Como Saber Em Que Universidade Fui Colocado?

Todos os anos, no mês de setembro, são conhecidas as colocações para o Ensino Superior. Hoje, dia 8 de setembro, são conhecidas as relativas à 1.ª fase de candidaturas para o ano letivo 2019/2020, em que mais de 50.000 estudantes vão ingressar na universidade e politécnicos.

Fique a saber onde foi colocado!

Como Saber Em Que Universidade Fui Colocado?

Encontra-se concluída a primeira fase do concurso nacional de acesso (CNA) ao ensino superior público. Segundo o Gabinete do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, foram registadas 51.291 candidaturas, um aumento de 1.666 (3,4%) face a 2018. Destas, 7.507 são de alunos estrangeiros, uma tendência crescente que se tem vindo a verificar nos últimos anos.

Não obstante, o número de vagas limita-se a 50.860, pelo que temos uma procura superior à oferta pela segunda vez na última década! Segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), este aumento “representa um sinal positivo na evolução registada ao longo dos últimos anos, designadamente em termos do alargamento da base social do ensino superior”.

Como Saber Em Que Universidade Fui Colocado?

Os resultados da primeira fase do concurso estão já disponíveis na Internet. Para saber se foi colocado, aceda aqui.

As colocações no ensino superior contemplam ainda mais duas fases: a segunda entre 09 e 20 de setembro, a terceira de 03 a 07 de outubro.

Os 8 gadgets que não lhe podem faltar neste regresso às aulas…

Os 8 gadgets que não lhe podem faltar neste regresso às aulas

Matrícula, inscrição e exames

  • Bem-Vindo/a! Se foste Colocado/a num curso da Universidade de Coimbra através de um dos seguintes concursos, consulta aqui toda a informação para concretizares a Tua matrícula e inscrição:
  • » Concurso do Estudante Internacional» Concursos Especiais» Reingresso, Mudança de par Instituição – Curso» Acesso a 2º e 3 ciclos (Mestrados e Doutoramentos)
  • Os prazos são comunicados através do InforEstudante e anunciados nos links:
  • » Candidaturas à UC para Candidatos Nacionais ou Equiparados »» Candidaturas UC para Estudante Internacional »
  • A matrícula e inscrição no curso de colocação ocorre dentro dos prazos estabelecidos para cada fase, de acordo com os passos seguintes:
Verifique no [email protected] se foi COLOCADO.
» O resultado individual da sua candidatura, bem como a lista de seriação, estão disponíveis na sua área pessoal do [email protected] » Entre com as credenciais do seu pré-registo ou a sua conta habitual do [email protected], e clique em “Candidaturas“.
Efetue o pagamento inicial de propinas, caso se aplique ao seu curso.
» Se tem alguma candidatura com estado COLOCADA, clique na opção “Propinas e Emolumentos” no seu menu à esquerda. » Em seguida, clique no detalhe do pagamento que pretende efetuar e siga as instruções que lhe forem apresentadas*.» Se pretender toda a informação de pagamentos, clique na opção “Talão de Pagamentos“.
*Para mais informação sobre pagamentos consulte a página sobre Modos de Pagamento.
Efetue a sua Matrícula.
» Clique no link “Matrículas“» Só poderá matricular-se após termos processado a informação dos pagamentos obrigatórios. No caso de ter pago por:

  1. PayPal ou Multibanco – poderá inscrever-se logo após receber o comprovativo do seu pagamento, dado que esta informação é processada automaticamente*.
  2. Tesouraria – poderá inscrever-se logo após ter feito o pagamento. Não se esqueça que neste caso necessita de saber o seu “Número de Aluno“. Pode consultá-lo no link “Propinas e Emolumentos”, no separador “Pagamentos”.
*Exceto em casos de problemas técnicos que impeçam a comunicação entre sistemas e/ou transmissão de dados entre plataformas informáticas.
Preencha os inquéritos, caso se apliquem ao seu curso.
» Dependendo do curso e situação, preencha o inquérito. Só depois de o preencher poderá avançar para o passo seguinte. » Este inquérito é obrigatório porque anualmente é solicitado à Universidade de Coimbra, pelo ministério que a tutela, o preenchimento de diversos inquéritos de resposta obrigatória utilizados como instrumentos de notação do Sistema Estatístico Nacional.
Efetue a sua Inscrição no Curso (frequência).
» Após concluir a fase anterior, clique no link “Inscrições em Curso” que lhe aparecerá, e siga todas as instruções.» É nesta fase que terá que selecionar as unidades curriculares (disciplinas) que pretende frequentar no novo ano letivo.
Efetue o pagamento da taxa de inscrição e propinas, de acordo com a situação do curso em que foi colocado.
Finalmente, pode solicitar o seu Cartão de Estudante da UC.
» Para usufruir das vantagens do Cartão da UC terá de efetuar o seu pedido de emissão. » Mais informação em https://www.uc.pt/academicos/inscricoes/cartao_estudante/

No final deste procedimento, será Estudante da UC. Parabéns e seja Bem-Vindo/a!

Nota Importante:Os Estudantes do Concurso Nacional de Acesso (CNA) colocados na Universidade de Coimbra podem matricular-se de acordo com os seguintes prazos e horários a afixar no endereço www.uc.pt/academicos/matriculas.
É obrigatório entregar ou apresentar no Serviço de Gestão Académica, até 31 de dezembro, os documentos originais para que o seu Processo Individual fique completo.
O Bilhete de Identidade ou Cartão do Cidadão tem que ser validado nos serviços na presença do estudante.
 Mais informação na opção de Entrega de Documentos »

Acesso ao ensino superior: 10 perguntas e respostas

O acesso ao ensino superior é feito anualmente através da candidatura ao concurso nacional organizado pela Direção-Geral do Ensino Superior. Este concurso realiza-se no final do ano letivo e organiza-se em três fases, de acordo com o calendário estipulado.

O processo relacionado com avaliação da capacidade para a frequência, a fixação dos critérios de seleção e seriação dos candidatos à matrícula e inscrição no ensino superior compete à Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior. Se este ano o seu filho vai candidatar-se a um curso superior, conheça a resposta a 10 perguntas relevantes para este processo.

1. Quem se pode candidatar ao ensino superior?

Os estudantes que, cumulativamente, satisfaçam as seguintes condições:

  • Cidadãos portugueses, de outro Estado membro da União Europeia (UE) ou, não pertencendo à UE, que residam legalmente em Portugal há mais de dois anos;
  • Ter aprovação num curso secundário nas condições para prosseguimento de estudos, quando existentes, ou ser titular de habilitação legalmente equivalente;
  • Ter realizado as provas de ingresso fixadas para o curso e obtido classificação igual ou superior à classificação mínima exigida;
  • Satisfazer os pré-requisitos, caso sejam fixados;
  • Ter uma classificação de candidatura igual ou superior ao valor mínimo fixado pela instituição para o curso.

2. O que são as provas de ingresso?

As provas de ingresso são um dos requisitos obrigatórios para as instituições de ensino superior selecionarem – em conjunto com outros fatores – os candidatos a determinado curso.

Atualmente, a concretização das provas de ingresso é realizada através dos exames finais nacionais do ensino secundário.

Estes exames são válidos como provas de ingresso no ano da sua realização e nos dois anos seguintes.

As provas de ingresso exigidas para cada curso são fixadas pela instituição, não podendo, regra geral, ser superior a dois. Atenção que, em alguns cursos, podem ser exigidas outras provas de ingresso que não os exames finais nacionais. Para saber quais os exames nacionais do ensino secundário que podem ser utilizados como provas de ingresso, deve consultar o Guia Geral de Exames de 2020.

As instituições de ensino superior exigem uma classificação mínima nos exames realizados como provas de ingresso, fixada num valor igual ou superior a 95 pontos, na escala de 0 a 200. Ou seja, mesmo que a média final da disciplina seja superior 10, se o aluno tiver obtido menos do que 95 pontos na prova de ingresso, não poderá frequentar o ensino superior.

3. O que são pré-requisitos

Além das provas de ingresso, a instituição poderá exigir que sejam satisfeitos outros pré-requisitos para entrar em determinado curso.

Trata-se de condições de natureza física, funcional ou vocacionais relevantes para determinados cursos e que podem servir para selecionar ou seriar candidatos.

Por exemplo, alguns cursos na área de Educação Física requerem que os candidatos satisfaçam alguns pré-requisitos. Se o aluno não comprovar as suas aptidões, não poderá candidatar-se.

4. Como é feita a seleção dos alunos a cada curso?

A seleção dos alunos é feita com base:

  • Nas provas de ingresso, onde deve ser obtida uma classificação mínima – fixada pelo estabelecimento de ensino superior para cada curso – que deve ser igual ou superior a 95 pontos, numa escala de 0 a 200;
  • Nos pré-requisitos que revistam natureza eliminatória;
  • Na nota de candidatura onde deve ser obtida uma classificação mínima – fixada pelo estabelecimento de ensino superior.
Leia também:  Como Contar Que Esta Gravida Para A Familia?

5. Como são ordenados os candidatos a cada curso?

A colocação de alunos nos respetivos cursos é feita segundo listas, que são ordenadas até estarem esgotadas as vagas disponíveis. Esta ordenação é feita segundo os critérios de seriação.

De acordo com o artigo 26.º, do decreto-Lei n.º 90/2008, a seriação é realizada com base numa nota de candidatura, cuja fórmula deverá ser fixada pelo estabelecimento de ensino superior.

Esta fórmula deve integrar:

  • A classificação final do ensino secundário, com um peso não inferior a 50%;
  • A classificação das provas de ingresso, com um peso não inferior a 35%;
  • A classificação dos pré-requisitos de seriação, quando exigidos, com um peso não superior a 15%.

6. Como é definida a nota de candidatura de acesso ao ensino superior?

As instituições de ensino superior exigem uma classificação mínima na nota de candidatura (escala de 0 a 200). Só podem concorrer a um curso os estudantes cuja nota seja igual ou superior a essa classificação mínima.

Assim, para efeitos de acesso ao ensino superior, a classificação final do ensino secundário (cuja escala é de 0 a 20) deve ser convertida para esta escala. É, ainda, importante relembrar que a média do secundário é calculada de forma diferente consoante o curso do secundário.

Veja aqui como se atribuem as classificações finais de curso do ensino secundário.

Exemplo: Um aluno do curso cientifico-humanístico do ensino secundário concorre a um curso superior que atribui o peso de 60% à classificação final do secundário e 40% à classificação das provas de ingresso (dois exames nacionais – X e Y – que valem 20% cada um). A classificação final de ensino secundário foi 14,6; a nota do exame nacional “X” foi 172 e a do “Y” foi 175. Para aferir a sua nota de candidatura, deve multiplicar cada uma das componentes pelo respetivo peso e somar os resultados obtidos. Veja a seguinte tabela:

Nota Peso Resultado
Classificação final de ensino secundário 146 * 0,6 87,6
Exame nacional X 172 0,2 34,4
Exame nacional Y 175 0,2 35
Nota de candidatura 157

* Classificação final de ensino secundário convertida na escala de 0 a 200 pontos (14,6 x 10 = 146).

7. Até quando é que pode inscrever-se num curso superior?

A candidatura de acesso ao ensino superior é feita anualmente através de um concurso nacional organizado pela Direção-Geral do Ensino Superior. Este decorre em três fases, de acordo com o calendário anualmente aprovado. Em 2020, a candidatura à 1.

ª fase realiza-se de 7 a 23 de agosto. Os estudantes que não reúnam as condições de apresentação à 1.ª fase da candidatura apenas podem apresentar-se à 2.ª fase ou à 3.ª fase da candidatura. As inscrições para a 2.ª fase iniciam-se de 28 de setembro a 9 de outubro e a 3.

ª fase acontece de 22 a 26 de outubro.

8. A quantos cursos pode concorrer?

Na candidatura acesso ao ensino superior cada estudante pode concorrer a um máximo de seis cursos, que devem ser indicados por ordem de preferência, quando estiver a candidatar-se. Se mudar de ideias, poderá alterar as suas opções de candidaturas dentro do prazo em que decorre a sua apresentação.

9. Como apresentar a candidatura?

A candidatura deve ser feita através do portal da Direção-Geral do Ensino Superior. Para aceder ao portal deve pedir senha de acesso, imprimir o recibo do pedido e entregá-lo na escola secundária, aquando da inscrição para os exames nacionais.

Se o estudante for menor, o recibo deve ser assinado pelo encarregado de educação.

Este pedido deve ser feito durante o período de inscrição para a 1ª fase dos exames nacionais, mas poderá ser feito até ao final do prazo de candidatura a cada fase do concurso.

10. O que é a ficha ENES?

É um documento de emissão anual necessário para a candidatura ao ensino superior.

Contém informação sobre as provas de ingresso, sobre a conclusão e classificação do secundário para as várias fases de acesso.

A Ficha ENES contém ainda um código de ativação para utilização na candidatura online ao concurso nacional de acesso, sem o qual não é possível efetuar a validação da referida candidatura.

Deve requisitar este documento na escola onde realizou os exames nacionais, depois dos resultados terem sido afixados. Atenção que sem este documento não é possível inscrever-se no ensino superior.

Estudantes Internacionais

Estudantes da Universidade do Porto. | © U.Porto

A pensar no número crescente de estudantes estrangeiros que procuram as universidades portuguesas para realizar um curso completo, foi criado, em 2014, o Estatuto do Estudante Internacional (EEI), que regula o acesso à U.Porto para candidatos que não possuam nacionalidade portuguesa ou de outro Estado membro da União Europeia. No caso dos cursos de 1.º ciclo e mestrado integrado, este é feito através do Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Eis o que precisa de saber…

Quem pode candidatar-se?
A que cursos?
Como candidatar-se?

Quando candidatar-se?
Taxas e Apoio Financeiro
Informações e Contactos

Quem pode (e não pode) candidatar-se?

O concurso é aberto a todos os estudantes nacionais de um país que não pertença à União Europeia, exceto aqueles que:

  • residam legalmente em Portugal há mais de dois anos, de forma ininterrupta, à data de 1 de janeiro do ano em que pretendem ingressar no ensino superior, bem como os filhos que com eles residam legalmente. Não conta para este efeito o tempo de residência com visto de estudos;
  • sejam beneficiários, em 1 de janeiro do ano em que pretendem ingressar no ensino superior, de estatuto de igualdade de direitos e deveres atribuído ao abrigo de tratado internacional outorgado entre o Estado Português e o Estado de que são nacionais;
  • se encontrem a frequentar uma instituição de ensino superior portuguesa no âmbito de um programa de mobilidade ou acordo de intercâmbio.;
  • sejam portadores de dupla nacionalidade, sendo uma delas a portuguesa.

Adicionalmente, os candidatos devem cumprir um dos requisitos:

  • Serem titulares de um diploma do ensino secundário português ou de habilitação legalmente equivalente, atribuída por uma escola secundária ou pelos serviços competentes do Ministério da Educação;
  • Serem titulares de uma qualificação que dê acesso ao ensino superior, entendida como qualquer diploma ou certificado emitido por uma autoridade competente no país de origem que ateste a aprovação num programa de ensino e lhes confira o direito de se candidatar e poder ingressar no ensino superior em Portugal.

Esta informação não dispensa a consulta do Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto.

A que cursos?

Para o ano letivo 2021/2022, as faculdades da U.Porto disponibilizam 682 vagas* para 50 cursos de 1.

º Ciclo (Licenciatura) e Mestrado Integrado, exclusivamente destinadas a Estudantes Internacionais.

Não abrem vagas para este concurso os cursos de Medicina da Faculdade de Medicina e do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar.

* As faculdades de Desporto e de Engenharia ainda não divulgaram o número de vagas disponibilizadas para os respetivos cursos em 2021/2022.

Abaixo apresenta-se a informação atualizada sobre o número de vagas disponíveis para cada curso, em cada fase do concurso, e as respetivas ligações às páginas de candidatura.

* Às vagas indicadas para cada fase serão acrescidas, salvo quando indicado, as vagas sobrantes da fase anterior do concurso.Para informações personalizadas sobre os cursos em que pretende ingressar, consulte a área “Internacional” deste website.

Como candidatar-se?

A candidatura aos cursos de 1.º Ciclo (Licenciaturas) e Mestrados Integrados da U.Porto deve ser apresentada junto dos serviços académicos da faculdade onde o estudante pretende ingressar, dentro dos prazos indicados.

A candidatura é efetuada online (ver links acima), cabendo a cada faculdade da U.Porto estabelecer as condições de ingresso de acordo com o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto.

Em termos gerais, os candidatos devem:

  • Possuir qualificação académica específica nas áreas do saber requeridas para o ciclo de estudos a que se candidatam. Essa qualificação pode ser comprovada mediante apresentação de prova documental no momento da candidatura e/ou através da realização de um exame escrito e/ou oral e provas práticas na faculdade em que o candidato pretende ingressar. INFORMAÇÃO PARA CANDIDATOS BRASILEIROS: A Universidade do Porto aceita os resultados do ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio – para fins de seleção/seriação de estudantes brasileiros que se candidatem aos cursos de licenciatura e mestrado integrado (1.º ciclo). Contudo, as notas do ENEM podem ter um peso diferente em função do curso / faculdade da U.Porto em que o candidato pretende ingressar;
  • Ser utilizadores independentes da língua portuguesa, correspondente ao nível B2, de acordo com o Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas – QECRL. A verificação dos conhecimentos linguísticos pode incluir uma avaliação da competência oral, com recurso à videoconferência; 
  • Satisfazer os Pré-Requisitos (condições de natureza física, funcional ou vocacional) fixados para o ciclo de estudos em que pretendem ingressar. Estes são os ciclos de estudos da U.Porto que exigem pré-requisitos*:
Leia também:  Como Se Chama Pessoas Que Fazem Anos No Mesmo Dia?

Para mais informações, deverá consultar e ler cuidadosamente o edital do concurso e/ou entrar em contacto com os serviços académicos da Faculdade que exige o(s) pré-requisito(s).

Para o curso de Ciências do Desporto (Faculdade de Desporto), que exige a realização de provas de aptidão funcional, física e desportiva, os candidatos devem efetuar uma inscrição para realizar os pré-requisitos, através do e-mail [email protected]

Quando candidatar-se?

Na tabela abaixo pode encontrar o Calendário Geral de Candidaturas para o ano letivo 2021/2022. Atenção: Este calendário não é aplicado pelas faculdades de Desporto, Economia e Engenharia da U.Porto. Aconselha-se por isso a consulta da informação disponibilizada por cada uma dessas faculdades.

Procedimentos Prazos (1.ª Fase) Prazos (2.ª Fase) Prazos (3.ª Fase)
Apresentação das candidaturas 2 janeiro › 1 março 2021 2 março › 20 maio 2021 19 julho › 25 julho 2021
Análise de Candidaturas 2 março › 12 março 2021 21 maio › 2 junho 2021 26 julho › 30 julho 2021
Afixação de resultados provisórios 15 março 2021 4 junho 2021 2 agosto 2021
Audiência prévia 16 marco › 29 março 2021 7 junho › 21 junho 2021 16 agosto › 27 agosto 2021
Afixação de resultados definitivos 30 março 2021 22 junho 2021 2 setembro 2021
Apresentação de reclamações  31 março › 21 abril 2021 23 junho › 14 julho 2021 3 setembro › 23 setembro 2021
Publicação da decisão de reclamações 28 abril 2021 21 julho 2021 1 outubro 2021
Matrículas 31 março › 12 abril 2021 23 junho › 5 julho 2021 3 setembro › 8 setembro 2021
Eventual colocação de suplentes 13 abril › 26 abril 2021 6 julho › 16 julho 2021 9 setembro › 13 setembro 2021
Publicação de vagas sobrantes 27 abril 2021 19 julho 2021

Taxas e Apoio Financeiro

A frequência dos cursos de 1º Ciclo (Licenciatura) e Mestrado Integrado da U.Porto implica o pagamento de uma anuidade que, no caso dos estudantes abrangidos pelo Estatuto de Estudante Internacional, varia entre os 3.500 euros e os 8.000 euros (ver valores/curso em vigor no ano letivo 2020/2021).

Contudo, e atendendo aos laços que unem Portugal aos estados que integram a CPLP – Comunidade de Países de Língua Portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste), pode ser aplicada uma redução de até 45% na propina paga pelos estudantes nacionais desses países.

A Universidade do Porto promove e/ou patrocina ainda um conjunto alargado de apoios financeiros aos seus estudantes internacionais.

No caso dos estudantes que beneficiem de bolsas de estudo atribuídas por instituições externas, entidades governamentais, ou instituições parceiras, este apoio pode traduzir-se numa redução do valor da anuidade correspondente à diferença entre o valor da anuidade e o valor do subsídio atribuído à Universidade do Porto pela entidade financiadora. Uma vez na U.Porto, o estudante deve fazer prova do tipo de bolsa de que usufrui. 

As faculdades da U.Porto podem igualmente conceder incentivos financeiros aos estudantes aceites ao abrigo do Concurso Especial para Estudantes Internacionais com base no mérito, em função da classificação geral de acesso.

O valor máximo do incentivo corresponderá à diferença entre o valor da anuidade aplicada aos estudantes com EEI e o valor da anuidade máxima fixada para os estudantes nacionais.

Este incentivo é atribuído ao abrigo do Regulamento do programa de incentivos para estudantes internacionais da Universidade do Porto, desde que estes cumpram os critérios de elegibilidade estabelecidos por cada faculdade.

Durante a frequência do curso, os estudantes com EEI podem ainda candidatar-se às bolsas de mérito destinadas a estudantes que obtenham aproveitamento escolar excecional.

Saiba mais sobre as oportunidades de financiamento ao dispor dos estudantes internacionais da U.Porto.

Informações e Contactos

A legislação genérica relativa ao Concurso Especial para Estudantes Internacionais encontra-se disponível para consulta (apenas em versão portuguesa) no website da Direção Geral do Ensino Superior (DGES). Para mais informações, poderá consultar o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto (brevemente disponível em inglês).

Para mais informações sobre o Concurso Especial para Estudantes Internacionais , pode contactar o Gabinete de Acesso ao Ensino Superior da U.Porto (GAES-UP) e/ou os serviços académicos da faculdade à qual se pretende candidatar.

Na área “Internacional” deste website encontrará também informação detalhada sobre os serviços e valências colocadas ao dispor dos nossos estudantes internacionais.

Gabinete de Acesso ao Ensino Superior (GAES-UP)

Reitoria da U.Porto Praça de Gomes Teixeira 4099-002 Porto, Portugal Telefone: (+351) 220 408 198/053

E-mail: [email protected]

Atendimento presencial e telefónico: Consultar Horário Mais informações

Entenda como você pode participar da lista de espera do Sisu

A gente sabe que passar no Sisu é difícil.

A concorrência é feroz, com notas de corte que chegam a superar os 800 pontos na média do Enem. Para deixar tudo mais concorrido, o processo tem apenas uma chamada para convocar os aprovados.

Felizmente existe a lista de espera, uma segunda chance para aqueles que participaram da disputa e não foram selecionados.

Quer descobrir como faz para entrar na lista de espera do Sisu? Confira agora mesmo!

Como funciona a lista de espera do Sisu?

  • A lista de espera do Sisu tem o objetivo de preencher as vagas que não foram ocupadas na primeira chamada.
  • Vamos explicar melhor: quem foi convocado na primeira chamada do Sisu tem um prazo para levar uma série de documentos até a universidade para a qual foi selecionado e fazer a matrícula.
  • Até aí, tudo tranquilo.

Acontece que muita gente deixa essa chance escapar. Alguns bobeiam com o prazo, outros perdem o interesse, e ainda tem quem não consiga apresentar toda a documentação exigida.

Todo esse povo perde a vaga, que fica disponível para os interessados em participar da lista de espera.

A lista de espera do Sisu não é automática, ou seja, aquelas vagas que forem sobrando não são distribuídas diretamente ao próximo colocado.

Quem quiser ter mais essa chance precisa se cadastrar na fila de espera.

Quem pode participar da lista de espera do Sisu?

  1. Antes de entender como faz para participar da lista de espera do Sisu, vale a pena parar um momento e verificar se você cumpre os requisitos.

  2. O Sisu só permite entrar na lista de espera quem se inscreveu naquela mesma edição e não foi selecionado em nenhuma das duas opções de curso durante a seleção regular.

  3. Ou seja, não pode ter sido convocado na primeira chamada, nem para a primeira nem para a segunda opção que você marcou ao se inscrever.

Como se inscrever na lista de espera do Sisu?

Caso cumpra os requisitos para entrar na lista, basta entrar no site oficial do Sisu com seu número de inscrição do Enem e senha. Em seguida, localizar a opção de entrar na lista e selecioná-la.

Como saber se fui selecionado na lista de espera do Sisu?

  • Ao contrário da chamada regular, o resultado da lista de espera não aparece no site do Sisu.
  • Isso porque essa parte da seleção é responsabilidade de cada universidade envolvida.
  • O processo, que pode durar várias, semanas, deve ser acompanhado pelo candidato junto à instituição de ensino onde está tentando entrar pela lista de espera.
Leia também:  Como Se Chamam As Silabas Que Nao Sao Tonicas?

É comum que o resultado só saia depois de as aulas começarem. Por isso, não desanime!

O que fazer se não passar no Sisu?

Se o seu objetivo é usar a nota do Enem para entrar no ensino superior, vai encontrar muitas possibilidades além do Sisu. E o melhor: com a possibilidade até de estudar de graça ou com benefícios bem interessantes.

Uma das mais simples é via ingresso direto. Aqui, basta apresentar a nota do Enem na faculdade do seu interesse. Caso tenha pontuação suficiente é só fazer a matrícula. Muitas oferecem descontos e bolsas para quem chega com um bom desempenho no exame.

Outra alternativa bastante popular é o ProUni, programa de bolsas de estudos do governo federal. Aqui, além de ter feito o Enem, é preciso cumprir outros requisitos de renda familiar e formação escolar. O ProUni abre inscrições logo após a divulgação da primeira chamada do Sisu.

Assim que sai o resultado do ProUni, abrem as inscrições para outro programa do governo federal, o FIES. O benefício vem em forma de um financiamento a juros baixos e prazo longo para quitar a dívida, voltado a pessoas que se enquadrem em determinado perfil de renda familiar e desempenho no Enem.

E tem mais: diversas faculdades têm incentivos como descontos, convênios e financiamentos sem burocracia.

Onde estudar

A dica para qualquer pessoa que pretenda entrar no ensino superior é: escolha a melhor faculdade que puder.

São milhares e milhares de opções pelo Brasil afora, por isso a gente vai dar uma forcinha.

Selecionamos para você algumas faculdades reconhecidas e muito bem avaliadas pelo Ministério da Educação (MEC) onde você pode começar a desenhar seu futuro de sucesso. Elas têm cursos presenciais e a distância, em diferentes áreas e graus de formação (bacharelados, tecnólogos e licenciatura). Todas oferecem bolsas, financiamentos e descontos variados.

Clique e conheça:

Veja também:

Fui aprovado no ProUni, e agora? Descubra o que fazer!

Está pensando em tentar vaga em qual curso do Sisu? Conte para a gente!

9787 alunos colocados na segunda fase de acesso ao ensino superior. Veja aqui se entrou

© Arquivo Global Imagens

Cerca de 10 mil estudantes (9787) entraram na segunda fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público, mais de metade – 5253 – no ensino superior politécnico.

Foram 22 750 os candidatos que se apresentaram à segunda fase, a maior parte dos quais – 8027 – estudantes que não ficaram colocados na primeira. O que significa que foram agora colocados 43% dos candidatos.

Consulte aqui as listas completas da segunda fase de colocações

Fechar

Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Clique aqui para descarregar a lista completa (folha Excel).

De acordo com os dados divulgados pelo ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, a nota mais alta do último colocado neste segundo período de candidaturas – 19,58 – foi em Bioengenharia na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, uma das mais concorridas da primeira fase, que colocou ainda dois alunos.

O top das classificações de acesso acompanha, aliás, de muito perto a tendência da primeira fase, quer em relação aos cursos, quer em relação às médias altíssimas.

Depois de Bioengenharia surge o curso de Medicina na Universidade Nova de Lisboa, com uma única entrada nesta segunda fase, com uma média de 19,42.

Ainda na ordem dos 19 valores ficaram as vagas disponíveis em Medicina na Universidade do Porto e da Beira Interior, bem como vários cursos de engenharia, quer da Universidade do Porto, quer do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa.

Já na parte inferior da tabela, houve nove cursos em que o último colocado teve uma média inferior a 10, o que acontece sobretudo em institutos politécnicos, mas também na Universidade de Évora (Ecologia e Ambiente) e da Madeira (Design).

Nesta segunda fase, 35% dos colocados conseguiram entrar na primeira opção, enquanto 22% ficaram na segunda e 17% na terceira. Face aos números do ano passado, a percentagem de candidatos que conseguiu ficar na primeira escolha caiu substancialmente – em 2019 foram 41%.

Nesta segunda fase, o Instituto Politécnico de Bragança era a instituição com mais vagas disponíveis (1372), seguido da Universidade de Lisboa (706). Quatro instituições do ensino superior já não tinham qualquer vaga para esta segunda fase – o ISCTE, em Lisboa, e as escolas superiores de enfermagem de Coimbra, Lisboa e Porto.

Consideradas as duas fases de acesso, há cerca de 54 mil novos estudantes no ensino superior, um aumento de 16% face a 2019.

Fechada a segunda fase, ficaram ainda disponíveis 4255 vagas para a 3.ª fase do Concurso Nacional de Acesso, cujas candidaturas vão decorrer de 22 a 26 de outubro.

Já a a matrícula e inscrição para os estudantes colocados na segunda fase realiza-se entre 15 e 19 de outubro.

Prémio de Mérito de Ingresso no Ensino Superior – Procedimentos de candidatura

Prémio de Mérito de Ingresso no Ensino Superior, aprovado pela Resolução do Conselho do Governo N.º 54/2019, de 8 de abril, foi revogado e alterado pela Resolução do Conselho do Governo N.º 191/2020, de 15 de julho de 2020.

  • A presente Resolução produz efeitos a partir do acesso e ingresso no ensino superior no ano letivo 2020/2021.
  • O que é?
  • É um Prémio atribuído pelo Governo dos Açores e destina-se a apoiar os estudantes colocados pela primeira vez no ensino superior.
  • Exclui-se do âmbito de aplicação o ingresso no ensino superior à distância, designadamente através de e-learning ou b-learning.
  • Qual o valor?
  • O Prémio tem um valor pecuniário de €500, por estudante.
  • Quem pode beneficiar do Prémio?
  • Podem candidatar-se os estudantes que, cumulativamente, façam prova de que:
  • à data da candidatura residam permanentemente há, pelo menos, três anos na Região Autónoma dos Açores e tenham estado inscritos, frequentado e concluído o ensino secundário na RAA
  • nunca estiveram matriculados em instituição de ensino superior público, privado ou equiparado.

Periodicidade do Prémio?

A atribuição do Prémio é anual e respeita à matrícula efetuada no 1.º ano do ensino superior.

  1. Como requerer o Prémio?
  2. O acesso ao Prémio depende de candidatura, apresentada pelo estudante ou por um seu procurador bastante, ou, sendo o estudante menor, pela pessoa que demonstre exercer o poder parental ou tutelar.
  3. Como se Formaliza a Candidatura?
  4. 1 – As candidaturas são formalizadas exclusivamente online, através do Portal da Educação em link disponibilizado para o efeito e mediante o preenchimento de formulário dirigido ao membro do Governo Regional competente em matéria de educação, do qual devem constar:
  1. a) O nome completo do candidato;
  2. b) O número de identificação fiscal (NIF);
  3. c) O número de cartão de cidadão e respetiva validade;
  4. d) O comprovativo de identificação bancária (IBAN) emitido em nome do candidato;
  5. e) O comprovativo da matrícula no curso superior e instituição em que o candidato ficou colocado.

2- Para comprovar que os candidatos reúnem as condições para requerer o Prémio de Mérito, nos termos do exigido no N.º 2, do Artigo 3.º da supracitada Resolução, os requerentes devem apresentar ainda:

  1. a) A Ficha ENES, relativamente ao concurso nacional público ou privado;
  2. b) O certificado de habilitações e o atestado de residência, relativamente ao concurso especial para diplomados das vias profissionalizantes, ao acesso para titulares maiores de 23 anos, ao ensino superior estrangeiro e aos cursos técnicos superiores profissionais.
  • Qual o prazo para requerer o Prémio?
  • As candidaturas devem ser apresentadas a partir do dia 6 de outubro, não excedendo o dia 15 de dezembro do ano em que a candidatura é formalizada, porque a partir daquela data a plataforma será encerrada.
  • Como são apreciadas as candidaturas?

As candidaturas são apreciadas pela Direção Regional da Educação e a decisão final de atribuição do Prémio é do Sr. Secretário Regional da Educação e Cultura.

  1. Esta decisão é publicada em Jornal Oficial e divulgada no Portal do Governo.
  2. Em caso de falta de algum documento as candidaturas são liminarmente indeferidas?
  3. Não. Excecionalmente, o candidato será contactado, por correio eletrónico, para que no prazo de 5 dias úteis, a partir da notificação, apresente a documentação em falta
  4. Esta informação não dispensa a leitura atenta do Regulamento do Concurso (consulte aqui)
  • 191-I-Resolução_do_Conselho_do_Governo-2020-07-15

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*