Como É Que Os Camaleões Mudam De Cor?

Como É Que Os Camaleões Mudam De Cor?

Pequeno, pitoresco e muito habilidoso, o camaleão é a prova viva de que, no reino animal, não importa o tamanho para ser espetacular. Originário de África, está entre os seres mais fascinantes da Terra, devido aos seus grandes e delirantes olhos, que podem se mover independentemente uns dos outros, além da sua extraordinária habilidade de mudar de cor e se camuflar entre os diferentes ambientes da natureza. Se você quer saber como o camaleão muda de cor, não deixe de ler este artigo do Perito Animal.

Também lhe pode interessar: Animais que mudam de cor

Antes de saber por quê os camaleões mudam a cor do seu corpo, é preciso conhecer um pouco mais sobre eles. O verdadeiro camaleão habita grande parte do continente africano, embora também seja possível encontrá-lo na Europa e em certas regiões da Ásia. Seu nome científico Chamaeleonidae engloba quase duzentas espécies diferentes de répteis.

O camaleão é um animal muito solitário que, geralmente, vive no topo das árvores sem qualquer grupo ou companheiros. Ele desce a solo firme somente quando é hora de encontrar um parceiro e se reproduzir. Em cima das árvores, alimenta-se principalmente de insetos como grilos, baratas e moscas, e também vermes.

Este réptil apanha a sua presa usando um método bastante peculiar, que consiste em lançar a sua língua longa e pegajosa sobre as vítimas onde permanecem presas.

A língua do camaleão pode atingir até três vezes o comprimento do seu corpo e ele realiza esse movimento tão rapidamente, apenas um décimo de segundo, tornando impossível escapar dele.

É fácil adivinhar que essa capacidade surpreendente permite ao camaleão se adaptar a praticamente qualquer meio existente, protegendo-o de predadores enquanto se esconde dos olhos da sua presa.

Como dissemos, os camaleões são nativos da África, embora também sejam encontrados em algumas áreas da Europa e da Ásia. Quando existem muitas espécies, elas são distribuídas por diferentes ecossistemas, sejam savanas, montanhas, selvas, estepes ou desertos, entre outros.

Neste panorama, os camaleões conseguem se adaptar e chegar a qualquer tom encontrado no ambiente, protegendo-se e contribuindo para a sua sobrevivência.

Além disso, dentre as suas habilidades também está uma grande capacidade de saltar de uma árvore a outra, devido à força das suas pernas e cauda. Como se isso não bastasse, eles podem trocar a pele, assim como as cobras.

Sabendo tudo isso, certamente você está se perguntando: “mas, como o camaleãoo mudam de cor?”.

A resposta é simples, eles têm células especiais, chamadas cromatóforos, que contêm certos pigmentos com os quais o camaleão pode alterar a sua cor dependendo da situação em que se encontra. Essas células estão localizadas na parte externa da pele e são distribuídas em três camadas:

  • Camada superior: contém pigmentos vermelhos e amarelos, especialmente visíveis quando o camaleão está em risco.
  • Camada intermediária: abriga principalmente os pigmentos brancos e azuis.
  • Camada inferior: contém pigmentos escuros como preto e marrom, que são normalmente manifestados dependendo das mudanças de temperatura no ambiente.

Como É Que Os Camaleões Mudam De Cor?

Agora que você sabe como o camaleão muda de cor é hora de descobrir por quê ele faz isso. Obviamente, uma das principais razões é que esse artifício serve como um método de escape contra predadores. No entanto, também existem outras razões, tais como:

Mudanças de temperatura

Os camaleões mudam de cor dependendo da temperatura existente no ambiente. Por exemplo, para aproveitar melhor os raios solares, eles utilizam tons escuros, pois, absorvem melhor o calor. Da mesma forma, se o ambiente estiver frio, eles mudam a pele para cores mais claras, para resfriar o corpo e se proteger de climas adversos.

Proteção

A proteção e a camuflagem são as principais causas da sua mudança de cor, conseguindo se esconder de seus predadores, que geralmente são pássaros ou outros répteis.

A capacidade de se camuflar com as cores oferecidas pela natureza parece não ter limites, não importa se são plantas, rochas ou terra, esses animais adaptam o seu corpo a tudo que lhes permita confundir as outras criaturas que representam um risco para a sua vida.

Leia o nosso artigo “Animais que se camuflam na natureza” e descubra outras espécies com essa capacidade.

Estados de ânimo

Esses pequenos répteis também mudam de cor dependendo do humor. Na próxima seção iremos nos aprofundar neste tópico e explicar, também, os diferentes tons que os camaleões podem adotar.

Não só os seres humanos possuem humor como também animais e, esta é outra razão pela qual os camaleões mudam de cor. Algumas pesquisas mostraram que dependendo do humor que eles estão em dado momento, adotam um certo padrão de cores.

Por exemplo, se os camaleões estão cortejando uma fêmea ou em uma situação perigosa, eles mostram um jogo de cores em que predominam as cores vivas, já quando estão relaxados e calmos, eles apresentam cores levemente suaves e mais naturais.

As cores do camaleão segundo o seu humor

O humor é extremamente importante para os camaleões quando mudam de cor, especialmente porque eles se comunicam com os seus pares dessa maneira. Contudo, de acordo com o seu humor, eles alternam as suas cores da seguinte maneira:

  • Estresse: em situações de estresse ou nervosismo, eles se pintam em tons escuros, como o preto e uma variada gama de marrons.
  • Agressividade: durante uma briga ou quando se sentem ameaçados por outros da mesma espécie, os camaleões mostram uma variedade de cores brilhantes, onde o vermelho e o amarelo predominam. Com isso, eles dizem ao adversário que estão dispostos a lutar.
  • Passividade: se um camaleão não está pronto para a luta, as cores mostradas são opacas, indicando ao seu adversário que ele não está procurando por problemas.
  • Acasalamento: quando a fêmea está pronta para o acasalamento, exibe cores brilhantes, usando especialmente o laranja. Os machos, por outro lado, tentam chamar a sua atenção usando um matiz arco-íris, mostrando as suas melhores roupas: vermelho, verde, roxo, amarelo ou azul são apresentados ao mesmo tempo. É, então, o momento em que o camaleão mostra com maior força a sua capacidade de mudar de cor.
  • Gravidez: quando a fêmea é fertilizada, ela altera o seu corpo para cores escuras, como o azul profundo, com poucas manchas de cores vivas. Desta maneira, indica aos outros camaleões que está nesse estado gestacional.
  • Felicidade: seja porque eles saíram vitoriosos de uma briga ou, porque se sentem confortáveis, quando os camaleões estão calmos e felizes, os tons verdes brilhantes são comuns. Este também é o tom dos machos dominantes.
  • Tristeza: um camaleão derrotado em uma briga, doente ou triste será opaco, cinza e castanho-claro.

Como É Que Os Camaleões Mudam De Cor?

Como mencionamos, existem cerca de duzentas espécies de camaleões distribuídas pelo mundo. Agora, eles mudam de cor da mesma maneira? A resposta é negativa.

Nem todos os camaleões são capazes de adotar todas as variedades de cores, isso depende muito das espécies e do ambiente em que elas se desenvolvem.

Como se isso não bastasse, algumas espécies desse gênero nem sequer mudam de cor!

Algumas espécies, como o camaleão de Parson, só podem variar entre diferentes tons de cinza e azul prateado, enquanto outras, como o camaleão-de-jackson ou camaleão-de-três-chifres, ostentam uma gama de cerca de 10 a 15 tonalidades, formado com escalas de amarelo, azul, verde, vermelho, preto e branco.

Um terceiro tipo somente oscila em matizes de ocre, preto e marrom. Como você pode ver, estes são animais muito complexos!

Como É Que Os Camaleões Mudam De Cor?

Se deseja ler mais artigos parecidos a Como o camaleão muda de cor?, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Curiosidades do mundo animal.

Leia também:  Como Se Chama O Homem Que Gere Uma Estalagem?

Cientistas enfim descobrem como camaleões mudam de cor

Como É Que Os Camaleões Mudam De Cor?

A mudança de cor no corpo dos camaleões é impressionante. Como ela acontece? Isso passou muito tempo sem uma resposta convincente dos cientistas. Agora, pesquisadores finalmente identificaram uma fina camada de nanocristais deformáveis ​​na pele do animal, que o permite mudar de cor.

  • Por muito tempo, acreditava-se que os camaleões mudavam de cor porque tinham células especiais, que dispersavam pigmentos abaixo da sua pele externa transparente – algo semelhante aos polvos.
  • No entanto, uma equipe de cientistas na Universidade de Genebra (Suíça) observou que os camaleões possuem uma camada de células epiteliais que contêm nanocristais flutuantes.
  • Esses cristais ficam relativamente bem distribuídos dentro da matriz celular, e à medida que se aproximam ou se afastam, eles refletem a luz em comprimentos de onda diferentes.
  • Os pesquisadores também descobriram que os camaleões podem alterar o espaçamento entre os cristais, e por isso mudam de cor diante de nossos olhos.

Cor e cristais

A equipe liderada pelo professor Michel Milinkovitch analisou o camaleão-pantera e descobriu que há uma camada sob a pele composta por células chamadas iridóforos. Elas contêm os nanocristais, que são feitos de guanina – um dos componentes do DNA.

A pesquisa revela que, quando os cristais repousam em uma forma de malha, eles refletem principalmente a luz azul e verde. Mas quando agitadas, as células permitem que a malha se expanda, aumentando a reflexão da luz amarela e vermelha.

É exatamente isso que acontece quando um camaleão macho encontra uma fêmea para acasalar: sua pele normalmente verde muda para um amarelo mais vívido. Confira no vídeo abaixo:

Os camaleões não mudam de cor apenas para acasalamento ou camuflagem: isso também depende da temperatura, e do que eles querem sinalizar para os outros. Por exemplo, camaleões tendem a apresentar cores mais escuras quando estão irritados, ou quando querem assustar ou intimidar outros animais.

O efeito ainda depende das camadas superiores da pele, que filtram a luz refletida pelas células, mas são os cristais que causam a mudança de cor relativamente rápida. O estudo foi publicado na revista Nature Communications.

Por que a demora?

Por que levou tanto tempo para os cientistas descobrirem tudo isso? É que a mudança de cor acontece com moléculas muito pequenas. Um microscópio comum não consegue visualizá-las, e microscópios eletrônicos funcionam apenas com amostras de tecido morto.

Neste estudo, os cientistas tiveram que combinar o vídeo de um animal vivo a imagens de microscopia eletrônica de uma biópsia recente do animal. Tudo isso só foi possível graças a avanços na tecnologia.

Uma questão se mantém, no entanto: ainda não está claro exatamente como os camaleões causam essa mudança na estrutura de nanocristais dentro da pele. Esse é o próximo passo para a equipe; mas, por enquanto, já sabemos como as cores de um camaleão vão e vêm. [Popular Science]

Foto por Riccardo Cuppini/Flickr

Camaleões. Curiosidades sobre os camaleões

Os camaleões são répteis da família Chamaeleonidae e incluem cerca de 195 espécies. Algumas são tão pequenas que medem apenas um centímetro, enquanto outras podem medir até 60 cm.

Esses animais são encontrados na África, partes da Europa, Arábia, Índia e Sri Lanka.

 De acordo com a IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais), muitas espécies estão criticamente em perigo.

Os camaleões são seres diurnos que vivem em cima de árvores, indo ao solo somente para mudar de árvore, acasalar-se e pôr seus ovos. Alimentam-se principalmente de insetos voadores e, para capturá-los, ficam parados esperando que a presa apareça, o que muitos chamam de técnica sit-and-wait.

Na hora em que o inseto passa próximo a ele, o camaleão lança sua grande língua protrátil que pode atingir uma distância de quase um metro. A ponta desse órgão é recoberta por uma saliva extremamente pegajosa, que ajuda na captura de sua presa.

Além de sua grande língua, esses seres apresentam outra característica notável: seus olhos movem-se de maneira independente. Enquanto um olha para um local, o outro observa outra área. Eles são capazes de girar os olhos até impressionantes 180 graus.

São animais que vivem sozinhos, juntando-se a outro apenas na época de reprodução. Botam ovos, sendo que o período de incubação pode durar até mesmo um ano. Uma espécie de camaleão (Furcifer labordi) apresenta uma característica interessante a respeito da sua permanência no interior do ovo, ele demora nove meses para eclodir e, depois que nasce, só vive mais cinco meses.

Como É Que Os Camaleões Mudam De Cor? O camaleão lança sua língua de forma bastante ágil para capturar seu alimento

São relativamente lentos e, por isso, são facilmente predados. Seus principais predadores são cobras, aves e outras espécies de lagartos. Entretanto, esses animais apresentam uma ótima estratégia para evitar o ataque de outros animais.

Eles dispõem de uma capacidade impressionante de mudar sua coloração de acordo com o ambiente em que se encontram, seu estado emocional, idade, sexo e até época do ano.

Com essa impressionante capacidade, movimentar-se lentamente se torna uma vantagem, pois assim passam despercebidos.

Vale destacar que eles não mudam de cor apenas para se camuflar, essa mudança também representa uma forma de comunicação e até mesmo uma maneira de controlar a temperatura do corpo.

Algumas pesquisas sugerem que os camaleões utilizam a mudança de cor para afastar rivais, bem como atrair parceiros para a reprodução.

Sendo assim, muitas vezes a mudança de cor está mais relacionada com tornar visível o animal, e não apenas o camuflar.

Eles conseguem mudar de cor graças a camadas de células com pigmentos coloridos chamadas de cromatóforos.

Essas células podem ter tons variados que incluem o verde, o vermelho, o rosa, o marrom, o azul, o amarelo e o preto. Os cromatóforos são encontrados logo abaixo à epiderme, que nesses animais é transparente.

A mudança de cor ocorre graças a hormônios que são liberados por uma região do encéfalo desse réptil.

  • Por Vanessa dos Santos
  • Graduada em Biologia

Por que os camaleões mudam de cor?

A mudança de cor nos animais é um processo que nos deixa maravilhados desde sempre.

Na maioria dos seres vivos, a coloração está associada a tecidos mortos, tais como exoesqueletos, escamas, penas e pelos, e é algo relativamente fixo.

 Ainda assim, algumas espécies são capazes de mudar de cor rapidamente. Essa propriedade permite que exibam cores e padrões diferentes em resposta à mudança de contextos ambientais.

Existe uma diferença entre mudança de cor e mudança de padrão?

Conforme mencionado anteriormente, alguns táxons, tais como cefalópodes, peixes e répteis, têm a capacidade de mudar de cor durante interações com outros organismos.

Entre todos eles, os camaleões (família Chamaeleonidae) representam um caso intrigante para os pesquisadores. Ao contrário dos organismos que podem apresentar uma alteração de cor localizada, os camaleões podem alterar as cores e os padrões corporais durante as interações sociais.

O camaleão muda de cor em resposta à temperatura

Primeiramente, é importante destacar que os camaleões são animais ectotérmicos. Ou seja, não são capazes de gerar, por conta própria, o calor interno do seu corpo. Por esse motivo, todos os organismos ectotérmicos dependem de fontes de calor externas para atingir uma determinada temperatura corporal.

É importante ter em mente que muitas das características expressas por um animal ectotérmico mudam substancialmente de acordo com a temperatura corporal do indivíduo. Essas características incluem a velocidade de digestão, a agilidade ao correr ou nadar, e a coloração, entre outras.

Dito isto, devemos considerar que as cores escuras absorvem a luz e, portanto, o calor, enquanto as cores claras a refletem. Portanto, a estratégia de mudança de cor é algo fácil de entender para qualquer pessoa que, em um dia de verão, passou horas dentro de um carro preto sob o sol escaldante.

Os camaleões sabem disso e usam a cor da pele como um termostato para controlar a temperatura que recebem do meio.

Assim, quando um camaleão está frio, sua pele passa para uma tonalidade mais escura, como o verde-pinho. Quando ele quer se refrescar, recorre a tons mais claros, tais como o verde-hortelã.

Leia também:  Paises Que Falam Alemão Como Lingua Oficial?

Vestido para impressionar: a estratégia de mudança de cor

A segunda razão pela qual os camaleões mudam de cor também é um conceito familiar para os seres humanos: a autoexpressão. É o que acontece com os humanos quando trocamos as nossas roupas ou penteados para que se adaptem ao nosso estado de humor. Os camaleões também mudam de cor de acordo com seu estado de humor.

O camaleão geralmente escurece suas cores quando está com medo e as deixa mais claras quando está animado. Além disso, há uma diferença entre machos e fêmeas: os machos mudam de cor com mais frequência do que as fêmeas, que geralmente usam sinais mais sutis para se comunicar.

Nesse sentido, a mudança de cor dos camaleões machos pode ser útil para atrair uma parceira. Ao exibir tons fortes, eles enviam um sinal de um estado saudável para as fêmeas.

Por outro lado, mudar para tons escuros pode mostrar para outro macho que eles estão dispostos a lutar.

 Por esses motivos, um camaleão pode alternar entre várias cores diferentes a cada dia para se adequar à ocasião.

A ciência por trás da magia da mudança de cor

Antigamente, os cientistas acreditavam que os camaleões mudassem de cor de maneira semelhante aos polvos e às lulas. Ou seja, para alterar sua aparência, eles usariam sacos cheios de pigmentos em células chamadas cromóforos . No entanto, foi descoberto que a mudança de cor do camaleão é ainda mais complexa.

A pele do camaleão possui cores produzidas por pigmentos, compostos coloridos que são sintetizados ou acumulados nas células. Assim, há uma variedade de cores que resultam da presença de melaninas, pterinas e outros pigmentos químicos.

A camada superior da pele do camaleão é composta por células que contêm pigmentos: se forem amarelas, serão xantóforos; se forem vermelhas, eritróforos. Essas células pigmentadas estão presentes principalmente em regiões listradas. A camada mais profunda é composta por melanóforos, que possuem extensões que atingem a camada superior da pele.

Por outro lado, a pele do camaleão também possui outro tipo de coloração estrutural que se deve à presença de nanoestruturas reflexivas. Essas nanoestruturas estão presentes em células especializadas chamadas de iridóforos. São produzidas a partir do conteúdo de guanina da célula e produzem cores metálicas iridescentes ao interagir com a luz.

Como os iridóforos funcionam para que as mudanças de cor aconteçam?

É importante destacar que a iridescência é o fenômeno óptico através do qual a cor percebida está associada ao ângulo em que a luz atinge a superfície refletora. Dito isto, podemos entender como os iridóforos do camaleão funcionam.

Um estudo recente determinou que a pele do camaleão-pantera possui dois tipos de células iridóforas: as superficiais, que foram denominadas S-iridóforos, localizadas na camada mais próxima da epiderme, e as D-iridóforos, em uma camada mais profunda.

Além disso, cada espécie de camaleão possui células S-iridóforas com cristais de guanina de diferentes tamanhos, formas e distribuição. Essa camada de S-iridóforos é responsável pelas rápidas mudanças de cor no espectro da luz visível.

Além disso, os cristais nos D-iridóforos refletem principalmente a luz infravermelha próxima (700-1400 nm). Assim, os pesquisadores apontam que a função da camada de D-iridóforos é regular a temperatura quando o animal está sob intensa radiação solar.

Como o camaleão consegue mudar de cor tão rapidamente?

É interessante saber que, na pele de um camaleão em um estado relaxado, os nanocristais nas células S-iridóforas ficam agrupados próximos uns dos outros. Nesse estado, o índice de refração efetivo é ideal para comprimentos de onda da cor azul.

Por outro lado, em um estado de excitação, são gerados sinais mediados por hormônios ou neurotransmissores, induzidos por alterações no humor, temperatura ou estresse.

 Como resposta, as células S-iridóforas alteram a disposição dos nanocristais.

 Dessa maneira, conforme a sua distribuição é espaçada, o índice de refração efetivo fica menor e aumenta a refletividade no espectro visível para as cores vermelho, laranja e amarelo.

Por fim, todos esses mecanismos de produção de cor são orquestrados para dar ao camaleão a sua aparência. Por exemplo, a cor verde da sua pele é o resultado de comprimentos de onda amarelos e azuis. A combinação do amarelo dos xantóforos, juntamente com a luz azul refletida pelos iridóforos, produz a cor verde vibrante que nos causa admiração.

Nota final

É provável que a coloração dinâmica do camaleão tenha impulsionado a evolução desses complexos sinais visuais. O rico repertório de elementos cromáticos das espécies revela a importância desse código de comunicação para as suas interações sociais e para outros contextos comportamentais.

Pode interessar a você…

Como o camaleão consegue mudar de cor?

Esse animal é conhecido por ter a capacidade de mudar de cor para se camuflar em meio ao ambiente. Veja como isso acontece

Silvia Regina Publicado sexta 5 junho, 2020

Todo mundo conhece os camaleões pela habilidade de se camuflarem, mudando de cor. Ele pode, por exemplo, assustar predadores, com cores de alerta, como vermelho e laranja, ou se misturar ao ambiente, com as cores verde e amarelo, para capturar presas e se esconder dos predadores.

A pele do camaleão é cheia de células chamadas cromatóforos, que possuem pigmentos de diferentes cores. Conforme as reações nervosas do animal, essas células podem se contrair ou se dilatar, provocando uma divisão dos pigmentos e causando a alteração de cor.

Dessa forma, se o ambiente é verde e o camaleão entende que precisa se camuflar, as células que contêm o pigmento esverdeado dilatam, enquanto as demais se contraem.

Mais sobre ele!

A pele também é rica em queratina. Essa substância (a mesma encontrada nas nossas unhas) protege o réptil, formando uma espécie de carapaça bem dura. Conforme o camaleão cresce, a pele vai sendo renovada.

A língua do camaleão é bem longa (tem mais ou menos a metade do corpo do bicho!), estica até 1 metro e possui um líquido pegajoso que, em contato com uma presa, faz com que ela grude. Essa é uma das estratégias do camaleão para caçar. Além disso, o bicho move os músculos da língua para agarrar animais grandes, como pássaros.

Ele enxerga tudo! O camaleão olha para direções diferentes de uma vez. Os olhos giram de forma independente, ou seja, enquanto um olha para a direita, o outro pode ir para a esquerda ou para baixo. Assim, quando avista uma presa, um olho fica ligado nela enquanto o outro observa ao redor, para ver se não há perigos.

Camaleões são lentos e não correm atrás de vítimas para caçá-las. Mesmo assim, são ótimos predadores porque rastejam até o alvo e usam a visão aguçada para disparar a língua e atingir, com precisão, a cabeça do bicho.

Consultoria: Maria A. Visconti (bióloga e professora do Instituto de Biociências da USP) e Michelle Granato (bióloga da Fundação Parque Zoológico de São Paulo).

Último acesso: 23 Apr 2021 – 22:13:45 (1094379).

Cientistas descobrem como os camaleões mudam de cor – FTCMAG

Por muito tempo, o ato dos camaleões mudarem de cor parecia mágica e as respostas dos estudiosos eram sempre confusas. Os cientistas pensavam que apenas os machos se transformavam e que o seu pigmento era controlado por células especiais que dispersavam tons abaixo da pele externa transparente – algo semelhante aos polvos.

Finalmente, depois de anos de pesquisa, parecem ter algo concreto sobre o assunto e o mecanismo tem mais em comum com física e com nanomateriais do que com a biologia. O estudo foi publicado na revista Nature Communications.

Ao estudar camaleões-panteras do sexo masculino na Ilha de Madagascar, uma equipe multidisciplinar de biólogos e físicos da Universidade de Genebra descobriu que a mudança de cor é impulsionada por um conjunto de minúsculos cristais embutidos na pele desses répteis. Essa pele é coberta por uma fina camada de nanocristais de guanina (um dos componentes do DNA), que são deformáveis e que refletem a luz, chamados de iridóforos.

Dependendo da proximidade desses cristais agrupados na pele, eles refletem diferentes comprimentos de onda da luz.

O efeito acontece como “um derramamento de óleo na superfície da água”, explica o físico Igor Smolyaninov, da Universidade de Maryland: “Quando se derrama óleo na água, ali parece ter todos os tipos de cores.

A cor é definida pela espessura da camada de óleo na água, e um efeito muito semelhante ocorre com esses cristais” – veja no vídeo abaixo.

As cores das camuflagens vistas pelos olhos humanos são resultados da interação desses cristais com o pigmento natural na pele.

Quando ele está relaxado, os nanocristais se agrupam criando uma interferência óptica e refletindo comprimentos de onda curtas, como a cor azul e verde.

 Como a pele do camaleão possui pigmentos amarelos, o azul e o amarelo se combinam formando o verde, ajudando o réptil a se esconder de seus predadores.

Quando o camaleão está agitado – um macho lutando contra outros por uma fêmea, por exemplo – a distância entre os nanocristais aumenta, refletindo os comprimentos de onda mais longos, como o amarelo, laranja ou vermelho. Assim, eles conseguem criar diferentes combinações de cores como vemos na imagem acima.

Foi descoberto também que realmente existem dois tipos de iridóforos nos camaleões. Os Superficiais S-iridóforos, encontrados apenas em machos adultos, que são os que alteram o espaçamento de nanocristais e causam uma rápida mudança de cor, e os D-iridóforos, que são mais profundos e refletem um amplo espectro de luz mais perto dos comprimentos de onda infravermelhas.

Os camaleões não mudam de cor apenas para acasalamento ou camuflagem: isso também depende da temperatura e do que eles querem sinalizar para os outros. Por exemplo, camaleões tendem a apresentar cores mais escuras quando estão irritados, ou quando querem assustar ou intimidar outros animais.

O geneticista Michel Milinkovitch concluiu que estes D-iridóforos podem desempenhar um papel no controle da temperatura interna dos répteis ao refletirem uma quantidade significativa de radiação infravermelha. Isso pode ajudar a explicar porque estes animais aguentam muito mais calor por períodos mais longos do que os outros lagartos.

  • O efeito depende das camadas superiores da pele, que filtram a luz refletida pelas células, mas são os cristais que causam a mudança de cor relativamente rápida.
  • Milinkovitch acha que essa nova pesquisa pode ajudar a apontar um método natural para o desenvolvimento de novos materiais como tecidos e superfícies que mudam de cor em resposta a estímulos externos.
  • Smolyaninov ainda diz que essa tecnologia poderia ser desenvolvida de outras formas, para que ajude a detectar, por exemplo, o nível de açúcar no sangue em diabéticos ou derrames de petróleo no mar.

Uma questão se mantém sem resposta no entanto: ainda não está claro exatamente como os camaleões causam essa mudança na estrutura de nanocristais dentro da pele. Esse é o próximo passo para a equipe.

Por enquanto, saber como as cores vêm e vão já é muito interessante, não? Assista ao vídeo para entender melhor:

Via/Via.

Camaleões: Sáurios que mudam de cor

Famosos pela capacidade de mudar a cor de sua pele, os camaleões são os lagartos arborícolas mais adaptados, dentre todos os répteis escamados da subordem dos sáurios, que somam 4.000 espécies.

A família dos camaleões, a Chamaeleonide, conta com seis gêneros e 150 espécies conhecidas. Espalhadas pelo mundo, elas são originárias de regiões tão distantes entre si como África continental, ilha de Madagascar, sul da Espanha, Sri Lanka, Índia e península Arábica.

No continente americano, o Chamaeleo chamaeleon é popular como animal de estimação. É uma espécie que se adapta bem ao cativeiro, ao contrário de do camaleão-de-três-chifres, ou Chamaeleo pardalis, que morre em alguns meses se estiver preso. Independentemente da espécie, os camaleões são sáurios magníficos.

Anatomia dos camaleões

Camaleontídeos podem andar de um galho para o outro, sem cair. As quatro patas dos camaleões são zigodáctilas. Cada uma tem quatro dedos: dois são voltados para frente e dois, para trás. Isso permite ao animal agarrar-se com segurança nos galhos das árvores.

Além disso, a natureza o equipou com uma cauda preênsil – capaz de envolver ramos de árvores e arbustos – que ajuda o animal a se equilibrar. Ao caminhar, esses répteis demonstram um comportamento curioso, que a biologia ainda não explica: eles movimentam-se para frente e para trás.

Visão dos camaleões

Sempre que olhamos para algum objeto, os olhos miram na mesma direção, focalizam um mesmo ponto. Mas camaleões podem olhar para cima e para baixo, simultaneamente: seus olhos realizam movimentos independentes de 180 graus.

O cérebro desses sáurios é capaz de interpretar duas visões ao mesmo tempo. Tal capacidade é importante para encontrar comida, como insetos e frutos, e para fugir de serpentes e aves, seus predadores. Assim, os lagartos ficam alerta tanto para o perigo que pode vir de cima, como o que pode estar abaixo.

A língua mais rápida

Entre a base da língua e a laringe, existe um osso em forma de ferradura chamado hióide. Junto com diversos músculos, ele forma o aparelho hióideo. Os seres humanos e outros animais também o possuem.

Esse aparelho serve para sustentar a língua e para auxiliá-la em seus movimentos. Nos Chamaeleonidae, o aparelho hióideo é tão desenvolvido, que esses répteis podem lançar suas línguas – de extremidade pegajosa – em direção a um inseto.

A velocidade de lançamento da língua do camaleão atinge cinco metros por segundo e leva menos de um centésimo de segundo para atingir a sua presa. Mais: sua visão aguçada lhe permite calcular a distância e a direção precisas até um inseto, para capturá-lo com a língua. Esta tem o comprimento de seu corpo – por vezes, é até um pouco maior.

Homocromia

Os camaleões, apesar de serem ágeis ao caminhar sobre os galhos das árvores, não são velozes. Mas a evolução natural equipou-os com células especiais, que possibilitam a mudança de cor em sua pele. Eles usam essa habilidade para se camuflar, caçar, e também para se comunicar.

Ao suspeitar da presença de um predador, os camaleões imitam as cores do ambiente em que se encontram, disfarçando-se. Essa mesma técnica, chamada homocromia, é utilizada por eles para caçar.

Camuflagem e humor do camaleão

Esse “poder colorido” também reflete o estado de humor do camaleão. Se ele está irritado, por exemplo, torna-se preto. As cores desses répteis também mudam conforme a luz e a temperatura do ambiente.

Abaixo do revestimento externo da pele dos camaleões, há três camadas celulares. A primeira, mais profunda, é composta por células pigmentares cheias de melanina, de cor preta, os melanóforos. Acima desses, outra camada de células – as guanóforas – reflete a cor azul. Sobre essas, encontram-se as células cromatóforas, que refletem o amarelo e o vermelho.

Essas cores, nas artes plásticas são conhecidas como cores primárias, porque a partir delas, consegue-se todas as outras cores. Assim, os camaleões conseguem reproduzir diversas colorações em sua pele.

  • Animais diferentes: exotismo natural

Veja Errata

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*