Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto?

O parto é o momento do nascimento da criança, ou seja, o fim de uma gravidez. O parto pode ser normal ou cesariana, ocorrendo intervenção cirúrgica nesse último caso.

Parto é o nome dado ao momento em que o bebê deixa o útero da mulher, finalizando o período de gestação. Trata-se, portanto, do nascimento da criança. O parto pode ocorrer de diferentes formas, sendo classificado basicamente em parto normal e cesárea. A seguir, falaremos mais sobre trabalho de parto, os tipos de parto existentes, bem como o que é falso trabalho de parto.

Trabalho de parto

O trabalho de parto compreende os vários processos que ocorrem no corpo da mulher levando à dilatação do colo do útero e à expulsão do bebê para o meio externo. Inicia-se com contrações uterinas que, com o tempo, tornam-se mais frequentes e dolorosas. Essas contrações, responsáveis pela expulsão do bebê e da placenta, ocorrem, principalmente, em virtude da ação do hormônio ocitocina.

Costuma-se dividir o trabalho de parto em quatro períodos distintos:

  • Primeiro período: Caracteriza-se pelo encurtamento (apagamento) e pela dilatação do colo do útero. Esse período pode ser dividido em duas partes:
    • Fase latente: É a fase inicial, lenta. Termina quando a mulher apresenta dilatação de 3 cm do colo.
    • Fase ativa: Inicia quando a mulher apresenta um colo com 4 cm de dilatação e termina com a dilatação completa. Nesse período, ocorre um aumento na frequência das contrações, sendo possível observar de 2 a 3 contrações a cada 10 minutos.
  • Segundo período: É a fase de expulsão do bebê, por isso, é conhecido como expulsivo. Inicia-se com a completa dilatação do colo. Durante esse período, a gestante começa a apresentar movimentos involuntários expulsivos.

Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto? No período expulsivo, observa-se a saída do bebê.

  • Terceiro período: Inicia-se depois da saída do bebê e finaliza-se com a expulsão da placenta e das membranas para o meio externo. Nesse período, observam-se o descolamento da placenta, sua descida e expulsão.
  • Quarto período: É considerado o período de estabilização do quadro da mulher. Durante, aproximadamente, uma a duas horas, a mulher ficará em observação para verificar se não estão ocorrendo hemorragias, por exemplo.

Vale salientar que alguns autores costumam dividir o trabalho de parto em apenas três fases, sendo a primeira responsável pelo afinamento e abertura do colo uterino, a segunda responsável pela expulsão do bebê e a última sendo aquela em que há liberação da placenta.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

Verdadeiro e Falso Trabalho de Parto

No final da gestação, a mulher pode apresentar contrações, que podem fazer com que ela pense que está em trabalho de parto: é o falso trabalho de parto ou contrações de Braxton Hicks . O falso trabalho de parto, no entanto, apresenta algumas diferenças quando comparado ao trabalho de parto verdadeiro. Veja a seguir algumas diferenças entre eles:

  • O trabalho de parto verdadeiro provoca contrações regulares, enquanto o falso apresenta contrações irregulares.
  • No trabalho de parto verdadeiro, com o tempo, observa-se a redução do intervalo das contrações. No falso trabalho de parto, não há alterações.
  • A duração das contrações tende a aumentar no trabalho de parto verdadeiro. No trabalho de parto falso, permanece inalterada.
  • A intensidade das contrações aumenta no trabalho de parto verdadeiro e não se altera no falso.

Tipos de parto

Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto? O parto pode ser classificado em normal e cesárea.

Existem diferentes tipos de parto. Basicamente, podemos dividi-lo em dois: parto normal e cesariana. De uma maneira geral, podemos dizer que o parto normal é aquele em que o nascimento ocorre pela via vaginal de maneira espontânea. Já na cesariana, observa-se uma intervenção cirúrgica.

Leia também: Gravidez ectópica

Parto Normal

O parto normal é aquele em que se observa o nascimento da criança de maneira espontânea, entre 37 e 42 semana, pela via vaginal.

De acordo com o Ministério da Saúde, esse é o parto mais seguro e o mais aconselhado caso não ocorra nenhum problema com a mãe ou com a criança que inviabilize esse tipo nascimento.

A segurança desse parto está no fato de que os riscos de infecção, hemorragia e nascimento prematuro do bebê são menores.

Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto? No parto normal, o bebê sai espontaneamente pela vagina.

O parto normal pode ocorrer de diferentes formas. Entre os diferentes tipos de parto, podemos citar:

  • Parto na água: A mulher dá à luz dentro de uma banheira com água aquecida. A água morna ajuda a aliviar as dores provocadas pelo trabalho de parto, proporcionando à mulher um maior conforto.

Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto? O parto na água ajuda a melhorar as dores causadas pelas contrações.

  • Parto de cócoras: A mãe fica na posição de cócoras, de modo a facilitar a saída do bebê. A posição também ajuda a aliviar as dores do parto.

Parto Cesárea

O parto cesárea é aquele que envolve procedimentos cirúrgicos para o nascimento do bebê. É recomendado em situações em que há risco para a mãe e/ou para a criança.

De acordo com o Ministério da Saúde, em 2009, cerca de 34% dos partos realizados na rede pública foram cesáreas.

Entretanto, apesar de muitos considerarem o valor relativamente pequeno, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que o procedimento não ultrapasse 15%.

Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto? Na cesariana, é necessário realizar a incisão da parede abdominal.

Como dito anteriormente, a cesariana não é um procedimento recomendado em todos os casos, uma vez que apresenta maior risco de complicações, como infecções e hemorragias, e apresenta um maior tempo de recuperação. De acordo com a campanha “Quem Espera, Espera”, da Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância ), deve-se optar pela cesariana quando:

  • A mãe tem uma forma de hipertensão grave que descompensa;
  • A gestante é soropositiva para o vírus da Aids;
  • O cordão umbilical sai antes do bebê;
  • A placenta descola antes do nascimento do bebê;
  • A cabeça do bebê é desproporcional à passagem da mãe;
  • O bebê está atravessado ou sentado;
  • A localização da placenta impede a saída do bebê.

Parto Humanizado

De uma maneira simplificada, o parto humanizado pode ser definido como aquele em que a mulher tem sua vontade e seus sentimentos respeitados, garantindo um maior conforto e segurança para ela e para o bebê.

No parto humanizado, dizemos que a mulher possui autonomia, podendo escolher sua posição na hora do parto, escolhendo quem estará presente no momento e, até mesmo, como o ambiente será organizado para a chegada do bebê. Para essa autonomia, no entanto, é fundamental que a mulher receba informação comprovadas e de qualidade sobre cada tipo de parto.

Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto? No parto humanizado, espera-se que a mãe e a criança encontrem um ambiente acolhedor.

No parto humanizado, é comum a figura da doula, que acompanha a mulher durante a gestação e o parto. Essas profissionais não realizam procedimentos médicos, mas estão presentes ajudando a mulher a encontrar conforto e tranquilidade durante esse momento mágico.

Vale destacar que algumas pessoas não consideram a cesariana como um tipo de parto humanizado. Entretanto, outros grupos enfatizam que, em alguns casos, esse procedimento é necessário e, se feito apenas em situações adequadas e respeitando a segurança e a vontade da mulher, pode ser considerado humanizado.

Leia também: Importância da amamentação

Parto em casa

Atualmente, tem sido observado um aumento do número de mulheres que escolhem o parto em casa, também chamado de parto domiciliar.

Entretanto, é importante frisar que esse tipo de parto só deve ser realizado em casos de gestação de baixo risco, ou seja, sem complicações.

Além disso, é importante que esses partos sejam realizados por profissionais habilitados e que a gestante tenha como ser levada a um hospital caso ocorram complicações.

O parto é o momento no qual ocorre o nascimento do bebê.

Por Vanessa Sardinha dos Santos

Está na hora? 4 sinais do trabalho de parto

As contrações ritmadas são o sinal mais importante de que o trabalho realmente começou, enquanto o rompimento da bolsa, a perda do rolhão mucoso e a dilatação do colo do útero são sinais de que a gravidez está chegando ao fim, indicando que o trabalho de parto pode começar dentro de algumas horas.

No caso do primeiro filho, o tempo de trabalho de parto pode variar entre 12 a 24 horas, mas este tempo tem tendência a diminuir a cada gravidez.

O parto prematuro pode surgir à partir das 20 semanas de gestação, mas o ideal é que comece após as 37 semanas. O mais comum é que os sintomas surjam pouco a pouco, com cólicas que vão se tornando mais intensas e dolorosas. Conheça algumas causas de cólica na gravidez.

Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto?

Os 4 principais sinais que indicam que o trabalho de parto está começando são:

1. Contrações ritmadas 

Contrações são relativamente frequentes ao longo da gravidez, especialmente no último trimestre, já que o corpo começa a preparar os músculos para o momento do parto.

No entanto, nas horas antes do parto, essas contrações começam a ser mais frequentes, mais fortes e a surgir com menor espaçamento entre elas, tornando-se mais ritmadas. Geralmente é indicado ir para o hospital quando as contrações duram por cerca de 60 segundos e aparecem a cada 5 minutos.

Leia também:  Como Fazer Que Acabem Todos Os Erros Da Play Store Para Instalar Jogos Sem Problemas?

2. Perda do rolhão mucoso

Normalmente, quando o trabalho de parto inicia existe perda deste rolhão mucoso, que pode ser identificado quando a grávida vai no banheiro e, ao limpar-se, observa a presença de uma secreção gelatinosa rosada ou ligeiramente marrom. Junto com o rolhão, poderá ainda haver um ligeiro sangramento. Caso a perda de sangue seja mais intensa é importante ir rapidamente ao hospital ou entrar em contato com o obstetra.

O rolhão mucoso é uma secreção que fecha a entrada do útero para proteger o bebê durante a gestação, impedindo a entrada de micro-organismos e prevenindo infecções.

Veja mais sobre como identificar o rolhão mucoso.

3. Rompimento da bolsa das águas

O rompimento da bolsa das águas também tende a acontecer no início do trabalho de parto e, normalmente, provoca a saída de um líquido semelhante a urina, porém mais claro e turvo, que pode conter alguns traços esbranquiçados.

Ao contrário da vontade para urinar, no caso do rompimento da bolsa das água, a mulher não consegue interromper a perda do líquido.

4. Dilatação do colo do útero 

Outro indicador de que o bebê está pero de nascer é a dilatação do colo do útero, que aumenta à medida que o trabalho de parto se desenvolve, mas que só pode ser observado no hospital pelo obstetra ou pela parteira através do exame de “toque”.

É preciso uma dilatação de 10 centímetros do colo uterino para permitir a passagem do bebê, e esse é o período mais demorado do trabalho de parto. 

Estou em trabalho de parto! E agora?

Ao identificar que se está em trabalho de parto é importante levar em consideração o tipo de parto que se deseja:

1. Cesárea

Quando a grávida deseja fazer uma cesárea deve informar o obstetra dos sintomas que está sentindo enquanto se desloca para o hospital.

Na maior parte dos casos de cesárea, a cirurgia já está agendada para alguns dias antes da data provável do parto e, por isso, a mulher pode não apresentar qualquer sinal de trabalho de parto.

2. Parto normal

​​Quando a grávida deseja um parto normal e descobre que entrou em trabalho de parto, deverá ficar calma e ver no relógio de quanto em quanto tempo aparecem as contrações. Isto porque o trabalho de parto é demorado e não existe necessidade de ir imediatamente para o hospital logo após os primeiros sinais, especialmente se as contrações não forem ritmadas e mais frequentes.

No início do trabalho de parto a grávida pode continuar fazendo suas atividades diárias, especialmente quando é o nascimento do primeiro filho, porque neste caso o trabalho de parto leva em média 24 horas. Veja o que comer no trabalho de parto enquanto espera o momento ideal para ir à maternidade.

Quando ir para o hospital

Deve-se ir para o hospital quando as contrações ficam muito fortes e vêm a cada 5 minutos, no entanto é importante ter em conta o trânsito e a distância para o hospital, podendo ser necessário se preparar para sair enquanto as contrações estiverem a cada 10 minutos.

Durante o trabalho de parto a dor deverá ir aumentando aos poucos, mas quanto mais calma e relaxada a mulher estiver, melhor será o processo de parto.

Não há necessidade de ir para o hospital logo após a primeira contração porque o trabalho de parto ocorre em 3 fases, que incluem a dilatação, que é a fase mais demorada, fase ativa, que é o nascimento do bebê e a fase da saída da placenta. Saiba mais detalhes sobre as 3 fases do trabalho de parto.

Como identificar o início do trabalho de parto

Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto?Mesmo que alguns sinais só sejam percebidos mais no fim da gestação, é importante conhecê-los para evitar um nascimento prematuro.| Foto: Bigstock

O trabalho de parto é a preparação do organismo para o principal momento da gestação. O nascimento do bebê gera expectativa e vem acompanhado de muitas dúvidas. Reconhecer exatamente quando a mulher está pronta para o parto é importante para evitar ansiedade e uma ida desnecessária ao hospital, por exemplo.

Siga o Sempre Família no Instagram!

As primeiras contrações, normalmente não dolorosas, são as de treinamento, que podem ocorrer, inclusive, ao longo da gestação. Não há regularidade e só causam um ligeiro desconforto.

O ginecologista e obstetra Carlos Maestri explica que as contrações mesmo tem características específicas. “São duas ou três a cada 10 minutos, mas só isso não basta para caracterizar o trabalho de parto”, esclarece.

É preciso que a mulher tenha dilatação de, pelo menos, três centímetros, que evolui para 10 até o momento do nascimento.

À medida que as horas passam, variando muito em cada caso, as dores começam a aumentar e a frequência das contrações, também. Quando estão ritmadas e o intervalo entre elas diminui (para cinco minutos, por exemplo), aí sim pode-se dizer que o trabalho de parto já iniciou.

A perda do tampão mucoso, responsável pela vedação entre o útero e o meio externo, é um sinal importante, mas pode ocorrer dias antes do parto. “É uma rolha de muco que é liberada no fim da gestação”, afirma o médico.

Em alguns casos passam 15 dias entre a saída do tampão e a chegada da criança.

O rompimento da bolsa é o principal sintoma de que o bebê está a caminho, mas nem sempre ocorre naturalmente. Existem casos em que é o médico que provoca a ruptura. O esperado é que aconteça após as contrações, que se intensificam com a saída do líquido.

Na hora certa

Esses sinais todos, normalmente são percebidos bem no final da gravidez, quando o bebê já está pronto para nascer, depois da 37ª ou 38ª semana.

O médico alerta, porém, como é importante se atentar a tudo isso ao longo da gestação justamente para evitar um nascimento prematuro.

“Entender esses sintomas é essencial para que a gente consiga inibir o trabalho de parto antes da hora”, justifica.

Para se preparar para o nascimento, o corpo da mulher passa por mudanças. O útero dilata e os ossos da bacia se abrem, para permitir a passagem do bebê. Por isso quanto mais avançada a gestação, maior a dificuldade da mulher em caminhar.

A contrações servem para estimular as fibras musculares do útero. Quando processo todo ocorre de forma um pouco mais lenta o parto é facilitado.

“Se for algo súbito é mais difícil ir da dilatação zero para a total”, diz o obstetra, que destaca: “Algumas mulheres levam de quatro a seis horas e outras levam de 18 a 24, então não há uma regra”.

Proximidade com médico

Mesmo que todos os sinais se apresentem, não há motivo para correria ou desespero. O ideal é já avisar o médico que acompanha a gestante logo no início, quando as primeiras contrações ocorrerem e só ir para a maternidade quando já houver mais certeza de que o bebê está mais próximo de nascer.

Algumas situações, porém, exigem preocupação, principalmente a partir da 27ª semana. Sangramento da gestante pode indicar descolamento de placenta. Dor de cabeça ou de estômago muito intensa pode ser sinal de pressão alta, ou pré-eclâmpsia. Se o bebê não mexer por mais de quatro horas, pode estar passando por alguma dificuldade. Em todas essas ocasiões a gestante deve ir ao hospital.

Como saber que estou em trabalho de parto: 5 sinais para você ficar em alerta – Pais&Filhos

Como Saber Que Esta Em Trabalho De Parto?Você consegue, sim, fazer o trabalho que vem pela frente e trazer seu bebê ao mundo (Foto: Getty Images)

O trabalho de parto não leva esse nome à toa. Ter um bebê é um trabalho difícil e parte dele consiste em superar a dor e entender os sinais que seu corpo dá. À medida que o grande dia se aproxima, você pode ter medo e acabar se perguntando se vai saber o momento que entrar em trabalho de parto. Mas não se preocupe: saiba que você consegue, sim, fazer o trabalho que vem pela frente e trazer seu bebê ao mundo.

  • O ginecologista e obstetra Igor Padovesi, pai de Beatriz e Guilherme e supercolunista do nosso canal no YouTube, respondeu às principais dúvidas para te ajudar a identificar os sinais do trabalho de parto e qual o momento certo de ir à maternidade e se preparar para o nascimento do seu filho.
  • O que é o trabalho de parto?
  • É o processo de amolecimento, afinamento e dilatação do colo do útero.

Como acontece?Segundo o Dr. Igor, acontece de formas diferentes ao longo do processo de dilatação. “Nas últimas semanas de gravidez, o colo vai amolecendo (perdendo consistência) e afinando para depois dilatar (abrir espaço para a cabeça do bebê passar)”.

A situação do colo do útero é uma maneira do obstetra ver se você está perto ou longe de entrar em trabalho de parto. “Isso é avaliado depois de 37 semanas de gravidez e tem que ser por toque para avaliar a consistência”, explica o especialista.

Leia também:  Como Descobrir A Quem Pertence Numero De Telefone?

Existem três fases do trabalho de parto:

  • latente: é muito lenta, pode durar muitas horas para surgir os primeiros centímetros de dilatação, as contrações são mais ritmadas, com uma certa frequência e pouco dolorosas.
  • ativa: dilatação mais rápida, o esperado é 1 centímetro por hora, essa fase se inicia entre 3 a 5 centímetros de dilatação.
  • período expulsivo: é definido pela dilatação total, com 10 centímetros, o colo do útero dilatado e o nascimento.

Antes dessas três fases definidas do trabalho de parto, acontece o pródromo ou pré-parto, erroneamente chamados de “falso trabalho de parto”.

Ele é caracterizado por um “vai, não vai”, ou seja, quando as contrações parecem mais ritmadas, mas param. “É por isso que as pessoas dizem que a vizinha ficou cinco dias em trabalho de parto.

Ele não demora tanto assim, às vezes a pessoa apenas começou a contar quando não era o momento”, explica Dr. Igor.

Como reconhecer o trabalho de parto?

A fase inicial da dilatação, principalmente na primeira gravidez, é lenta e pode durar de 8 a 20 horas. “São contrações toleráveis, pouco dolorosas. Se é uma gestação tranquila, sem nenhuma doença e que a mulher sente o bebê se movimentar normalmente, esse é o momento dela ficar em casa e esperar a evolução espontânea”, recomenda o especialista.

Qual o momento de ir para o hospital?

Você só deve ir ao hospital na fase ativa do trabalho de parto, com contrações frequentes e intensas — o esperado são três contrações dentro de 10 minutos. “Nessa fase, elas são muito mais perceptíveis e ficam mais dolorosas, é difícil a mulher não reconhecer”, explica Dr. Igor.

Depois dessa fase, a dilatação deve evoluir 1 centímetro a cada hora. “Depois da internação, deve demorar de 5 a 6 horas até o nascimento, mas isso pode variar, porque cada organismo funciona de um modo diferente”.

Segundo o especialista, esse é o momento que você deve sentir mais dor — e finalmente chega o momento de fazer exercícios, ser acompanhada por uma doula ou enfermeira obstetra.

“Existem vários métodos não farmacológicos para contornar a dor, como massagem, respiração e banheira”, explica.

O período expulsivo, entre a dilatação total e o nascimento, pode demorar de 1 a 2 horas, às vezes chegando a 3 horas, em casos de mulheres sob analgesia de parto, por exemplo, que pode retardar um pouco a evolução desse quadro. “A internação precoce, bem no início do trabalho de parto e com pouca dilatação, é um dos principais fatores que levam às cesáreas desnecessárias”, alerta Dr. Igor.

Quando a bolsa rompe?

Pode romper em qualquer uma dessas fases, mas na maioria das vezes acontece na fase ativa do trabalho de parto. “Se acontece espontaneamente antes da fase latente, o trabalho de parto é desencadeado e as contrações aumentam”, explica o especialista.

Quer saber mais sobre o assunto? Assista ao vídeo do Dr. Igor Padovesi, da nossa série semanal Gravidez Sem Neura, que vai ao ar toda quarta-feira.

Igor Padovesi é ginecologista e obstetra formado e pós-graduado pela USP. Realiza partos e cirurgias nos principais hospitais de São Paulo, principalmente no Albert Einstein, e tem uma equipe especializada em partos normais. www.igorpadovesi.com.br / Instagram: @dr.igorpadovesi

Leia também:

Três sinais de que você está em trabalho de parto

Tire suas dúvidas! Pode alimentação durante o trabalho de parto?

21 verdades sobre o trabalho de parto que ninguém te fala com antecedência

Como saber que chegou a hora do parto?

O início do trabalho de parto é diferente para cada mulher.

Algumas sabem imediatamente quando está chegando a hora, outras podem confundir o estágio inicial do processo como sendo gases, azia, dor lombar ou indigestão.

Esta é uma das questões que mais preocupa a futura mamãe. Mas fique tranqüila porque há três sinais distintos que você deve conhecer para saber se já começou o trabalho de parto.

Contrações regulares

As contrações (percebidas por algumas mulheres como endurecimento da barriga) são sentidas no abdômen – na parte inferior – ou nas costas. Elas ocorrem porque o útero está se contraindo e relaxando ao mesmo tempo, ajudando a abrir o colo e empurrar o bebê para o canal de nascimento. Durante o estágio inicial do trabalho de parto, as contrações são sentidas como cólicas menstruais.

Quando o processo de nascimento começar verdadeiramente, as contrações se tornam regulares. Nos estágios iniciais, usualmente ocorrem em intervalos de 15 a 20 minutos e duram entre 30 e 45 segundos. Conforme o trabalho de parto avança, essas contrações ficam mais freqüentes e duram em torno de 60 segundos.

Na fase em que você sentir de duas a três contrações em 10 minutos e que duram por volta de 45 segundos ou mais, deve procurar o hospital e avisar seu médico.

As contrações se mantêm constantes, mesmo se você estiver deitada ou andando.

Se perceber contrações regulares e dolorosas antes da 37ª semana, procure imediatamente seu médico ou o hospital, pois poderá estar entrando em trabalho de parto prematuro.

Eliminação do tampão mucoso

Durante as últimas semanas de gravidez, o colo começa a ficar fino e dilatar em preparação para o parto, o que pode ocasionar a perda de um tampão mucoso. Quando isso ocorre, você notará a saída de uma substância mucosa pela vagina, com alguns filetes de sangue.

Este não é um sinal de trabalho de parto, e sim que está se aproximando. Na verdade, o trabalho de parto, às vezes, só começa vários dias depois desse sinal. Qualquer quantidade de sangue maior que os filetes acima descritos deve ser relatada a seu médico.

Perda de água pela vagina

A perda de água pela vagina indica a ruptura das membranas, ou “bolsa das águas”, que mantêm o líquido amniótico durante a gravidez.

Quando isso ocorre, você não sente dor, apenas a sensação de uma água morna escorrendo pelas pernas. Usualmente, a mulher sente a perda de meio litro de água, mas a quantidade vai depender de onde a bolsa rompeu. Em casos de rupturas altas, a perda de líquido pode ser pequena, apenas suficiente para umedecer a calcinha, sem escorrer.

Além disso, você poderá continuar perdendo líquido, conforme seu bebê continua a produzi-lo. Tenha em mente que isso é natural, uma parte saudável de seu trabalho de parto, e não machuca seu bebê. Sua bolsa de água pode se romper no começo ou só no final do trabalho de parto.

É importante que seu médico seja informado quando você suspeitar da perda de líquido (especialmente se a ruptura ocorrer antes do início do trabalho de parto).

Trabalho de parto falso

A maioria das gestantes sente contrações leves antes de realmente entrar em trabalho de parto. Tais contrações são chamadas de contrações de Braxton Hicks.

Pode ser difícil diferenciar essas contrações das verdadeiras, principalmente se acontecerem perto da data marcada. Se as contrações não estiverem dilatando o colo uterino, entretanto, isso é conhecido como trabalho de parto “falso”.

Enquanto as contrações verdadeiras se tornam mais demoradas, fortes e têm cada vez menos intervalo entre elas, as contrações falsas são normalmente:

Irregulares. As contrações de Braxton Hicks são esporádicas, não têm padrão previsível e geralmente param se você descansar ou trocar de posição.

Sentidas na barriga e na virilha. As contrações do trabalho de parto verdadeiro, por sua vez, normalmente “dão a volta” desde as costas até a barriga. Se as contrações de Braxton Hicks a fizerem se sentir desconfortável, tome um banho quente de imersão e bastante líquidos para controlá-las e aliviar o desconforto.

Quando ligar para o médico?

Alerte seu médico caso sinta um aumento na pressão pélvica, tiver sangramento vaginal ou secreção abundante, ou se notar uma diminuição acentuada no nível de atividade do bebê. O médico pode conversar sobre essas mudanças e decidir se há necessidade de realizar um exame.

E, claro, avise o médico quando as contrações regulares começarem. A sensação pode ser de que o útero está “dando um nó”.

As contrações podem não ser dolorosas no início, mas há um aumento gradual na intensidade, começando da parte superior do útero e irradiando-se pela barriga e parte inferior das costas.

O médico terá de saber que outros sintomas são sentidos, o intervalo das contrações, e se você consegue falar quando elas acontecem.

Uma vez que o trabalho de parto tenha realmente começado, quando você deve ir ao hospital? Cada situação é diferente da outra, mas, geralmente, é aconselhável que as gestantes devam ir para o hospital quando as contrações durarem 60 segundos ou mais, com cinco minutos de intervalo entre elas por pelo menos uma hora.

Parto pré-termo

Às vezes, as contrações fazem com que o colo uterino se dilate antes de 37 semanas de gestação. Isso é denominado parto pré-termo. Uma infecção vaginal ou uterina, ou vários outros problemas de saúde podem provocar o parto pré-termo. Por razões desconhecidas, algumas mulheres têm mais tendência a ter esse tipo de parto que outras.

Leia também:  Como Ver Que Tarifario Tenho Meo?

Os sintomas do parto pré-termo são semelhantes aos do parto a termo.

Se notar alguns do sinais pré-trabalho de parto listados acima ou sentir contrações fortes e regulares antes de 37 semanas, ligue imediatamente para o médico.

Após examiná-la para verificar se o colo uterino está dilatando, ele pode recomendar que você evite relações sexuais, esforço e estresse, e que descanse o máximo possível para evitar novas contrações.

Em caso de algum desses sintomas ou dúvidas, procure o Atendimento Adulto 24 horas do Hospital Vila da Serra, com entrada pela Rua da Paisagem. Para melhor atendê-la, possuímos um plantão obstétrico 24 horas para você.

Trabalho de parto – Problemas de saúde feminina – Manual MSD Versão Saúde para a Família

Com o aconselhamento do médico ou da parteira, a mulher costuma planejar o alívio da dor muito antes do início do trabalho de parto. Ela pode escolher entre as seguintes opções:

  • Parto natural, que utiliza técnicas de relaxamento e respiração para lidar com a dor
  • Analgésicos (administrados por via intravenosa)
  • Um tipo específico de anestesia (local ou regional) caso necessário

Depois que o trabalho de parto começa, esses planos podem ser alterados, dependendo de como o processo ocorrer, de como a mulher se sentir e do que o médico ou a parteira recomendar.

A necessidade de a mulher aliviar a dor durante o parto varia muito, dependendo, até certo ponto, do seu nível de ansiedade. Participar de aulas de preparação para o parto ajuda a mulher a se preparar para o trabalho de parto e o parto. Essa preparação e o apoio emocional das pessoas que estarão presentes no trabalho de parto ajudam a diminuir a ansiedade.

Analgésicos podem ser dados para aliviar a dor. Se uma mulher solicitar analgésicos durante o trabalho de parto, eles costumam ser administrados. No entanto, uma vez que alguns desses medicamentos podem desacelerar (deprimir) a respiração e outras funções do recém-nascido, a quantidade administrada é a mais baixa possível.

É mais comum que se administre um opioide, como fentanila ou morfina, por via intravenosa para aliviar a dor. Esses medicamentos podem atrasar a fase inicial do primeiro estágio do trabalho de parto, de modo que são administrados durante a fase ativa do primeiro estágio.

Além disso, porque eles têm maior efeito durante os 30 minutos após a administração, eles não costumam ser administrados até o parto ser iminente. Se forem administrados perto do parto, o recém-nascido pode estar excessivamente sedado, tornando o ajuste à vida fora do útero mais difícil.

Para contrapor os efeitos sedativos desses medicamentos em recém-nascidos, o médico pode administrar o antídoto de opioide naloxona no bebê, imediatamente após o parto.

A anestesia local dessensibiliza a vagina e os tecidos ao redor da sua abertura. Essa área pode ser dessensibilizada injetando um anestésico local através da parede da vagina na área em torno do nervo que dá sensibilidade à parte inferior da área genital (nervo pudendo).

Esse procedimento, denominado bloqueio do pudendo, é utilizado apenas no segundo estágio do trabalho de parto, quando a cabeça do bebê está prestes a emergir da vagina. Foi amplamente substituído por injeções peridurais. Um procedimento mais comum, mas menos eficaz, envolve injetar um anestésico local na abertura da vagina.

Com ambos os procedimentos, a mulher pode permanecer desperta e fazer força, e as funções do feto não são afetadas. Esses procedimentos são muito úteis para partos sem complicações.

A anestesia regional dessensibiliza uma área maior. Pode ser usada para mulheres que desejam um alívio da dor mais completo. Os seguintes procedimentos podem ser usados:

  • Injeção peridural lombar é quase sempre usada quando alívio da dor é necessário. Um anestésico é injetado na parte inferior das costas, no espaço entre a coluna vertebral e a camada externa do tecido que cobre a medula espinhal (espaço peridural). Como alternativa, um cateter é colocado no espaço peridural e um anestésico local (como bupivacaína) é administrado de maneira contínua e lenta. Um opioide (como fentanila ou sufentanila) também é comumente injetado. Uma injeção peridural para o trabalho de parto e o parto não impede que a mulher empurre e não faz com que a mulher fique mais propensa a precisar de um parto por cesariana. Uma injeção peridural também pode ser usada em partos por cesariana.
  • A injeção espinhal envolve injetar um anestésico no espaço entre as camadas intermediária e interna do tecido que cobre a medula espinhal (espaço subaracnoideo). Uma injeção espinhal costuma ser usada para partos por cesariana sem complicações.

Ocasionalmente, o uso de uma injeção peridural ou espinhal provoca uma queda na pressão sanguínea. Assim, se um desses procedimentos for utilizado, a pressão arterial da mãe deve ser medida frequentemente.

A anestesia geral causa inconsciência temporária da mulher. Esse método raramente é necessário e não costuma ser usado, pois pode desacelerar a função do coração, dos pulmões e do cérebro do feto.

Embora esse efeito em geral seja temporário, ele pode afetar o ajuste do recém-nascido à vida fora do útero.

Anestesia geral normalmente é usada em parto por cesariana de emergência, pois é a maneira mais rápida de anestesiar a mulher.

Sintomas do parto: como saber se está chegando a hora

Quando a hora de ganhar o bebê se aproxima, a futura mãe deve ficar atenta aos sinais do parto para entender se ele está próximo. Saber identificá-los é importante para que a chegada do recém-nascido ocorra tranquilamente, com poucos riscos de complicações.

Há alguns sinais característicos que indicam quando o parto está próximo. São eles:

Queda do ventre

Quando o bebê desce e encaixa a cabeça na pelve materna (bacia), ocorre a chamada “queda do ventre”. O processo diminui um pouco o tamanho da barriga e traz certo alívio para a gestante, facilitando a respiração e a digestão.

A grávida também se sente mais confortável para sentar, pois a sensação de compressão do útero diminui. Mas certas mulheres passam a ter uma sensação de peso no baixo ventre, o que incomoda para andar. Para diminuir a pressão, o obstetra pode recomendar cintas adequadas.

Diminuição da quantidade de movimentos fetais

Quando o parto estiver próximo e o bebê encaixar a cabeça na bacia, ele provavelmente irá se movimentar menos. A gestante irá sentir os movimentos com menor frequência, mas deve ficar atenta e avisar ao médico caso perceba que a movimentação cessou completamente por mais de 12 horas seguidas. Se isso acontecer, é preciso avisar o médico imediatamente.

Eliminação do tampão mucoso

O tampão mucoso é uma secreção viscosa de cor branca, às vezes com um pouco de sangue. Quando o parto está próximo, ele sai pela vagina da gestante.

Essa secreção preenche o canal cervical (colo do útero), formando uma barreira entre a bolsa amniótica e a vagina. Quando o colo começa a dilatar, cerca de 10 a 15 dias antes do parto, a secreção começa a ser eliminada pela vagina. O tampão também é chamado de “sinal”.

Contrações

As contrações são os sinais mais famosos de que o parto se aproxima. Nos filmes, mesmo as primeiras contrações costumam ser retratadas por mulheres que subitamente começam a gritar desesperadamente.

Mas as primeiras contrações são absolutamente indolores e muito espaçadas. Com o passar dos dias, vão ficando mais frequentes e começam a se assemelhar à cólica menstrual, inicialmente fracas e progressivamente mais intensas. A sensibilidade começa pela região das costas e se espalha em direção à barriga e aos quadris.

Quando perceber que as contrações estão ficando muito frequentes, deite-se de lado e comece a contar. Se em um intervalo de 30 minutos ocorrem três contrações, de maneira regular (uma a cada 10 minutos), você está entrando no início do trabalho de parto. A partir daí o bebê pode nascer dentro de minutos ou demorar ainda muitas horas. Cada parto é um parto.

Como se preparar para o parto

Toda mulher tem o direito de escolher como prefere trazer seu filho ao mundo: em casa, dentro de uma banheira, no hospital, por meio de uma cesariana e assim por diante. Durante a gravidez, procure informações sobre os diferentes tipos de parto e tenha uma conversa franca com o seu obstetra.

Para se preparar para o parto, você pode procurar por cursos profiláticos de preparação. Eles costumam ser dirigidos aos pais da criança e ensinam noções teóricas sobre anatomia feminina, fisiologia da gravidez, nutrição, postura corporal, desenvolvimento fetal, mecanismo do parto e período pós-parto, incluindo técnicas de amamentação.

O objetivo principal é que a gestante aprenda técnicas posturais, de relaxamento e de respiração que serão empregadas durante o trabalho de parto. Esse momento pode ser assustador e causar ansiedade. Mas uma mulher preparada fica muito mais segura e confiante.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Bibliografia: Sociedade Brasileira de Pediatria (“Filhos: da gravidez aos 2 anos de idade”)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*