Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

PORTUGAL NA PANDEMIA: eventos podem ser adiados ou cancelados; atrações e estabelecimentos podem funcionar sob horário e regime especiais. Acompanhe aqui as atualizações da Covid-19

Envie este artigo para alguém que você gosta!

Estamos produzindo uma série de vídeos no canal do Cultuga no YouTube sobre personagens portugueses. Queremos te contar, de forma didática, quem foram alguns dos principais nomes de Portugal – seja na cultura, seja na história. Hoje, vamos falar de Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal.

Todos os reis e rainhas da monarquia portuguesa tiveram um codinome. D. Afonso Henriques é chamado de “O Conquistador”.

Porque foi ele que esteve à frente das primeiras batalhas mais importantes para a formação do reino de Portugal.

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

Estátua de D. Afonso Henriques, em Guimarães

Mas você acha que, só por ele ser um rei, a vida era mil maravilhas? Nada disso! rs.

Ele realmente esteve presente nessas batalhas.

Em um combate, inclusive, D. Afonso Henriques se feriu de maneira grave em uma perna, com uma fratura exposta.

Assim, ele teria buscado um tratamento longo para se recuperar nas Caldas de Lafões – hoje as Termas de São Pedro do Sul. Essa é uma história bem conhecida por aqui.

Com certeza não era nada fácil ser rei na Idade Média!

VEJA TAMBÉM: Roteiro completo para conhecer Portugal de trem

Nascimento de D. Afonso Henriques

Não há uma data exata que indique o ano de nascimento dele. De acordo com algumas biografias, possivelmente seria 1109. 

Conta a tradição também que D. Afonso Henriques teria nascido no Castelo de Guimarães. Entretanto, há autores que reforçam que pode ter sido em Viseu ou até em Coimbra. 

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

O Castelo de Guimarães, no norte de Portugal, é o local em que encontramos mais referências sobre o nascimento de Afonso Henriques

Reinado e morte

D. Afonso Henriques teve o reinado mais longo de Portugal. Foram 46 anos!

Ele morreu em 1185 na cidade de Coimbra, provavelmente com 76 anos. Uma idade avançada para alguém daquela época.

Experiências para conhecer mais deste rei de Portugal

Destacamos aqui alguns lugares importantes que têm relação com o primeiro rei de Portugal. Espaços em que você poderá ter experiências também culturais e históricas.

O primeiro lugar, claro, é a cidade de Guimarães, no norte de Portugal. Há muitas referências e homenagens a ele. 

Nos últimos anos, foi aberto um núcleo museológico especialmente dedicado a biografia do D. Afonso Henriques dentro do Castelo de Guimarães, na Torre de Menagem. O núcleo é completo e muito didático.

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

O núcleo tem uma exposição sobre D. Afonso Henriques didática e interativa

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

Algumas das características de D. Afonso Henriques descritas em um documento de 1185

Logo ao lado vemos a capela de São Miguel, que tem em seu interior uma pia de pedra e uma lápide referindo-se ao batizado de Afonso Henriques.

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

A partir do Castelo de Guimarães, vemos do lado direito a Capela de São Miguel e, do lado esquerdo, o Paço dos Duques de Bragança

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

A Capela de São Miguel fica logo ao lado do Castelo de Guimarães

VEJA TAMBÉM: Guimarães e outras cidades para fazer em bate-volta do Porto

Aliás, o time de futebol da cidade, o Vitória Sport Clube, também homenageia o primeiro rei de Portugal. Destaque para o emblema que tem a imagem de Afonso Henriques e o nome do estádio.

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

Um outro local que também vale a pena conhecer é o Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, fundado por D. Afonso Henriques.

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

O Mosteiro de Santa Cruz fica no centro histórico de Coimbra

Esse foi o principal mosteiro de Portugal na época. Sua biblioteca era uma das mais completas da Europa. Por aqui, foram formados muitos de seus aliados. 

Na igreja do Mosteiro podemos ver também o seu túmulo.

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu?

Túmulo de D. Afonso Henriques na igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra

E se você quiser saber mais sobre cultura portuguesa e turismo cultural e criativo em Portugal, inscreva-se no canal do Cultuga no YouTube, acompanhe a gente nas redes sociais (@cultuga) e também os artigos publicados aqui no blog. 🙂

Envie este artigo para alguém que você gosta!

Estamos há 11 anos produzindo conteúdo autêntico sobre a cultura portuguesa e o turismo cultural de Portugal.

Com a pandemia, manter o Cultuga tem sido um desafio. Se você gosta do nosso trabalho, apoie o Cultuga:

♥ Apoie com o valor que puder via PIX. Chave: [email protected]

♥ Inscreva-se em nosso canal no YouTube – é gratuito e há sempre novidades

♥ Participe dos nossos tours virtuais sobre Portugal para viajar sem sair de casa

  • SEGURO SAÚDE E VIAGEM
    Faça o seu seguro para Portugal na Real Seguro Viagem com este link do Cultuga e ganhe 10% de desconto!

ALUGUEL DE CARRO
Viajar de carro é uma ótima opção para se aproximar da natureza e fazer um roteiro ao seu ritmo. Na RentalCars você recebe o orçamento de aluguel de carro das empresas mais conhecidas de Portugal.

HOTÉIS E APARTAMENTOS
Encontre hotéis no Booking focados na higienização de seus espaços e evite surpresas frente a imprevistos com a opção de cancelamento gratuito!

TRANSFERS EM PORTUGAL
Conheça o Vinícius e sua equipe! Eles terão enorme carinho em receber você em segurança e tranquilidade no aeroporto.

D. Pedro I: biografia, trajetória, casamentos, morte

Dom Pedro I é um dos grandes nomes da história do Brasil. Foi um dos condutores do processo de independência, além de ter sido imperador brasileiro de 1822 a 1831. Filho de d. João VI, rei de Portugal, Dom Pedro I ficou conhecido ao longo de sua vida por ser impulsivo e mulherengo.

Leia também:  O Que É Apneia Do Sono E Como Tratar?

Durante seu reinado sobre o Brasil, a sua grande marca foi o autoritarismo e, por esse motivo, sua relação com as elites do Brasil desgastou-se ao ponto de d. Pedro renunciar ao trono, em 1831. Depois disso, retornou a Portugal, onde lutou na Guerra Civil Portuguesa, em defesa do direito de sua filha d. Maria assumir o trono português.

Biografia

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu? Dom Pedro I foi imperador do Brasil de 1822 a 1831.[1]

D. Pedro foi uma das figuras mais importantes da história brasileira e esteve envolvido em acontecimentos marcantes. Herdeiro da dinastia Bragança, abriu mão do seu direito de ocupar o trono português para assumir o trono brasileiro.

Uma das maiores curiosidades que envolvem d. Pedro I é o seu nome completo, que ficou bastante famoso por ser um nome consideravelmente longo: Pedro de Alcântara Francisco Antônio João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon.

Acesse também: Descubra qual é o dia da Constituição e qual a sua relação com d. Pedro I

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

Pedro de Alcântara nasceu em Lisboa, no dia 12 de outubro de 1798. Era filho de d. João VI e d. Carlota Joaquina, príncipe e princesa de Portugal na ocasião do nascimento de Pedro (d.

João VI e Carlota Joaquina só se tornaram rei e rainha em 1816). O menino era o quarto filho do casal (o segundo filho homem), mas acabou tornando-se o herdeiro do trono português quando d.

Antônio de Bragança, seu irmão mais velho, morreu.

Ainda na infância, d. Pedro veio para o Brasil em decorrência da transferência da Corte portuguesa para cá. Isso aconteceu porque Portugal seria invadido por tropas francesas e, para evitar ser prisioneiro de Napoleão, d. João VI decidiu por mudar-se para o Rio de Janeiro. Quando isso aconteceu, d. Pedro tinha nove anos de idade.

No Rio de Janeiro, d. Pedro ficou instalado no Palácio de São Cristóvão, local que abrigava o Museu Nacional – recentemente destruído por um incêndio. Teve uma instrução de qualidade, como era de praxe para membros da realeza, embora os biógrafos afirmem que d. Pedro era pouco dedicado aos estudos. Um de seus mestres, d. Antônio de Arábida, acompanhou-o durante sua vida.

Na passagem da infância para a adolescência, d. Pedro demonstrava uma provável hiperatividade, uma vez que não conseguia ficar sem ter algum tipo de ocupação. Os biógrafos de d.

Pedro também reportam que ele sofria com eventuais ataques de convulsão, causados por epilepsia. A historiadora Isabel Lustosa afirma que existem registros de 1811 que detalham convulsões sofridas por d.

Pedro |1|.

Pedro de Alcântara casou-se com Leopoldina da Áustria em 13 de maio de 1817. Sua esposa era filha do imperador austríaco Francisco I, e o casamento dos dois visava a assegurar um acordo muito importante tanto para Portugal quanto para a Áustria.

Para Portugal, era a oportunidade de assegurar a aliança de uma nação que saía vitoriosa na luta contra Napoleão e que tinha grande influência na Santa Aliança (coligação das monarquias absolutistas europeias que lutaram contra Napoleão).

Para os austríacos, havia a garantia de um acordo com uma nação que possuía vastos territórios na América – principalmente pelo fato de que o Brasil tinha acabado de ser elevado à condição de Reino Unido. Com isso, as duas nações buscavam alinhar seus interesses e criar laços para um desenvolvimento comercial mútuo.

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu? D. Maria Leopoldina, esposa de d. Pedro I, teve grande influência na independência do Brasil.[1]

Apesar de o casamento ter acontecido em maio, Leopoldina só conheceu d. Pedro em novembro de 1817, na ocasião de sua mudança para o Rio de Janeiro. Os relatos dos historiadores contam que a princesa austríaca encantou-se rapidamente pelo seu marido. Desse casamento, nasceram sete filhos: Maria, Miguel, João Carlos, Januária, Paula, Francisca e Pedro.

Apesar do encantamento inicial, o casamento de d. Pedro e d. Maria Leopoldina (como foi nomeada depois da independência) foi extremamente difícil para a austríaca.

Os historiadores contam das traições cometidas por d. Pedro, sendo o caso com a Marquesa de Santos o mais famoso.

Também existem historiadores que apontam evidências de que a imperatriz teria sido agredida por d. Pedro.

Em 1826, d. Maria Leopoldina faleceu, e d. Pedro resolveu casar-se novamente somente em 1829. Depois da morte da imperatriz, d.

Pedro I afastou-se de sua amante, a Marquesa de Santos, e passou a procurar uma nova esposa na realeza europeia. Em 1829, casou-se com d. Amélia de Leuchtenberg, princesa da Baviera.

Desse casamento, nasceu uma filha, chamada Maria Amélia.

Acesse também: Conheça a história dessa importante mulher da história brasileira

Depois de abdicar do trono brasileiro, em 1831, d. Pedro I retornou a Portugal e lá se envolveu na Guerra Civil Portuguesa.

Esse conflito foi resultado da crise de sucessão que estourou no país depois que o pai de d. Pedro I faleceu, em 1826.

Uma disputa foi iniciada entre liberais (defendiam uma monarquia constitucional) e absolutistas (defendiam uma monarquia absolutista).

Leia também:  O Que É Sarna E Como Se Pega?

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu? Nos últimos anos de sua vida, d. Pedro I envolveu-se com a Guerra Civil Portuguesa para garantir que a filha, d. Maria, assumisse o trono de Portugal.

Dom Pedro I liderou tropas liberais na defesa do direito de sua filha, d. Maria II, a governar Portugal. Os liberais acabaram vencendo e, com isso, o adversário e também irmão de d. Pedro, chamado d.

Miguel, foi derrotado e expulso de Portugal. Durante a guerra, d. Pedro I ficou doente e, em 24 de setembro de 1834, acabou falecendo por conta de uma tuberculose.

Acesse também: Veja quantos golpes aconteceram no Brasil desde a independência

Independência do Brasil

A relação de d. João VI e d. Pedro I enfrentava alguns problemas. D. Pedro respeitava seu pai, mas como sabia que d. João VI era advertido por seus conselheiros a manter seu filho afastado do governo, acabava criticando o comentava de seu pai. Essa situação acabou sendo radicalmente modificada por acontecimentos que se iniciaram em Portugal.

Em 1820, eclodiu em Portugal a Revolução Liberal do Porto, uma revolução de caráter liberal, organizada pela burguesia portuguesa, para recolocar Portugal como o centro administrativo do reino. Uma das exigências das Cortes portuguesas (instituição política surgida com essa revolução) foi o retorno imediato do rei para Portugal.

Por causa da pressão dos portugueses sobre d. João VI, o rei jurou lealdade à Constituição portuguesa em 26 de fevereiro de 1821. Nesse dia, o rei também pôs fim ao afastamento de d. Pedro dos assuntos do governo, e isso marcou o envolvimento do príncipe, politicamente falando, com a crise que levou à independência do Brasil.

Em 7 de março, um decreto determinou que d. Pedro seria regente do Brasil. No dia 23 de abril de 1821, outro decreto estipulou quais eram as suas atribuições nessa função. Esse decreto determinou que:

Ficava o príncipe com o direito de conferir cargos, postos e condecorações. Estava autorizado até, em caso urgente, a fazer a guerra ou a admitir tréguas. D. Pedro deliberaria com o auxílio de quatro ministérios, do Reino e Estrangeiros, da Guerra, da Marinha e da Fazenda […]. Em caso de morte do regente, governaria d. Leopoldina, com um Conselho de Regência.|3|

Desse momento em diante, d. Pedro foi uma peça-chave no decorrer dos acontecimentos que levaram à independência do Brasil. Em 1821, a ideia de independência não estava muito consolidada ainda, mas a intransigência das Cortes e as tentativas de recolonizar o Brasil mudaram esse quadro.

O acontecimento decisivo que mobilizou o movimento de independência aconteceu em 29 de setembro de 1821, quando ordens de Portugal exigiam o retorno do regente para Lisboa e revogavam uma série de medidas implementadas por d. João VI. Pedro de Alcântara estava convicto de seu retorno a Portugal, mas sua esposa, d. Leopoldina, atuou consideravelmente para convencê-lo a ficar.

Paralelamente à ação da princesa, um grupo de brasileiros – defensores da independência – começou a se organizar em um movimento que exigia a permanência do regente. Esse grupo, chamado Clube da Resistência, formulou um documento argumentando o porquê de o regente permanecer no Brasil e entregou a d. Pedro em 1º de janeiro de 1822.

Entre os dias 8 e 9 de janeiro, d. Pedro recebeu um abaixo-assinado com 8 mil assinaturas de pessoas que defendiam sua permanência no Brasil. Motivado por isso, d. Pedro supostamente anunciou a frase que marcou o Dia do Fico:

“Como é para bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto; diga ao povo que fico.”|4|

A relação com Portugal foi desgastando-se com o passar dos meses. Entre agosto e setembro de 1822, existiam três grupos com propostas diferentes para os rumos do Brasil.

Os portugueses instalados aqui eram o primeiro grupo e queriam que d. Pedro retornasse a Portugal e que as decisões tomadas pelas Cortes fossem implantadas aqui.

O segundo grupo era liderado por Joaquim Gonçalves Ledo e defendia a independência e a implantação de um modelo republicano no país.

O terceiro grupo era apoiado por José Bonifácio de Andrada e Silva, pessoa de grande influência sobre d. Pedro, e defendia a instalação de um regime monárquico constitucional.

Como É Que O Primeiro Rei De Portugal Morreu? Em 7 de setembro, às margens do rio Ipiranga, foi declarada a independência do Brasil.[1]

Dom Pedro acabou declarando a independência do Brasil em 7 de setembro de 1822, às margens do Rio Ipiranga, em São Paulo. Nessa ocasião, d. Pedro estava em uma viagem para negociar com lideranças políticas de São Paulo o apoio ao movimento de independência. Durante a viagem, uma carta com novas ordens de Portugal chegou.

A regência do Brasil, na ausência de d. Pedro, era transmitida para d. Leopoldina. Ela, após atualizar-se, convocou um conselho em caráter de emergência e, nesse conselho, decidiu-se pela independência. Na sequência, cartas foram enviadas para d. Pedro, e o mensageiro, chamado Paulo Bregaro, encontrou-o na altura do Rio Ipiranga.

A ocasião da declaração de independência do Brasil, no entanto, não foi nada pomposa. Os relatos contam que d. Pedro estava sofrendo severamente de disenteria na viagem a São Paulo.

Acesse também: Veja cinco curiosidades sobre a independência do Brasil

Primeiro Reinado

Após a independência, seguiu-se uma guerra interna contra aqueles que ainda eram leais a Portugal. Dom Pedro foi aclamado como imperador do Brasil, e sua coroação aconteceu em 1º de dezembro de 1822. Era necessário organizar o novo país, assegurar o reconhecimento internacional e derrotar os que ainda se recusavam a aceitar a independência.

Leia também:  Como Saber Qual A Nossa Missao Na Terra?

O Primeiro Reinado ficou marcado pela vontade excessiva do imperador de centralizar o poder. O autoritarismo de d. Pedro I foi um problema que desgastou sua relação com as elites do país, criou conflitos internos e levou-o a renunciar ao trono em favor de seu filho em 7 de abril de 1831.

Os grandes acontecimentos que marcaram o Primeiro Reinado foram:

  • Outorga da Constituição de 1824: d. Pedro não aceitou o texto original da Constituição, que tinha ficado pronto em 1823. Ele queria ter poderes amplos e, por isso, ordenou o cercamento e dissolução da Constituinte.
  • Confederação do Equador: revolta separatista e republicana que eclodiu no Nordeste e foi duramente reprimida a mando do imperador.
  • Guerra da Cisplatina: declarou guerra às Províncias Unidas (atual Argentina) por conta da Revolta da Cisplatina, que se iniciou em 1825. O envolvimento do Brasil nessa guerra foi um erro, pois prejudicou a economia, já bastante fraca do país, e aumentou o número de insatisfeitos com o reinado de d. Pedro I.

O envolvimento de d. Pedro I com os assuntos a respeito da sucessão do trono português e a sua vida privada agitada reforçavam a insatisfação de muitos com seu reinado. A situação ficou insustentável em 1831, quando, durante uma viagem a Minas Gerais, espalhou-se um boato de que o imperador planejava dissolver novamente o Congresso.

Quando o imperador retornou ao Rio de Janeiro, os ânimos estavam tão acirrados que uma briga generalizada entre os defensores do imperador e seus opositores iniciou-se e estendeu-se por dias, em março de 1831. O imperador, pressionado, acabou renunciado ao trono no dia 7 de abril de 1831 em favor de seu filho, Pedro de Alcântara, futuro d. Pedro II.

Notas

|1| LUSTOSA, Isabel. D. Pedro I: um herói sem nenhum caráter. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

|2| Idem, nota 1.

|3| Idem, nota 1.

|4| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: Uma Biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 212.

  • Créditos das imagens:
  • [1] Commons
  • Por Daniel Neves Graduado em História

Quando o rei de Portugal morreu

Gente me ajudem nessa tarefa pvr! ​

5- O Brasil, os Estados Unidos e a China são países de extensão territorial semelhantes. Observe a tabela a seguir e responda às questão. Pelos dados

da tabela, podemos dizer que a grande participação (em percentual) do transporte descargas por rodovias, no Brasil não influem ou não pesam no nosso desenvolvimento econômico? Explique. *

2- Leia o fragmento abaixo e responda o que se pede.”É preciso ter em mente que transformar os espaços naturais e consumir os recursos do meioambiente

não são necessariamente os problemas, mas a forma como isso é feito, sim.

Épossivel explorar os recursos e habitar os mais diversos espaços em perfeita harmonia com anatureza”Todos nós podemos fazer algo pelo meio ambiente, sozinhos não mudamos o mundo, mas podemosfazer a nossa parte.

Converse com a sua família, tente identificar se todos se preocupam em economizarágua e energia, produzir menos lixo reutilizando objetos ou preferindo produtos de embalagensreutilizáveis, por exemplo.

Debata com eles de que forma a família poderia contribuir para o meioambiente, por meio de mudanças de hábitos, depois descreva abaixo como foi essa experiência, o quevocês identificaram na rotina da casa que pode ser mudado.​

qual foi o meio de transporte escolhido para integrar as diversas regiões brasileiras?​

6. De que é constituído o planeta Terra?​

Sobre os conceitos de LIMITE e de FRONTEIRA, assinale a alternativaINCORRETA:A diferença entre limite e fronteira está no grau de abrangência de cada

um dessestermos, além do grau de dinamismo que um apresenta em relação ao outro.

O conceito de fronteira é dinâmico e designa uma frente de expansão ou uma zona deinter-relações entre os diferentes meios, que podem ou não ser territórios diferentes. Os limites referem-se a uma determinação legalmente fomentada, que foi estabelecidapor um acordo formal ou uma convenção.

Os limites naturais são normalmente muito pouco utilizados para delimitar o territóriodos países.Ao contrário de limite, que é uma noção mais exata e fixada juridicamente, asfronteiras são mais fluidas e há mais comunicacão e interacão​

Atividade 3 – Leia o texto com atenção e responda às questões: Estudiosos preveem que em breve a água será causa principal de conflitos entre nações.

Há sinais dessa tensão em áreas do planeta como Oriente Médio e África.

Mas também os brasileiros, que sempre se consideraram dotados de fontes inesgotáveis, veem algumas de suas cidades sofrerem falta de água. A distribuição desigual é causa maior de problemas. Entre os países, o Brasil é privilegiado com 12% da água doce superficial do mundo. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2012.

a) É possível afirmar que a água é mal distribuída pela superfície terrestre? Retire do texto uma justificativa para sua resposta.

Cite alguns setores da economia que se utilizam do plástico​

Explique como o crescimento populacional nos países subdesenvolvidos colabora para o aumento das desigualdades econômicas entre os países do Norte e d

o Sul.
Rápido

A (OMS – Organização Mundial da Saúde), definiu o isolamento domiciliar, como a forma mais eficaz para combater a pandemia causada pelo CORONAVÍRUS (c

ovid-19), evitando assim a proliferação desta doença. verdadeiro ou falso?​

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*