Como Saber Onde Fica O Norte?

Os pontos cardeais são utilizados como referência, pois com eles encontramos qualquer lugar sobre a superfície da Terra.

Quando você está à procura de algum lugar, você utiliza algumas referências, não é mesmo? As referências podem ser o nome da rua, um comércio da região, o número da casa, o CEP.

Tudo isso facilita a procura por um endereço.

Leia também: Rotação terrestre – movimento que nos ajuda a identificar os pontos cardeais

Quais são os pontos cardeais?

Os pontos cardeais são: norte (N), sul (S), leste (L) e oeste (O) e foram definidos há muitos anos, pelas civilizações antigas.

É por meio deles que as pessoas conseguiam localizar-se, pois não havia placas com os endereços.

Assim, foi criada a rosa dos ventos, que parece uma estrela, e em suas pontas encontramos as letras dos pontos cardeais e pontos colaterais.

Como Saber Onde Fica O Norte? A Rosa dos Ventos indica os quatro sentidos, ou seja, os pontos cardeais.

O Sol é nosso grande aliado nessa atividade. Você precisa esticar seu braço direito para a direção em que o Sol nasce. Chamamos essa posição de nascente.

Logo após identificá-la, você terá encontrado o ponto leste (L). Em seguida, estique o braço esquerdo para a outra direção e você encontrará o ponto oeste (O).

À sua frente, você terá o ponto norte (N) e, atrás de você, o ponto sul (S).

Como Saber Onde Fica O Norte?

Além dos pontos cardeais, temos também os pontos colaterais. Com eles conseguimos identificar as regiões entre os pontos cardeais. São eles: nordeste (NE), sudeste (SE), noroeste (NO) e sudoeste (SO).

Os instrumentos criados para se localizar em um determinado lugar também sofreram modificações ao longo do tempo. A bússola, por exemplo, foi substituída pelo GPS.

Você já deve ter visto um adulto dizer: “Procura o endereço no GPS!”.

Isso porque esse instrumento já tem gravado em si o mapa das cidades, com os endereços e complementos, o que deixou a busca por determinada localização mais fácil.

Como Saber Onde Fica O Norte? Instrumentos que nos orientam em qual localização estamos e para onde vamos.

Veja também: Como fazer leitura dos mapas?

Atividades

  • Questão 1 – Responda com X na alternativa correta:
  • a) Os pontos cardeais são: norte (N), sul (S), leste (L) e centro-oeste (CE).
  • b) Os pontos cardeais são: nordeste (NE), sul (S), leste (L) e oeste (O).
  • c) Os pontos cardeais são: norte (N), sul (S), leste (L) e oeste (O).
  • d) Os pontos cardeais são: norte (N), sudeste (SE), leste (L) e oeste (O).
  • Resposta:
  • Alternativa C.
  • Questão 2 – Preencha a rosa dos ventos com as siglas dos pontos cardeais.

Como Saber Onde Fica O Norte?

Resposta:

Pontos cardeais: norte, sul, leste, oeste.

Como Saber Onde Fica O Norte?

Pontos cardeais: quais são e como identificar

Os pontos cardeais são pontos de referência estabelecidos para a orientação na superfície terrestre. Eles são quatro:

  • norte (N)
  • sul (S)
  • leste (L)
  • oeste (O) 

Existem também direções intermediárias a eles que são conhecidas como pontos colaterais e subcolaterais. A sua representação gráfica é chamada de rosa dos ventos.

É possível fazer a identificação dos pontos cardeais de diversas formas, desde a mais antiga, que é pela observação direta dos astros, como o Sol, até a utilização de instrumentos técnicos, como a bússola e o GPS.

Leia também: Tipos e significados da simbologia dos mapas

Quais são os pontos cardeais?

Como forma de auxiliar-nos na orientação sobre o espaço terrestre, foram estabelecidos quatro pontos cardeais:

  • Norte, representado pela letra N. Chamado também de setentrional ou boreal.
  • Sul, representado pela letra S. Chamado também de meridional ou austral.
  • Leste, representado pela letra L. Por vezes pode aparecer como “este”, sendo chamado também de oriente.
  • Oeste, representado pela letra O. Pode ser chamado também de ocidente.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

Rosa dos ventos

A rosa dos ventos, ou rosa-náutica, é a representação gráfica de todos os pontos de referência utilizados para a orientação no espaço.

Nela estão contidos os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais.

Não é incomum, entretanto, encontrarmos figuras que representem apenas os pontos cardeais (quatro pontos) ou que contêm somente os pontos cardeais e colaterais (oito pontos).

Como Saber Onde Fica O Norte? Exemplo de rosa dos ventos composta pelos pontos cardeais e colaterais.

A criação da rosa dos ventos remonta à Grécia Antiga, quando determinava a direção dos ventos, ação que originou o seu nome.

Séculos mais tarde, navegadores faziam uso dessa técnica com o mesmo propósito no mar Mediterrâneo.

Sua composição foi sendo aperfeiçoada gradativamente, e, no período das grandes navegações, houve registros de rosas dos ventos com até 32 pontos de referência.

Incorporada à bússola, a rosa dos ventos constitui um dos mais importantes instrumentos utilizados nos deslocamentos e na localização.

Para que servem os pontos cardeais?

Os pontos cardeais são utilizados para a nossa orientação na superfície terrestre e, da mesma forma, para a localização de objetos, pessoas e lugares, que podem variar desde uma rua, um bairro, uma cidade até países e continentes.

Esses pontos nos servem de referência para quando vamos nos deslocar de um local a outro e também para identificarmos a posição relativa de elementos que integram o espaço.

Como identificar os pontos cardeais?

Existem diversas formas de se fazer a identificação dos pontos cardeais.

Uma das mais antigas e conhecidas é pela observação do Sol, feita da seguinte maneira: em primeiro lugar, deve-se apontar o braço direito para a direção em que o Sol nasce.

Assim, encontraremos o leste, que pode também ser chamado de nascente por esse motivo. De forma automática, ao apontar o braço esquerdo na direção oposta, teremos o oeste, que é a posição em que o Sol se põe. À nossa frente estará o norte, e, nas costas, o sul.

A identificação com base no Sol é bastante simples, mas demanda cautela. A depender da época do ano (estações) e do local onde você for colocar em prática essa técnica, pode haver pequenas variações com relação às posições do nascer e do pôr do Sol.

O Sol não é o único astro que pode ser utilizado como referencial para identificar os pontos cardeais. O conhecimento da posição de determinadas estrelas ou constelações é um método difundido há séculos para esse propósito. São exemplos a constelação do Cruzeiro do Sul e a Estrela Polar, respectivamente nos hemisférios Sul e Norte.

Além da observação direta dos céus, a determinação dos pontos cardeais é feita com a utilização de instrumentos como a bússola e o GPS.

Como Saber Onde Fica O Norte? A observação dos astros deu origem aos pontos de referência que conhecemos atualmente. É o método mais antigo e conhecido de orientação espacial.

Os pontos colaterais são pontos intermediários que ficam entre os pontos cardeais. São eles:

  • nordeste (NE), entre o norte e o leste;
  • sudeste (SE), entre o sul e o leste;
  • sudoeste (SO), entre o sul e o oeste;
  • noroeste (NO), entre o norte e o oeste.

Veja também: O que são coordenadas geográficas?

Pontos subcolaterais

Os pontos subcolaterais providenciam um posicionamento ainda mais acurado do que os pontos cardeais e colaterais. Eles se localizam entre os pontos colaterais e os cardeais, e são em número de oito:

  • norte-nordeste (NNE), entre o norte e o nordeste;
  • lés-nordeste (ENE), entre o nordeste e o leste;
  • lés-sudeste (ESE), entre o leste e o sudeste;
  • sul-sudeste (SSE), entre o sudeste e o sul;
  • sul-sudoeste (SSO), entre o sul e o sudoeste;
  • oés-sudoeste (OSO), entre o sudoeste e o oeste;
  • oés-noroeste (ONO), entre o oeste e o noroeste;
  • nor-noroeste (NNO), entre o noroeste e o norte.

Exercícios resolvidos

Questão 1 – Os pontos cardeais são importantes para os deslocamentos na superfície terrestre e para que possamos nos situar em relação aos objetos, pessoas e lugares que nela se localizam. Acumulamos, hoje, muitas técnicas de identificação desses pontos de referência, que vão desde a direta observação dos astros no céu até a consulta ao GPS.

A respeito dos pontos cardeais e das suas diversas maneiras de identificação, é correto afirmar:

A) A observação do Sol é o método mais simples e preciso para se identificar onde estão os pontos cardeais. B) A bússola contém uma agulha magnética cuja extremidade superior aponta sempre para o polo norte geográfico da Terra.

C) Pontos intermediários de referência ampliam a precisão da localização. Ao todo, temos oito pontos além dos cardeais, chamados pontos subcolaterais.

D) A representação gráfica dos pontos cardeais é a rosa dos ventos, utilizada em instrumentos de localização, como a bússola e os mapas.

  • E) A Estrela Polar e a constelação do Cruzeiro do Sul são referências na orientação espacial em ambos os hemisférios.
  • Resolução

Alternativa D. A rosa dos ventos agrega os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais em uma figura que se assemelha a uma estrela. Ela foi incorporada às bússolas e aparece representada nos mapas.

  1. Questão 2 – (UFF) Utilizando a rosa dos ventos, uma pessoa descobriu que a cidade X está localizada a NE da cidade Y. Isso significa que, em relação à cidade X, a cidade Y está localizada a:
  2. A) norte B) leste C) sudoeste D) noroeste
  3. E) sudeste
  4. Resolução
Leia também:  Como Saber A Que Banco Pertence Um Nib?

Alternativa C. Considerando a cidade X como referência, Y está posicionada a sudoeste.

Por Paloma Guitarrara Professora de Geografia

Pontos Cardeais

  • Os Pontos Cardeais são pontos de orientação no espaço terrestre os quais estão relacionados com a posição do sol.
  • O sol aparece todas as manhãs, aproximadamente no mesmo lado do horizonte e se põe ao entardecer, no lado oposto.
  • Tomando por base esses dois lados como referência, foram estabelecidos os pontos cardeais: norte, sul, leste e oeste, assim determinados:

Como Saber Onde Fica O Norte?

  • Leste (L): o lado onde o sol nasce no horizonte pela manhã indica o leste.
  • Oeste (O): o lado onde o sol se põe no horizonte indica o oeste.
  • Norte (N): o lado que fica a sua frente ao estender o braço direito na direção em que o sol nasce.
  • Sul (S): o lado que fica em suas costas ao estender o braço direito na direção em que o sol nasce.
  1. Note que o ponto cardeal “oeste” pode aparecer representado pela letra (W), por influência da língua inglesa (West).
  2. Da mesma forma, o ponto cardeal “leste” pode aparecer representado pela letra (E), também por influência da língua inglesa (East).
  3. Veja também: Rosa dos ventos.

Pontos Colaterais

Entre os pontos cardeais existem mais 28 pontos que se formam entre eles denominados de Pontos Colaterais, assim determinados:

  • Nordeste (NE) – localizado entre o norte (N) e o leste (L).
  • Sudeste (SE) – localizado entre o sul (S) e o leste (L).
  • Noroeste (NO) – localizado entre o norte (N) e o oeste (O).
  • Sudoeste (SO) – localizado entre o sul e o oeste (O).

Pontos Subcolaterais

Os pontos subcolaterais localizam-se sempre entre os pontos cardeais e os pontos colaterais. São eles:

  • Nor-nordeste (NNE) – localizado entre o norte (N) e o nordeste (NE);
  • Lés-nordeste (ENE) – localizado entre o leste (E) e o nordeste (NE);
  • Lés-sudeste (ESE) – localizado entre o leste (E) e o sudeste (SE);
  • Sul-sudeste (SSE) – localizado entre o sul (S) e o sudeste (SE);
  • Sul-sudoeste (SSO) – localizado entre o sul (S) e o sudoeste (SO);
  • Oés-sudoeste (OSO) – localizado entre o oeste (O) e o sudoeste (SO);
  • Oés-noroeste (ONO) – localizado entre o oeste (O) e o noroeste (NO);
  • Nor-noroeste (NNO) – localizado entre o norte (N) e o noroeste (NO).

Com os dezesseis pontos de referência é formado um desenho, conhecido como Rosa-dos-Ventos, podendo também ser representada com outros pontos além dos cardeais, colaterais e subcolaterais.

Veja também:

  • Pontos cardeais, colaterais e subcolaterais
  • Coordenadas Geográficas

Orientação pela Lua

A lua também serve para nos orientar. Como o sol, a lua surge no leste e se põe a oeste.

  • Desse modo, para nos orientar pela lua devemos proceder como no caso do sol: estender o braço direito na direção onde ela nasce (leste).
  • O braço esquerdo corresponderá ao (oeste), à nossa frente estará o (norte) e às nossas costas o (sul).
  • Para saber mais: Fases da Lua

Como encontrar os pontos cardeais sem bússola

Existem algumas situações onde é preciso se orientar, principalmente se estamos em um lugar não conhecido e potencialmente perigoso. Para isso chegar em segurança ao seu destino, saber que direção seguir é muito importante.

 Para achar aquele rio que fica ao sul de sua localização atual, ou uma estrada que corta de leste a oeste, você precisa primeiramente, de um ponto de orientação para iniciar sua busca.

 Com uma bússola você facilmente acha o norte e assim consegue localizar o que procura, mas se sua bússola estiver quebrada você ainda saberia se orientar? Para lhe ajudar vou mostrar algumas técnicas.

1ª – Com relógio analógico de pulso

Para essa técnica você precisa  possuir um relógio analógico de pulso, que deve estar marcando a hora certa e levando em conta o horário de Verão (de outubro até fevereiro, você deve atrasá-lo 1 hora).

Mantenha o relógio na horizontal e aponte o número 12 para o sol. Crie uma linha imaginaria entre o nrº 12 e o ponteiro menor. Essa linha é o Norte.

  • Como Saber Onde Fica O Norte?
  • Veja pela foto onde efetuo o procedimento, comprovando a validade da técnica.
  • 2ª – Com a sombra

Você irá precisar de uma estaca de preferência de 1 metro. Enterre parte dela no chão, em uma superfície plana e ensolarada. Coloque uma pedra na ponta da sombra. Espere cerca de 15 minutos e coloque outra pedra na ponta da nova sombra.

A linha entre as duas pedras formam o oeste (primeira pedra) e o leste (segunda pedra). A linha perpendicular a esta linha formam o norte-sul.

  1. 3ª – Com a natureza
  2. Alguns elementos da natureza podem ajudá-lo a achar a direção, por exemplo:
  3. – Musgos e Líquens das árvores, que são mais verdes na parte norte pois recebem mais sol.
  4. – Os troncos das árvores são mais escuros na face sul, pois não recebem muito sol.
  5. – As formigas geralmente constroem seus ninhos na face norte das árvores, onde é mais quente.
  6. Deve-se tomar cuidado ao levar em conta apenas esses elementos, pois a natureza muda para melhor se adequar ao ambiente e as pistas podem acabar confusas.
  7. 4ª – Cruzeiro do Sul
  8. Esta constelação apesar de seu nome e da crença popular, não está exatamente no sul.

Para saber onde está o sul a partir desta constelação, localize-a e siga uma linha as duas estrelas do braço maior da cruz e estenda a linha cerca de cinco vezes seu comprimento original. Nesse ponto, desça uma linha imaginária perpendicular à terra e marque o sul.

Para finalizar gostaria de lembrar que todas essas dicas só são aplicadas no hemisfério sul. Para a orientação no hemisfério norte as dicas sofrem algumas mudanças.

Follow @svivencialismo

Orientação e localização: Pontos cardeais e outras referências

Localizar-se, estabelecer caminhos e orientar-se para seguir a direção certa: isso sempre acompanhou a história do homem na Terra. O que mudou, ao longo do tempo, foram os recursos (equipamentos, instrumentos), as características do espaço geográfico e, por conseqüência, os referenciais para localização e para orientação.

Dependendo das características do espaço geográfico, dos aspectos culturais dos povos, da disponibilidade de equipamentos, recursos, como plantas e mapas, e dos referenciais, a maneira de orientar-se e localizar-se variam.

Pode-se localizar tomando por base referenciais como ruas, construções, estradas, rios, etc (situação comum à maioria das pessoas), ou por meio de conhecimentos geográficos, tais como: interpretação de plantas e mapas; domínio de noções sobre coordenadas geográficas – latitude e longitude -, manuseio e leitura de equipamentos, como GPS, bússola.

Rosa dos ventos

A rosa-dos-ventos é uma figura nos quais estão presentes:

  • Os pontos cardeais: Norte (N), sul (S), Oeste (O, ou West, em inglês) e Leste ou Este (L ou E);
  • Os pontos colaterais: Noroeste (NO), nordeste (NE), sudoeste (SO) e sudeste (SE);
  • Os pontos subcolaterais, és-nordeste (ENE), nor-nordeste (NNE), su-sudeste (SSE), és-sudeste (ESE), oés-sudoeste (OSO), su-sudoeste (SSO), nor-noroeste (NNO), oés-noroeste (ONO);

Esses são os pontos que facilitam a orientação na superfície terrestre. A noção a respeito desses pontos de orientação é fundamental para estabelecer os deslocamentos aéreos e marítimos, por exemplo, ou em locais onde não há estradas, como regiões desérticas e áreas florestais.

É fundamental também para manusear e utilizar plantas e mapas, determinando-se, por exemplo, a localização de cidades, estados, regiões, países, continentes, oceanos, tomando-se por referência um certo local ou elemento: ao afirmamos que o estado de Tocantins está ao norte de Goiás, tomamos como referência este último estado.

  • Como Saber Onde Fica O Norte?

As estrelas do céu

Sem equipamentos é possível orientar-se por alguns astros.

Os astros sempre tiveram um papel importante na orientação de homens e mulheres ao longo da história, em particular nos deslocamentos de longa distância.

Somente mais recentemente, no decorrer do século 20, com o avanço tecnológico mais acelerado, é que equipamentos, como o GPS, passaram a dispensar, praticamente, os astros na orientação.

No entanto, precisamos pensar que observar o céu numa noite sem nuvens – sobretudo, longe de uma grande cidade, atentar para a seqüência das fases da Lua com o passar das semanas, apreciar um nascer ou um pôr-do-Sol são momentos de contemplação da natureza benéficos para o corpo e para o espírito, além de serem uma oportunidade para conhecermos/entendermos mais sobre o mundo que nos cerca e despertar nosso o interesse pelo estudo de uma série de aspectos que cercam a existência do nosso planeta e demais astros do Universo, além da nossa própria existência.

Mas atenção! Nunca olhe diretamente para o Sol, pois isso pode causar danos aos olhos, inclusive, cegueira.

Leia também:  Como Evitar Que Os Pelos Cresçam?

Orientação pelos astros

A orientação pelos astros depende de uma série de condições que estão relacionadas, por exemplo, à situação do tempo atmosférico (é preciso que o céu esteja limpo), à localização do observador no planeta Terra – distância em relação à linha do Equador -, à época do ano, e sem a utilização complementar de equipamentos astronômicos, essa orientação não será totalmente precisa. Trata-se de uma orientação aproximada.

A orientação pelo Sol está baseada no seu movimento aparente – é a Terra que gira em torno do seu próprio eixo (movimento de rotação da Terra), e é por isso que afirmamos ser um movimento aparente.

Esse astro aparece, não exatamente na mesma posição, que varia no decorrer do ano, mas de um mesmo lado, que é o Leste (oriente), e põe-se no lado oposto, o Oeste (ocidente).

Determinando-se um lado, no nascer ou pôr-do-sol, pode-se, de modo aproximado, utilizar os pontos de orientação e, a partir daí, orientar-se.

É comum afirmar-se que a orientação pela Lua somente pode ser à noite. O geógrafo e astrônomo Paulo Henrique Sobreira destaca que “independente da fase da Lua e do horário, ela sempre surge no lado Leste e desaparece no lado Oeste. Os horários de nascer e ocaso da Lua variam principalmente de acordo com suas fases.

Na Lua Cheia, por exemplo, em uma dada localidade, ela nasce por volta das 18h (…) e se põe próximo às 6h. No dia seguinte, o nascer e o ocaso ocorrerão cerca de 50 minutos mais tarde para aquela mesma localidade. Dessa forma, a Lua pode ser vista também durante o dia, principalmente nas fases de Crescente e Minguante.

Cruzeiro do Sul

A orientação por outras estrelas (o Sol é uma estrela) também é possível, mas é necessário, como afirma Sobreira, que se tenha uma noção básica de entendimento de carta celeste, inclusive para auxiliá-lo na observação.

No caso do Brasil, inclusive para a porção do nosso território que se encontra no hemisfério Norte, é possível orientar-se pelo Cruzeiro do Sul, uma constelação que é vista em quase todas as noites do ano. A partir de algumas relações baseadas nessa constelação, é possível determinar, aproximadamente, o ponto Sul.

A Estrela Polar, visível no hemisfério Norte, pode ser utilizada para a determinação aproximada do ponto Norte.

Como Encontrar o Norte Real Sem Bússola

Baixe em PDF
Baixe em PDF

Para que lado fica o norte? Se você está perdido na mata ou se está tentando instalar um relógio de sol no quintal, é obrigatório encontrar o norte real de vez em quando; quando chegar essa hora, você provavelmente não terá uma bússola.

Além disso, mesmo se você tiver uma, ela apontará para o norte magnético, que, dependendo da sua localização, é muito diferente do norte real. Então, o que o intrépido explorador deve fazer? Leia este artigo para encontrar várias maneiras diferentes de achar o caminho.

  1. 1

    Enterre uma vareta de pau em pé, de modo que você possa ver a sombra. Alternativamente, você pode usar a sombra de um objeto fixo.

    Quase todo objeto funciona, mas, quanto mais alto do objeto for, mais fácil será ver o movimento da sombra; além disso, quanto mais fina for a ponta do objeto, mais precisa será a leitura.

    Certifique-se de que a sombra é projetada em um ponto plano.

  2. 2

    Marque a ponta da sombra com um pequeno objeto, como uma pedra ou um arranhão no chão. A marca deve ser o menor possível, de modo a marcar apenas a ponta da sombra. Faça uma marca que possa ser identificada posteriormente.

  3. 3

    Espere entre 10 e 15 minutos. A ponta da sombra se moverá do oeste para o leste em uma linha curva.

  4. 4

    Marque a nova posição da ponta da sombra com outro objeto pequeno ou arranhão. Ele provavelmente se moverá muito pouco.

  5. 5

    Desenhe uma linha reta no chão entre as duas marcas. Esta linha representa o leste-oeste aproximado.

  6. 6

    Fique com a primeira marca (oeste) à sua esquerda e a outra (leste) à sua direita. Você está agora encarando o norte real, independentemente em qual parte do mundo estiver.

    A ilustração mostra que o sol e o marcador nos pontos 1 é o que está acontecendo no Passo 2. Nos pontos 2 , ele mostra o que está acontecendo no Passo 4 .

    Este método se baseia no fato de que o sol se move no céu de leste para oeste.

  1. 1

    Localize a Estrela do Norte (Polaris) no céu à noite. A Estrela do Norte é a última estrela no punho da constelação Ursa Menor. Se você tiver problemas para encontrá-la, ache a Ursa Maior.

    As duas estrelas menores (as estrelas mais distantes) formam uma linha reta que “aponta” para a Estrela do Norte. Você também pode encontrar a constelação de Cassiopeia, que está sempre oposta à Ursa Maior.

    A Estrela do Norte está localizada a meio caminho entre a estrela central de Cassiopeia e a Ursa Maior (ver figura).

  2. 2

    Desenhe uma linha reta imaginária da Estrela do Norte ao chão. Essa direção é o norte real; se houver um marco na distância desse ponto, use-o para se guiar.

  1. 1

    Ache a constelação Cruzeiro do Sul. No hemisfério sul, a Estrela do Norte não é visível, e nenhuma estrela indica o norte ou o sul. Porém, é possível usar o Cruzeiro do Sul e as estrelas das pontas como guia. O Cruzeiro do Sul é formado por cinco estrelas; as quatro estrelas mais brilhantes formam uma cruz inclinada para um lado.

  2. 2

    Identifique as duas estrelas que compõem o eixo longo da cruz. Essas estrelas formam uma linha que “aponta” para um ponto imaginário no céu acima do Polo Sul. Siga a linha imaginária a partir das duas estrelas a uma distância cinco vezes maior entre elas.

  3. 3

    Desenhe uma linha imaginária a partir desse ponto até o chão. Procure por um marco correspondente pelo qual se guiar. Sendo esse o sul real, então o norte real é o exato oposto dele (atrás de você, se estiver olhando para o ponto) .

  1. 1

    A constelação de Orion é visível em ambos os hemisférios, dependendo do período do ano. É uma característica permanente do equador.

  2. 2

    Procure pelo Cinturão de Orion. Há várias estrelas de destaque no Orion. O “cinturão” (3 estrelas em fila) corre de leste a oeste. Ao olhar para ele, procure por uma “espada” anexada.

  3. 3

    Projete uma linha a partir da espada através da estrela no meio do Cinturão. Essa é a direção do Norte.

  4. 4

    O Orion se estende através da linha do Equador: o Cinturão aparece e se põe no leste e no oeste.

  1. 1

    Posicione uma vara perpendicular ao chão e marque a primeira ponta da sombra. Neste método, faça a primeira leitura de manhã, pelo menos até uma hora antes do meio dia.

  2. 2

    Encontre um objeto comprido, como uma corda, com o mesmo comprimento da sombra.

  3. 3

    Continue a medir o comprimento da sombra a cada 10 ou 20 minutos. A sombra encolherá antes do meio dia e crescerá após o meio-dia.

  4. 4

    Meça o comprimento da sombra enquanto ela cresce. Use a corda ou o objeto que usado para medir o comprimento inicial da sombra. Quando a sombra tiver exatamente o mesmo comprimento que o objeto (e, portanto, exatamente o mesmo comprimento da primeira medição), marque o ponto.

  5. 5

    Desenhe uma linha ligando a primeira e a segunda marca. Mais uma vez, essa será a linha leste-oeste; ao se posicionar entre as duas marcas, você estará voltado para o norte real.

  1. 1

    Pegue um relógio analógico (do tipo com ponteiros de horas e minutos) com a hora correta. Coloque-o sobre uma superfície plana, como o chão, ou posicione-o horizontalmente na palma da mão.

  2. 2

    Aponte o ponteiro das horas para o sol.

  3. 3

    Bisseccione (isto é, encontre o ponto central) o ângulo entre o ponteiro das horas e a marca das doze horas (o número 12 do relógio). O centro do ângulo entre o ponteiro das horas e a marca das doze horas é a linha norte-sul.

    Se você não souber onde está o norte e o sul, lembre-se de que, independente de onde estiver, o sol sempre nasce ao leste e se põe ao oeste. No hemisfério norte, o sol estará no sul ao meio-dia.

    Se o relógio estiver marcando o horário de verão, bisseccione o ângulo entre o ponteiro das horas e a marca de uma hora.

  1. 1

    Use um relógio analógico. Aponte a marca das doze horas do relógio (o número 12) em direção ao sol. Se o relógio estiver no horário de verão, aponte a marca de uma hora para o sol.

  2. 2

    Bisseccione o ângulo entre a marca das doze horas (ou a marca de uma hora no horário de verão) e o ponteiro das horas para encontrar a linha norte-sul. Se não souber onde está o norte, lembre-se de que o sol nasce ao leste e se põe ao oeste. No hemisfério sul, no entanto, o sol está no norte ao meio-dia.

  1. 1

    Descubra o caminho que o sol faz. O sol sempre nasce ao leste e se põe ao oeste. Entre esses dois pontos, o sol desenha um arco ao sul no hemisfério norte; e ao norte no hemisfério sul (sempre em direção ao equador). Isso significa que, no início da manhã (logo após o nascer do sol), o sol estará a leste. No fim da tarde, ele estará no oeste.

    • O caminho do sol pode variar um pouco dependendo da época, principalmente longe do equador. Por exemplo: no verão, o nascer e o pôr do sol ficam mais longe do equador (mais ao norte no hemisfério norte e mais ao sul no hemisfério sul), enquanto que, no inverno, eles ficam mais perto do equador. Apenas no equinócio da primavera e do outono que o sol nasce ao leste e se põe a oeste.
    • Por precaução, familiarize-se com o caminho que o sol faz no local onde você precisará disso. Além disso, aprenda a trajetória dos dois solstícios e o tempo aproximado entre o nascer e o pôr do sol nesses dois caminhos. Essa informação ajudará a calcular o caminho para o dia atual.
  2. 2

    Encontre o norte com base na direção do sol.

    Se você determinar que o sol está ao leste (no início da manhã), então o norte estará cerca de um quarto de volta no sentido anti-horário (por exemplo: se você estiver de frente para o sol, então vire à esquerda). Se o sol estiver no oeste, então o norte está a mais ou menos uma volta no sentido horário. Se o sol estiver ao sul, então o norte ficará na direção oposta.

    • Por volta do meio-dia (dependendo do horário de verão e do fuso horário), o sol apontará para o sul no hemisfério norte e para o norte no hemisfério sul.
  • Se você tiver apenas relógio digital, ainda será possível mirar o relógio com precisão para o sol, tentando descobrir onde o ponteiro das horas ficará. Use o ângulos do relógio referentes ao 12, 3, 6 e 9 para guiá-lo.
  • No Hemisfério Norte, a meio caminho entre o 12 e o 1, fica o sul. Entre o 12 e o 1, no Hemisfério Sul, fica o Norte.
  • Se seu relógio tiver um mostrador de 24 horas (tipo de relógio de piloto), então basta apontar o ponteiro das horas para o sol. O norte estará na marca 0/24h.
  • Ao tentar localizar a Estrela do Norte, é importante lembrar que, ao contrário da crença popular, ela não é a estrela mais brilhante no céu. A única coisa notável nela é que é a única estrela no céu que não se move.
  • Os métodos deste artigo exigem prática. Por isso, é uma boa ideia testá-los algumas vezes para verificar as leituras. Dessa forma, eles serão confiáveis em uma situação de sobrevivência.
  • A Estrela do Norte fica mais alta no céu à medida que nos deslocamos para o norte. Ela não é mais útil a partir dos 70°N de latitude.
  • O método do relógio não é recomendado em latitudes mais baixas, especialmente abaixo dos 20° em qualquer hemisfério.
  • Os métodos “ponta de sombra” não são recomendados nas regiões polares (latitudes acima de 60° em qualquer hemisfério).

Pontos Cardeais para você se orientar

Os pontos cardeais são pontos de referência utilizados para a orientação dos mapas, que valem para todos os lugares.

Estando na sua casa ou na escola, você sabe onde o sol nasce e onde ele se põe? Esta pergunta é importante porque é acompanhando o movimento aparente do sol, que descobrimos o lugar onde estamos.

Desde cedo, o homem descobriu a importância do sol para encontrar a direção e o sentido a seguir.

Pontos cardeais

Os pontos cardeais foram definidos justamente a partir da observação do movimento aparente do sol e também pela posição das estrelas no firmamento. Em qualquer lugar da superfície da terra, o sol sempre nasce do mesmo lado e se põe no lado oposto.

No começo da manhã, o sol pode ser visto em um ponto na linha do horizonte. Esse ponto é chamado nascente. O sol ilumina o planeta e, em algumas épocas do ano, ele parece estar mais elevado no céu. Em outras, ele parece estar mais baixo.

No meio do dia, o sol parece estar a pino, isto é, sobre as nossas cabeças. Quase nem dá para ver a nossa sombra no chão.

Por convenção, chamamos de Leste o lado em que nasce o sol. Esse lado, abreviado como L (ou E, inicial da palavra East, Leste em Inglês), é o oposto de Oeste, abreviado como O (ou W, de West). Se você apontar a mão direita para o nascente, isto é, para o Leste, à sua frente está o Norte (N). Às suas costas, o Sul (S).

Para facilitar o trabalho de orientação, geralmente os mapas têm a direção Norte na parte superior da folha de papel. Assim, o Leste está sempre à direita, o Oeste está sempre à esquerda e a direção Sul fica sempre abaixo.

Você também pode encontrar os pontos cardeais. Faça assim:

Estenda o braço direito para o lugar onde o sol pode ser visto ao amanhecer. Nessa direção está o Leste. Levante o seu braço esquerdo e nesse sentido estará o Oeste. À sua frente você encontrará o Norte. Atrás de você estará o Sul. Norte, Sul, Leste e Oeste são os pontos cardeais, que nos orientam.

Cruzeiro do Sul

À noite, quando o sol não é visto no céu, como podemos nos orientar pelos pontos cardeais? A orientação durante a noite é feita com a ajuda de outras estrelas. A constelação do Cruzeiro do Sul pode ser o nosso ponto de referência para a orientação durante a noite.

O Cruzeiro do Sul é composto de quatro estrelas maiores e de uma menor, formando uma cruz. Para encontrarmos os pontos cardeais, prolongamos o braço maior da cruz quatro vezes em direção à Terra. No ponto final dela, traçamos um reta até o chão. Aí encontramos o Sul. Se ficarmos de costas para esse lugar, o Norte estará à nossa frente. O Leste, à nossa direita. O Oeste, à nossa esquerda.

Outros pontos de referência

Conhecendo esses pontos de referência principais, é possível definir outros quatro, situados entre os pontos cardeais: são os pontos colaterais. Seus nomes são formados pela combinação, dois a dois, dos pontos cardeais.

Entre o ponto cardeal Norte e o ponto cardeal Leste, temos o ponto colateral Nordeste (NE); entre o Sul e o Leste, temos o Sudeste (SE); entre o Sul e o Oeste, fica o Sudoeste (SO); entre o Norte e o Oeste, o Noroeste (NO). A representação dos pontos cardeais com os pontos colaterais, isto é, todos os pontos assinalados num mesmo desenho, forma a rosa-dos-ventos.

E ela recebeu esse nome porque foi utilizada originalmente para indicar a direção de onde provinham os ventos, muito importante até hoje para os comandantes de barcos e aviões.

A bússola

Para a navegação (tarefa de conduzir um barco ou um avião de um ponto de origem até seu destino), o problema da orientação é muito sério.

Imagine um capitão de navio, no meio do oceano, utilizando apenas o sol para tentar orientar um mapa e descobrir a direção em que está e o sentido que precisa seguir?! É praticamente impossível.

Por isso, as grandes navegações só se tornaram possíveis depois da invenção da bússola, que é uma ferramenta muito simples de orientação.

A bússola, inventada pelos chineses e aprimorada pelos europeus, nada mais é do que uma agulha magnetizada que gira livremente sobre uma rosa-dos-ventos.

Por causa do campo magnético da terra, a agulha da bússola sempre aponta para o Norte, em qualquer lugar em que esteja o navegador.

Assim é possível orientar um mapa e descobrir a direção a tomar e o sentido do percurso a seguir, independente do dia ou da noite, da visibilidade do céu ou da existência de outras referências.

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura “plenarinho.leg.br – Câmara dos Deputados” e não seja para fins político-partidários

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*