Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

Em um processo semelhante ao de uma mercadoria qualquer, a energia é um produto que precisa ser transportado do local de sua produção até seu consumidor final. É preciso, portanto, que ela saia das usinas – hidrelétricas, eólicas, nucleares, termelétricas ou solares – e seja transmitida até as cidades, indústrias, zona rural e outros locais de consumo.

Saindo da geração nas usinas, ela é, então, conduzida pelas linhas de transmissão – de empresas de interligação elétrica, como a ISA CTEEP – até as subestações e redes de distribuição.

Nas subestações, as linhas de transmissão são conectadas para que a energia possa seguir em direção a diferentes localidades.

Nesse trajeto, a energia elétrica – que está em alta tensão – passa por equipamentos transformadores, tornando-se de baixa tensão, ou seja, apta ao consumo doméstico.

Chegando às cidades, as redes de distribuição se encarregam por levar a eletricidade às casas, às escolas, aos hospitais, às indústrias, etc.

Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas? Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas? Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas? Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas? Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas? Anterior Próxima   Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas? Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas? Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

Atualizado em 9 de novembro de 2020.

Como a eletricidade chega até nossas casas (EL003)

Detalhes Publicado: Sábado, 10 Julho 2010 10:21

 Este artigo faz parte do livro Instalações Elétricas Sem Mistérios (2005). Nele abordamos o modo como a energia é transmitida até nossas casas dando idéia dos valores das tensões nos diversos pontos do processo.

  • Leia mais:
  • Alternativa econômica – energia solar (MA014)
  • Geradores
  • A energia gerada pelas usinas não está numa forma apropriada para consumo.
  • Para que ocorram poucas perdas na transmissão por longas distâncias, no local em que a usina produz a energia, ela é transformada, ou seja, sua tensão é modificada (mais adiante veremos o que isso significa).

Assim, a tensão enviada da usina até os centros de consumo é muito alta. Existem linhas de transmissão de energia que operam com 80 000, 150 000, 250 000 e até 750 000 V!

  1. Obviamente, esta tensão é extremamente perigosa: se fosse levada diretamente até nossa casa, não precisaríamos sequer tocar nos fios para levar choques mortais.
  2. A simples aproximação de um fio com tais tensões faria com que saltassem faíscas, fulminando-nos instantaneamente.
  3. Assim, a energia, para chegar até nossa casa, passa por uma série de transformações, entrando em ação dispositivos que, justamente por sua função, são denominados transformadores.
  4. Para que o leitor tenha uma idéia do que ocorre, damos na figura 6 todo o processo pelo qual a energia passa até chegar nas nossas casas.

Partindo da usina em que a energia é gerada, ela passa por um primeiro transformador que eleva sua tensão para um valor da ordem de dezenas de milhares de volts a centenas de milhares de volts. A energia que vem de Itaipu para São Paulo, por exemplo, está na forma de uma tensão de 750 000 V.

Perto do centro de consumo, a energia sofre uma transformação no sentido de baixar sua tensão para um valor menor, mais apropriado para as redes urbanas, ou seja, para ser levada para os bairros em fios colocados em postes comuns.

Normalmente, a tensão usada neste caso é da ordem de 13 000 volts.

Mas, mesmo 13 000 V é demais para se colocar numa instalação elétrica domiciliar. Portanto,temos nos postes, transformadores que fazem o “abaixamento final” da tensão de modo que ela possa ser usada de maneira mais segura nas residências.

Estes transformadores fornecem tensões de 110 V a 220 V que são levadas até os locais de consumo. Os valores exatos das tensões encontradas nas redes de energia serão vistos em outros artigos.

Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

  • Transformador que reduz a tensão para 110/220 V para consumo doméstico.
  • TENSÃO E CORRENTE (Volts e Ampères)
  • A maioria das pessoas, mesmo os técnicos, fazem confusão entre tensões e correntes, misturando volts e ampères, e com isso podem ser levados a falsos entendimentos de muitas coisas que ocorrem numa instalação elétrica.
  • Para entender bem eletricidade, seja ela a de uma instalação comum ou mesmo de circuitos eletrônicos complicados, o ponto fundamental é saber diferenciar tensão e corrente.
  • Por este motivo, mesmo visando fazer dos artigos deste site algo que trate apenas de coisas práticas, para um bom entendimento dessas coisas, precisamos abrir de quando em quando espaços para explicar algo teórico.

Se bem que isso possa parecer maçante, observamos ao leitor a necessidade de entender bem as próximas linhas, para que no futuro não seja um daqueles técnicos “entendidos” que falam besteiras, como dizer que a “corrente” de uma tomada é 110 V, confundindo-a com tensão e coisas semelhantes, que só podem levar o cliente mais esclarecido a desconfiar de sua competência. Evidentemente, a confiabilidade de um profissional ou mesmo do trabalho de alguém que mexa com eletricidade, por que gosta ou por que necessite, está no correto entendimento das coisas.

Mas, vamos ao que interessa: corrente e tensão.

A eletricidade pode ser usada para transportar energia, porque ela pode se movimentar através de fios de metal. Desta forma, quando um fio elétrico está conduzindo eletricidade, existe nele o movimento ordenado de minúsculas partículas de eletricidade denominadas elétrons, observe a figura 1.

Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

Chamamos ao movimento ordenado destas cargas (todas no mesmo sentido) de corrente elétrica. A corrente é portanto o fluxo da eletricidade nos fios e nos aparelhos que estão funcionando e é medida numa unidade denominada Ampère (abreviada por A). Não existe portanto a tal “corrente” de 110 V.

  1. Lembre-se: sempre que falarmos em corrente, a unidade é o ampère (A).
  2. Uma corrente, para se estabelecer por um fio, precisa de uma, força externa, ou seja, de algum tipo de ação externa que “empurre” as cargas.
  3. Esta pressão externa ou força externa é denominada “tensão elétrica” e é medida em volts (abreviado por V).

Assim, a tensão é a “CAUSA” da corrente e a corrente é o EFEITO. Sem uma não pode haver a outra.

Veja, entretanto, que podemos estabelecer uma tensão num fio elétrico, mas sem circular corrente alguma: na ponta do fio, a tensão se manifesta e “fica à espera” de que alguma coisa seja ligada para que a corrente possa passar. É mais ou menos o que ocorre nas tomadas de força de sua casa: nelas pode existir uma tensão elétrica de 110 V ou 220 V, mas sem corrente alguma.

A corrente só vai existir no momento em que “ligarmos” a esta tomada alguma coisa, por exemplo uma lâmpada, conforme ilustra a figura 2.

Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

Perceba que uma tensão maior significa uma “pressão” maior para a corrente.

É por esta razão que, se  ligarmos uma lâmpada que foi projetada para funcionar com uma tensão de 110 V numa tomada de 220 V, ela queima: a “pressão elétrica” será demais, fazendo passar uma corrente maior do que ela suporta.

Da mesma forma, se ligarmos uma lâmpada de 220 V numa tomada em que tenhamos só 110 V, ela não queima, mas a “pressão elétrica” será insuficiente para produzir a corrente desejada e a lâmpada acenderá com brilho reduzido (bem fraca!). Veja a figura 3.

Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

Este mesmo raciocínio é válido para outros aparelhos que sejam ligados numa tomada de 110 V e 220 V conforme a tensão para a qual tenham sido fabricados ou para a qual tenham sido ajustados (muitos aparelhos possuem “chavinhas” que permitem programá-los para funcionar em 110 V, 115 V, 127 V ou 220 V – observe sempre estas chavinhas antes de

ligar qualquer um a uma tomada e sempre certifique-se do valor da tensão que vai encontrar na tomada onde irá usá-lo!).

Corrente e tensão são coisas diferentes. A tensão está sempre presente numa tomada de energia, mas a corrente só circula quando ligamos alguma coisa. É a circulação da corrente que leva a energia elétrica até o aparelho ou dispositivo que está sendo alimentado.

  • AS TENSÕES DE NOSSAS REDES DE ENERGIA
  • Para consumo doméstico, podemos encontrar diversos valores de tensões nas redes brasileiras. Essas tensões dependem do sistema de fornecimento, se ele é trifásico de 3 ou 4 condutores ou se ele é monofásico de 3 condutores, conforme a figura 4
  • Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?Figura 4 – Tensões nas redes domésticas
  • Essas diferenças trazem algumas confusões e podem levar equipamentos mais sensíveis a apresentar problemas de funcionamento, se indevidamente ajustados.
  • Em geral, os aparelhos elétricos e eletrônicos indicados como “110 V” funcionam bem com tensões na faixa de 110 a 127 volts, enquanto que os indicados por “220 V” funcionam bem com tensões de 220 a 254 V.
  • Entretanto, o usuário precisa estar atento, principalmente se na sua localidade já houver precedentes de funcionamento indevido.
  • Assim, temos as seguintes tensões nas redes de energia de nosso país:
  • a) Sistema trifásico de 3 ou 4 condutores:
  • 115/230 V
  • 120/240 V
  • 127/220 V
  • 220/380 V
  • 220 V
  • b) Sistema monofásico de 3 condutores:
  • 110/220 V
  • 115/230 V
  • 127/254 V

Para facilitar o entendimento, quando nos referirmos em nossos artigos à rede de 110 V, o que for dito será válido para tensões entre 110 e 127 V, e quando nos referirmos à rede de 220 V, estaremos considerando as tensões de 220 a 240 V. Para o caso da tensão de 240 V, especificamente, será sempre interessante verificar se os equipamentos alimentados podem operar com esta tensão.

Leia também:  Como Se Escreve Porque Em Espanhol?

Como a energia elétrica chega a nossas casas?

Com apuração de Márcia Scapaticio ([email protected]). Editado por Bruna Nicolielo

De onde vem a energia elétrica? Ela é consumida ao mesmo tempo que é produzida? A partir do 4º ano, é possível levar a turma a formular hipóteses para essas questões, apresentando o trajeto da eletricidade. Entre uma usina e os centros urbanos, ocorrem inúmeras transformações, que resultam na transmissão da energia (veja o infográfico na próxima página). No Brasil, quase toda a produção vem de hidrelétricas, que usam a força da água para movimentar um gerador. Depois de produzida, a energia vai para as cidades por meio das linhas e torres de transmissão de alta tensão. “Viajando por centenas de quilômetros de fios, ela sofre inúmeras alterações de voltagem”, explica José Ferreira Abdal Neto, diretor de Operações da Geração da CPFL Energia. Nas áreas residenciais, cada circuito de cerca de 13,8 mil volts atende de 5 mil a 10 mil casas. O percurso da eletricidade se completa quando ligamos interruptores e aparelhos eletroeletrônicos na tomada, consumindo-a no mesmo momento em que é produzida.

Durante todo o caminho, a energia está sujeita a interrupções. Raios, tempestades, ventos fortes e queda de árvores podem atingir o sistema, causando o problema. A necessidade de manutenção ou de ampliação da rede também causa paradas programadas.

Dúvidas e questionamentos dos alunos levam às conclusões

No início de um estudo sobre eletricidade, Gilciane Bonilha, professora do 5º ano da EM Professor Carlos Aranha Pacheco, em Botucatu, a 236 quilômetros de São Paulo, lançou à turma perguntas como esta: “Como e onde vocês acham que a energia elétrica é produzida?” Os questionamentos da docente desencadearam uma discussão em classe.

Todas as hipóteses da turma sobre o assunto foram registradas no quadro. A maioria concordou que a energia gerada no país tinha como origem uma hidréletrica, mas não sabia que a produção dependia das quedas-d?água. Depois dessa conversa, a docente exibiu um vídeo (opções disponíveis em abr.io/funcionamento-hidreletrica e abr.

io/funcionamento-hidreletricaII) sobre o funcionamento da usina hidrelétrica de Itaipu, no Paraná, a maior do país. Ele também mostrava que a voltagem variava durante a transmissão. Novas perguntas surgiram. Os alunos queriam saber por que os aparelhos eletroeletrônicos não queimam ao serem ligados.

Um dos estudantes disse que a razão para isso era eles usarem voltagem de 110 e 220 volts. Mais um questionamento: por que a energia chega à nossa casa com voltagem inferior à das demais etapas do processo? A professora explicou que o aumento da tensão elétrica reduz as perdas de energia durante a transmissão.

Além disso, a criançada acreditava que a energia era produzida e armazenada e só depois consumida por nós. Gilciane propôs a realização de um experimento. A turma observou a produção de energia por meio da manipulação de um minigerador, vendido em casas especializadas em aparelhos elétricos.

Um dínamo, usado em bicicletas elétricas e ligado a uma lâmpada, pode cumprir essa função. Ao converter a energia mecânica (do movimento) em elétrica, o aparelho é capaz de acender a lâmpada. Se pararmos de girar o dínamo, porém, ela se apaga. Dessa forma, fica mais fácil perceber a dinâmica de uma usina, pois a energia cai quando a produção é interrompida.

Outra possibilidade de aprofundamento é a construção e a observação de um microcircuito. Esse mecanismo pode ser visto como uma reprodução do trajeto da energia elétrica até nossa casa. A principal diferença diz respeito à corrente elétrica: no microcircuito, ela é contínua (o sentido não muda) e sem alterações.

Na realidade, a corrente é alternada, com tensão variável na produção, na transmissão e na distribuição. Respeitando essas particularidades, é possível estabelecer correlações entre ambos.

“Em seguida, vale propor pesquisas sobre a finalidade das torres de alta tensão ou sobre os transformadores nos postes das ruas, dispositivos responsáveis por alterar a voltagem da energia”, explica Cristian Annunciato, professor de Física e pesquisador da Sangari Brasil, em São Paulo. Ao realizar um trabalho como esse, que inclui momentos de pesquisa, debates e experimentos, a garotada aprende a elaborar e validar hipóteses sobre energia elétrica tendo como base a observação de seu cotidiano e do seu entorno.

Um circuito elétrico

A energia tem tensão variável durante a geração, a transmissão e a distribuição. Veja cada etapa de seu trajeto às cidades

Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

Estação geradora A energia elétrica pode vir de diferentes fontes. Nas hidrelétricas, a queda-d'água movimenta um gerador, que cria um campo magnético, produzindo corrente elétrica.

Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

Subestações de transmissão A energia sai da usina direto para estações de transmissão, onde passa por transformadores que aumentam sua voltagem. Em seguida, segue pelas linhas de alta tensão.

Linhas de transmissão Torres de alta tensão levam a eletricidade por longas distâncias. Para reduzir as perdas energéticas durante a transmissão, ela é transportada em altíssima voltagem.

Subestações de distribuição A eletricidade passa pelos transformadores de tensão nas subestações, que diminuem a voltagem dela. Só então segue pela rede de distribuição.

  • Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

Fiação dos postes A energia passa pelos transformadores de distribuição, que rebaixam a voltagem de novo. Depois, passa pela fiação – aérea ou subterrânea -, que a leva até as ruas.

Consumidor final Nas tomadas de nossa casa, a energia está disponível para utilização no mesmo momento em que é gerada, fazendo funcionar equipamentos eletrônicos e interruptores.

Consultoria José Ferreira Abdal Neto, Cristian Annunciato e AES Eletropaulo.

Transmissão de energia elétrica – Brasil Escola

Quando falamos em energia elétrica logo ficamos com um pouco de receio, pois logo nos vem à cabeça o choque elétrico. Mas se pararmos para pensar… como a energia elétrica chega até nossas casas? Ela chega através das linhas de transmissão de energia elétrica. Podemos calcular a perda de energia elétrica através da potência dissipada nos fios pela seguinte expressão:

P = R.i2

Na expressão acima temos que R é a resistência elétrica do próprio fio e i é a corrente elétrica que passa por ele.

De acordo com a expressão, temos que quanto maior for o valor da corrente elétrica que queremos transportar, maior será a perda de energia através da dissipação de energia nos fios.

Por isso, é mais vantajoso transportar em tensões muito altas, com correntes mais baixas.

  • Como as linhas de transmissão da usina hidrelétrica de Itaipu, as linhas de transmissão podem operar com voltagens de até 750 kV.
  • Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas? As torres de transmissão devem suportar os cabos que estão com tensões de centenas de kV.

Como P = R.i2,  temos que: para que possamos ter uma menor perda de energia através da dissipação nos fios, devemos manter a corrente elétrica e a resistência dos fios bem pequenas.

Devemos também nos atentar ao fato de que a resistência elétrica dos fios é proporcional ao seu comprimento e inversamente proporcional à área de sua seção reta.

Sendo assim, fios mais grossos poderiam ser utilizados para diminuir a perda de energia, fato esse que não ocorre em razão do alto custo e também pela grande quantidade de material que seria utilizado.

Como sabemos, a tensão de trabalho dessas linhas de transmissão é muito alta, sendo assim, elas precisam ser bem isoladas, a fim de que não ocorram curtos-circuitos ou até mesmo descargas elétricas entre o solo e as linhas. Por esse motivo, vemos que as torres de sustentação dos fios são bastante altas e largas.

Já os fios devem ser presos a isoladores (de vidro ou porcelana) bem longos, como mostra a figura abaixo. Geralmente esses isoladores possuem um formato de “sanfona” com a finalidade de aumentar o caminho elétrico entre suas extremidades.

Dessa forma, a sujeira (que pode se depositar) e a água da chuva não produzem um caminho de baixa resistência, o que poderia provocar descargas elétricas entre o fio de alta tensão e a torre que está aterrada.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

  1. Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas? Isoladores de vidro usados para isolar circuitos de alta tensão.
  2. Por Domiciano Marques Graduado em Física
  3. Equipe Brasil Escola
  4. Eletromagnetismo – Física – Brasil Escola

Como a energia elétrica chega em nossas casas?

  • Você já se perguntou como a energia elétrica chega em nossas casas?
  • Essa pergunta pode parecer fácil, mas nem sempre é respondida de forma correta.
  • Com os avanços tecnológicos, o contato com a energia elétrica se tornou cada vez mais comum e necessário.
  • Utilizamos a eletricidade para tomarmos banho, assistirmos televisão, acendermos as luzes, refrigerarmos alimentos, acionarmos portões automáticos e diversas outras atividades rotineiras, como por exemplo, recarregar celulares, notebooks e tablets.
  • Desta forma, fica fácil perceber que dificilmente o ser humano conseguiria viver, nos dias de hoje, sem a fabricação das correntes elétricas.
  • Mas você sabe como a energia elétrica chega em nossas casas?
  • Confira tudo sobre o caminho percorrido pela eletricidade até que ele chegue em nossas residências.
Leia também:  Como Saber Quando Vou Receber O Reembolso Do Irs?

Como É Que A Eletricidade Chega Às Nossas Casas?

A energia elétrica chega em nossas casas através de três grandes etapas. Confira cada uma delas.

Geração de energia

A produção de energia elétrica pode ocorrer de diversas formas, dentre elas, podemos citar a produção através das usinas hidrelétricas, eólicas, termoelétricas e até mesmo as usinas nucleares.

Vale ressaltar que, no Brasil, as hidrelétricas são as maiores geradoras de energia. Neste âmbito, podemos considerar as usinas de Itaipu, Belo Monte e Tucuruí como as grandes hidrelétricas brasileiras.

  1. Devido a grandiosidade das instalações, geralmente as hidrelétricas acabam se localizando longe de grandes centros urbanos, fazendo com que a energia tenha que percorrer um longo caminho até a sua casa.
  2. Transmissão de energia
  3. Após a energia ser produzida, o caminho dela até nossas casas terá início, mas não pense que ela chega em nossas casas da forma que é produzida.
  4. A eletricidade, durante o caminho, passa por transformadores que vão aumentar a tensão das correntes.

Esse processo é fundamental, pois ele visa minimizar as perdas que a energia sofre durante este transporte. Isso garante que uma boa parte da energia se mantenha na rede, evitando que os famosos blackouts ou apagões venham a acontecer.

Distribuição de energia

  • É comum que você encontre algumas subestações de energia espalhadas pela sua cidade, isso porque a energia elétrica da forma que chega – com alta tensão devido aos transformadores – não é utilizada por nós.
  • Desta forma, a subestação faz com que haja uma diminuição na tensão da corrente, para então, de fato, começar o processo de distribuição.
  • Em cada rua é possível notar a presença de um gerador em baixa tensão, ele tem o intuito de reduzir ainda mais a tensão da corrente.
  • Só depois desse processo a energia está pronta para ser utilizada, sendo distribuída para as casas e comércios locais.

Como contornar a falha na transmissão de energia?

  1. É comum que ocorram problemas durante a transmissão de energia.
  2. Um problema na usina hidrelétrica, ou mesmo a queda de um fio de energia é capaz de interromper essa transmissão e te deixar na mão.

  3. Hoje em dia, com a disponibilidade da compra de geradores a diesel, esse problema de energia pode ser facilmente contornado.

A TIVEA possui os melhores geradores de energia a diesel do mercado.

Contamos com um time de técnicos especializados, prontos para dimensionar a potência ideal de um gerador que atenda suas necessidades. Isso, sem contar nas facilidades de pagamento que você encontra só na TIVEA.

  • Para saber mais sobre os produtos TIVEA, entre em contato conosco.
  • Estamos prontos para atendê-lo.

Qual o caminho percorrido pela eletricidade até as residências?

Já estamos tão acostumados em ligar a televisão, acender as luzes, carregar equipamentos, utilizar os eletrodomésticos que não paramos para pensar na forma ou caminho que essa eletricidade passa, ou passará até chegar a nossas casas.

Visto isso, mostraremos de forma objetiva, esse caminho

  • Produzida a partir de um potencial elétrico de dois pontos de um condutor, a energia elétrica é a principal fonte de energia do planeta.
  • Em grande parte, a energia elétrica é produzida nas usinas hidrelétricas, porém sua produção é também feita nas usinas eólicas, solares, termoelétricas, nucleares, etc.
  • No Brasil, quase 90% da energia é produzida nas Usinas Hidrelétricas sendo que a maior Usina Hidrelétrica do Brasil é a Usina de Itaipu, localizada no Rio Paraná na fronteira entre o Brasil e Paraguai.
  • Nas Usinas Hidrelétricas, utiliza-se a força das águas, dos rios, para gerar energia mecânica, que por sua vez chega para a população em forma de energia elétrica, tão indispensável nos dias atuais: computadores, baterias, eletrodomésticos, iluminação, televisores, dentre outros
  • No Sistema Internacional (SI), a energia elétrica é representada em joule (J), contudo, a unidade de medida mais utilizada é o quilowatt-hora (kWh), como podemos notar na medição do consumo de energia elétrica feita pelas companhias energéticas

Você sabia que a agência que fiscaliza e regulariza a geração, comercialização e transmissão da energia elétrica no Brasil é a Aneel – “Agência Nacional de Energia Elétrica” ? Se não sabia, agora já sabe.

Algumas dúvidas que costumam aparecer quando o assunto é energia elétrica:

  1. Por que os apagões acontecem?
  2. José Aquiles Baesso, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), diz que “No Brasil, a maior parte da energia é produzida longe dos principais centros de consumo.

    Toda vez que se percorrem longas distâncias, as chances de acontecerem imprevistos aumentam”

  3. Os apagões representam, portanto, a fragilidade no sistema de transmissão das redes elétricas e podem ser causados por falhas nos equipamentos de proteção dos cabos de transmissão ou até mesmo por um eventual pico de consumo.

A qualidade da energia gerada muda de acordo com as regiões do Brasil?

Agostinho Pascalicchio, professor de engenharia elétrica da Universidade Presbiteriana Mackenzie, explica que “Perdemos 17% de tudo que produzimos. Isso equivale a uma usina hidrelétrica de Itaipu e tem um custo muito grande para a sociedade porque cria a necessidade de gerar mais energia do que o necessário”.

A quantidade do recurso que é dissipada no caminho feito pela energia afeta diretamente a qualidade da eletricidade fornecida em algumas regiões.

Ou seja, uma concessionária que deseja permanecer no mercado deve cumprir uma série de exigências da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que determina a qualidade da energia.Para uma concessionária aumentar a tarifa e ter mais lucro, ela precisa apresentar relatórios que comprovem melhorias nos indicadores do fornecimento.

“Existe um esforço em melhorar o serviço prestado. Mas as empresas das regiões Sul e Sudeste são as que têm melhores indicadores. E isso impacta na qualidade do fornecimento”, diz Aquiles Baesso, da Poli.

Como tornar o caminho da energia mais seguro e eficiente?

Mesmo com soluções de grande porte para a rede nacional, os especialistas consideram que a energia mais segura e eficiente é aquela produzida o mais próximo possível do ponto de consumo.

Com isso, as perdas no meio do caminho acabam e a energia ainda pode ser produzida na tensão de consumo, o que facilita a distribuição.

Como a energia elétrica é transmitida?

A eletricidade é conduzida até uma residência por meio de um sistema. O processo é todo ramificado: inicia-se na geração de energia, passando por equipamentos de transmissão e distribuição por cabos, chegando aos postes e às tomadas das casas ou empresas.

Conheça abaixo cada elemento que compõe uma rede elétrica. Uma rede interligada para entrega da eletricidade dos fornecedores aos consumidores.

Estação geradora

É um conjunto industrial que transforma uma energia potencial em energia elétrica. No Brasil, utiliza-se, principalmente, da energia gerada pela queda da água represada nas usinas hidrelétricas para transformá-la em eletricidade.

A queda d’ água movimenta o gerador, que cria um campo magnético e energia elétrica. Em seguida, é conduzida para o sistema de transmissão.

Linhas de transmissão

São os cabos de alta tensão, sustentados por torres, que levam eletricidade por longos trajetos.

A tensão tem seu valor elevado, reduzindo ainda mais as perdas energéticas.

Subestação de transmissão

É uma instalação elétrica que possui transformadores que aumentam a tensão da energia gerada. A tensão é alterada para evitar perda excessiva de energia ao longo de sua transmissão. Já que, parte da energia elétrica se perde sendo transformada em térmica. A isto chamamos de efeito Joule.

Subestações de distribuição

Recebem e distribuem a eletricidade.

Nesta etapa, a energia passa por transformadores de tensão. Diminuindo seu valor para seguir o percurso pela rede de distribuição, chegando à fiação dos postes.

Fiação dos postes

A energia chega aos transformadores de distribuição para baixar a tensão mais uma vez. Em seguida, passa pela fiação (aérea ou subterrânea), sendo conduzida até as indústrias ou casas.

Consumidor final

O destino final da energia elétrica são as residências e as indústrias. As empresas privadas são responsáveis pela distribuição energética em boa parte do país, sendo reguladas pela ANEEL.

Agora que você já sabe o caminho da eletricidade até sua casa, se tem interesse em melhorar a intensidade e distribuição da energia nas instalações da sua casa, ou comércio, você precisa conferir os nossos produtos.

Veja também, os Spots de solo led. Eles podem ser instalados tanto no solo como em paredes de áreas internas ou externas. Também possuem grau de proteção IP67. Além da economia e maior durabilidade, proporcionam também, uma ótima iluminação de destaque.

A eletricidade que chega às nossas casas pode ser gerada de diferentes formas , a partir de

O que vem a ser nivel de consciência para umaanalise primária?​

Porque é tão difícil responder os questionários sobre a origem da vida?

4. Marque x na resposta certa;A) Apresenta grande elasticidade, permitindo a relação sexual e a passagemdo bebê na hora do parto:a) Vagina;b) vulva;c)

Útero; d)Trompa de falópio.​

Vamos continuar pensando o tema ENERGIA!Na última postagem nós introduzimos um novo tema de estudo, a energia. ENEGIA é um tema complexo que produz re

flexo de alcance amplo na nossa sociedade. Em boa medida, a produção energética é um dos principais motores que promovem o desenvolvimento de um país.

Resumidamente, ENERGIA é um fenômeno físico, difícil de ser conceituado, mas que tem relação direta com um “potencial inato para executar trabalho e realizar uma ação”.Como assim? O que é “realizar trabalho”? Neste caso, isso significaria ter a capacidade de produzir “movimento” contra a ação de alguma força externa.

POR EXEMPLO: coloquei água numa panela, liguei o fogão e posicionei a panela sobre a chama. O fogo, a alta temperatura do fogo, vai promover um movimento intenso das moléculas de água na panela. Essa movimentação é energética! O fogo TRANSFERIU para a água, por intermédio da alta temperatura, essa energia, essa movimentação.

Esse movimento é tão intenso que, quando chega a 100 graus Célsius, essa água começa a passar por uma mudança de estado físico chamada de EBULIÇÃO. Da mesma forma, precisamos encher o tanque do nosso carro de combustível, gasolina, por exemplo! A gasolina é um composto químico ALTAMENTE energético.

Seus elementos guardam uma energia interna TREMENDA, chamada de ENERGIA QUÍMICA. Quando esse combustível, essa gasolina, entra em processo de COMBUSTÃO no interior do motor de um carro, essa ENERGIA QUÍMICA contida nos elementos da gasolina será liberada proporcionando uma explosão! Essa explosão, que acontece dentro do motor, irá movimentar o carro.

Perceba, o carro estava parado e ganhou velocidade. A energia contida no combustível foi suficiente para dar velocidade ao automóvel. Novamente, um tipo de TRANSFERÊNCIA energética: da energia QUÍMICA contida na gasolina para a ENEGIA CINÉTICA, que está contida num corpo em velocidade. Beleza…

Em duas situações, aqui, falei da palavra TRANSFERÊNCIA! Pois é, esta seria uma PROPRIEDADE ENERGÉTICA, uma característica da energia.São principalmente 3 as PROPRIEDADES DA ENERGIA:- a energia se TRANSFORMA;- a energia se CONSERVA;- a energia se DISSIPA.

—– Vamos entender esse ponto cada vez melhor! Logo de cara, pense e responda, o que essas “propriedades” querem dizer?O homem, a ciência, a tecnologia, nada mais fizeram do que “domesticar”, “controlar” esse fenômeno da conservação, transformação e dissipação da energia.Obviamente, esse domínio tem ligação direta com a EFICIÊNCIA ENERGÉTICA de uma determinada tecnologia. —— Me responda novamente: como você vê a relação entre a EFICIÊNCIA ENERGÉTICA e POLUIÇÃO?

me ajudem, não sei fazer, é pra hj​

leia o texto e responda as questões​

1. A Ecologia é o ramo da Biologia que estuda as relações dos seres vivos
entre si e destes com o meio. Já a evolução consiste em:
2. O estudo voltado

para uma determinada espécie ou indivíduo, analisando,
principalmente, seu comportamento e os mecanismos adaptativos que
garantem a sua sobrevivência em determinado meio, denominamos:
3.

Corrija a seguinte afirmação: “A comunidade é o conjunto de organismos de
uma mesma espécie que vivem juntos em uma determinada área e apresentam
maiores chances de reproduzir-se entre si”.
4. O papel que uma determinada espécie exerce no local onde vive é
denominado Nicho Ecológico. Qual o significado do termo Habitat?
5. Cuidar da natureza é nossa obrigação.

Então devemos ter algumas atitudes
neste sentido, tais como:

todas as formas de poluição provocadas pelas atividades industriais podem ser revestidas? ​

????……………………….​

05- O pequi é uma árvore nativa do cerrado brasileiro, cujo fruto é muito utilizado na culinária goiana, seunome cientifico e Caryocar brasiliense. O

pequia é uma árvore típica da floresta amazônica que dá frutossemelhantes ao pequi, seu nome cientifico é Caryocar villosum.O pequi e o pequia PERTENCEM A DIFERENTES:O a. filosO b. familiasOcordensO d. espécies.​

Aprenda como a energia elétrica chega até sua casa

A humanidade sempre buscou meios de reduzir o seu esforço e aumentar o seu conforto. Para isso, foi inovando a tecnologia, começando pela roda, fogo e energia elétrica, sendo esta um grande passo para os avanços tecnológicos.

Com a eletricidade, podem-se armazenar alimentos por um bom período de tempo (geladeiras), ter conforto (aquecedores e ar-condicionado, por exemplo) e estar próximo a tudo que acontece no mundo (televisão e internet).

Então surge a pergunta: como essa tecnologia chega até a minha residência? Confira a resposta para essa questão no nosso artigo de hoje!

Como a energia elétrica é transmitida

A eletricidade é conduzida até uma residência por meio de um sistema. O processo é todo ramificado: inicia-se na geração de energia, passando por equipamentos de transmissão e distribuição por cabos, chegando aos postes e às tomadas das casas ou empresas. Conheça abaixo cada elemento que compõe uma rede elétrica.

Estação geradora

É um conjunto industrial que transforma uma energia potencial em energia elétrica. No Brasil, utiliza-se, principalmente, da energia gerada pela queda da água represada nas usinas hidrelétricas para transformá-la em eletricidade. A queda d’ água movimenta o gerador, que cria um campo magnético e energia elétrica. Em seguida, é conduzida para o sistema de transmissão.

Linhas de transmissão

São os cabos de alta tensão, sustentados por torres, que levam eletricidade por longos trajetos. A tensão tem seu valor elevado, reduzindo ainda mais as perdas energéticas.

Subestação de transmissão

É uma instalação elétrica que possui transformadores que aumentam a tensão da energia gerada. A tensão é alterada para evitar perda excessiva de energia ao longo de sua transmissão, já que parte da energia elétrica se perde sendo transformada em térmica (efeito Joule).

Subestações de distribuição

Recebem e distribuem a eletricidade. Nesta etapa, a energia passa por transformadores de tensão, agora diminuindo seu valor para seguir o percurso pela rede de distribuição, chegando à fiação dos postes.

Fiação dos postes

A energia chega aos transformadores de distribuição para baixar a tensão mais uma vez. Em seguida, passa pela fiação (aérea ou subterrânea), sendo conduzida até as indústrias ou casas.

Consumidor final

O destino final da energia elétrica são as residências e as indústrias, estando disponível para fazer funcionar máquinas, aparelhos elétricos e iluminação.

As empresas privadas são responsáveis pela distribuição energética em boa parte do país, sendo reguladas pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Entenda melhor qual o papel estratégico das distribuidoras e quais as garantias que elas têm que repassar para a população.

O papel estratégico das distribuidoras de energia elétrica

O Brasil conta com 63 concessionárias privadas e pequenas cooperativas de eletrificação rural que levam a energia para todo o país, segundo a ANEEL. Essa entidade regula toda a atividade dessas empresas, por meio de um documento chamado Procedimentos de Distribuição (Prodits).

Por este laudo, são impostas normas para que a energia chegue ao consumidor de forma eficiente e segura, garantindo que esta não falte para a população. Elas não podem estabelecer seus próprios preços, pois estão a serviço do Governo.

As revisões tarifárias e o reajuste tarifário anual (correção monetária e compartilhamento de ganhos de produtividade) são estabelecidas no documento. Em outras palavras: há uma tabela fixa desses acertos. Todos os impostos e as taxas são esclarecidas quando chega a conta de luz das casas.

As empresas também são responsáveis por garantir ao consumidor, a instalação de postes, interligando-os até as casas e indústrias. Também são elas que enviam as contas de luz, pelas quais esclarecem o que foi investido para levar a energia e o que foi consumido.

Cuidado com as falhas na distribuição

Contudo, tenha cuidado com as quedas de energia! Em algumas ocasiões, as distribuidoras não conseguem fornecer de forma contínua e eficaz a eletricidade que chega na sua casa. São os casos dos apagões que cortam o fluxo de elétrons que abastecem a rede elétrica doméstica.

A atenção maior deve estar no momento em que a eletricidade é reestabelecida. Quando volta, vem uma quantidade além do permitido, provocando surtos elétricos que podem danificar parcial e integralmente os seus eletroeletrônicos e ocasionando prejuízos.

Para maior proteção dos seus equipamentos utilize Dispositivos de Proteção contra Surtos da Clamper. Eles regulam a tensão da rede elétrica, diminuindo a quantidade de elétrons que passam pelas tomadas e evitando surtos ou descargas elétricas.

Há dispositivos que protegem sua casa em geral (instalado junto ao Quadro de Distribuição) ou colocado nas tomadas, protegendo os aparelhos por elas conectadas.

Entendeu como a energia elétrica chega na sua casa? Há todo um processo que garante a chegada da eletricidade, baseado em técnicas específicas garantidas pelas distribuidoras energéticas. Confira sempre as informações fornecidas na sua conta de luz e saiba sobre aquilo que você está pagando!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*