Como Reagir Quando Um Amigo Se Afasta?

Quantas pessoas conhecemos ao longo de nossas vidas, seja na escola, trabalho, no dia a dia. Algumas acabam se tornam mais próximas. Com o passar do tempo, algumas dessas amizades, desses relacionamentos, esfriam. Elas se afastam. Pessoas se desentendem e, por vezes, cada uma toma uma direção.

Isso é o ciclo natural da vida! Pessoas chegam e partem o tempo todo, pois estamos em constante movimento. É natural que isso aconteça, mas, para alguns, essa situação pode ser desconfortante e acaba gerando pensamentos de inferioridade e questionamentos sobre uma possível falha para que isso acontecesse.

Quando começamos a amadurecer, passamos a pensar de maneira diferente e a evoluirmos. Logo, aquilo que antes parecia ser adequado, passa a ter outro sentido.

As pessoas já não possuem a mesma sintonia, as vibrações mudam, o que antes lhe fazia bem, hoje pode causar um grande desconforto. Isso acontece com pessoas, lugares e até mesmo com o nosso emprego.

Quando mudamos o nosso sistema de pensar e agir, automaticamente as coisas ao nosso redor acabam mudando também, porque nosso comportamento está em sincronia com a nossa ecologia.

E não há nada de errado quando isso acontece; não significa que você não goste mais daquilo ou de determinadas pessoas, que você deixou de ser amigo de um e passou a se importar mais com o outro. Isso significa que você está inserido em um novo ambiente. Se você começa, por exemplo, a praticar Yoga, automaticamente sua esfera social e comportamental também será alterada.

E isso não significa que deixará de amar, de se importar com alguém. Apenas, naquele momento de sua vida, sua alma e seu coração está vibrando em outra sintonia. Por isso é tão normal amigos passarem dias, meses, anos sem se ver e, ao se encontrarem, parecer que se falaram há pouco tempo.

Porque não é isso que acaba com uma amizade, mas, sim, a cobrança, ciúmes, mágoa, raiva, intolerância etc.

Afastamentos podem ser temporários.

E quando essa pessoa voltar ao seu convívio, não busque saber o que aconteceu no passado e o porquê do distanciamento, mas busque acolher essa pessoa, saber em qual ponto ela está da vida, o que está fazendo, quais desafios e experiências passou.

Não estou dizendo que é fácil, mas deixarmos o ego de lado para acolher alguém com carinho pode ser um ótimo exercício de resiliência. Lembre-se que ninguém entra na nossa vida sem um motivo. E assim como a sua vida, a dele também avançou.

  • OUTROS ARTIGOS DE ROBERTA PERES
  • SABER OUVIR
  • DESAPARECIMENTO, A ANGÚSTIA DE UMA FAMÍLIA
  • CONHECER A SI MESMO REQUER UM IMPORTANTE TRABALHO INTERIOR
  • O TREM ESTÁ NA PLATAFORMA ESPERANDO VOCÊ
  • AS CARACTERÍSTICAS DO BOM GESTOR

Já outros afastamentos podem ser definitivos; e tudo bem… Não precisa entender o motivo ou se martirizar pelo o que foi feito ou não ocorreu; algumas pessoas irão cumprir o seu papel em nossas vidas e irão seguir o seu caminho.

E assim com a partida destas, novas irão chegar e iremos viver novas experiências, conhecer novas oportunidades, novos sabores. Tudo muda o tempo todo! E assim é o movimento da vida! Sinta-se em paz e com gratidão por ter tido a oportunidade de ter tais pessoas em seu convívio.

Lembre-se de que se algumas pessoas não estão mais próximas de você é porque você mudou e tudo à sua volta também. Isso se chama evolução. Você é a única pessoa que não pode se afastar de você mesmo.

Então desfrute a sua companhia e saiba que algumas experiências em nossas vidas são efêmeras, mas terão um espaço especial em nossas histórias.(Foto: www.bbc.com/portuguese)

  1. Como Reagir Quando Um Amigo Se Afasta?ROBERTA PERES
  2. Formada em Gestão de Recursos Humanos, Eneagrama, conhecimento em técnicas de PNL, com carreira desenvolvida em liderança e desenvolvimento humano.  
  3. VEJA TAMBÉM
  4. CONTROLE DE PESO E ALIMENTAÇÃO PARA GESTANTES. ASSISTA A MAIS UM VÍDEO DA GINECOLOGISTA LUCIANE WOOD

Como Terminar Educadamente uma Amizade com Alguém

Baixe em PDF
Baixe em PDF

Os amigos são essenciais para nossas vidas—nos abrimos para eles, procuramos apoio quando estamos para baixo e comemoramos os sucessos com eles, afinal de contas — mas as amizades mudam e evoluem com o tempo, o que nem sempre é algo bom.

Está sentindo que uma amizade já deu o que tinha que dar — vocês não têm mais nada em comum, ou a relação se tornou tóxica — e quer pôr um fim nela? Não sabe como fazer isso sem muito drama? Continue lendo para avaliar se é realmente necessário cortar os laços com a pessoa e como fazê-lo do melhor modo possível.

  1. 1

    Pense se quer mesmo cortar a pessoa em questão da sua vida. Encerrar uma amizade pode ter um impacto enorme na vida de vocês, portanto, não tome uma decisão precipitada.

    Sente-se para se acalmar e liste os motivos pelos quais é amigo da pessoa.

    Em seguida, liste as coisas de que não gosta mais na amizade para ter uma ideia melhor se é possível salvar a relação ou se o melhor é dar um fim a ela.[1]

    • Definir os motivos pelos quais deseja dar fim ao relacionamento ajudará na sensação de confiança na sua decisão e na comunicação com a outra pessoa. Você conseguirá colocar um ponto final nas coisas e sair com a sensação de que fez o certo.[2]
    • Lembre-se de que não há problema algum em se afastar de alguém com o tempo. Isso não torna você uma pessoa ruim.
  2. 2

    Veja se quer dar fim ao relacionamento por conta de algo que pode ser resolvido ou por conta de uma mudança grande nas personalidades de vocês.

    Um desentendimento simples pode ser a causa do conflito; seu amigo pode não saber que fez algo que está irritando você.

    É possível também que vocês tenham mudado e não haja mais uma conexão — se vocês se conhecem desde o jardim de infância e estão na adolescência, é possível que gostem e valorizem coisas diferentes. Isso é normal.

    • Está pensando em dar fim à amizade por sua amiga ter dito algo ruim sobre sua namorada ou por ter faltado em um compromisso? A menos que se trate de um padrão de comportamento, deixar claro que ficou magoado pode ser suficiente para contornar a relação.
    • Caso fique entediado e não queira mais passar um tempo com a pessoa, é possível que a conexão entre vocês tenha desaparecido.[3]
    • Se vocês não têm muito em comum — estão com dificuldade para encontrar coisas para fazer ou conversar —, esse é um sinal de que a amizade está no fim.[4]
    • Trata-se de um amigo compassivo e que pensa sempre em você, mas que às vezes fura os passeios ou está sempre atrasado? Pense bem se os problemas são coisas que podem ser trabalhadas para salvar a amizade.[5]
    • Seu amigo sofre de ansiedade ou é tímido? Você se vê como uma pessoa capaz de guiar amigos por problemas sociais como esses?
  3. 3

    Tente encontrar os sinais de toxicidade na amizade. Uma amizade tóxica é um relacionamento pouco saudável no qual você sente que está sempre sendo usado. Caso seu amigo o insulte, tenha ciúmes de suas outras amizades ou faça com que se sinta mal, talvez seja melhor cortar a relação.[6]

    • Seu amigo só entra em contato quando precisa de algo? Ele o usa como terapeuta, mas nunca devolve o favor? Ele pede que faça coisas sem dar nada em troca?
    • Ele se concentra apenas nas coisas negativas da vida? Avalie se o problema é contido, pois nós temos fases mais negativas. Se o problema for crônico, entretanto, pode ser que seu amigo seja simplesmente uma pessoa pouco saudável de se ter por perto.[7]
    • Ele é extremamente competitivo, arranja brigas ou é exigente demais? Todos esses sinais apontam para uma relação tóxica.[8]
    • Ele faz coisas que o causam problemas? Se seu amigo estiver roubando, machucando pessoas ou fazendo coisas ruins — e o arrastando para esse meio —, saiba que não é sua função “consertá-lo”. Sempre cuide de suas necessidades primeiro.
    • Pense em como se sente depois de encontrar seu amigo. Caso acabe sentindo-se mal consigo próprio, a relação provavelmente não é saudável.[9]
  4. 4

    Dê uma oportunidade para a mudança. Se os pontos positivos do relacionamento superam os negativos, tente conversar com seu amigo sobre as coisas que o irritaram ou magoaram. Os problemas podem ter solução, e talvez não seja preciso dar fim ao relacionamento. Lembre-se de que ninguém é perfeito e que você também pode se tornar um amigo melhor.[10]

    • Converse, em particular, com seu amigo e explique que o relacionamento atual dele é prejudicial para a relação de vocês. Diga algo como “Fico muito incomodado quando você flerta com minha namorada” ou “Sabe, é muito difícil sair com você pelo fato de estar sempre atrasado. Pode se esforçar mais para chegar na hora?”.
    • Encerrar uma amizade sem permitir que a outra pessoa tente mudar pode ser bastante traumático. Se ela já foi uma boa amiga sua, tente resolver a situação antes de cortar a relação.[11]
  1. 1

    Decida se é adequado afastar-se gradualmente ou se é preciso ter uma conversa direta com a pessoa. Se estamos falando do seu melhor amigo, talvez o corte completo de laços não seja a melhor tática.

    Se quiser simplesmente reduzir a intimidade (transformar um melhor amigo em um amigo comum ou um amigo em um conhecido), o afastamento gradual pode funcionar bem. Se você quer o seu melhor amigo fora da sua vida, converse com ele.

    Ainda assim, é bom se afastar um pouco antes da conversa.[12]

    • Caso a pessoa esteja sempre em contato com você (pelo fato de vocês estudarem ou trabalharem juntos, por exemplo), experimente a abordagem gradual. Dizer na cara que não quer mais ser amigo dela provavelmente vai complicar as coisas além do necessário.[13]
    • Se a amizade parece estar acabando por conta própria (como quando nenhum dos dois parece conseguir arranjar tempo um para o outro), deixe-a se esvair sozinha. Não é necessário dizer que não quer mais ser amigo da pessoa.
    • Não a corte completamente sem explicação. Retire-se gradualmente de uma amizade, mas não ignore as tentativas de contato da outra pessoa nem finja que não a conhece. Isso pode causar mágoa, confusão e drama.
    • Esse método ainda pode causar mágoas. Mesmo que você não diga com todas as palavras que não quer mais ser amigo dela, a pessoa ainda vai entender a situação e ficar chateada.
  2. 2

    Fique indisponível. Quando seu amigo chegar com algum convite, diga que está ocupado. A lição de casa, seus pais e as obrigações religiosas são boas razões para se ficar indisponível. Demore para responder às mensagens e tente não falar muito no telefone. Quando conversarem, seja breve.

    • Lembre-se de não ser maldoso nunca. A ideia não é magoar os sentimentos da pessoa, mas sim afastar-se dela. Seja breve e diga coisas como “Desculpa, mas preciso ir”.
    • Caso não se sinta confortável fingindo estar ocupado quando seu amigo entrar em contato, ocupe-se de verdade. Junte-se a um clube ou pratique uma atividade que interesse a você, mas não a seu amigo. Você conhecerá novas pessoas e terá oportunidades novas para sair.
    • Passe mais tempo com outros amigos, reconecte-se com seus familiares ou saia por conta própria.
  3. 3

    Não compartilhe tanto quanto no passado. Se você tinha o costume de contar tudo sobre suas interações com seus namoricos ou sobre problemas familiares, reduza tais conversas. Fale sobre assuntos mais superficiais.

    • Caso ele queira conversar por horas sobre a namorada, tente evitar a conversa ou mantê-la o mais breve possível. Diga que está ocupado e não pode falar, ou que pode falar por no máximo cinco minutos por conta de um compromisso.
  4. 4

    Não faça mudanças drásticas nas redes sociais. Deletar a pessoa da sua lista de amigos deixa bem claro para os amigos em comum de vocês que a relação terminou, muitas vezes antes que a outra pessoa perceba o que está acontecendo. Ao removê-la de suas listas de amigos, sua decisão privada passa a ser pública e pouco sutil.[14]

    • Em vez de excluir a amizade, simplesmente cancele a assinatura do feed da pessoa.
  1. 1

    Planeje o que dizer. A conversa vai ser difícil de qualquer modo, mas pode ser útil escrever seus motivos para botar um fim na relação ou montar um roteirinho para o papo.[15]
    Como a ideia é minimizar as mágoas, declare os seus motivos com tato e evite as acusações.[16]

    • Ensaie o que dizer com um amigo próximo ou um familiar. É importante escolher uma pessoa de confiança que não vai dizer nada para ninguém. Se o amigo em questão ouvir de outra pessoa que você quer cortar a amizade com ele, a situação vai ficar bem chata para todos os envolvidos.[17]
  2. 2

    Sente com seu amigo e diga tudo que tem para dizer. Se ele era bem próximo de você, é importante dialogar e permitir uma resposta, em vez de simplesmente falar tudo e não ouvir.[18]
    Seja direto (mas não maldoso) e não invente desculpas esfarrapadas.[19]

    • Um ambiente silencioso e privado é a melhor opção para se evitar situações embaraçosas, como as lágrimas. O pátio da escola não é um bom local para se ter a conversa.
    • É muito fácil interpretar mal uma mensagem escrita, portanto, converse com a pessoa cara a cara ou pelo telefone. Não envie mensagens por escrito, pois elas podem ser repassadas.
    • Seja gentil, mas firme. Não diga “Você virou um babaca e nossa amizade acabou”, sob nenhuma circunstância. Tente dizer algo como “A nossa amizade se tornou bastante negativa e acho que o melhor para nós é nos separarmos”. [20]
  3. 3

    Ouça a resposta. Seu amigo provavelmente vai ter perguntas ou explicações. Ele pode ficar na defensiva ou até mesmo chorar. Deixe as emoções fluírem — a menos, é claro, que a pessoa fique violenta; nesse caso, vá embora. No futuro, vocês dois vão se sentir melhores por terem tido a oportunidade de dizer o que precisava ser dito, por mais difícil que tenha sido.[21]

    • Seu amigo pode ficar mal pelo modo como agiu e tentar salvar a amizade. Se estiver disposto, você pode deixá-lo tentar.[22]
    • Caso seu amigo tente transformar a conversa em uma briga, não caia na dele. Não se envolva, mesmo que ele comece a xingá-lo.[23]
    • Fique no local até que a pessoa fique bem. Caso seu amigo fique magoado com a situação, pode ser preciso acompanhá-lo até que ele esteja bem o suficiente para ir para casa.[24]
  1. 1

    Não faça fofocas quando perguntarem o que aconteceu. As pessoas podem perceber que vocês não são mais amigos e ficar interessadas. Você pode dizer coisas não muito específicas como “Acabamos nos distanciando”, mas evite os detalhes sempre que possível. Falar mal de um ex-amigo é maldoso e imaturo, não importa o que tenha acontecido.[25]

    • Caso seu amigo comece a espalhar boatos sobre você, tente não revidar na mesma moeda. Não há motivo algum para se defender disso ou insistir na situação caso não queira mais nada com a pessoa.[26]
      Nesse caso, você vai saber que tomou a decisão correta.
  2. 2

    Seja educado ao rever a pessoa. As coisas podem ficar estranhas por um tempo, e seu amigo pode ficar magoado ou nervoso, mas trate-o com respeito sempre. Lembre-se de que ele já foi seu amigo e merece essa honra.[27]

    • Não ignore a pessoa! Dê um sorriso de leve ou acene com a cabeça ao vê-la, mas siga em frente.
  3. 3

    Não se deixe levar pelo drama caso os amigos em comum de vocês fiquem irritados. Encerrar uma amizade pode prejudicar o funcionamento de um grupo de amigos. Os amigos em comum podem tomar partido na situação, pedindo para que vocês se reconciliem ou ficando bravos.[28]

    • Tente não ficar irritado caso os amigos de vocês fiquem do lado da outra pessoa. Você provavelmente vai ficar magoado, mas saiba que não precisa de pessoas assim na sua vida.[29]

Como desapegar dos amigos que não têm mais a ver com você

Vocês viveram ótimos momentos, mas, com o passar do tempo, acabaram se afastando, seja por que os interesses se tornaram distintos ou por que um percebeu que o outro não lhe fazia tão bem.

“Poder mudar nossas concepções e ampliar percepções nos torna seres em constante transformação.

Caso realmente não se sinta disponível para continuar uma amizade, questione-se: o que pode acontecer se você forçá-la? Talvez não seja saudável para nenhuma das partes”, diz a psicóloga clínica Vanessa Santos. As dicas a seguir vão ajudar a deixar uma amizade falida ir embora.

1. Livre-se da culpa

Pode ser que o motivo pelo qual você queira se afastar não esteja muito claro, mas vale a pena investigar.

Responda as seguintes perguntas: A pessoa é leal? É uma amizade sincera? A relação é recíproca? Se as três respostas forem negativas, é preciso aceitar que vocês já não são amigos.

“A amizade dura enquanto houver troca, cumplicidade e, principalmente, enquanto houver confiança. Se está faltando algum desses ingredientes é porque a amizade já está fechando esse ciclo”, explica o psicólogo clínico João Alexandre Borba.

Para a psicóloga Gabriela Luxo, a melhor forma de se desapegar de um amigo sem ser indelicado com ele é se distanciar aos poucos: não aceitar todos os convites sociais e evitar os amigos em comum – ao menos por um tempo.

“Aproveite para sair com aqueles que você combinou várias vezes de fazer algo, mas nunca colocou em prática ou para começar novas atividades, como aquela academia que você prometeu há anos.

Dessa maneira, poderá formar novos grupos de amigos”, sugere.

3. Não encare como algo definitivo

Pode ser que essa amizade não esteja fazendo bem neste momento porque vocês têm interesses opostos, mas não significa que nunca mais possa ser legal de novo. “Amigos são pessoas diferentes de nós, em alguns momentos essas diferenças nos levam para caminhos distintos. No futuro, um afastamento pode até representar o fortalecimento dos laços”, fala o psicólogo Tiago Yehia de la Barra.

Só você quer se afastar e o outro continua insistindo na amizade? O jeito é ter uma conversa sincera e respeitosa. “Pode começar por esclarecer o porquê dessa decisão, sempre dando a oportunidade da outra parte também se expressar livremente. Essa conversa pode ser o primeiro passo para a solução do problema que motivou o afastamento, inclusive”, indica o psicólogo Rodrigo Claudino.

5. Resolva suas mágoas só se valer a pena

Se a amizade compensa, vale a pena lavar a roupa suja da relação. Mas se ela não faz sentido algum, essa conversa só vai aumentar o problema e a raiva. E será que é bom gastar sua energia com isso só porque você “precisa falar umas verdades”?

6. Vocês podem continuar amigos nas mídias sociais

Manter ele ali nos seus contatos acalma a curiosidade e é uma forma de acompanhar a vida do outro à distância e perceber, se for o caso, quando é o momento de reavivar aquela amizade. “Deletar a pessoa é uma medida se ela for muito maldosa e te expuser negativamente em rede pública. Caso contrário, devemos saber lidar com pessoas queridas e outras nem tanto”, diz Gabriela Luxo.

Seis comportamentos que fazem as pessoas se afastarem de nós

A maioria de nós gosta de ter sucesso em nossas relações pessoais. Mas ter a atitude certa é crucial para esse fim. Na verdade, existem certos comportamentos que, se reiterados, podem acabar afastando os demais do nosso convívio.

O psicólogo José Elías Fernández González, membro do Colégio de Psicólogos de Madri, na Espanha, nos conta quais são os mais habituais desses comportamentos, e o que podemos fazer para melhorar essas características caso as tenhamos.

1. Levar as coisas a ferro e fogo

Podemos nos magoar, por exemplo, quando um chefe reconhece os resultados de um colega, mas não os nossos. É preciso, porém, aprender a relativizar essas pequenas punhaladas no ego e “não autoquestionar nosso valor nem se subvalorizar”, recomenda o especialista.

Para lidar com isso, é preciso ser capaz de pensar que não somos os melhores em tudo. Só assim conseguiremos tirar um grande peso de cima: “Seria exaustivo se todos sempre recorressem a nós”, diz o psicólogo. “Além disso, não podemos ser especialistas em todos os aspectos profissionais e pessoais. Há pessoas que têm ideias melhores que as nossas em determinados assuntos.”

Também devemos tentar não levar tudo para o terreno pessoal, porque não somos o umbigo do mundo. Devemos tentar manter o controle sobre nossas emoções e não reagir exageradamente aos acontecimentos cotidianos.

2. Ser ciumento por natureza

O monstro de olhos verdes tampouco ajuda a criar um círculo de amizades saudável.

No âmbito social, muitas vezes o ciúme é entendido como uma amostra de que nos importamos com os outros, mas neles só encontramos frustração e mal-estar.

“Geram sentimentos de inveja, obsessão ou controle que de maneira inconsciente e involuntária se manifestam e projetam nos outros, o que pode levá-los a fugir de nós”, esclarece Fernández González.

Para combater o ciúme, devemos aprender a valorizar nossos pontos fortes e virtudes, assim como as coisas boas que nos acontecem. “É preciso evitar comparações com os outros.”

3. Necessitar de constantes elogios

Todo mundo gosta de receber elogios ou afagos de quem nos cerca. Mas cuidado, porque, se nossa autoestima depender da validação constante por parte dos outros, ela se voltará contra nós. Ser viciado em elogios também pode turvar suas amizades.

Fernández González afirma que não cabe às pessoas que nos cercam nos manter motivados e com o ego alimentado. “Cada um é único e irrepetível, e não temos por que sempre contentar a todos, e sim a nós mesmos.”

O amor próprio é a chave. Isso tampouco significa que devamos nos tornar vaidosos ou egocêntricos, só que tenhamos consciência de que a forma como os outros nos veem é apenas uma amostra da realidade, que nem sempre é a correta.

4. Não aceitar críticas construtivas

Ninguém gosta de ter suas falhas ressaltadas, mas de vez em quando vai bem que nos chamem a atenção para elas. Entretanto, não devemos confundir isso com a atitude daquelas pessoas que só veem o que está ruim, já que isso pode acabar sendo negativo para o crescimento pessoal.

Como disse Joe E. Brown a Jack Lemmon em Quanto Mais Quente Melhor, “ninguém é perfeito”. “Reconhecer nossos defeitos é uma força que gera autoestima e nos ajuda a adotar mecanismos para superá-los”, observa Fernández González.

O psicólogo afirma que, se não aprendermos a aceitar os comentários negativos, nunca tentaremos superar e eliminar nossas desvantagens.

Também insiste na necessidade de uma boa comunicação com os outros, já que são os bons amigos que nos ajudam a ter uma visão mais objetiva dos nossos comportamentos e nos motivam a melhorá-lo: “É fundamental para o sucesso nas relações, e também para ter uma visão saudável sobre nós mesmos”.

5. Fazer-se constantemente de vítima

Assumir esse papel para causar pena ou compaixão funcionará durante pouco tempo. Segundo o especialista, há uma realidade: “Todos queremos estar com pessoas alegres e felizes”.

Isto não significa que você nunca possa compartilhar as fases ruins ou as coisas negativas com seus amigos.

Porém, se abraçarmos a negatividade como filosofia e o vitimismo como atitude perante a vida, os outros fugirão de nós “como da peste”.

“Alguns só podem ver a parte negativa das coisas que lhes acontecem, ou sempre se antecipam ao que vai acontecer no futuro, e isso não lhes permite ser felizes. Se dependesse deles, o mundo já não existiria mais”, afirma o psicólogo.

Para evitar isso, não podemos atribuir ao exterior ou ao destino tudo o que nos acontece de ruim, pois determinadas variáveis estão ao nosso alcance e devemos ter consciência de que muitas das coisas que nos ocorrem são consequência de nossos pensamentos e ações. Só uma atitude positiva poderá nos ajudar e também fará os outros confiarem em nós.

6. Ser muito sincero, mesmo se ninguém tiver pedido a sua opinião.

Disseminar nossa opinião sobre qualquer tema sem que ninguém peça —por exemplo, como é horrorosa a calça do seu amigo ou o penteado da sua colega de trabalho— nos transforma em seres odiosos.

O que se conhece como “não ter filtro”, ou seja, emitir juízos gratuitos a torto e a direito, pode magoar os que nos cercam ou fazê-los se sentirem incômodos.

Em geral, falar demais não é uma qualidade elogiada socialmente, segundo o especialista: “Não se pode dizer a primeira coisa que nos passa pela cabeça nem julgar as pessoas levianamente, sem pensar que podemos ofender”, afirma Fernández González.

É preciso aprender a ser mais prudente, respeitoso e empático, recomenda o especialista. Também é bom saber valorizar as qualidades e capacidades dos outros: “Melhor pecar por prudência que por excesso nos julgamentos que emitimos sobre os outros. Não temos só que estar atentos ao que dizemos, mas também ao jeito que empregamos”, esclarece.

Seu amigo simplesmente se afastou? Será culpa sua? Descubra

É claro que ao longo da vida você provavelmente conheceu muitas pessoas, mas nem sempre o encontro vira amizade. E mais ainda, algumas delas sem uma explicação, do nada, e com o tempo, elas acabaram se afastando ou simplesmente sumindo como num passe de mágica.

Mas, já se perguntou por que isso muitas vezes acontece? Será culpa sua?

A verdade é que isso é algo natural que acaba acontecendo na vida de todo mundo. Em alguns casos, situações acabam afastando algumas pessoas de nosso ciclo de amigos, mas nem sempre isso quer dizer que a culpa é sua.

Pode acontecer que, com o tempo, as pessoas passem a perder aquela afinidade que tinham antes. Isso acontece com o processo de amadurecimento, que faz com que nossas escolhas, vontades e preferências mudam. E, não existe nenhum mal nisso. Mudar opinião, gostos e preferências faz parte do nosso crescimento, e é importante que essas mudanças aconteçam.

É preciso entender que cada um de nós tem necessidades distintas.

Mas, e quando acontece isso com uma pessoa que você gosta muito? Será possível resgatar a amizade?

Algumas decepções podem ser a causa de muitas pessoas se afastarem, e por isso, em primeiro lugar, é preciso examinar a situação que levou a pessoa a se distanciar de você.

Houve alguma briga?

Desentendimentos? Traições? Ao identificar o ponto do qual foi o responsável pelo distanciamento, será mais fácil encontrar uma saída que a leve de volta a reconciliação.

Mas, se nada disso aconteceu e simplesmente se afastaram, analise a situação. Pense consigo mesmo.Foi por causa da falta de tempo? Por outras prioridades como trabalho ou estudo?

Entenda que, às vezes, temos necessidades mais importantes que requerem uma dedicação maior da nossa parte, e isso pode contribuir para afastar algumas pessoas que antes eram mais próximas.

Procurar a pessoa e explicar que não a esqueceu, é um dos passos que podem contribuir para a reaproximação. Explique porque não está tendo tempo, e tente marcar algo, por mais breve que seja o encontro.

O importante é demonstrar que mesmo distante ainda se importa com a pessoa. Isto um dos primeiros passos para resgatar a amizade.

Mas, se por outro lado, perceber que a o afastamento não é por culpa sua, por mais que você se esforce em uma reaproximação, entenda que, a outra pessoa também tem suas prioridades e infelizmente, às vezes, você pode não estar incluída nelas.

O importante é não deixar que isso impeça você de ter novas amizades, e criar novos vínculos. Na vida, tudo muda, e por mais que não aceitemos algumas dessas mudanças, elas fatalmente irão acontecer, e teremos que nos adaptar a elas.

Essa informação foi útil para você? Deixe sua opinião!

7 sinais de que você deve terminar uma amizade

Tomar a decisão de terminar uma amizade pode causar uma montanha-russa de emoções. No entanto, quando pensar de forma lógica, você se dará conta de que a separação é a opção mais saudável.

  • À medida que você avança pela vida, é natural que conheça pessoas novas e reforce os laços com alguns poucos escolhidos.
  • Algumas vezes, é melhor ter cautela e ser cuidadoso com quem você deixa entrar em seu círculo de amigos.
  • Lembre-se de que, depois, pode ser muito difícil terminar uma amizade (ainda que, em lugar de ajudá-lo a crescer, ela faça com que regrida).

Você não deve sentir vergonha de se afastar das pessoas que não lhe fazem bem. No final das contas, as pessoas mudam e você pode se encontrar em um caminho muito diferente do das suas amizades.

Isso pode ser uma experiência dolorosa, mas se você nota que, em sua relação de amizade, existem os seguintes sinais, é melhor terminar o relacionamento o quanto antes.

1. Terminar uma amizade quando a relação vai num só sentido

Quando uma amizade está em desequilíbrio e você nota que não há uma forma de retornar, o mais provável é que seu amigo já não o valorize como você o valoriza.

Estar o tempo todo perseguindo um amigo é algo cansativo e pode prejudicar sua autoestima.

Você parou de contactar seu amigo e, no entanto, ele não fez nada de diferente para mudar a situação? Talvez seja melhor parar de gastar sua energia e perder seu tempo com uma pessoa que perdeu o interesse em você.

Você deve terminar uma relação de amizade quando sente que perdeu de vista quem você é realmente e não está sendo autêntico em sua companhia. Pode ser que o seu amigo o esteja manipulando.

Numa amizade saudável, a profundidade de caráter de ambas as pessoas é compartilhada, sem ter uma relação de subordinação entre elas. Se não é o caso, avalie novamente a relação e pense se vale a pena seguir com ela.

Quando você começa a se sentir culpado pelo comportamento de um amigo porque sua forma de agir é questionável, é preciso analisar como isso está afetando a sua vida.

É normal que as pessoas vejam você da mesma forma que veem as pessoas com as quais você compartilha seu tempo.

Isso significa que, se o seu amigo tiver uma imagem negativa, os demais considerarão você igual a ele. Pior ainda, ele poderia estar lhe fazendo agir de maneira parecida.

Leve em conta que a natureza dos seres humanos é a de imitar as pessoas que os rodeiam de maneira instintiva, para pertencer e sobreviver. Por isso, terminar uma  amizade que afeta negativamente o seu comportamento é a melhor opção.

4. Existe ciúme, inveja e competição entre vocês

  1. Sentir que existe a necessidade de ter que provar constantemente que você é melhor que seu amigo pode ser exaustivo.
  2. Uma amizade que não se baseia no apoio mútuo e na felicidade pelo crescimento pessoal do outro terá um impacto negativo para ambas as partes.
  3. A amizade consiste em encontrar uma forma em que ambas as pessoas consigam crescer e ser melhores juntas, não de que alguém tenha o papel de protagonista, enquanto o outro é um ator coadjuvante.

5. O melhor da história de vocês é o passado

Considere terminar um relacionamento de amizade se você estiver se apegando a ele apenas por suas melhores épocas que já passaram.

Você deve viver o presente. Esse é um tempo em que talvez você viva de forma diferente da sua infância.

A última coisa que você deve fazer é se apegar a relações que no passado foram boas, mas que atualmente não são mais do que história.

6. Seu amigo não acrescenta nada de positivo à sua vida

É importante que você seja capaz de se levantar quando estiver para baixo, mas deve terminar uma relação de amizade se tudo o que consegue com ela é se afundar ainda mais.

É aqui que você deve se respeitar e deixar a pessoa ir. Os amigos devem ser uma extensão natural de sua vida, assim como você deve ser na vida deles.

Seja animando uns aos outros ou estimulando para conseguir bem-estar: o importante é que ambos acrescentem algo positivo na vida do outro.

7. Está afastando você de sua autoestima

  • Os amigos de verdade proporcionam a você um sistema de apoio crucial, principalmente quando falamos de superar as tensões que a vida moderna gera.
  • Toda vez que você tem um problema, dificuldades ou dúvidas, seus amigos devem oferecer apoio moral e elevar sua autoestima.
  • Terminar uma relação de amizade nunca é algo fácil, mas se tudo o que você obtém da dita relação é reduzir a confiança que tem em você e fazer com que duvide de suas capacidades, é o momento de buscar outro caminho.

Pode interessar a você…

Como identificar amizades tóxicas – e como agir depois de reconhecê-las

Já cantou Milton Nascimento: amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves, dentro do coração. E alertam os especialistas: amigo é pessoa que nos apoia e faz de tudo para nos ver sempre bem, seja o momento da vida bom ou ruim. Se não for assim, não pode ser chamado de amizade verdadeira. É um caso de amizade tóxica e é bom ficar atenta.

“Qualquer relação que produza sofrimento é tóxica”, crava a psicóloga Gabriela Malzyner. Em relação especificamente a amigas e amigos, ela diz: “Quando essa pessoa faz com que você sofra e deposita em você elementos que você não reconhece, essa amizade é tóxica.”

Gabriela e Carla Albuquerque, psicóloga que atende pelo GetNinjas, nos contaram quais são os principais indícios de que uma amizade pode ser tóxica. Confira:

Amigos que criticam demais

Os comentários giram sempre em torno de um comportamento seu “que não é legal”, um hábito ou trejeito seu “que é ridículo” (a forma como você ri ou anda, por exemplo), as roupas que você usa “que não têm condições”. “As críticas depreciativas de uma amizade tóxica podem ser explícitas ou disfarçadas como sarcasmo ou passivo-agressividade”, explica Carla.

Críticas de amigos e amigas têm que ser construtivas, que foquem em ajudá-la a melhorar em algum aspecto, e são bem-vindas.

Amigos que são os donos da razão

Eles ou elas estão certos/as, você sempre está errada. Suas opiniões não são levadas em consideração se forem diferentes.

Amigos que nunca elogiam

Quando fazemos algo muito bem feito, algo que é admirado e até premiado, esperamos que nossos amigos vibrem conosco e nos elogiem. Mas amizades tóxicas não permitem isso, e é capaz até que pessoas com esse perfil tentem diminuir sua conquista.

Amigos que fazem você se sentir culpada

Toda relação está sujeita a falhas de comunicação; é natural do ser humano que mesmo pessoas bem próximas deem uma pisadinha na bola aqui e ali. Mas, para amigos e amigas tóxicos, a culpa nunca é deles, sempre sua. E fazem questão de jogar isso na sua cara o máximo possível. Em pouco tempo, você se sente culpada por tudo, até pelo que eles fazem.

Amigos interesseiros

Aqueles que só lhe procuram quando precisam de alguma coisa, seja uma roupa emprestada, dinheiro ou uma informação não são amigos de verdade, são amizades tóxicas.

Amigos que lhe expõem ao ridículo

Em rodas de conhecidos e até com desconhecidos, eles contam histórias em que você deu vexame ou passou por uma situação ruim; postam fotos péssimas suas em redes sociais e ainda dão um jeito de dar uma zoada na legenda e/ou nos comentários. Tóxicos até o último fio de cabelo.

Continua após a publicidade AntonioGuillem/ThinkStock

Amigos que competem para diminuir seus problemas ou conquistas

Tem gente que parece acreditar que a vida é uma gincana de desgraças.

Você está preocupada com um exame e desabafa: “Abri antes de ir ao médico e vi que dois resultados estão fora daqueles parâmetros esperados, tomara que não seja nada” e ouve como resposta: “Nossa, nos últimos exames que fiz, TODOS os meus resultados estavam fora dos parâmetros, fiquei um ano em tratamento por causa disso”.

Vale também para conquistas. Você está superfeliz: “Fui promovida e vou ter um aumento de R$ 300 no salário” e a pessoa prontamente comenta: “Na minha última promoção, meu aumento foi de R$ 1200”.

Amigo que é amigo dá atenção à sua colocação, boa ou ruim, e consola ou comemora junto. Usar um exemplo da própria vida para lhe consolar? Tudo bem. Usar um exemplo para se transformar no centro da história ou ser “melhor”? De jeito nenhum! Tóxico!

Tenho uma amizade tóxica. Como deixei isso acontecer?

Ao ler as pistas acima, pode ser que você tenha identificado uma amizade tóxica em sua vida. Para começar, não se sinta culpada por ter deixado isso rolar. “Muitas amizades acabam se mantendo por conforto.

Podem ser amizades de anos, que sempre estiveram ali e se tornaram inquestionáveis.

Existe um mal estar em relação àquela pessoa, mas como são sinais muito subjetivos, não passa pela cabeça romper o vínculo”, afirma Carla.

Gabriela destaca que não é incomum alguém achar que “o jeito certo de aprender” é por meio de humilhação. “Mas ser humilhado e depreciado por alguém que se diz amigo não é certo”, observa.

Quanto a isso, Carla opina: “Algumas pessoas acham normal certas atitudes tóxicas por conta de um histórico de vida nas relações afetivas.”

Tenho uma amizade tóxica. O que faço agora?

Antes de ir falar com a pessoa, converse com você mesma; uma autorreflexão é necessária e talvez seja legal pensar em procurar ajuda na terapia.

“Tem que avaliar por que você topa ter uma amizade que traz sofrimento. Isso é um sinal de saúde mental fragilizada, de autoestima em baixa”, nota Gabriela.

Depois da autoanálise, Carla considera importante ter uma conversa com esse amigo ou amiga. “Se a amizade tem uma importância e envolve sentimentos grandes, um diálogo sincero e aberto pode ajudar a retomar a amizade saudável”, acredita. “Toda mudança de comportamento dá trabalho e não acontece de uma hora para a outra, então pode ser necessário conversar mais de uma vez.”

O limite da tolerância com uma amizade tóxica

Ele existe e é o seu bem-estar: amizades tóxicas que se tornam crônicas podem fazer muito mal para a saúde mental e se transformarem em problemas físicos.

“Caso o comportamento alheio não evolua conforme as primeiras conversas, é hora de se proteger dessa amizade ou até se afastar completamente, se possível”, orienta Carla.

“Estabelecer limites, falar ‘não’ mais vezes, deixar-se menos vulnerável ajuda.

Uma das características da amizade tóxica é precisar ficar dando explicações, e você deve parar de fazer isso aos poucos, até conquistar seu espaço perante a outra pessoa”, finaliza a psicóloga.

Continua após a publicidade

  • Comportamento – amizade
  • Relacionamentos
  • Relacionamentos – Crise

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*