Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Galinheiro… até seu nome diz muito sobre sua função, a de abrigar galinhas. Isso não exclui, no entanto, que o macho possa se integrar a essa sociedade tipicamente feminina. Além disso, um galinheiro de família é geralmente composto de algumas galinhas e um galo.

Este último pode desempenhar um papel importante como o chefe do celeiro. Como fertilizante, é essencial obter pintinhos. Por outro lado, a criação maciça como o galinheiro industrial faz sem o galo. Neste tipo de agricultura, a desova diária continua mesmo sem galo.

O Galo No Galinheiro

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Ao contrário do frango, o galo é um animal barulhento que canta todas as manhãs ao romper do dia. Ele é atribuído diferentes nomes de acordo com sua idade. Sendo pequeno, temos que fazer um frango enquanto os mais novos são chamados de galo. Menos de um ano, é um galo jovem e mais de um ano, é um galo. Caso contrário, um galo castrado com pelo menos 5 meses é um capão.

A introdução de um galo em um galinheiro é destinada a galinhas para produzir ovos. Para seis fêmeas, um galo é suficiente, abaixo, ele irá esgotá-los perseguindo-os por suas assiduidades e ardor. Mais é necessário para raças anãs , isto é, um galo para cada 10 galinhas. O galo também serve para enfeitar seu galinheiro. De fato, é um belo efeito entre as galinhas com sua bela plumagem.

A presença de um galo não é necessária para uma galinha chocar ovos. Na ausência de um galo, os ovos são completamente consumíveis, mas estéreis. Para ter filhotes , a presença do macho é essencial para a fertilização das galinhas. Como existem todos os tamanhos, a escolha pode desorientar alguns criadores.

Em qualquer caso, é aconselhável comprar um galo da mesma raça que os seus frangos, embora isso não seja uma obrigação. Dependendo da variedade, geralmente é maior e mais bonita que a fêmea. Muitas vezes é o galo doméstico.

Como um galo pode causar um ruído quando zumbe, prefira raças menos barulhentas. Acontece que a canção dos anões é aguda, enquanto a das raças mais pesadas é mais maçante. Um critério a considerar na escolha do seu futuro galo.

O Papel Do Galo No Galinheiro

Além de cortejar todas as galinhas, o galo é a cabeça do galinheiro. Em caso de perigo, ele os adverte e os defende contra intrusos. Para fazer isso, ele os reúne ao redor dele.

Um ato de bravura muito apreciado pelos criadores. No entanto, o galo pode, por vezes, ser agressivo em relação a outros animais no quintal. Isso resulta em gestos como atirar as galinhas violentamente.

Nestes casos, é necessário separá-los imediatamente.

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?Galo Cortejando a Galinha

O galo pode ser facilmente integrado em um galinheiro, desde que o número de galinhas para coabitar com ele. No entanto, não é aconselhável reunir vários galos porque eles são propensos a lutar.

Em um espaço grande o suficiente para reunir várias galinhas, dois galos podem coabitar, mas a fazenda pode ficar barulhenta. Para um galinheiro é isolado, não é susceptível de perturbar a vizinhança. Por outro lado, se é um galinheiro urbano, a comitiva poderia reclamar.

Por isso, é aconselhável avisar seus vizinhos sobre seu projeto para acomodar um galo.

Como Fazer O Galo Cruzar Com a Galinha?

Para realizar a criação de pintinhos, é importante levar em conta o funcionamento muito particular da reprodução da galinha. Reprodução de galinhas para obter pintinhos não pode ser improvisada. Aqui estão algumas informações relacionadas ao funcionamento da reprodução na galinha que irá guiá-lo:

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?Galo Cruzando Com Galinha

  • Saiba que a luz influencia e estimula enormemente o acoplamento entre o macho e a fêmea. Descubra a melhor época pra efeito de reprodução da sua raça de galinhas, o período que elas estão mais favoráveis ao acasalamento. Em geral é na primavera.
  • Nunca exagere na quantidade de galos por galinheiro. Para raças leves, há 1 galo para fertilizar 10 galinhas. Para raças pesadas, 1 galo é necessário para fertilizar 6 galinhas.
  • Em um acasalamento, todos os ovos são fertilizados ao mesmo tempo. Por conseguinte, considera-se que todos os ovos postos 10 dias após o acasalamento são capazes de dar pintos e, por conseguinte, podem ser incubados. No entanto, existe uma boa taxa de fertilidade que pode ser atingida 4 dias após a introdução do galo nas galinhas.
  • A galinha tem uma capacidade de armazenamento de espermatozoides de tal forma que ela é capaz de colocar ovos fertilizados até 3 semanas após a remoção do grupo de galinhas.

Antes do acasalamento, o galo realiza um grande namoro. Então a galinha agacha e aceita o macho que sobe nela. É bom saber: um único galo no curral não só permite a fertilização de vários ovos de uma vez na mesma galinha, mas também a fertilização de várias galinhas.

Não há penetração entre os dois protagonistas. O acasalamento consiste em unir as duas fossas do galo e da galinha. O galo então deposita seu esperma na entrada da fossa da galinha. Os espermatozoides então navegam por 24 horas no duto de reprodução da galinha e terminam sua corrida na célula reprodutiva chamada óvulo.

Uma vez que a cópula esteja completa, seguem-se os estágios da fertilização interna: fecundação entre uma célula reprodutora masculina e a célula reprodutora feminina que dá o óvulo; o embrião será então protegido por uma concha; o ovo é formado, desce no oviduto a ser colocado; a galinha ou incubadora choca o ovo pelo tempo necessário (21 dias), então o filhote nasce perfurando a casca.

Seleção, Maturidade Sexual E Consanguinidade

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Para obter descendentes saudáveis, é aconselhável fazer uma seleção mínima das galinhas que você deseja criar. Por exemplo, remova galinhas que não desovam e favorece frangos vigorosos, geralmente muito saudáveis e normalmente em desenvolvimento.

Em um galinheiro com uma alta densidade de galinhas, considere juntá-las para estabelecer uma rastreabilidade e genealogia de todos os seus animais. Isto tornará mais fácil para você encontrar galinhas que são particularmente adequadas para a reprodução.

Geralmente, a galinha não pode colocar antes dos 6 meses de idade. A partir dos 2 anos, a postura dos ovos diminui significativamente. Enquanto o galo permanece fértil até a idade de 4 anos em média. Finalmente, o inverno retardando a postura, ou mesmo parando, você pode ter que esperar até o verão para planejar a criação de suas galinhas.

Todos estes elementos são naturalmente variáveis de uma raça de galinha a outra e são apenas médias. Se você planeja reproduzir em quantidade suas galinhas e ao longo do tempo, é essencial evitar qualquer consangüinidade que alteraria a longo prazo a qualidade de suas aves.

Uma solução simples é separar sistematicamente os jovens de seus pais, vendendo-os ou negociando ao seu redor. Você também pode mudar o galo de reprodução e manter as galinhas. Em tempo: é o frango que determina o sexo do filhote porque ele produz diferentes gametas (cromossomos x ou y) ao contrário dos humanos.

Reprodu��o

O sucesso reprodutivo de galinhas caipiras est� diretamente relacionado com o estado nutricional e sanit�rio do plantel. Outros fatores como idade, porte, adapta��o ao ambiente e rela��o macho:f�mea tamb�m influenciam bastante nos resultados.

As aves reprodutoras devem ser capazes de realizar bem as fun��es produ��o de ovos, cobertura e fertiliza��o. Para isto, necessitam ser saud�veis e receberem uma boa alimenta��o.

O reprodutor bem alimentado ser� capaz de cobrir com naturalidade um grupo de doze matrizes sem que isso venha causar qualquer desgaste f�sico.

Para que consiga realizar tal miss�o, ter� que receber dieta balanceada e em quantidade suficiente, por�m n�o excessiva, para que n�o se torne obeso e mantenha sua disposi��o f�sica para realizar os saltos di�rios.

Para a matriz, al�m do desgaste f�sico com a postura, tem-se o gasto de energia com a incuba��o por meio de transfer�ncia de calor para os ovos.

Com isso, torna-se imprescind�vel o aumento da densidade cal�rica da ra��o logo que se encerre o per�odo de incuba��o.

Tem tamb�m elevada import�ncia a reposi��o prot�ica e a mineral, principalmente de c�lcio e f�sforo, que s�o usados na forma��o de casca do ovo.

Ressalte-se que mesmo com a rela��o macho:f�mea de 1:12, a fertilidade dos ovos pode ser comprometida se houver mais de um reprodutor num �nico ambiente e eles passem a disputar as f�meas. Pode ocorrer o dom�nio de um reprodutor sobre outros ou que algumas f�meas n�o aceitem determinados machos devido �s circunst�ncias de porte e/ou comportamento.

Se o criador optar por mais de um reprodutor por lote, recomenda-se que esses devem ser da mesma idade e porte, e que, preferencialmente, tenham a mesma proced�ncia ou passado algum tempo juntos antes de ser iniciada a vida reprodutiva.

Caso em que os machos apresentam pesos exagerados com rela��o �s f�meas resultam em traumas f�sicos, da mesma forma que machos bem inferiores em termos de tamanho n�o conseguem uma c�pula perfeita.

Aves que apresentem obesidade n�o s�o recomendadas para a reprodu��o.

Machos diminuem a libido e sentem dificuldade de copular, enquanto as f�meas perdem exageradamente as reservas corporais no momento de postura e principalmente quando est�o submetidas � incuba��o.

Com a obesidade, diminuem o tamanho e o n�mero de ovos. A obesidade das f�meas � percebida pela apalpa��o da regi�o abdominal da ave, principalmente pr�ximo � cloaca.

  • Dever�o ser imediatamente descartadas as aves que apresentarem defeitos f�sicos, sinais de v�cios ou taras e problemas sanit�rios, principalmente se esses forem capazes de infestar o plantel.
  • As aves ativas, com bom escore corporal e idade entre 6 e 24 meses e que n�o estejam comprometendo o plantel em termos de consang�inidade ou em processo de sele��o indesej�vel e improdutivo, devem ser mantidas.
  • O ciclo reprodutivo � continuo nos machos, enquanto que nas f�meas apresenta quatro etapas bem distintas:

.Pr�-postura: a primeira pr�-postura ocorre em aves com cerca de 22 semanas de vida. Em f�meas reprodutivas, � a fase posterior ao choco e tem dura��o aproximada de 8 dias.

.Postura: essa etapa tem um per�odo m�dio de 15 dias. Uma f�mea com boas condi��es nutricionais, sanit�rias e de conforto apresenta postura de 10 a 15 ovos.

.Choco: nessa etapa ocorre a suspens�o da postura e dura em torno de 21 dias. A ave apresenta comportamento mais agressivo, penas eri�adas, canto diferente e permanece mais tempo deitada no ninho ou em algum canto da instala��o.

.P�s-choco: ocorre geralmente ap�s o processo de eclos�o e nascimento dos pintos ou quando o choco � interrompido. Na cria��o extensiva, � a �poca em que a f�mea passa conduzindo o grupo de pintos rec�m-nascidos, ou pode ser interrompida e durar apenas 3 dias.

Leia também:  Como Sei Que Tive Um Orgasmo?

Dependendo da forma de incuba��o, a etapa de choco pode ser evitada, o que resulta em maior n�mero de ciclos reprodutivos anuais (Tabela 1).

Tabela 1. Ciclo reprodutivo da galinha caipira de acordo com as fases reprodutivas.
Fase Forma de incuba��o
Natural Artificial
Pr�-postura (dias) 8 8
Postura(dias) 15 15
Choco (dias) 21 0
P�s-choco(dias) 3 3
Total (dias) 47 26
N� de ciclos anuais 7 13
Fonte: Embrapa Meio-Norte

Aumentando o n�mero de ciclos, o volume de postura e o n�mero de crias nascidas ser�o tamb�m aumentados. O criador que optar pelo SACAC Familiar poder� utilizar as duas formas de incuba��o, natural e artificial, dependendo da finalidade e planejamento da sua cria��o.

O processo de incuba��o � iniciado no momento da coleta dos ovos.

Ao serem coletados diariamente, os ovos devem passar por uma limpeza r�pida, de prefer�ncia usando-se um pano �mido, para remover toda mat�ria org�nica incrustada na casca (BARBOSA et al., 2004).

Em seguida se marca com l�pis grafite na casca a data de postura (dia/m�s). Esse procedimento servir� para que o criador decida pela venda, consumo ou incuba��o do ovo no momento adequado (Fig. 1).

Foto: F.J.V. Barbosa

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.1. Identifica��o do ovo por meio de grafite.

A coleta di�ria ou por mais de uma vez ao dia evita que se inicie o processo indesej�vel e precipitado de incuba��o, tendo em vista que o aquecimento do ovo ocorre quando outras matrizes est�o sobre os mesmos em momento de postura. O desenvolvimento embrion�rio, uma vez iniciado, n�o poder� ser mais interrompido sob pena da perda do ovo.

O tamanho, o formato e as condi��es externas da casca servem de base para a decis�o do criador sobre o destino do ovo.

Tamanho exageradamente grande ou muito reduzido, formatos estranhos e rasuras na casca indicam que o ovo deve ser consumido ou vendido imediatamente.

Um procedimento usual � a ovoscopia, que permite a observa��o mais detalhado da casca do ovo, presen�a de c�mara de ar e de algum processo de desenvolvimento embrion�rio antecipado (Fig. 2 e 3).

O lote de ovos destinado � incuba��o dever� ser acondicionado em local arejado por no m�ximo 7 dias ou em ambiente refrigerado em temperatura em torno de 10 �C por um per�odo n�o superior a 30 dias, desde que sejam virados pelo menos uma vez por dia (Fig. 4).

Foto: F.J.V. Barbosa

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.2. Diversidade dos ovos em tamanho e formato.

Foto: F.J.V. Barbosa

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.3. Pr�-sele��o do ovo no momento da coleta.

Foto: F.J.V. Barbosa

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.4. Ovos acondicionados na geladeira.

A viragem dos ovos deve ser lenta, bastando apenas que a marca��o com grafite (aquela que identifica a data da postura ou o lote) seja alternada com rela��o � parte superior da bandeja, para evitar que a gema cole na casca do ovo, pois, se isso acontecer, o ovo n�o se prestar� para a incuba��o.

Na incuba��o natural, o cuidado mais importante � com a escolha da matriz, que deve apresentar habilidade materna e aus�ncia de v�cios ou taras.

Al�m dessas qualidades, o tamanho da matriz, por sua rela��o com a capacidade de abrigar um maior n�mero de ovos, o conforto, seguran�a, arejamento e condi��es higi�nicas do ninho s�o tamb�m respons�veis pela alta taxa de eclosibilidade (Fig. 5 e 6).

Foto: F.J.V. Barbosa

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.5. Matrizes bem adaptadas ao processo de incuba��o natural.

Foto: F.J.V. Barbosa

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.6. Pintos nascendo no ninho ap�s o processo de incuba��o natural.

A quantidade de 12 a 15 ovos por matriz � a mais utilizada, para isso tem-se que levar em considera��o tanto o tamanho das matrizes como o dos ovos. � importante observar que no modelo do SACAC Familiar existe, na �rea de reprodu��o, a zona de incuba��o.

Tal separa��o tem o objetivo de evitar que outras matrizes em situa��o de postura misturem seus ovos com os que j� se encontram em est�gio de incuba��o.

Esse fato provocar� perdas indesej�veis, j� que haver� eclos�o dos ovos em est�gio mais avan�ado de incuba��o e o conseq�ente abandono do ninho pela matriz, interrompendo o processo nos ovos que continuarem no ninho.

Ocorr�ncias como a rejei��o e trocas de ninhos s�o comuns. Alguns artif�cios facilitam o manejo e a manuten��o da ave no ninho, como o uso de tampas nos ninhos.

O acompanhamento di�rio detecta problemas que ocorram durante a incuba��o natural e que necessitem da interven��o do criador, tais como a rejei��o e a troca de ninhos, que, se n�o detectados diariamente, podem resultar em perdas.

A ovoscopia � recomendada tamb�m durante o processo de incuba��o, principalmente ap�s os primeiros 10 dias, quando j� se pode observar o desenvolvimento ou n�o do pinto. Nos casos negativos, os ovos ser�o descartados (Fig. 7).

Foto: F.J.V. Barbosa

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.7. Processo de ovoscopia durante a fase de incuba��o.

Bons resultados de incuba��o s�o alcan�ados quando as matrizes s�o devidamente alimentadas, por isso � recomend�vel o fornecimento di�rio em quantidade e qualidade de uma mistura diet�tica que supra principalmente o desgaste energ�tico. H� casos de defici�ncia alimentar nos quais as matrizes, por quest�o de sobreviv�ncia, consomem os pr�prios ovos.

Perdas tamb�m ocorrem no momento da eclos�o, tanto por dificuldades do pinto em romper a casca, como encaixe de cascas secas. Sempre se recomenda a retirada dessas cascas, elas podem servir de isca para formigas.

Dentre as vantagens de se utilizar a incuba��o artificial, a que mais se destaca � a n�o-ocupa��o da matriz com o choco, o que resulta em maior n�mero de ciclos reprodutivos anuais. Outra grande vantagem � poder programar o nascimento dos pintos para uma determinada �poca, podendo-se economizar em manejo e atender de forma mais criteriosa �s demandas do mercado consumidor.

Existem v�rios modelos de chocadeiras no mercado, desde as manuais �s totalmente automatizadas, capazes de programar viragens e controlar temperatura e umidade por meio de termostatos e higrosc�pios.

As chocadeiras podem ainda ser dotadas de term�metros e reservat�rios de �gua e confeccionadas por material sint�tico, como fibra de vidro, pl�stico e acr�lico, o que possibilita maior higieniza��o.

As tampas transparentes permitem uma melhor vis�o do processo de incuba��o, principalmente no momento de eclos�o (Fig. 8).

Foto: M.E.Ribeiro

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.8. Modelo comercial de chocadeira autom�tica.

Os mesmos procedimentos empregados para submeter ovos � incuba��o natural s�o tamb�m utilizados na incuba��o artificial, da mesma forma com o acompanhamento � bastante criterioso, inclusive no momento de eclos�o (Fig. 9).

Foto: M.E.Ribeiro

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.9. Eclos�o ap�s o processo de incuba��o artificial.

Para se alcan�ar o sucesso desejado, o criador deve ter o controle exato da postura, fertilidade e eclos�o (Fig. 10). Essas vari�veis v�o definir as necessidades de ajustes de manejo e de substitui��o de aves, equipamentos e m�quinas.

Foto: F.J.V. Barbosa

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Fig.10. Pintos bem-nascidos, manejo adequado.

Frango, galo ou galinha?

Jun 15, 2018·2 min read

A galinha veio antes do ovo, ou o ovo veio antes da galinha? Isso não importa tanto porque nem o Google sabe responder. O que importa é que sabemos que a galinha põe ovos, e que esses ovos podem ser galados ou não.

Ovo galado é quando o galo cruza com a galinha gerando futuros pintinhos, enquanto os outros ovos é a galinha que produz — sozinha — t o d os os dias.

Convenhamos, a galinha é foda, aqui vai uma foto dela para contemplarmos:

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Mas e o galo? Já vimos que a função dele é cruzar com a galinha e fazer pintinhos que um dia se tornarão galos ou galinhas.

Além de possivelmente, o galo e a galinha, virarem aquele “peito de frango”, que na verdade deveria ser “peito de galo ou galinha”, mas ninguém (nem o próprio restaurante que te serve, nem a industria que embala as carnes) deve saber de qual animal de fato é aquela carne.

Aposto que você que lê esse texto nunca nem viu um frango, e agora deve estar se perguntando: aquele PF que eu pedi era peito de frango, galo ou galinha? Ou até: o que é um frango?

Confesso que jogando no google: frango. Apareceu imagens do bichinho já morto com um S vermelho do lado, no forno, no prato com arroz, e nenhuma imagem do animal em si.

Esse é o frango (ou muitos dele):

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

O frango nada mais é do que um galo jovem. Então quando o frango fica adulto ele vira um:

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Então os pintinhos nascem, quando crescem viram frangos e frangas, e depois galos e galinhas. Mas e o chester? Aquele “frangão” do Natal? Posso te dizer que o tal do chester se quer é um animal, e o resto é só jogar no google.

Dentro do ovo da galinha, sempre tem pintinho?

Inverno Studionov 28 2014Comentários desativados em Dentro do ovo da galinha, sempre tem pintinho? Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

Não, nem sempre. A galinha bota ovos com e sem pintinhos. Para crescer um pintinho dentro do ovo é preciso que ele tenha sido fecundado pelo galo e que tenha sido chocado pela galinha. Entendeu? Vamos explicar melhor:

Fecundação é quando o espermatozoide encontra o óvulo, lá ele se desenvolve e o filhotinho é gerado. Nesse caso, o espermatozoide do galo encontra o óvulo da galinha que, depois, será o ovo como conhecemos. Quando a fecundação acontece, dizemos que o ovo foi galado.

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

De maneira geral, o ovo é formado pela clara e pela gema, envoltas em uma membrana, e pela casca. A gema é cheinha de minerais e de gorduras para alimentar o pintinho. A clara fornece a energia que ele precisa para crescer. A casca e a membrana, que é como uma pele bem fininha, têm furinhos muito pequenos por onde entra o oxigênio e sai o vapor de água liberado durante o desenvolvimento.

Para nascer, o pintinho empurra a cabeça rompendo a membrana. Lá ele encontra um espaço com ar ainda dentro do ovo. Esse ar é muito importante para o filhotinho respirar enquanto procura a saída. Para ajudá-lo a quebrar a casca, existe uma estrutura na ponta do bico, como um dentinho. Com algumas batidas ele consegue quebrar o ovo e nascer.

Se o ovo não for galado, não terá um pintinho dentro, mas os nutrientes ainda estarão lá. Normalmente, os ovos comprados em supermercado não têm pintinhos, pois as galinhas são criadas sem os galos. Já aqui no Sítio, vivem galos e galinhas, então alguns ovos são galados e outros não. Os primeiros, quando chocados, dão origem aos pintinhos.

Leia também:  Quando O Telemóvel Derrete Com O Calor Como Recuperar?

O que você quer saber sobre o Sítio do Mato? Deixe um comentário com a sua sugestão!

por Inverno Studio

Informações sobre o acasalamento entre galos e galinhas

Escrito por: Graham Beckett

Escrito em: November 21, 2017

Como É Que O Galo Fecunda A Galinha?

O galo é o frango macho e tem vários rituais de acasalamento para fecundar uma fêmea, ou galinha. Curiosamente, esse processo é bastante complexo e a reprodução é bastante diferente do que se observa em mamíferos. A diferença mais notável é que as galinhas produzem ovos.

A época de reprodução para as aves geralmente é durante a primavera e o início do verão. O ritual de acasalamento mais comum é um galo realizar uma “dança” em torno da galinha. Ele arrasta suas asas enquanto caminha em círculo ao redor da fêmea. Na maioria dos casos, a galinha se afasta, então o galo a persegue e monta nela, iniciando o processo de inseminação.

Outro ritual envolve a astúcia do galo. Ele é um animal engenhoso que, quando sente a necessidade de se acasalar, atrai as galinhas para onde haja comida, que normalmente consiste em grãos de cereais. Para fazer isso, ele cacareja em um tom alto e, então, deixa que elas se alimentem primeiro. Enquanto elas estão ocupadas, o galo repentinamente fica sobre a fêmea que escolheu para acasalar.

Inseminação

Os galos não têm um órgão reprodutor que se assemelhe ao pênis. Em vez disso, eles têm uma abertura chamada cloaca. Não é visível, mas é algo como uma vesícula seminal. O galo posiciona sua cloaca próxima à da galinha (as fêmeas têm uma abertura similar) e deposita seu esperma no interior da cloaca da galinha.

O esperma fertiliza a gema de ovo que está dentro da cloaca da galinha. Ela ovula a cada 24 a 48 horas. Assim que o esperma está dentro da gema, a membrana da casca começa a se formar e endurece em torno da gema.

A galinha botará o ovo dentro de 24 horas após a ovulação. O ovo será produzido, independentemente da fertilização ocorrer ou não.

É aconselhável ter um galo com até seis galinhas para aumentar as chances de fertilização.

Proteção

Em geral, os galos têm seu próprio “bando”, que é um grupo de galinhas com as quais ele tende a se acasalar regularmente. Podem haver vários bandos em um galinheiro e isso pode criar uma competição entre os galos. Se um macho se aproxima do grupo de outro, este ataca o invasor com bicadas e salta sobre ele, usando as patas para feri-lo.

Dicas sobre a incubação

A incubação de um ovo pode levar de 21 a 24 dias. Infelizmente, o galo pode matar os filhotes recém-nascidos, por isso é importante separá-los de seus pais quando tiverem dois dias de idade. Os pais, especialmente os galos, podem bicar os filhotes.

AI Responde

Olá, Evair!

O portal da Avicultura Industrial publicou um artigo sobre essa questão. Leia uma parte do material abaixo, onde também está o link para o texto completo.

Inúmeros fatores podem afetar a produção e a qualidade dos grãos de milho. Dentre eles podemos destacar o manejo utilizado bem como o nível tecnológico empregado, que inclui o material genético e a quantidade de insumos utilizados. Na busca por elevadas produtividades, a qualidade proteica do milho destinado à ração das aves pouco é abordada por técnicos e produtores.

Na produção avícola este é o grão de maior importância correspondendo a aproximadamente 60% do total dos grãos utilizados para a formulação das rações.Caracterizado como um alimento essencialmente energético, o milho é também uma importante fonte de proteína, a qual representa cerca de 10% do grão.

Por este motivo este ingrediente representa, aproximadamente, 22% da proteína total da ração.

Leia mais sobre o assunto no link: https://www.aviculturaindustrial.com.br/nutricaoed1264 

Olá, Alexandre!

O portal da Avicultura Industrial publicou um artigo sobre essa questão, escrito pelo pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Valdir Silveira de Avila. Leia uma parte do material abaixo, onde também está o link para o texto completo.

Muda forçada para poedeiras comerciais

A muda das penas é um processo que acontece em todas as espécies de aves e em ambos os sexos. Ocorre como consequência de um período de descanso em que a ave cessa a produção de ovos  e  passa por modificações fisiológicas (internas e externas). Pode ocorrer de forma  natural ou forçada.

Na muda natural as aves perdem e renovam suas penas antes do início do inverno, porém a época da muda varia individualmente e é prejudicial ao desempenho produtivo em escala comercial.

A muda forçada é uma  prática que tem sido utilizada principalmente em poedeiras comerciais, objetivando mais um ciclo de produção, aumentando a vida produtiva e otimizando o desempenho da ave.

Pode ser realizada em aves selecionadas para a produção de ovos comerciais ou de ovos férteis, onde o plantel é forçado, ou induzido, ao descanso reprodutivo num período de tempo determinado através do método escolhido pelo avicultor. Tem como características a redução do consumo de alimento, a perda de penas, a regressão acentuada no peso corporal e no trato reprodutivo.

Leia mais sobre esse assunto em https://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/muda-forcada-para-poedeiras-comerciais/20020708-132802-0129

Olá, Sandro!

O abate das aves é estabelecido conforme Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária dos Produtos de Origem Animal e no Regulamento Técnico da Inspeção Tecnológica e Higiênico-Sanitária de Carne de Aves.

São tratadas através destes, questões relacionadas ao: pré-abate (captura e transporte) e o abate (insensibilização, sangria, escalda, depenagem, evisceração, pré-resfriamento, resfriamento, gotejamento, classificação, embalagem e tempo de armazenamento).

O pré-abate tem-se início com o jejum e dieta líquida das aves objetivando a limpeza do trato digestivo, evitando contaminação da carcaça e casos de ruptura, o tempo ideal é de 8h a12 horas. Período superior a 12 horas pode comprometer a qualidade da carne causando problemas quando a evisceração. Leia artigo completo sobre os processos de abate em nosso portal: 

https://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/processos-de-abate-em-aves-conforme-regulamento-brasileiro/20130304-084009-o186

A apara da ponta do bico pelo método infravermelho consiste na exposição parcial do bico a uma fonte de radiação infravermelha de alta intensidade no tecido cartilaginoso do bico da ave (pintainhas com um dia de idade) ocasionando a perda gradual da ponta do bico, o que vem a ocorrer em duas semanas após esse tratamento. Esse processo, por ser automatizado, é mais preciso e conduz a menores chances de dor e desconforto à ave.

Você pode saber mais sobre isso no estudo publicado pela Avicultura Industrial, na edição 1278. Nesse link: https://www.flipsnack.com/gessulliagribusiness/revista-avicultura-industrial-ed-1278.html?p=14

Olá Charles!

A tecnologia está cada vez mais presente na avicultura. Segue uma reportagem publicada em maio em nosso site com algumas das principais tecnologias utilizadas. https://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/era-digital-o-futuro-da-tecnologia-avicola/20180522-093843-w047

  • Olá José!
  • A galinha nasce com um certo número de óvulos que, ao longo da vida, se desenvolvem e se transformam em ovos.
  • O macho só é essencial para a fecundação, ou seja, para produção de pintainhos.

Olá Priscila!

Este link trata do tempo de botar das galinhas, acredito que responda sua questão: https://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/periodo-de-botar/20050411-075705-1523

Olá Janiely!

Diferente dos mamíferos, que possuem membros femininos e masculinos bastante diferenciados, a identificação do sexo do frango exige outro tipo de atenção.

Tanto as linhagens de corte, como as de postura, podem ser diferenciadas pelo gênero através de uma análise de suas penas, logo no primeiro dia do nascimento.

Separei pra você esse material que publicamos mostrando como identificar se seu pintainho é macho ou fêmea.

 https://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/macho-ou-femea-/20090901-155934-q606

Olá Creusa, não encontrei referências e/ou trabalhos que ligassem o nascimento de pintos com as fases da lua, logo, acredito que não há influência.

Olá Iure. O potencial reprodutivo de machos e fêmeas é influenciado por diversos fatores, tais como: genética, curva de crescimento, qualidade e composição da ração, qualidade do sêmen, proporção entre machos e fêmeas, peso e tamanho das aves, programas de spiking, programas de luz e idade.

Já a fertilidade do galo depende de um adequado desenvolvimento testicular, de boa qualidade espermática e da eficiência na cópula. Separei este artigo de nosso site para você https://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/fatores-que-afetam-a-fertilidade-de-galos-de-matrizes-pesadas/20160805-090939-h764

Olá Thiago, sobre seu questionamento separamos um artigo da Embrapa que detalha todos os aspectos relacionados a reutilização de dejetos de poedeiras como o esterco. Vale ressaltar que por causa do alto potencial biogênico dos dejetos, não é aconselhado o uso no solo sem tratamento. No link abaixo você acessa todo o conteúdo. Espero ter ajudado. https://goo.gl/dC9yXK

Geovani, esses animais são tingindo de diversas cores para serem comercializados. Para médicos veterinários,a coloração dos pintinhos pode ser prejudicial. Ainda segundo a especialista, essas aves são tingidas com tintas tóxicas, podendo levar à cegueira, intoxicação, entupimento das vias respiratórias e até a morte.

Essa técnica consiste no fornecimento de nutrientes para o pinto durante o desenvolvimento embrionário, com a finalidade de aumentar o estado nutricional do embrião, além de permitir a introdução de nutrientes específicos em contato com as células do intestino, antes mesmo da eclosão, melhorando assim, a capacidade de digerir alimentos pelo neonato. Leia na íntegra  https://www.magtab.com/reader/avicultura-industrial/16073#page/70

Olá, Josevaldo, as lâmpadas fluorescentes não podem ser usadas para chocadeiras, isso porque este não produz calor suficiente para manter a temperatura que deve ficar sempre entre os 37 e 38 graus, pois este deve ser de 37,5 no meio dos ovos, podendo oscilar entre os 36 e 39 graus por no máximo 2 horas. Uma lâmpada de 40KW deve gastar cerca de 25 KW/h por mês que equivale aos 21 dias de incubação, mais 9 dias de aquecimento inicial para o pintinho.

Lembre que para ter sucesso no processo de incubação, a temperatura da chocadeira deve estar estabilizada antes dos ovos serem colocados, para isso a chocadeira deve ser ligada com algumas horas de antecedência e para manter estes ovos com a temperatura homogênea, eles devem ser mexidos, sempre bem devagar, ao menos 3 vezes ao dia. Este procedimento só deve ser feito a partir do 3o dia ou 72 horas de incubação.

Olá, Carolina! O Trigo e Triticale e o Sorgo são ótimos ingredientes para substituir o milho na ração de frangos.

  O trigo, historicamente, sempre foi destinado ao consumo humano sendo os subprodutos do seu processamento direcionados à alimentação animal, destacando-se, principalmente, o farelo de trigo e o resíduo de limpeza, erroneamente definido como “triguilho”.

O triticale é um grão produzido com o destino principal para a produção de rações.

Já o Sorgo é um cereal cuja disponibilidade comercial não é alta, mas que apresenta excelente possibilidade de uso na alimentação, desde que incluídos ingredientes com pigmentos carotenóides ou xantofilicos, já que o sorgo diminui a pigmentação da pele, quando de seu uso. Leia a matéria que produzimos sobre o assunto http://www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/alimentos-alternativos-podem-diminuir-custos-na-producao-de-frangos-e-suinos/20160414-091339-i159 

Leia também:  Como Saber Quando Um Filme Sai De Cartaz?

Olá, Luiz Roberto, é fundamental que antes da construção, adaptação, ambientação e equipar seu galpão o produtor tenha exatamente definido a finalidade do mesmo.

Todavia, alguns pontos são gerais para todos os tipos de abrigo para as aves tais como: proteção contra chuva; excessos de temperatura (baixa ou elevada); ventos; radiação solar; “stress”; poluição do ar; ectoparasitos e endoparasitas e roedores e aves.

Universalmente é indicada a orientação leste-oeste em galpões para confinamento de animais, com intuito de tornar mínima a incidência direta do sol sobre os animais através das laterais da instalação, haja vista que, nesse caso, o sol percorre ao longo do dia sobre a cumeeira da instalação.

A largura do aviário é definida de acordo com o clima da região onde o mesmo será construído. Para saber mais acesse http://www.aviculturaindustrial.com.br/noticia/instalacoes-para-a-%20implantacao-da-granja-de-aves/20130124082015_Y_831

Olá, Carlos.

As lâmpadas fluorescentes não podem ser usadas para chocadeiras, isso porque este não produz calor suficiente para manter a temperatura que deve ficar sempre entre os 37 e 38 graus, pois este deve ser de 37,5 no meio dos ovos, podendo oscilar entre os 36 e 39 graus por no máximo 2 horas.

Uma lâmpada de 40KW deve gastar cerca de 25 KW/h por mês que equivale aos 21 dias de incubação, mais 9 dias de aquecimento inicial para o pintinho.

Lembre que para ter sucesso no processo de incubação, a temperatura da chocadeira deve estar estabilizada antes dos ovos serem colocados, para isso a chocadeira deve ser ligada com algumas horas de antecedência e para manter estes ovos com a temperatura homogênea, eles devem ser mexidos, sempre bem devagar, ao menos 3 vezes ao dia. Este procedimento só deve ser feito a partir do 3o dia ou 72 horas de incubação.

Olá, Derek. Segundo o estudo sobre o tema, publicado na edição da revista Avicultura Industrial identificou-se que a presença do galo pode alterar o shelf life dos ovos devido à produção de ovos férteis. Como resultado da pesquisa, a taxa de fertilização dos ovos foi de 80%. Veja p estudo completo na sessão Manejo, página 45 https://www.magtab.com/embarcado/avicultura-industrial/

Olá, Delmir, a doença, também conhecida como cólera aviária tem como agente etiológico a bactéria Pasteurella multocida, que se manifesta como uma doença septicêmica. Trata-se de uma enfermidade contagiosa que acomete todas as aves de criação industrial, silvestres e de fundo de quintal.

  1. Principais sintomas:
  2. – abatimento e febre;
  3. – cristas e barbelas edemaciadas e cianóticas;
  4. – bico com muco;
  5. – diarreia verde amarelada abundante;
  6. – penas eriçadas;
  7. – aumento da frequência respiratória;
  8. – base dos pés e joelhos quentes e edemaciados;
  9. – fígado pálido, lembrando fígado cozido;
  10. Prevenção:
  11. – manejo;
  12. – higiene e desinfecção dos aviários;
  13. – descarte adequado das aves mortas;
  14. – vacinar todas as aves da criação;
  15. – quarentena de aves a serem introduzidas no plantel;
  16. – monitorial laboratorial.

Sequestrantes ou adsorventes de micotoxinas são substâncias que tem a capacidade de se ligar as toxinas presentes nos alimentos, produzidas por fungos, ainda na lavoura ou durante o armazenamento dos grãos ou das rações. Sua eficiência é variável, dependendo do tipo de micotoxina presente e da dosagem do sequestrante adicionado ao alimento.

Seu uso normalmente é através de sua mistura diretamente na ração animal. Nada impede que seja adicionado diretamente ao grão, mas por se tratar de produto na forma de pó, dificilmente ficará misturado de forma homogênea nos grãos.

Para que funcione adequadamente, é preciso compreender que sua ligação a toxina ocorre na presença de umidade (meio liquido), como é no estômago e intestino dos animais.

A sua mistura no alimento deve ser muito boa, pois precisará estar presente no alimento como um todo.

Com base nestas informações, recomenda-se que se tenha absoluta certeza de que o sequestre será ingerido pelo animal juntamente com a toxina presente no trigo. Atendendo este aspecto, fica indiferente se a sua adição se dará diretamente ao grão ou no momento de compor a ração, ou mesmo diretamente no comedouro do animal, a cada refeição. Apoio técnico: Embrapa Suínos e Aves

Olá Laís,

Sem o galo, não há o acasalamento das aves, portanto, não é possível sair pintinhos.

Markos, não encontrei referências e/ou trabalhos que ligassem o nascimento de pintos com as fases da lua, logo, acredito que não há influência.

Recomenda-se um intervalo entre lotes de no mínimo 10 dias.

Isso é normal. A Galinha, em média, bota um ovo a cada 25 horas e cerca de 280 ovos por ano. Nem de todos os ovos nascem um pintinho. A galinha precisa cruzar com o Galo para chocar os ovos fecundados.

Emídia, não encontrei referências e/ou trabalhos que ligassem o nascimento de pintos com as fases da lua, logo, acredito que não há influência.

Sim, isso é normal. A Galinha, em média, bota um ovo a cada 25 horas e cerca de 280 ovos por ano.

Segundo informações da Embrapa Suínos e Aves, um galo deve atender no máximo 12 galinhas. Sua troca deve ser feita a cada seis meses, para ele não cruzar com as filhas.

O galo deve ser substituído a cada dois anos.

Prezado José, isto pode ser bouba aviária. É comum entre os frangos domésticos. O tratamento é simples, no entanto o senhor deverá consultar um médico veterinário para mais informações.

Prezado Edilson,

Recomendo o contato com a Embrapa Suínos e Aves para informações detalhadas: (49) 3441-0400. Temos uma revista especializada também em Avicultura. Trata-se de Avicultura Industrial. Se tiver interesse, contate-nos para assinar! (11) 2118-3133. Ou mande novo e-mail com seu contato para ligarmos.

Prezado Valdemir,

Existem uma série de fatores que podem estar relacionados com o caso. Desde nutrientes insuficientes na alimentação ou até mesmo a idade das aves. Consulte um veterinário.

Prezada Airla,

Consulte o site da Embrapa Suínos e Aves. Eles possuem um material extenso.

Prezado Valdemir,

Não encontrei referências e/ou trabalhos que ligassem o nascimento de pintos com as fases da lua, logo, acredito que não há influência.

Prezado Anacleto, a doença pode ser originada a partir da alimentação da ave e para evitar este problema, recomendamos a contato com empresas especializadas em nutrição animal. Um veterinário poderá lhe fornecer dados precisos. Consulte o Guia Gessulli – www.guiagessulli.com.br – para encontrar a empresa mais próxima de você.

Valdemir, veja os comentários da Embrapa Suínos e Aves: “Em atenção a sua solicitação, provavelmente, estas aves estão sendo parasitadas por vermes. Entretanto, é fundamental o exame clínico veterinário, pois as causas deste espessamento do papo variam desde uma simples verminose até neoplasias”.

Em atenção a sua solicitação, provavelmente a galinha está em período de choco, que é uma parada natural na postura (processo fisiológico natural), principalmente para aves rústicas não melhoradas genéticamente. Sendo assim, a ave pode “deitar” sobre objetos diferentes ou com formas semelhantes a ovos, durante o período citado.

Prezada Claudia,

Consultada, a Embrapa Suínos e Aves precisa de mais esclarecimentos para entender melhor o seu problema e sugerir alguma solução. Lembrando que a melhor consulta, neste caso, seria com um médico veterinário.

De qualquer forma, o contato com a Embrapa pode ser feito neste link: http://www.cnpsa.embrapa.br/?idp=Pe1n13t2x

A cólera aviária é a doença causada por uma bactéria oportunista, a Pasteurella multocida spp., componente natural da microbiota gastrointestinal, genital, oral e respiratória de várias espécies de animais domésticos e silvestres.

Apesar de não ser comum elas determinarem doenças clínicas, elas podem ocorrer, dependendo da agressividade da cepa ou do estado imune dos hospedeiros.

A forma mais comum de infecção humana por esse agente é na pele, decorrente de mordidas de gatos e cães, entretanto pode haver infecção humana nas vias respiratórias em decorrência de inalação de secreções contaminadas.

Sendo assim, convém a implantação de práticas higiênico-sanitárias e utilização de equipamentos de proteção individual (EPIs) na rotina da criação e não somente em surtos de doenças, inclusive a cólera aviária.

como a galinha engravida

Assinale a alternativa que apresenta, corretamente, a sequencia ordenada dos processos energéticos, desde o surgimento do primeiro ser vivo do planeta

: *
a) Fotossíntese, respiração aeróbia e fermentação.
b) Respiração aeróbia, fermentação e fotossíntese.
c) Respiração aeróbia, fotossíntese e fermentação .
d) Fermentação, fotossíntese e respiração aeróbia.
e) Fermentação, respiração aeróbia e fotossíntese.

em relaçao a terra primitiva, quais alteraçoes foram necessarias para o surgimento de vida?​

o ciclo de vida dos organismos abaixo, causadores de doenças, e esquematizar cada um deles. Identifique nesses ciclos quem é o hospedeiro intermediári

o e o hospedeiro definitivo.
a) Taenia sp.
b) Schistossoma mansoni
c) Ascaris lumbricoides

a extração de materiais da natureza já causou muitos impactos. escreva um exemplo dessa situação.​

Explique as hipóteses heterotrófica e autotrófica relacionando os eventos metabólicos subsequentes de cada uma e em que colaboraram para a evolução da

atmosfera terrestre.

quais sao a forma de relevo predominante no terreiro do brasileiro?​.

existe outro movimento realizado pela terra?​

Considerando os experimentos relacionados a origem da vida, associe corretamente os cientistas da Coluna A aos experimentos que constam na Coluna B, a

presentadas a seguir, e assinale a alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo.2, 1, 5, 3, 42, 5, 1, 4, 33, 4, 2, 5, 13, 4, 1, 5, 24, 5, 1, 2, 3​

o planeta mais proximo do sol é: (a terra) (plutao) (mercúrio) ???​

Por volta de 1920, Oparin e Haldane propuseram que os primeiros seres vivos surgiram de associações entre substâncias inorgânicas formando moléculas c

om potencial para constituir estruturas denominadas coacervados que seriam os precursores dos primeiros seres vivos.

De acordo com os argumentos defendidos por esses pesquisadores, os coacervados seriam: conjuntos de moléculas inorgânicas reunidas em um sistema completamente isolado do meio por uma membrana plasmática de fosfolipídio, formando os primeiros seres vivosseres unicelulares, nos quais as reações químicas eram promovidas por meio de energia fornecida pela radiação solar e pelas descargas elétricas.aglomerados de moléculas orgânicas envolvidas por água em um sistema semi-isolado do ambiente, mas que não eram considerados seres vivos.células eucariontes primitivas envoltas por uma película de água e com funções básicas intracelulares, como absorção e excreção.seres vivos quimiossintetizantes que se nutriam de substâncias inorgânicas, como ferro e enxofre, presentes em abundância na Terra primitiva.pleaseeee​

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*