Como Lidar Com Pessoas Que Te Ignoram?

15 de janeiro de 2020

  |  Tempo de leitura: 9 minutos

A indiferença é um sentimento que machuca. Ele passa uma mensagem dolorosa para quem o recebe: “eu não me importo com você”. Esta apatia incompreensível nos causa angústia e temor. Passamos a elaborar razões para explicar a insensibilidade do outro, mas nem sempre conseguimos encontrar uma explicação boa o suficiente. 

O que fazer, então, diante desse comportamento? Como não se deixar levar pela impassibilidade alheia?

Como Lidar Com Pessoas Que Te Ignoram?

O que é indiferença?

Este sentimento está associado a uma forma de desapego insensível e fria. O indivíduo indiferente não se importa com os sentimentos alheios. Se suas ações causam sofrimento, ele não liga. Se resultam em felicidade, ele também não se importa. Ou seja, é uma pessoa que parece ser uma casca oca incapaz de sentir e se emocionar. 

Como seres humanos que convivem em sociedade, queremos interagir, sentir, rir, chorar, conversar, sonhar, fracassar, tentar outra vez. É a experiência completa que torna a vida tão emocionante.  

A pessoa indiferente se afasta de praticamente todas as suas vivências, consciente ou inconscientemente, pois não consegue estabelecer uma ligação concreta com elas. Este sentimento é capaz de roubar o interesse pela vida e pelas pessoas, e necessita ser combatido. 

No relacionamento amoroso, a indiferença chega de mansinho. Ela se instala silenciosamente, mas seus resultados são caóticos. Quando isso acontece, muitos já começam a questionar se vale a pena insistir ou se devem seguir em frente. Afinal, como é possível ficar em um relacionamento com uma pessoa que não sente?

A indiferença nos relacionamentos

A vida é composta por momentos bons e ruins. Os bons se tornam lembranças calorosas que, com o passar dos anos, gostamos de reviver. Já os ruins nos causam sofrimento e embaraço. Procuramos esquecê-los o mais rápido possível, embora seja mais fácil lembrar-se de ocasiões negativas do que positivas. 

Em nenhuma circunstância, é saudável reagir com indiferença. Embora este sentimento possa ser útil às vezes, nos protegendo de emoções desagradáveis que ainda não sabemos como lidar, o mais sábio a se fazer é encarar as situações negativas de frente. 

Os relacionamentos também são feitos de momentos de extrema felicidade e de brigas e descontentamentos. A apatia não ajuda a amenizar as discussões ou a “ensinar uma lição” ao parceiro. Pelo contrário, ela ajuda a criar paranoia e desconfiança, além de deixar o outro ansioso perante a falta de respostas. 

É a sensação de estar sendo ignorado que dói. De repente, há um distanciamento entre o casal que não existia antes, levantando todo o tipo de questão sobre a longevidade do relacionamento. Será que o amor enfim acabou? O que você fez para receber esse tratamento? Quem é o culpado por isso? 

É possível, até mesmo fácil, reagir a uma acusação, um tom de voz alterado ou um desentendimento. Um parceiro indiferente, entretanto, não se importa com as nossas retaliações. Com administrar o abismo emocional que subitamente se abriu entre vocês?

Como lidar com a indiferença sem sofrer?

Para um relacionamento adquirir o status de duradouro, deve ser cultivado através do diálogo constante, demonstrações de afetoe pequenos acordos silenciosos entre o casal. Por exemplo, você acompanha o seu parceiro naquele churrasco que ele quer ir e ele assiste a aquele filme que você tanto deseja ver no cinema. 

Quando a possibilidade de conversa se esvai, o relacionamento está em um estado crítico. Por isso, a comunicação é o primeiro item desta lista de maneiras de lidar com este sentimento causador de incertezas,feita especialmente para ajudar você.  

Por mais que o foco deste artigo seja o relacionamento amoroso, essas dicas podem ser utilizadas tanto com relacionamentos familiares quanto de amizade. Qualquer forma de relacionamento precisa de manutenção para sobreviver. 

Inicie uma conversa

É possível que você não tenha percebido os pequenos acontecimentos que levaram a situação atual devido à correria do dia a dia e ao lugar comum onde os relacionamentos costumam estacionar com a convivência de anos. 

Conversar sobre o que está se passando na cabeça do parceiro é o melhor caminho para se livrar de suas desconfianças. Já deixo claro: é possível que esta conversa não seja nada agradável ou simples. 

Pode ser que seu parceiro tenha guardado meses ou até anos de descontentamentos com o relacionamento, pois não tinha coragem de exteriorizar suas verdadeiras emoções. Apesar da possibilidade de sofrimento, dialogar sobre o que está perturbando o relacionamento é o primeiro passo para encontrar a solução.

Modifique pequenos acordos

Talvez o relacionamento precise de pequenas mudanças para reencontrar a vivacidade. Se os acordos atuais não estiverem mais funcionando, seja por mudança de interesses ou objetivos de vida, está na hora de fazer novos. Esta renovação é uma forma de dar atenção às necessidades do parceiro bem como as suas. 

Para fazer isso, é preciso ser compreensível e paciente. Os novos acordos podem envolver experiências diferentes das que você está acostumado, mas é sempre bom dar uma chance ao novo em vez de recusar de primeira. A indiferença do parceiro pode ser motivada por várias razões e uma delas pode ser a mesmice da rotina. 

Seja realista 

Muitas vezes, deixamos nossas emoções falarem mais alto. Elas circundam a nossa mente em uma nuvem de desejos e expectativas que pode nos cegar para a realidade. 

Ao iniciar um relacionamento, devemos estar cientes que nem sempre a outra pessoa vai retribuir nossos sentimentos na mesma intensidade ou agir conforme esperamos. Caso contrário, corremos o risco de cair em desilusão. 

Nesses casos, uma das pessoas pode demonstrar falta de interesse. A comunicação novamente se faz necessária para compreender as expectativas do outro sobre o relacionamento para evitar sofrimentos futuros.

Fuja da culpa

É comum nessa situação querer culpar-se pela frieza expressada pelo parceiro. Muitos acreditam que o comportamento do outro, dentro de um relacionamento, é uma resposta ao seu próprio. Assim, atribuem a culpa da conduta indiferente do parceiro a algum feito cometido por eles mesmos e se torturam por terem errado.  

Como Lidar Com Pessoas Que Te Ignoram?

Esqueça-se da culpa. 

Nos relacionamentos, às vezes temos atitudes que não percebermos ou não conseguimos explicar com clareza. Isso porque costumamos projetar traumas de infância, memórias boas e ruins, anseios e nossos próprios comportamentos no outro. Nem sempre o que nós fazemos ou o que outro faz é por “pura maldade”. 

Acima de tudo, somos pessoas imperfeitas com neuras próprias que, se estiverem causando algum tipo de sofrimento, devem ser devidamente tratadas. Por isso, devemos pensar menos em procurar culpados e mais em assumir a responsabilidade por nossos atos

A diferença está no sentimento. Ao tomar a responsabilidade dentro do relacionamento, sentimos a necessidade de ação, de consertar os erros e procurar caminhos mais positivos. A culpa, por outro lado, é paralisante e julgadora. 

Se não há o que fazer, afaste-se

Se você tentou de tudo para administrar a indiferença e nada deu certo, considere se afastar da pessoa. Não vale a pena ficar preso a um relacionamento sem sentimento por comodismo ou conveniência.  

Conviver com um parceiro apático é cansativo e sobrecarrega o emocional porque vivemos à procura de agradar o outro ou sanar dúvidas referente aos seus sentimentos. Como não podemos controlar as pessoas, o melhor a se fazer é procurar um novo amor em outro lugar. 

Términos são dolorosos, mas necessários tanto para a sua felicidade quanto a do seu parceiro. Faça isso da maneira mais amigável possível, sem acusações ou atribuição de culpa, para proteger os seus sentimentos. Não hesite, pois o tempo eventualmente cura as feridas do fim da relação.  

A carência afetiva pode ser a sua inimiga

A carência afetiva tornou-se um problema comum do século XXI. Muitas pessoas acabam apegando-se a outras para preencher o vazio emocional dentro delas. Relacionamentos podem perdurar por necessidade em vez de por amor, tornando-se uma fonte de afeto nada saudável. 

Ao deparar-se com a indiferença, o correto é procurar compreender suas origens e encontrar soluções para despertar os sentimentos adormecidos dentro da relação. 

Porém, como vimos no ponto anterior, nem sempre dá certo. Por vezes, duas pessoas estão melhores separadas, vivendo as próprias vidas e correndo atrás de objetivos próprios, do que unidas em um relacionamento sem amor. 

A carência afetiva pode deixá-lo cego para esta realidade e tentar convencê-lo a insistir no relacionamento por medo de ficar sozinho ou ser rejeitado. Portanto, se você sentir que:

  • Não consegue viver normalmente sem o parceiro.
  • Precisa aguentar a impassibilidade porque não vai encontrar outro relacionamento se este não der certo.
  • É melhor permanecer em um relacionamento ruim do que correr o risco da rejeição.
Leia também:  Como Saber Quando Renovar A Carta De Condução?

É possível que a carência afetiva esteja impedindo você de deixar um relacionamento sem futuro, criando sofrimento através de especulações, baixa autoestima e medo.

Se você possui grande dificuldade de lidar com a indiferença no relacionamento e acredita que um empurrãozinho será benéfico, um psicólogo pode ajudá-lo a compreender seus sentimentos. Na terapia, você também pode compreender as complexidades da mentalidade por trás da carência afetiva. 

Como Lidar Com Pessoas Que Te Ignoram?

Na Vittude, você encontra dezenas de profissionais prontos para ajudá-lo com os mais variados dilemas, inclusive os do coração. Acesse este link para iniciar a sua busca! 

  • Se você gostou desse artigo, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e também assinar nossa newsletter!
  • Leia também:
  • Angústia: 11 técnicas e exercícios para aliviar o sofrimento
  • Tristeza: o que pode causá-la e como superar esse sentimento

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental.

Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.

Você também pode me seguir no Instagram @tatianaacpimenta

Desprezo: aprenda a lidar com esse sentimento sem dor

Segundo o dicionário Michaelis, desprezo significa a falta de apreço ou de consideração, desdém, sentimento de desapego, desprendimento ou repulsa por alguém. O fato é que, o desprezo é um sentimento forte baseado na convicção da inutilidade de alguém ou no julgamento de uma pessoa como inferior.

Esse sentimento geralmente vem em forma de palavra que tem como o objetivo ferir e desmoralizar, e pode ser transpassado por meio de um gesto, como uma sobrancelha que altera a feição do rosto, arqueando-se para cima e demonstrando rejeição diante de uma pessoa ou do que se vive no momento.

Poucos sabem, mas o desprezo é um sentimento que se torna um tipo de comportamento extremamente prejudicial ao psicológico. Quem é desprezado se sente humilhado e até mesmo se coloca em posição de humilhação, não só diante de quem age com desprezo, mas diante de outras situações da vida também.

Se sentir diminuído e incapaz de conviver em determinados ambientes é uma consequência que pode até anular alguém de um convívio social. Por outro lado, quem age com desprezo tem com clareza a intenção de ridicularizar o outro.

É como se ficasse esperando a hora certa para humilhar alguém, e assim evidenciar opiniões maldosas que são proferidas simplesmente para ferir e aumentar o próprio ego (pois quem diminui alguém, com certeza se sente superior).

Como já sabemos, ser desprezado faz com que fiquemos cabisbaixos e desanimados, até mesmo desacreditados, o que pode desencadear problemas mais sérios como depressão. A questão é que, se você está sendo desprezado nesse momento da sua vida, é preciso parar e analisar algumas atitudes.

Não que a culpa seja sua, mas é preciso parar e pensar em todas as ações para tentar entender um pouco o porquê dessa “raiva” gratuita que você está recebendo. Se souber que não tem nada a ver com alguma atitude sua, a melhor opção é não agir da mesma forma.

Vamos te dar algumas dicas para lidar com este sentimento, atente-se!

Como Lidar Com Pessoas Que Te Ignoram?

giuliofornasar / 123rf

1- Olhe para si mesmo e reconheça as suas qualidades, tirando aprendizados dos seus defeitos e não se culpando por nada. Se você tiver dificuldade em encontrar qualidades em si, pergunte a algum amigo e peça ajuda para analisar os seus pontos fortes.

Muitas vezes nós possuímos uma certa dificuldade em nos avaliarmos de forma positiva, então pedir ajuda pode ser uma boa opção! E ao evidenciar as suas qualidades, permita-se sentir especial por cada ponto que é só seu, não pense que será arrogância ou prepotência da sua parte.

2- Se você se sente com muitos problemas, lembre-se que todos nós temos problemas, e nenhum é mais importante do que o outro. Cada um é cada um, e apenas nós sabemos do que sentimos, e mesmo assim, podemos ouvir e tentar ser conforto para alguém. Ninguém precisa ficar sozinho!

3- Seja paciente e não desconte em ninguém. Não reaja com desprezo, pois nunca sabemos o que o outro está pensando. Por muitas das vezes no calor de um momento, o desprezo pode chegar até você como reflexo da insegurança de alguém. Se você agir da mesma forma, alimentará este sentimento no outro, mas se agir de forma diferente, pode ter certeza que o rumo das coisas mudará.

4- Valorize as pessoas que estão à sua volta e esteja sempre atento à forma de lidar com todos. Cada pessoa tem a sua singularidade e pode nos ensinar algo diferente, não julgue ninguém!

5- Converse com alguém sobre o que sente, como já foi dito anteriormente, ninguém precisa ficar sozinho. Sentimentos guardados uma hora transbordam e precisamos desabafar e ouvir palavras de um amigo que tenha uma visão diferente da nossa. Desabafe!

6- Quando se sentir confortável, converse com a pessoa que te despreza, inicie o diálogo com um sorriso e tente mostrar que você sente. Se ela não quiser falar e insistir em te humilhar, insista no amor e não retribua ódio.

7- Se ame! Você é um ser único e especial! Por mais que o que os outros digam te atinja, não se deixe afetar, pois ninguém pode invadir o seu interior, só se você permitir!

Como Lidar Com Pessoas Que Te Ignoram?

Se mesmo com estas dicas, você ainda sentir que está difícil lidar com o que vem acontecendo, vamos te ensinar uma prática da filosofia havaiana contra a mágoa, que é a prática de oração ” Ho’oponopono”, que no dicionário havaiano significa “higiene mental”. A prática consiste em focar no que te faz mal, eliminando tais sentimentos ruins por meio da consciência de que a única pessoa que pode anular todas as ações negativas da sua vida é você!

Tudo o que já vivemos fica guardado na nossa memória, e na maioria das vezes guardamos mágoas e nem percebemos. O Ho’oponopono tem como finalidade liberar essas memórias que podem criar alguns obstáculos na sua vida ou simplesmente ser uma fonte de sofrimento.

A prática mais moderna dessa filosofia consiste em quatro principais frases: sinto muito; me perdoe; eu te amo e sou grato. Insira estas frases na sua rotina, por mais difícil que seja no início.

Pratique a oração a seguir e desprenda-se de qualquer mágoa gerada pelo desprezo e emane boas vibrações para quem age dessa forma tão ruim! Pratique o perdão e mude o rumo das situações que te incomodam, mostre que você tem somente o bem à oferecer. Você pode fazer a diferença!

Você também pode gostar

Faça a oração original Ho’oponopono e liberte-se de qualquer vínculo de mágoa. Tenha a certeza de que o melhor caminho é o perdão e o peito leve!

“Divino Criador, Pai, Mãe, Filho, todos em Um.Se eu, minha família, meus parentes e antepassados, ofendemos sua família, parentes e antepassados, em pensamentos, fatos ou ações, desde o início de nossa criação até o presente, nós pedimos o seu perdão.

Deixe que isso se limpe, purifique, libere e corte todas as memórias, bloqueios, energias e vibrações negativas.Transmute essas energias indesejáveis em pura luz e assim é.Para limpar o meu subconsciente de toda carga emocional armazenada nele, digo uma e outra vez, durante o meu dia, as palavras-chave do Ho’oponopono:Eu sinto muito. Me perdoe.

Eu te amo. Sou grato.Declaro-me em paz com todas as pessoas da Terra e com quem tenho dívidas pendentes.Por esse instante e em seu tempo, por tudo o que não me agrada em minha vida presente:Eu sinto muito. Me perdoe. Eu te amo. Sou grato.

Eu libero todos aqueles de quem eu acredito estar recebendo danos e maus-tratos, porque simplesmente me devolvem o que fiz a eles antes, em alguma vida passada:Eu sinto muito. Me perdoe. Eu te amo. Sou grato.Ainda que me seja difícil perdoar alguém, sou eu que pede perdão a esse alguém agora.

Por esse instante, em todo o tempo, por tudo o que não me agrada em minha vida presente:Eu sinto muito. Me perdoe. Eu te amo. Sou grato.Por esse espaço sagrado que habito dia a dia e com o qual não me sinto confortável:Eu sinto muito. Me perdoe. Eu te amo. Sou grato.Pelas difíceis relações às quais só guardo lembranças ruins:Eu sinto muito.

Me perdoe. Eu te amo. Sou grato.Por tudo o que não me agrada na minha vida presente, na minha vida passada, no meu trabalho e o que está ao meu redor, Divindade, limpa em mim o que está contribuindo para minha escassez:Eu sinto muito. Me perdoe. Eu te amo. Sou grato.

  • Se meu corpo físico experimenta ansiedade, preocupação, culpa, medo, tristeza, dor, pronuncio e penso: “Minhas memórias, eu te amo”.
  • Eu te amo por ser quem você é”.
Leia também:  Como Branquear Roupa Branca Que Ficou Amarelada?

Estou agradecido pela oportunidade de libertar vocês e a mim.Eu sinto muito. Me perdoe. Eu te amo. Sou grato.Neste momento, afirmo que te amo.Penso na minha saúde emocional e na de todos os meus seres amados. Te amo.Para minhas necessidades e para aprender à esperar sem ansiedade, sem medo, reconheço as minhas memórias aqui neste momento:Sinto muito, eu te amo.Minha contribuição para a cura da Terra:Amada Mãe Terra, que é quem eu sou: se eu, a minha família, os meus parentes e antepassados te maltratamos com pensamentos, palavras, fatos e ações, desde o início da nossa criação até o presente, eu peço o teu perdão.Deixa que isso se limpe e purifique, libere e corte todas as memórias, bloqueios, energias e vibrações negativas.Transmute essas energias indesejáveis em pura luz e assim é.Para concluir, digo que esta oração é minha porta, minha contribuição à tua saúde emocional, que é a mesma que a minha.Então esteja bem, e na medida em que vai se curando, eu te digo que:Eu sinto muito pelas memórias de dor que compartilho com você.Te peço perdão por unir meu caminho ao seu para a cura, te agradeço por estar aqui em mim.

Como Lidar Com Pessoas Que Te Ignoram?

Maxim Evdokimov / Unsplash

Após esta oração, pense somente no bem. Os sentimentos ruins primeiramente fazem mal a você.

Pode ter a certeza de que quem despreza possui um buraco enorme no peito, e o seu papel em situações como essa, pode ser preencher o peito de quem te machuca, com toda a gratidão e amor que existe dentro do seu ser.

Lembre-se sempre que ninguém é de ferro e a má comunicação por muitas das vezes é o que promove a distorção de ideias. Se comunique mais com todos, repare no seu próprio jeito de agir e analise se você não age com desprezo no seu dia a dia. Assim como dói em você, vai doer no outro também.

Faça uma autoanálise e pratique o perdão. Faça orações e seja sempre positivo, não seja tão ruim com você. Acredite se quiser, a partir do momento em que você se amar e entender o quão único e especial você é, a única coisa que você terá pra oferecer e transpassar para todos ao seu redor é gratidão e amor!

Como lidar com pessoas negativas?

“Aquilo em que habitamos, é aquilo em que nos tornamos “- Oprah Winfrey

Quando falo sobre o grupo de influência é comum haver muitas (mesmo muitas) pessoas a perguntarem-me “Susana, mas o que faço com as pessoas negativas que fazem parte ou que aparecem na minha vida? Devo deixar de me relacionar com todas elas?”.

Bom, antes de mais deixa-me recordar-te que o grupo de influência serve para nos ajudar a alcançar os nossos objetivos, os nossos sonhos. Por isso incluirmos nele pessoas negativas poderá não ser lá muito boa ideia.

Isto não significa que devemos cortar relações com essas pessoas, que devemos deixar de conviver com elas, ou de lhes dar qualquer tipo de atenção.

Significa apenas que elas não devem fazer parte do grupo de pessoas que temos como referência na altura de tomar uma decisão, pois se são na maioria das vezes negativas e veem dificuldades em tudo, bem sabemos que isso pouco trará de bom num momento decisivo.

Mas o que acontece é que vivemos num mundo em que às vezes passamos do 8 para o 80 e passamos do excluir as pessoas do nosso grupo de influência, para ignorá-las por completo.

Hoje em dia ouve-se muito por aí que nos devemos livrar das pessoas negativas, que nos devemos afastar, e rodearmo-nos apenas de pessoas positivas.

O que é verdade, até certo ponto. Mas, o que acontece se algumas destas pessoas forem os nossos pais, ou o nosso(a) companheiro(a), o nosso(a) melhor amigo(a), os nossos filhos, o nosso colega de trabalho? Simplesmente cortamos relações com toda a gente? Hum…. Não me parece viável.

Todos sabemos que enquanto houver mundo haverá sempre pessoas altamente críticas e negativas, algumas serão muitas vezes desagradáveis e duras contigo e arranjarão sempre algum defeito em tudo o que dizes ou fazes, algumas encontrarão sempre algo de negativo para comentar e falar sobre ti, outras estarão sempre a queixar-se de tudo e mais alguma coisa (do tempo, do trânsito, das notícias, do trabalho…). É assim… E podemos aprender a lidar com tudo isso sem nos deixarmos afetar e também sem excluirmos essas pessoas das nossas vidas, sendo que não as incluir no nosso grupo de influência deve continuar a ser uma opção.

Como lidar então com pessoas que têm esta abordagem menos positiva da vida?

Bem,  a minha primeira sugestão é usares a energia delas como um desafio que te permite desenvolver a tua personalidade e a tua persistência.
Ouve as pessoas e, sem te deixares envolver no “jogo da vítima”, aproveita para te desafiares e lançares algumas perguntas a ti mesmo:

–  “Ok, será que estou mesmo no “controlo” das minhas emoções?”,
– “Será que já me sinto capaz de não me deixar infetar por uma energia negativa e continuar e seguir em frente com os meus projetos, as minhas ideias, os meus sonhos?”,

– “Consigo estar “ao comando” ou ainda me deixo afetar demasiado pelo ambiente pessimista que me rodeia?”,
– “Consigo manter-me alinhado, centrado, calmo e em paz perante uma situação destas?”

Esta pode ser uma excelente oportunidade de crescimento.
Na alta performance, seja em que área for – desportiva, empresarial, etc – tal como na vida em geral, vão sempre existir pessoas que vão por em causa as tuas escolhas e esta é sem dúvida a melhor forma de as fintares aproveitando para crescer com elas.

Outra coisa que podes fazer é questionares-te sobre o que poderá ter acontecido com aquela(s) pessoa(s). O que será que lhe aconteceu para estar assim? Que história de vida terá que a fez ser tão negativa/triste/deprimida/pessimista? Não conhecemos  toda a história, de todas as pessoas e certamente que pelo meio algumas não encontraram recursos para lidar com alguns desafios.

Aprenderes a ser compassivo com os outros sem te envolveres é importante.
Afinal quem nunca teve um dia mau em que desatou a falar mal de alguém ou a reclamar o dia todo de coisas sem importância?

  • Quem nunca acordou com os pés de fora e, por uma data de circunstâncias (furou o pneu, o cão fez xixi no tapete da sala, os filhos estão a desatinar um com o outro, faltamos a uma reunião por causa do trânsito, falhamos um golo…) só lhe apetecia dizer mal da vida?
  • Pois é… Acontece a todos.

Ressalvo aqui que há pessoas extremamente resistentes. Algumas pessoas são cronicamente negativas e por isso, a não ser que sejas viciado no drama, deves perguntar a ti próprio se vale a pena insistir nesse convívio. De que forma isso te ajuda? Que partido estas a tirar dessa relação?

A minha última sugestão, e uma das que me dá mais gozo fazer (confesso), é aprender a “virar o jogo”.
Quando te deparares com alguém negativo, em vez de consumires a tua energia a fazer críticas, ou a aborreceres-te com essa pessoa procura contagia-la com a tua positividade, com a tua boa disposição seja através de um sorriso, de uma piada, de um abraço, whatever.

Adoro quando uma pessoa vem ter comigo zangada, de mau humor antipática e uns minutos depois parece outra, muito mais afável, bem disposta, divertida, energizada, em sintonia comigo.

Como podes ver não é preciso deixares de te relacionar com as pessoas só porque não veem a vida de uma forma tão otimista. No entanto mantém presente, relacionarmo-nos com elas não significa deixar que façam parte do nosso grupo de influência e que interfiram na hora te tomarmos decisões e alcançarmos objetivos.

Como Lidar Com Pessoas Que Te Ignoram?

Susana Torres  –  Coach de Alta Performance

5 dicas para lidar com pessoas difíceis no trabalho

São Paulo – Você passa mais tempo com os seus colegas de trabalho e chefe do que com a sua família. E, certamente, precisa conviver com pessoas de diferentes personalidades, compatíveis com a sua ou não. Diante disso, você já se perguntou o que fazer com aquele colega de trabalho, subordinado ou chefe que torna o seu dia a dia mais difícil?

Leia também:  Como Dizer Que Gosto Dela Por Sms?

Com a ajuda de três especialistas em comportamento humano, EXAME.com reuniu dicas para que você aprenda a lidar com aquele colega de trabalho que tira você dos eixos.  

1 Levante a bandeira branca

O mais importante é exercitar a paciência e benevolência. Afinal, na maioria dos casos, você tem que conviver com essa pessoa já que trocar de emprego nem sempre é uma solução ou opção plausível.

“Normalmente as pessoas difíceis precisam de coadjuvantes para exercer esse papel”, Sueli Brusco diretora executiva da SimGroup. Isso significa que você não pode entrar no jogo da pessoa.

Bancar o indiferente também não é uma boa estratégia. “Ignorar pode ser uma faca de dois gumes, pois ela pode se irritar ainda mais e o conflito piorar”, explica a especialista.

A estratégia, então, é manter a compostura e não agir pela emoção. Nas palavras de Sueli, não se deixe machucar. O ideal é parar e encarar as situações racionalmente.

2 Olho no olho

As pessoas normalmente não têm consciência de qual atitude irrita os outros – de mascar chiclete mais alto ao jeito de ordenar uma tarefa –.  Diante de casos assim, a técnica indicada por Marta Campelo, professora de liderança da Fundação Dom Cabral, para resolver o impasse é conversar e perguntar qual a opinião da pessoa sobre o assunto.

Atenção: esse questionamento deve ser feito com respeito, afinal ninguém gosta de ser tratado como incompetente.

“Um exemplo, no ambiente de trabalho as pessoas acham que estão sozinhas quando estão falando no celular. Se isso lhe incomoda, o melhor a fazer é aproximar e perguntar: durante uma ligação, será que você pode me ajudar e falar um pouquinho mais baixo? Fico desconcentrada quando isso acontece”, explica a professora.

Sueli dá outra dica: se você for próximo à pessoa, tente se aproximar e apontar os problemas que, talvez, ela não queira enxergar. Agindo afetuosamente com ela, ela pode ficar mais acessível.

3 O outro lado

Confrontar não é recomendado. A atitude tem de ser reflexiva e analítica. Tente compreender a pessoa, o contexto em que ela vive e os valores que tem. Esqueça o rótulo de vilão e vítima.

“As pessoas difíceis normalmente esperam que as outras ajam do jeito que elas querem”, afirma Adriana Prates, presidente da Dasein Executive Search. “Ao descobrir a origem disso, você começa a prever o comportamento dela e a desenvolver uma maneira de lidar com ela”.

4  A técnica do espelho  

Será que você também é uma pessoa difícil? A solução é a auto avalição. O primeiro passo é parar de acusar que o outro está errado. Tente se conhecer melhor, exercite o domínio próprio e mostre seus valores.

Ninguém tem o poder de mudar o outro. Quando você é responsabilizado erroneamente por algo que você não fez, foque nas medidas práticas para que isso não aconteça mais. Às vezes, você não foi claro ou o que você pediu não pôde ser realizado por alguma razão que você não sabia.

5 Apoio

Quando você está esgotado e já tentou de tudo, recorra a uma ajuda externa. Converse com o superior responsável se a pessoa difícil é um colega de trabalho ou com o RH da empresa. Em alguns casos, vale até recorrer a terapia em grupo.

Às vezes, uma intervenção é necessária vinda de cima para baixo. Mas cuidado ao tomar essa decisão. Você pode passar para os outros a imagem de dedo duro ou, até, incapaz de solucionar problemas.

O que fazer quando os nossos amigos nos ignoram? – A mente é maravilhosa

Os nossos amigos nos ignoram ou é nisso que acreditamos? As relações de amizade são diferentes para cada pessoa. Alguns precisam ver os seus amigos ou conversar com eles quase que diariamente. No entanto, para outros, estar presente no jantar de fim de ano é o suficiente.

Ainda assim, se estamos nos questionando, é porque sentimos que algo não está indo bem para nós.

A verdade é que os relacionamentos mudam. Não importa se são de amizade, familiares ou amorosos. As razões pelas quais isso acontece são várias: experiências, mudança de residência, falta de contato…

Por isso, temos que evitar a mitificação do princípio de um relacionamento: talvez no início haja momentos mais intensos, mas isso não determina que sejam os melhores.

Agora, o que podemos nos perguntar é se o relacionamento evoluiu até um ponto em que deixou de ser reconhecível ou começou a nos prejudicar. Essa reflexão será a facilitadora de uma resposta inteligente de como nos sentimos em relação a nossa percepção do relacionamento atual.

Os nossos amigos realmente estão nos ignorando?

Resposta difícil, não é mesmo? Podemos pensar que os nossos amigos estão nos ignorando, mas será que isso realmente é verdade? Vejamos algumas situações que podem nos fazer escolher esta opção e começar a remoer os pensamentos de forma prejudicial:

  • Temos um trabalho que, longe de nos preencher, nos esvazia completamente. Ficamos tão entediados e passamos tantas horas no trabalho que, quando saímos, queremos ficar com os amigos. No entanto, os seus horários não coincidem com os nossos e acreditamos que eles não nos dão muita atenção ou nos ignoram quando, na realidade, há apenas uma incompatibilidade de agenda.
  • Esperamos que eles deem o primeiro passo. Talvez seja porque estamos cansados ​​de sempre agir assim. Mas quando não dizemos nada, há um silêncio por parte dos nossos amigos que nos faz sentir muito solitários.
  • Nós não entendemos que eles têm outras prioridades no momento. Quando os nossos amigos encontram um parceiro ou começam a ter filhos, as prioridades já não são mais os amigos. Então, talvez eles nos ‘deixem de lado’ somente por falta de tempo e as suas responsabilidades façam com que não sejamos mais uma prioridade para eles.

O que devemos entender é que, como diz o estudo ‘Sobre o valor da amizade e o seu potencial conflito com a moralidade’, “a amizade implica uma relação de afeto e cuidado mútuo”. Se sentimos que só damos no relacionamento e não recebemos nada, é necessário falar sobre isso.

Com o passar dos anos, a palavra “amizade” muda para muitos de nossos amigos. As suas prioridades começam a ser outras e essa distância pode ser sentida por nós como uma rejeição.

A importância de expressar o que sentimos quando acreditamos que os nossos amigos nos ignoram

Em vez de se afogar em um copo de água, de lamentarmos e nos sentirmos mal, é necessário expressar o que estamos sentindo. Diga aos seus amigos como você se sente. Talvez a resposta que você vai receber lhe permita compreender muitas das circunstâncias que mencionamos acima.

Infelizmente, é possível ouvirmos frases como “é que eu fiz novos amigos” ou “nos distanciamos e o relacionamento já não é mais o mesmo”. No entanto, teremos uma resposta e poderemos decidir como agir: retomar/atualizar a relação ou decidir seguir em frente.

A amizade em questão faz sentido?

Com tudo isso, precisamos prestar atenção àquelas situações em que os nossos amigos nos ignoram porque não querem mais ficar conosco. Talvez eles considerem que não lhes acrescentamos nada, mas não nos dizem isso.

Portanto, é muito importante observarmos como eles agem a partir do momento em que expressamos o que sentimos. Eles se comprometem a ficar mais próximos e a fazer planos de se encontrar pelo menos uma vez por mês?

Temos que entender que é difícil dizer a verdade. Isso também acontece conosco em certas circunstâncias.

No entanto, quando isso nos afeta diretamente, incomoda que aquelas pessoas em quem temos tanta confiança não saibam como nos dizer que a amizade compartilhada não é mais tão importante.

Observar o que acontece nos dará as pistas para decidir se devemos investir mais em um relacionamento ou, ao contrário, encerrá-lo.

Essa habilidade faz parte da nossa inteligência social. Uma inteligência que, assim como a emocional, é ignorada há muito tempo, apesar de ser extremamente importante.

Como vimos, a comunicação, diante da sensação de que nossos amigos nos ignoram, nos dará informações suficientes para usar a inteligência da qual estamos falando. Além disso, ler e interpretar bem a comunicação do outro tornará a tarefa muito mais fácil.

Por fim, note que esses momentos em que você pensa e fala sobre o relacionamento, quando bem gerenciados, muitas vezes servem para estimular e fortalecer a qualidade do vínculo.

“Um amigo é uma pessoa com a qual você pode pensar em voz alta”.
– Ralph Waldo Emerson –

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*