Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?

12 Abr, 2021 – 12:02

Saiba quando é que o Fisco vai fazer contas consigo: explicamos-lhe como consultar o reembolso do IRS e acompanhar o processo.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?

Não será exatamente o melhor momento do ano, mas o dia em que nos chega o reembolso do IRS é, certamente, um dos mais agradáveis do ponto de vista financeiro. Como saber exatamente quando chega esse dia?

Estar a par do que se passa com a sua conta fiscal é fácil quando, ao seu serviço, tem o já indispensável website do Fisco.

Pode, entre outras coisas, descobrir como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças e saber em que ponto está o seu acerto de contas com a Autoridade Tributária – e, igualmente importante, saber se está prestes a receber o dinheiro que lhe é devido.

Como consultar?

Se já submeteu a sua declaração de rendimentos, cujo prazo de entrega começou a 1 de abril e termina a 30 de junho, a próxima etapa é aguardar pelo processamento da sua liquidação e respetiva devolução do imposto, se tiver direito a ela.

Para saber o ponto de situação e consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças, estes são então os passos a seguir.

1. Selecione a opção “Aceder a Serviços Tributários” no canto inferior direito da página.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?

2. No menu do lado esquerdo selecione “Serviços“.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?

3. Navegue na lista até encontrar a opção “Movimentos Financeiros” e selecione “Informação Financeira“.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?

4. Insira os seus dados pessoais de acesso.

5. Selecione o ano e o tipo de imposto (IRS) e depois clique em filtrar.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?

Na tabela pode verificar a situação global do pagamento do IRS, desde o valor emitido pelas Finanças ao valor regularizado. Se no tipo de documento selecionar “Reembolsos” verá apenas a informação relativa à devolução do imposto.

Caso surja alguma entrada referente a reembolsos (confirme se selecionou o ano de 2020), clique na opção ver detalhes para consultar desde o total de acerto de liquidação apurado, à data de recebimento do imposto.

Saber consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças é uma vantagem

Saber como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças é uma enorme vantagem porque, em primeiro lugar, consegue fazer uma previsão das próximas semanas do seu orçamento familiar e fazer as contas de acordo com ela.

Basta pensarmos que, regra geral, os portugueses recebem umas centenas de euros de reembolso do Fisco.

Esses euros fazem muito jeito para as compras do mês, mas também são muito importantes na hora de suportar uma despesa extraordinária, inesperada ou não.

Ora, se souber em que semana o dinheiro vai ficar disponível na sua conta, pode preparar-se para enfrentar essas despesas com uma facilidade muito maior.

Saber como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças também é bom para saber, ao certo, quanto dinheiro vai receber da Autoridade Tributária.

É verdade que consegue, através da simulação do IRS, ter uma ideia de quanto vai ter de receber (ou pagar), mas também não é má ideia manter algum pessimismo e acreditar apenas naquilo que vê, que é como quem diz, acreditar no valor que recebe só e apenas quando vir que ele lhe foi pago.

E, se souber como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças, sabe como descobrir o valor definitivo do seu reembolso.

Além de ajudá-lo a fazer planos para o futuro próximo, saber como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças também é útil para garantir que o seu processo fica fechado.

O sistema diz-lhe sempre, em tempo real, o que está a acontecer na sua conta tributária, por isso vai notar se, por algum motivo, não houver registo da ordem de pagamento do seu reembolso ou do recebimento do que pagou às Finanças.

Mantenha-se atento, porque ainda pode detetar problemas a tempo de resolvê-los com celeridade.

Poder consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças é ótimo para o momento em que está expectante e prestes a acertar as contas com a Autoridade Tributária, mas também é ótimo porque consegue saber, através do sistema, qual é o seu historial.

Além de dizer-lhe quanto e quando vai receber o reembolso deste ano, o Portal das Finanças guarda o registo de pagamentos e recebimentos anteriores deste imposto, ou seja, regista todos os reembolsos e pagamentos de IRS que fez nos últimos anos.

Já que tem acesso a esta informação, porque não usá-la em seu favor? Aproveite a disponibilidade do arquivo e analise a evolução da sua situação fiscal dos últimos anos, pois pode perceber tendências e padrões.

Pode, por exemplo, ficar a saber quando uma mudança importante na sua vida se refletiu nas suas contas, e assim defender-se noutros contextos semelhantes. Já que as Finanças lhe dão acesso a essa informação, aproveite-a!

Como receber o reembolso mais cedo

Quem entrega o IRS mais cedo recebe primeiro o reembolso, quando comparado com quem o faz mais tarde.

A Autoridade Tributária costuma realizar o reembolso num prazo que varia entre os 20 e os 25 dias após a entrega da declaração. No entanto, não há garantias de que estes prazos sejam cumpridos à risca pois o Fisco tem, por lei, até dia 31 de agosto para o fazer.

Os contribuintes com acesso ao IRS automático recebem o reembolso antes de todos os outros, algo que demora entre 15 a 20 dias. Agora que já sabe como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças pode sempre verificar se estes prazos estão a ser cumpridos ou se existem atrasos no processo.

Pagamento do reembolso

A devolução do IRS pode ser efetuada por transferência bancária através da identificação do IBAN. Após a emissão do reembolso, o contribuinte terá de aguardar no mínimo 3 dias úteis para que o dinheiro entre na conta.

O reembolso pode ainda ser emitido por cheque ou vale postal.

Mais do IRS que pode resolver no Portal das Finanças

Agora que sabe como consultar o reembolso do IRS no Portal das Finanças, saiba também que não se fica por aqui a lista de possibilidades do website da Autoridade Tributária. Na realidade, quase tudo o que está relacionado com o IRS já pode ser tratado e consultado online, evitando filas, deslocações e esperas prolongadas.

Pode, por exemplo, consultar e validar as suas faturas ao longo do ano (através do portal e-Fatura). Consegue saber quanto já totalizou em faturas, saber a proporção e o valor das despesas com dedução e até ficar a par do total que teria a deduzir à coleta se a declaração do IRS fosse submetida naquele dia.

Também está disponível no Portal das Finanças um sistema de alerta que o avisa quando algo não está bem, como por exemplo nas situações em que algum pagamento devido ao Estado está em atraso.

Da mesma forma que o avisa, o sistema permite-lhe regularizar a situação: basta procurar no portal a informação sobre o que tem de pagar, gerar uma referência multibanco e resolver a questão em três tempos.

Ainda no mesmo espaço digital tem disponíveis, na sua área pessoal, todas as informações sobre a sua situação fiscal: as declarações que entregou, as alterações à sua carreira contributiva, as falhas e os pagamentos que fez ou recebeu do Ministério das Finanças. No fundo, toda a sua vida financeira está lá, por isso só tem vantagens em saber utilizar as ferramentas digitais da Autoridade Tributária.

Leia também:  Como Fazer Com Que O Marido Sinta Sua Falta?

Afinal de contas o que é o IRS? Como funciona a cobrança deste imposto? E o que é preciso preencher na declaração? Veja a resposta a todas estas perguntas no nosso ebook.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?

Marta Maia

Jornalista de formação, trabalhou no Público e na Fugas, mas logo passou para o lado do Marketing. Apaixonada pelo digital e por pessoas, é poupada por natureza e faz questão de tratar o dinheiro com o respeito que ele merece. Ecologista convicta, não dispensa música, livros e boas conversas offline.

Recomendamos

Como preencher IRS em 2021?

Aproxima-se a data para entrega do IRS 2021. Para alguns contribuintes, o seu preenchimento pode ainda ser uma dor de cabeça, mas felizmente este processo tem vindo a tornar-se cada vez mais simples e prático de se fazer.

Explicamos-lhe, passo a passo, como esta tarefa pode ser descomplicada e deixamos-lhe ainda algumas informações importantes que não devem ser esquecidas, mas começamos por elucidar o conceito de IRS.

O que é o IRS?

  • O IRS – Imposto sobre Rendimento das Pessoas Singulares – é uma taxa aplicada sobre os rendimentos dos contribuintes, salvo exceções descritas na lei.
  • Segundo consta no nº 1 do artigo 1º do Código do Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (CIRS), “o imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) incide sobre o valor anual dos rendimentos das categorias seguintes, mesmo quando provenientes de atos ilícitos, depois de efetuadas as correspondentes deduções e abatimentos:
  • Categoria A – Rendimentos do trabalho dependente;
    Categoria B – Rendimentos empresariais e profissionais;
    Categoria E – Rendimentos de capitais;
    Categoria F – Rendimentos prediais;
    Categoria G – Incrementos patrimoniais;
    Categoria H – Pensões.”
  • O nº 2 do artigo supracitado menciona ainda que “os rendimentos, quer em dinheiro quer em espécie, ficam sujeitos a tributação, seja qual for o local onde se obtenham, a moeda e a forma por que sejam auferidos.”

Conheça ainda: Todos os impostos na compra de imóvel

Aprofundando um pouco mais o conceito de IRS, este imposto tem seis características essenciais:

  • É pessoal, uma vez que tem em conta a sua situação socioeconómica e do seu agregado familiar, nomeadamente quanto ao estado civil, número de dependentes ou património em seu nome, por exemplo;
  • É progressivo, ou seja, é taxado conforme o escalão no qual o contribuinte se insere: quanto mais elevado o nível de rendimento, maior será a taxa a aplicar;
  • É diretamente aplicado ao rendimento de um contribuinte;
  • É anual, ou seja, recai sobre os rendimentos obtidos durante um ano;
  • É taxado consoante as declarações de rendimentos dos contribuintes;
  • É aplicado à totalidade dos rendimentos dos residentes em Portugal e dos rendimentos de não residentes que tenham sido obtidos no nosso país.

Saiba mais: Tabelas IRS | Será que vai receber mais este ano?

Se quiser saber ainda mais sobre IRS, como, por exemplo, as deduções que poderá incluir na declaração ou quanto poderá receber de reembolso, veja o ebook que criámos para ajudar os contribuintes a perceber este tema de A a Z:

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?

Como fazer o IRS 2021?

Se quer preencher e entregar a sua declaração de IRS 2021 mas não sabe por onde começar, então veja os 5 passos que apresentamos a seguir:

Como preencher e entregar o IRS 2021?

O primeiro passo será aceder ao Portal das Finanças. Atualmente, apenas é possível entregar o IRS online, pelo que deve certificar-se de que tem os seus dados de acesso (NIF e senha) para entrar no Portal.

Caso seja um novo utilizador, deve efetuar o registo e aguardar que lhe seja enviada a senha de acesso para a sua morada.

#2 – Verificar valores e reclamar faturas

O prazo para a submissão de faturas no portal das Finanças, relativas ao ano de 2020, venceu no passado dia 25 de fevereiro.

Até ao dia 15 de março, a Autoridade Tributária Aduaneira (AT) disponibilizará os montantes das deduções à coleta, proporcionados pelas despesas comprovadas por fatura e outros documentos. Para aceder a esta informação basta selecionar a opção “Consultar Despesas P/ Deduções à Coleta” no menu visível do lado esquerdo na sua página pessoal no Portal das Finanças.

Para além das despesas validadas por faturas, é nesta secção que pode aceder a outros gastos dedutíveis no IRS dispensados de passar fatura, tais como juros de crédito à habitação, taxas moderadoras e propinas escolares.

Os encargos com juros de créditos para aquisição de habitação própria e permanente contraídos a partir de 2011 não são dedutíveis em sede de IRS, bem como os juros de contratos com a mesma finalidade celebrados até 2011, mas que foram transferidos após esta data.

Caso não concorde com os valores das deduções, pode apresentar uma reclamação junto desta entidade até ao dia 31 de março.

É importante que se certifique de que todas as faturas inseridas no Portal e todos os valores deduzidos estão corretos antes de proceder ao preenchimento e submissão da declaração, uma vez que estes se refletirão no que vai receber ou pagar de IRS.

Leia também: Como preencher recibos verdes? Descubra ainda as novas regras

#3 – Preencher declaração

  1. Para preencher a sua declaração do IRS 2021 basta escolher a opção “Cidadãos” quando aceder ao Portal das Finanças, que redireciona-lo-á para uma nova página na qual está presente a opção do IRS.

  2. Pode optar pela declaração tradicional ou pelo IRS automático, sendo que este último torna o processo menos demorado e aborrecido, uma vez que a declaração vem já preenchida sendo apenas necessário confirmar os dados nesta presentes.

  3. No ano de 2019, o IRS automático foi alargado aos contribuintes que têm Planos Poupança Reforma (PPR) ou Certificados de Reforma, pelo que também terão esse campo pré-preenchido, podendo usufruir desta funcionalidade.

Descubra: Como pedir a reforma corretamente?

Se estiver abrangido pelas situações em que pode escolher o IRS automático, deve selecionar a opção “Confirmar Declaração” e verificar se todos os dados preenchidos estão corretos. Após a confirmação dos dados, verifique a simulação e submeta a que lhe for mais favorável.

  • No caso de estar em união de facto, é-lhe vantajoso simular o IRS em conjunto e em separado para perceber em qual das modalidades de entrega o reembolso é superior.
  • Caso não lhe seja permitido optar pelo IRS automático ou caso necessite de corrigir alguma informação, deve optar pela entrega de declaração tradicional e seguir os passos mencionados no Portal para o preenchimento da mesma.
  • Veja o vídeo disponibilizado pelo portal ePortugal para compreender melhor este passo:

#4 – Validar e entregar IRS 2021

Após o preenchimento da declaração (caso opte pela tradicional) ou da confirmação de que os dados do seu IRS automático estão corretos, clique na opção “validar”. Após validada, pode proceder à simulação para tomar conhecimento do valor a pagar ou a receber. Feitos ambos os passos, basta submeter a sua declaração, guardando ou imprimindo o comprovativo do envio da mesma.

A sua declaração de IRS 2021 tem de ser entregue entre 1 de abril e 30 de junho de 2021. Este prazo abrange todos os contribuintes, quer sejam trabalhadores independentes ou por conta de outrem.

Informe-se ainda: Em que situações é possível ter isenção de IMT?

#5 – Obter comprovativo

Dois dias após a submissão da sua declaração sugerimos que consulte o estado da mesma para confirmar que a informação foi devidamente enviada. Caso detete alguma irregularidade, tem a possibilidade de corrigir selecionando a opção “IRS – Corrigir”.

Uma vez atingido o estado de “Aprovado”, deve obter o comprovativo para guardar ou imprimir a sua declaração. A obtenção do comprovativo é feita no Portal das Finanças, na mesma área em que entregou a sua declaração.

Leia também:  Como Saber Que O Amor Acabou?

Não deixe a entrega da sua declaração de IRS 2021 para a última da hora. Normalmente, os últimos dias do prazo de entrega têm maior afluência no Portal das Finanças, o que pode dificultar o processo.

App eFatura

Apesar de já existir desde 2013, a app eFatura tem ganho crescente popularidade entre os contribuintes. Desenvolvida por dois programadores, esta aplicação permite que os utilizadores giram as suas contas do portal e-Fatura através do telemóvel.

  1. Com esta app pode confirmar e verificar as suas faturas, de forma rápida e fácil, em qualquer lugar, desde que tenha um smartphone ou um tablet e acesso à internet.
  2. Para além disso, esta aplicação permite ter conhecimento do montante que já gastou em diversos setores, permitindo fazer uma melhor gestão do orçamento familiar.
  3. Pode ainda, mediante o pagamento de uma pequena quantia, colocar todos os NIFs e senhas do agregado familiar e ter acesso ao conjunto de todas as deduções, bem como ao estado das faturas de cada membro.

Embora existam algumas polémicas sobre o facto de esta aplicação não ser oficial da Autoridade Tributária, os dois fundadores da mesma garantem que a aplicação é segura e que em momento algum têm acesso aos seus dados privados. Esta app é apenas um instrumento para aceder aos dados do portal E-Fatura no seu telemóvel, tal como faz no browser do seu computador.

Os programadores afirmam que não viola qualquer direito à privacidade, mas, no entanto, cabe a cada consumidor avaliar por si e decidir se opta por utilizá-la ou não.

Fique a par: 6 Apps de bancos para manter as finanças em ordem

Datas a não esquecer

De acordo com o documento das obrigações declarativas 2021, disponibilizado pela Autoridade Tributária, eis as datas importantes do IRS 2021 que deve apontar:

1 a 15 de março Entre esta data são disponibilizados os montantes das deduções à coleta proporcionados pelas faturas validadas.
15 a 31 de março Período no qual pode reclamar os valores das deduções à coleta, caso não concorde.
1 de abril a 30 de junho Entrega da declaração de IRS 2021, referente aos rendimentos de 2020, aplicável a todos os contribuintes.
Até dia 31 de julho Envio da Nota de Liquidação do IRS pela Autoridade Tributária, documento no qual é mostrado como foi calculado o seu imposto. Este é também o prazo limite para receber o seu reembolso, caso tenha entregue a declaração dentro dos prazos previstos.
Até 31 de agosto Prazo para pagar imposto adicional ao Estado, caso tenha de fazê-lo.

Nota de liquidação do IRS: tudo o que precisa de saber

O preenchimento da declaração de IRS é uma obrigação anual para a maioria dos contribuintes. Associado a esta entrega, existe um documento chamado de nota de liquidação do IRS.

Como Saber Quanto Vou Receber De Irs No Portal Das Financas?Na nota de liquidação do IRS é possível ver se vai receber um reembolso de IRS, se ainda tem algum valor a pagar ou se não tem nada a pagar ou a receber. (© Unsplash)

Este artigo explica-lhe o que á a nota de liquidação, como a obter através da internet e como entender a nota de liquidação de IRS.

O que é a nota de liquidação do IRS

Depois de preenchida a declaração de IRS, é enviada para os contribuintes a nota de liquidação de IRS, um documento que demonstra os cálculos realizados pelas Finanças para determinar se já pagou o montante de IRS devido. Para criar este documento são usados os dados que inseriu na declaração, bem como outros dados que já estavam na Autoridade Tributária.

Na nota de liquidação do IRS é possível ver se vai receber um reembolso de IRS, se ainda tem algum valor a pagar ou se não tem nada a pagar ou a receber. Este documento é enviado por correio para o contribuinte, mas também pode obtê-lo através da internet.

É importante referir a diferença existente entre a nota de liquidação do IRS e a situação de “liquidação em processamento”, que indica que a Autoridade Tributária está a tratar do processo de liquidação de IRS para um contribuinte.

Como obter a nota de liquidação online

Para obter a nota de liquidação online, precisa de seguir estes passos:

  • Entre no Portal das Finanças e inicie sessão ao inserir o seu NIF e a sua palavra-passe;
  • Assim que estiver na sua área pessoal, vá à coluna que aparece à esquerda e clique em “Todos os Serviços”;
  • Vai aparecer uma página com uma lista bastante grande, procure pela parte que diz “Documentos” e um pouco em baixo, abaixo do ponto “Certidões”, clique em “Pedir Certidão”;
  • Na nova página, carregue no menu desdobrável que aparece e escolha a opção “Liquidação de IRS”;
  • Insira o ano da liquidação que pretende;
  • Depois vai aparecer uma mensagem que diz “Pedido de Certificação de Liquidação de IRS” e deve clicar no botão “Obter”;
  • Descarregue o ficheiro para o seu computador.

Como consultar a certidão de nota de liquidação ativa

Pode já ter feito um pedido de certidão, mas desejar consultar novamente essa certidão (pode ter apagado o ficheiro do seu computador, por exemplo. Para isso, não deve seguir os passos anteriores. Em vez disso, deve fazer uma consulta. Para o fazer, deve seguir estes passos:

  • Entre na sua área pessoal no Portal das Finanças e clique em “Todos os Serviços”;
  • Em baixo do subtítulo “Documentos” vai encontrar um ponto “Certidões” e nesse existe um subponto que diz “Consultar”, clique nele;
  • Na nova página, onde diz “Certidão”, escolha “Liquidação de IRS” no menu desdobrável e no menu desdobrável de baixo escolha “Ativa”. Clique em “Continuar”;
  • Ser-lhe-á mostrada uma lista com as certidões emitidas. Clique em “Obter” para a que pretender descarregar.

Como ler a nota de liquidação de IRS

Uma nota de liquidação de IRS contém várias parcelas. É importante perceber o que são essas parcelas para conseguir perceber o documento. Estas são:

  • Rendimento global – É a soma dos rendimentos que o contribuinte obteve.
  • Deduções específicas – É um valor que se retira ao rendimento global, que pode ser fixo ou depender de despesas realizadas, em função do caso.
  • Perdas a recuperar – Refere-se a situações em que existiram perdas como quando os senhorios têm mais despesas do que ganhos com rendas, por exemplo.
  • Rendimento coletável – É o rendimento que resulta dos pontos anteriores e que determina a taxa de imposto a ser aplicada.
  • Rendimentos isentos englobados para determinação da taxa – São rendimentos de alguns trabalhos específicos como das pessoas que trabalham para missões diplomáticas ou ao abrigo de acordos de cooperação.
  • Coeficiente conjugal – Este é o número que divide o rendimento pelo número de contribuintes, pode ser 1 ou 2. Para as pessoas casadas ou em união de facto que declaram conjuntamente, o rendimento é dividido por 2. Para os restantes casos, é 1.
  • Importância apurada e parcela a abater – Estas dependem do rendimento. Quanto mais elevado for o rendimento do contribuinte, maior será a taxa.
  • Imposto relativo a tributações autónomas – Alguns rendimentos podem ser tributados de forma autónoma. Desta forma, estes não são somados aos demais e é cobrada uma taxa única e definitiva.
  • Coleta total – Representa o valor que o contribuinte tinha que pagar caso não existissem deduções à coleta ou retenções na fonte.
  • Deduções à coleta – É o valor de despesas que é subtraído ao montante de imposto a pagar.
  • Benefício municipal – Existem alguns municípios que entregam uma parte da receita de IRS a que têm direito. Esse valor pode, no máximo, chegar aos 5%.
  • Acréscimos à coleta – É uma penalização a pagar pelo levantamento de investimentos em aplicações que conferem benefício fiscal.
  • Coleta líquida – O valor de IRS que o contribuinte terá que pagar efetivamente.
  • Pagamentos por conta – São os valores dos pagamentos antecipados de imposto realizados pelos trabalhadores independentes que não fizeram retenções na fonte suficientes nos anos anteriores. Estes valores subtraem-se ao valor a pagar.
  • Retenções na fonte – O imposto retido quando se obtém um rendimento. É subtraído ao montante a pagar.
  • Imposto apurado – É o montante a pagar ou e ser reembolsado se não houver nada nos campos abaixo.
  • Juros de retenção-poupança – É um montante que o Fisco deve ao contribuinte por lhe ter cobrado imposto a mais no ano anterior.
  • Valor a reembolsar – O valor a ser pago ao contribuinte.
Leia também:  Como Dizer A Uma Rapariga Que Gosto Dela?

IRS de 2019: já pode saber quanto vai receber de reembolso em 2020

Apesar de a entrega do IRS só começar no dia 1 de abril, estendendo-se até 30 de junho, a Autoridade Tributária (AT) já disponibilizou, no Portal das Finanças, a declaração Modelo 3 e o IRS Automático (para quem está abrangido por esta funcionalidade) na página pessoal deste imposto de cada contribuinte.

Desta forma, já é possível entregar o IRS de 2019 e ficar a saber o valor do reembolso ou do imposto adicional a pagar ao Estado, consoante o caso. Pode aceder aqui à sua página pessoal do IRS. Para entrar tem de inserir o seu Número de Identificação Fiscal (NIF) e a sua senha de acesso do Portal das Finanças.

Finalmente, clique na opção pretendida: “IRS Automático” ou “Entregar Declaração”.

Alguns cuidados a ter na entrega do IRS

Mas não se precipite na entrega do IRS. Oficialmente, só o poderá fazer a partir de 1 de abril. No entanto, os especialistas recomendam que a submissão do imposto não seja efetuada nos primeiros 15 dias. E porquê? “Não podemos esquecer que todos os anos esta declaração é alvo de alterações, e estas implicam testes.

Se fizermos a entrega nos primeiros dias, é importante ter em consideração que este é um período em que a própria declaração está a ser testada pelos serviços da AT”, alerta Sónia Martins Arêde, especialista em Direito Fiscal da sociedade de advogados PRA-Raposo, Sá Miranda & Associados.

Conheça outros cuidados a ter na entrega do IRS de 2019

Além disso, conforme esclarece a AT, “não há vantagem em entregar a declaração de IRS logo nos primeiros dias de abril, pois — tal como em todos os anos — o processamento generalizado das declarações não se inicia de imediato, sendo conveniente fazê-lo mais tarde para evitar eventuais dificuldades de acesso ao Portal das Finanças”.

Pode, contudo, ir adiantando trabalho, verificando, por exemplo, se os dados que constam na declaração Modelo 3 ou no IRS Automático estão corretos. Tome nota que, caso necessite de fazer correções, só poderá fazê-las na Modelo 3.

Assim, se estiver abrangido pelo IRS Automático, terá de prescindir desta funcionalidade e optar pela Modelo 3. Não se esqueça também de confirmar se o seu agregado familiar está correto e se constam todas as despesas dedutíveis.

Apelo aos contribuintes mais idosos

Lembrando que o prazo de entrega do IRS decorre até 30 de junho, a AT apela ainda a que “os contribuintes não saiam de casa para procurar apoio no preenchimento da declaração de IRS, sobretudo os mais idosos”.  Saiba como tratar dos seus impostos durante a pandemia da Covid-19

Como consultar o reembolso

IRS Automático

Ao aceder ao seu IRS Automático, ficará imediatamente a saber quanto irá receber de reembolso ou pagar de imposto adicional em 2020, relativo ao IRS de 2019. No caso dos casais ou unidos de facto são apresentadas duas liquidações do imposto: uma para a tributação conjunta e outra para a tributação separada.

Declaração Modelo 3

Quem tiver de entregar a declaração Modelo 3 também poderá saber o valor de um eventual reembolso ou imposto adicional a pagar. Para tal, basta utilizar a opção de simulação da declaração. Veja como preencher a declaração Modelo 3, passo a passo

Quando é pago

O prazo limite para receber o reembolso de IRS é 31 de agosto. No entanto, nos últimos anos, este pagamento tem sido muito mais célere. Em 2019, o prazo foi de 11 dias.

Mas, este ano, o reembolso pode demorar mais tempo a chegar às contas bancárias dos contribuintes, em consequência dos constrangimentos causados pela pandemia da Covid-19.

 Saiba como acompanhar o processamento do seu reembolso

Simuladores para o seu IRS de 2021

A entrega da declaração de IRS decorre de 1 de abril a 30 de junho para todos os contribuintes e tem de ser feita, como nos últimos anos, obrigatoriamente através da internet. 

Para facilitar o processo, os contribuintes que tenham rendimentos exclusivamente de trabalho dependente ou pensões, com ou sem dependentes, podem ser abrangidos pelo IRS automático, desde que não tenham pensão de alimentos ou benefícios fiscais.

Quem não estiver abrangido ou não pretenda o IRS automático, deve seguir os procedimentos habituais de preenchimento. Para além de verificar as despesas, que teve de validar previamente no portal E-Fatura, precisa também de declarar os investimentos, se for caso disso.

É este ano que as tabelas de retenção na fonte do ano passado podem ter algum efeito no reembolso de IRS. As mudanças maiores deverão acontecer no próximo ano, uma vez que o Governo baixou 2%, em média, a retenção mensal a aplicar aos salários de 2021. Isto significa que em 2022 o acerto do IRS vai ser influenciado por essa menor retenção na fonte.

Se são demasiadas contas para fazer de cabeça, experimente estes simuladores para ter uma previsão do que pode ser o seu IRS:

  1. Simulador do Portal das Finanças

A Autoridade Tributária e Aduaneira tem disponível no Portal das Finanças um simulador relativo ao IRS. Basta aceder através desta página e descarregar a aplicação.

A consultora PWC disponibiliza no site um simulador que permite estimar o IRS devido, relativamente ao ano de 2020, e comparar a diferença do rendimento líquido. Basta fazer o download aqui. 

A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas também apresenta no seu site um simulador de IRS todos os anos. E divulga ainda na mesma página todas as deduções que as pessoas ou famílias podem fazer no IRS.

É importante lembrar que os simuladores dão apenas exemplos aproximados, de acordo com os dados introduzidos. Encare o resultado da simulação como uma hipótese e não como um valor garantido de reembolso, para gerir as suas próprias expectativas. 

Se tiver IRS automático, poderá receber o reembolso no prazo de 15 dias. Senão, o prazo limite é até 31 de julho se tiver dinheiro a receber. Se tiver de pagar, pode fazê-lo até 31 de agosto.

E não se esqueça. Vá pedindo fatura em todas as suas compras, para garantir que tem o máximo de deduções possível e um reembolso de IRS maior.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*