Como Fazer Com Que Os Gatos Se Deem Bem?

Como Fazer Com Que Os Gatos Se Deem Bem?

Não sabe como apresentar gato filhote a um gato adulto? Confira algumas dicas!

Resolver adotar um gato filhote é sempre uma grande aventura. Os filhotes preenchem qualquer ambiente com muita alegria e amor. Mas, além de aprender como cuidar de gatos filhotes, quem já tem um gato adulto ou idoso em casa precisa pensar muito bem em como introduzir o novo membro na família. O processo de adaptação nem sempre é fácil, e é fundamental saber como conduzir essa apresentação da melhor forma possível, respeitando o espaço de cada um e torcendo para que eles se deem bem. Para te guiar nessa missão, o Patas da Casa entrevistou quatro tutores que passaram por essa situação. Veja as dicas valiosas que eles deram!

Paciência é fundamental na hora de apresentar gatos filhotes a adultos

Um é pouco, dois é bom e três é melhor ainda! A tutora Vitória Studart levou a gata Chica para casa com apenas dois meses de idade, enquanto já tinha outras duas gatas com mais de 10 anos, Cléo e Lola.

“Quando a Chica chegou, deixamos ela dentro de um quarto por um dia e aos poucos fomos abrindo espaço pros outros bichinhos da casa. O processo de adaptação foi tranquilo, e aos poucos a Cléo e a Lola foram se acostumando com a nova integrante”, conta.

No entanto, isso não quer dizer que as três gatinhas são muito amigas – na realidade, elas raramente ficam juntas, e cada uma dorme em um canto, segundo a tutora.

Sobre o processo de adaptação, Vitória reflete: “Acho que ter paciência é fundamental, e é importante ter tempo pra ficar perto deles durante essa adaptação e dar muito carinho pro gato adulto, que às vezes se sente rejeitado”.

É importante criar um ambiente seguro para ambos os gatos

No caso de Dyogo Botelho, o desafio foi introduzir a nova gatinha, Kaelian, no dia a dia de um gato idoso, que era o Merlyn.

Como o gato mais velho nunca tinha convivido com nenhum outro animal da mesma espécie, o principal cuidado que Dyogo teve nessa apresentação foi proporcionar um ambiente em que os felinos se sentissem seguros e confortáveis, com a presença de toda a família.

Ainda assim, a adaptação não foi exatamente fácil: “O Merlyn rejeitou muito a presença do novo membro e se isolou em cima da geladeira por um bom tempo. Tivemos até que colocar comida pra ele lá, já que não descia para se alimentar”.

Mas depois desse tempinho de isolamento vivendo nas alturas, a convivência entre o gato idoso e a nova gatinha melhorou bastante.

“Como todo filhote, a Kaelian tinha muita energia para brincar e perturbava um pouco o Merlyn, mas ele impôs o limite dele e aos poucos eles foram se entendendo e respeitando os espaços dentro da casa”, relembra Dyogo, que completa: “Com bastante afeto e sem forçar nada, tudo vai dar certo”.

Como Fazer Com Que Os Gatos Se Deem Bem?

Gato filhote e adulto: o Cafuné e a Bleach hoje convivem muito bem

Como Fazer Com Que Os Gatos Se Deem Bem?

As gatinhas Chica, Cléo e Lola respeitam o espaço de cada uma. E ainda tem o Zeca e o Dom para participar disso!

Como Fazer Com Que Os Gatos Se Deem Bem?

O Jorginho e o Lorde são praticamente melhores amigos

Como Fazer Com Que Os Gatos Se Deem Bem?

Adote um animal

Se você está pensando em ter um pinscher na sua vida pode estranhar a numeração que normalmente acompanha o nome da raça.

O cachorro pinscher é conhecido por ser bem pequeno, mas ainda assim há variações de tamanho: as classificações 0, 1, 2 ou miniatura são super importantes para saber a dimensão aproximada do cãozinho.

 Além disso, pode ajudar muito na hora de decidir pelo seu novo melhor amigo.

Como Fazer Com Que Os Gatos Se Deem Bem?

Adote um animal

Às vezes, a vontade de adotar um gatinho é tão grande que acabamos nos precipitando e não dando a devida atenção a alguns detalhes muito importantes, como o sexo do filhote.

É muito normal achar que adotou uma fêmea e só depois descobrir que o gato, na verdade, é macho. Nós sabemos que não é nada fácil diferenciar o órgão genital do gato logo nos primeiros meses de vida do animal.

Se você faz parte deste time, não se preocupe, isso é muito comum!

Como Fazer Com Que Os Gatos Se Deem Bem?

Adote um animal

O Yorkshire é um cãozinho muito popular nos lares brasileiros.

Pequeno, fofo, esperto e bem brincalhão: companheirismo é uma característica marcante nesses mini-cães, ideais para apartamentos, famílias com crianças ou mesmo pessoas que moram sozinhas e querem um amigo fiel.

O Yorkshire Terrier é reconhecido de longe pelas duas cores na pelagem, o tamanho e por sua característica única: as orelhas para cima. Quer saber tudo sobre o cachorro yorkshire? Então continue acompanhando a leitura!

Adote um animal

A chegada de um filhote de cachorro ao novo lar é marcada por muita alegria e descobertas – da parte do animal e dos próprios donos. O cãozinho terá contato com cheiros que ele nunca sentiu, pessoas diferentes, um ambiente totalmente desconhecido.

O novo papai ou mamãe de pet, por outro lado, está aprendendo sobre a rotina, como o sono e alimentação, e comportamentos do bichinho. Nos primeiros dias de adaptação na nova casa é comum ouvir o cachorro filhote chorando à noite.

A reação imediata do tutor é ficar preocupado se ele está com fome ou sentindo dor, mas saiba esse comportamento é muito normal.

Na hora de apresentar o gato filhote Cafuné para a gata adulta Bleach, a Julia Afonso foi muito cautelosa: “Ele ficou uma semana em um quarto sem poder andar pela casa nem nada para que a Bleach pudesse se acostumar com o cheiro e entender que tinha a presença de outro gato na casa”. Após algumas pesquisas na internet, a tutora decidiu colocar o pote de comida dos gatos bem próximos, mas com uma porta separando. Assim, eles podiam comer juntos e sentindo o cheiro um do outro. “Depois de uma semana, soltei o Cafuné pela casa”, conta.

Contudo, o processo de adaptação dos gatos da Julia também não foi tão tranquilo: “A Bleach nunca foi muito chegada a outros animais. Das vezes que eu a levava no veterinário, se tivesse outro gato por perto ela começava a reclamar.

Então quando o Cafuné chegou, ela bufava e ameaçava atacar, mas nunca atacou de verdade. Foi meio estressante para os dois”. Hoje, a relação entre os gatinhos está bem melhor. Embora não sejam melhores amigos, eles definitivamente se entendem e respeitam o espaço do outro.

“Acho que ela meio que dita as regras da casa, e ele só obedece”.

Para ajudar nessa jornada, a tutora revela que a melhor dica é conhecer a personalidade do seu gato adulto (já que o filhote ainda não tem essa parte totalmente formada ainda): “É importante saber se ele é tranquilo com outros gatos ou não para fazer com que seja menos estressante possível para os dois”.

A castração é importante para evitar o territorialismo

A Maria Clara Beta foi muito corajosa ao adotar um filhote de gato no Rio de Janeiro, a quem deu o nome de Jorginho. Ela levou o novo “filho” para conhecer o gatinho Lorde, que já era da família. O filhote ficou apavorado e vivia se escondendo debaixo da cama e dentro de gavetas.

Já o Lorde, que era o gato adulto da casa, foi bastante educado e elegante, e estava curioso para conhecer o novo membro. “Com o tempo, o Jorginho foi saindo do esconderijo e ganhando espaço na casa. Eles foram se cheirando, se conhecendo e em pouco tempo formaram uma linda amizade”.

Sobre a adaptação, Maria Clara não teve nenhuma dor de cabeça: “Mesmo sendo gatos machos, foi bem tranquilo. O Lorde era castrado, e o Jorginho eu castrei bem cedo, antes mesmo de fazer um ano de idade para não ter nenhum problema de adaptação, de ficar querendo marcar território”.

No geral, a tutora acredita que essa decisão foi boa para todo mundo porque, segundo ela, o Lorde ficou feliz de ter companhia e o Jorginho ficou feliz de ter uma casa. “A relação deles é super engraçada. O Jorginho já tá aqui há dois anos com a gente, e eles são amigos. O Lorde é mais quieto, e o outro é mais brincalhão e atrapalhado.

Eles se lambem, dormem juntos e se fazem companhia quando a gente está fora”.

Além da castração, que foi algo bem importante para facilitar a adaptação do gato filhote com o gato adulto, Maria Clara ressalta que é importante se preparar  financeiramente para ter mais um gatinho. “Mas também você deve se preparar pra ter o dobro de amor, felicidade, diversão e carinho na sua vida”, completa.

Redação: Juliana Melo

Continuar Lendo

5 dicas para fazer seu cachorro e seu gato serem melhores amigos – Quatree

Como Fazer Com Que Os Gatos Se Deem Bem?

Conhece aquele mito de que cães e gatos são inimigos mortais e de que o cachorro necessariamente vai querer correr atrás do gato e fazer picadinho dele? Muitos desenhos animados mostram essa situação e, de fato, acabamos incorporando essa ideia. A questão é que, na realidade, as coisas não são bem assim.

Existem inúmeros casos e casas onde cães e gatos convivem em harmonia e são grandes amigos, brincando, aprontando travessuras pela casa e aprendendo juntos novas habilidades que não seriam exercidas se não fosse o seu amiguinho de outra espécie! Se você quer que o seu cachorro e o seu gato sejam melhores amigos, trouxemos algumas dicas para que isso aconteça de verdade. Acompanhe com a gente!

Filhotes

Essa é a maneira mais fácil de promover a amizade entre cães e gatos desde o início: levá-los ainda filhotes para a casa. Nesse momento, eles ainda estarão dóceis, carentes e brincalhões e dificilmente se estranharão.

Como o território é novo para os dois, não haverá disputa ou ciúmes devido à chegada do novo bichinho.

Leia também:  Como Sei Que A Pilula Do Dia Seguinte Fez Efeito?

Além de amigos, eles serão o espetáculo da casa, pois não há coisa mais fofa que ver dois filhotes brincando, comendo e dormindo juntinhos!

Aproximação cuidadosa

Se você já tinha um bichinho e o segundo chegou depois, será preciso introduzi-lo em casa com muito cuidado e paciência.

O morador original, seja um cachorro ou gato, com certeza sentirá o seu espaço invadido, podendo hostilizar o outro ou se deprimir em um primeiro momento.

A dica é deixar ambos em cômodos diferentes e separados por uma porta por, pelo menos, dois dias. Eles passarão a maior parte do tempo nesse lugar, sentido o cheiro um do outro e se habituando à sua presença.

Passados esses dois dias, abra a porta e conduza o contato entre ambos. Feche o cômodo para o gato não fugir e coloque o cachorro em uma coleira, para controlar os seus impulsos.

Nesse momento, tudo pode acontecer: eles podem se cheirar e ficar tranquilos; o cachorro pode latir e o gato se assustar; o gato pode mostrar os dentes, ficar com o pelo ouriçado e assustar o cão…

Enfim, esse momento é imprevisível.

Mas não desista e continue com os dois no mesmo ambiente até os ânimos se acalmarem. É importante dar atenção para o bichinho original da casa, para que os ciúmes e o sentimento de invasão sejam amenizados.

Recompense

Se depois de um momento de tensão os ânimos se acalmarem, recompense os bichinhos com um biscoito ou com um patê gostoso. Eles associarão os momentos de paz com comidinhas gostosas, e buscarão ficar a maior parte do tempo tranquilos. Com o passar dos dias, o comportamento pacífico passará a ser regra e eles nem se lembrarão de que se estranharam no início.

Itens separados

Mantenha a caminha e o espaço para comer e beber água do seu bichinho original no mesmo lugar, para que ele não sinta que o novo membro da família está causando transtorno em seus hábitos. Coloque os itens do segundo bichinho em outro lugar, afastado do primeiro. Até porque eles deverão comer separadamente e fazer suas necessidades em lugares separados.

Proponha brincadeiras

Você deverá ser o incentivador das brincadeiras entre eles e também dos momentos de relaxamento. Enquanto você joga uma bolinha de papel para o gato  (eles adoram!), você joga uma bolinha de borracha para o cachorro. Ou que tal pegar um bastão com um barbante e um objeto na ponta? Eles irão pular para querer pegar o objeto e, quando perceberem, estarão fazendo isso juntos!

E então, o que você achou de nossas dicas? Para que o gato e o cachorro se tornem amigos é só uma questão de adequação e paciência. Eles não são inimigos naturais, apenas bichos territorialistas que precisam de tempo para se acostumar com a presença do outro.

Você tem mais dicas de como fazer seus bichinhos se tornarem melhores amigos? Compartilhe com a gente nos comentários!

Saiba mais:

Como fazer cães e gatos se darem bem – Meus Animais

Gatos e cachorros são conhecidos por terem uma das rivalidades mais famosas da natureza, então como eles podem se dar bem? Hoje oferecemos uma série de técnicas que servirão para melhorar a relação entre cães e gatos.

Cão e gato: os inimigos mais famosos

Ao longo da história, fomos apresentados a uma série de cenas de rivalidades entre cães e gatos e, com isso, aprendemos que ambas as raças se odeiam por natureza. Embora haja alguma oposição entre as duas espécies, o ódio nem sempre está presente.

A verdade é que existe uma relação de caçador e presa entre os dois animais, em que o caçador é o cão, enquanto o gato desempenha o papel de presa.

As atitudes de ambos os animais também revelam muito o papel que cada um exerce, embora nem sempre seja o mesmo. É raro que os papéis sejam invertidos, embora tudo dependa da personalidade dos animais.

Apesar disso, tem havido muitos casos em que gatos e cães coexistem em completa harmonia e paz, e nós apostamos que você se pergunta: como se consegue isso? Bem, é muito simples: educação.

A chave da amizade entre cão e gato

Se irremediavelmente você quer viver com ambas as espécies, podemos dizer que ambas são maravilhosas e podemos aprender muito com elas. Portanto, não se desespere, a paciência é um grande requisito para se ter ambos como companhia.

O primeiro passo é entender a personalidade de seus animais. Lembre-se de que há um grande número de gatos com personalidades tímidas e incontroláveis, assim como há outros que são mais amigáveis ​​e maduros.

Da mesma forma, existem cães que são mais agressivos e dominantes, da mesma forma que há os que são amigos e brincalhões. Tudo, repito, tudo depende das personalidades do seu animal de estimação para que o processo se torne mais ou menos simples.

Depois de determinar se o seu atual animal – gato ou cão – é adequado para viver com uma das raças opostas, é hora de apresentar o novo membro.

Processos de introdução

Para que esta parceria coexista de forma adequada, daremos algumas dicas que servirão para a boa convivência de ambas as espécies:

Apresentando um gato para um cachorro

Este evento é geralmente o mais comum nas famílias, e o melhor que podemos aconselhar neste caso é seguir o processo de adaptar um gato a um novo lar. Nós apenas deixaremos o cão farejar o cheiro do gato até que ele se acostume.

Quando isso ocorrer, deixaremos o gato livre pela casa: sempre deixando o cão amarrado para não assustar o gato. Pouco a pouco, o cão deve ficar mais solto até que os dois animais convivam sem se atacarem.

Apresentando um cachorro para um gato

A chegada de um cachorro na casa de um gato pode ser considerada uma ofensa ao felino, então você deve ficar muito atento aos sinais que ele dará.

Vale destacar que a intuição do gato é maior do que a do cão, então ele saberá o que está acontecendo muito antes de o cão entrar pela porta. Dependendo da personalidade do gato, ele se esconderá ou permanecerá no mesmo lugar. Cuidado também, pois ele pode até fugir de casa.

Fonte: www.lavozdegalicia.es

O cão, ao chegar, sentirá o cheiro de todo o local e notará a presença do gato. Dada esta circunstância, aconselhamos estar sempre presente para observar o comportamento de ambos.

A coisa mais comum é que, neste caso, o cão continue a conhecer sua nova casa e, ocasionalmente, volte a prestar atenção no gato. Quando terminar, ele terá aceitado o gato como parte de sua nova casa.

O que acontece se eles não se derem bem?

Nesse caso, teremos que descobrir maneiras de melhorar o relacionamento entre os dois animais, e que melhor forma de fazer isso do que com seus mimos? Na hora de dar mimos a um dos dois, não se detenha, essa ação reforçará a ideia de que ambos são aceitos pelo proprietário e o outro deve fazê-lo.

A coisa mais segura é que o outro animal se aproxime pedindo amor e esta será sua oportunidade de acariciar os dois. Ao fazer isso, você evitará conflitos de ciúmes que possam surgir entre os dois animais.

Tente um pano quente: essa técnica consiste em esfregá-lo na pelagem de um dos dois e, em seguida, fazer o mesmo no outro. Com isto, estaremos criando uma espécie de associação de odores entre as duas espécies.

E o mais importante: paciência. Nem todos os animais são iguais, portanto, esse processo pode levar de dias a semanas para ser realizado com sucesso. Tente não forçar muita interação entre eles e, importante, evite que eles associem chamadas de atenção com hostilidade.

Pode interessar a você…

Como acostumar gato e cachorro juntos | DogHero

Toda vez que alguém pensa em ter um convivendo com o outro, sempre vem uma questão à cabeça: como acostumar gato e cachorro juntos? Sabe aquelas histórias de amor mal resolvidas? Acontece a mesma coisa na relação entre cães e gatos.

A famosa expressão “brigando como cão e gato” parte de um preconceito bastante comum.

A verdade é que eles podem sim conviver pacificamente no mesmo ambiente, mas é claro que alguns cuidados devem ser tomados para que esta relação não seja fadada ao fracasso.

Como em todo relacionamento, gato e cachorro precisam se respeitar para que o convívio dê certo.

Cães costumam ser brincalhões e são fortes por natureza; os gatos são observadores e calculistas com relação aos seus movimentos.

Esses comportamentos coabitando merecem, sem sombra de dúvida, um olhar atento do tutor – pelo menos no começo. Assim, com o tempo, cães e gatos podem se tornar melhores amigos.

Por que gato e cachorro não se dão bem?

Tanto o gato quanto o cachorro podem ter se estranhado e isso tem algumas razões. Pode ser que tenham crescido separadamente, ambos com seus iguais, e quando se aproximaram, houve então um conflito quase que natural. Cães mais robustos possuem um comportamento de caça a animais pequenos. Assim, basta que um gato dê as caras para que a “brincadeira” se inicie.

O que mais se percebe é que há uma perseguição maior por parte do cachorro ao gato. Isso não exclui os casos em que gatos perseguem assiduamente cachorros. Mas, pelo tamanho e agressividade que podem assumir numa disputa, os cães, logo de cara, assumem a liderança nesse quesito.

E, embora muitos digam que é normal eles se estranharem para sempre, basta observar como os próprios cachorros estranham outros cachorros, assim como gatos estranham outros gatos, quando dividem o mesmo espaço.

A questão não é simplesmente o instinto de caça, mas também o instinto de liderança.

Dotados de comportamentos distintos e com muita originalidade, gato e cachorro são donos de seus espaços, e não é à toa que os demarcam para evitar confusões com outros animais.

Leia também:  Como Ver Os Pontos Que Tenho Na Carta De Condução?

Há uma necessidade em ambas as espécies de liderar o ambiente e terem para si toda a atenção de seu tutor.

É importante que aprendam a dividir não só o território, como o amor da família, para que uma amizade possa se estabelecer a partir daí.

É possível acostumar gato e cachorro juntos?

Tanto é possível como existe gato e cachorro que são melhores amigos! Basta ver gatos que fazem de seus amigos cães verdadeiros colchões para soneca, por exemplo. Então, para fazer com que se acostumem um com outro, o ideal é ter primeiro em mente como será esta aproximação.

O trabalho de aproximação deve começar pelo próprio tutor. Se você quer que ambos não se agridam, pare desde já de achar ou mesmo estimular o conflito entre as duas espécies. Eles agem por instinto sim, mas nós também contribuímos (mesmo que sem querer) para que este comportamento agressivo seja perpetuado. Logo, o ideal é incentivar a união e, claro, a amizade.

Por fim, basta tomar certos cuidados se os dois bichinhos nunca se viram ou não conviveram antes. Não há como saber se vão se estranhar ou não devido. Assim, treine também a sua percepção e siga aos poucos no caminho da conciliação dos seus pets (e veja algumas dicas abaixo!).

Dicas para acostumar gato e cachorro juntos

Se você está a fim de adotar e criar no mesmo ambiente gato e cachorro, o ideal é que sejam filhotes. Por quê? Porque o convívio desde pequenos evita que se estranhem.

A água, casinhas e caminhas para dormir, o colo do tutor e possivelmente os brinquedos acabam sendo compartilhados, ainda que cada um tenha seus próprios objetos.

Coloque os dois filhotes no mesmo ambiente e trate-os da mesma forma. Eles certamente aprenderão a não se estranhar.

Mas, se ambos forem adultos que cresceram em ambientes separados, a saída é ter paciência e agir de maneira metódica. Você deve preparar o terreno para que essa amizade aconteça e dê frutos. Veja como:

  • Se o cachorro ameaçar atacar o gato assim que o vir, coloque-o na coleira e dê algo a ele que possa entretê-lo. Isso ajuda a desviar a atenção do gato. Depois disso, solte o gato e deixe-o andar numa distância segura com relação à do cão. Se a agressividade canina persistir, dê umas puxadas na coleira, a fim de sinalizar ao animal que ele não deve latir ou atacar o gato;
  • Ao observar que o cachorro obedece às puxadas de coleira, dê uma recompensa a ele (um petisco ou frases de incentivo, como “bom garoto”). Veja, gradativamente, como a aproximação do gato vai se delineando a partir da tomada de percepção do cão. A intenção aqui é fazer com que a presença de um não interfira no estado de humor do outro;

Vá soltando a coleira aos poucos e deixando que o gato e cachorro se cheirem. Esse momento do processo é essencial para o primeiro sinal de convívio. Mas fique sempre atento! Os pets possuem instinto e podem se estranhar mesmo durante este passo a passo.

Gostou do artigo? Então conheça mais sobre adestramento de cães, que pode ajudar seu pet a conviver melhor com o amigo gato!

Como apresentar ou reapresentar dois gatos | Gatinho Branco

A primeira impressão realmente é a que fica. Pelo menos para os gatos. Quando a coisa começa com garras e dentes, existe uma boa chance de continuar com garras e dentes por um bom tempo. É mais uma das infinitas sabedorias da natureza para garantir a sobrevivência dos peludos, e mais uma vez cabe a nós humanos entrar no mundinho deles para fazer uma amizade entre dois gatos começar – e se manter – com boas impressões. E se a coisa der errado mesmo assim, hora de começar tudo de novo! Paciência é a chave.

OBS: Esse passo a passo também serve para fazer as pazes entre gatos que já convivem juntos mas brigam ou disputam recursos.

A única coisa que você NÃO deve fazer

Imagine acordar e encontrar um estranho na sua sala. Nada legal, certo? Você provavelmente iria pegar a primeira coisa que estivesse à mão para brigar e defender seus peludos, não é?

Com os gatos não é diferente. Eles são animais muito territoriais e qualquer outro gato na área deles é imediatamente considerado um intruso e uma ameaça.

A maioria não vai parar para perguntar o que ele está fazendo ali, como você e o estranho na sala, e vai atacar na primeira oportunidade.

Por isso NUNCA coloque dois ou mais gatos desconhecidos no mesmo ambiente “para ver no que dá”, porque o que você provavelmente vai ver é uma briga feia.

Dois gatos podem se dar bem logo de cara, nada é impossível. Mas é uma situação tão rara, e é tão difícil apagar uma primeira má impressão, que simplesmente não vale o risco. E afinal não é justo dar um susto no seu miau colocando um intruso no meio da sala dele! Lembre-se: paciência é a chave!

O que você DEVE fazer (e em ritmo de gato!)

Para que dois ou mais gatos se aceitem, eles precisam adaptar-se um ao outro (s). Isso envolve mostrar para todos os gatos da casa que ninguém é aquele intruso na sala e que a presença do outro é uma coisa boa e não uma ameaça.

As melhores ferramentas para alcançar isso são o tempo e a aproximação em etapas. Como os gatos percebem o mundo de uma maneira diferente da nossa, essas etapas devem pensadas e executadas com base nos sentidos mais importantes para eles.

Etapa 1 – Olfato: Cômodos separados

Antes de levar o gato novo para casa, prepare um cômodo isolado para ele. Nos primeiros dias, é importante que ele sinta-se seguro e o único contato que ele deve ter com o gato antigo é olfativo: eles devem sentir apenas o cheiro um do outro. A princípio não se preocupe em como fazer isso, o vão embaixo da porta já é suficiente para eles conseguirem se cheirar e se escutar.

Quando o gato novo estiver tranquilo no ambiente, comendo e usando a caixinha, você pode começar a “trocar” cheiros.

Pegue um par de meias (limpas!) e esfregue bastante uma em cada gato, nas costas, na bochecha. Depois, coloque a meia com o cheiro do gato novo no ambiente do gato velho e vice-versa.

Não force o gato a se aproximar da meia, ele irá fazer isso por conta própria quando estiver confiante.

Assim, você está dizendo em língua de gato “nada muda com o cheiro desse cara aqui, tudo fica igual, ele não é ameaça”. Para ajudar, inclusive, você pode deixar petiscos perto das meias e depois de um tempo até colocá-las próximas do pratinho de comida, assim um irá associar o cheiro do outro com uma coisa boa.

Sinta o ambiente e o estado emocional de cada gato. Quando perceber que eles estão ficando mais e mais à vontade, faça novas associações boas. Um truque maravilhoso é passar um brinquedo de corda de duas pontas debaixo da porta e deixar que eles brinquem cada um do seu respectivo lado. Eles sabem que o outro está atrás da porta, e percebem que podem se divertir juntos.

Em qualquer momento dessa etapa, desde que o gato novo já esteja comendo e usando a caixinha, você pode começar a intercalar ambientes, para evitar eles assumam uma posição de defesa em relação a seus respectivos cômodos. O gato da sala vai dar uma voltinha no quarto por algumas horas, e o do quarto vai para a sala. Só lembre-se de que eles ainda não devem ver um o outro, essa é a próxima etapa.

Etapa 2 – Visual: Eu vejo você

Quando estiverem acostumados com o cheiro, está na hora de eles se acostumarem com a aparência. Isso pode ser questão de dias ou semanas após a chegada do gato novo, não existe um período estabelecido, afinal cada gato é um gato.

Alguns indicativos de que está na hora de iniciar a etapa visual envolvem parar de se importar com a meia e o cheiro do outro gato, parar de chiar para a porta e mostrar confiança (ficar de rabo erguido, andar no meio do cômodo, dormir em qualquer lugar e não escondido, etc.).

Quando ambos estiverem nesse estado, eles podem começar a se ver, mas sem contato físico. Existem várias formas de fazer isso, a melhor é separá-los por uma porta de vidro ou de tela e deixar que comam petiscos simultaneamente, um vendo o outro a certa distância.

Outra opção é usar coleiras e guias para conter ambos, ou caixas de transporte (faça a adaptação à caixa primeiro, o gato não pode estar nervoso dentro dela).

Comece com uma distância grande de vários passos e vá aproximando-os aos poucos – para alguns gatos, estamos falando de uma aproximação de dias ou semanas; para outros, minutos.

Espere até que eles parem de fixar o olhar um para o outro para diminuir a distância.

Lembre-se sempre de dar petiscos quando ambos estiverem se vendo, isso é para que eles associem a visão do outro gato com uma coisa boa, comida. Você também pode servir as refeições nesses momentos ou pedir ajuda a uma pessoa para que vocês brinquem com os dois ao mesmo tempo, brincar é uma verdadeira terapia e ajuda-os a relaxarem.

Etapa 3 – Contato: Entre patadas e lambidas, nasce a amizade

Quando não se incomodam mais com o cheiro e a visão do outro gato, existe uma chance grande de eles estarem prontos para interagir. É sempre bom fazer essa etapa com ajuda de outra pessoa ou guias, coleiras e caixas de transporte. Prevenir é sempre o melhor remédio, principalmente quando se envolve animais que são caçadores por natureza.

Quanto mais neutro o ambiente em que forem apresentados, melhor. Deixe que eles se aproximem sozinhos e só interfira em caso de uma briga real. Chiados e patadas são normais, é a forma deles de dizer: “aí está bom”, “você já está perto demais” ou “esse canto aqui é meu”.

Leia também:  Como Devo Informar O Iefp De Que Já Estou Empregado?

E é bom que eles conversem e determinem tudo isso, a base para o relacionamento dar certo é o entendimento e respeito mútuo. Quanto mais você interferir, mais vai atrapalhar a conversa deles. Simplesmente sente e leia um livro.

Assim como nas outras etapas, essas interações devem acontecer em períodos que variam de gato para gato. É fundamental, entretanto, que por alguns dias eles só interajam com alguém por perto. Afinal, um petisco aqui, um olhar torto ali e uma briga pode começar em poucos segundos.

É normal que eles discutam um pouco no começo, mas se a coisa apertar, volte para as etapas anteriores. Lembre: paciência é a chave.

Dicas adicionais

  • Aja o tempo todo como se nada estivesse acontecendo, é importantíssimo que você mantenha a calma e tranquilidade para que seu gato, que percebe suas emoções, fique calmo também.
  • Use florais de Bach e/ou o ferormônio Feliway, eles são grandes aliados para conquistar e manter a paz na casa.
  • Interfira o mínimo possível nas interações entre eles, um grito, um empurrão, um bater de palmas seu vai mais piorar do que ajudar.
  • Se precisar separar uma briga, use um papelão ou almofada grande para criar uma barreira entre os gatos – e tente fazer isso com calma, sem desespero.
  • Se algo der errado, comece TUDO de novo. Quando a coisa não está dando certo, insistir no erro é a pior alternativa.
  • Evite criar disputas, tenha tudo em maior quantidade do que o número de gatos: várias caixas de areia, vários comedouros, várias bacias de água pela casa, várias caminhas.
  • Não deixe ninguém ficar com energia acumulada. Brinque muito – e diariamente – com todos os gatos envolvidos. Um gato que brinca é um gato mais tranquilo e feliz.
  • Não desista! Muitos gatos levam meses para se adaptar, outros apenas dias. Pense sempre o que você pode estar fazendo de errado e troque táticas, mude sua linguagem corporal, tente coisas novas. Todo mundo merece uma companhia da mesma espécie – e gatos que começam como piores inimigos podem sim se tornar melhores amigos!
  • Leituras extras
  • Foto inicial: Matt
  • As demais fotos são o Kvothe e a Vashet, os miaus por trás do Gatinho Branco.

Como Apresentar Gatos Uns Aos Outros: Como Ajudar Seus Gatos Se Darem Bem

Como Posso Introduzir Novos Gatos Sem Briga?

Se você tiver dois (ou mais!) gatinhos, você quer que sejam os melhores amigos fofinhos! Mas introduzir novos gatinhos num ambiente já com gatos pode ser complicado. Como nossos pets são, por natureza, territoriais, eles nem sempre vão reagir numa boa com um recém-chegado!

Felizmente, há muitas coisas que podemos fazer para ajudar os novos gatos a se darem bem, sem muito estresse nem agressões! Fazer a apresentação aos poucos, mais muitos preparativos e apoio, é essencial. As dicas a seguir devem ajudar seus novos amigos gatos a se darem bem!

Ir com calma

Nossos gatinhos se sentem calmos e felizes num ambiente sossegado – sem muitas surpresas! Nunca apresente dois gatinhos logo de cara, sem um período de adaptação.

Ambos os pets vão ser pegos de surpresa e se assustar, e não vai ser um bom começo para o relacionamento.

É importante ir apresentando seus gatos uns aos outros de forma gradativa, por um período de dias ou semanas, usando o olfato e a visão antes de um “olá!” em carne e osso.

Criar espaços separados

Antes da chegada de um novo gato na casa, prepare um cômodo ou um espaço separado para o novo bichano. Cuide para que seus outros gatos mais antigos tenham acesso ao resto da casa – só não ao ambiente do novo gato. É importante dar pelo menos uma semana a novos gatinhos para se adaptarem à nova casa, sem a presença de outros pets.

No dia em que você trouxer o novo gatinho para casa, leve-o imediatamente para seu espaço próprio e seguro. Deixe-o na caixa de transporte com a porta aberta e dê tempo para ele explorar o lugar. Não obrigue seu gatinho a sair! Seu pet vai sondar o ambiente quando se sentir calmo e pronto.

Prestar atenção para haver acessórios suficientes

Como parte dos preparativos para receber um novo gatinho, providencie acessórios suficientes para todos. Os gatos não gostam de compartilhar suas coisas; não ter comedouros, bebedouros, caixas de areia ou esconderijos suficientes pode gerar tensão e brigas entre eles. Você precisa ter um de cada tipo de acessório por gato em casa (mais um extra!).

Criar laços de amizade e hora de brincar

Brincar e se sentir seguros são muito importantes para garantir que seus pets estejam felizes e se sintam protegidos! Reservar um tempo para criar vínculo (na mesma hora todo dia) com seus gatos mais antigos e novos (primeiro individualmente!) vai manter sua relação com todos eles e ajudar a garantir uma atmosfera descontraída e positiva em casa.

Como conseguir que os cães e os gatos se deem bem?

É sempre emocionante adicionar um novo animal de estimação à sua vida, exceto talvez quando tem de o apresentar a outro animal que já vive em casa. Isto é especialmente problemático quando se trata de cão e do gato. Nesta publicação damos-lhe alguns conselhos para dar os primeiros passos na hora de apresentar um cão a um gato ou vice-versa.

Como conseguir que um cão e um gato se deem bem?

Os primeiros dias de convívio serão determinantes para o convívio futuro dos mesmos. Não é o mesmo ter uma entrada idílica e triunfal ou ter uma entrada traumática. Siga estes conselhos no momento de apresentar os dois animais.

1 Vigie o cão

A maior parte dos cães gosta de brincar a perseguir algo que se mexa muito depressa. Por conseguinte, se um gato se assustar e correr, o cão sente que tem de correr atrás dele. Como tal, se suspeitar que o seu cão irá comportar-se desta forma, controle-o com a trela porque caso contrário poderão acabar feridos.

2 Espaço e distância

Tanto se o seu gato for o elemento recém-chegado como se for o veterano do lar, certifique-se que poderá correr e esconder-se, caso queira. O gato precisa de conseguir movimentar-se livremente. As portas para bebés podem ser uma solução para o ajudar a apresentar gradualmente os seus animais de estimação, criando uma barreira que ajudará a minimizar o possível perigo.

3 A idade pode ditar a diferença

Quando chega um novo animal de estimação ao lar, a juventude pode ser um ponto a favor. Isto deve-se ao facto de os cachorros serem muito menos perigosos para os gatos adultos e os gatinhos poderem ser bastante destemidos com os cães adultos.

Não obstante, não baixe a guarda e mantenha-se alerta nos primeiros dias.

Tenha em conta que quando apresenta um gatinho ou um cachorro, pode ser útil prolongar o tempo de separação ou estender o seu período de supervisão, porque os gatinhos tendem a escapulir-se (algo demasiado tentador para os cães) e os cachorros são demasiado brincalhões e podem incomodar o gato.

Aspetos a reter quando apresenta um cão e um gato

Seguem-se três erros comuns que não deve cometer quando apresenta gatos e cães.

  • Forçar a proximidade física: pegar no seu gato e segurá-lo no focinho do cão como forma de os apresentar fará com que o seu gato fique tentado a arranhar o cão. Deixe que seja sempre o felino a decidir quando quer aproximar-se do cão.
  • Não preparar o seu animal de estimação para a mudança: convém fazer mudanças como deslocar a caixa de areia do gato, colocar uma porta para bebés ou fechar certas portas antes de levar o novo animal de estimação para o seu lar. Desta forma, o animal que já vive em casa tem a oportunidade de se habituar às alterações antes do aparecimento de um novo companheiro de brincadeira.
  • Não pensar na reação do seu animal de estimação. Tente pensar nas mudanças que está a fazer na sua casa da perspetiva do seu animal de estimação. Por exemplo, tenha em conta que se mover a caixa de areia de sítio e o gato tiver de passar ao lado da cama do cão para chegar à mesma, o cão pode incomodá-lo no trajeto e isto poderá constituir um episódio stressante para o gato.

Quando pedir ajuda?

Se tiver sorte, o seu novo animal de estimação estará comodamente instalado na casa em pouco tempo, embora seja mais provável que este processo demore dias ou algumas semanas. Se ao regressar a casa um dos animais de estimação se esconder sempre, ou se o seu cão demonstrar um comportamento protetor do território, rosnando com a comida ou sendo agressivo com o seu gato, procure ajuda.

Não espere até que um dos dois fique ferido. Dirija-se às nossas clínicas veterinárias para falar com um profissional especializado em comportamento animal.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*