Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

versões modernas do Windows – e outros sistemas operacionais – pode usar o registro mestre de inicialização mais antigo (MBR) ou mais recente tabela de partição GUID (GPT) para seus esquemas de partição. Aqui está como verificar qual deles um disco está usando e converter entre os dois.

Estas são apenas maneiras diferentes de armazenar a tabela de partição em uma unidade. O GPT é mais moderno e é necessário para inicializar sistemas Windows no modo UEFI. O MBR é necessário para inicializar sistemas Windows mais antigos no modo BIOS, embora a versão de 64 bits do Windows 7 também possa ser inicializada no modo UEFI

Como verificar qual tabela de partição seu disco está usando

Para verificar qual tabela de partição disco está usando, você tem duas opções: Você pode usar a ferramenta de gerenciamento de disco gráfico do Windows ou usar a linha de comando.

Opção 1: usar a ferramenta de gerenciamento de disco

RELATED: Qual é a diferença entre GPT e MBR ao particionar uma unidade?

Você pode exibir essas informações na ferramenta Gerenciamento de impressão digital incluída no Windows. Para acessá-lo, clique com o botão direito do mouse no menu Iniciar ou pressione a tecla Windows + X e selecione “Gerenciamento de Disco”. Você também pode pressionar a tecla Windows + R para abrir a caixa de diálogo Executar, digite “diskmgmt.msc” na caixa e pressione Enter. .

Localize o disco que você deseja verificar na janela Gerenciamento de Disco. Clique com o botão direito do mouse e selecione “Propriedades”.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Clique na guia “Volumes”. À direita de “Estilo de partição”, você verá “Master Boot Record (MBR)” ou “GUID Partition Table (GPT)”, dependendo de qual disco está usando.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Opção 2: usar o comando Diskpart

Você também pode verificar usando o comando diskpart padrão em uma janela do Prompt de Comando.

Primeiro, inicie uma janela de Prompt de Comando como Administrador clicando com o botão direito do mouse no botão Iniciar ou pressionando a tecla Windows + X e selecionando “Prompt de Comando (Admin)”.

Você também pode localizar o atalho do Prompt de Comando no menu Iniciar, clique com o botão direito nele. e selecione “Executar como administrador”.

Digite os dois comandos a seguir, pressionando Enter após cada um:

diskpartlist disk

Você verá uma tabela listando seus discos conectados. Se um disco for GPT, ele terá um asterisco (que é um caractere *) na coluna “Gpt”. Se for um disco MBR, ele ficará em branco na coluna Gpt.

Por exemplo, na captura de tela abaixo, Disco 0 e Disco 1 são discos GPT, enquanto Disco 2 é um disco MBR.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Como converter Entre MBR e GPT: Faça backup e limpe seu disco

Para converter um disco de MBR para GPT, ou de GPT para MBR, você terá que limpar primeiro o conteúdo do disco. Antes de continuar, faça backup de todos os dados no disco. Os processos de conversão abaixo irão limpar o disco de todos os seus dados e tabelas de partição, e então você irá convertê-lo para o novo tipo de esquema de partição e configurá-lo novamente do zero.

Tecnicamente, esta não é a única maneira para converter entre discos.

Alguns programas de gerenciamento de partições de terceiros prometem que podem converter MBR para GPT e GPT para MBR sem perda de dados.

No entanto, estes não são oficialmente suportados pela Microsoft, e você gostaria de fazer backup de seus dados antes de executar esses programas de qualquer maneira no caso de você perder alguma coisa.

Recomendamos fazer o backup da unidade, limpar os dados e mover qualquer dados necessários de volta. Pode demorar um pouco mais do que usar um recurso de conversão, mas essa é a maneira oficialmente suportada e você tem a garantia de não encontrar problemas de partição nem perda de dados.

Opção 1: Usar gerenciamento de disco

Lembrar , faça backup de todos os dados no disco antes de continuar ! Isso apagará todos os dados no disco que você escolheu converter!

Para converter um disco em um esquema de partição diferente, localize o disco no Gerenciamento de Disco. Clique com o botão direito em qualquer partição na unidade e selecione “Delete Volume” ou “Delete Partition” para removê-las. Repita esse processo para cada partição nesse disco.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Quando todas as partições forem removidas do disco, clique com o botão direito do mouse no disco em Gerenciamento de disco e selecione “Converter em disco GPT” ou “Converter em disco MBR”. A opção só estará disponível quando todas as partições tiverem sido apagadas.

Depois de fazer isso, você pode criar uma ou mais partições no disco a partir da janela Gerenciamento de disco. Basta clicar com o botão direito dentro do espaço não alocado e criar uma ou mais novas partições. Você pode mover os dados que você fez backup para as novas partições, se desejar.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Opção 2: Usar o comando Diskpart

RELATED: Como “limpar” uma unidade flash, cartão SD ou Unidade Interna para Corrigir Problemas de Partição e Capacidade

Você também pode fazer isso com o comando diskpart em uma janela do Prompt de Comando. Isso pode ser necessário em alguns casos, pois o comando diskpart clean permitirá que você modifique partições e discos que pareçam bloqueados e não modificáveis ​​na ferramenta gráfica de Gerenciamento de Disco.

Lembre-se, faça backup de todos os dados no disco antes de continuar ! Isso apagará todos os dados no disco que você escolheu converter!

Primeiro, inicie uma janela do Prompt de Comando como Administrador. Digite os seguintes comandos na janela Prompt de Comando, um após o outro:

diskpartlist diskComo Saber Qual Partição Esta O Windows?

Você verá uma lista dos discos em seu computador. Anote o número do disco que você deseja converter. Você pode identificar os discos por seus tamanhos.

Agora, digite os seguintes comandos um após o outro, pressionando Enter após cada e substituindo “#” pelo número do disco que você deseja converter. O comando “clean” limpará o conteúdo do disco e seus registros de partição, portanto, tenha muito cuidado ao selecionar o número de disco correto!

select disk #cleanComo Saber Qual Partição Esta O Windows?

Agora, digite um dos seguintes comandos para converta o sistema de partições do disco para MBR ou GPT, dependendo do que você desejar.

Para converter o disco de MBR para GPT:

converter gpt

Para converter o disco de GPT para MBR:

converter mbrComo Saber Qual Partição Esta O Windows?

Agora você terminou e pode usar a janela Gerenciamento de disco para criar partições no disco ou até mesmo usar outros comandos de diskpart no prompt de comando para criar essas partições. Você pode mover os dados que você fez backup para as novas partições, se você quiser…

Novamente, existem maneiras de converter entre MBR e GPT sem limpar a teoria do disco, pelo menos. Mas não podemos verificar a confiabilidade dessas ferramentas de terceiros em todas as situações, então, em geral, é melhor usar o método oficialmente suportado que limpa o disco. Pode demorar um pouco mais, mas é garantido que funcionará corretamente.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Como copiar ou mover uma planilha para outra pasta de trabalho no Excel

Pode haver momentos em que você precisa copiar ou mover uma planilha para outra pasta de trabalho no Excel ou fazer uma cópia de uma planilha a mesma pasta de trabalho. Talvez você queira fazer alterações, mas preservar a planilha original. Primeiro, mostraremos como copiar uma planilha de uma pasta de trabalho para outra, seja uma pasta de trabalho existente ou uma nova.

(how-to)

Como verificar e converter disco rígido GPT ou MBR no Windows 10

O MBR foi introduzido pela primeira vez pela IBM em 1993, que instantaneamente se tornou um método popular para particionar unidades. MBR tem duas limitações que o levaram ao seu fim. Você não pode particionar unidades maiores que 2 TB e não pode criar mais de 4 partições lógicas. É por isso que os PCs com Windows vêm com tamanho de armazenamento Até 2 TB máx.

É aqui que entra o GPT. À medida que as unidades aumentam de tamanho, surge a necessidade de um sistema de partição que possa lidar com unidades maiores com mais partições lógicas.

O formato GPT pode lidar com até 128 partições em um disco rígido Exabyte 18. Isso é 1 milhão de terabytes.

Desnecessário dizer que a GPT veio para ficar por um longo tempo, embora a maioria dos usuários casuais nunca sinta a necessidade de usar uma unidade tão grande ou tantas partições. Estou feliz com apenas 4.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Enquanto as unidades MBR vêm com BIOS, as unidades GPT vêm com interface UEFI. O MBR também dificulta a recuperação de arquivos perdidos.

Confuso?

Aqui está a versão curta. Você deve usar o GPT porque tem uma interface moderna, e seu computador pode rodar mais rápido, especialmente se você usar drives SSD, não se danifica facilmente e os arquivos são fáceis de recuperar.

Você só deve usar o MBR se tiver que usar um sistema operacional antigo como o Windows XP ou mais antigo; caso contrário, use apenas o GPT.

Meu disco é MBR ou GPT?

Muitas pessoas ainda usam computadores e sistemas operacionais antigos. Na realidade , Um relatório recente indica Indica que 49% de todos os computadores Windows executam o Windows 10. Isso significa que muitos de vocês ainda estão usando o Windows 8 ou anterior, o que significa que há uma grande chance de que sua unidade seja formatada com MBR.

Como minha unidade foi particionada? Existem 4 maneiras de descobrir

1. Gerenciamento de dispositivos

Feche todas as janelas e quando estiver na área de trabalho, pressione “Tecla Windows” + “X” e selecione a opção Gerenciamento de disco. Quando ele abrir, clique com o botão direito na unidade e selecione Propriedades. Selecione a guia Pastas e você descobrirá se seu disco rígido / SSD está particionado usando o sistema MBR ou GPT.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

2. Gerenciador de dispositivos

Você também pode usar o Gerenciador de dispositivos para ver se sua unidade foi particionada usando MBR ou GPT. Para fazer isso, pressione “Tecla Windows” + “R” para abrir Executar.

Leia também:  Como Saber Que Seu Amigo Gosta De Voce?

Quando ele abrir, digite devmgmt.msc e pressione Enter para abrir o Gerenciador de Dispositivos.

Alternativamente, você também pode pressionar a tecla Windows + atalho X para abrir um menu oculto e clicar em Gerenciador de Dispositivos.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Expanda a opção de unidades aqui e uma lista de todas as unidades que você tem aparecerá. Eu tenho somente um. Clique duas vezes na unidade para abrir um pop-up. Na coluna Volumes, clique no botão Preencher para saber como particionar sua unidade.

3. Prompt de Comando

Para quem gosta, ou melhor, use o Prompt de Comando, existe um comando simples para ver se seu disco está particionado usando MBR ou GPT.

Execute o Prompt de Comando pesquisando-o no Windows ou usando o comando “Executar”. Para usar o último, pressione a “tecla Windows” + “R”, digite cmd e pressione Enter.

Quando o prompt de comando for iniciado, digite “diskpart” e “list disk” em uma nova linha e pressione Enter.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Se a sua unidade for particionada usando GPT, haverá um asterisco (*) na coluna GPT. Se não houver asterisco, saiba que sua unidade foi particionada com MBR.

4. PowerShell

O PowerShell é mais poderoso do que o Prompt de Comando. Na verdade, acho que a Microsoft em breve removerá completamente o Prompt de Comando.

Pressione “tecla Windows” + “X” para revelar o menu oculto e selecione PowerShell de lá para iniciá-lo. Ao contrário do Prompt de Comando, que tem um fundo preto, o PowerShell tem um fundo azul.

Assim que abrir, digite Get-Disk e pressione Enter.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Agora que você sabe a diferença entre o estilo dos dois formatos, a importância deles e como descobrir qual formato de unidade usa, vamos ver como você pode alterar o formato da unidade.

Como alterar o formato da partição de MBR para GPT

Obviamente, o GPT é o caminho a seguir e, se ainda estiver usando o MBR em um dos discos rígidos do seu computador, você deve considerar convertê-lo para o formato GPT. Como fazemos isso? Aqui estão duas maneiras de converter qualquer disco rígido ou SSD de MBR para GPT.

1. MBR2GPT

Se estiver usando o Windows 10 no computador, você já tem a ferramenta MBR2GPT instalada. O utilitário é desenvolvido internamente pela Microsoft e é fornecido com todos os computadores que possuem uma atualização do Creator.

Caso você esteja se perguntando, este é o V1703. Você pode descobrir o seu número de compilação digitando “winver” no “Prompt de Comando” (tecla do Windows + R). Se você ainda não atualizou, este é outro motivo pelo qual deve fazê-lo.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

O principal benefício da ferramenta MBR2GPT é que ela converterá a partição da unidade de MBR para GPT sem excluir dados ou arquivos. Ainda recomendo a todos que façam backup de todos os seus arquivos e dados, apenas no caso de ocorrer um erro inesperado. Existem duas maneiras de operar esta ferramenta.

Você pode executá-lo a partir do Windows PE (ambiente de pré-instalação) ou do sistema operacional completo, usando o comando dedicated / allowFullOS. O arquivo .exe está localizado na pasta System32, mas você pode procurá-lo usando o recurso Pesquisa do Windows.

Não há necessidade de se aprofundar na estrutura de pastas.

Antes de começar, certifique-se de que os seguintes requisitos sejam atendidos, os quais são essenciais para a ferramenta funcionar corretamente:

  • O disco está no formato MBR
  • É um disco interno e não um disco rígido externo
  • Atualmente, não há mais do que 3 seções
  • Uma partição é para o sistema e está ativa
  • Não há seção estendida ou lógica
  • A partição do sistema contém um armazenamento BCD com uma entrada do sistema operacional padrão apontando para a partição do sistema operacional

Agora, inicie o Prompt de Comando com direitos de administrador. Para fazer isso, pesquise por CMD na pesquisa do Windows, clique com o botão direito e selecione Executar como administrador. Você deve ver um administrador na cabeça ao abrir a janela do Prompt de Comando.

  Como acessar rapidamente categorias ocultas da Netflix no ChromeComo Saber Qual Partição Esta O Windows?

Ele primeiro validará o disco que você deseja converter de MBR em GPT, conforme mostrado na captura de tela acima. Para fazer isso, digite o comando abaixo:

mbr2gpt /validate /disk:[enter your disk number]/allowFullOS

  • Para iniciar o processo de conversão de MBR em GPT, você deve inserir o seguinte comando no prompt de comando:
  • Se você estiver usando o tipo WinPE: mbr2gpt / convert / disk: [insira o número do seu disco]
  • Se você estiver usando o Windows 10, digite: mbr2gpt / convert / disk: [insira o número do seu disco] / allowfullOS

Observe que você não o usará BIOS Mais, mas em vez UEFI Portanto, certifique-se de que seu sistema suporte UEFI antes mesmo de começar. Depois de concluir a conversão, você terá que fazer a alteração manualmente.

Para fazer isso no Windows 10, pressione a “tecla Windows” + “I” para iniciar as Configurações e vá para Iniciar Atualização e Segurança – Recuperação – Avançado e clique em Reiniciar.

Ao reiniciar o computador, você verá uma tela azul onde mudará o tipo de inicialização do BIOS (MBR) para UEFI (GPT). Você precisa reiniciar novamente para ver a alteração entrar em vigor.

A Microsoft criou um vídeo muito informativo sobre o assunto que recomendo que você assista na íntegra antes de prosseguir com a conversão.

2. Assistente de partição MiniTool

Se você não estiver usando o Windows 10 com a Atualização de Criadores, deverá usar outra ferramenta de terceiros para alterar o estilo de partição do formato MBR para o GPT.

Uma das ferramentas mais populares é Assistente de Partição do MiniTool. Esta pequena ferramenta bacana é gratuita e compatível com o Windows 7/8/10. Para os fins deste guia, a versão gratuita é boa o suficiente.

Você tem que baixar e instalar.

Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

Quando o Assistente de partição MiniTool abrir, clique em Gerenciamento de disco e partição. Agora, basta clicar com o botão direito do mouse no disco que deseja converter e selecionar Converter disco MBR em disco GPT. Clique em Aplicar para iniciar o processo.

MBR ou / e GPT

Agora você sabe o que é particionar MBR e GPT e como o último supera o MBR de todas as maneiras imagináveis. Não apenas o Windows, mas o macOS da Apple usam o método de partição GPT. Você pode facilmente converter Unidade de disco Divisor MBR para GPT usando um dos métodos acima. Embora nenhum backup seja necessário, sugiro que você aja de qualquer maneira.

Поиск и устранение неисправностей, связанных с защищенным разделом GPT | Seagate Поддержка Россия

Иногда после подключения внутреннего или внешнего диска служба управления дисками Windows сообщает, что на нём есть раздел, защищенный GPT (то есть накопитель нельзя ни отформатировать, ни заново разбить на разделы). В данной статье описано, как решить эту проблему.

Что такое GPT-накопитель?

Таблица разделов GUID Partition Table (GPT) — это стандарт формата размещения таблиц разделов на жестких дисках, который является частью расширяемого микропрограммного интерфейса (Extensible Firmware Interface, EFI), пришедшего на смену BIOS. GPT обеспечивает большую гибкость по сравнению с главной загрузочной записью (Master Boot Record, MBR), которая традиционно использовалась для разбиения дисков на разделы в ПК.

Раздел — это часть памяти физического или логического накопителя, состоящая из смежных блоков и функционирующая как отдельный диск. Микропрограммы и операционные системы (ОС) работают именно с разделами. На включенном компьютере доступом к разделу сначала управляет системная микропрограмма, а после загрузки ОС эта функция передается операционной системе.

Таблицу разделов GUID Partition Table (GPT) поддерживают Microsoft Windows XP x64 Edition, 64-разрядная версия Windows Server 2003, все версии Windows Server 2003 с пакетом обновления 1 (SP1), Windows Vista, Windows 7 и более поздние версии ОС Windows.

Стандарт GPT Partition был разработан, чтобы обойти проблему ограничения размера раздела в MBR, которое составляет 2 ТБ. При использовании GPT размер раздела может быть больше.

Примечание. Подробную информацию о разделах, защищенных GPT, читайте в справочном центре Microsoft на страницеhttps://docs.microsoft.com/en-us/windows-hardware/manufacture/desktop/windows-and-gpt-faq

Начиная с версии 10.4.6, операционная система macOS (прежнее название — Mac OS X) также поддерживает таблицу разделов GUID Partition Table (GPT). Все компьютеры Mac с процессорами Intel требуют наличия раздела GPT на загрузочном томе (независимо от того, какой используется диск — внешний или внутренний).

Иногда при подключении внутреннего или внешнего жесткого диска к компьютеру с 32-разрядной ОС Windows XP (или более поздней версией ОС Windows) оказывается, что накопитель недоступен, а служба управления дисками сообщает о наличии раздела, защищенного GPT. Такой накопитель нельзя отформатировать или заново разбить на разделы, поскольку он уже отформатирован на компьютере Windows или Macintosh с созданием раздела GPT.

Эту проблему нельзя решить обычными средствами службы управления дисками, поэтому в таких случаях следует использовать утилиту командной строки Windows diskpart. Ниже описано, как удалить защищенный GPT раздел с жесткого диска, подключенного к компьютеру с 32-разрядной ОС Windows XP (или более поздней версией ОС Windows).

 После выполнения инструкций с диска будут удалены все данные. При этом удаляется не только раздел, но и подпись диска. Перед выполнением этих действий настоятельно рекомендуется создать резервные копии всех важных данных. Обязательно запустите службу управления дисками и запишите номер диска с разделом, защищенным GPT: эта информация вам понадобится позже.

  1. Определите номер диска с разделом, защищенным GPT.
    1. Щелкните правой кнопкой мыши по значку «(My) Computer» ((Мой) компьютер).
    2. Нажмите Manage (Управление).
    3. В разделе Storage (Запоминающие устройства) выберите Disk Management (Управление дисками).
    4. Найдите GPT-диск и запишите его номер (например, «Диск 1»).

    Como Saber Qual Partição Esta O Windows?

  2. Откройте окно команд. В командной строке введите diskpart и нажмите клавишу Enter. Откроется окно служебной программы diskpart.
  3. В окне программы diskpart введите list disk и нажмите клавишу Enter. Появится текстовый перечень дисков, и вы вернетесь в командную строку diskpart.
  4. В командной строке diskpart введите select disk номер_диска (например, если защищенный GPT раздел находится на накопителе «Диск 2», введите select disk 2). Затем нажмите клавишу Enter. Появится сообщение о том, что диск выбран, и вы вернетесь в командную строку diskpart.
  5. В командной строке diskpart введите clean и нажмите клавишу Enter. Раздел и подпись диска будут удалены, и вы вернетесь в командную строку diskpart.
  6. В командной строке diskpart введите exit и нажмите клавишу Enter. Чтобы закрыть окно команд, введите exit еще раз. После этого внутренний или внешний накопитель можно будет заново инициализировать, разбить на разделы и отформатировать.
  7. Чтобы инициализировать накопитель, запустите службу управления дисками, после чего:
    • воспользуйтесь мастером инициализации и преобразования дисков-ИЛИ-
    • закройте мастер, щелкните по нужному накопителю правой кнопкой мыши и выберите в меню пункт Инициализировать диск.
  8. После инициализации разбейте накопитель на разделы и отформатируйте с помощью службы управления дисками.

sistemas de arquivos

Podemos dividir um disco rígido em várias partes ou partições, onde cada partição é independente das outras, ou seja, cada partição pode ter o seu próprio sistema de arquivo. Isto significa que uma partição do disco não interfere nas outras partições. Podemos, por exemplo, instalar o Linux em uma partição e o Windows em outra partição.

Um disco pode ser dividido em até 4 partições. Uma partição pode ser primária ou estendida. Sendo que, no máximo, apenas uma partição pode ser do tipo estendida.

Isto significa que você pode ter 4 partições primárias ou 3 partições primárias e uma partição estendida.

É possível dividir uma partição estendida em partições menores chamadas de partições lógicas (a partição estendida não armazena dados e sim, outras partições lógicas). Não é possível, entretanto, dividir uma partição primária.

A tabela onde são armazenadas as informações sobre as partições fica no primeiro setor do disco e chama-se MBR (Master Boot Record). Por questões históricas, esta tabela possui apenas 4 entradas onde cada entrada descreve uma única partição.

Deve-se colocar o Windows em uma partição primária, pois este sistema operacional não consegue inicializar numa partição lógica, enquanto o Linux não possui nenhuma restrição.

Por outro lado, o Linux requer na sua instalação a criação de pelo menos duas partições, uma para instalar o próprio Linux (partição Linux nativo) e a outra para servir de memória auxiliar para o Linux (partição de swap ou troca).

A partição Linux nativo é conhecida por diretório raiz do Linux e é representada por /.

O programa mais comumente usado no Linux para particionar discos é o fdisk. O problema com este aplicativo é que ele destrói os dados armazenados ao particionar o disco.

Sistemas de arquivos

  • Um sistema de arquivos é um conjunto de estruturas lógicas que permite o sistema operacional controlar o acesso a um dispositivo de armazenamento como disco rígido, pen drive, cd-room, etc. Diferentes sistemas operacionais podem usar diferentes sistemas de arquivos.
  • Atualmente, o NTFS (New Technology File System) é o sistema de arquivos padrão do Windows, enquanto o ext4 é o do Linux.
  • Para verificar quais os sistemas de arquivos que o seu Linux suporta, basta verificar o conteúdo do arquivo /proc/filesystems.
  • O suporte para diferentes sistemas de arquivos pode ser obtido através de módulos de kernel carregáveis no diretório /lib/modules/XXX/kernel/fs, onde XXX é a versão atual do Linux.
  • Para ver as partições do seu sistema, veja o arquivo /etc/fstab.

Linux

No Linux, um diretório (corresponde ao conceito de pasta do Windows) pode ter outros diretórios ou arquivos. Dizemos que um diretório é filho de outro diretório quando ele está logo abaixo do diretório em questão. O diretório que está um nível acima é chamado de diretório pai.

O diretório raiz do Linux (ou diretório /) é o diretório com maior hierarquia entre todos os diretórios do sistema. Isto significa que todos os diretórios do Linux ficam abaixo deste diretório. A seguir são apresentados exemplos de diretórios que normalmente ficam abaixo do diretório raiz.

  • bin – diretório com os comandos disponíveis para os usuários comuns (não privilegiados).
  • boot – diretório com os arquivos estáticos do boot de inicialização.
  • dev – diretório com as definições dos dispositivos de entrada/saída.
  • etc – diretório com os arquivos de configuração do sistema.
  • home – diretório que armazena os diretórios dos usuários do sistema.
  • lib – diretório com as bibliotecas e módulos (carregáveis) do sistema.
  • lost+found – é usado pelo fsck para armazenar arquivos/diretórios/devices corrompidos.
  • media – ponto de montagem temporário para mídias removíveis.
  • mnt – ponto de montagem temporário para sistemas de arquivos.
  • opt – softwares adicionados pelos usuários.
  • proc – diretório com informações sobre os processos do sistema.
  • root – diretório home do root.
  • run – armazena arquivos temporários da inicialização do sistema.
  • sbin – diretório com os aplicativos usados na administração do sistema.
  • snap – diretório com pacotes snaps (podem ser executados em diferentes distribuições Linux).
  • srv – dados para serviços providos pelo sistema.
  • sys – contém informações sobre  devices, drivers e características do kernel.
  • tmp – diretório com arquivos temporários.
  • usr – diretório com aplicativos e arquivos utilizados pelos usuários como, por exemplo, o sistema de janelas X, jogos, bibliotecas compartilhadas, programas de usuários e de administração, etc.
  • var – diretório com arquivos de dados variáveis (spool, logs, etc).

Para ver os diretórios e arquivos que ficam abaixo do diretório /, basta usar o comando ls.

ls /

Convém também observar que é possível colocar os subdiretórios do diretório raiz em partições separadas. O objetivo é facilitar a manutenção do sistema e aumentar a segurança dos dados.

Portanto, a distribuição do diretório raiz em várias partições é uma escolha pessoal do administrador do sistema.

Normalmente, é sugerido que os seguintes diretórios possuam uma partição própria: /home, /opt, /tmp, /usr e /usr/local.

Tipos de Sistemas de Arquivos

A escolha do sistema de arquivos depende do sistema operacional utilizado. Abaixo, alguns exemplos de sistemas de arquivos suportados por determinados sistemas operacionais.

Sistema operacional
sistema de arquivos suportados
Linux EXT3, EXT4, XFS, JFS
MacOS HFS
Windows FAT, HPFS, NTFS
FreeBSD, OpenBSD UFS
Sun Solaris UFS
IBM AIX JFS
  • EXT3 (third extended filesystem) – foi adotado como padrão Linux a partir de 2001. Introduziu o registro (journal) que melhora a confiabilidade e permite recuperar o sistema em caso de desligamento não programado. EXT3 suporta 16TB (1 terabyte corresponde a 240 bytes) de tamanho máximo no sistema de arquivos, e 2TB de tamanho máximo de um arquivo. Um diretório pode ter, no máximo, 32.000 subdiretórios.
  • EXT4 (fourth extended filesystem) – passou a ser o padrão Linux a partir de 2008. EXT4 suporta 1EB (1 exabyte corresponde a 260 bytes) de tamanho máximo de sistema de arquivos e 16TB de tamanho máximo de arquivos. É possível ter um número ilimitado de subdiretórios
  • XFS (Extended Filesystem) – usado como padrão por algumas distribuição Linux desde 2014. XFS é um sistema de arquivos desenvolvido em 64 bits, compatível com sistemas de 32 bits. Ele suporta até 16 EB de tamanho total do sistema de arquivos e até 8 EB de tamanho máximo para um arquivo individual. É considerado um sistema de arquivos de alto desempenho.
  • JFS (Journaled File System) – é um sistema de arquivos de 64 bits com journaling desenvolvido pela IBM.
  • HFS (Hierarchical File System) – é um sistema de arquivos proprietário da Apple.
  • FAT (File Allocation Table) – é um sistema desenvolvido para o MS-DOS e usado em versões do Microsoft Windows até o Windows 95. É suportado praticamente por todos os sistemas operacionais existentes. Existem 3 versões do sistema: FAT (12 bits, usado pelos disquetes), FAT16 (para OS 16 bits ou 32 bits) e FAT32 (só para SO a 32 bits)
  • NTFS (New Technology File System) é o sistema de arquivos padrão do sistema operacional Microsoft Windows. São algumas características deste tipo de sistema: aceita volumes de até 2 TB; o tamanho do arquivo é limitado apenas pelo tamanho do volume; é um sistema de arquivos muito mais seguro que o FAT; NTFS podem se recuperar de um erro mais facilmente.
  • HPFS –  é o sistema de arquivos utilizado pelo OS/2 da IBM, com recursos que se aproximam muito dos permitidos pelo NTFS.
  • UFS (Unix File System) – é um sistema de arquivos usado por muitos sistemas operacionais Unix e assemelhados.

Particionamento de disco – Wikipédia, a enciclopédia livre

Uma partição é uma divisão do espaço de um disco rígido (SCSI ou SATA). Cada partição pode conter um sistema de arquivos diferente. Consequentemente, em cada partição pode ser instalado um Sistema Operativo sendo possível portanto a convivência de vários Sistemas Operacionais na mesma unidade de disco.

Existem diferentes modelos de particionamento, sendo o tipo DOS o mais conhecido, usado nos computadores PC. Um tipo que começa a ser difundido é o GPT (GUID Partition Table), usado em conjunto com o UEFI (Unified Extensible Firmware Interface — padrão criado pela Intel para substituir o BIOS, atualmente mantido por Unified EFI, Inc.).

Geometria de disco

Uma unidade de disco constitui-se de um ou mais pratos (discos) sobrepostos, cobertos por uma camada magnética. Existe uma cabeça de leitura-gravação para cada superfície. Cada superfície é dividida em anéis concêntricos (as trilhas) e uma trilha é dividida em setores, onde um setor tem, normalmente, 512 bytes.

As trilhas são numeradas de fora para dentro. Um conjunto de trilhas com o mesmo raio forma o cilindro. As cabeças de leitura-gravação são movimentadas conjuntamente, posicionando-se no mesmo cilindro.

Essa geometria básica fornece um modelo para localização do setor, chamado CHS (cylinder, head, sector). O número do cilindro, juntamente com o número da cabeça, fornece a localização da trilha. Identificando-se a trilha, pode-se localizar um determinado setor. Esse esquema é tridimensional, sendo necessário conhecer sempre os três parâmetros para localização do setor.

O padrão LBA (logical block address) é mais simples. Os setores são identificados sequencialmente (linearmente), começando da trilha mais externa.

Se houver mais de um prato, cada superfície é numerada (a partir de zero) — o setor zero é o primeiro setor na trilha zero, cabeça (superfície) zero. Essa é uma identificação unidimensional.

Cabe à controladora no disco transformar esse número lógico de setor com a sua localização física no disco (mapeando cilindro, cabeça e setor correspondente).

Tipos de partições em PCs

Esta seção descreve o esquema de particionamento do registro mestre de inicialização (MBR), como usado historicamente no DOS, Microsoft Windows e Linux (entre outros) em sistemas de computação compatíveis com PC.

A partir de meados de 2010, a maioria dos novos computadores usa o esquema de particionamento da Tabela de Partições GUID (GPT).

Para exemplos de outros esquemas de particionamento, consulte o artigo geral sobre tabelas de partições.

O espaço total de armazenamento de dados de um HDD de PC, no qual o particionamento MBR é implementado, pode conter no máximo quatro partições primárias ou, alternativamente, três partições primárias e uma partição estendida. A Tabela de Partições, localizada no registro mestre de inicialização, contém entradas de 16 bytes, cada uma descrevendo uma partição.

O tipo de partição é identificado por um código de 1 byte encontrado em sua entrada na tabela de partições. Alguns desses códigos (como 0x05 e 0x0F) podem ser usados para indicar a presença de uma partição estendida.

A maioria é usado pelo carregador de inicialização de um sistema operacional (que examina tabelas de partições) para decidir se uma partição contém um sistema de arquivos que pode ser usado para montar / acessar para leitura ou gravação de dados.

Notação

Os valores usados aqui são hexadecimais, muito mais práticos que lidar diretamente com números binários. Na notação hexadecimal, cada byte é representado por dois caracteres. Por exemplo, o número decimal 63 é representado pela seqüência 0x3f (onde “0x” indica hexadecimal); o valor 255 (maior valor armazenado em um byte é representado por 0xff.

A arquitetura x86 (PC) usa um armazenamento little endian (CARRIER, 2005, p. 21). Isso significa que números grandes são lidos ou escritos a partir do dígito menos significativo (da esquerda para a direita). Por exemplo, o valor decimal 24.378, equivalente a 0x5f3a, seria armazenado em disco pela sequência “3a 5f”.

Partição primária

Uma partição primária contém um sistema de arquivos. No DOS e em todas as versões anteriores dos sistemas Microsoft Windows, a Microsoft exigia que a partição do sistema fosse a primeira partição.

Todos os sistemas operacionais Windows a partir do Windows 95 podem estar localizados em (quase) qualquer partição, mas os arquivos de inicialização (io.sys, bootmgr, ntldr etc.) devem residir em uma partição primária.

No entanto, outros fatores, como o BIOS de um PC (consulte a sequência de inicialização em um PC padrão) também podem impor requisitos específicos quanto à qual partição deve conter o sistema operacional primário.

O código de tipo de partição para uma partição primária pode corresponder a um sistema de arquivos contido (por exemplo, 0x07 significa um sistema de arquivos NTFS ou HPFS do OS/2) ou indicar que a partição tem um uso especial (por exemplo, código 0x82 geralmente indica uma partição swap do Linux).

Os sistemas de arquivos FAT16 e FAT32 fizeram uso de vários códigos de tipo de partição devido aos limites de várias versões do DOS e do Windows. Embora um sistema operacional Linux possa reconhecer vários sistemas de arquivos diferentes (ext4, ext3, ext2, ReiserFS, etc.

), eles usaram consistentemente o mesmo código de tipo de partição: 0x83 (sistema de arquivos nativo do Linux).

O MBR é o primeiro setor do disco e divide-se em duas áreas. É identificado por uma assinatura (0xaa55) localizada nos dois últimos bytes (510–511) — por ser little endian, a sequência 0x55 encontra-se no byte 510 e 0xaa no byte 511.

A primeira parte do setor é reservada para conter o carregador de inicialização do sistema operacional (boot loader) e possui um tamanho de 446 bytes (0–445). A segunda área, com tamanho de 64 bytes, contida na faixa 446–509, contém a tabela de partições.

(CARRIER, 2005, p. 81–101).

# dd if=/dev/sdb bs=512 count=1 | xxd

0000000: faeb 2101 b501 4c49 4c4f 1606 3f79 f247 ..!…LILO..?y.G
0000010: 0000 0000 e6c7 bd47 ca59 9ecf 8100 8060 …….G.Y…..`
0000020: 6ac5 e500 b8c0 078e d0bc 0008 fb52 5306 j…………RS.
0000030: 56fc 8ed8 31ed 60b8 0012 b336 cd10 61b0 V…1.`….6..a.
0000040: 0de8 6701 b00a e862 01b0 4ce8 5d01 601e ..g….b..L.].`.
0000050: 0780 fafe 7502 88f2 bb00 028a 761e 89d0 ….u…….v…
0000060: 80e4 8030 e078 0a3c 1073 06f6 461c 4075 …0.x.

MBR ou GPT: descubra a diferença entre partições ao instalar um SSD ou HD

Quem já instalou um novo SSD ou HD no PC, ou mesmo migrou do Windows 10 para uma versão mais antiga do sistema operacional, já deve ter se deparado com as siglas MBR e GPT antes de prosseguir com a instalação.

As duas tecnologias são destinandas a tipos bem diferentes de sistemas, e escolher entre elas não é difícil.

Os discos em MBR, por exemplo, são melhores para computadores antigos, sem as BIOS UEFI ou com sistemas operacionais anteriores ao Windows 8.1.

Já o GPT, mais recente, é a melhor escolha para computadores novos e sistemas mais recentes, já que apresenta maior capacidade para criar partições, por exemplo. Confira a seguir mais informações a respeito dessas tecnologias e saiba a diferença entre elas.

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

1 de 3
Processo de instalação de um novo SSD ou HD pode envolver a escolha entre MBR e GPT — Foto: Filipe Garrett/TechTudo

Processo de instalação de um novo SSD ou HD pode envolver a escolha entre MBR e GPT — Foto: Filipe Garrett/TechTudo

MBR e GPT são padrões que determinam a forma pela qual dados são armazenados no disco.

Isso inclui a forma como as partições são distribuídas e como esses drives de SSDs ou HDs se comportam caso você instale um sistema operacional inicializável neles.

Embora cumpram a mesma tarefa e tenham compatibilidade com diversos sistemas operacionais, ambas são tecnologias distintas e é importante saber suas diferenças para escolher de maneira correta.

As partições são delimitações lógicas que fracionam o espaço da mídia. Dessa forma, são criadas unidades menores, que se comportam como se fossem HDs independentes, ainda que, na prática, coexistam dentro da mesma peça de hardware.

MBR é sigla para “Master Boot Record”. O padrão antigo hoje se encontra em processo de substituição pelo GPT, que significa “GUID Partition Table”.

Entre as limitações do MBR está o fato de não permitir ao usuário estabelecer mais do que quatro partições primárias no mesmo disco.

Do outro lado, o GPT pode criar até 128 partições diferentes dentro de um mesmo disco em Windows; outros sistemas operacionais podem apresentar limites até maiores.

2 de 3
Você pode inspecionar seus discos no Windows, ou em qualquer sistema, para descobrir que tipo de particionamento eles usam — Foto: Reprodução/Filipe Garrett

Você pode inspecionar seus discos no Windows, ou em qualquer sistema, para descobrir que tipo de particionamento eles usam — Foto: Reprodução/Filipe Garrett

Embora seja raro precisar de tantas divisões, há outra limitação dessa tecnologia que fica mais evidente ao usuário comum: o MBR reconhece partições de até 2 TB, o que significa que esse padrão não é recomendado para HDs e SSDs com capacidades maiores. O GPT, por sua vez, conta os setores da mídia de armazenamento de outra forma, permitindo suporte a 9,4 ZB (zetabytes, unidade que representa um trilhão de gigabytes).

Outra diferença entre as duas estruturas é a forma pela qual elas trabalham com a inicialização do sistema operacional. No mais antigo MBR, os registros que permitem ao computador “achar” o sistema e dar início ao carregamento ficam em uma única partição.

Se algo de errado acontecer com o disco e esses dados forem corrompidos, é possível que o PC não inicialize mais.

No GPT esses problemas são amenizados com o uso de uma estrutura replicante, que posiciona cópias dos dados de inicialização em outras partições do disco, tornando o sistema mais robusto.

3 de 3
Se possível, prefira o GPT: tecnologia é mais robusta e recente — Foto: Reprodução/Filipe Garrett

Se possível, prefira o GPT: tecnologia é mais robusta e recente — Foto: Reprodução/Filipe Garrett

É comum que durante o processo de instalação e inicialização de um disco rígido secundário, ou após a formatação de um SSD ou HD novo, o usuário se depare com a mensagem que pergunta qual padrão será utilizado na nova unidade. A resposta é fácil: se a mídia será usada em computadores com Windows 8.1 em diante ou com outros sistemas operacionais mais recentes, não há muita razão para insistir no antigo MBR.

Entretanto, se o disco será usado em computadores mais antigos, com sistemas operacionais anteriores ao Windows 8, o MBR será uma escolha melhor em virtude da compatibilidade. Outro detalhe é a capacidade: se você investiu em um disco rígido enorme, o GPT vai permitir usar o espaço todo em uma grande partição.

É possível trocar uma pela outra sem perder dados?

Existem ferramentas que permitem mudar de MBR para GPT sem perder dados. A conversão leva poucos instantes e pode ser uma forma interessante de corrigir um engano, por exemplo.

Embora a medida seja possível, é sempre bom ter em mente que qualquer alteração na estrutura do disco e das partições pode levar à perda de dados.

Portanto, antes de alterar o modelo de particionamento da unidade, pode ser interessante fazer um backup dos dados salvos no HD ou SSD.

É possível descobrir qual o padrão utilizado pelos componentes por meio do Gerenciador de Discos do Windows ou em ferramentas equivalentes de outros sistemas.

No Gerenciador, clique com o botão direito do mouse sobre a unidade desejada e escolha “Propriedades”. Em seguida, selecione a aba “Hardware” e acesse “Volumes”.

Depois, selecione o disco que deseja inspecionar e dê um clique duplo para abrir a janela.

Como recuperar os dados de um HD? Tire suas dúvidas no Fórum do TechTudo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*