Como Saber Qual Mestrado Posso Fazer?

por Tancicleide Gomes 

Este texto faz parte de uma série que aborda os principais aspectos a serem considerados para ingressar em uma carreira acadêmica, mas que pode servir para quem deseja fazer mestrado profissional também. O nosso papo, por ora, aborda os principais aspectos relacionados muito mais ao planejamento e organização, com ênfase no processo de seleção. 

O mestrado acadêmico sempre fez parte dos meus planos, pelo menos, uns três anos antes de eu terminar a graduação.

Ingressei no ensino superior sem ter a menor noção do que esperar, mas pouco tempo depois eu tinha (apenas) uma certeza: eu queria ser pesquisadora. Como decidi cedo1, usei isso a meu favor, de todas as maneiras possíveis e imagináveis.

Mas, diferentemente da graduação, eu queria saber para onde eu estava indo2. Trago  minhas descobertas e aviso que você pode não gostar de algumas.

O mestrado acadêmico faz parte do percurso de tornar-se um pesquisador. Se você sabe o objetivo de um mestrado e sabe diferenciar stricto sensu de lato sensu, sugiro ir para o próximo tópico.

Se não sabe, eu acho que você deveria ficar por aqui, hein? Há dois tipos de cursos de pós-graduação: stricto sensu e lato sensu. Na primeira categoria, estão os mestrados e os doutorados, que podem ser acadêmicos ou profissionais.

O mestrado e o doutorado acadêmico têm como objetivo desenvolver e formar pesquisadores e docentes que irão atuar no âmbito acadêmico. 

Entre os mestrados e doutorados acadêmicos e profissionais existe apenas uma diferença, o objetivo: o profissional tem ênfase no mercado de trabalho.

Ou seja, ter a mesma capacidade de resolver problemas por meio do pensamento científico, mas estar envolvido em resolver demandas aplicadas a empresas, sejam elas públicas ou privadas, organizações não governamentais, entre outros.

Inclusive, recomenda-se que o mestrado profissional seja cursado depois de algum tempo no mercado, para um melhor aproveitamento do curso a partir da maturidade adquirida pela experiência profissional.

EDIT: Obrigada ao Dennys Leite (UFRN) e ao Clodis Boscarioli (UNIOESTE) por sinalizarem que os mestrados e doutorados profissionais são stricto sensu também. O Dennys aponta, inclusive, que as sugestões aqui trazidas se aplicam para o mestrado profissional também. Então, voilà, mudei o título para ser mais inclusivo.

Os cursos de pós-graduação lato sensu abrangem a especialização e o MBA.

No frigir dos ovos, os dois primeiros são especializações, porque embora MBA seja um acrônimo de Master Business Administration, no Brasil não possui o nível de mestrado, consiste em um um tipo de especialização destinada a executivos e gestores com foco no mercado e em negócios. A especialização permite a um profissional se informar e/ou se atualizar sobre um determinado tema e desenvolver habilidades específicas. 

Os cursos de pós-graduação stricto sensu, conferem diplomas e os de especialização, certificados. Inclusive, existe o estágio pós-doutoral que você faz para tornar-se uma pessoa com um profundo e intenso conhecimento científico de excelência. O pós-doutorado não confere um novo título, certo?

Em todos esses casos, você pode cursar quantos desses você desejar. Mas, se você quiser fazer mais de um doutorado, por favor, procure um terapeuta. Sim, eu estou te julgando.

No Brasil, você tem poucas opções para atuar como pesquisador. Quase sempre, a trajetória consiste em tornar-se professor vinculado a um Programa de Pós-Graduação (PPG) em uma instituição de ensino superior (IES) e, então desenvolver também atividades de pesquisa.

Também porque, muito embora exista uma ocupação no Comitê Brasileiro de Ocupações (CBO) para pesquisadores, eu não conheço nenhum pesquisador na área de Ciência de Computação que trabalhe exclusivamente com pesquisa no Brasil. Essas vagas existem, mas elas são muito raras.

Por que isso importa? Você precisa ter em mente que seguir a carreira acadêmica significa, na maioria dos casos, atuar nas dimensões de ensino, pesquisa e extensão.

Na dimensão de ensino, as responsabilidades compreendem preparar e ministrar aulas, atender alunos, participar de algumas reuniões e comitês; talvez você até assuma alguma coordenação. A dimensão de extensão propicia que a universidade se reconecte com a sociedade por meio de projetos que visam resolver problemas latentes.

A dimensão de pesquisa, por sua vez, abrange o desenvolvimento de projetos de pesquisa, orientação de alunos na graduação e pós-graduação. Como eu fiquei quando descobri? Sim, extasiada. Você, não?

♫ Clara como a luz do Sol, clareira luminosa nessa escuridão […] ♬ Por que você quer realizar um mestrado acadêmico? Se você ainda não tem a resposta para essa pergunta clara em sua mente, trago verdades: você pode estar prestes a investir seu esforço em vão. Motivos errados ou pouco claros podem te levar a um caminho muito entediante, porque você pode se sentir preso a algo muito diferente do que você achava que seria ou, pior ainda, algo que não te realiza. 

O que eu considero motivos errados? Buscar o mestrado porque não conseguiu uma posição no mercado de trabalho, por exemplo, pode gerar uma baita frustração. Porque, ora, ora, o seu título não vai garantir um emprego.

Felizmente, você não precisa ingressar em um mestrado para descobrir se gostaria ou não de cursar um.

Existem maneiras mais tranquilas e que te custam menos esforço e tempo para saber disso, e algumas delas são:

  • Buscar um professor para tentar realizar um projeto de Iniciação Científica durante a graduação. Assim, você pode ter um vislumbre do que pode vir a ser a experiência do mestrado. Eu digo vislumbre, porque essas experiências podem variar muito, mas isso merece outro artigo. Tenho bons, muitos bons e maus exemplos de vivências, tenha você a sua.
  • Conversar com alunos de mestrado em sua área de interesse. Converse com quem vivencia o futuro que você pretende alcançar, descubra como funciona a sistemática de trabalho em um mestrado, entre outros aspectos. 
  • Conversar com desistentes para entender o porquê de desistirem. Talvez você se veja nas situações que eles retratem ou você se sinta apaixonado exatamente pelos motivos que os fizeram desistir. Vai saber. 
  • Cursar disciplinas como aluno especial. Existe a possibilidade de cursar algumas disciplinas de um PPG e ter estes créditos computados posteriormente caso você ingresse. Em algumas das situações, você pode cursar ainda como graduando. Esta pode ser uma oportunidade interessante para: descobrir mais sobre um determinado tema de pesquisa de seu interesse, conhecer o PPG, conhecer seu possível orientador (caso ele seja o professor da disciplina). Há professores que permitem que você curse como ouvinte. Isso pode ser bem interessante, porque você vivencia toda a experiência, mas os créditos da disciplina não podem ser computados caso você ingresse neste PPG.
  • Frequentar um grupo de pesquisa. Uma das maneiras mais ricas de vivenciar o clima da pós-graduação. O recomendável é buscar essa oportunidade junto a grupos que abordem temas que você ache relevantes ou de algum professor cujas pesquisas você julgue interessantes. Os grupos inter e multidisciplinares podem ser uma grata surpresa. Tente  experimentar se você não tiver nada muito fixo em mente.

A seleção para o mestrado pode ser o seu novo vestibular. As seleções para ingresso no mestrado acadêmico podem variar muito de um PPG para outro. Se você se preparou adequadamente, essa experiência pode ser muito tranquila3.

  O que eu entendo por se preparar: ter objetivos claros, estudar os editais e estabelecer um contato inicial com seu possível orientador. Ter os objetivos claros implica, inclusive, em encontrar a combinação entre o PPG, a linha de pesquisa e um possível orientador.

Os PPGs possuem diferentes linhas de pesquisa, e professores com experiências e habilidades que podem ser imensamente diferentes entre si. 

Nem sempre você vai conseguir encontrar a linha de pesquisa desejada em uma universidade perto de casa, ou ainda pode ser que o professor não tenha vagas de orientação disponíveis para o semestre que você pretende ingressar.

  Então, você precisa considerar que, se pretende mudar de cidade, pode ser que não exista a possibilidade de voltar ocasionalmente para casa a fim de rever os parentes. Além dos custos, financeiros e emocionais, envolvidos com a mudança em si.

No caso de não haver vagas de orientação disponíveis, você precisa ponderar se pretende esperar que apareçam vagas ou se pretende buscar a orientação de outra pessoa.

Pensando no meu ingresso no mestrado, eu estabeleci metas e rascunhei objetivos sobre onde eu desejava chegar. Inicialmente, selecionei os principais programas de pós-graduação que eu gostaria de ingressar.

Eu li atentamente seus editais (comecei pelos anteriores), compreendi as regras e os requisitos de ingresso. Durante algum tempo, as pessoas simplesmente me perguntavam como ingressar em um programa A ou B, porque eu sabia responder com muitos detalhes. Sou sempre motivo de piada entre meus amigos por isso.

Eu admitiria perder o ingresso em um PPG porque não tinha preparo, mas não porque eu não havia lido o edital com atenção suficiente.

Leia também:  O Que Oferecer Como Prenda De Casamento?

Então,  criei um conjunto de requisitos que eu precisaria atender para ter um desempenho que me permitisse ingressar nos cinco PPGs selecionados, e usei os editais mais rigorosos como referência, porque isso me ajudaria  a ingressar nos outros. 

Eu decidi que participaria de todas as oportunidades que me deixassem mais próximas do que eu desejava alcançar no futuro.

Quando disse que eu usei o tempo ao meu favor, quis dizer que eu participei de programas de estágio (2013-2015), Iniciação Científica (2011-2014), projetos de extensão (2010-2015), além de atuar profissionalmente em uma edtech4(2015).

Eu ainda organizei e participei de eventos locais, regionais e nacionais, publiquei alguns artigos, fiz parte de comissões e comitês universitários (ex. Comissão Própria de Avaliação), Empresa Júnior, Diretório Acadêmico e tudo o mais que eu acreditasse que podia me aproximar de ter uma experiência completa e me preparar para o mestrado. 

Não disse que fiz isso da melhor maneira e nem considero algo recomendável (especialmente nessa quantidade de atividades simultâneas), mas você pode fazer melhor do que eu e escolher melhor como usar seu tempo.

No fim, eu me candidatei a apenas dois programas de mestrado: em um, passei em 1º lugar, (conceito CAPES 3); no outro, em 24º (conceito CAPES 7), ambos com possibilidade de bolsa pelo CNPq.

Deu para perceber como as regras do jogo podem ser muito flutuantes? 

Estabelecer um contato inicial com seu possível orientador. Dê pelo menos um aceno! Alguns editais sugerem manifestar interesse ao orientador previamente e a aprovação depende do aceite formal do orientador. Em outros, sugere-se ao menos contatar o orientador e alguns editais sequer mencionam esse aspecto.

No entanto, especialmente se você não conhece ou não trabalhou anteriormente com seu possível orientador, sugiro fortemente que você entre em contato.

Tenha em mente que se trata de uma parceria de trabalho, sendo assim, sempre vai ser uma boa conhecer a pessoa com quem você vai dividir dois anos da sua carreira.

Eu não sou uma pessoa muito ajuizada, e é por isso que estou aqui te dizendo para não fazer o que eu faço. No mestrado, o meu primeiro contato com minha orientadora foi uma longa mensagem enviada por uma rede social (Patricia, sua linda!), mas isso pode não funcionar com todo mundo. Eu listo alguns motivos: 

  1. A pessoa pode se sentir invadida, visto que as redes sociais não são necessariamente um espaço para discussão sobre trabalho. Sobretudo se você bancou o stalker e adicionou a pessoa sem nenhum contato prévio; 
  2. A pessoa pode não acessar com frequência as redes sociais e a sua mensagem pode se perder no limbo. Certo, isso pode acontecer por e-mail também. Um caminho pode ser chegar ao professor por meio dos orientandos, alguém pode mandar um e-mail e dizer que você gostaria de entrar em contato e saber sobre possibilidades de orientação. Um e-mail de um conhecido pode fazer toda a diferença em uma caixa de e-mails lotada, mesmo que haja apenas uma mediação e não uma indicação em si.

Existem outros aspectos que você precisa considerar para realizar um mestrado acadêmico e falaremos deles mais adiante.  Tentei escrever uma matéria que eu gostaria de ter lido antes de ingressar no mestrado e espero que ela possa ter sido util para você.

Sou profundamente apaixonada pela minha carreira acadêmica e minhas experiências são forjadas em amizades e orientações que me permitiram ser muito feliz em minha escolha, mas tive amigos cujas experiências foram menos divertidas. Escrevi esse texto por eles também.

Existem ainda algumas particularidades que você vai descobrir apenas quando ler o bendito edital de seleção!

Não tive a intenção de explorar o assunto exaustivamente, mesmo porque abordaremos alguns dos tópicos mais delicados no próximo texto: a escolha (mútua) do seu principal parceiro de colaboração, a escolha de um tema de pesquisa e também o que se espera de um aluno de mestrado. Iremos conversar sobre o processo de amadurecimento, que consiste em sair de uma relação de orientação vivenciada na graduação para o processo de orientação experienciado no mestrado, e a estreita relação disso com a produção do seu trabalho.

1A minha experiência foi traçada a partir dos incentivos e oportunidades que tive, mas tudo bem se você tiver uma experiência diferente, tá bem?!

2Note que em algum momento a graduação tornou-se apenas um passo que me ajudava a chegar em meu objetivo: o mestrado. Essa percepção teve seus impactos, positivos e negativos, sobre a minha experiência como graduanda. Eu curti.

3A quantidade de bolsas foi reduzida em diversos PPGs, então você precisa ter em mente que, se deseja obter uma bolsa, pode ser mais difícil de conseguir no cenário atual. Não são ofertadas bolsas de fomento (CNPq, CAPES) em cursos de mestrado e doutorado profissionais.

4Uma empresa de desenvolvimento de tecnologias educacionais, do termo educational technology.

Como Saber Qual Mestrado Posso Fazer?

Como citar esse artigo:Gomes, T. C. S., 2020. O que você deveria saber antes de ingressar em um mestrado acadêmico? SBC Horizontes. ISSN: 2175-9235. Disponível em: http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2020/04/22/ingressar-mestrado-academico/

MESTRADO – Perguntas Frequentes

Mestrado é só para quem quer dar aula?

Não.

Além da carreira docente, os egressos de um curso de Mestrado podem inserir-se na iniciativa privada e na gestão pública, contribuindo para o desenvolvimento de pesquisas e para a tomada de decisão e resolução qualificada de problemas.

O Mestrado é uma jornada intensa de aprendizagens, interação de ideias e de produção do conhecimento, que se reflete no desenvolvimento do pensamento crítico e da capacidade analítica do profissional titulado.

Qual a diferença entre o Mestrado Acadêmico e o Mestrado Profissional?

O Mestrado Acadêmico, como o nome expressa, tem um foco maior, mas não exclusivo, para a carreira acadêmica. O Mestrado Profissional está mais associado à solução de problemas e produção do conhecimento em organizações e comunidades.

O que eu ganho ao fazer um curso de Mestrado? Por que vale a pena?

Trata-se de um nível de formação mais elevado, com maior aprofundamento de estudos e, diferentemente dos cursos de Especialização, com maior abrangência de áreas de conhecimento.

Além dos conhecimentos adquiridos, melhora-se a capacidade de tomada de decisão, de solução de problemas e de proposição e implantação de ideias, projetos e metodologias.

Isso se constitui em fator de diferenciação/competitividade na busca de inserção profissional ou na permanência no mundo do trabalho e, via de regra, resulta em incremento na remuneração.

Posso fazer Mestrado só com a graduação finalizada? Preciso ter uma Especialização ou MBA?

O quesito legal para cursar Mestrado é apenas ter concluído a graduação.

Quem concluiu um Mestrado Profissional pode dar aula no ensino superior? Pode fazer Doutorado?

Sim. Tanto o Mestrado Profissional quanto o Mestrado Acadêmico se classificam na mesma categoria, como cursos de pós-graduação no nível de stricto sensu.

Será que sou capaz de fazer um Mestrado? Que habilidades são necessárias?

Em grande parte, busca-se no Mestrado o desenvolvimento crescente das competências de pesquisa, iniciadas na graduação, acrescidas da disposição para investigar e aprofundar estudos prévios e temas de interesse.

São necessárias habilidades de leitura e escrita – e, neste caso, particularmente vinculadas à compreensão e elaboração de textos acadêmicos /científicos.

Curiosidade, disciplina, disposição para estudar, e interesse em compreender outras formas de perceber o mundo são valorizadas.

O Mestrado se destina a profissionais graduados em uma área específica ou tem um caráter multidisciplinar?

O Mestrado é uma modalidade de curso de pós-graduação stricto sensu voltado para a capacitação de profissionais, nas diversas áreas do conhecimento, mediante o estudo de técnicas, processos, ou temáticas que atendam a alguma demanda do mundo de trabalho e da produção de conhecimentos. Objetiva formar profissionais de perfil inovador e empreendedor, de maneira a assegurar suas inserções nas empresas ou instituições, ou no gerenciamento da sua própria atividade profissional.

Qual o tempo de duração de um Mestrado?

24 meses. No primeiro ano geralmente o estudante cursa as disciplinas e, no segundo ano, dedica-se ao desenvolvimento da pesquisa. Em toda sua trajetória no curso, o estudante é acompanhado por professor(a) orientador(a).

As disciplinas tendem a concentrar-se em alguns dias da semana. São disciplinas de 5 a 15 encontros no semestre, presenciais em sua maioria. Cada curso possui uma quantidade de disciplinas obrigatórias e de eletivas e um mínimo de horas de ensino a integralizar.

Quanto tempo tenho que dedicar semanalmente ao Mestrado? Posso continuar trabalhando enquanto faço o Mestrado?

Pode-se continuar a trabalhar, porém, com a clareza de que os estudos nesse nível exigem dedicação, disciplina e organização do tempo.

Como funciona o processo de seleção? Quando ele ocorre?

O processo de seleção nos Programas de Pós-Graduação Acadêmicos/Profissionais é classificatório e ocorrem em meses variados do ano.

Cada Programa tem seus critérios para realizar a seleção, entre os quais prova escrita voltada a avaliar competências de leitura e escrita do candidato, testes específicos da área e entrevistas versando sobre o plano de estudos e os interesses do candidato e a apresentação do Currículo Lattes.

O processo seletivo é precedido de edital específico. Todas as informações referentes ao processo seletivo são públicas e são divulgadas na página de cada Programa.

Qual o valor do investimento?

Entre em contato com a secretaria do curso do seu interesse, através das páginas dos programas, em https://www.ucs.br/site/pos-graduacao/formacao-stricto-sensu/

Existem bolsas de estudo disponíveis ou elas só são oferecidas pelas universidades públicas? Como elas funcionam? Como acontece a seleção?

A disponibilidade de bolsas de estudo está vinculada à respectiva oferta pelos órgãos federais ou estaduais de apoio à pós-graduação stricto sensu.

Os programas acadêmicos da UCS vêm contando regularmente com bolsas CAPES na modalidade PROSUC (específica para instituições comunitárias), as quais, sempre que liberadas pelos mestrandos ou doutorandos que as detêm, são direcionadas a estudantes ingressantes. Mesmo processo se dá com relação a auxílios para pagamentos de taxas.

Por tratar-se de bolsas e taxas concedidas por mérito acadêmico, o critério de seleção para concessão dos auxílios é a ordem de classificação no processo seletivo anual para ingresso no Programa.

No caso de obtenção de bolsa integral, o aluno fica isento do pagamento do curso e recebe uma ajuda de custo para manutenção, cujo valor é definido pela CAPES. Nesse caso, o estudante deve dedicar-se integralmente ao curso.

No caso de obtenção de taxa, o estudante recebe um valor mensal definido pela CAPES, o qual deverá ser repassado à Universidade. O valor faltante para cobrir a mensalidade é coberto pela UCS. Nesse caso, o estudante pode ter uma outra ocupação, desde que dedicando semanalmente ao Mestrado um número mínimo de horas, de acordo com a definição de cada Programa.

Eventualmente o Programa poderá contar com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS), como também disponibilizar taxa(s) advinda(s) de projetos de pesquisa ou de cotas institucionais.

O que é Área de Concentração e Linha de Pesquisa?

A Área de Concentração expressa a vocação inicial e/ou histórica do Programa, estando, portanto, ligada à sua missão. As Linhas de Pesquisa são desdobramentos da Área de Concentração e se instituem como núcleos temáticos das atividades de pesquisa, agregando os projetos de investigação desenvolvidos no Programa por docentes e discentes.

Como escolho meu orientador?

Para a proposta de orientador, é fundamental que o candidato analise cuidadosamente os projetos de pesquisa desenvolvidos pelos docentes no sentido de identificar aquele(s) que apresenta(m) maior afinidade com a direção que ele pretende dar a seus estudos de Mestrado.

Posso ter uma ideia de como funciona o Mestrado fazendo alguma disciplina antes? Tenho que passar pelo processo seletivo? Posso aproveitar depois os créditos cursados antes de fazer a matrícula no curso?

É possibilitado o ingresso, em fluxo contínuo, de alunos não-regulares para disciplinas isoladas do Mestrado e do Doutorado, com objetivo de complementar, atualizar, diversificar ou aprofundar conhecimentos em sua área de formação profissional.

A matrícula em disciplinas isoladas pode ser realizada por portador de diploma de curso de graduação reconhecido pelo MEC. Alunos de graduação da UCS também podem cursar disciplinas isoladas, desde que tenham cursado 80% das disciplinas do seu curso.

O mestrado exige prova de proficiência em um idioma estrangeiro? Como isso funciona?

De acordo com o Regulamento de cada Programa, é exigido do estudante de Mestrado a comprovação de proficiência em uma língua estrangeira, geralmente espanhol ou inglês, até o final do primeiro ano do curso.

A UCS aplica provas de proficiência, através do Programa UCS Línguas Estrangeiras, cuja ênfase é na compreensão de textos. Outros aspectos referentes à comprovação de proficiência observarão normas institucionais.

< Voltar para página dos Mestrados e Doutorados

Descubra como e quem pode fazer o mestrado

Foto: © Depositphotos.com / minervastock

Após a conclusão da faculdade, alguns profissionais se vêem com necessidade de voltarem à academia, no intuito de melhorar seus conhecimentos em certas áreas de atuação e sua preparação para o mercado de trabalho. Assim, muitos acabam optando pelo exercício da pesquisa em um programa de pós-graduação stricto senso.

Diferentemente das especializações, mais voltadas para tópicos práticos, para a melhor compreensão do mercado de trabalho e certas áreas de atuação, o mestrado é um curso mais longo – entre 18 e 24 meses –, indicado para quem pretende buscar uma formação acadêmica e científica mais aprofundada.

Normalmente, quem se interessa pelas pós-graduações stricto sensu, mestrado e doutorado, é quem tem a aspiração de se tornar docente em universidades.

A princípio, para lecionar em faculdades não é exigido que todos os profissionais tenham título de mestre ou de doutor.

Porém, como as instituições precisam ter um certo número de doutores, os profissionais com esses títulos conseguem melhores oportunidades de trabalho. Mas como e quem pode fazer mestrado?

Ao contrário do que muitos pensam, candidatos para os cursos de mestrado não precisam ter concluído uma especialização, normalmente os requisitos básicos são diferenciados de acordo com cada instituição. Os interessados precisam ser graduados, ter conhecimentos na área do programa e experiência em projetos de pesquisas.

Os processos seletivos são compostos por uma série de etapas: provas escritas, exames orais, análises de currículos, prévias de projetos de pesquisa, entrevistas pessoais e cartas de recomendações. Alguns cursos ainda pedem a conclusão de um teste de proficiência em uma língua estrangeira, já que boa parte da bibliografia usada foi escrita em outros idiomas.

Foto: © Depositphotos.com / andresr

Normalmente as inscrições para os programas de mestrado são abertas no final e no início do ano.

Durante o curso, o estudante irá participar de, no mínimo, 1440 horas de atividades programadas, divididas em aulas, produção da dissertação, congressos, monitoria, entre outras atividades.

Ao final, o aluno precisa escrever uma dissertação com o tema voltado para a linha de pesquisa do programa e apresentá-la para uma banca com três examinadores.

Entenda como funciona o Mestrado

O mestrado acadêmico é um curso stricto sensu que aprofunda o aprendizado da graduação. O objetivo é ampliar o conhecimento sobre um tema de interesse acadêmico e estimular a reflexão teórica. É voltado, em princípio, para quem pretende crescer no circuito acadêmico, como professor ou pesquisador.

Porém, nada impede que quem atua no mercado encontre no mestrado acadêmico meios de adquirir e aprimorar competências relevantes para o exercício da profissão. Só depende do conteúdo e do enfoque do curso.

Quem atua no mercado também tem como opção o mestrado profissional. Assim como o acadêmico, é uma modalidade de pós-graduação stricto sensu. Só que tem como foco a capacitação de profissionais, nas diversas áreas do conhecimento, pensando em processos e temáticas que atendam a alguma demanda do mercado de trabalho

De acordo com o Capes, “seu objetivo é contribuir com o setor produtivo nacional no sentido de agregar um nível maior de competitividade e produtividade a empresas e organizações, sejam elas públicas ou privadas”.

     Duração de um mestrado

Em média, o mestrado tem duração de dois anos. A carga horária não é grande, mas o curso exige muito empenho fora da sala de aula, para leitura, pesquisa, participação em eventos acadêmicos. 

Além disso, a dedicação ao trabalho final que é uma dissertação. Diferente da monografia, nela deve contar com uma pesquisa empírica (coleta de dados) e trazer contribuições para a área do conhecimento estudada. Ao ser aprovado, o estudante recebe a titulação de mestre.

     Saiba quem pode fazer mestrado

Qualquer pessoa portadora de um diploma de graduação (bacharelado, licenciatura ou tecnológico) pode cursar um mestrado em qualquer área, quantas vezes quiser. 

O processo de seleção se dá a partir da análise do currículo, provas de conhecimentos gerais e específicos, teste de proficiência em um idioma estrangeiro, entrevista e apresentação de projeto de pesquisa.

Para conseguir um bom curso, um orientador (professor que vai orientar a pesquisa) e uma bolsa de estudos, o candidato deve ter ótimo histórico escolar e, de preferência, ter realizado, durante a graduação, programa de iniciação científica.

     Diferença de mestrado e doutorado

O doutorado oferece um conhecimento teórico mais profundo do que o mestrado acadêmico. Assim, sua duração também é maior do que o mestrado, de quatro a cinco anos.

No doutorado, também é necessário apresentar um dissertação como trabalho final. Mas enquanto no mestrado é necessário apresentar considerações e análises sobre um tema, a dissertação do doutorado precisa apresentar uma nova visão sobre um tema.

     Qual a diferença entre lato sensu e stricto sensu

Os programas stricto sensu têm foco na formação de pesquisadores e professores universitários – ou seja, são, no geral, indicados para quem segue carreira acadêmica. Ainda assim, é comum encontrar nesses programas pessoas que atuam não em faculdades, mas em empresas. De todo modo, sem o diploma de um curso stricto sensu é impossível seguir a carreira acadêmica. 

Já os cursos lato sensu são a opção ideal para quem já tem uma rotina diária de trabalho e busca aperfeiçoamento profissional. O objetivo é ganhar competências específicas, de aplicação prática, para facilitar a ascensão na carreira, mudar de área ou se adaptar a um novo cargo dentro da empresa em que trabalha. Definir-se por um stricto ou um lato sensu é a primeira escolha a fazer.

Uma boa maneira para encontrar a modalidade ideal de curso é imaginar como será o dia a dia num curso lato sensu ou num stricto sensu. Nos lato sensu, os cursos são mais breves e desenhados para a rotina corrida de quem trabalha: as atividades e os trabalhos podem ser feitos nas horas livres, sem comprometer muito a vida profissional.

No geral, as aulas acontecem à noite, só em alguns dias úteis, ou com uma carga horária mais puxada nos fins de semana. Já os cursos de mestrado e doutorado, a princípio, pedem dedicação integral.

Se você acredita que um curso stricto sensu seja a opção mais adequada a seus objetivos, prepare-se: você provavelmente precisará dedicar noites, fins de semana e as férias aos estudos.

Também é importante ter alguma flexibilidade de horário no emprego para assistir às aulas e participar de eventos, como congressos, palestras e simpósios.

Continua após a publicidade

     Para fazer doutorado preciso fazer o mestrado?

Não, necessariamente. É possível cursar o doutorado após a graduação, sem ter passado por um mestrado, se a instituição de ensino considerar relevante a proposta de pesquisa do candidato a aluno. Mas a maior parte das escolas prefere que se tenha o título de mestre.

     Saiba se existe mestrado a distância ou mestrado online

Sim! Aliás, o MEC aprovou o oferecimento de pós-graduação stricto sensu, tanto mestrado como doutorado, a distância, no primeiro semestre de 2019.

Mas como é uma novidade, ainda não há tantas opções disponíveis no mercado. Além disso, não são todas as instituições de ensino que podem oferecer a modalidade remota. Apenas as melhores, que tenham obtido, no mínimo, nota 4 no Índice Geral de Cursos (ICG) do MEC.

Assim como no presencial, o mestrado a distância também tem, em média, dois anos de duração. O aluno assiste as aulas em ambiente online e no horário que tiver disponibilidade. As orientação com o professor também podem ser realizadas online. Só a defesa da dissertação que deve ser feita presencialmente.

     Principais motivos para fazer um mestrado

Autoridade na profissão: o mestrado traz um aprofundamento de conhecimento superior em relação à graduação, isso faz com que você consiga se diferenciar dos outros profissionais do mercado em determinado segmento, por exemplo.

A publicação de artigos e trabalhos científicos durante o mestrado também pode fazer com que conheçam seus estudos e te coloque como uma referência profissional ao longo do tempo.

Um mestre é visto como alguém com autoridade para falar sobre a própria área e trazer ideias relevantes sobre o tema. 

Possibilidade de lecionar: muitas instituições de ensino exigem pelo menos o título de mestre na hora de contratar professores efetivos. Mesmo que você ainda não tenha finalizado o mestrado, muitas vezes, é possível começar a dar aulas na graduação enquanto ainda estuda.

Trabalho em equipe e networking: o desenvolvimento da sua pesquisa, que conta com uma grande troca de conhecimento com o seu orientador, também pode te fazer trocar conhecimentos com outros pesquisadores, que tenham estudos que dialoguem com o seu. Isso desenvolve mais a habilidade de trabalhar em equipe, além de apresentar novos contatos profissionais, que podem dar como fruto boas parcerias de trabalho.

Impacto sobre o salário: o mestrado pode abrir as portas para empregos mais bem remunerados ou um aumento no salário atual.

Crescimento pessoal e profissional: além de garantir acesso às novas técnicas e tecnologias de pesquisa e trabalho, o mestrado pode auxiliar você a ampliar senso crítico em relação à sua área de conhecimento e profissão.

     Onde fazer um mestrado?

Para responder essa pergunta é importante que você tenha em mente na hora da escolha tanto um curso quanto uma universidade que ele seja reconhecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Somente cursos reconhecidos pelo Conselho Nacional de Educação, que usam a avaliação da Capes, estão autorizados a expedir diplomas de mestrado e/ou doutorado com validade nacional.

Os cursos de mestrado profissional, mestrado (acadêmico) e doutorado avaliados com nota igual ou superior a “3” são recomendados pela CAPES ao reconhecimento (cursos novos) ou renovação do reconhecimento (cursos em funcionamento) pelo CNE/MEC.

Consulte os cursos recomendados e reconhecidos pelo Capes

Além da avaliação do curso e da instituição, um ponto importante para pensar antes da escolha é em relação às linhas de pesquisa, que toda instituição que oferece um curso de pós-graduação na modalidade stricto sensu apresenta. Essas informações podem ser encontradas no site das universidades mesmo.

Dentro de um eixo temático, existem muitas linhas de pesquisa dentre as quais você pode seguir ao fazer um mestrado. Você precisa pesquisar e ver qual está mais dentro das suas expectativas e qual combina mais com seus objetivos.

Continua após a publicidade

  • curso
  • Especial Carreiras
  • Graduação
  • Mestrado
  • Pós-graduação

Mestrado | DGES

  • O grau de mestre é conferido numa especialidade, podendo, quando necessário, as especialidades ser desdobradas em áreas de especialização e aos que demonstrem:
  • a) Possuir conhecimentos e capacidade de compreensão a um nível que:
  • i) Sustentando -se nos conhecimentos obtidos ao nível do 1.º ciclo, os desenvolva e aprofunde;
  • ii) Permitam e constituam a base de desenvolvimentos e ou aplicações originais, em muitos casos em contexto de investigação;
  • b) Saber aplicar os seus conhecimentos e a sua capacidade de compreensão e de resolução de problemas em situações novas e não familiares, em contextos alargados e multidisciplinares, ainda que relacionados com a sua área de estudo;
  • c) Capacidade para integrar conhecimentos, lidar com questões complexas, desenvolver soluções ou emitir juízos em situações de informação limitada ou incompleta, incluindo reflexões sobre as implicações e responsabilidades éticas e sociais que resultem dessas soluções e desses juízos ou os condicionem;
  • d) Ser capazes de comunicar as suas conclusões, e os conhecimentos e raciocínios a elas subjacentes, quer a especialistas, quer a não especialistas, de uma forma clara e sem ambiguidades;
  • e) Competências que lhes permitam uma aprendizagem ao longo da vida, de um modo fundamentalmente auto-orientado ou autónomo.

No ensino universitário, deve assegurar a aquisição de uma especialização de natureza académica, com recurso à investigação, inovação ou aprofundamento de competências profissionais. 

No ensino politécnico, deve assegurar predominantemente a aquisição de uma especialização de natureza profissional.

  1. Duração
  2. Tem 90 a 120 créditos ECTS e uma duração normal de 3 a 4 semestres.
  3. Em casos excecionais pode ter 60 créditos e uma duração normal de 2 semestres, nas seguintes situações:
  • Quando tenha uma forte orientação profissionalizante.
  • Seja consequência de uma prática estável e consolidada internacionalmente nessa especialidade.
  • As condições de ingresso nestes casos excecionais de mestrados com 60 créditos são adequadas ao recrutamento exclusivo de estudantes com experiência mínima prévia de cinco anos, devidamente comprovada.
  • Estrutura
  • Integra: 
  • Um curso de especialização, constituído por um conjunto organizado de unidades curriculares, denominado curso de mestrado, a que corresponde um mínimo de 50% do total dos créditos do ciclo de estudos. 
  • Uma dissertação de natureza científica ou um trabalho de projeto, originais e especialmente realizados para este fim, ou um estágio de natureza profissional objeto de relatório final, consoante os objetivos específicos visados, nos termos que sejam fixados pelas respetivas normas regulamentares, a que corresponde um mínimo de 30 créditos. 
  1. O grau de mestre é conferido aos que, através da aprovação em todas as unidades curriculares que integram o plano de estudos do curso de mestrado e da aprovação no ato público de defesa da dissertação, do trabalho de projeto ou do relatório de estágio, tenham obtido o número de créditos fixado.
  2. Compete ao órgão competente de cada estabelecimento de ensino superior aprovar, entre outras matérias, a estrutura curricular e o plano de estudos e as regras sobre a componente de dissertação, projeto ou relatório de estágio, incluindo orientação, apresentação, defesa e júri.
  3. Qualificação

O grau de mestre corresponde ao nível 7 do QNQ e do QEQ.

Propinas

Informações sobre propinas podem ser consultadas aqui.

Bolsa de estudos

Informações sobre bolsas de estudos e outros apoios para o ensino superior podem ser consultadas aqui.

Acesso

Informações sobre o acesso e ingresso neste ciclo de estudos podem ser consultadas aqui. A criação de ciclos de estudos que visem conferir graus académicos é da competência das instituições de ensino superior, mas a sua entrada em funcionamento carece de acreditação pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior e de registo junto da Direção-Geral do Ensino Superior.

No ensino universitário, deve assegurar a aquisição de uma especialização de natureza académica, com recurso à investigação, inovação ou aprofundamento de competências profissionais. 

No ensino politécnico, deve assegurar predominantemente a aquisição de uma especialização de natureza profissional.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*