Como Saber Que Vem O Periodo?

Para saber quando é o seu período fértil basta colocar acima a data do primeiro dia da última menstruação. Informe também o número de dias do seu ciclo menstrual e quantos dias você habitualmente fica menstruada.

A nossa calculadora irá mostrar pra você um calendário com as suas chances de engravidar. Nele é possível ver os dias em que você tem maior chance de engravidar com base nos dados informados.

Caso queira saber mais detalhes sobre como é feito este cálculo veja nosso post que explica como saber o período fértil e quais são os sintomas esperados. Veja abaixo um exemplo de como é o resultado da nossa calculadora:

Como Saber Que Vem O Periodo?

Exemplo do calendário gerado por nossa calculadora. Os dias de menstruação (gotas de sangue), a data da ovulação (ovo). Os melhores dias para manter relações sexuais na tentativa de conceber são marcados com corações.

Nos resultados da nossa calculadora também é possível ver uma tabelinha com os próximos seis ciclos menstruais. Isso ajuda por exemplo a programar uma viagem ou outro compromisso. Permitindo otimizar as suas chances de engravidar, mesmo se seu ciclo não for de 28 dias.

Mas atenção, se você tem um ciclo irregular a calculadora e o calendário podem ser menos precisos. Nesse caso é importante a mulher fazer uma consulta com seu ginecologista. Alguns exames podem ajudar a descobrir quando você ovula.

O exame de controle de ovulação por exemplo irá olhar seu ovário para monitora-lo durante o ciclo menstrual. Isso permite dizer quando o óvulo está prestes a ser liberado, momento em que acontece a ovulação.

O ciclo menstrual pode variar com mudanças sazonais e conforme a idade.

O que é o período fértil?

O período fértil é a época do ciclo menstrual aonde existe maior chance de gravidez. Em um ciclo normal de 28 dias espera-se que a ovulação ocorra 14 dias após o início da menstruação. Algumas mulheres podem sentir dor no dia da ovulação.

A temperatura corporal também pode subir um pouco, cerca de 0,5 ºC. Também um pouco de dor pode ser percebido quando o ovário libera o óvulo. Muitas vezes a mulher pode perceber um corrimento mucoso no primeiro dia após a ovulação, semelhante a uma clara de ovo.

A libido (desejo sexual) também pode aumentar durante o período fértil.

Os dias férteis são normalmente 6 dias. O período vai de cerca de 5 dias antes da ovulação até um dia depois da ovulação. Entretanto a maior chance de gravidez é de cerca de um a dois dias antes da ovulação até o dia da ovulação.

É importante também informar que o fato de não estar dentro do período fértil não significa que você não tem chances de engravidar.

Sim, é possível estimar a data da ovulação! Mas a tabelinha não é um método anticoncepcional eficaz. Sem exames complementares (como o ultrassom ou dosagens hormonais) não é possível ter certeza.

Por isso a nossa tabela da fertilidade não deve ser usada como método anticoncepcional.

Entendendo como o Período Fértil é calculado

Para calcular o período fértil precisamos primeiro entender o ciclo menstrual. Ele pode ser dividido em duas fases. A primeira, chamada de fase proliferativa é caracterizada pela secreção do hormônio estrogênio. Já a segunda fase, chamada secretora, é caracterizada pelo hormônio progesterona. Entre estas duas fases ocorre a ovulação que é controlada basicamente por estes hormônios.

Enquanto a primeira fase tem uma duração variável, a segunda fase é bastante constante, com uma duração de 2 semanas. Portanto a ovulação ocorre cerca de 2 semanas antes da data em que você está esperando a próxima menstruação. Ficou confuso? Vamos ver alguns exemplos:

  • Exemplo 1: Ciclo menstrual de 28 dias Primeira fase (variável) tem 14 dias (contados desde o primeiro dia da menstruação) Ovulação no 14º dia do ciclo Segunda fase (constante) tem mais 14 dias
  • Menstruação vem a cada 28 dias (14 dias da primeira fase + 14 dias da segunda fase)
  • Exemplo 2: Ciclo menstrual de 24 dias Primeira fase (variável) tem 10 dias (contados desde o primeiro dia da menstruação) Ovulação no 10º dia do ciclo Segunda fase (constante) tem mais 14 dias
  • Menstruação vem a cada 24 dias (10 dias da primeira fase + 14 dias da segunda fase)
  • Exemplo 3: Ciclo menstrual de 35 dias Primeira fase (variável) tem 21 dias (contados desde o primeiro dia da menstruação) Ovulação no 21º dia do ciclo Segunda fase (constante) tem mais 14 dias
  • Menstruação vem a cada 35 dias (21 dias da primeira fase + 14 dias da segunda fase)
  • E claro, se você tem um ciclo irregular fica muitas vezes difícil determinar com clareza qual é o seu período fértil.

Quantos dias após a menstruação é o período fértil?

Para responder essa pergunta você precisa compreender 2 coisas. A primeira é que o óvulo pode ser fertilizado até aproximadamente 24 horas depois da ovulação. A segunda é que o espermatozoide é capaz de sobreviver por até 5 dias. Portanto a gravidez é possível para algumas mulheres se você tiver relações de 5 dias antes da ovulação até o dia seguinte da ovulação.

Qual a relação do período fértil com a ovulação?

Para saber o seu período fértil, se você tem ciclos regulares, basta determinar o dia provável da ovulação. Cinco dias antes e até um dia depois desta data será o período em que você pode engravidar.

Por exemplo, se o seu ciclo tem 28 dias e você ficou menstruada no dia 01/05, a ovulação será por volta do dia 15 de maio.

Então o período fértil é aproximadamente do dia 10 ao dia 16 (5 dias antes até um dia depois da ovulação).

Quais são os sintomas do período fértil?

Não existe um sintoma do período fértil, mas o que algumas mulheres percebem são os sintomas da ovulação.

Se você tiver os sintomas abaixo isso pode significar que você está ovulando. Neste dia ou no dia seguinte existe uma boa chance de você engravidar se tiver relações desprotegidas.

Estes são seus dias férteis e os principais sinais pra poder identificar a sua ovulação são:

  • Aumento da temperatura corporal basal em cerca de 0,3ºC.
  • Corrimento vaginal, leve, claro, transparente e fino. Com uma consistência mais escorregadia e com aspecto de muco, semelhante ao da clara de ovo.
  • Dor na parte inferior do abdome, no lado onde a ovulação está ocorrendo. Esse tipo de dor chama-se Mittelschmerz (do alemão “dor do meio”), pode aparecer de forma súbita e normalmente melhora após algumas horas. Ela ocorre no momento em que os óvulos são liberados.
  • Aumento do desejo sexual.
  • Discreta perda de sangue vaginal.
  • A vulva ou a vagina podem parecer inchadas.
  • Aumento da sensibilidade nas mamas.
  • Olfato fica mais sensível (às vezes, o paladar também).
  • Sensação de gases na barriga.

Existem ainda no mercado alguns testes de farmácia que ajudam a saber se você está ovulando e mesmo exames de ultrassom que podem ajudar, como o controle de ovulação.

Converse com o seu médico se você precisa de ajuda para saber quando ovula ou qual o seu período fértil.

Se você está tentando engravidar neste ciclo não deixe de ler nossas dicas sobre as posições sexuais que aumentam a chance de engravidar.

Qual a porcentagem de chance de engravidar no período fértil?

A chance de engravidar durante o período fértil varia conforme o dia em que você tem relação. Um ou dois dias antes de ovular é sua melhor chance de engravidar naquele ciclo. Veja o gráfico abaixo aonde no eixo X existe o dia em relação a ovulação (dia 0) e no eixo Y a chance de engravidar.

Como Saber Que Vem O Periodo?

Probabilidade de Gravidez de Acordo com a Data do Coito/Ovulação. O dia da ovulação é o dia 0 (zero). Adaptado de Dunson et. al, Assessing human fertility using several markers of ovulation. Statistics in Medicine, 2001.

Qual a chance de engravidar depois da menstruação?

Logo após a menstruação a chance de engravidar é muito baixa pois o útero não está preparado para receber o óvulo fecundado. Entretanto independente da fase do ciclo nunca temos como ter 100% de certeza da data de ovulação. Portanto o método da tabelinha (ter relação apenas em dias não férteis) não é confiável. Se você busca um método anticoncepcional procure o seu médico.

Por que usar uma calculadora determinar a sua fertilidade?

Caso você esteja demorando um pouco para engravidar saber o seu dia fértil pode ser uma boa ajuda. Apesar do seu corpo dar um monte de pistas de que você pode estar ovulando, manter um registro dos seus ciclos menstruais e poder estimar o seu período fértil aumentam as suas chances de engravidar.

Embora em média um casal conceba após cerca de 5 ou 6 meses de tentativas, pessoas que sabem como determinar a sua ovulação e mantêm relações desprotegidas durante o período fértil aumentam suas chances de engravidar!

O que é?

Menstruação é a descamação das paredes internas do útero quando não há fecundação. Essa descamação faz parte do ciclo reprodutivo da mulher e acontece todo mês. O corpo feminino se prepara para a gravidez, e quando esta não ocorre, o endométrio (membrana interna do útero) se desprende.

O fluxo menstrual é composto, assim, por sangue e tecido uterino.

O período menstrual faz parte do ciclo reprodutivo da mulher, que acontece em quatro fases:

  • Menstruação – Perda de sangue que ocorre periodicamente. Devido a estímulos hormonais, a superfície do endométrio se rompe e é excretada pela vagina, sob a aparência de um fluido de sangue. Em geral, a primeira menstruação (menarca) ocorre aos dozes anos;
  • Fase pré-ovulatória – Período em que o óvulo se desenvolve para sair do ovário e o útero se prepara para receber um óvulo fecundado; 

Como Saber Que Vem O Periodo?

  • Ovulação – Processo que ocorre entre o 13º e 15º dia antes da próxima menstruação.  Nessa fase, a mulher está fértil e tem maiores chances de engravidar; 
  • Fase pós-ovulatória – quando o óvulo não é fecundado, ele morre após 12 ou 24 horas. Após essa morte, há o início de uma nova menstruação. 

É possível evitar a menstruação a fim de melhorar os sintomas da cólica, da TPM e da endometriose com o uso dos anticoncepcionais nos chamados regime contínuo (não há pausa) e regime estendido (a pausa é realizada após 84 dias)e regime flexível (pausa entre o 24° e 120° dia da pílula, de acordo com o que a mulher optar).

Fontes:

Dr. Sérgio dos Passos Ramos CRM 17.178 – SP

Patton, Kevin T. ; Thibodeau, Gary A.  Sistema Genital. In: Estrutura e funções do corpo humano. P 468 – ‍472. ‍2002. 1ª Edição. Editora Manole. Barueri – São Paulo

DIU, DIU Hormonal e Implante contraceptivo. Saiba mais sobre os métodos contraceptivos de longo prazo

LER MAIS

A ovulação é o processo de liberação, por um dos ovários,…

LER MAIS

O hormônio folículo-estimulante (FSH) estimula a secreção…

LER MAIS

Spotting ou sangramento de escape é um leve sangramento ocorrido…

LER MAIS ACESSE NOSSO GUIA

As opiniões acima possuem caráter meramente informativo e não substituem a consulta a seu médico de confiança.

Não é finalidade deste site a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico aos usuários, tarefa esta reservada unicamente ao seu respectivo médico de confiança.

Menstruação: Guia completo de como funciona o ciclo menstrual

Quando o ciclo menstrual da mulher é regular, todo mês a partir da menarca (primeira menstruação), ela ovula. Quando o óvulo não é fecundado, a mulher menstrua para limpar o útero e prepará-lo para uma possível gestação no mês seguinte.

Nessa ação fisiológica, o endométrio, uma membrana uterina interna, se desprende e sai pela vagina.

Logo, a menstruação nada mais é que a liberação de sangue e tecido uterino nesse processo natural de limpeza, que faz parte do ciclo reprodutivo da mulher, que tem três fases: a fase pré-ovulatória, a ovulatória e a fase pós-ovulatória.

“A menstruação representa os anos férteis da vida da mulher, que se iniciam na adolescência e duram até a menopausa”, esclarece a ginecologista, obstetra e especialista em saúde sexual Erica Mantelli.

Leia também:  Como Se Chama Uma Pessoa Que Não Tem Religião?

A partir de qual idade se menstrua?

A primeira menstruação, conhecida como menarca, ocorre quando a menina chega ao período fértil, que alcança seu ápice por volta dos 20 anos e entra em declínio a partir dos 30. É como se o corpo estivesse dizendo: “Epa! Já estou pronto para engravidar” – mesmo que psicologicamente a garota não esteja.

Normalmente, a menarca ocorre entre os 10 e os 14 anos, e o corpo começa a dar alguns sinais que ficam mais intensos com a proximidade dela, como o aumento das mamas e dos pelos pubianos e nas axilas.

Mais que uma questão biológica, especialistas alertam sobre as questões psicológicas que vêm com a menstruação.

No artigo científico Significado da Menarca Segundo Adolescentes, essa carga simbólica é abordada: “O acontecimento da menarca, como um ritual de passagem, é vivenciado pela adolescente durante o período de seu desenvolvimento, considerado de extrema relevância.

Por meio da menarca, a menina descobre seu papel social, adquirindo subsídios como valores, atitudes, crenças, princípios e vontades que serão organizados e assumidos por ela, servindo de base para a para a consolidação de seu processo natural de desenvolvimento psíquico”.

Como se forma o ciclo menstrual?

Beatrice Nuto Nóbrega, ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana, explica que o ciclo menstrual é dividido em fase folicular (antes da ovulação) e fase lútea (depois da ovulação). “Esta segunda, em geral, é fixa em 14 dias.

Então, o dia da ovulação pode variar. Por exemplo: em um ciclo de 25 dias, a ovulação normalmente ocorre no 11º dia do ciclo.

Agora, em um ciclo de 28 dias, ela ocorre no 14º”, aponta a especialista, que faz parte da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Estado do Rio de Janeiro.

Exemplo de como funciona um ciclo de 28 dias; para descobrir de quantos dias é seu, calcule quantos dias tem entre o primeiro dia de uma menstruação e o primeiro dia da menstruação seguinte Juliana Dias/CAPRICHO

Durante as fases folicular e lútea, acontecem aquelas três etapas do ciclo reprodutivo da mulher, que citamos anteriormente. Na fase pré-ovulatória, o útero se prepara para receber o óvulo que está se desenvolvendo nos ovários, duas glândulas do sistema reprodutor feminino que produzem hormônios, além de produzir e armazenar os ovócitos (fase inicial dos óvulos).

Na ovulação, um dos ovários libera o óvulo pronto para ser coletado pela trompa, onde será ou não fertilizado. Isso geralmente acontece entre o 13º e o 15º dia antes da menstruação.

“É quando estamos mais propensas a engravidar. Mas os espermatozoides podem durar alguns dias dentro do trato genital feminino.

Por isso, dizemos que o período fértil compreende os cinco dias antes da ovulação, inclusive o próprio dia da ovulação”, reforça a Dra. Beatrice.

Quando o óvulo liberado não é fecundado por um espermatozoide, ocorre a fase pós-ovulatória, que é quando esse óvulo morre após cerca de 12h de vida útil. Daí vem a menstruação para limpar o útero, enquanto um novo ovócito é preparado, e todo o ciclo se repete.

Quais são os sintomas de TPM? Ela existe mesmo?

Apesar de algumas mulheres não sentirem os sintomas da tensão pré-menstrual, e de ela ser usada muitas vezes para reproduzir machismos, a TPM é biologicamente comprovada.

Isso porque o corpo enfrenta alterações hormonais no período que antecede a menstruação.

“Ela é considerada uma doença com mais de 200 sintomas e pode ocorrer em mais de 50% das mulheres”, explica a Dra. Erica Mantelli.

Essas alterações causam alguns sintomas, sendo os mais comuns inchaço e dor nos seios, cansaço, irritabilidade, dor de cabeça, constipação e as temidas cólicas.

Na maioria dos casos, a mulher consegue enfrentar esses dias aliviando tais sintomas com medicamentos e até alimentos, como chocolate, que realmente funciona, principalmente os mais amargos.

Outras, contudo, acabam precisando de ajuda médica, principalmente para aliviar as cólicas.

Nesses casos mais intensos, é importante que a mulher agende uma consulta com seu ginecologista e faça exames para entender se essas manifestações são ou não consequências de doenças como a endometriose. Vale aqui lembrar que é indicado que a garota visite o ginecologista depois da sua primeira menstruação, não somente quando perder a virgindade.

O que é corrimento e quais são os principais tipos?

O que as mulheres entendem como corrimentos são, na maioria das vezes, secreções naturais do corpo que mantém a vagina limpa, lubrificada e protegida de infecções.

“Se a secreção é clara, sem odor, livre de coceira e sem alterações na pele da vulva, como assaduras, fissuras ou até mesmo úlceras, não tem com o que se preocupar”, tranquiliza a ginecologista Liliane Herter.

Continua após a publicidade

Quando a mulher ovula e está no período fértil, é normal que saia pela vagina uma secreção elástica, com consistência de clara de ovo. É ela que facilita a locomoção dos espermatozoides dentro do corpo feminino.

Mulheres que tomam pílula anticoncepcional não produzem tal secreção. Já no período não-fértil, a secreção que pode sair não é tão transparente. Ela tende a ser mais esbranquiçada, com consistência de coalhada.

Se não tiver cheiro forte, vida que segue.

Agora, existem outros tipos de corrimento que não são naturais e costumam sinalizar que algo está errado.

Todo corrimento que não for claro e apresentar cheiro forte associado a sintomas como dor, coceira, ardência e sangramento, inclusive após as relações sexuais, deve ser avaliado, pois pode indicar infecções por fungos ou bactérias. Ou, ainda, secreções decorrentes de processos alérgicos”, explica a Dra. Liliane.

E existem corrimentos de todo tipo e cor, sabia? Os mais amarelados ou esverdeados costumam indicar infecções como a tricomoníase. Os mais acinzentados, uma vaginose.

Os esbranquiçados que vêm acompanhados de cheiro forte e coceira podem sinalizar uma candidíase.

Em todo caso, uma visita ao ginecologista é indispensável, pois só o médico pode dar o diagnóstico correto baseado em exames e indicar o tratamento mais adequado.

Afinal, a cor da menstruação afeta algo na saúde?

A menstruação pode variar bastante entre as mulheres e até na mesma mulher, entre cada ciclo, como explica a ginecologista Beatrice Nuto Nóbrega. Em um mês desce menos e sem dor, no outro desce bastante e dá cólica.

Tem até meses em que, junto com o sangue, sai uns pedaços de pele, já reparou? Na verdade, são partes do endométrio descamado. Normal.

Só está rolando uma baita limpeza! “Contudo, se a menstruação está descendo em grande quantidade, com grandes coágulos e dor forte, é necessário uma investigação médica”, alerta a especialista.

Quando sai em maior quantidade, a cor da menstruação tende a ser mais vermelha. Até porque você precisa trocar a calcinha menstrual ou o absorvente com mais frequência, dando menos tempo para o sangue oxidar. A seguir, você encontra os tipos mais comuns de coloração:

  • Menstruação escura
    Quando a menstruação desce em menor quantidade ou está no finalzinho, o sangue tende a ser mais escuro, por sofrer oxidação. “Em geral, a maioria das variações na tonalidade acontecem devido ao tempo de exposição do fluxo à oxigenação do ar. O oxigênio reage com o sangue e o deixa mais escuro”, conta Victoria Castro, bióloga e educadora menstrual.
  • Menstruação marrom
    Aqui, vale a mesma explicação dada acima com um adendo: pode ser um sinalzinho de sangue que desce porque você vai menstruar em breve ou um escape, bastante comum em quem toma pílula anticoncepcional. Daí você só percebe que a calcinha está suja depois de um tempo que o sangue está lá reagindo com o ar, ganhando essa coloração amarronzada.
  • Menstruação preta
    Geralmente, indica que a menstruação demorou mais para descer do útero até a vagina. Ou seja, é um sangue mais antigo, como explica Victoria Castro no site da Herself. Se não vem acompanhada de sintomas desconhecidos e novos, como algum tipo de dor, não tem com o que se preocupar.

Como fazer a menstruação descer?

Menstruação ou Sangramento de Nidação: Semelhanças e Diferenças

Se um dos seus sonhos é ser mãe, preste atenção no seu ciclo menstrual. Uma determinada alteração nele pode indicar que o desejo está próximo de se realizar. 

Esta alteração é o sangramento de nidação. Ele não ocorre em todas as mulheres, mas quando ocorre, apresenta algumas características que o diferem da menstruação regular.

Tanto o sangramento de nidação, quanto a menstruação possuem semelhanças. E são elas que causam confusão em muitas mulheres que querem (ou não) engravidar. 

Pensando nisso, preparamos esse texto para te ajudar a esclarecer as semelhanças e diferenças entre menstruação e sangramento de nidação, e quando vale fazer um teste de gravidez para tirar a dúvida.

Desejamos uma boa leitura!

O sangramento de nidação para mulheres que querem engravidar

O sangramento de nidação ocorre quando o embrião finalmente se fixa no endométrio. O endométrio é o tecido que reveste a parede interna do útero, e uma de suas funções é receber a implantação do embrião no estágio inicial da gravidez.

Por essa razão, ele é muito aguardado pelas mulheres que estão tentando engravidar. Sua aparição indica que o processo de fixação provocou a ruptura de pequenos vasos, acarretando na descamação deste tecido. Essa descamação é o sangramento de nidação. 

Este sangramento pode ser identificado como nidação por meio de algumas características específicas, tais como:

  • Coloração que pode variar do vermelho claro ao amarronzado;
  • Pouca quantidade;
  • Pouco volume;
  • Duração de dois a três dias, sem fluxo.

Vale lembrar que o sangramento de nidação não é uma regra. Nem todas as mulheres conseguem constatar a gravidez pela ocorrência deste sangramento, já que ele pode se mostrar ausente no processo. Vai depender do organismo da mulher.

Sangramento de nidação ou Menstruação?

Uma das principais questões levantadas sobre o sangramento de nidação é quando ele é confundido com a menstruação – o que se torna frustrante para as mulheres que estão tentando engravidar.

Antes de diferenciar o sangramento de nidação da menstruação, vamos explicar o que é e quais são as principais características da menstruação. 

A menstruação ocorre quando não há a nidação do embrião no útero da mulher. Assim, o tecido que reveste a parede interna do útero – o endométrio – sofre alterações hormonais e descama.

A descamação do endométrio, é a “expulsão” de sangue e de tecido interior uterino por alguns dias – o que caracteriza o início do fluxo menstrual. 

Tanto a nidação quanto a menstruação ocorrem pela descamação do endométrio, mas por razões diferentes. Enquanto a nidação ocorre pela ruptura de vasos devido à aderência do embrião no endométrio, a menstruação flui justamente pela ausência de embrião.

Muitas mulheres confundem a nidação com a menstruação quando há a consumação de relação sexual durante o período fértil – no 14º dia do ciclo menstrual. É o período em que ocorre a ovulação, aumentando as chances de gravidez com a possibilidade de fecundação. 

Se este for o caso e havendo fecundação de fato, esse sangramento de nidação pode acontecer no início do que seria o seu ciclo menstrual habitual – ou seja, no 28º dia do ciclo menstrual, no caso de uma menstruação regular. 

Por outro lado, outras hipóteses devem ser consideradas para a existência desse sangramento. Em alguns casos, a menstruação pode começar rala, até ganhar forma e se tornar mais espessa posteriormente, não havendo fecundação. 

Portanto, a nidação e a menstruação se confundem constantemente, gerando expectativa e ansiedade na mulher.

Como diferenciar o sangramento de nidação da menstruação?

A diferença entre o sangramento de nidação e a menstruação se dá pelas características do sangue e de seu fluxo.

Enquanto o de nidação não apresenta fluxo, exibe pouca quantidade e dura entre dois e três dias, o sangramento oriundo da menstruação é contínuo, tende a ter um volume e quantidade maior, e pode durar entre quatro a sete dias. 

Essas características centrais diferem a nidação da menstruação. Porém, cada corpo reage de uma forma diferente. A melhor forma de averiguar qual pode ser o seu caso é em uma consulta com o ginecologista, que vai recomendar um teste de gravidez.

Leia também:  Como Sonhar Com O Que Se Quer?

Escape por privação de medicamento

O sangramento de nidação também pode se confundir com outra circunstância: o escape por falta de medicamento recorrente.

São casos de sangramentos que ocorrem quando a mulher se esqueceu de tomar algum medicamento que visa a prevenção da gravidez, como a pílula anticoncepcional. O mesmo pode acontecer quando a mulher ingere a pílula do dia seguinte. 

Neste caso, o escape é considerado um sangramento irregular, fora do tempo em que se é esperado no ciclo menstrual. 

O sangue de escape possui características bem parecidas com o sangramento de nidação. Ele também não é contínuo, tem pouco volume e possui tom amarronzado.

Por isso ele é muito confundido e pode acabar gerando pânico em mulheres que não desejam engravidar. 

Porém, o sangramento de escape por privação de medicamento é uma das reações já esperadas por conta da ausência de regularidade de um remédio contraceptivo.

Se for o seu caso, espere chegar o dia do início do fluxo menstrual. Em sua ausência, procure um médico especialista para realizar os devidos exames que vão constatar ou não gravidez.

Considerações finais

Embora o sangramento de nidação possua características próprias, ele pode ser confundido com a menstruação. Ambos se assemelham em alguns aspectos, que podem causar ansiedade em mulheres que desejam engravidar.

É recomendado aguardar a chegada do ciclo menstrual para certificar. Em sua ausência, entrar em contato com o médico especialista é a melhor solução. O pedido de um teste de gravidez vai confirmar o quadro e tirar as suas dúvidas.

  • Se ainda houver questões acerca desse assunto, não deixe de entrar em contato com uma equipe especializada e que possa te ajudar a sanar quaisquer dúvidas sobre ciclos e gravidez. 
  • Se você está em busca de profissionais e alternativas que te ajudem a engravidar com saúde, clique aqui e conheça as melhores técnicas de medicina reprodutiva do Brasil.
  • O nosso compromisso maior é gerar possibilidades para a vida.

Como se produz a menstruação e por que algumas mulheres sentem mais dor que outras – BBC News Brasil

Legenda do vídeo,

Como se produz a menstruação, que acontece uma vez por mês com mais da metade da população

O ciclo menstrual é um fenômeno tão natural quanto respirar ou digerir, e acontece uma vez por mês com mais da metade da população mundial.

Apesar disso, ao longo da história, inúmeros preconceitos, crenças e estigmas negativos foram gerados em torno da menstruação.

Um estudo do Unicef de 2015 mostrou que uma em cada três meninas do sul da Ásia não conhecia nada sobre a menstruação antes de ficar menstruada pela primeira vez, enquanto 48% das meninas do Irã e 10% das meninas na Índia acreditavam que a menstruação era uma doença.

A consequência principal dessa situação é que ainda hoje milhões de mulheres sofrem de vergonha e isolamento quando estão menstruadas.

É por isso que todo dia 28 de maio se celebra mundialmente o Dia Internacional da Higiene Menstrual, uma iniciativa da ONG alemã Wash United (Water, Sanitation and Hygiene, em inglês), com o objetivo de quebrar o silêncio em torno do tema.

Mas como se dá exatamente esse processo biológico?

O primeiro passo para romper esse tabu é entender o que acontece no corpo da mulher a partir da puberdade – entre os 10 e os 14 anos- e até os 45-50 anos.

Biologicamente, o ciclo menstrual é o processo de expulsão de um óvulo não fecundado, que se conclui com uma hemorragia, também chamada de menstruação.

A duração do ciclo menstrual costuma ser de 28 dias e se divide em duas fases de duração similar, separadas entre si pela ovulação.

Legenda da foto,

Biologicamente, o ciclo menstrual é o processo de expulsão de um óvulo não fecundado

A primeira fase, conhecida como fase folicular, dura uma ou duas semanas.

Durante esse período, um óvulo – célula femininas de reprodução-, cresce e amadurece dentro de um ovário.

Ao mesmo tempo, os ovários produzem hormônios que favorecem o desenvolvimento da camada que reveste o útero, chamada de endométrio.

Ao longo dos dias, o endométrio engrossa e fica rico em vasos sanguíneos, preparando-se para receber o óvulo no momento em que for liberado pelo ovário.

Quando o óvulo amadurece, no 14º dia do ciclo, aproximadamente, ele se separa do ovário – no processo de ovulação – e sai pela trompa de falópio até o útero.

Se o óvulo foi fecundado por um espermatozóide, ele será implantado no endométrio – e assim começará o processo da gravidez.

Se, por outro lado, não houver fecundação, o óvulo morre dois ou três dias depois de ter saído do ovário, sendo expulso na fase seguinte.

Legenda da foto,

Estima-se que aproximadamente um terço das mulheres sofram com dores muito intensas durante a menstruação.

No período que vai do dia 14 ao 28, conhecido como a fase lútea, o endométrio aumenta seu espessura ainda mais, e aumentam o número e o tamanho dos vasos sanguíneos que o nutrem. Até o dia 25 do ciclo, a produção de hormônios por parte dos ovários começa a diminuir.

O útero fica incapaz de manter por si só o sustento de sua camada interna, já bastante grossa e cheia de vasos sanguíneos.

É então que ocorre a hemorragia, que dura de três a sete dias e é composta por células do endométrio e pelo sangue em suas pequenas artérias e veias.

Assim se produz o fluxo menstrual – e o começo de um novo ciclo.

É comum que muitas mulheres sofram de mal-estar durante a menstruação, embora sua intensidade varie de pessoa para pessoa.

Estima-se que aproximadamente um terço das mulheres sofram dores muito intensas durante a menstruação.

As cólicas, dor de cabeça ou dores nas costas, sensação de náusea ou mal-estar geral são os sintomas mais comuns e costumam durar cerca de 24 horas.

Embora não haja nenhuma teoria que explique de forma exaustiva quais são as causas da dismenorreia, é possível identificar dois tipos distintos de cólica.

Legenda da foto,

A dismenorreia secundária causa dores mais intenesas e podem esconder alteraçõe no corpo

O tipo mais comum de dor menstrual é a dismenorreia primária, outro nome para cólica menstrual. Sua causa principal é o excesso de prostaglandinas no útero, substâncias químicas que fazem os músculos uterinos se contraírem e relaxarem, provocando cólica, para expulsar o endométrio durante a menstruação.

A dor pode começar um ou dois dias antes do ciclo menstrual e, normalmente costuma durar poucos dias, embora em algumas mulheres possa se alongar por mais tempo.

Já a dismenorreia secundária causa dores mais intensas. Suas causas podem ser explicadas por alterações como a endometriose, os miomas uterinos, os cistos de ovário e infecções, entre outros.

Esse tipo de dismenorreia comumente começa mais tarde na vida e tem caráter hereditário.

Entenda seu ciclo menstrual e aprenda a calcular seu período fértil

O ciclo menstrual é caracterizado por alterações hormonais que preparam o corpo para uma possível gravidez. Durante o mês, o organismo feminino passa por diversas mudanças, resultando na menstruação ao fim desse período.

Médicos costumam usar o exemplo do ciclo menstrual com 28 dias, mesmo que ele dure normalmente entre 25 e 30 dias. Além disso, ele é dividido em duas fases principais nomeadas de fase folicular e fase lútea.

Fase folicular:

Ela normalmente dura entre 12 e 16 dias e acontece no início do período. Esse nome se dá por ser a época em que os folículos ovarianos preparam o corpo para uma possível gravidez.

Durante a fase folicular, o aumento na produção do hormônio folículo estimulante (FSH), faz com que os folículos que contêm os óvulos se desenvolvam. Estrógenos são produzidos, até que deixam de produzir FSH, dando início a fase lútea.

Fase lútea:

Quando os hormônios da mulher reduzem gradativamente no organismo, o folículo passa a produzir progesterona. Porém, se ele não for fecundado durante o período, a quantidade cai junto com os estrógenos. Esse processo geralmente dura 14 dias e, quando a gravidez não ocorre, as paredes do útero descamam, fazendo com que a mulher entre no momento da menstruação.

Mulheres que não tomam pílulas podem ter uma variável em seu ciclo menstrual.

Segundo o ginecologista Pedro Monteleone, diretor clínico do Centro de Reprodução Humana Monteleone e Coordenador Técnico do Centro de Reprodução Humana Mário Covas (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina FMUSP), o período que ocorre entre 25 a 30 dias é considerado regular. Além disso, nem todos os meses as mulheres podem ter a mesma quantidade de dias, podendo ter 28 dias em um mês e 30 no outro.

Quando consideramos o ciclo irregular?

O ciclo menstrual regular dura entre 25 e 30 dias. Quando o tempo é menor ou maior que isso, é considerado irregular. De acordo com Monteleone, esse é um processo ruim. “A fase lútea tem uma duração fixa, isso quer dizer que a pessoa com ciclo irregular tem uma ovulação muito precoce ou muito tardia. Quando ocorre, o corpo não está preparado.”

Quais as causas do ciclo menstrual irregular?

Os dois primeiros anos após a menarca (primeira menstruação) pode acabar deixando o ciclo menstrual irregular na puberdade, o que é muito comum. Outro motivo que leva à irregularidade é a pré-menopausa, que é quando ocorre a redução dos folículos ovarianos.

Outras questões de saúde estão ligadas ao ciclo menstrual irregular, como menopausa precoce, distúrbios de tireoide, estresse em excesso, pólipo endometrial e obesidade mórbida.

Calcule o seu período fértil

Para saber como calcular período fértil, é preciso saber qual a duração do ciclo menstrual. Geralmente, o primeiro dia é contado a partir da menstruação. Com essa informação, você consegue saber qual o intervalo de tempo entre o início de cada menstruação, definindo seu ciclo.

Aprenda a calcular seu período fértil:

Passo 1: Para aprender como calcular seu período fértil, comece descobrindo quanto tempo dura seu ciclo menstrual. Se os números sofrem uma variável a cada mês, é preciso monitorar por pelo menos três meses, assim você consegue ter uma média.

Passo 2: Tendo o resultado do ciclo, é preciso subtrair 14 deste número. Isso fará você descobrir o dia da sua ovulação.

Passo 3: O período fértil da mulher é o intervalo de seis dias, que acaba no dia da ovulação. No passo anterior, foi preciso definir uma data, a partir dela, conte cinco dias para trás, assim você obtém o resultado fértil.

Para simplificar, pegue o exemplo de uma mulher com o ciclo de 30 dias. Sua ovulação deve ocorrer no 16º dia e, consequentemente, tendo seu período fértil ocorrendo entre o 11º e o 16º dia do ciclo menstrual.

Já uma mulher com o ciclo menstrual de 28 dias, tende a ter sua ovulação ocorrendo no 14ª dia. Tendo isso em vista, os dias entre o 9º e 14º são os mais férteis. Em mulheres com o ciclo de 26 dias, a ovulação acontece no 12º dia, então a fertilidade estará ativa entre os 7º e 12º dias.

Período fértil com irregularidades no ciclo

Como dito anteriormente, o ciclo menstrual regular dura entre 25 e 30 dias, ainda sendo considerado normal caso a duração seja diferente nesse intervalo de tempo. O ciclo irregular pode te afetar na hora de saber como calcular o período fértil.

O cálculo, nesse caso, deve alcançar a média da duração desses ciclos. Se uma mulher oscila entre os ciclos de 27, 28 e 29 dias, por exemplo, pode-se chegar à conclusão que a média é de 28 dias de duração.

Para períodos em que a mulher deve lidar com ciclos muito longos ou curtos, deve-se procurar um especialista.

Menstruação e Ciclo Menstrual

A menstruação ou cataménio, por vezes, também chamado período, é resultado da descamação do interior do útero, sendo composto de sangue e células endometriais.

Com a diminuição das hormonas (sobretudo progesterona), no final do ciclo menstrual anterior, diminui a estimulação desta camada uterina (endométrio), que se desintegra parcialmente, saindo pelo colo do útero e vagina, dando origem ao “período” ou fluxo menstrual. 

Leia também:  Os Planetas Alinharam-se Como Que Numa Vénia Cósmica?

O período menstrual ou ciclo menstrual é o intervalo de tempo desde o início de uma menstruação até à menstruação seguinte.

A este intervalo também se dá o nome de interlúnio. Trata-se do conjunto de mudanças cíclicas que permitem a gravidez.

Envolve o equilíbrio de vários órgãos e um conjunto de hormonas cuja sincronia é fundamental para que o ciclo se desenvolva normalmente.

Fases do ciclo menstrual

Por convenção, o ciclo menstrual começa com a menstruação ou cataménio, que se pode entender como um reinício de todo o sistema, na ausência de gravidez no ciclo anterior.

Depois um novo folículo é desenvolvido enquanto se “reconstrói” o endométrio.

Chegando a altura da ovulação, iniciam-se alterações da estrutura endometrial, que voltam a desaparecer na ausência de gravidez, reiniciando o ciclo.

Habitualmente distinguimos duas fases do ciclo, separadas pela ovulação.

A primeira fase, proliferativa, ou fase folicular, relaciona-se com o crescimento de um novo folículo e espessamento gradual do endométrio.

No final desta fase dá-se a ovulação e depois, o conjunto de hormonas em circulação torna o endométrio recetivo a um possível embrião. Esta segunda fase, lútea ou secretora, termina quando a mulher menstruar, iniciando-se o novo ciclo.

Quantos dias tem um ciclo menstrual?

Os ciclos de mulheres adultas saudáveis têm entre 21 e 35 dias, sendo 28 dias a média. Mulheres dos 25-35 anos aproximam-se mais do intervalo 28-35 dias. Em adolescentes pode ter entre 21 e 45 dias.

Os ciclos regulares têm uma variação inferior a 7-9 dias de ciclo para ciclo. Ou seja, a diferença entre os ciclos mais curtos e mais compridos é menor que cerca de 7 dias.

Várias teorias foram sendo apontadas para a duração média do ciclo, mas não existe evidência clara que esta esteja relacionada, nomeadamente, com o ciclo lunar, que tem 29,5 dias. As marés foram relacionadas, por serem resultado da proximidade lunar. A luz proporcionada pela lua também foi apontada como influenciadora.

Ainda relacionado com a lua, uma explicação evolucionária, de eco genético dos nossos antepassados caçadores coletores: estes usariam o ciclo lunar para medir o tempo e caçariam mais durante a lua cheia e menos durante a lua nova, pelo que existiria vantagem evolutiva para as mulheres que ovulassem numa altura específica de menor atividade, por exemplo a lua nova.

Isso levaria a uma seleção dos humanos com esse tipo de ciclos, mais próximos do “calendário” usado.

Apesar de evidência pontual e argumentos terem aparecido ao longo dos anos para as teorias referidas, nenhuma delas foi confirmada em estudos maiores, pelo que não são, geralmente, aceites.

A lua não tem, hoje, nenhum efeito provado na fisiologia humana.

Dizemos hoje porque numa altura sem iluminação elétrica teria certamente um efeito na atividade (ou ausência desta) dos humanos à noite, o que por sua vez poderia ter efeitos na fisiologia.

A variação da duração do ciclo relaciona-se sobretudo com a variação da fase folicular. A fase lútea é relativamente constante.

Quantos dias dura a menstruação?

Numa mulher saudável, com ciclos espontâneos (sem medicação ou pílula), o cataménio (período) tem habitualmente uma duração menor que 8 dias. Dentro deste intervalo, existe grande variação entre mulheres, mas menos variação de ciclo para ciclo, numa mulher com ciclo regulares.

Sinais e sintomas no ciclo menstrual 

Um ciclo menstrual normal dá origem a variações identificáveis objetivamente e percetíveis pela mulher. Começando pela menstruação, que é um sinal objetivo do início do ciclo novo.

Esta é muitas vezes acompanhada por dores menstruais, que por vezes começam ainda antes da menstruação. Não raras vezes, pode ser necessária medicação para aliviar a dor.

Dismenorreia é o termo clínico para menstruação dolorosa, que pode ser debilitante em alguns casos.

As mudanças identificáveis continuam com as alterações do corrimento, que se torna progressivamente mais claro e transparente. Chegando a altura da ovulação, estas características são máximas e o corrimento poderá ser “esticado” entre dois dedos. Também podem ser sentidas dores durante a ovulação.

A ovulação determina mudanças hormonais que, por sua vez, levam a novos sintomas. Tensão mamária, corrimento mais espesso, entre outras alterações variáveis entre mulheres podem ser sentidas, de forma cíclica, nesta fase (fase lútea).

O sangramento antes da menstruação, especialmente se recorrente, merece uma avaliação. É, no entanto, uma queixa habitual e raramente associada a patologia, se aparecer apenas numa ocasião ou raramente.

Síndrome pré-menstrual

A síndrome pré-menstrual é um conjunto de alterações físicas, psíquicas e de humor que normalmente aparecem dias antes do cataménio (menstruação). Devem ser distinguidas de outras patologias, nomeadamente do foro psiquiátrico.

Habitualmente envolvem mudanças de humor e irritabilidade.Esta síndrome varia desde pequenas alterações, que são desvalorizadas pelas próprias mulheres, durante dois ou 3 dias, até sintomatologia severa e limitante que pode durar até duas semanas.

O tratamento, depois de bem caracterizada a situação e feito o diagnóstico, poderá passar pelo uso de fármacos, sendo a pílula um dos mais comuns. Exercício físico, diminuição da cafeína e álcool podem ajudar nos casos leves a moderados e são recomendáveis a todas as mulheres.

Qual o período fértil para engravidar?

A gravidez pode ocorrer sempre que existe fecundação do ovócito (que é gerado em cada ciclo menstrual) por um espermatozoide. Este ovócito poderá ser fecundado em cerca de 12 horas após a ovulação.

O período fértil é de cerca de 6 dias, incluindo o dia da ovulação e os 5 dias anteriores.

A probabilidade aumenta, se existiu uma relação sexual nos cerca de dois dias precedentes à ovulação, e no dia da ovulação.

Com ciclos regulares, será possível calcular a ovulação como cerca de 14 dias antes da próxima menstruação esperada.

De uma forma geral, relações cada dois a três dias poucos dias após cessação do fluxo menstrual aumentam a probabilidade de gravidez, mesmo sem uma precisa identificação da ovulação.

Menstruação irregular

Já vimos, acima, em que consiste um ciclo regular. O ciclo menstrual pode ser irregular por diversos motivos. Interessa, por isso, caracterizar as queixas e um calendário menstrual, em que são registadas as perdas menstruais. A menstruação irregular, dita como tal, tem de ser objetivada.

É frequente, depois de uma análise, explicar que as supostas irregularidades do ciclo se devem a desconhecimento da fisiologia normal. Algumas mulheres queixam-se de “menstruação desregulada” ou período irregular porque atrasam sempre (no dia do mês) quando isso pode significar que têm ciclos regulares e normais de, por exemplo, 34 dias.

Assim, uma menstruação vem sempre mais tarde no dia do mês do que a anterior.

Entre as causas mais frequentes de irregularidades menstruais podemos referir a imaturidade hormonal, (comum na adolescência), alterações estruturais do útero, como miomas ou pólipos, alterações dos ovários, como quistos ou alterações da ovulação.

Saiba, aqui, tudo sobre irregularidades do ciclo menstrual.

Alterações no cataménio (período ou menstruação)

O fluxo menstrual normal dura até 8 dias, com perda de sangue entre 5-80ml, e aparece com regularidade (ver Quantos dias tem um ciclo menstrual?). A cor varia desde que começa até acabar, e entre mulheres. A menstruação prolongada tem mais de 8 dias e deve ser estudada, se habitual.

Algumas mulheres têm um corrimento antes da menstruação diferente, que pode ter características como cor acastanhada.

A menstruação, para além do vermelho em várias tonalidades, pode ser castanha (marrom), por vezes mais escura, raras vezes quase preta, com aspeto “borra de café”.

Estas cores escuras aparecem mais vezes quando o fluxo é em menor quantidade, sendo resultado da decomposição do ferro presente no sangue.

Uma menstruação “adiantada” ou atrasada depende, como vimos, de uma correta interpretação do ciclo menstrual da mulher, e uma análise dos vários ciclos (meses) precedentes.

Tendo em conta que o fluxo menstrual total pode ser de apenas de 5ml, esta pode ser erradamente interpretada como pouca. Nestes casos, é também, como vimos, mais castanha ou escura. Da mesma forma, a menstruação abundante é difícil de objetivar.

Uma menstruação que vaze pensos grandes em pouco tempo (menos de 3 horas), que use mais de cerca de 20 pensos, que vaze habitualmente durante a noite, com coágulos grandes, que cause anemia, ou que de outra forma interfira física, psíquica ou socialmente na qualidade de vida da mulher merece avaliação.

As alterações do fluxo menstrual são interpretadas no contexto do ciclo menstrual da mulher. Daí que a sua normalidade dependerá de uma série de fatores, como a duração, timing previsto da ovulação (e se esta ocorre), idade, etc.

Nunca esquecer que a pílula e outras medicações hormonais alteraram todas estas características, na medida em que, na maioria das vezes, o ciclo menstrual é interrompido e a “menstruação” (mais corretamente chamada de hemorragia de privação), se existente, terá características em relação com o(s) fármaco(s) usado(s).

Menstruação atrasada

Uma menstruação atrasada é causa de grande ansiedade na mulher, quer deseje ou não uma gravidez. Já vimos que a variabilidade normal do ciclo pode ir até 7 dias entre os ciclos mais curtos ou longos. Se a menstruação não for regular, esta diferença pode ser muito superior.

Um atraso menstrual significativo (mais de uma semana num ciclo regular) pode ser um sinal de gravidez, mas nem sempre. Um simples teste de gravidez da farmácia poderá confirmar ou excluir gravidez com enorme certeza em poucos minutos. Atualmente, qualquer teste de urina é extremamente fiável, quando existe um atraso menstrual.

A minha menstruação será normal?

Já vimos que existe grande variabilidade naquilo que se pode considerar normal. Na dúvida, deve consultar o seu médico para esclarecer as suas dúvidas em relação a este aspeto da sua fisiologia.

Alguns sinais que deverão suscitar esclarecimento e/ou acompanhamento, serão:

  • Ausência de menstruação aos 14 anos sem desenvolvimento das características sexuais secundárias (por exemplo, crescimento mamário);
  • Ausência de menstruação aos 16 anos, independentemente do restante desenvolvimento;
  • Ausência de menstruação regular e espontânea;
  • Dores muito fortes durante a menstruação (dismenorreia), especialmente se aparecerem sem nunca as ter tido (ou com essa intensidade) e/ou não cederem facilmente a medicação;
  • Menstruações muito abundantes ou muito prolongadas (mais de uma semana);
  • Perdas sistemáticas ou abundantes de sangue fora do cataménio (período) sem uso de medicação que o justifique.

Primeira menstruação

A primeira menstruação (menarca) acontece em média entre os 12-13 anos, e normalmente até aos 15 anos. Amenorreia primária é o nome para a ausência de menstruação numa jovem que ainda não menstruou aos 16 anos, ou dois anos após o desenvolvimento das suas características sexuais secundárias, como o desenvolvimento mamário.

Puberdade, ou aparecimento de sinais sexuais secundários (desenvolvimento das mamas e pelo púbico) antes dos 8 anos numa menina poderá não ser normal. Ausência da puberdade aos 14 anos merece também estudo.

Qual a idade normal da menopausa?

A menopausa é definida por cessação permanente da menstruação, sem outra causa patológica ou fisiológica. Diagnostica-se 12 meses após a última menstruação. A idade média da menopausa é de cerca de 51 anos, sendo habitual entre os 43 e os 57 anos.

Antes dos 40 anos merece avaliação e estudo, pois nesta faixa define-se como insuficiência ovárica primária (antes chamada falência ovárica prematura).

O diagnóstico da menopausa é clínico, pelo que as análises e exames servirão apenas para avaliar dúvidas clínicas em relação à causa da amenorreia (ausência de menstruação), ou estudo de uma menopausa precoce.

A menopausa ou, mais precisamente, a peri-menopausa ou climatério pode causar várias irregularidades menstruais. Este período de transição pode durar até 5 anos ou mais, sendo altamente variável. As alterações incluem irregularidades da duração do ciclo, intervalos crescentes de amenorreia (ausência de menstruação) e cessação da ovulação.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*