Como É Que Os Chineses Ocupam Os Tempos Livres?

Em uma análise publicada em 13 de março, pesquisadores da Universidade de Southampton sugerem que o número de casos de coronavírus na China poderia ter sido reduzido em 86% se as medidas de combate à epidemia, instauradas na China a partir de 20 de janeiro, tivessem sido antecipadas em duas semanas.

Com base na cronologia dos primeiros dias da crise, a Repórteres sem Fronteiras (RSF) demonstra que, sem o controle e a censura impostos pelas autoridades, os meios de comunicação chineses teriam informado muito mais cedo o público sobre a gravidade da epidemia de coronavírus, poupando milhares de vidas e, talvez, evitando a pandemia.

18 de outubro: a imprensa chinesa teria veiculado os resultados assustadores de uma simulação de pandemia

O Centro Johns Hopkins de Segurança em Saúde, em parceria com o Fórum Econômico Mundial e a Fundação Bill e Melinda Gates, realizou, em 18 de outubro de 2019, uma simulação de pandemia de coronavírus e alertou a comunidade internacional sobre seu resultado assustador: 65 milhões de mortos em 18 meses.  

Se a Internet chinesa não fosse isolada por um elaborado sistema de censura eletrônica e se a mídia não fosse obrigada a seguir as instruções do Partido Comunista, o público e as autoridades teriam, sem dúvida, se interessado por essa informação proveniente dos Estados Unidos e que faz eco com a epidemia de SARS (síndrome respiratória aguda grave), que causou mais de 800 mortes e afetou 8.000 pessoas principalmente na China em 2003.

20 de dezembro: as autoridades da cidade de Wuhan teriam informado os jornalistas

No dia 20 de dezembro, um mês após o primeiro caso documentado, a cidade de Wuhan já tinha 60 pacientes vítimas de uma pneumonia desconhecida semelhante à SARS, muitos dos quais haviam frequentado o mercado de peixes de Huanan. Apesar da situação, as autoridades não consideraram adequado comunicar essas informações aos meios de comunicação.

Se as autoridades não tivessem escondido a existência de uma epidemia associada a um mercado muito popular, o público teria parado por conta própria de visitar o local antes de seu fechamento oficial em 1º de janeiro. 

25 de dezembro: o doutor Lu Xiaohong poderia ter expressado seus temores à imprensa 

O Dr. Lu Xiaohong, diretor do departamento de gastroenterologia do Hospital Número 5 da cidade de Wuhan ouviu falar de casos de infecção afetando o pessoal médico a partir de 25 de dezembro e suspeitou, desde a primeira semana de janeiro, que a infecção fosse transmissível de humano para humano.

Se as fontes dos jornalistas na China não arriscassem sanções severas, que variam de advertência profissional a penas pesadas de prisão, o Dr. Lu Xiaohong teria, sem dúvida, assumido a responsabilidade de alertar os meios de comunicação, forçando as autoridades a agir três semanas mais cedo do que fizeram.

30 de dezembro: o alerta dos médicos teria sido veiculado pela mídia

A diretora da emergência do Hospital Central de Wuhan, Ai Fen, e um grupo de médicos lançaram o alerta na internet em 30 de dezembro. Oito deles, incluindo o médico Li Wenliang, mais tarde morto em consequência da doença, foram interpelados pela polícia no dia 3 de janeiro por circular “rumores falsos”.

  • Se, desde essa data, a imprensa e as redes sociais tivessem conseguido veicular livremente as informações transmitidas pelos médicos que lançaram o alerta, o público teria se conscientizado do perigo e pressionado as autoridades a tomar medidas que limitassem a propagação de vírus. 
  • 31 de dezembro: as redes sociais teriam retransmitido o alerta oficial na China
  • A China alertou oficialmente a Organização Mundial da Saúde (OMS) em 31 de dezembro, porém, ao mesmo tempo, obrigou a plataforma de discussão WeChat a censurar um grande número de palavras-chave que faziam referência à epidemia.
  • Sem censura, a rede social WeChat, que possui um bilhão de usuários ativos na China, teria permitido que jornalistas transmitissem reportagens e conselhos de profilaxia, contribuindo para um melhor cumprimento das regras recomendadas pelas autoridades de saúde.
  • 5 de janeiro: a imprensa científica teria divulgado o genoma do coronavírus mais cedo 

A equipe do professor Zhang Yongzhen, do Centro Clínico de Saúde Pública de Xangai, conseguiu sequenciar o vírus já em 5 de janeiro, mas as autoridades pareciam relutantes em publicar a sequência do genoma.

Em 11 de janeiro, dia em que a China confirmou sua primeira morte devido ao vírus, os pesquisadores vazam a informação em plataformas de código aberto, o que fará com que o laboratório seja fechado em represália.

 

  1. Se as autoridades chinesas tivessem agido com transparência, teriam comunicado imediatamente a sequência do genoma do coronavírus à imprensa científica, permitindo à comunidade internacional ganhar um tempo precioso em suas pesquisas para o desenvolvimento de uma vacina.  
  2. 13 de janeiro: a comunidade internacional teria antecipado o risco de uma pandemia
  3. O primeiro caso de infecção por coronavírus fora da China foi registrado na Tailândia em 13 de janeiro, em um turista chinês originário de Wuhan. 
  4. Se, nessa data, a mídia internacional tivesse obtido acesso total às informações mantidas pelas autoridades chinesas sobre a escala da epidemia, é provável que a comunidade internacional tivesse entendido o tamanho da crise e antecipado melhor o risco de uma propagação da epidemia fora da China, possivelmente evitando sua transformação em pandemia.
  5. A China ocupa a 177ª posição entre 180 no Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa da RSF de 2019.

Itinerário

Itinerário:

1º DIA – LISBOA / PEQUIM

Comparência no aeroporto 3 horas antes da partida. Formalidades de embarque e partida em voo regular da Air France com destino a Pequim (via Paris). Refeição e noite a bordo.

2º DIA – PEQUIM

Desembarque assistido por guia de língua portuguesa que acompanha toda a viagem. Saída do aeroporto para o Templo do Céu. Passeio orientado por um guia local.

Foi construído em 1420 e utilizado pelos imperadores das Dinastias Ming e Qing para orarem pelas colheitas; está integrado num magnífico parque, com o dobro da área da Cidade Proibida, onde podemos ver como os chineses ocupam os seus tempos livres – danças, Tai-Chi, jogos de cartas, conversas. Está classificado pela UNESCO Património da Humanidade. Almoço num restaurante local. No final transporte ao Hotel Novotel Xinqiao 4* ou similar e tarde livre. Ao final da tarde possibilidade de assistir, facultativamente a um musical, com jantar incluído, que combina a arte milenar da luta de Kung-Fu com dança e representação. Alojamento.

3º DIA – PEQUIM

Pequeno-almoço buffet no hotel. Visita, com guia local, à Praça de Tian’anmen, que se destaca pelo seu tamanho – a maior praça do mundo – onde a 01 de Outubro de 1949 Mao Tse Tung proclamou a fundação da República Popular da China.

No lado sul da praça encontra-se o mausoléu de Mao e a norte a entrada para a Cidade Proibida.

Continuação para a Cidade Proibida ou Palácio Imperial, que foi construída entre 1406 e 1420 e serviu de palácio às dinastias Ming e Qing; é a maior e melhor preservada residência imperial de toda a China, com o comprimento de 960 metros de sul para norte e com uma largura de 760 metros de este para oeste.

Almoço num restaurante local. Após o almoço visita a uma fábrica de produção de artigos de seda, onde conhecemos todo o processo de sericultura. A seda, um dos artigos produzidos na China e que tanto agradou à nossa civilização, deu origem à lendária rota da seda.

De tarde, visita do Palácio de Verão, uma das importantes residências e jardins reais da dinastia Qing, cuja construção se iniciou em 1750; hoje mantém-se um extraordinário exemplo dos clássicos jardins chineses. Ao fim da tarde assistir-se-á a um espectáculo de acrobatas, uma das vertentes da cultura popular chinesa. O espectáculo tem duração de 1h15m. Regresso ao hotel e alojamento.

4º DIA – PEQUIM

Pequeno-almoço buffet no hotel. Partida para visita, com guia local, aos Túmulos da Dinastia Ming, também classificados pela UNESCO Património da Humanidade, e que consistem num grupo de mausoléus de 13 imperadores Ming, das suas imperatrizes e das suas concubinas.

Durante o trajecto paragem para se conhecer uma produção de pérolas de cultura de água doce, em que a China é líder mundial, atingindo por ano as 800 toneladas. Continuação para visita aos túmulos em Changling e para entrada no caminho sagrado. Almoço num restaurante local.

Continuação para a Grande Muralha na zona de Badaling, que se encontra a cerca de 80 km de Pequim e é a parte mais imponente e melhor conservada. A Grande Muralha é Património da Humanidade pela UNESCO. Regresso a Pequim.

À noite jantar num restaurante local, onde se apreciará o famoso pato lacado à Pequim. Alojamento.

5º DIA – PEQUIM / XIAN

Pequeno-almoço buffet no hotel. De manhã possibilidade de efectuar uma excursão opcional à Velha Beijing. Em hora a indicar localmente transporte ao aeroporto. Formalidades de embarque e partida com destino a Xian.

Chegada, assistência e transporte ao Hotel Aurum International 4* ou similar. Xian é a maior cidade no noroeste da China, foi capital de 13 dinastias, incluindo a Qin e Tang, e foi o ponto de partida para a antiga Rota da Seda.

Alojamento.

6º DIA – XIAN

Pequeno-almoço buffet no hotel. Dia inteiro para conhecer os pontos de maior interesse de Xian, com orientação de guia local, onde se destaca o Museu dos Guerreiros de Terracota do Imperador Qin. O espólio foi encontrado por acaso, em 1974, quando 3 agricultores construíam um poço.

A colecção consiste em mais de 70 figuras entre guerreiros, cavalos, carros e armas que serviriam para guardar o túmulo do imperador, e está classificada Património da Humanidade pela UNESCO. Almoço num restaurante local. Continuação do passeio para visitar o Grande Pagode do Ganso Selvagem, com mais de 60 metros de altura, e as muralhas da cidade. Alojamento.

Esta noite propõe-se um programa facultativo com jantar e espectáculo, considerado um dos melhores em cena na China.

7º DIA – XIAN / SHANGHAI

Pequeno-almoço buffet no hotel. Em hora a indicar localmente transporte ao aeroporto. Formalidades de embarque e saída em voo regular para Shanghai.

Chegada a esta magnífica cidade, localizada na costa este, a maior da China e uma das mais importantes em termos históricos, que conta com mais de 13 milhões de habitantes e, que se encontra em plena expansão económica e geográfica com todas as novas construções de arquitectura arrojada. Almoço num restaurante local.

De tarde, visita do Templo do Buda de Jade, um mosteiro construído em 1882 para albergar 2 magníficas estátuas de Buda, cada uma delas esculpida a partir duma peça única de jade branco. De seguida, visita do jade, um dos símbolos da cultura chinesa.

Vista como a mais valiosa de todas as pedras preciosas na sociedade chinesa, o jade, ainda hoje simboliza nobreza, perfeição, constância e imortalidade. Opcionalmente sugere-se um passeio nocturno pela cidade mais ocidental da China, admirando os seus arranha-céus, avenidas e bairros iluminados. Alojamento no Hotel Jin Jiang 5* ou similar.

8º DIA – SHANGHAI / GUILIN

Pequeno-almoço buffet no hotel. Saída, com acompanhamento de guia local, para meio-dia de visita panorâmica da cidade, em que se destaca o Jardim Yuyuan, que data do séc.

XVI, que se situa na zona velha da cidade de arquitectura tipicamente chinesa, um característico jardim chinês com pequenos lagos, pontes, blocos de rochas e várias salas com diferentes funções, os edifícios da Bund, a torre de televisão Oriental Pearl, a Jin Mao Tower que é o quarto maior edifício do mundo, a zona da antiga concessão francesa, o Parque Huangpu, a rua Nanjing que é uma das mais importantes em termos comerciais. Almoço num restaurante local. Em hora a informar localmente transporte ao aeroporto. Formalidades de embarque acompanhadas pelo guia e saída em voo regular para Guilin. Chegada, assistência e transporte ao Hotel Bravo 4* ou similar. Alojamento.

Leia também:  Como Posso Fazer Teste Dna Para Saber De Que Origem Sou?

9º DIA – GUILIN

Após o pequeno-almoço buffet no hotel saída com guia local para excursão de dia inteiro, incluindo cruzeiro no famoso rio Li com almoço, que oferece um espectáculo de paisagens inesquecíveis e, únicas no seu género, um dos pontos altos da visita à China. Regresso a Guilin. Alojamento. Em opção, propõe-se conhecer esta cidade num cenário natural realçado por um jogo de luz ímpar.

10º DIA – GUILIN / HONG KONG

Pequeno-almoço buffet no hotel. De manhã visita, orientada por guia local, da Colina Tromba de Elefante e da Colina Fubo. Em hora a informar localmente transporte ao aeroporto. Formalidades de embarque e partida para Hong Kong. Chegada e transporte ao Hotel Pruton Prudential 4*, ou similar. Alojamento.

11º DIA – HONG KONG / MACAU

Depois do pequeno-almoço buffet no hotel, saída para uma visita panorâmica de meio-dia a Hong-Kong com almoço incluído.

Apreciar-se-á a baía, com o constante movimento de barcos, os enormes arranha-céus, que fazem desta região a mais densamente povoada a nível mundial, a zona financeira e comercial que a tornam única em todo o mundo.

Subida ao monte Victória (sempre que as condições atmosféricas o permitam) para a vista mais espectacular de toda a Ásia. Parte da tarde livre para compras ou outras actividades a gosto pessoal.

Em hora a informar localmente transporte para o terminal de ferry de Hong-Kong para viagem, com duração de 65 minutos, até Macau. Chegada à região Administrativa Especial de Macau da República Popular da China, assistência e transporte ao Hotel Casa Real 4*, ou similar. Alojamento.

12º DIA – MACAU

Após o pequeno-almoço buffet no hotel, saída para meio dia de visita panorâmica de Macau onde se pode aperceber da herança portuguesa em terras do Oriente e da evolução da cidade nos últimos anos.

Da visita destaca-se o centro ecuménico com a estátua Kun Yam (deusa da misericórdia), a praça da Flor de Lodão, a Torre de Macau, com 338m/altura, a 10ª mais alta do mundo, e parte integrante do Centro de Convenções e Entretenimento, o templo A-Ma, local de culto de todos os orientais.

Vista panorâmica da Ponte de Sai Van, que liga Macau a Taipa, assim como das Portas do Cerco, fronteira física com a República Popular da China.

Caminhando ao longo de verdadeira calçada portuguesa – zona pedonal do velho centro de Macau –, passagem pelo Jardim Luís de Camões, pelas ruínas de São Paulo, resultado de um incêndio em 1835, pela igreja de São Domingos e chegada à praça do Leal Senado, considerado o símbolo da arquitectura portuguesa.

Durante a visita passagem pelos vários casinos que se tornaram na imagem de marca deste território autónomo. Almoço incluído em restaurante local e resto de tarde livre para passear nesta cidade, antiga colónia portuguesa até 1999, que goza de um estatuto especial do resto do território continental chinês. Alojamento.

13º DIA– MACAU / HONG KONG / PARIS

Pequeno-almoço buffet no hotel. Dia completamente livre para compras ou outras actividades a gosto pessoal. O guia fornecerá as informações necessárias para o melhor aproveitamento do tempo.

Em hora a indicar localmente transporte para o terminal de ferry de Macau, para viagem, até Hong-Kong. Chegada e transporte imediato ao aeroporto. Formalidades de embarque e saída em voo regular com destino a Paris.

Refeições e noite a bordo.

14º DIA – PARIS / LISBOA

Chegada, formalidades de trânsito e continuação da viagem em voo regular para Lisboa. Fim da viagem.

 

O preço inclui:

  • Passagem aérea classe económica em voos regulares da AirFrance, via Paris, para o percurso Lisboa/Pequim e Hong Kong/Lisboa;
  • Assistência nas formalidades de embarque;
  • Acompanhamento de experiente guia português durante toda a viagem;
  •  Alojamento nos hotéis indicados ou similares, em base de quartos duplos;
  • Voos domésticos para os percursos Pequim/Xian, Xian/Shanghai, Shanghai/Guilin e Guilin/Hong-Kong;
  • Viagem de barco Hong Kong/Macau/Hong Kong;
  • Guias locais em Pequim, Xian, Shanghai, Guilin, Macau e HongKong;
  • Restantes visitas orientadas por guia acompanhante;
  • Espectáculo de Acrobatas em Pequim;
  • Cruzeiro no rio Li com almoço incluído;
  • Visita de Hong Kong com almoço incluído;
  • Visitas e entradas conforme programa;
  • Todos os pequenos-almoços buffet;
  • Refeições indicadas no itinerário – 9 almoços e 1 jantar;
  • Serviço de bagageiros à saída dos hotéis (1 peça de bagagem por pessoa);
  • Seguro Multiviagens – capital de 30.000*;
  • Taxas de turismo, serviço e IVA;
  • Taxas de aviação (valor de €360).

Nota: Os valores das taxas de aviação (de aeroporto, segurança e combustível) à data de impressão do programa encontram-se sujeitos a reconfirmação na altura da emissão dos bilhetes.    O preço não inclui:

  • Taxa de serviço €10 por reserva;
  • Bebidas às refeições, despesas de carácter pessoal e quaisquer outros serviços não indicados como incluídos;
  • Suplementos;
  • Visto de entrada na República Popular da China (cerca de €35) – visto obrigatório.  

Como vivem os adolescentes chineses em Portugal

Universitárias do norte da China no curso de português da Universidade Nova: a relação com os países africanos é a razão da escolha

“Adolescência, tal como a entendemos no Ocidente, é um conceito recente. Só na década de 80, com a geração que nasceu da política do filho único, é que se começou a dar importância à cultura juvenil. De um modo geral, os jovens chineses têm muito pouco tempo livre.

A competitividade é enorme. Quando não estão a trabalhar estão a estudar.” Diz-nos Irene, a antropóloga que durante dois anos viveu na China. “As decisões em relação à educação das crianças muitas vezes são decididas na infância, em consenso familiar.

Quando os pais emigram, os filhos ficam com os avós e tios ou entregues a uma ama, até concluírem os estudos Só depois são chamados a juntar-se-lhes para trabalhar com a família.

Mas o máximo que ambicionam é que os filhos adquiram prestígio social por via da educação e formação superior.”

Fora do mundo

Hugo, 22 anos, é uma aproximação ao nome chinês Haiyong que os amigos portugueses lhe atribuíram. Estuda Tecnologia de Informação e Comunicação na Faculdade de Ciências de Lisboa e aparece desportivo e low-profile, com a sua pequena argola na orelha esquerda.

“Moro em Benfica, a casa fica ao lado da nossa loja, igual a todas as outras. Vim de Zhejiang, perto de Xangai. Os meus pais eram camponeses, como quase todos os chineses que vieram para Portugal. Noventa por cento dos imigrantes que estão aqui, são dessa zona”, diz Hugo Wu, que parece saber tudo sobre a sua comunidade.

Atravessamos os corredores da faculdade, desertos àquela hora, e entramos na sala dos computadores: “É aqui que tenho passado o meu tempo nos últimos dois anos. É raro um chinês filho de imigrantes da primeira geração andar na faculdade. Quando acabei o secundário também tive dúvidas, mas decidi encontrar a terceira saída.

Todos os jovens chineses ajudam os pais, estamos habituados a trabalhar.

Maria Quian nasceu em Coimbra. Foi nos Anjos que estudou mandarim

 Demorou quase três anos a conseguir algum domínio do português, ainda hoje lhe é difícil escrever relatórios. Com a fluência da língua, já em plena adolescência, vieram os primeiros amigos.

Foi a fase em que se dava com portugueses e teve o seu grupo das idas ao cinema, dos jogos de computadores, das surfadas em Carcavelos. Só mais tarde, através da Net, nos chats do hi5, e do QQ (o messenger chinês) começou a estabelecer laços com outros jovens como ele: “A minha namorada vive no Alentejo.

Conheci-a online.” E se não fosse chinesa? Deixá-lo-iam os pais casar com uma portuguesa? “Ficariam preocupados”, avança, para logo recuar: “Não quero falar sobre isso.” Anda a pensar no futuro. Os primos foram estudar para os Estados Unidos, optou por ficar. Gosta do que conhece e lhe é confortável.

Às vezes interroga-se: “O estudo compensa? Se abrisse uma loja ou um restaurante provavelmente ganharia muito mais.”

Começam também a surgir-lhe outras interrogações e já não passam pelo mundo do trabalho: “Os pais chineses têm muita influência sobre os filhos, dão pouca liberdade. Em adulto gostaria de ter uma vida mais privada. Mas quando estiverem velhos, vou trazê-los para morar na minha casa. Acho que são estas as coisas que me fazem pensar que estou a sair da adolescência e a entrar no mundo real.”

Hip hop no templo

Ao final da tarde de um domingo, numa rua de Cabo Ruivo, vislumbra-se através do vidro amplo um enorme Buda dourado. Lá dentro cheira a incenso.

Chega-nos o tom das orações ao som das batidas monocórdicas do Olhamos para os corpos vergados. São todos adultos. De repente, há vozes agitadas de jovens que se cumprimentam em grande animação.

Têm nomes portugueses e nas frases que dizem misturam palavras em mandarim.

A presidente do grupo de jovens do Templo Budista de Lisboa tem 19 anos, chama-se Maria Quian Quian.

Agora está sentada no restaurante da família em Paço de Arcos a contar como a sua personalidade foi formada entre dois mundos: “Nasci em Coimbra, só me dava com crianças portuguesas, não sabia o que significava ser excluída.

Aos 10 anos vim para Lisboa, para uma escola pública com uma frequência complicada. Chateavam-me. Era boa aluna, comecei a ter problemas. Um dia andei à luta com outra menina e a minha mãe mudou-me para um colégio privado.” Entrou nos Maristas de Carcavelos no 6º ano.

Chen Neibei na loja, em Massamá. Aprende português na Missão de Macau

Maria, que agora está a tirar o curso de Gestão Hoteleira, sabe a exacta medida onde se mistura oriente e ocidente na sua identidade: “Sou portuguesa, é isso que vem no meu BI, e gosto.

Acho que é o que me dá uma visão aberta do mundo. A minha mãe não aceita a diferença. Mas também gosto da forma como vivemos em casa.

Apesar de ser uma cultura muito sedimentada no trabalho, tem os valores mais certos para crescer.” Uma única vez foi a uma discoteca.

Não gostou. Mas quando vai à China, adora as salas de karaoke, onde pode cantar em mandarim. Cá não conhece nenhum sítio onde possa fazê-lo.

Foi, precisamente, numa dessas viagens que conheceu o namorado, chinês da Madeira, e percebeu que estava mais enraizado do que julgava o seu modo de ser português: “Íamos juntos aos restaurantes e aos parques de diversões.

Abraçavámo-nos e beijavámo-nos na rua sem sentir vergonha. Os namoros tradicionais chineses não são assim. Não se mostram em público determinados sentimentos.”

Hábitos diferentes

Dificilmente encontraremos um bar onde se vejam adolescentes chineses em bando, copo na mão, ou numa discoteca a dançar. Mas se numa manhã de sábado passarmos pelos Anjos observaremos grupos das mais variadas idades, em frente à escola primária na Praça das Nações. Chegam agarrados aos telemóveis cheios de gadgets, mochilas às costas, phones nos ouvidos, roupa de centros comerciais.

Laurinda Pereira, directora da Nuno Gonçalves, explica: “Devido à grande concentração geográfica desta população em redor da escola há uma relação muito próxima com a comunidade.

Leia também:  Como Dizer Que Se Esta Apaixonado?

É aqui que fazemos o centro de exames que lhes dão a possibilidade de adquirir a nacionalidade e onde fazemos os cursos de língua e cultura portuguesa aos imigrantes que chegam para trabalhar e já não passam pelo sistema de ensino.”

 Também na Escola Nuno Gonçalves há um presença forte dos jovens chineses. “Já foi mais”, avisa a directora: “2006 foi o ano do grande boom, depois começou a diminuir. De qualquer modo, não é uma população marcada pelo abandono escolar.

” Também na Missão de Macau em Lisboa, decorrem duas vezes por semana cursos de língua portuguesa para chineses, que lhes permitirá fazer o exame básico para aquisição da nacionalidade. São aulas livres.

Neste momento, a sala está quase a metade.

Fan Ru Su, Gengsha Qian e André Ma estão a terminar o IB. Fan e Gengsha vivem no Parque das Nações, André em Carcavelos. Dos três, só Fan fala português. Andou até ao 7º ano na Nuno Gonçalves, a loja da família é no Martim Moniz. Gengsha chegou há um ano da China. Vive sozinho com a mãe, o pai ficou lá.

Encolhe-se quando perguntamos porquê. Não é suposto um rapaz chinês falar sobre divórcios com estranhos. “É uma coisa recente nas famílias chinesas”, ajuda Fan. André é mais solto. É de Macau. A relação com a família é menos exigente e a liberdade também é maior. Amanhã fará 18 anos, vai comemorar com os amigos para Cascais.

A ele não lhe impõem horas.

Gengha, 18 anos, ainda vive rodeado do mundo chinês: livros, Net, jornais, CCTV (o canal chinês por cabo)… mas começa a adaptar-se. A escola é fácil, a carga horária na China é brutal: das oito da manhã às sete da tarde.

O que verdadeiramente o surpreende cá são as relações entre rapazes e raparigas. “Até entrarmos para a universidade é difícil namorar. Os professores vêm explicar que não temos idade para assumir essa responsabilidade. Os pais ficam preocupados com a ideia de que um namoro possa afectar os estudos.

” E se lhe acontecer apaixonar-se? Prontamente, responde: “Não acontece, não há tempo.” Será mesmo assim? Hesita: “São os nossos segredos…” Eis que se abre uma possibilidade na voz do rapaz do futuro: “Aqui, primeiro agem, depois pensam. Lá, podemos ficar apaixonados sem ninguém saber, sem nada se concretizar.

E só avançamos na altura certa para avançar.”

Publicado na Revista Única do Expresso de 6 de Fevereiro de 2010

bytravel TERRUGEM

  • CHINA MILENAR COM HONG KONG E MACAU
  • PEQUIM • XIAN • GUILIN • SHANGHAI • HONG KONG • MACAU
  • 2019-04-13 2019-06-09

1º DIA – LISBOA / DUBAI / PEQUIM Comparência no aeroporto 3h30 antes da partida. Formalidades de embarque e partida em voo regular da Emirates com destino ao Dubai. Refeição e noite a bordo.

2º DIA – DUBAI / PEQUIM Chegada ao Dubai. Formalidades de trânsito, mudança de avião e partida em voo regular da Emirates para Pequim.

Chegada, receção pelo guia privativo de língua portuguesa que acompanha a viagem do aeroporto de chegada ao aeroporto de partida. Transporte ao Hotel Novotel Xinqiao **** ou similar.

Tempo livre para repouso após prolongada viagem de avião. Jantar e alojamento.

3º DIA – PEQUIM Pequeno-almoço buffet no hotel. Saída para visita ao Templo do Céu, onde fazemos um passeio orientado por um guia local.

Foi construído em 1420 e utilizado pelos imperadores das Dinastias Ming e Qing para orarem pelas colheitas; está integrado num magnífico parque, com o dobro da área da Cidade Proibida, onde podemos ver como os chineses ocupam os seus tempos livres – danças, Tai-Chi, jogos de cartas, conversas. Está classificado pela UNESCO Património da Humanidade.

Almoço num restaurante local. Tarde livre para atividades a gosto pessoal. Ao final da tarde assistimos a um musical, com jantar incluído, que combina a arte milenar da luta de Kung-Fu com dança e representação. Alojamento.

4º DIA – PEQUIM Pequeno-almoco buffet no hotel. Visita, com guia local, a Praca de Tian’anmen, que se destaca pelo seu tamanho – a maior Praca do mundo – onde a 1 de Outubro de 1949 Mao Tse Tung proclamou a fundacao da Republica Popular da China.

No lado sul da Praça encontra-se o mausoleu de Mao e a norte a entrada para a Cidade Proibida.

Continuacao para a Cidade Proibida ou Palácio Imperial, que foi construída entre 1406 e 1420 e serviu de palácio as dinastias Ming e Qing; e a maior e melhor preservada residencia imperial de toda a China, com o comprimento de 960 metros de sul para norte e com uma largura de 760 metros de este para oeste.

De seguida, assistimos a uma cerimonia do cha. Almoço num restaurante local. De tarde, visita do Palacio de Verao, uma das importantes residências e jardins reais da dinastia Qing, cuja construcao se iniciou em 1750; hoje mantem-se um extraordinario exemplo dos classicos jardins chineses.

Tempo ainda para uma passagem pela zona olimpica, para poder observar o exterior do conhecido estadio “ninho de passaro”. Ao fim da tarde assistimos a um espetaculo de acrobatas, uma das vertentes da cultura popular chinesa. O espetaculo tem duracao de 1h15m. Jantar incluido. Regresso ao hotel e alojamento.

5º DIA – PEQUIM Pequeno-almoço buffet no hotel. Partida para visita, com guia local, à Grande Muralha. Durante o trajeto fazemos uma paragem para conhecermos uma produção de pérolas de cultura de água doce, em que a China é líder mundial, atingindo por ano as 800 toneladas. Continuação para o Caminho Sagrado dos imperadores da Dinastia Ming.

Almoço num restaurante local. Continuação para a Grande Muralha na zona de Badaling, que se encontra a cerca de 80 km de Pequim e é a parte mais imponente e melhor conservada. A Grande Muralha é Património da Humanidade pela UNESCO. Regresso a Pequim. À noite jantar num restaurante local, onde apreciamos o famoso pato lacado à Pequim. Alojamento.

6º DIA – PEQUIM / XIAN Pequeno-almoço buffet no hotel. De manhã efetuamos uma visita à Velha Beijing. Neste dia o almoço estará incluído, e será servido em Pequim ou em Xian, consoante o horário de voo. Em hora a indicar localmente transporte ao aeroporto.

Formalidades de embarque assistidas pelo nosso guia privativo e partida com destino a Xian. Chegada, assistência e transporte ao Hotel Grand Noble Xi'an **** ou similar.

Xian é a maior cidade no noroeste da China, foi capital de 13 dinastias, incluindo a Qin e Tang, e foi o ponto de partida para a antiga Rota da Seda. Jantar incluído. Alojamento.

7º DIA – XIAN Pequeno-almoço buffet no hotel. Dia inteiro para conhecer os pontos de maior interesse de Xian, com orientação de guia local, onde se destaca o Museu dos Guerreiros de Terracota do Imperador Qin. O espólio com que hoje nos podemos maravilhar foi encontrado por acaso, em 1974, quando 3 agricultores construíam um poço.

A coleção consiste em mais de 7.000 figuras entre guerreiros, cavalos, carros e armas que serviriam para guardar o túmulo do imperador, e está classificada Património da Humanidade pela UNESCO. Almoço num restaurante local.

Continuamos o passeio para visitar o Grande Pagode do Ganso Selvagem (sem subida), com mais de 60 metros de altura, e as muralhas da cidade. Tempo ainda para conhecer o jade, um dos símbolos da cultura chinesa.

Vista como a mais valiosa de todas as pedras preciosas na sociedade chinesa, o jade, ainda hoje simboliza nobreza, perfeição, constância e imortalidade. Esta noite assistimos a um espetáculo, considerado um dos melhores em cena na China e jantamos em restaurante local. Alojamento.

8º DIA – XIAN / GUILIN Pequeno-almoço buffet no hotel. Em hora a indicar localmente pelo nosso guia privativo transporte ao aeroporto. Formalidades de embarque e saída em voo regular para Guilin.

Chegada e visita da Gruta da Flauta de Cana, cujo nome se deve à tradição de fabricar flautas com as canas de bambu, que crescem nas redondezas. As inúmeras estalactites e estalagmites, banhadas por um lago interior, resultam num magnífico jogo de luzes e cores.

No seu interior está o chamado Palácio de cristal do Rei Dragão, com capacidade para cerca de 1.000 pessoas. Almoço incluído. Transporte ao Hotel Bravo **** ou similar. Jantar incluído. Alojamento.

9º DIA – GUILIN Após o pequeno-almoço buffet no hotel, saída para excursão de dia inteiro, acompanhado por guia local, incluindo cruzeiro no famoso rio Li com almoço, que nos oferece um espetáculo de paisagens inesquecíveis e únicas no seu género, um dos pontos altos da visita à China. Regresso a Guilin. Jantar incluído. Depois de jantar, conhecemos esta cidade num cenário natural realçado por um jogo de luz impar. Alojamento.

10º DIA – GUILIN / SHANGHAI Pequeno-almoço buffet no hotel. Em hora a indicar localmente pelo nosso guia privativo transporte ao aeroporto. Formalidades de embarque e saída em voo regular para Shanghai. Chegada e almoço num restaurante local.

De tarde saída, com acompanhamento de guia local, para visita panorâmica desta magnifica cidade, localizada na costa este, a maior da China e uma das mais importantes em termos históricos, que conta com mais de 13 milhões de habitantes e que se encontra em plena expansão económica e geográfica com todas as novas construções de arquitetura arrojada. Transporte ao Hotel Jin Jiang ***** ou similar. Jantar incluído. Depois de jantar, passeio noturno pela cidade mais ocidental da China, admirando os seus arranha-céus, avenidas e bairros iluminados. Alojamento.

11º DIA – SHANGHAI / HONG KONG Pequeno-almoco buffet no hotel. Saida para visita ao Templo do Buda de Jade, um mosteiro construido em 1882 para albergar 2 magnificas estatuas de Buda, cada uma delas esculpida a partir duma peca unica de jade branco.

De seguida visitamos uma fabrica de producao de artigos de seda, onde conhecemos todo o processo de sericultura. A seda, um dos artigos produzidos na China e que tanto agradou a nossa civilizacao, deu origem a lendaria rota da seda.

Continuação da visita ao centro da cidade, com destaque para o bazar do Jardim Yuyuan; o Jardim data do sec. XVI, e situa-se na zona velha da cidade, de arquitetura tipicamente chinesa, um característico jardim chines com pequenos lagos, pontes, blocos de rochas e varias salas com diferentes funcoes.

Almoço num restaurante local. Finalmente passeio pela Bund. Tempo livre para compras ou outras atividades a gosto pessoal. O nosso guia fornecera as informacoes necessarias para o melhor aproveitamento do tempo. Em hora a indicar localmente transporte para o aeroporto.

Formalidades de embarque e saída em voo regular com destino ao Hong Kong. Chegada e transporte ao Hotel Novotel Nathan Road Kowloon ****, ou similar.

12º DIA – HONG KONG / MACAU / HONG KONG Após o pequeno-almoço buffet no hotel e em hora a informar localmente transporte para o terminal de ferry de Hong Kong para viagem, com duração de 65 minutos, até Macau. Chegada e visita de dia inteiro acompanhados por um guia local, onde nos podemos aperceber da herança portuguesa em terras do Oriente e da evolução da cidade nos últimos anos.

Da visita destacamos o centro ecuménico com a estátua Kun Yam (deusa da misericórdia), a praça da Flor de Lodão, a Torre de Macau, com 338m/altura, a 10ª mais alta do mundo, e parte integrante do Centro de Convenções e Entretenimento, o templo A-Ma, local de culto de todos os orientais.

Vista panorâmica da Ponte de Sai Van, que liga Macau a Taipa, assim como das Portas do Cerco, fronteira física com a República Popular da China.

Leia também:  Como Ouvirão Se Nao Ha Quem Pregue?

Caminhando ao longo de verdadeira calçada portuguesa – zona pedonal do velho centro de Macau –, passamos pelo Jardim Luís de Camões, pelas ruínas de São Paulo, resultado de um incêndio em 1835, pela igreja de São Domingos e chegamos a praça do Leal Senado, considerado o símbolo da arquitetura portuguesa.

Durante a visita vemos ainda os vários casinos que se tornaram na imagem de marca deste território autónomo. Almoço incluído em restaurante local e tempo livre para passear nesta cidade, antiga colónia portuguesa até 1999, que goza de um estatuto especial do resto do território continental chinês. Em hora a indicar localmente transporte para o terminal de ferry de Macau, para viagem, até Hong-Kong. Jantar incluído. Chegada, transporte ao hotel e alojamento.

13º DIA – HONG KONG / DUBAI Depois do pequeno-almoço buffet no hotel, saída para uma visita panorâmica de meio-dia a Hong Kong, com almoço incluído.

Acompanhados por guia local podemos apreciar a baía, com o constante movimento de barcos, os enormes arranha-céus, que fazem desta região a mais densamente povoada a nível mundial, a zona financeira e comercial que a tornam única em todo o mundo. Subiremos ao monte Victoria (sempre que as condições atmosféricas o permitam) para apreciarmos a vista mais espetacular de toda a Ásia.

Tarde livre para atividades de gosto pessoal. Jantar incluído. Em hora a combinar localmente transporte para o aeroporto. Assistência nas formalidades de embarque e saída em voo regular com destino ao Dubai. Refeições e noite a bordo.

14º DIA – DUBAI / LISBOA Chegada, formalidades de trânsito e continuação da viagem em voo regular para Lisboa.

FIM DA VIAGEM

De forma a evitar atrasos, informamos que os balcões de check-in encerram 1 hora antes da hora de partida do voo. Após o check-in, recomendamos que os passageiros se dirijam de imediato ao controlo de segurança e fronteiras para evitar congestionamentos e atrasos.

A comparência tardia na porta de embarque poderá não permitir o embarque no voo.

China Milenar. Circuito de 12 Dias com Tudo Incluído. ecoTravel

(comparência no aeroporto 03h30 antes da partida para formalidades de embarque). A nossa aventura começa com partida do voo com destino ao Dubai. Refeição e noite a bordo.

Chegamos ao Dubai, para formalidades de trânsito e mudança para avião com destino a Pequim. À chegada, seremos recebidos pelo nosso Guia de língua portuguesa, que nos irá acompanhar durante toda a viagem. Transporte até ao Hotel para jantar e alojamento.

Pequeno-almoço no Hotel.

Saímos para visita ao Templo do Céu, onde faremos um passeio orientado por Guia local. O Templo é considerado Património da Humanidade pela UNESCO e terá sido construído em 1420 e utilizado pelos imperadores das Dinastias Ming e Qing para orarem pelas colheitas.

Encontra-se integrado num magnífico parque, com o dobro da área da Cidade Proibida, onde podemos ver como os chineses ocupam os seus tempos livres – danças, Tai-Chi, jogos de cartas, conversas. Durante o trajeto fazemos uma paragem para conhecermos uma produção de pérolas de cultura de água doce, em que a China é líder mundial, atingindo por ano as 800 toneladas.

Almoço num restaurante local. De tarde, visita do Palácio de Verão, uma das importantes residências e jardins reais da dinastia Qing, cuja construção se iniciou em 1750; hoje mantém-se um extraordinário exemplo dos clássicos jardins chineses. De seguida, assistimos a uma cerimónia do chá.

Ao início da noite assistimos a um musical, com jantar incluído, que combina a arte milenar da luta de Kung-Fu com dança e representação. Alojamento.

Pequeno-almoço no Hotel.

Saímos para visita à Praça de Tian’anmen, destacando-se pelo seu tamanho e sendo considerada a maior Praça do Mundo – onde a 1 de Outubro de 1949, Mao Tse Tung proclamou a fundação da República Popular da China.

Do lado sul da Praça, encontramos o mausoléu de Mao e, a norte, a entrada para a Cidade Proibida.

Continuamos até à Cidade Proibida, ou Palácio Imperial, que foi construída entre 1406 e 1420, tendo servido de palácio às dinastias Ming e Qing; sendo a maior e melhor preservada residência imperial de toda a China, com o comprimento de 960 metros de sul para norte e com uma largura de 760 metros de este para oeste. De seguida, assistimos a uma cerimonia do chá. O almoço será servido em restaurante local. Tarde livre. Ao fim da tarde, assistimos a um espetáculo de acrobatas, uma das vertentes da cultura popular chinesa. Jantar incluído em restaurante local. Alojamento.

Pequeno-almoço no Hotel.

Partimos para visita à Grande Muralha da China, iniciando pelo Caminho Sagrado dos imperadores da Dinastia Ming. Continuação para a Grande Muralha na zona de Badaling ou Juyongguan. A Grande Muralha é Património da Humanidade pela UNESCO.

 O almoço será servido em restaurante local. Regresso a Pequim. Tempo ainda para uma passagem pela zona olímpica, para poder observar o exterior do conhecido estádio “ninho de pássaro”.

 À noite, o jantar será servido em restaurante local, onde iremos apreciar o famoso pato lacado à Pequim. Alojamento.

Pequeno-almoço no Hotel.

De manhã visitamos a Velha Beijing. Neste dia o almoço estará incluído em restaurante local. Em hora a indicar localmente transporte à estação de caminho-de-ferro. Embarque no comboio rápido com destino a Xian.

Chegada, assistência e transporte ao Hotel Grand Noble Xi’an **** ou similar. Xian é a maior cidade no noroeste da China, foi capital de 13 dinastias, incluindo a Qin e Tang, e foi o ponto de partida para a antiga Rota da Seda.

Jantar e alojamento no Hotel.

Pequeno-almoço no Hotel.

O nosso dia será inteiramente ocupado com visita dos pontos de maior interesse de Xian, destacando o Museu dos Guerreiros de Terracota do Imperador Qin. O espólio com que hoje nos podemos maravilhar foi encontrado por acaso, em 1974, quando 3 agricultores construíam um poço. A coleção consiste em mais de 7.

000 figuras entre guerreiros, cavalos, carros e armas que serviriam para guardar o túmulo do imperador, e está classificada Património da Humanidade pela UNESCO. Visita de uma fábrica local, que faz utensílios em terracota. Almoço num restaurante local.

 Continuamos o passeio para visitar o Pequeno Pagode do Ganso Selvagem (sem subida), a Grande Mesquita e o Bairro Muçulmano. Teremos ainda tempo para conhecer o jade, um dos símbolos da cultura chinesa. Vista como a mais valiosa de todas as pedras preciosas na sociedade chinesa, o jade, ainda hoje simboliza nobreza, perfeição, constância e imortalidade.

Esta noite assistimos a um espetáculo, considerado um dos melhores em cena na China, com jantar incluído. Alojamento.

Pequeno-almoço no Hotel.

Em horário a indicar localmente, seremos transportados ao aeroporto para formalidades de embarque e partida do voo com destino a Guilin. À chegada, visitamos a Gruta da Flauta de Cana, cujo nome se deve à tradição de fabricar flautas com as canas de bambu, que crescem nas redondezas.

As inúmeras estalactites e estalagmites, banhadas por um lago interior, resultam num magnífico jogo de luzes e cores. No seu interior está o chamado Palácio de Cristal do Rei Dragão, com capacidade para cerca de 1.000 pessoas. O almoço será servido em restaurante local.

Jantar (menu típico chinês) e alojamento no Hotel.

Pequeno-almoço no Hotel.

Saímos para visita de dia completo, onde se encontra incluído um cruzeiro no famoso Rio Li, com almoço picnic, que nos oferece um espetáculo de paisagens inesquecíveis e únicas no seu género, um dos pontos altos da visita à China. Regressamos a Guilin, para jantar. Depois do jantar, teremos ainda a oportunidade de conhecer esta cidade, num cenário natural, realçado por um jogo de luz ímpar. Alojamento.

Pequeno-almoço no Hotel.

Em horário a indicar localmente, seremos transportados ao aeroporto, para formalidades de embarque e partida do voo com destino a Shangai. À chegada, teremos o almoço servido em restaurante local. De tarde, saímos para visita panorâmica desta magnífica cidade, localizada na costa este, a maior da China e uma das mais importantes em termos históricos, contando com mais de 13 milhões de habitantes, encontrando-se em plena expansão económica e geográfica, com todas as novas construções de arquitetura arrojada. O jantar será servido no Hotel.

Após jantar, teremos um passeio noturno pela cidade mais ocidental da China, admirando os seus arranha-céus, avenidas e bairros iluminados. Alojamento.

Pequeno-almoço no Hotel.

Saímos para visita ao Templo do Buda de Jade, um mosteiro construído em 1882 para albergar 2 magníficas estátuas de Buda, cada uma esculpida a partir de uma peça única de jade branco. Em seguida, visitamos uma fábrica de produção de artigos de seda, onde ficamos a conhecer todo o processo de sericultura. A seda, um dos artigos produzidos na China e que tanto agradou a nossa civilização, deu origem a lendária rota da seda.

Continuamos a nossa visita até ao centro da cidade, com destaque para o Bazar do Jardim Yuyuan, datado do século XVI e localizado na zona velha da cidade, de arquitetura tipicamente chinesa, tornando-se assim num característico jardim chinês, com pequenos lagos, pontes, blocos de rochas e várias salas com diferentes funções. O almoço será servido em restaurante local.

Terminamos a nossa visita com um agradável passeio pela Bund, após almoço, onde deixaremos algum tempo livre para compras ou atividades de gosto pessoal. Em horário a combinar localmente, seremos transportados ao aeroporto para formalidades de embarque e partida do voo com destino ao Dubai. Refeições e noite a bordo.

Chegada, formalidades de trânsito e continuação da viagem em voo regular para Lisboa. Chegada ao aeroporto de destino. Fim dos nossos serviços.

  • Passagem aérea, classe económica em voos regulares da Emirates, via Dubai, para os percursos indicados, com direito ao transporte de 1 peça de bagagem até 30kg;
  • Assistência nas formalidades de embarque;
  • Acompanhamento de experiente guia de língua portuguesa desde o aeroporto de chegada ao aeroporto de partida, no destino;
  • Alojamento nos hotéis indicados ou similares, em base de duplo;
  • Voos domésticos para os percursos Xian/ Guilin e Guilin/Shanghai;
  • Transporte ferroviário no percurso Pequim/Xian;
  • Guias locais durante as visitas panorâmicas de Pequim, Xian, Guilin e Shanghai;
  • Espetáculo de Kung Fu em Pequim;
  • Espetáculo de Acrobatas em Pequim;
  • Jantar com Espetáculo de Dinastia Tang em Xian;
  • Cruzeiro no rio Li com almoço incluído;
  • Visitas e entradas conforme programa: Templo do Céu, Praça de Tian’anmen, Cidade Proibida, Sericultura, Palácio de Verão, Grande Muralha, Caminho Sagrado, produção de pérolas, passeio pela Velha Beijing, Museu dos Guerreiros Terracota, produção em terracota. Pequeno Pagode do Ganso Selvagem (sem subida), Grande Mesquita de Xian, produção de jade, Gruta da Flauta de Cana, passeio noturno em Guilin, passeio noturno em Shanghai, Templo do Buda de Jade, Cerimónia de Chá, Jardim Yuyuan e passeio por Shanghai;
  • Todos os pequenos-almoços buffet;
  • Refeições indicadas no itinerário – 9 almoços e 9 jantares (bebidas não incluídas);
  • Serviço de bagageiros à saída dos hotéis (1 peça de bagagem por pessoa);
  • Acompanhamento 24h/7;
  • Seguro, IVA, taxas hoteleiras de turismo e serviço;
  • Seguro de Viagem;
  • Vistos para entrada na China – valor 150€ (valor sujeito a alteração);
  • Taxas de aviação no valor de 385€.

NOTA: valores das taxas de aviação sujeitos a alteração.

  • Todos os serviços não mencionados no itinerário;
  • Taxas de aviação para partidas do Porto (consulte-nos);
  • Refeições não indicadas no programa;
  • Passaporte obrigatório;
  • Bebidas;
  • Suplementos.

Enviar Pedido de Reserva

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*