendo o centro do Universo, foi amplamente difundida através da arte, ciência, literatura durante a Idade Moderna;
d) Durante a Idade Moderna, a ciência foi menosprezada e deu-se importância a costumes e hábitos da Idade Média.

“A articulação conceitual específica entre liberalismo, individualismo e filosofia da história só é plenamente compreensível se situada no projeto de

emancipação humana conduzido pelo Iluminismo do século XVIII – os três conceitos somente são plenamente compreensíveis em suas relações recíprocas.

Liberalismo, no sentido sintetizado pela clássica expressão “laissez faire, laissez passer” de origem fisiocrata, não se reporta apenas e imediatamente ao mercado, mas tem em conta uma luta política contra o absolutismo.

Esse liberalismo é correlato a um individualismo muito específico, obtido a partir do confronto entre impulsos egoístas e impulsos “sociais” ou “sociáveis”, por assim dizer.

É dessa tensão extremamente sensível que emerge o mercado liberal – e a questão da desigualdade, preço a ser pago pelo desenvolvimento e pela liberdade econômica e política, tem então de ser remetida ao futuro, à utopia do progresso humano garantida pela filosofia da história.

O problema posto pela desigualdade não se pode resolver no presente, para cada indivíduo isolado, mas reporta-se ao gênero humano. Marque as alternativas que se relacionam com o Iluminismo e Liberalismo presentes no texto:TeocentrismoLiberdadeIntervenção do Estado nas atividades comerciaisLuta contra o Antigo Regime (Absolutismo e a concentração de poderes nas mãos do monarca)IndividualismoMercantilismo​

Os Bandeirantes foram benéficos ou não para a formação do nosso território brasileiro?​

a quem o que os europeus estavam se referindo quando falavam o mar desconhecido​

por que tombuctu,capital do império do Mali, foi uma das cidades mais importantes do mundo durante a idade média e até hoje tem enorme significação Cu

ltural?​

Eu quero um resumo sobre os biomas brasileiros por favor, quem ajudar dou 5 estrelas, 1 coraçãozinho e melhor resposta e vou no perfil e agradeço.

Quais os fatores positivos de existir uma população miscigenada?​

Porque os povos pré-colombianos são chamados assim ?a) viviam na Colômbia.b) viu na América antes da chegada de Cristóvão Colombo.c) viviam na Europa.

d) Por que são originárias da Ásia.​

6 profissões para quem gosta de lidar com crianças

Existem diversas profissões no mercado de trabalho para aquelas pessoas que gostam de lidar com crianças. Afinal, saber cativar, se comunicar, entreter e ainda assim conseguir o respeito dos pequenos é um verdadeiro dom.

Portanto, aquele que tem facilidade para lidar com crianças pode considerar fazer disso uma carreira e aproveitar as vagas no mercado. Neste artigo, vamos listar 6 profissões para quem tem essa habilidade. Acompanhe:

1. Pedagogia

A Pedagogia talvez seja a escolha mais óbvia para aqueles que gostam de crianças. Em um primeiro momento, é uma profissão imediatamente associada à sala de aula de escolas infantis, mas a verdade é que a área abrange diversas outras funções ligadas ao desenvolvimento, formação e educação do indivíduo, indo muito além do ambiente da sala de aula.

Apesar de ser uma profissão pouco valorizada, com salários abaixo do merecido, a Pedagogia vem ganhando cada vez mais espaço no mercado de trabalho. Com isso, muitas vagas estão surgindo e a necessidade de profissionais capacitados é cada vez maior.

É essencial que o pedagogo seja paciente, compreensivo e dedicado, pois será responsável pela formação de crianças e terá contato com os responsáveis por elas. Algumas vezes ele terá que se relacionar com pessoas com pouco estudo e níveis de informação mais baixos, sendo necessário ter disposição para ensinar.

Além de poder trabalhar na escola como professor infantil, coordenador pedagógico, orientador, dentre outras funções, o pedagogo pode ainda atuar em diversos outros ambientes e funções, como:

  • Museus, bibliotecas e hospitais;
  • Editoras e produtoras de material pedagógico;
  • Órgãos públicos;
  • Orientação profissional; e
  • Mídia socioeducativa.

2. Pediatria

A Pediatria é uma especialização do curso de Medicina que se dedica aos cuidados com crianças e adolescentes. O médico pediatra é o responsável pelo tratamento preventivo e curativo das doenças infantis.

Como essa é uma área extensa da Medicina, existem diversas especializações dentro da própria Pediatria. Oncologistas pediatras, por exemplo, atuam diretamente com crianças que sofrem de câncer.

Por lidarem diretamente com pacientes infantis, médicos pediatras devem trabalhar aspectos que facilitem o relacionamento. Bom humor, paciência e tato com crianças são características essenciais. O médico pediatra também é responsável pela orientação dos pais sobre boas práticas de prevenção e cuidado, bem como acompanhamento de vacinação e exames rotineiros de seus pacientes.

3. Psicologia

Outra área de estudo muito extensa e que permite a vivência com as crianças é a Psicologia. O psicólogo estuda o comportamento humano nas suas diversas vertentes e, também, faixas etárias.

É possível para o profissional se especializar na investigação e estudo das manifestações psíquicas da criança. Isso inclui todas as características cognitivas, físicas, linguísticas, perceptivas, emocionais e sociais de uma criança.

A importância do psicólogo infantil é muito grande, pois ele é responsável pela identificação e tratamento de diversos distúrbios que podem acometer uma criança no seu desenvolvimento. Psicólogos infantis podem e devem ter um bom relacionamento com pais, professores e pedagogos, pois vão trabalhar diretamente com eles.

Eles podem trabalhar em consultório, atendendo pacientes individuais, mas também é possível para o atuar junto a instituições de ensino, se especializando no ramo da psicologia educacional. O profissional pode ainda atender crianças em situação de risco ou que sofreram traumas, em hospitais e casas de abrigamento.

4. Educação Física

Profissionais de Educação Física têm um amplo leque de opções para atuar. Dentre todas elas, se especializar para trabalhar em escolas é uma ótima opção para aqueles que sabem como lidar com crianças.

Professores de Educação Física têm o dever de estimular e ensinar a boa prática de exercícios físicos para as crianças. Com a possibilidade de se especializar ainda em várias modalidades, o educador físico consegue se adequar de acordo com a estrutura oferecida para a escola.

Algumas instituições de ensino oferecem piscinas e pistas de atletismo, por exemplo. Um bom professor saberá usufruir do que está disponível e incentivar a prática de esportes pelos seus alunos.

Também é possível atuar como treinador especializado em alguns lugares. Escolinhas de futebol, vôlei e basquete, por exemplo, estão sempre à procura de profissionais qualificados.

5. Artes Cênicas

A função do profissional de Artes Cênicas que trabalha com crianças inclui muitos aspectos ligados à pedagogia e à psicologia, já listadas aqui. Ele é o responsável pela criação, direção, organização e montagem de espetáculos infantis.

Trabalhando na maioria das vezes em escolas ou estúdios especializados, como os de dança, o professor de Artes Cênicas é responsável por desenvolver várias características no crescimento de uma criança.

Semelhantes à Educação Física, as Artes Cênicas são importantes para o incentivo da criatividade e bem-estar mental das crianças. Por meio de peças que priorizam a voz, como as teatrais, ou movimentos do corpo, como os espetáculos de dança, as crianças desenvolvem habilidades essenciais no convívio social.

O professor de Artes Cênicas também pode se especializar e trabalhar com crianças em situação vulnerável. Existem diversos profissionais que atuam em hospitais se apresentando para crianças com câncer, que sofreram com queimaduras ou abusos, por exemplo. É dever desse profissional trazer a alegria para esses pequenos!

6. Terapia Ocupacional

O terapeuta ocupacional é aquele profissional responsável por empregar atividades educacionais e de lazer no tratamento de distúrbios mentais e físicos. Ele atua também com pacientes que sofrem com indisposições sociais e emocionais, se aproximando bastante da Psicologia.

Leia também:  Como Provar Que Ama Alguem Virtualmente?

O terapeuta que escolhe trabalhar com crianças tem como objetivo trazer para elas independência nas tarefas do dia a dia, como se vestir, escovar os dentes, brincar e estudar. O tratamento pelo qual o terapeuta ocupacional reabilita crianças em situação de trauma deve levar em conta os desejos do paciente, bem como sua situação clínica, familiar e educacional.

Muitas vezes as crianças submetidas a tratamentos da Terapia Ocupacional infantil são na verdade habilitadas a realizar essas tarefas pela primeira vez. Isso é essencial para entender em que medida essa área se difere da Fisioterapia, que trabalha apenas aspectos físicos dos pacientes.

Um terapeuta ocupacional infantil deve ter como principais características o bom trato com os pequenos e o desejo de ver o seu pleno desenvolvimento. Para lidar com crianças nessas situações, o terapeuta deve trabalhar com o carinho necessário para abordá-las, o que é essencial no sucesso da profissão.

Você gosta de lidar com crianças e pretende fazer disso sua profissão? Gostou do nosso artigo? Que tal compartilhar esse conhecimento nas suas redes sociais?

Dicionário de gênero: entenda e use os termos certos

  • WhatsApp
  • Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • Linkedin
  • Copiar Link

Gênero de A a Z (Foto: Thinkstock)

Agênero, transgênero, não binário… Novas identidades de gênero estão mudando a cara e o comportamento de milhares de jovens. Entenda o que cada termo significa e faça parte de um mundo mais inclusivo e sem preconceitos!

+Diversidade de Gênero: Quem são os heróis que estão mudando a discussão sobre a identidade sem rótulos

+Pabllo Vittar: “Sou um menino gay. Não sou trans e não faria cirurgia de redesignação sexual”+Liniker: “Sou uma mulher trans e negra. Sair de casa é ameaçador”

  • Agênero
  • Drag 

Quem não se identifica com nenhum gênero.Expressão de gênero artística e temporária. Um artista que usa roupas associadas ao gênero feminino é Drag Queen e quem usa elementos do masculino é Drag King.

Expressão de gênero O modo como cada pessoa se apresenta ao mundo. Inclui aqui tudo o que é construído como sendo de um gênero ou de outro, como as roupas, o linguajar, o estilo e o comportamento.

  1. Gênero fluidoPessoa que flui pelos gêneros e, por isso, não se identifica unicamente com o masculino, feminino ou com o neutro. Durante a vida, ou no mesmo dia, pode combinar elementos dos gêneros ou transitar
  2. entre eles.
  3. Orientação sexualCapacidade de cada pessoa de experimentar uma profunda atração emocional, afetiva ou sexual por indivíduos de gênero diferente, igual ou de mais de um gênero.

Prática sexualComo a pessoa vai realizar sua orientação sexual. Se ela é homossexual, por exemplo, sua prática sexual será com uma pessoa do mesmo gênero.

  • CisgêneroQuem corresponde ao gênero atribuído ao nascimento: quem nasce com vagina, foi designada mulher e, no desenvolvimento da identidade, se identifica
  • com o sexo feminino.
  • Identidade de gêneroDiz respeito à experiência interna e individual do gênero, profundamente sentida por cada pessoa, que pode ou não corresponder ao sexo atribuído no nascimento, incluindo o senso pessoal do corpo, que pode envolver modificação da aparência ou funções corporais.

TransgêneroQualquer pessoa que não corresponde ao gênero designado no nascimento. Exemplo: uma pessoa que nasceu com vagina e reivindica a masculinidade do seu corpo é um homem trans.

QueerOriginalmente, uma ofensa em inglês, é um termo adotado pelas pessoas LGBTS nos EUA como forma de visibilidade a qualquer comportamento fora das normas de gênero. No Brasil, é usado como uma postura e como um campo de estudos de quem passa a reivindicar o lugar do estranho. É com quem diz: “Sou diferente e gosto de ser”.

TravestiÉ uma identidade brasileira de quem foi designada do gênero masculino e objetiva a construção do feminino; algumas se veem como um terceiro gênero. Estão conectadas no imaginário social à prostituição, à rua e à marginalidade.

TransexualPessoa com identidade de gênero discordante da atribuída ao nascimento e que realiza uma transição (hormonal ou cirúrgica) para o modo como se reconhece.

IntersexoCondição anatômica (pelos elementos reprodutivos, genitais, genéticos ou hormonais) de quem não se encaixa nas definições médicas de feminino e masculino. Anteriormente, era chamado de hermafroditismo.

Não binárioPessoa que não se identifica com os polos binários de masculino e feminino. É o não querer uma definição de gênero e, muitas vezes, sentir-se meio a meio.

BinárioCrença ou característica de quem possui como perspectiva de gênero a divisão obrigatória entre masculino e feminino (homem e mulher). Uma mulher cis é binária, assim como uma trans.

*Fonte: Luiz Alberto David Araújo, professor de direito constituicional da PUC-SP; Gean Oliveira Gonçalves, jornalista e mestrando em ciências da comunicação na USP.

Trabalhar em supermercado é opção para começar carreira | VAGAS Profissões

Entenda por que seu primeiro emprego pode estar no varejo

por Cris Degani*

Trabalhar em supermercado, ou no varejo em geral, é a porta de entrada de muita gente para o mercado de trabalho. Isso acontece porque muitas das funções no comércio exigem pouco ou quase nenhum conhecimento específico.

Outro motivo é que quase sempre alguém tem um conhecido que já trabalha no comércio e pode indicar aquela pessoa. Para se ter ideia, no Estado de São Paulo, 2 milhões de pessoas trabalham com carteira assinada no comércio varejista segundo a Pesquisa de Emprego da Fecomercio SP.

Os principais cargos do comércio são operador de caixa, balconista, vendedor, encarregado de estoque, repositor de mercadorias, entregador, empacotador, auxiliar de limpeza e ajudante geral.

Os contratantes, sejam os próprios donos do estabelecimento, gerentes de loja ou pessoas de confiança procuram por profissionais honestos e comprometidos, que querem aprender, que sejam cordiais e não façam corpo mole!

Trabalhar em supermercado é uma experiência completa

O trabalho no varejo é também o primeiro emprego formal de muita gente. Isso porque trabalhar como operador de caixa, balconista, vendedor, estoquista etc.

é uma experiência completa em termos de contato com clientes, organização de mercadorias nas gôndolas, relacionamento com distribuidores e negociações com clientes e fornecedores.

Cada vez mais lojas, supermercados e farmácias aceitam menores aprendizes como para ocupar essas posições.

Hugo Lima começou a trabalhar com 15 anos como embalador, em um pequeno supermercado. Ele conta que rapidamente passou de embalador de supermercado para outras funções, como repositor de mercadorias, entregador e estoquista. “Foi um grande aprendizado, eu amo trabalhar com o público, acho que a gente aprende muito escutando o cliente”, diz.

Para ele, é fundamental que a pessoa saiba conviver em um ambiente cercado de muitas pessoas diferentes (clientes, funcionários, fornecedores, entregadores, chefes e donos do negócio). Além disso, ele fala: “você não tem de ser o melhor funcionário, mas um dos melhores, sempre mostrar ‘serviço’, que está aprendendo com os outros mais experientes e melhorando”.

Dicas para trabalhar como operador de caixa

A operadora de caixa Eliana Lopes, que trabalhou em um grande hipermercado por muitos anos, tem experiência no assunto.

Além de ser atento e proativo, Eliana orienta que o profissional recém contratado seja um bom ouvinte e atenda os clientes com calma.

“O operador de caixa de supermercado tem de ser uma pessoa que saiba trabalhar em equipe, tenha respeito pelo próximo e coloque amor no seu trabalho”, conta ela.

Outra profissional que trabalhou como caixa por mais de 10 anos foi Sandra Levandosky. Foi o primeiro trabalho dela. São três as qualidades que ela reconhece como fundamentais nessa profissão: simpatia, atenção com as mercadorias e a cobrança e envolvimento com os clientes no atendimento.

“Muitas vezes o cliente acaba desabafando com você, contando uma história, e temos de ser receptivos. Alguns acabando voltando e escolhendo o seu caixa porque você não só atendeu ele bem, mas foi um ombro amigo quando ele precisou”, Sandra confidencia. Ela aprendeu que o sorriso e a boa educação são importantes para a profissão, assim como evitar bater papo na frente dos clientes.

Muitas das atividades que executou lá, como tirar notas fiscais, atender no balcão e resolver problemas, ajudaram a se soltar mais – ela era muito tímida -, crescer profissionalmente e na vida pessoal também.

Para aproveitar boas oportunidades, Sandra sugere que os estudantes de ensino médio participem de processos seletivos como operador de caixa ou mesmo que procurem oportunidades próximo de suas residências.

“Vejo que o salário médio é bom para quem quer fazer faculdade e melhorar de vida. E, além disso, tem a carreira no supermercado dependendo do tamanho do negócio”.

No Mapa VAGAS de Carreiras, o salário médio de um caixa é de R$ 1.400,00.

Confira outras dicas de quem já trabalhou nessa área:

  • Se você trabalha em uma loja, supermercado ou farmácia pequenos, saiba mais sobre os produtos que o estabelecimento comercializa. Muitas vezes os clientes ficam com dúvidas ou querem uma opinião quando chegam no caixa;
  • Contar troco, familiarizar-se com as notas de dinheiro e moedas é muito importante;
  • Evite conversar com colegas sobre assuntos pessoais. É desrespeitoso com o cliente, porque mostra que a atenção não está nele;
  • Pergunte sempre a forma de pagamento. Pode parecer óbvio, mas é do operador de caixa que deve vir a pergunta após passar as compras.

*Cris Degani é formada em Jornalismo e desde o início da carreira trabalha com Marketing e Negócios Digitais. Está na VAGAS.com há 7 anos e atualmente é Marketing de Produto de soluções de R&S para o pequeno varejo (MPEs).

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*