Como Saber Quem Nos Quer Mal?

Como Saber Quem Nos Quer Mal?

1 de 10 / CANSAÇO. Essa é uma das principais consequências de uma alimentação ruim, e ocorre por uma dieta desequilibrada. Silvia Moreno, nutricionista dos Laboratórios Arkopharma destaca duas razões: “O déficit de ferro e vitaminas, em especial as do grupo B, são causas frequentes”. Mas não é só a falta de ingestão que causa o esgotamento: o excesso também. Nas palavras de Alejandro Cánovas, dietista-nutricionista do hotel Royal Hideaway Sancti Petri: “Quando consumimos muito mais gordura do que o necessário, que demora a ser digerida, nosso corpo trabalha muito. Devemos apostar em frutas e verduras, de fácil digestão”.

Como Saber Quem Nos Quer Mal?Getty Images

2 de 10 / ACNE. Ainda que durante muitos anos o consumo de alimentos ricos em gordura tenha sido associado ao surgimento de espinhas, não existe evidência científica que o comprove. Estudos apontam que o leite é uma das causas, e se acredita que isso se deva ao hormônio IGF-1 presente nele.

“Deve ser esclarecido que a principal causa é hormonal, mas os alimentos como o leite e os que contêm muito açúcar podem favorecer seu aparecimento”, diz Moreno, nutricionista dos Laboratórios Arkopharma.

Os amantes do queijo e do iogurte estão com sorte: as pesquisas os excluíram da equação, e não causam essas erupções cutâneas.

Como Saber Quem Nos Quer Mal?Getty Images

3 de 10 / MAU HÁLITO.

Ainda que, como indicam as clínicas dentárias Dentix, a halitose pode ocorrer por numerosos fatores (alguns deles: má higiene buco-dental, as cáries, gengivite, o estresse), a dieta também pode estar na origem.

Um hálito não desejado pode ser sinal de hidratação escassa e por comidas que durante a digestão formam vapores com mau cheiro como alho, cebola, brócolis, picles, couve de Bruxelas, café e álcool.

4 de 10 / PRISÃO DE VENTRE. “A causa mais frequente de seu surgimento é a falta de fibra na dieta”, alerta Moreno. A fibra se encontra na fruta, nas frutas secas, na verdura e nos grãos dos cereais, especialmente nos integrais. O consumo suficiente de água também ajuda a regular o trânsito intestinal.

Como Saber Quem Nos Quer Mal?Getty Images

5 de 10 / CABELO QUEBRADIÇO. O cabelo romper-se com facilidade ao penteá-lo e cair mais do que o comum costuma indicar falta de proteínas.

Cánovas fala de uma vitamina em especial, relacionada à alopecia: a biotina. Sua carência deve preocupar, pois se encontra em numerosos alimentos.

“Pode se conseguir nos produtos integrais (quinoa, aveia, trigo, centeio, cevada), em peixes, na gema dos ovos e na levedura da cerveja”, diz o profissional.

6 de 10 / PELE APAGADA. “A dieta pode afetar a coloração da pele e seu nível de hidratação”, conta Moreno. “Devemos beber quantidade suficiente de água para uma hidratação adequada e aumentar o consumo de alimentos com betacarotenos: cenoura, damasco, pimentão, abóbora…)”

7 de 10 / RESFRIADOS FREQUENTES. Nossas mães já diziam: tome suco de laranja todas as manhãs. “Ainda que não exista unanimidade sobre se a vitamina C previne a aparição de resfriados, é importante tomar as doses adequadas (cítricos, acerola)”, afirma a especialista do laboratório.

8 de 10 / EXCESSO DE SUOR. Como a acne, a nutrição não é a principal causa de uma sudoração desorbitada. Os genes e determinadas doenças costumam estar por trás desse problema. Mas há certos alimentos que podem induzi-lo. “Devem ser excluídas da dieta as comidas muito quentes e picantes, assim como a cafeína e o álcool”.

 de 10 / BARRIGA INCHADA. “Os motivos são vários: os produtos processados, os refrigerantes carbônicos que contêm muito gás e a cerveja estão entre eles”, diz Cánovas. Isso é, uma acumulação de gás no intestino grosso incha a barriga.

“Os maus hábitos na deglutição, como comer depressa e exagerar na quantidade, fazem com que se trague ar”, acrescenta Moreno.

Também pode ocorrer por intolerância à lactose e ao glúten, de modo que é conveniente uma ida ao médico se após a eliminação dos alimentos apontados o inchaço persistir.

Como Saber Quem Nos Quer Mal?Getty Images

10 de 10 / IRRITABILIDADE. A alimentação e o humor mantêm uma relação estreita. “As dietas, que restringem muitos alimentos aos que nos acostumamos e até mesmo nos tornamos viciados, geram sensações negativas”, diz Moreno.

Mas, sem a necessidade de regimes rígidos, uma má rotina pode afetar. “Provoca um desequilíbrio no apetite da pessoa que traz mais estresse e ansiedade.

É feita uma opção pelos alimentos processados e ricos em açúcares que geram um pico de felicidade a curto prazo, mas a pessoa imediatamente volta a sentir fome. Também influencia a culpabilidade por alimentações exageradas fora de hora e opções pouco saudáveis”, afirma Cánovas.

Recomendação de Moreno: consumir alimentos ricos em triptofano, como o frango e a banana, um aminoácido essencial para a síntese da melatonina que regula o sono e nos faz mais felizes.

Como identificar os primeiros sinais de demência? – BBC News Brasil

  • Michelle Roberts
  • Editora de Saúde do site da BBC

Como Saber Quem Nos Quer Mal?

Crédito, Thinkstock

Legenda da foto,

Cerca de 1,2 milhão de brasileiros sofrem do mal de Alzheimer

O mal de Alzheimer tem se tornado uma doença cada vez mais comum em idosos. Só no Brasil, estimativas indicam que existem pelo menos 1,2 milhão de pessoas vivendo com esse problema. No mundo, são mais de 35 milhões, segundo relatório da Organização Mundial da Saúde.

Considerado o tipo mais frequente de demência, ele pode ser reconhecido por pequenos sinais já nos primeiros estágios – o que ajudaria muito no tratamento para retardar o avanço da doença. O problema é que muitas vezes as pessoas demoram para procurar ajuda porque ignoram ou desconhecem os sintomas.

Uma pesquisa realizada entre 4 mil pessoas no Reino Unido pela YouGov revelou que a maioria das pessoas ainda se confunde com os sinais de demência.

Por exemplo, 39% dos entrevistados acredita que entrar em um lugar e esquecer o que foi fazer lá pode ser um sinal de demência – e, na verdade, isso pode acontecer com qualquer pessoa.

Para quem tem a doença, esquecer o motivo pelo qual entrou na sala não é o problema, mas sim não reconhecer aquela sala.

A Sociedade do Alzheimer aproveitou o período de festas de fim de ano, em que as famílias costumam se reunir, e divulgou quais são os principais “sintomas” possíveis de serem identificados quando uma pessoa começa a sofrer esse e outros tipos de demência – segundo a instituição, há um considerável aumento de pessoas buscando informações sobre isso nessa época do ano.

Saiba aqui quais são os principais sinais:

Enquanto a maioria acredita que esquecer nomes de conhecidos repetidamente pode ser um sinal de demência, poucos sabem que repetir as mesmas frase por várias vezes também pode ser um indício.

Gaguejar ou pronunciar palavras de forma errada são outros sinais que merecem atenção.

Legenda da foto,

Cerca de 1 em cada 6 idosos acima de 80 anos sofrem de demência

O risco de demência aumenta com a idade – cerca de um em cada seis idosos acima de 80 anos sofrem com o problema. Mas ela pode começar na meia-idade.

Dianne Wilkinson, de 57 anos, recebeu o diagnóstico relativamente cedo.

“Sempre fui uma pessoa super positiva, então achei estranho quando comecei a me sentir mais devagar e 'para baixo'. Mas eu achava que isso era apenas uma fase. Não achava que poderia ser um sinal de demência”, afirmou.

Leia também: Um brasileiro no fechado mundo do mangá japonês

“Depois de alguns meses, alguns familiares me incentivaram a ir ao médico.

Mas foi depois do meu diagnóstico que as pessoas começaram a me falar que tinham notado mudanças no meu comportamento, como repetir as coisas várias vezes, não lembrar onde eu tinha colocado algumas coisas e confundir os dias da semana”, contou Wilkinson, que também não havia percebido esses “esquecimentos” corriqueiros.

Ela diz que se sentiu aliviada após o diagnóstico. “Senti um alívio porque agora eu sei que a demência é a explicação para meu comportamento estranho.”

“É muito importante que as pessoas busquem ajuda rapidamente, assim que notarem sinais, porque aí elas conseguirão entender o que está acontecendo e poderão buscar ajuda para poderem viver da melhor maneira possível”, aconselhou.

Crédito, Alzheimers Society

Legenda da foto,

Dianne Wilkinson foi diagnosticada com Alzheimer aos 57 anos de idade

Por tudo isso, Jeremy Hughes, CEO da Sociedade do Alzheimer, reforçou a importância de se identificar os sinais de demência para poder tratar o problema o quanto antes.

“Sabemos que demência é uma das doenças mais temidas para muitos e não há dúvidas de que ela pode ter um grande impacto para quem tem o problema e também para a família e os amigos”, disse.

Leia também:  Como Saber Qual E O Meu Office?

“Por isso, é importante que a gente esclareça essa confusão sobre o que são e o que não são sinais de demência para que as pessoas fiquem mais confiantes para conversar com seus familiares que estão sofrendo esses sintomas, para que eles possam buscar ajuda o mais rápido possível.”

“A demência pode quebrar as conexões que você tem com as pessoas que ama, mas nós temos inúmeros tratamentos que podem ajudar a brecá-la ou a diminuir seus danos.”

Legenda da foto,

Alzheimer é doença neurodegenerativa e causa perda gradual e irreversível dos neurônios

Procure ajuda médica se sua perda de memória está afetando sua vida diária e especialmente se você:

  • Tem dificuldades para lembrar coisas recentes, mas consegue se lembrar facilmente do que aconteceu no passado
  • Acha difícil acompanhar conversas ou programas de TV
  • Esquece nomes de amigos bem próximos ou de objetos que você usa todos os dias
  • Não consegue lembrar as coisas que ouviu ou leu
  • Frequentemente perde o fio do que está dizendo
  • Tem problemas de pensamento e raciocínio
  • Se sente ansioso, depressivo ou com raiva
  • Se sente confuso até quando está em um ambiente conhecido ou se perde em caminhos que faz frequentemente
  • Descobre que pessoas começaram a notar ou a comentar sobre sua perda de memória

Os sinais prematuros do Parkinson

Quando o cirurgião inglês James Parkinson (1755-1824) publicou o artigo “Um Ensaio sobre a Paralisia Agitante”, no início do século 19, ele não devia suspeitar da quantidade de repercussões no organismo da doença batizada com o seu sobrenome. Nas palavras do médico, ela podia ser resumida a “tremores e movimentos involuntários, diminuição da potência muscular, propensão a dobrar o tronco para a frente e passos em ritmo de marcha”.

Seu texto ainda dizia que os primeiros sinais seriam fraqueza leve e instabilidade nos membros. Quase 200 anos depois do relato pioneiro, a medicina vem descobrindo que a enfermidade dá pistas bem antes do que se esperava – e algumas delas são muito diferentes do que se ouve por aí.

Pesquisadores da Universidade College London, na Inglaterra, reuniram informações sobre 8 mil pacientes com Parkinson e 46 mil pessoas sem o problema. Com base nesse enorme banco de dados, fruto de 16 anos de labuta, eles conseguiram identificar uma série de sintomas que aparecem mais cedo.

Pasme: alguns deles dão as caras com até dez anos de antecedência ao diagnóstico. “É importante conhecê-los porque hoje sabemos que a detecção precoce está relacionada a uma melhor qualidade de vida”, defende a neurologista Anette Eleonore Schrag, líder do levantamento publicado no prestigiado The Lancet. Quer saber quais são?

Rigidez e falta de equilíbrio

Para funcionar com maestria, nosso cérebro depende de uma porção de mensageiros químicos. A dopamina é um deles.

Entre outras funções, esse neurotransmissor está por trás da nossa capacidade de sentir prazer e participa da coordenação motora. Então imagine se as fábricas de dopamina param de funcionar.

Ora, é isso o que acontece no Parkinson: os neurônios produtores da substância morrem. O processo é gradual e o cérebro vai perdendo a capacidade de orquestrar o corpo.

Ações corriqueiras como andar e pegar um objeto tornam-se complicadas.

“É como se o governo federal não tivesse o controle da situação e cada estado começasse a agir de maneira independente, sem coordenação”, compara o neurocirurgião Manoel Jacobsen, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Essa desordem interna é acompanhada pela rigidez na musculatura das pernas e dos braços. E aí vem a perda de equilíbrio, que dá margem a quedas e fraturas.

Depressão e nervosismo

Os especialistas dizem que Parkinson e condições psiquiátricas, como a depressão, caminham de mãos dadas. Isso porque os desajustes nos níveis de dopamina desalinham a oferta de outros mensageiros químicos cerebrais, como a serotonina, ligada à sensação de bem-estar. Essa bagunça molecular interfere no ânimo e gera, com frequência, mudanças repentinas de humor.

Tremores

Apesar de ser a marca registrada da doença, nem sempre eles se manifestam. “Cerca de 40% dos pacientes nunca chegam a tremer”, estima o neurologista André Felício, do Hospital Israelita Albert Einstein, na capital paulista. Os gestos involuntários são resultado da morte das células nervosas em uma área específica da massa cinzenta, a substância negra.

A tremedeira se torna mais grave e aparente quando 70% desses neurônios estão desativados. Segundo o estudo inglês, porém, alguns indivíduos começam a ter esse quadro de forma sutil uma década antes do diagnóstico. Caso perceba tremores acompanhados de falta de firmeza nas mãos, vale procurar um médico – só não entre em neura, porque muitas vezes não é algo tão sério como o Parkinson.

Constipa��ão

Quem diria: a prisão de ventre pode ser sinal de uma pane lá na cabeça.

A pesquisa da Universidade College London aponta que a dificuldade de ir ao banheiro é um dos principais sintomas da doença nos dez anos que costumam preceder sua detecção.

“O conceito de que o Parkinson possui outras complicações além das manifestações musculares está revolucionando a ideia que tínhamos a seu respeito”, analisa o neurologista André Felício.

Algumas correntes especulam que o distúrbio tem início no tronco encefálico, uma estrutura que está entre a medula espinhal e o cérebro. A morte dos neurônios produtores de dopamina ali seria o primeiro capítulo da evolução da doença.

É precisamente nesse local que brotam os nervos responsáveis por transmitir os comandos para o intestino funcionar direito.

“Daí os movimentos peristálticos, aquelas contrações que empurram o bolo fecal pra baixo, ficam prejudicados”, esclarece o neurologista Carlos Rieder, da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

Disfunção erétil

Anos antes de o mal estar instalado, os parksonianos podem experimentar obstáculos para conseguir ou manter a ereção. “Esse sintoma está relacionado a falhas no sistema nervoso autônomo”, ensina o médico Delson José da Silva, da Academia Brasileira de Neurologia.

O sistema a que ele se refere é o nosso piloto automático – um conjunto de nervos que controla diversas funções inconscientes do corpo, caso da respiração, dos batimentos cardíacos e da resposta a estímulos externos, como o endurecimento do pênis em uma situação sensual.

Para complicar, a depressão que ladeia o Parkinson por vezes se intromete na história, uma vez que derruba a libido. Nas mulheres, a perda de desejo sexual, causada pela escassez de dopamina, serotonina e companhia, também pode ser um sinal precoce do distúrbio.

Continua após a publicidade

Incontinência urinária

As idas excessivas ao banheiro para fazer xixi também comunicam que algo não vai bem na terra dos neurônios. “No Parkinson, pequenos volumes de líquido já provocam espasmos na bexiga, o que resulta na vontade frequente de urinar”, explica Rieder.

Os músculos que revestem as paredes internas do órgão se descontrolam – é como se tremessem lá dentro. E isso, não custa reforçar, é culpa do descompasso das mensagens nervosas que chegam à bexiga.

Descompasso que rende uma vontade de tirar água do joelho a toda hora, mesmo que não haja muita urina para cair fora.

Pressão baixa

Sair da cama rápido ou ficar em pé repentinamente depois de algum tempo sentado é um pesadelo para quem tem a hipotensão ortostática, um tipo de pressão baixa que acontece quando se muda de posição. Ela leva a tontura, náusea, palpitação e, em algumas situações, até desmaios.

“Ao levantarmos de uma cadeira, por exemplo, alguns receptores espalhados no organismo trabalham para ajustar a circulação sanguínea à nova postura”, conta Delson José da Silva. Só que esse mecanismo é coordenado pelo tal do sistema nervoso autônomo, que começa a entrar em parafuso quando o Parkinson se estabelece. Dessa forma, o problema também pode propiciar quedas passageiras na pressão.

Que fique claro: a presença desse quadro, bem como de bexiga solta, intestino preso e até mesmo tremores, não significa que o sujeito terá Parkinson no futuro. Mas eles servem de alerta para que um especialista seja procurado, sobretudo se aparecerem em conjunto. Quando a doença, que é progressiva, acaba diagnosticada mais cedo, o tratamento é mais efetivo e ajuda a segurar seu avanço.

Novos sintomas para ficar de olho

  • Perda de olfato
  • Distúrbios do sono
  • Modificações na postura
  • Pouca expressão facial
  • Escrita tremida e letras pequenas
Leia também:  Como Fazer Com Que O Cachorro Durma A Noite Toda?

Como se trata

Para enfrentar o Parkinson logo no início, os médicos receitam remédios que repõem os níveis de dopamina no cérebro. Casos em que os fármacos não funcionam mais podem ser tratados com a estimulação cerebral profunda, um marca-passo implantado na massa cinzenta para regular áreas que estão afetadas pela doença.

  • As esperanças de controle do parkinson
    Confira quatro notícias muito promissoras no tratamento
  • Células-tronco
  • No Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, no Rio de Janeiro, cientistas reverteram a doença em laboratório usando células-tronco e doses de quimioterapia.
  • Fechaduras travadas
  • Um remédio criado pelo Instituto de Doenças Neurodegenerativas Garvan, na Austrália, bloqueia o Parkinson ao interferir diretamente nos receptores de dopamina.
  • Na flora intestinal

Uma molécula produzida pela bactéria E. coli, que vive no intestino, ajuda a inibir o processo de degeneração cerebral, segundo uma equipe da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos.

Da maconha

Um trabalho da Universidade de São Paulo revela que o canabidiol, um dos componentes da erva (e que não gera efeitos psicóticos), melhora a qualidade de vida de parksonianos.

Continua após a publicidade

  • Distúrbios neurológicos
  • Medicina
  • Parkinson

Sintomas de inveja e mau olhado: os sinais da presença do mal na sua vida

Quando estamos sob a magia ou feitiço feito por alguém contra nós, podemos rapidamente identificar essa energia com alguns sentimentos que vem à tona. Abaixo vamos descrever alguns sintomas de inveja e mau olhado para que esteja atento e consiga se livrar de trabalhos de entidades do baixo astral.

Além disso, e por serem sintomas normais que podem acontecer a qualquer um, a atenção deve estar voltada para a ocorrência dos mesmos com mais frequência e com mais intensidade, especialmente durante a lua crescente ou cheia. Não confunda ainda alguns dos sintomas com reais problemas médicos. Portanto, antes de procurar ajuda espiritual, procure a ajuda de um especialista de saúde para descartar qualquer outra possibilidade.

Sintomas de inveja e mau olhado mais comuns

Entre os mais comuns sintomas de inveja e mau olhado, estão a sensação de sufocamento e os calafrios nos peitos e nos ombros. É como se um espírito tentasse te agarrar e estivesse constantemente tentando passar por você, e este calafrio é o sinal de que uma alma está por ali. No pescoço, parece que está sempre com algum incômodo, uma sensação de agarrado.

Além disso, e para quem não tiver problemas do coração, as palpitações regulares, sem estar em um estado nervoso, é outro sintoma. Isso porque a presença de outro espírito acelera os seus batimentos, sem mesmo notar. Se sentir também uma sensação diferente de picadas ou queimaduras na zona da pele próxima ao coração, ou da nuca, é também uma possibilidade.

Leia também: Banho de descarrego para afastar a inveja, mau-olhado e olho gordo

Sentimentos comuns a vítimas de mau olhado

Não só a nível de sintomas se faz a presença do mau olhado e da inveja. Sentimentos e atitudes também são alterados, como um elevado grau de angústia e de raiva. Sente que está sempre irritado com tudo, mesmo não sendo do tipo de pessoa ranzinza ou que facilmente se zanga com alguma coisa.

Os desequilíbrios emocionais também são um dos sintomas de inveja e mau olhado.

Aquele momento em que você não sabe se esta feliz ou triste, que não consegue tomar decisões, que tende a estar sempre chorando ou infeliz com o seu dia dia, quando não deveria.

Pare e pense o que realmente se passa e se tem realmente motivos para estar tão desequilibrada. Sinta o chão nos seus pés e tome as suas decisões.

Um esgotamento físico sem explicação, ou cansaço contínuo, mesmo já tendo visitado o seu médico, pode ser o peso de uma alma negativa em cima de você. Procure uma ajuda espiritual para ter os melhores conselhos sobre como se livrar desses feitiços.

Como se livrar da inveja e mau-olhado?

Não deixe de conferir este banho de descarrego poderoso. No mais, faça também este ritual para você ter a certeza que de fato há energias negativas na sua casa. Você só precisa de sal e um copo de água. Finalmente, para respirar aliviado, porque não experimentar fazer estas simpatias? E lembre-se mantenha a sua vibração positiva, sempre.

Saiba mais :

Os sinais de que alguém quer puxar o seu tapete

São Paulo – Os sinais de que alguém quer puxar o seu tapete, via de regra, são sutis. Por isso, desvendá-los não lá das tarefas mais fáceis, dizem os especialistas.

“Há situações completamente veladas em que a pessoa só vai perceber quando a notícia chega até ela”, pondera Sandra Oliveira, representante da Dale Carnegie Brasil, ressaltando que as puxadas de tapete são mais frequentes com profissionais que ocupam cargos hierárquicos mais elevados na organização.

O motivo pelo qual o profissional de sucesso está mais vulnerável a este tipo de situação tem nome: inveja. Como explica Renato Trachtenberg, autor do livro “As sete invejas capitais” (Artmed, 2009), o alvo do invejoso é quem se destaca.

“O invejoso ataca quem está acima dele. Na verdade, ele admira a pessoa, mas se sente sem condições de se aproximar do que a pessoa é”, diz. E, por isso, apela para a puxada de tapete.

Mas, é possível perceber quando uma situação de sabotagem ou um golpe está na iminência de ocorrer? De acordo com os especialistas, apesar de não serem claros, é possível perceber alguns indicativos. Confira:

1 A crítica que na verdade é um elogio disfarçado

“O Dale Carnegie dizia isso de que uma crítica pode ser um elogio disfarçado”, diz Sandra.

Sabe quando você sente está indo bem no projeto, e vem aquele colega e, sob o pretexto de fazer uma crítica construtiva, diz que não é bem esse o caminho que você deve seguir, sugerindo um ajuste na rota? “Ele vê o sucesso do outro e tenta fazê-lo mudar a trajetória, fazendo esta crítica, que é um elogio disfarçado”, diz Sandra.

Uma analogia é interessante para entender este mecanismo. Imagine duas amigas que vão sair juntas para uma festa. Uma delas aparece com um vestido deslumbrante, e a outra diz que não acha que está tão bom, fazendo com que a amiga escolha outra roupa que a deixe menos em evidência do que ela. 

“Este tipo de situação pode acontecer também no contexto corporativo”, diz Sandra. É claro que não é na primeira crítica que você vai perceber a má intenção, mas observe se há um padrão, se a situação se repete. “É o tempo que vai fazer a pessoa perceber e uma forma de se precaver é não se deixar influenciar”, recomenda Sandra.

2 Elogios exagerados

Por outro lado, ao receber elogios também fique alerta. De acordo com Trachtenberg, o invejoso corporativo, que é o mais forte candidato a puxar o tapete de seu alvo, também pode lançar mão de uma estratégia antes de atacar: tecer incontáveis elogios, principalmente na frente dos outros.

“Quanto mais a pessoa elogiada se sente importante, menos ela estará atenta aos seus inimigos de plantão”, explica. A dica é não se deixar levar tão facilmente pelos elogios e ficar atento às entrelinhas. 

“A pessoa deve ter discernimento do que é real e o que não é”, indica Trachtenberg. Isso não significa que você deve desconfiar de qualquer palavra afável, mas atente aos exageros, eles podem indicar que há uma tentativa de tirar o seu foco em jogo.

3 Desestabilização intencional 

Imagine a cena. Dois colegas estão participando de uma reunião com a diretoria. Um deles está mal intencionado e sabe que o outro é mais emocional do que racional.

 Sabendo disso, o mal intencionado alfineta ou cria uma situação inesperada nos bastidores e apresentada repentinamente ao colega com o objetivo de desestabilizá-lo perante a chefia.

Caso a reação seja mesmo uma explosão emocional, o profissional que caiu na armadilha vai prejudicar a sua imagem expondo-se de forma negativa para o deleite tal colega mal intencionado, de acordo com Sandra, da Dale Carnegie.

O sinal, neste caso, é dado pela crítica durante a reunião ou pela situação inesperada criada pelo colega que quer puxar o tapete do outro. Ou seja, é a provocação que antecede a reação emocional. 

Cair no jogo já configura a puxada de tapete propriamente dita. “Isso acontece porque as pessoas são contratadas por conta de suas competências técnicas e demitidas ou preteridas em uma promoção por causa de suas inabilidades comportamentais”, explica Silvio Celestino, da Alliance Coaching.

Portanto, valem e muito aqueles 10 segundos de pausa para a reflexão: será que é uma provocação intencional? Estão querendo me desestabilizar? Vou dar este gostinho ao fulano?

4 Tentativas de passar por cima

Leia também:  Como Mostrar Que Uma Função É Impar?

Outro indicativo de que vem uma puxada de tapete por aí é revelado quando um colega de trabalho começa a lidar com temas e atividades que são de sua responsabilidade e não dele. “Ele começa a fazer sozinho coisas que deveriam ser alinhadas com o colega do qual ele quer puxar o tapete, passa por cima e faz sozinho”, explica Celestino. 

Por se tratar de uma operação velada, haverá justificativas. “Ele vai dizer que tentou ligar e não conseguiu, que não encontrou o colega, mas na verdade foi apenas uma operação de fachada”, diz Celestino. Caso isto ocorra, é importante analisar se houve um esforço genuíno em envolvê-lo na atividade ou se foi mesmo apenas fachada para você não ter como reclamar depois.

5 Expressões corporais

Este é um item polêmico. Olhos virados, dedos batendo na mesa durante uma reunião e “nariz torto” podem, de acordo com Sandra, indicar que a pessoa está predisposta a jogar contra você. Mas, Trachtenberg faz um alerta: “só quem tem experiência com este tema é capaz de perceber a má intenção pelos sinais corporais”, diz.

Celestino vai além. De acordo com ele, tirar conclusões a partir da expressão corporal pode levar a um equívoco. “A pessoal mal intencionada vai geralmente usar a expressão corporal para iludir o outro”, diz.

Por conta disso ele diz o melhor caminho é a observação. “Os profissionais precisam procurar amadurecer no sentido de avaliar as pessoas”, diz. O importante, diz, é descobrir se é uma pessoa de boa índole ou não. 

Uma pessoa íntegra é aquela que cumpre o que promete, que faz o que fala. “Quanto maior a integridade de uma pessoa, menores são as chances de ela querer puxar o tapete de alguém”, explica.

Conheça os 10 tipos de pessoas que fazem mal à saúde

Comportamentos

Conheça os 10 tipos de pessoas que fazem mal à saúde

  • Todos sabemos que as pessoas com quem convivemos influenciam o nosso estado de espírito e qualidade de vida.
  • Não é por acaso que nos sentimos muito bem perto de algumas pessoas e, há outras que nos provocam um mau-estar tão grande que só nos apetece provocar o afastamento.
  • Somos todos diferentes uns dos outros e, por isso temos necessidades distintas, ainda assim, a Revista Mais Saúde resumiu os perfis mais conhecidos como sendo tóxicos para a nossa saúde em geral, por isso, esteja atento e saiba colocar nos devidos lugares quem se lhe apresentar com uma destas performances.
  • 1 – O tipo de pessoa que gosta de uma fofoca ou de falar sobre os outros:

A pessoa que apresenta este perfil, não é boa companhia! Este tipo de pessoas quer saber mais acerca da vida dos outros para se divertir com a desgraça alheia. É incapaz de ajudar quando um amigo tem um problema porque o quer ver mesmo mal.

Este tipo de pessoa, pode ser homem ou mulher, gosta de julgar, de avaliar, de condenar os outros para se sentir superior. Na realidade, tem problemas de auto-estima, mas quer combate-los descarregando sobre aqueles que o rodeiam.

Estas pessoas não têm sentimentos e acabam por falar, na maioria das vezes, sem conhecimento de causa, sem fundamento, apenas pelo prazer de levar e trazer informação destrutiva para alguém. O seu cérebro alimenta-se desse “veneno” para viver.

A solução é afastar-se desse tipo de pessoa, pois hoje ela fala de alguém, amanhã é você o alvo das conversas!

2 – A pessoa temperamental:

Todos nós temos emoções diferentes ao longo do dia, mas algumas pessoas não conseguem lidar com o que sentem e, por causa disso, atacam outras pessoas sem o mínimo autocontrole. Estar na companhia desse tipo de gente é sempre desagradável, e ninguém gosta de viver com medo desses rompantes de fúria, que podem acontecer a qualquer momento.

  1. 3 – A vítima:
  2. Esse tipo de pessoa é mais difícil de identificar.
  3. Por norma, este tipo de pessoa gera empatia com relativa facilidade, mas em pouco tempo, acaba por enrolar os outros nos seus problemas, nos seus dramas e chamadas de atenção.

Este tipo de pessoas reclama sempre do mesmo, porque já se habituou a falar dos seus problemas com todas as pessoas que encontra na vida, razão pela qual não altera o comportamento, muito menos resolve os seus problemas para se libertar daquilo que diz causar-lhe sofrimento. Usa esses dramas para ser o centro das atenções e manipular os outros. Perde a força quando a outra pessoa deixa de ser a mera ouvinte e começa a falar também dos seus problemas. Nesse caso, normalmente afasta-se.

4 – A pessoa “autoabsorvida”:

Este é o tipo de pessoa que passa completamente ao lado das outras na maior parte das situações. Está sempre envolvida nos seus pensamentos e não liga a ninguém. Não cria qualquer tipo de relação ou ligação com os outros.

5 – A invejosa:

É aquela criatura que está sempre a comparar-se com outras pessoas e a procurar ter o que os outros têm.

Estas pessoas querem o que é dos outros e consideram que, “se tivessem o mesmo” seriam muito melhores do que os outros! Essa é a razão pela qual querem tudo até à exaustão e, não são só bens materiais, são também traços de personalidade que são cobiçados, casamento e daí por diante. O afastamento deste tipo de pessoas é a solução, já que, mais cedo ou mais tarde, isto vai gerar conflitos, por vezes, perigosos.

6 – O manipulador:

É aquele cidadão que dá um jeitinho para conseguir sempre tudo o que quer, que enche alguém de elogios antes de pedir um favor, que faz chantagem emocional, que coloca uma pessoa contra a outra e que sempre, sempre consegue o que quer. Estas pessoas são um verdadeiro perigo em sociedade e, ainda mais nas relações interpessoais, pois onde elas estão, há conflitos seguramente, há interesses e falsas palavras e/ou promessas.

7 – Os dementadores:

Quando JK Rowling criou os dementadores,  pensou naquelas pessoas que, quando entram numa sala, roubam a energia do local, ou seja: pessoas altamente negativas.

São aqueles pessimistas que nunca dizem nada positivo, que se fecham em si mesmas e não ligam a ninguém, que só pensam no lado mau da realidade e, ainda se dão ao luxo de produzir profecias para destruir a vida de quem os escuta, pois dizem tantas coisas más que, uma ou outra acaba por acertar em cheio no outro. É importante estar longe deste tipo de influencia!

8 – O sádico:

Por mais bizarro que pareça, algumas pessoas são maldosas a ponto de se sentirem satisfeitas quando sabem que alguém se deu mal.

Desfrutar da dor e da miséria das outras pessoas é, certamente, uma forma cruel de levar a vida, e com certeza você não precisa de gente assim por perto.

Ao reconhecer que alguém se diverte com o sofrimento de quem quer que seja, o melhor que tem a fazer é se afastar dessa pessoa.

9 – O juiz:

As pessoas têm sempre o direito de concordar ou não com alguma coisa e, quando discordam, devem fazer isso de forma sensata e educada. Aquela criatura que dita regras e julgamentos sobre a vida alheia, como se estivesse sempre com a razão, é geralmente incapaz de conviver com o que é diferente dela e, esse tipo de gente é das mais fáceis de dispensar.

10 – O arrogante:

Não desperdice o seu tempo com gente arrogante. Para esse tipo de pessoa, tudo o que possa fazer é um desafio pessoal, e, psicologicamente falando, a arrogância nada mais é do que uma falsa confiança.

Qualquer coisa falsa uma hora ou outra é descoberta, e por trás do arrogante há sempre alguém com baixa auto-estima e muita insegurança.

A solução é não ir muito para além do mero cumprimento e formalidade pontual, já que tudo o que acrescentar a isso, é tempo perdido.

Fátima Fernandes

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*