Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

12 Abr, 2021 – 12:02

Saiba quando é que o Fisco vai fazer contas consigo: explicamos-lhe como consultar o reembolso do IRS e acompanhar o processo.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

Não será exatamente o melhor momento do ano, mas o dia em que nos chega o reembolso do IRS é, certamente, um dos mais agradáveis do ponto de vista financeiro. Como saber exatamente quando chega esse dia?

Estar a par do que se passa com a sua conta fiscal é fácil quando, ao seu serviço, tem o já indispensável website do Fisco.

Pode, entre outras coisas, descobrir como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças e saber em que ponto está o seu acerto de contas com a Autoridade Tributária – e, igualmente importante, saber se está prestes a receber o dinheiro que lhe é devido.

Como consultar?

Se já submeteu a sua declaração de rendimentos, cujo prazo de entrega começou a 1 de abril e termina a 30 de junho, a próxima etapa é aguardar pelo processamento da sua liquidação e respetiva devolução do imposto, se tiver direito a ela.

Para saber o ponto de situação e consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças, estes são então os passos a seguir.

1. Selecione a opção “Aceder a Serviços Tributários” no canto inferior direito da página.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

2. No menu do lado esquerdo selecione “Serviços“.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

3. Navegue na lista até encontrar a opção “Movimentos Financeiros” e selecione “Informação Financeira“.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

4. Insira os seus dados pessoais de acesso.

5. Selecione o ano e o tipo de imposto (IRS) e depois clique em filtrar.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

Na tabela pode verificar a situação global do pagamento do IRS, desde o valor emitido pelas Finanças ao valor regularizado. Se no tipo de documento selecionar “Reembolsos” verá apenas a informação relativa à devolução do imposto.

Caso surja alguma entrada referente a reembolsos (confirme se selecionou o ano de 2020), clique na opção ver detalhes para consultar desde o total de acerto de liquidação apurado, à data de recebimento do imposto.

Saber consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças é uma vantagem

Saber como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças é uma enorme vantagem porque, em primeiro lugar, consegue fazer uma previsão das próximas semanas do seu orçamento familiar e fazer as contas de acordo com ela.

Basta pensarmos que, regra geral, os portugueses recebem umas centenas de euros de reembolso do Fisco.

Esses euros fazem muito jeito para as compras do mês, mas também são muito importantes na hora de suportar uma despesa extraordinária, inesperada ou não.

Ora, se souber em que semana o dinheiro vai ficar disponível na sua conta, pode preparar-se para enfrentar essas despesas com uma facilidade muito maior.

Saber como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças também é bom para saber, ao certo, quanto dinheiro vai receber da Autoridade Tributária.

É verdade que consegue, através da simulação do IRS, ter uma ideia de quanto vai ter de receber (ou pagar), mas também não é má ideia manter algum pessimismo e acreditar apenas naquilo que vê, que é como quem diz, acreditar no valor que recebe só e apenas quando vir que ele lhe foi pago.

E, se souber como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças, sabe como descobrir o valor definitivo do seu reembolso.

Além de ajudá-lo a fazer planos para o futuro próximo, saber como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças também é útil para garantir que o seu processo fica fechado.

O sistema diz-lhe sempre, em tempo real, o que está a acontecer na sua conta tributária, por isso vai notar se, por algum motivo, não houver registo da ordem de pagamento do seu reembolso ou do recebimento do que pagou às Finanças.

Mantenha-se atento, porque ainda pode detetar problemas a tempo de resolvê-los com celeridade.

Poder consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças é ótimo para o momento em que está expectante e prestes a acertar as contas com a Autoridade Tributária, mas também é ótimo porque consegue saber, através do sistema, qual é o seu historial.

Além de dizer-lhe quanto e quando vai receber o reembolso deste ano, o Portal das Finanças guarda o registo de pagamentos e recebimentos anteriores deste imposto, ou seja, regista todos os reembolsos e pagamentos de IRS que fez nos últimos anos.

Já que tem acesso a esta informação, porque não usá-la em seu favor? Aproveite a disponibilidade do arquivo e analise a evolução da sua situação fiscal dos últimos anos, pois pode perceber tendências e padrões.

Pode, por exemplo, ficar a saber quando uma mudança importante na sua vida se refletiu nas suas contas, e assim defender-se noutros contextos semelhantes. Já que as Finanças lhe dão acesso a essa informação, aproveite-a!

Como receber o reembolso mais cedo

Quem entrega o IRS mais cedo recebe primeiro o reembolso, quando comparado com quem o faz mais tarde.

A Autoridade Tributária costuma realizar o reembolso num prazo que varia entre os 20 e os 25 dias após a entrega da declaração. No entanto, não há garantias de que estes prazos sejam cumpridos à risca pois o Fisco tem, por lei, até dia 31 de agosto para o fazer.

Os contribuintes com acesso ao IRS automático recebem o reembolso antes de todos os outros, algo que demora entre 15 a 20 dias. Agora que já sabe como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças pode sempre verificar se estes prazos estão a ser cumpridos ou se existem atrasos no processo.

Pagamento do reembolso

A devolução do IRS pode ser efetuada por transferência bancária através da identificação do IBAN. Após a emissão do reembolso, o contribuinte terá de aguardar no mínimo 3 dias úteis para que o dinheiro entre na conta.

O reembolso pode ainda ser emitido por cheque ou vale postal.

Mais do IRS que pode resolver no Portal das Finanças

Agora que sabe como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças, saiba também que não se fica por aqui a lista de possibilidades do website da Autoridade Tributária. Na realidade, quase tudo o que está relacionado com o IRS já pode ser tratado e consultado online, evitando filas, deslocações e esperas prolongadas.

Pode, por exemplo, consultar e validar as suas faturas ao longo do ano (através do portal e-Fatura). Consegue saber quanto já totalizou em faturas, saber a proporção e o valor das despesas com dedução e até ficar a par do total que teria a deduzir à coleta se a declaração do IRS fosse submetida naquele dia.

Também está disponível no Portal das Finanças um sistema de alerta que o avisa quando algo não está bem, como por exemplo nas situações em que algum pagamento devido ao Estado está em atraso.

Da mesma forma que o avisa, o sistema permite-lhe regularizar a situação: basta procurar no portal a informação sobre o que tem de pagar, gerar uma referência multibanco e resolver a questão em três tempos.

Ainda no mesmo espaço digital tem disponíveis, na sua área pessoal, todas as informações sobre a sua situação fiscal: as declarações que entregou, as alterações à sua carreira contributiva, as falhas e os pagamentos que fez ou recebeu do Ministério das Finanças. No fundo, toda a sua vida financeira está lá, por isso só tem vantagens em saber utilizar as ferramentas digitais da Autoridade Tributária.

Afinal de contas o que é o IRS? Como funciona a cobrança deste imposto? E o que é preciso preencher na declaração? Veja a resposta a todas estas perguntas no nosso ebook.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

Marta Maia

Jornalista de formação, trabalhou no Público e na Fugas, mas logo passou para o lado do Marketing. Apaixonada pelo digital e por pessoas, é poupada por natureza e faz questão de tratar o dinheiro com o respeito que ele merece. Ecologista convicta, não dispensa música, livros e boas conversas offline.

Recomendamos

Escalões IRS 2021: Saiba quanto vai pagar (e se vai receber reembolso)

Por Human Resources com ComparaJá.pt Em 11:00, 14 Dez, 2020

De certeza que já ouviu falar em escalões de IRS.

Geralmente são confundidos com as tabelas de retenção, mas ambos representam responsabilidades fiscais distintas.

Quer saber as diferenças? Descubra tudo neste artigo e saiba ainda se vai receber reembolso ou se tem de pagar mais de IRS.

O que são os escalões IRS?
Os escalões de IRS são intervalos de rendimento coletável aos quais se aplicam taxas progressivas de imposto. Ou seja, de acordo com o que recebe será inserido em determinado escalão, sendo que quanto mais ganhar num ano, mais elevada será a taxa.

Essencialmente, os escalões servem para que possa calcular quanto é que vai pagar de imposto. Para tal, vai ter de saber quanto é que ganhou em termos salariais ao longo do ano fiscal. Depois, terá de aplicar a respetiva taxa desse escalão.

Estes escalões são atualizados anualmente pelas Finanças.

O que é o rendimento coletável?
Entende-se como rendimento coletável o montante salarial acumulado no passado ano de atividade fiscal, após as respectivas deduções.

Assim, para saber o seu rendimento coletável, vai ter de subtrair ao seu rendimento bruto anual as deduções específicas da sua categoria de rendimentos.

Qual o valor das deduções específicas?
O valor destas deduções varia consoante as categorias correspondentes, sendo que nos casos das categorias de rendimento A (Trabalho dependente) e H (Pensões), este valor se fixa em 4.104 euros. Para as restantes categorias, poderá encontrar mais informações neste guia do Portal das Finanças.

Nos exemplos práticos abaixo, de forma a ilustrar como são feitos os cálculos, são consideradas as deduções específicas para a categorias A – Trabalho dependente (4.104 euros).

Imagine, então, que o seu rendimento bruto anual é de 22.000 euros e é proveniente de trabalho por conta de outrem. Terá de subtrair as deduções específicas de 4.104 euros a esse valor:

Como é que vamos calcular?
22.000 euros – 4.104 euros = 17.896 euros

Para efeitos de IRS, são esses 17.896 euros que estão sujeitos a imposto.

Como é que eu sei quanto vou pagar de IRS?
É importante consultar os diferentes escalões de IRS 2021 para compreender quais as taxas que tem de aplicar. Existem sete escalões diferentes nos quais o seu rendimento coletável se vai inserir.

Pode consultar os escalões de IRS no Código do Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, no artigo 68 .º, referente às taxas gerais:

Rendimento coletável
Taxa Normal
Taxa Média
Até 7.112€ 14,5% 14,5%
De mais de 7.112€ até 10.732€ 23% 17,367%
De mais de 10.732€ até 20.322€ 28,5% 22,621%
De mais de 20.322€ até 25.075€ 35% 24,967%
De mais de 25.075€ até 36.967€ 37% 28,838%
De mais de 36.967€ até 80.882€ 45% 37,613%
Mais de 80.882€ 48%
  • Informação baseada no nº 1 do artigo 68º do Orçamento do Estado 2020.

Se o seu rendimento coletável for inferior a 7.112 euros, a taxa a aplicar é a de 14,5%, o que torna os cálculos bastante simples.

Caso seja superior a esse montante, é aplicado o imposto em duas partes, usando a taxa normal e a média. Nesses casos o cálculo torna-se, assim, um pouco mais complexo pois terá de repartir o rendimento coletável em duas partes, consoante os escalões nos quais se insere. Vejamos, então, como fazê-lo.

Se o valor do rendimento coletável cobrir a totalidade de um escalão, o montante máximo desse escalão será a primeira parte. Para tal, é aplicada a taxa média, que pode ver abaixo.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

Caso o rendimento restante não preencha a totalidade do escalão seguinte, esse valor é considerado de excedente e corresponde à segunda parte. Essa parte está sujeita à taxa normal, que pode ver abaixo.

Leia também:  Como Se Chama Quem Gosta De Carne Crua?

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

A soma dos valores resultantes das duas partes vai ser o valor líquido que tem de pagar de IRS. O valor líquido do imposto não é o valor final após a entrega da declaração de IRS, sendo que ainda está sujeito ao montante retido na fonte. Mais à frente iremos explicar este ponto com maior detalhe.

Utilizando o exemplo anterior, vamos supor que o seu rendimento coletável é de 17.896 euros. De que maneira é que este valor vai ser dividido pelos escalões? Vamos então ver, passo a passo:

1º Passo: Dividir o rendimento coletável em 2 partes.
Através da consulta das tabelas podemos perceber que o valor do rendimento coletável cobre a totalidade, pelo menos, do segundo escalão (de 7.112 euros a 10.732 euros).

Através da consulta das tabelas podemos perceber que o valor do rendimento coletável cobre a totalidade, pelo menos, do segundo escalão (de 7.112 euros a 10.732 euros).

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

No entanto, esse valor já não cobre o intervalo total do terceiro escalão (de 10.732 a 20.322 euros).

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

Isto significa que o rendimento coletável terá de ser “partido” em dois aqui:

A 1ª parte é a que cabe na totalidade de um dos escalões, ou seja, o seu valor máximo. Neste caso, é o do segundo escalão: 10.732 euros.
A 2ª parte é, então, o excedente, resultante da subtração do valor da 1ª parte com o valor total do seu rendimento coletável: 17.869 euros – 10.732 euros = 7164 euros.

2º Passo: Calcular o imposto a pagar na primeira parte.
Se dos 17.869 euros, os primeiros 10.732 são cobertos na sua totalidade pelo segundo escalão, logo, esses 10.732 euros estão sujeitos à taxa média deste escalão, que é de 17,367%.

Como é que se calcula?
Escalão:

Segundo; Montante sujeito a imposto: 10.732 euros; Taxa aplicada: 17,367%; 10.732 euros x 17,367% = 1.863,83 euros.

1.863,83 euros será o imposto a pagar pela 1ª parte do seu rendimento coletável.

3º Passo: Calcular o imposto a pagar na segunda parte.

O imposto é aplicado ao o excedente de 7.164 euros. Este será calculado pela taxa normal do escalão acima, ou seja, o terceiro escalão. Sendo assim, a taxa a aplicar será de 28,50%.

Eis os cálculos:
Escalão: Terceiro;
Montante sujeito a imposto: 7.164 euros;
Taxa aplicada: 28,50%;
7.164 euros x 28.50% = 2.041,74 euros.

2041,74 euros será o imposto a pagar pela 2ª parte do seu rendimento coletável.

4º Passo: Juntar as duas partes.
Já temos o valor de imposto a pagar para cada uma das duas partes. Agora é simplesmente somar as duas partes e o resultado é o imposto total a pagar.

Vamos lá calcular:
Imposto a pagar da 1ª parte: 1.863,83 euros.
Imposto a pagar da 2ª parte: 2041,74 euros.

1.863,83 euros + 2.041,74 euros = 3.905,57 euros.

Para um rendimento coletável de 17.896 euros, o total de IRS a

pagar seria de 3.905,57 euros.

Muita atenção:

Este não é o valor a pagar após a entrega da declaração de IRS, mas antes o valor que vai ser utilizado pelas Finanças para apurar se se vai pagar um valor adicional ou receber reembolso.

Quais as diferenças entre escalões IRS vs tabelas de retenção IRS?
Embora estes dois conceitos surjam muitas vezes na mesma conversa, eles afetam de maneiras diferentes a quantia que posteriormente poderá receber ou pagar de IRS.

Enquanto os escalões de IRS lhe dizem o que tem de pagar de imposto no final do ano fiscal, as tabelas de retenção servem para lhe dizer quanto vai descontar todos os meses para esse efeito.

E isto vai resultar no que tem de pagar ou receber aquando da entrega da declaração de IRS. Aqui a dinâmica é muito simples:

Se ao longo do ano tiver descontado mais do que o valor que efetivamente tem de pagar, então vai receber IRS.
Se não tiver descontado o suficiente para cobrir o total do imposto, então terá que pagar o valor em falta.
Porque é que os escalões IRS são importantes?

A importância dos escalões de IRS 2021 está, evidentemente, em saber quanto é que vai pagar de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares.

Isso permite-lhe fazer o cálculo da diferença entre o valor que paga de imposto mensalmente e o IRS final que vai ter de pagar. Essa diferença será então reembolsada ou poderá levar a uma fatura adicional de imposto para pagar.

Por isso, é importante que se certifique de que bate tudo certo aquando da entrega da declaração. A carga fiscal de IRS que retém todos os meses irá ser sempre sujeita a uma parcela a abater, que é definida consoante o escalão no qual o seu rendimento coletável se insere.

Reembolso IRS 2021: quanto tempo demora?

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs?

É já uma prática recorrente de muitos portugueses esperarem ansiosamente pelo reembolso do IRS, o qual pode ser aplicado no pagamento de algumas despesas, reforçar poupanças ou até mesmo para o pagamento de umas merecidas férias.

Embora receber este dinheiro extra seja algo ambicionado por todos os contribuintes, sabe se que tem direito a este benefício? Veja, no nosso artigo, como poderá descobrir.

Quem tem direito a reembolso IRS?

Para receber o reembolso de IRS terá de ter feito retenção na fonte dos seus rendimentos no ano correspondente à declaração deste imposto (em 2021 é entregue a declaração relativa a 2020). Só após a entrega deste documento é que poderá ter acesso a reembolso ou não.

De forma a receber reembolso, um contribuinte terá de reter na fonte um valor superior ao que terá de pagar de IRS. Caso se verifique o inverso, então não terá reembolso e terá de pagar o valor em falta.

Através do Portal das Finanças é possível consultar a sua situação, para que possa perceber quanto resultará da liquidação do IRS, seja o reembolso ou o valor que terá de pagar de imposto adicional.

Saiba mais: Tem IRS para pagar? Veja como o pode fazer em prestações.

Se tiver outras dívidas para com a Autoridade Tributária e Aduaneira, o valor do reembolso será utilizado para o pagamento automático das mesmas. Caso ainda sobre dinheiro desta liquidação de dívidas, então esse montante ser-lhe-á entregue pelas Finanças.

O montante mínimo para a emissão de reembolso é de 10€. Caso não chegue a esse valor, então não será emitido reembolso IRS.

Como confirmar se tenho declaração com reembolso?

Após a entrega da declaração, se quiser verificar se irá, de facto, receber reembolso IRS, terá de consultar o estado da sua emissão no Portal das Finanças. Para tal, terá de seguir estes passos:

#1 – Aceder ao Portal das Finanças

Quando estiver no site, terá de entrar na secção do IRS. Geralmente, esta estará disponível na página inicial. No entanto, caso não consiga encontrar, poderá sempre pesquisar por “IRS” na barra de pesquisa.

#2 – Autenticar o seu login nesta plataforma

Posteriormente, para autenticar o seu login nesta plataforma, terá de indicar o seu número de contribuinte (NIF) e a sua senha de acesso ao portal.

#3 – Consultar a declaração de IRS

Assim que se encontrar na secção de IRS, do seu lado esquerdo poderá encontrar um menu com várias opções. Selecione “ Consultar declaração”.

#4 – Selecionar o ano a pesquisar

Na página referente à consulta da declaração, terá de selecionar o ano cujos rendimentos quer consultar. Para o reembolso de IRS deste ano, a opção a escolher é “2020”. Depois clique em “Pesquisar”.

#5 – Verificar a situação da declaração

Após escolher o ano que pretende, serão disponibilizados os dados relativos à declaração entregue nesse mesmo ano. Poderá, aqui, consultar a situação da declaração em si.

Existem quatro possíveis estados para a mesma, que constituem as fases do processo de reembolso ou pagamento adicional de IRS:

  1. “Declaração Certa” – Caso seja este o seu caso, então significa que a declaração foi apenas validada sem terem sido verificados quaisquer erros centrais;
  2. “Liquidação Processada” – Esta é a segunda etapa deste processo. Nesta situação, as contas do seu imposto estão completadas;
  3. “Reembolso Emitido” – Se a declaração apresentar este estado, então significa que não existe qualquer divergência ou dívida fiscal e o reembolso será entregue no espaço de poucos dias;
  4. “Pagamento confirmado” – É a última etapa deste processo. Nesta fase o reembolso de IRS foi já liquidado.

#6 – Ver detalhes da declaração

Pode consultar detalhadamente a sua situação fiscal ao carregar em “Ver declaração”.

Após selecionar esta opção, são disponibilizadas diversas informações, tais como o tipo de declaração, as datas de receção e da sua situação. Deverá atender para a secção referente ao “Montante”, na qual poderá ver quanto irá receber de reembolso de IRS.

Apesar de as taxas de retenção na fonte terem diminuído para o presente ano, tal só será refletido ao nível dos valores atribuídos para reembolso de IRS aos contribuintes aquando da entrega em 2022.

Como é que o reembolso de IRS é emitido?

Existem duas formas através das quais o reembolso lhe pode ser pago:

Esta é a opção normal para esta operação. A referência do IBAN que for comunicada ao Fisco é a que será utilizada para a entrega do reembolso de IRS. Se a informação que forneceu não for válida, deverá atualizar a mesma de forma a apresentar uma referência que conste na base de dados da Autoridade Tributária e Aduaneira.

Caso não apresente um IBAN válido, será emitido um cheque para a sua morada fiscal. Quando receber esse cheque, terá apenas 60 dias para o depositar e receber o seu reembolso de IRS.

Se não depositar o seu cheque nesse prazo, pode solicitar a reativação do mesmo. Este processo tem também um prazo máximo, sendo que poderá realizar este pedido num prazo de cinco anos, contados a partir da data para a liquidação.

Saiba mais: Veja quanto poderá receber de IRS este ano.

Quanto tempo demora o reembolso IRS?

Não existe um tempo exato pré-determinado para receber o reembolso do IRS. A duração deste processo varia de contribuinte para contribuinte.

Este período pode depender se entregou IRS automático ou se preencheu a declaração manualmente, visto que no caso da primeira opção, por norma, os reembolsos costumam ser processados de uma forma mais rápida pelas Finanças.

Os constrangimentos causados pela pandemia atual poderão causar possíveis atrasos na operacionalização deste processo.

Quais os prazos para reembolso do IRS 2021?

O prazo máximo estabelecido pela Autoridade Tributária e Aduaneira para a entrega do reembolso de IRS é até 31 de agosto. Esta data limite só é aplicada se respeitar os restantes prazos do IRS para 2021, que ditam que a entrega da declaração de IRS terá de ser feita até 30 de Junho.

Sendo assim, deverá entregar a declaração deste imposto, seja pelo IRS automático ou pelo preenchimento manual da declaração Modelo 3. Quanto mais cedo entregar a sua declaração de IRS, mais cedo poderá receber o potencial reembolso.

Obrigado por subscrever!

IRS de 2019: já pode saber quanto vai receber de reembolso em 2020

Apesar de a entrega do IRS só começar no dia 1 de abril, estendendo-se até 30 de junho, a Autoridade Tributária (AT) já disponibilizou, no Portal das Finanças, a declaração Modelo 3 e o IRS Automático (para quem está abrangido por esta funcionalidade) na página pessoal deste imposto de cada contribuinte.

Desta forma, já é possível entregar o IRS de 2019 e ficar a saber o valor do reembolso ou do imposto adicional a pagar ao Estado, consoante o caso. Pode aceder aqui à sua página pessoal do IRS. Para entrar tem de inserir o seu Número de Identificação Fiscal (NIF) e a sua senha de acesso do Portal das Finanças.

Leia também:  O Que É E Como Se Formou O Petróleo Bruto?

Finalmente, clique na opção pretendida: “IRS Automático” ou “Entregar Declaração”.

Alguns cuidados a ter na entrega do IRS

Mas não se precipite na entrega do IRS. Oficialmente, só o poderá fazer a partir de 1 de abril. No entanto, os especialistas recomendam que a submissão do imposto não seja efetuada nos primeiros 15 dias. E porquê? “Não podemos esquecer que todos os anos esta declaração é alvo de alterações, e estas implicam testes.

Se fizermos a entrega nos primeiros dias, é importante ter em consideração que este é um período em que a própria declaração está a ser testada pelos serviços da AT”, alerta Sónia Martins Arêde, especialista em Direito Fiscal da sociedade de advogados PRA-Raposo, Sá Miranda & Associados.

Conheça outros cuidados a ter na entrega do IRS de 2019

Além disso, conforme esclarece a AT, “não há vantagem em entregar a declaração de IRS logo nos primeiros dias de abril, pois — tal como em todos os anos — o processamento generalizado das declarações não se inicia de imediato, sendo conveniente fazê-lo mais tarde para evitar eventuais dificuldades de acesso ao Portal das Finanças”.

Pode, contudo, ir adiantando trabalho, verificando, por exemplo, se os dados que constam na declaração Modelo 3 ou no IRS Automático estão corretos. Tome nota que, caso necessite de fazer correções, só poderá fazê-las na Modelo 3.

Assim, se estiver abrangido pelo IRS Automático, terá de prescindir desta funcionalidade e optar pela Modelo 3. Não se esqueça também de confirmar se o seu agregado familiar está correto e se constam todas as despesas dedutíveis.

Apelo aos contribuintes mais idosos

Lembrando que o prazo de entrega do IRS decorre até 30 de junho, a AT apela ainda a que “os contribuintes não saiam de casa para procurar apoio no preenchimento da declaração de IRS, sobretudo os mais idosos”.  Saiba como tratar dos seus impostos durante a pandemia da Covid-19

Como consultar o reembolso

IRS Automático

Ao aceder ao seu IRS Automático, ficará imediatamente a saber quanto irá receber de reembolso ou pagar de imposto adicional em 2020, relativo ao IRS de 2019. No caso dos casais ou unidos de facto são apresentadas duas liquidações do imposto: uma para a tributação conjunta e outra para a tributação separada.

Declaração Modelo 3

Quem tiver de entregar a declaração Modelo 3 também poderá saber o valor de um eventual reembolso ou imposto adicional a pagar. Para tal, basta utilizar a opção de simulação da declaração. Veja como preencher a declaração Modelo 3, passo a passo

Quando é pago

O prazo limite para receber o reembolso de IRS é 31 de agosto. No entanto, nos últimos anos, este pagamento tem sido muito mais célere. Em 2019, o prazo foi de 11 dias.

Mas, este ano, o reembolso pode demorar mais tempo a chegar às contas bancárias dos contribuintes, em consequência dos constrangimentos causados pela pandemia da Covid-19.

 Saiba como acompanhar o processamento do seu reembolso

Como aumentar o reembolso do IRS em 5 passos

Está na altura de tratar dos seus impostos. Veja o que ainda pode fazer para aumentar o seu reembolso do IRS em 2021.

Quer saber como aumentar o reembolso do IRS? Aproveite a época que antecede a entrega da declaração para tentar maximizar o valor a receber. Há prazos e procedimentos que não deve descurar. Evite perder dinheiro.

Receber um reembolso do IRS é sempre uma boa notícia para as finanças de qualquer família. No entanto, é ainda antes da entrega da declaração que deve começar a trabalhar para aumentar o valor do reembolso.

Conheça alguns passos e cuidados a ter para não perder um cêntimo do valor a que pode ter direito.

Leia também: Novidades fiscais para 2021: qual o impacte nas suas finanças?

1. Saber as datas do IRS

O primeiro passo para aumentar o reembolso do IRS é conhecer o calendário fiscal. Isto é, os prazos para apresentar declarações, validar ou contestar despesas e para entregar a declaração.

Falhar prazos, além de poder obrigar, nalguns casos, ao pagamento de multas, pode fazer diminuir o valor de eventuais reembolsos. Vejamos, então, as datas mais importantes do calendário fiscal em 2021.

Leia também: O que é um ato isolado? Vantagens e obrigações

 

Até 15 de fevereiro

Deve comunicar à Autoridade Tributária (AT) qualquer alteração no seu agregado familiar, incluindo nascimento, casamento, divórcio, morte do cônjuge, mudança de residência permanente, filhos em guarda-conjunta, ou filhos que deixaram de ser considerados dependentes.

Se tiver existido alguma mudança e não tiver sido comunicada, serão tidos em conta os dados familiares e pessoais apresentados na última entrega do IRS. Por isso, esta atualização é importante para aumentar o reembolso do IRS.

Como comunicar alteração do agregado familiar?

Basta aceder ao Portal das Finanças e depois seguir estes passos: Serviços > IRS > Dados pessoais relevantes para declaração de IRS > Dados agregado IRS > Comunicar agregado familiar.

Precisa do Número de Identificação Fiscal (NIF), senhas de acesso de todos os elementos que compõem o agregado familiar e identificação matricial do imóvel que constitui habitação permanente do agregado familiar, mesmo que seja arrendada. Esta informação consta da caderneta predial e do contrato de arrendamento.

Veja neste guiacada passo para garantir esta alteração.

Leia também: Consegui o primeiro emprego: quais as minhas obrigações fiscais?

 

Até 25 de fevereiro

Até esta data, deve validar as faturas no portal e-Fatura. Se não o fizer, as que estiverem pendentes não serão incluídas nas suas deduções e o valor do reembolso pode diminuir. Não se esqueça de validar também as faturas dos filhos, considerados dependentes no IRS.

As faturas ficam pendentes por duas razões. Quando a empresa que a emitiu tem mais do que um Código de Atividade Económica (CAE), a fatura pode ser associada a mais do que uma categoria de despesas. Mas pode ocorrer também, no caso dos trabalhadores independentes, ao incluírem determinada despesa como relacionada com a sua atividade.

  • Tome Nota:
  • Como validar?
  • No Portal das Finanças> Faturas > Consumidor > Completar Informação Faturas > associar cada uma à respetiva categoria de despesa  > Guardar

Leia também: Sabe que vai poder validar faturas com QR Code?

 

Até 15 de março 

As despesas que não constavam no e-fatura, como propinas de estabelecimentos de ensino público, taxas moderadoras, rendas da casa ou juros de crédito habitação (dos contratos de crédito efetuados até 31 de dezembro de 2011) vão aparecer numa nova página pessoal no Portal das Finanças diferente da do e–fatura.

Nesta altura já terá uma ideia das deduções em cada uma das áreas e pode igualmente verificar se estão nas categorias certas.

Tome Nota:

As despesas com material escolar só são dedutíveis se forem taxadas a 6%. Isto é, se comprar cadernos numa papelaria ou hipermercado, a taxa será de 23% e essa despesa não entra nas deduções. Se comprar numa escola, e como o IVA é cobrado a 6%, a despesa já é dedutível.

Leia também: Quais as taxas e os impostos para compra e venda de imóveis?

 

De 15 a 31 de março

A verificação anterior é importante porque, caso não concorde com as deduções relativas às despesas gerais familiares e restantes benefícios resultantes da validação das faturas no E-fatura, será agora a altura certa para reclamar.

Mas atenção, as deduções à coleta relativas às despesas de saúde, educação, imóveis e lares já não podem ser contestadas nesta fase. Poderá corrigir os valores dessas deduções na declaração de rendimentos Modelo 3, no momento da entrega do IRS. Note que se optar pelo IRS automático não poderá efetuar qualquer alteração.

Será igualmente de 15 a 31 de março que pode indicar, antes da entrega do IRS, se quer consignar parte do seu IRS ou IVA e qual a entidade beneficiada.

Leia também: Como reclamar ou apresentar queixa no Portal das Finanças

 

 

De 1 abril a 30 junho

  1. Durante estes meses decorre a entrega da declaração de IRS, tanto para trabalhadores dependentes como independentes. 
  2. Em princípio, quanto mais cedo entregar a sua declaração, mais depressa receberá o reembolso, se tudo estiver correto.

  3. No entanto, alguns contabilistas aconselham a que espere 15 dias, uma vez que nesta fase inicial há por vezes lapsos a corrigir ou esclarecimentos a fazer por parte da AT. 

Os reembolsos são feitos até 31 de julho.

Caso tenha de pagar IRS, a data limite será 31 de agosto.

O QUE A CAIXA PODE FAZER POR SI?

Caso este ano, a sua declaração o obrigue ao pagamento de imposto, lembre-se que o pode fazer, recorrendo à operação Pagamentos, disponível no serviço Caixadireta. Fique em casa, fique em segurança.  

Saiba Mais Aqui.

Leia também: Dez passos para pagar o seu IRS em prestações

 

2.Validar e confirmar

Pode parecer uma tarefa monótona, mas validar e confirmar as faturas, colocando as despesas nas categorias corretas, é importante para aumentar as deduções e também a possibilidade de receber um reembolso maior.

Confirme os valores, verifique se nenhuma fatura ficou esquecida. Tenha em conta que é necessário repetir o mesmo procedimento para todos os elementos do seu agregado familiar.

Leia também: Despesas feitas no estrangeiro podem ser incluídas no IRS? Saiba como proceder

 

3.Em conjunto ou separado: veja as diferenças

Ao entregar a declaração, e no caso de contribuintes casados ou unidos de facto, pode optar por um destes regimes:

  1. Tributação separada: cada um apresenta uma declaração individual da qual constam os rendimentos de que é titular e a quota parte dos rendimentos dos dependentes a seu cargo. Nas despesas devem constar as despesas próprias e metade das dos dependentes;
  2. Tributação conjunta: é apresentada uma única declaração com a totalidade dos rendimentos obtidos por todos os membros que integram o agregado familiar. As despesas do agregado familiar serão consideradas na sua totalidade.

A escolha apenas é válida para esse ano e pode fazer diferença no valor a pagar ou no reembolso. Por isso, antes de submeter a declaração, simule as duas opções e escolha a mais vantajosa. Mesmo no caso do IRS automático é-lhe sempre dada a possibilidade de escolher.

Leia também: Como aceder ao Rendimento Social de Inserção?

 

4.Filhos: sim ou não?

Se um dos seus dependentes tem entre 18 e 25 anos e já trabalha (mas não recebe mais do que 14 vezes o salário mínimo nacional), pode entregar a declaração de IRS em conjunto ou separadamente.

Neste caso, tal como nos dos casais, é importante ver o que é mais vantajoso. Se agregar o seu filho à sua declaração, os rendimentos que ele aufere são somados aos seus. E isto pode fazer com que suba no escalão de IRS, pagando mais imposto.

Leia também:Até quando posso fazer o IRS com os pais?

Escalões de rendimento

Sendo o IRS a apresentar em 2021 relativo aos rendimentos de 2020, esta é a tabela que deve ter em conta para ver o escalão de rendimento a que pertence.

Tabela de IRS para 2020
Escalão Rendimento coletável Taxa Normal Taxa Média
Até 7.112€ 14,5% 14,5%
De mais de 7.112€ até 10.732€ 23% 17,367%
De mais de 10.732 € até 20.322€ 28,5% 22,621%
De mais de 20.322€ até 25.075€ 35% 24,967%
De mais de 25.075€ até 36.967€ 37% 28,838%
De mais de 36.967€ até 80.882€ 45% 37,613%
Mais de 80.882€ 48%

Cada dependente confere uma dedução automática de 600 euros, conforme pode confirmar neste artigo do Saldo Positivo. Além deste valor, pode abater as despesas como saúde, educação ou dedução de IVA por exigência de fatura.

Leia também:  Como Limpar Bijuteria Dourada Que Escureceu?

Leia também: Duplo emprego? Veja o que deve saber se trabalhar em dois sítios

5. O “segredo” do anexo E

Se tem depósitos a prazo, certificados de aforro, certificados do tesouro ou dividendos de ações e baixos rendimentos – e simultaneamente, recebe o salário mínimo, uma pensão baixa ou está desempregado -, pode compensar declarar os juros dessas aplicações.

É que aqueles juros são taxados na fonte a 28% (taxa liberatória). O que quer dizer que, se uma dessas aplicações lhe render 100€, só irá receber 72€, ficando os restantes 28€ para o Estado.

Ora, se tem rendimentos baixos, pode compensar preencher o anexo E e entregá-lo juntamente com a sua declaração de rendimentos para poder recuperar a taxa liberatória que pagou. 

Leia também: Benefícios fiscais dos PPR: saiba quanto pode poupar e como subscrever

Para saber se compensa, pode simular no Portal das Finanças a entrega da declaração com e sem o Anexo E. Se compensar, basta pedir ao Banco ou à Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP, através deste formulário, a declaração fiscal com os juros recebidos.

Três formas de aumentar o reembolso no próximo ano

Se quer aumentar o seu reembolso do IRS no próximo ano, deve começar desde o início do ano a contribuir para isso. Eis 3 formas de receber mais em 2022: 

  1. Pedir sempre despesas com NIF, não esquecendo que as despesas com máscaras ou álcool gel passam a ser consideradas como despesas de saúde;
  2. Subscrever um PPR, aproveitando os benefícios fiscais;
  3. As despesas com ginásios e centros desportivos passam a poder ser usadas para aumentar a dedução do IRS, desde que tenha as respetivas faturas com o seu NIF.

Leia também:

Simuladores para o seu IRS de 2021

A entrega da declaração de IRS decorre de 1 de abril a 30 de junho para todos os contribuintes e tem de ser feita, como nos últimos anos, obrigatoriamente através da internet. 

Para facilitar o processo, os contribuintes que tenham rendimentos exclusivamente de trabalho dependente ou pensões, com ou sem dependentes, podem ser abrangidos pelo IRS automático, desde que não tenham pensão de alimentos ou benefícios fiscais.

Quem não estiver abrangido ou não pretenda o IRS automático, deve seguir os procedimentos habituais de preenchimento. Para além de verificar as despesas, que teve de validar previamente no portal E-Fatura, precisa também de declarar os investimentos, se for caso disso.

É este ano que as tabelas de retenção na fonte do ano passado podem ter algum efeito no reembolso de IRS. As mudanças maiores deverão acontecer no próximo ano, uma vez que o Governo baixou 2%, em média, a retenção mensal a aplicar aos salários de 2021. Isto significa que em 2022 o acerto do IRS vai ser influenciado por essa menor retenção na fonte.

Se são demasiadas contas para fazer de cabeça, experimente estes simuladores para ter uma previsão do que pode ser o seu IRS:

  1. Simulador do Portal das Finanças

A Autoridade Tributária e Aduaneira tem disponível no Portal das Finanças um simulador relativo ao IRS. Basta aceder através desta página e descarregar a aplicação.

A consultora PWC disponibiliza no site um simulador que permite estimar o IRS devido, relativamente ao ano de 2020, e comparar a diferença do rendimento líquido. Basta fazer o download aqui. 

A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas também apresenta no seu site um simulador de IRS todos os anos. E divulga ainda na mesma página todas as deduções que as pessoas ou famílias podem fazer no IRS.

É importante lembrar que os simuladores dão apenas exemplos aproximados, de acordo com os dados introduzidos. Encare o resultado da simulação como uma hipótese e não como um valor garantido de reembolso, para gerir as suas próprias expectativas. 

Se tiver IRS automático, poderá receber o reembolso no prazo de 15 dias. Senão, o prazo limite é até 31 de julho se tiver dinheiro a receber. Se tiver de pagar, pode fazê-lo até 31 de agosto.

E não se esqueça. Vá pedindo fatura em todas as suas compras, para garantir que tem o máximo de deduções possível e um reembolso de IRS maior.

Quer saber quanto vai receber de sobretaxa de IRS? Há um simulador no Portal das Finanças – IRS

A partir desta sexta-feira, 24 de Julho, passará a estar disponível no Portal das Finanças a evolução do crédito fiscal da sobretaxa do IRS. Cada contribuinte poderá, na sua página pessoal, consultar um simulador que lhe dirá quanto é que é espectável que lhe venha a ser devolvido em 2016, quando for efectuada a liquidação do IRS de 2015.

De acordo com a execução orçamental de Junho, divulgada hoje, as receitas de IRS e de IVA estão a crescer 4,2%, pelo que, a manter-se esta evolução, o crédito fiscal da sobretaxa seria de 19%, ou seja, a sobretaxa efectiva, a pagar pelo contribuinte, seria de 2,8% em vez dos 3,5% previstos na lei.

Pelas contas da AT, e sempre no pressuposto de que os dados se confirmariam, ou seja, que a receita manteria o mesmo ritmo até ao final do ano, então, em 2016, o Estado devolveria mais de 100 milhões de euros de IRS aos contribuintes.

O simulador agora criado vai ser actualizado mensalmente, sempre com os dados da execução orçamental de cada mês.

Para aceder aos seus casos concretos, os contribuintes deverão entrar no Portal das Finanças, onde já vão consultar e confirmar as suas facturas, e escolher a opção “Consulte aqui a Evolução do crédito fiscal da Sobretaxa”.

Terão depois que se autenticar, com as suas palavras-chave, e clicar no link “simulação de crédito de sobretaxa”.

Há uma primeira simulação automática, em que todos os dados são preenchidos pela AT com base nas declarações de IRS de 2015, referentes aos rendimentos de 2014.

O Fisco parte também do princípio que o regime de tributação será o mesmo, ou seja, no caso dos casados, tributação conjunta.

E aqui há que ter em conta que em 2015 (no IRS a entregar em 2016) a regra passará a ser a da tributação separada, o que poderá implicar algumas alterações de valores.

Assim, partindo do princípio de que não haveria alteração de rendimentos e que o regime de tributação se manteria o mesmo, os contribuintes têm aqui a indicação de qual o valor efectivo de sobretaxa e o crédito fiscal a que teriam direito.

Caso este ano se verifique uma alteração de rendimentos relativamente a 2014, então terá de ser o próprio contribuinte a, escolhendo a opção que lhe é dada nesse sentido, introduzir manualmente os valores que espera vir a receber.

Terá também de incluir a sua situação pessoal e familiar – estado civil e número de dependente.

Aqui a simulação será já feita com o regime regra da tributação separada, devendo ser incluídos apenas os rendimentos de cada pessoa e não os do casal, no caso de casados ou unidos de facto.

Esta simulação manual está disponível apenas para rendimentos das categorias A, trabalho dependente, H, pensões e B, rendimentos empresariais e profissionais. 

Pedir factura é essencial, dizem as Finanças

Este aumento da receita Fiscal, agora espelhado na execução orçamental, é resultado de algum aumento do consumo privado, por um lado, e, por outro, graças aos “ganhos de eficiência fiscal”, resultantes das medidas “de combate à fraude e evasão fiscal”. Para manter o mesmo ritmo, tudo dependerá do desempenho da economia, nomeadamente da criação de emprego.

Quanto ao combate à fraude, lembra o secretário de Estado dos Assuntos fiscais, Paulo Núncio, ” sempre que os  consumidores pedem factura, obrigando as empresas a pagar o IVA devido, estão a contribuir activamente para a concretização do Crédito Fiscal da Sobretaxa e para pagarem menos IRS”.

O secretário de Estado assinala que no primeiro trimestre de 2015 registou-se o aumento de mais de 50% das facturas com número de contribuintes, o que, considera, “é um excelente sinal”.

A Autoridade Tributária e Aduaneira dá dois exemplos de simulações de devolução de sobretaxa para contribuintes que mantenham em 2015 os rendimentos de 2014:

1 – Contribuinte solteiro, sem filhos, com 1.750 euros mensais brutos na categoria A – a sua sobretaxa anual seria de 466,41 euros, mas, com a redução de 19%, pagaria 377,79 euros. Ser-lhe-iam devolvidos 88,62 euros a título de crédito fiscal.

2 – Um contribuinte casado, com dois filhos com 2.500 euros brutos de rendimento mensal da categoria A –  a sua sobretaxa anual seria de 821,29 euros, mas, com a redução de 19%, pagaria 665,24 euros.

Ser-lhe-iam devolvidos 156,05 euros a título de crédito fiscal (atenção que, neste exemplo, o calculo se faz tendo por base o regime de tributação separada em IRS, que passa a ser a regra a partir deste ano).

Quais informações sobre a Receita Federal norte-americana (IRS – Internal Revenue Service) eu devo saber? (Dúvidas sobre o formulário de impostos 1099)

O que é um Formulário 1099 da Receita Federal norte-americana (IRS – Internal Revenue Service)?O Formulário 1099 são vários documentos que a Receita Federal norte-americana (IRS – Internal Revenue Service) considera como “informações de receita”.

Há vários formulários 1099 diferentes que informam vários tipos de receita, além do salário. A Receita Federal norte-americana solicita ao TripAdvisor Aluguéis de temporada um relatório anual de distribuição de renda dos usuários para a Receita Federal norte-americana usando o formulário 1099 Misc.

 

Quem vai receber um formulário 1099 de impostos da Receita Federal norte-americana?

O proprietário da conta nos nossos registros vai receber um formulário 1099 Misc. da Receita Federal norte-americana se for um cidadão norte-americano e tiver recebido mais de 600 dólares em reservas no último ano.Vá até Rastrear pagamentos > Meus pagamentos para ver seus rendimentos do ano. 

Como e quando eu vou receber o formulário 1099?

Pagamentos feitos por contas bancárias: enviamos este formulário automaticamente para todos os usuários com pagamentos qualificados que receberam fundos diretamente em uma conta bancária norte-americana. Todos os formulários serão enviados por carta em 31 de janeiro. 
Observe: o formulário será enviado para a pessoa cuja conta recebe os pagamentos; por exemplo, se a pessoa registrada na conta for o John, mas as informações da conta bancária salvas nas configurações de Pagamento forem da Jane, o formulário será enviado para a Jane. 
Pagamentos feitos pelo PayPal: se você receber pagamentos de reservas em uma conta do PayPal, você deve entrar em contato com o PayPal diretamente. Não emitimos formulários 1099 para usuários PayPal.

Cidadãos não americanos: Sendo uma empresa norte-americana, somos obrigados a coletar informações fiscais básicas para certificar que você não é um cidadão norte-americano/empresa norte-americana e/ou tem requisitos de retenção. Siga as instruções na seção Imposto na sua central do proprietário – isso levará apenas alguns minutos.

Eu posso fazer alterações no meu formulário 1099?

Sim. Vá até Impostos na sua conta e você poderá visualizar e alterar as informações de impostos enviadas. 

E se alguma informação estiver errada no meu formulário 1099?

Se você descobrir que algumas informações estão erradas depois de receber o formulário 1099, entre em contato conosco explicando as informações que precisam ser corrigidas. Certifique-se também de que atualiza suas informações sobre impostos aqui.    

O que eu devo fazer se não receber meu formulário 1099 até 31 de março?

Se você ainda não recebeu o formulário 1099 e está dentro dos requisitos listados acima, entre em contato conosco e vamos verificar isso para você.  Still need help?

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*