Como Contar Para Os Pais Que Tirou Nota Baixa?

Seu filho diz que sabe a matéria e que está tudo bem no colégio mas as notas dizem outra coisa? Ele recebeu uma nota vermelha e não sabe o que está fazendo errado? Descubra como ajudar.

Descobrindo a origem das notas vermelhas e baixo desempenho

  • Nessa época do ano, é comum que os pais descubram que seus filhos tiraram notas vermelhas ou que estão com dificuldade em alguma matéria e não sabem como melhorar.
  • Em outros casos, os pais nem sabem desses problemas até o momento em que são chamados no colégio, e a situação é muito mais grave do que esperavam.
  • Quando as crianças estão com dificuldade na escola, geralmente desenvolvem um comportamento de rejeição pelo tema ou pelo professor, perdem a motivação para estudar, e como consequência, tiram notas baixas e dificilmente conseguem superar esses obstáculos sem a ajuda dos pais ou de um professor.
  • O neurocientista Daniel Siegel e a psicoterapeuta Tina Bryson estudaram como o cérebro da criança funciona e como ele amadurece.
  • Nesse texto vou te dar dicas práticas de como se comportar quando seu filho tira notas baixas e mostrar como essa é uma oportunidade de aprendizado para ambos.
  • Também vou te explicar um dos segredos do sucesso descoberto pela professora e pesquisadora de psicologia da Universidade de Stanford Carol Dweck, que após anos de pesquisas, definiu uma forma de pensar que impacta nossa relação com o trabalho, com as pessoas e vai mudar sua maneira de educar as crianças e entender definitivamente como sucesso pode ser cultivado e alcançado.
  • Você vai descobrir como ajudar seu filho a melhorar suas notas, vai entender que as notas nem sempre são um bom referencial sobre o desempenho escolar dos alunos, e como ajudá-los a obter melhores resultados e criar um ambiente para que notas baixas não sejam um problema novamente.

Meu filho diz que sabe a matéria, mas não tira notas boas.

  1. As crianças passam pelo processo de aprendizado enquanto estão se desenvolvendo biologicamente.
  2. O cérebro ainda não está totalmente maduro e, muitas vezes, sua cognição não permite que certos comportamentos como: tomada de decisão, cálculo de riscos e responsabilidade sejam naturais como nos adultos.

  3. O fato do seu filho não se preocupar tanto com as notas vermelhas, ou não ter noção da dimensão real dos problemas é normal, ele ainda não está totalmente maduro como ser humano.
  4. A parte do nosso cérebro responsável por percepção de futuro, implicações, controle das emoções e responsabilidade é o córtex pré-frontal.

  5. Essa parte importante do nosso cérebro tem sua formação completa apenas aos 30 anos de idade como o neurocientista Daniel Siegel afirma em seu estudo sobre “O cérebro da criança”.

  6. Então, o fato de uma criança e adolescente não se preocupar com notas vermelhas e suas implicações é normal, mas isso não significa que você como pai/mãe não deva se esforçar para que ele desenvolva esse comportamento.

  7. A melhor solução é prestar atenção no seu filho, conversar e ver qual é a origem do problema, se as notas vermelhas são falta de estudo, distração, problemas de relacionamento na sala de aula (com amigos ou com o professor).

A Piva Educacional já atendeu mais de 1000 alunos e, muitas vezes, observamos que o problema não é a nota vermelha, ela é apenas um sintoma de outros problemas que o aluno está passando. A seguir teremos outras alternativas que podem te ajudar.

O estudo do cérebro e como ele funciona. Como a ciência pode ajudar seu filho.

A pesquisa desenvolvida por mais de 20 anos pela psicóloga Carol Dweck define que, a forma como encaramos situações e experiências da vida, denominada por ela de Mindset, é crucial para o nosso sucesso. Durante anos de pesquisas ela testou crianças e estudantes de todas as idades e concluiu que existem dois principais tipos: o mindset de crescimento e o mindset fixo.

Como Contar Para Os Pais Que Tirou Nota Baixa?

  • Ao testar o conhecimento de crianças com jogos de raciocínio e quebra-cabeças, ela observou seus comportamentos, estratégias, pensamentos e sensações, e concluiu que existiam dois grupos distintos: um grupo se esforçava e ficava obstinado com a resolução, e mesmo não concluindo o jogo, apreciavam o esforço de tentar e, algumas vezes, conseguiam encontrar a solução.
  • O outro grupo de crianças não se esforçava tanto e logo concluíam que não conseguiriam terminar o jogo e desistiram.
  • O mesmo jogo foi apresentado aos dois grupos, a mesma proposta de resolver e comportamentos tão diferentes diante desse desafio.
  • Esse grupo de crianças foi acompanhado pelos psicólogos e pesquisadores por anos e o fato curioso observado foi que, o mesmo comportamento com os jogos e desafios foi replicado para a vida adulta.
  • O grupo que encarou os desafios e se esforçou mais para resolver obteve mais sucesso, estavam mais felizes e realizados na vida.
  • E o grupo de crianças que assumiu que não conseguiram resolver os jogos e desistiram de tentar, tornaram-se adultos com menos sucesso na carreira e na vida em comparação com o primeiro grupo.

Mas o que isso tem a ver com a nota do meu filho?

Estudar para uma prova, principalmente de uma matéria que você não gosta muito ou tem uma certa dificuldade é um desafio enorme para as crianças.

E, o que podemos aplicar dos resultados das pesquisas sobre os diferentes tipos de mindset é que devemos valorizar o esforço dos alunos.

Um aviso importante precisa ser dito. Pais, levem em consideração o fato de que você é uma pessoa diferente do seu filho e vivendo desafios em épocas diferentes.

Se você foi um bom aluno na sua época, isso é muito bom, mas não quer dizer que seu filho tenha obrigação de ser um bom aluno hoje.

São épocas diferentes e momentos de vida diferentes, seu filho não vai saber como era ser uma criança 30 anos atrás, assim como você não sabe como é ser uma criança hoje.

Empatia, seres humanos diferentes, gerações diferentes, se colocar no lugar do filho

Como Contar Para Os Pais Que Tirou Nota Baixa?

  1. Mesmo que a nota não seja boa, valorize o esforço do seu filho em estudar (quando realmente estudou).
  2. Incentive seus filhos a se esforçarem nessas matérias e, independente do resultado, quando eles se esforçarem, reforce o fato dele estar aprendendo e se desenvolvendo sempre.
  3. Uma coisa muito importante para incentivar seu filho nos estudos é comemorar as pequenas vitórias!

Se seu filho só tirava 2 e passou a tirar 4, ele melhorou 200%.Comemore e valorize o esforço, reforce a ideia de que ele está no caminho certo.

Saiba que as habilidades intelectuais podem ser cultivadas por meio do esforço, independente da idade.

Incentivar que seu filho desenvolva habilidades os torna pessoas mais preparadas e, consequentemente, mais inteligentes e propensas ao sucesso.

No livro “Mindset: a nova psicologia para o sucesso”. Carol S Dweck reuniu anos de pesquisas, um conteúdo muito esclarecedor para todos com desejo de desenvolver habilidades: profissionais, pais e educadores.

As notas nem sempre são um indicativo de que seu filho está mal no colégio

  • É muito importante conversar com seu filho abertamente e com calma para entender o problema (eu sei, às vezes é difícil).
  • Vamos te dar algumas orientações sobre possíveis causas desse problema, mas a conversa é o momento ideal para VOCÊ entender a situação do SEU filho.
  • As notas não refletem conhecimento, elas apenas testam os alunos em um momento específico.
  • Muitas coisas podem acontecer, a criança pode não ter dormido bem, estava nervosa e não compreendeu o conteúdo como deveria, entre muitos outros fatores.
  • A pesquisadora da Universidade da Pensilvânia, Angela Duckworth, e também economista que leciona matemática para crianças do 7º ano, observou que as crianças que tiravam as maiores notas, nem sempre eram os melhores alunos ou tinham o QI mais elevado.
  • Erros são uma parte importante do aprendizado, como revela a especialista em educação Jo Boiler, ela analisou a atividade cerebral de alunos estudando e percebeu que quando o aluno comete erros e percebe há um pico na atividade cerebral; quando a criança consegue resolver esse erro sozinha, um novo e mais intenso pico de atividade cerebral é alcançado.
  • Nesses momentos, a capacidade neural da criança está se expandindo, ela está criando novos caminhos e conexões, e o mais importante, aprendendo.
  • Tente identificar qual é a matéria que o seu filho está com dificuldades ou tirou uma nota ruim.
  • Verifique se é um caso isolado, se a dificuldade é em apenas uma matéria, ou se ele está com dificuldades em outras também.

Pergunte sobre a matéria, a aula, o professor. Investigue se seu filho consegue explicar brevemente o conteúdo (mesmo que tenha tirado uma nota ruim). Algumas causas possíveis podem ser:

  1. Nervosismo durante a prova
  2. Não entendeu a matéria
  3. Faltou estudar mais (ou melhor) o conteúdo
Leia também:  Como Acabar Com Janelas Que Abrem Sozinhas?

Calma que vamos te ajudar em cada uma dessas situações.

Caso 1: Nervosismo durante a prova

  1. Como as crianças estão desenvolvendo habilidades e testando seus conhecimentos no momento da prova, muitas podem sentir que, se não tiverem uma nota boa, são burros e não conseguem.

  2. Esse é um comportamento voltado ao mindset fixo, caso você identifique esse comportamento incentive seu filho a tentar algo novo, estudar com antecedência, corrigir a prova e aprender com os próprios erros, fazer exercícios e corrigi-los.
  3. O fato dele se preparar antecipadamente para a prova vai ajudar muito a diminuir o nervosismo em errar e não saber responder.

  4. Quando você, pai e mãe sabe com antecedência qual será o assunto da reunião/conversa com outras pessoas deve se sentir mais calmo e preparado.
  5. Aqui na Piva Educacional desenvolvemos um planner mensal com alunos e, também indicamos um cronograma semanal de atividades.
  6. Isso ajuda o aluno a se preparar para as provas com antecedência e não ficar tão nervoso.

As crianças precisam entender que o conhecimento é adquirido com o tempo e o esforço, estudando e praticando, e que tudo faz parte de um processo. Como já ouvimos muitas vezes “É errando que se aprende”.

  • As provas precisam ser encaradas como uma viagem, necessita de preparação, e o que você leva na mala é o conhecimento, precisa saber tudo o que vai precisar.
  • Você pode fazer reflexões sobre o tema da prova com seu filho, simular possibilidades e se perguntarem “O que cairia nessa prova se você fosse o professor?”
  • É uma boa forma de testar se seu filho realmente compreendeu o que estudou e é capaz de refletir sobre o tema.

Caso 2: Compreensão do conteúdo: alguns conteúdos levam tempo para serem ensinados

Nota não é tudo!A busca pela nota mais alta não pode ser o objetivo principal do seu filho.

  1. Ele precisa entender que a nota é um indicativo, e se a nota não está muito boa ele precisa se esforçar mais para compreender o conteúdo melhor e, como no caso de alguns dos nossos alunos, se ele sabe o conteúdo mas não consegue expressar na hora da prova, ele precisa praticar.
  2. O que a pesquisadora Carol Dweck observou em crianças que recebiam uma nota “Ainda não foi dessa vez” elas se esforçaram para melhorar.
  3. Em contrapartida, crianças que recebiam notas numéricas simples, sendo boas ou ruins, elas simplesmente aceitavam o resultado.
  4. Profissionais, atletas, cantores, entendem que conhecimento leva tempo para ser adquirido e precisamos testar, ver o que estamos acertando e o que estamos errando.
  5. Ter paciência, concentração no que está fazendo, compreender o processo, persistir diante dos desafios para alcançar bons resultados.
  6. Se filho provavelmente vai receber alguns “nãos” na vida e, se ele começar a encará-los como “Ainda não foi dessa vez” ele poderá se esforçar mais, provavelmente desenvolverá habilidades, e estará mais preparado para o que a vida reserva.                                                                                                        

Caso 3: Como estabelecer uma rotina de estudos

Como já foi dito anteriormente, o conhecimento leva tempo e requer esforço para ser adquirido. Ter uma rotina de estudos ajuda o seu cérebro a lembrar de todas as informações e exercita as conexões entre os temas.

Entre tantos alunos atendidos, um fator decisivo nos alunos com bom desempenho é um planejamento de estudos semanal e mensal.

De acordo com a idade e as atividades extras que a criança participa, ela precisa reservar momentos diários para estudar: rever o conteúdo visto em sala de aula no dia e se preparar para provas futuras.

Escreva todas as atividades das quais seu filho participa, não se esqueça dos dias e horários. Separe por dias da semana e preencha as lacunas, nesse planejamento semanal, coloque também o tempo de revisão da matéria do dia e um período de estudo específico de cada matéria, distribuindo esse segundo nos dias da semana.

Faça junto com ele, em um momento reservado onde sua atenção estará direcionada a isso.

Crianças e adolescentes precisam de planejamento e rotina, pode não ser fácil, mas é necessário.

A prática de exercícios também é muito importante. Os exercícios são pontos de atenção para sabermos quais são os pontos principais do conteúdo e, se não conseguimos resolvê-los, esse ponto da matéria precisa ser melhor trabalhado.

Uma nova explicação, um vídeo explicativo ou uma aula particular podem ajudar seu filho a compreender o conteúdo por completo.

Se esse texto te deu pelo menos um insight sobre como ajudar seu filho quando ele tira notas vermelhas ou está com alguma dificuldade no colégio, você vai adorar o conteúdo dessevídeo em que o professor Bruno Piva fala sobre os pilares da educação e como ajudar os alunos a acabar definitivamente com o problema de notas baixas.

Se você quer mais dicas ou tem alguma sugestão deixe nos comentários. Esperamos que com essas dicas de educação você possa ajudar seu filho e essa nota vermelha se torne um marco de “ainda não foi dessa vez” e ele tenha muito sucesso nos estudos.

Notas baixas: 5 razões para acontecer

Flares Twitter 0 Facebook 0 Flares ×

Como Contar Para Os Pais Que Tirou Nota Baixa?

Uma das situações que mais assustam pais e mães que têm filhos em idade escolar são as notas baixas. Seu filho ir mal em uma prova ou outra, é relativamente normal, visto que ele vai enfrentar muitos conteúdos novos e o erro faz parte do aprendizado. O problema acontece quando as notas baixas se tornam uma rotina relativamente comum na vida da criança.

A melhor maneira de controlar essa situação é compreender o que está levando seu filho a manter as notas baixas. Neste artigo, listamos algumas situações que podem fazer isso acontecer.

1. Seu filho está com dificuldade de compreender a matéria

O motivo mais comum do aparecimento das notas baixas no boletim do seu filho é a dificuldade de compreender uma determinada matéria.

Isso pode acontecer porque ele não vem prestando atenção na aula, porque não criou uma rotina de estudos diárias — especialmente dos temas com os quais ele não é familiarizado — ou até mesmo porque não se adequou à didática aplicada pelo professor.

Para saber qual é o real motivo da dificuldade, é importante investigar e entender o que pode estar acontecendo.

2. Problemas psicológicos e sociais também podem levar a notas baixas

O estado emocional da criança pode influenciar bastante no resultado de suas notas no colégio. Se ele vem enfrentando problemas psicológicos, como um quadro de estresse ou ansiedade, ou até mesmo vem tendo dificuldades de se socializar no colégio, essas situações podem refletir em notas mais baixas nos trabalhos e provas que a escola aplica.

Peça a ajuda dos professores para identificar esses sintomas na rotina da criança e fique atento em casa com o comportamento do seu filho.Como Contar Para Os Pais Que Tirou Nota Baixa?

3. Pais que brigam em casa também podem influenciar na nota

Os pais também podem ser responsáveis por uma nota relativamente mais baixa da criança no colégio. Filhos geralmente absorvem muito o clima da casa e refletem, no seu dia a dia, as consequências dessa percepção.

Por isso, se vocês vêm brigando muito em casa, ou na presença das crianças — caso já sejam separados — saibam que elas podem perceber o que está ocorrendo e deixar essa angústia se refletir no ambiente escolar, com as notas baixas como uma de suas consequências.

Fique atento para evitar que esses problemas prejudiquem a qualidade de estudo e desenvolvimento do seu filho e, dessa maneira, influencie positivamente nos bons resultados na rotina escolar.

4. A dificuldade de aprendizado pode ser um dos sintomas da DDAH

Crianças que vem apresentando notas ruins no colégio, podem não ter problemas em casa, prestar atenção na aula e até mesmo ter criado o hábito de estudo em casa. Se esse é o perfil do seu filho, muito provavelmente as notas baixas podem ter como principal causa um quadro de déficit de atenção (DDAH), uma doença que é diagnosticada ainda na infância e que atinge muitas crianças.

A DDAH tem tratamento, mas para isso ela precisa ser diagnosticada de maneira precoce na criança. Por isso, se você desconfia de algum sintoma dessa condição na rotina do seu filho, ou se os professores o orientaram sobre sinais que seu filho pode estar manifestando, procure ajuda profissional imediatamente e trate essa condição.

Leia também:  Como É Que Os Dinossauros Morreram?

5. A má alimentação e vida pouco saudável influenciam nas notas

Seu filho tem se alimentado bem em casa? Ele pratica atividades físicas e leva uma vida saudável? Se você hesitou ao responder alguma dessas perguntas, saiba que a rotina irregular e pouco saudável da criança pode levá-la a ter dificuldades de concentração e compreensão na sala de aula, o que pode resultar em notas baixas ao longo do ano.

Por isso, que tal regularizar a saúde do seu filho e sua rotina dentro e fora do ambiente escolar? Os resultados serão imediatos, você vai ver!

Esses são apenas alguns dos motivos para seu filho ter notas baixas. Você tem enfrentado esse problema em casa? Compartilhe com a gente suas experiências!

Especialista ensina o que fazer quando seu filho tira nota baixa na escola – Pais&Filhos

Como Contar Para Os Pais Que Tirou Nota Baixa?Hora de arrumar o material! (Foto: Guetty Images)

Um dos principais problemas em casa depois que a escola entra na vida dos filhos são as notas e de acordo com a pesquisa mais recente do PISA, Programme For International Student Assessment, os alunos brasileiros têm um desempenho mais baixo em ciências, literatura e matemática.

É normal que os pais fiquem preocupados com o desempenho dos seus filhos, mas a verdade é que no caso de uma única nota ruim, não há porque entrar em pânico.

A questão é que uma reação negativa da sua parte pode desanimar seu filho, já que ele realmente se esforçou ao ponto de ter boas notas em quase todas as matérias.

O fundamental é que você mantenha seu foco em elogiar as boas notas e valorizar o esforço que foi colocado para alcançar esse resultado. Quanto à nota baixa, basta perguntar qual o plano para melhorar esta nota na próxima prova.

Por isso, resolvemos separar algumas dicas que como você pode lidar com as notas baixas do seu filho e ajudá-lo a melhorar os resultados!

Vale lembrar que ir bem na escola não signfica, apenas, ter boas notas. Vários fatores podem interferir no resultado, por exemplo, o nervosismo, falta de atenção, etc. Por isso, é muito importante criar um laço de confiança e um diálogo aberto para entender qual o problema que está sendo o motivo principal das notas baixas.

Para lidar com o baixo rendimento escolar sem gerar brigas, é importante que exista esse vínculo para as duas partes, você e seu filho, poderem expor seus sentimentos e se sentir a vontade em criar um plano de ação juntos.

Se o problema for falta de organização, você tem que lembrá-lo que o responsável por estudar e tirar boas notas é seu filho, Deixe claro que ele pode – e deve – solicitar ajuda quando precisar, mas é ele quem vai ter que mudar algumas atitudes para que a situação não se repita. Seu papel como responsável é fundamental: guiando, apoiando, mostrando que acredita, estabelecendo e fazendo cumprir algumas regras. Mas nada disso vai adiantar caso seu filho não mude também.

Como Contar Para Os Pais Que Tirou Nota Baixa?(Foto: Getty Images)

A melhor maneira de conseguir isso é solicitar que ele faça uma lista das causas que podem ter gerado esse resultado. Lembre-se de não tratar cada matéria ou prova de forma isolada.

Por exemplo, ele não deve pensar sobre o porquê de ter tirado 4,0 em Geografia, 5,0 em Ciências e 4,8 em Língua Portuguesa. A resposta que você quer dele é uma ideia do que pode ter causado tantas notas baixas.

Se o seu filho ainda for muito novo, você pode fazer uma média de todas as notas e o foco será neste número, para facilitar o entendimento.

Quando recorrer ao reforço escolar?

Se a criança continuar com dificuldades ou se a escola não oferecer meios de recuperação, uma alternativa é procurar aulas particulares. “O reforço pode ajudar o aluno a dominar o assunto que não foi captado e nivelar seu conhecimento com o da turma”, indica Joecimara Miquelino Alves, mãe de Amanda e psicopedagoga da Uniderp.

Além das notas, o apoio escolar também é importante na construção da confiança dos pequenos. “A melhoria da autoestima da criança é um fator fundamental para uma vida harmônica e bem-sucedida no contexto escolar”, confirma Lucienne, mãe de Rafaelle, Guilherme e Gustavo e psicopedagoga consultora educacional da Rede Cristã e da Rede Pitágoras.

  • Veja 19 dicas que vão ajudar no desenvolvimento escolar do seu filho | Pais&Filhos
  • 10 dicas para educar um filho responsável
  • Escolha da primeira escola: saiba no que prestar atenção

Nota Vermelha

As férias escolares acabam, porém boa parcela dos  alunos retornam com toda energia e disposição  para continuarem “ brincando de estudar”. Para esses alunos a Escola são férias eternas, o boletim escolar sempre decorado de notas vermelhas, mas afinal , eles dizem: “ e eu com isso? “ .  Parodiando os próprios alunos, agora é o momento em que  a “ chapa começa a esquentar” !!

“ Professor não posso repetir de ano!! “ , “ Professor, você não pode me reprovar !?” Pois é, está é a grande preocupação que começa a rondar a cabeça de muitos jovens.  Afinal, se ele reprovar, como vai ser ficar sem aquela viagem que o pai prometeu? E aquele novo computador ? Pior ainda, o mico da “ galera” na série seguinte, e ele sendo o “ único” que ficou para trás ? Isso nem pensar !

Logo você começará a ser assediado nos corredores por alunos que vão querer saber se estão de recuperação, se ficarão de exame, se irão “ passar de ano” ou não.

Toma que o Filho é teu:

É muito comum logo após o término da prova, o aluno já ficar rodeando o Professor para saber que nota ele tirou na prova. Na cabeça desse aluno existe uma dicotomia que é preciso que o Professor compreenda.  Quando o aluno alcança nota 10 na prova, foi ele quem conquistou, no entanto quando ele tira uma nota vermelha foi o Professor que subtraiu a nota dele.

A nota em si, para muitos alunos,  é uma medida que apenas atesta a promoção no final do ano, tem apenas esta serventia. Serve para a Escola mudar ele de série, e serve para os Pais como uma confirmação de que podem comprar o presente dele, pois ele passou de ano.

Quando o aluno está com o boletim escolar cheio de notas baixas, a responsabilidade das mesmas é atribuída ao Professor, ou seja, as notas estão daquela forma porque o Professor “ deu” nota vermelha na prova, assim sendo, a fonte das notas vermelhas é uma só: o Professor.

Tanto os Pais quanto os Alunos precisam compreender que na vida os únicos responsáveis pelas nossas conquistas, nossas falhas e nossos erros, somos nós mesmos.

Se um dia pedirem para eu cantar uma música, com certeza receberei nota zero, deverei culpar a letra da música? A pessoa que escreveu a letra? Ou deverei refletir, se antes de aceitar cantar a música, quais conhecimentos prévios deverei ter que possibilitarão que eu seja bem sucedida nesta tarefa? O que precisarei? Aulas de canto? Durante quanto tempo? E por aí vai.

Na Prova de Física, Matemática, Língua Portuguesa, ou outra disciplina, segue o mesmo princípio, durante certo período de tempo o aluno estará em contato com novos aprendizados, situações problema, estudos de caso e então no momento da prova deverá demonstrar até onde compreendeu esses novos conceitos e como interage com eles em novas situações. O Professor quer saber qual é o grau e profundidade de competência  que o aluno adquiriu naquele novo aprendizado e qual a sua performance.

Assim, se eventualmente ocorrer a nota vermelha, esta não está medindo quem elaborou a prova, também não está medindo a prova em si, não mede a escola, e não mede o livro didático. A prova tenta medir unicamente o quanto o Aluno aprendeu e como ele performa em uma dada situação.

O que a Indisciplina tem a ver com isso?

Quando ministramos uma aula nosso objetivo é que os alunos fiquem focados na tarefa, porém o que ocorre  é que eles estão focado em outras coisas, outras “ tarefas”.

Você tem de admitir: conversar é uma tarefa, provocar o colega também é uma “ tarefa” o qual muitos alunos se aplicam em desempenhar.

  Essas tarefas porém contribuem para o aparecimento da indisciplina na sala de aula e desestabilizam o ambiente.

O aluno que ocupa-se com este tipo de “ tarefa” desperdiça o tempo e sem se dar conta, subtrai de si mesmo o aprendizado que poderia ter e consequentemente a própria nota.

Leia também:  Como É Que A Tecnologia Mudou As Nossas Vidas?

Então chega o dia de informar as notas, e muitos alunos e pais não se conformam com os resultados. Querem explicações do Professor. Exigem reunião de última hora, apontam o dedo na cara, ameaçam , vociferam, querem justificativas, querem que a nota seja alterada.

Pois bem, está na hora de inverter esta situação ! De hoje em diante quando Pais ou Alunos chegarem até você exigindo explicações de notas vermelhas faça as seguintes perguntas para eles:

  • – O que faz um aluno tirar 10 ?
  • – Então seria verdadeiro afirmar que fazer o oposto disso faria o aluno   tirar nota vermelha ?
  • – Enumere para a mãe  um conjunto de situações negativas, selecione aquelas em que o filho dela se enquadra, por exemplo: conversar demais, não trazer lições, não trazer os materiais para as aulas, desrespeitar Professor e colegas, etc, etc, e peça para ela dizer se cada uma daquelas situações ajudam o aluno a alcançar nota azul ou nota vermelha ?
  • – Faça  o aluno previamente preencher esses mesmos itens em formato de auto avaliação e entregue para a mãe quando a mesma vier pedir explicações
  • – Entregue a Ficha de Auto Avaliação do Aluno e diga: Pedi as mesmas explicações para seu filho, espero que ele lhe responda porque tratou com tanto descaso o meu trabalho, fez tão pouco por si mesmo, e ainda submeteu a senhora a esta situação.

No próximo artigo revelarei como a nota azul  é  construída, você conhecerá o segredo que utilizo em todas as Reuniões de Pais e quais os argumentos  que utilizo para refutar os pais inconformados com a nota vermelha.

Notas baixas na escola: como resolver em 5 passos!

Quem tem filho sabe que paternidade e maternidade são um tremendo desafio. Cuidar de uma criança, dar educação, lidar com suas notas baixas na escola, são tarefas que podem ser muito difíceis. Até mesmo aqueles com “certa experiência” devem admitir que esse é um desafio para poucos.

Uma das fases que mais assusta os pais é a da escola. Nesse período, além da quantidade gigantesca de descobertas pelas quais as crianças passam (e os inúmeros problemas advindos delas), um tema em específico gera bastante preocupação: as notas escolares. Afinal, o que fazer quando o seu aluno não está indo bem nas disciplinas e vem tirando notas baixas na escola?

O que fazer com notas baixas na escola?

Este artigo tem como propósito apresentar um guia simples sobre como proceder nesses casos. As dicas iniciais, na verdade, poderiam ser:

  • Não se desespere; e
  • Siga os passos abaixo

Se você fizer isso, é bem provável que você consiga resolver o problema de notas baixas na escola do seu filho de uma maneira mais fácil do que você imaginava. Porém, é claro que isso vai depender de cada caso. De qualquer jeito, os passos a seguir certamente poderão ajudá-lo a lidar da melhor forma possível com essa situação.

Converse com seu filho(a)

O primeiro passo para lidar com essa situação é conversar diretamente com o seu filho ou filha. Conversar, não dar bronca. Sabe por quê? Porque notas baixas nem sempre estão relacionadas com mal comportamento ou qualquer problema que a criança consiga controlar.

Não é raro encontrar crianças que sofrem de problemas de visão, como miopia (dificuldade de enxergar à distância), e vivem com essa condição sem tratamento durante toda a infância. No final das contas, as notas baixas se dão pelo simples fato de que a criança não consegue enxergar o conteúdo que está sendo passado em sala de aula.

E não dá para culpar a criança nesses casos. Algumas podem não entender e nem saber que esse tipo de problema existe. Elas podem achar que é “simplesmente assim” e que elas terão que se acostumar. É óbvio que isso não é verdade e o problema tem solução – que é bem simples, diga-se de passagem.

Também há outros fatores que podem estar prejudicando as notas do seu filho e que podem ser revelados em uma boa conversa com ele. Casos de bullying ou dificuldades em disciplinas específicas são bons exemplos. Porém, há situações em que a conversa com o seu filho ou filha não traz os resultados esperados. Por isso, é preciso partir para o próximo passo.

Converse com os professores

O professor precisa ser o seu melhor amigo quando o assunto é desempenho escolar dos seus filhos. Afinal, é ele o responsável por transmitir o conhecimento pelo qual os alunos serão avaliados. Se a partir da conversa com os eles não foi possível obter pistas de qual é o problema com as notas baixas, é bem provável que os tutores tenham alguma informação extra.

Quando o problema é mal comportamento, falta de atenção ou condições semelhantes, é bem provável que os pais sejam informados antes mesmo de as notas baixas surgirem. Porém, há dificuldades que não são tão visíveis como essas que geralmente são levadas aos responsáveis.

Um caso bem comum é a dificuldade do aluno em uma disciplina específica. Se o seu filho se dá bem em várias matérias, mas tem um desempenho ruim em outras, é provável que ele esteja com problemas para absorver o conteúdo daqueles professores. Uma conversa com os tutores pode ajudar a resolver o problema, mas essa nem sempre é a solução. Às vezes é preciso recorrer a métodos alternativos.

Estude formas de ajudar seu filho(a)

Quando as informações compartilhadas pelo professor revelam que não é possível resolver a questão em sala de aula, é preciso trazer o problema de volta para casa. Diante do exposto, os pais possuem algumas alternativas:

  • Acompanhar de perto as lições e ensinos dos professores nas matérias em que o aluno tem dificuldade
  • Oferecer aulas de reforço em disciplinas específicas
  • Organizar encontro de estudos em grupo, favorecendo o aprendizado mútuo

Essa são apenas algumas alternativas que podem ajudar o seu filho a lidar com as notas baixas na escola. Há muitos outros métodos que podem auxiliar nesse sentido. Tudo vai depender da sua disposição e vontade de resolver essa questão que deveria ser de extrema importância.

Incentive seu filho(a)

Os três primeiros passos desse guia são mais práticos e certamente já servem para resolver boa parte dos casos. Porém, utilizar os passos 4 e 5 podem ajudar a enfrentar novas ocorrências de notas baixas na educação dos filhos.

O 4º passo é incentivar o filho na busca pelo conhecimento. Estimule o hábito da leitura e lembre-o constantemente de como isso é importante para o seu desenvolvimento e futuro.

Os pais também podem ajudar os filhos a buscarem novas formas de entretenimento.

Em vez de ficar grudado no computador, tablet, smartphones ou videogames, os alunos podem buscar atividades que estimulem o raciocínio, criatividade e aspectos sociais, como recreações em grupo, esportes e outras atividades.

Lembre-se de sempre propor desafios compatíveis com a idade do seu filho. De nada adianta colocá-lo em uma série de atividades extracurriculares se ele não for dar conta de cada uma delas.

Invista no seu filho(a)

Por fim, o 5º passo (complementar ao 4º) é a necessidade de investir na educação do seu filho. Não tenha receio de comprar livros e materiais didáticos, inscrevê-lo em cursos de idiomas, informática ou algum tipo de arte, e até mesmo aulas de um determinado esporte. Você pode até pensar no custo monetário dessas atividades, mas o retorno futuro certamente irá compensar qualquer gasto do passado.

Pense no seu filho como um importante ativo no qual você está investindo.

Guardadas as devidas proporções (afinal, estamos falando de um ser humano), todo investimento que você fizer nele vai trazer um benefício mais para frente, mesmo que você não consiga enxergá-lo.

O investimento no seu filho pode resultar em um melhor desempenho escolar (e melhores notas), uma carreira mais promissora, maior reconhecimento profissional e, acima de tudo, maior felicidade para ele.

Portanto, tenha em mente que as notas baixas do seu filho são responsabilidades sua, pais e responsáveis. É seu dever se preocupar com o desempenho escolar desses alunos e garantir que eles tenham amplo espaço e oportunidades para se desenvolver.

E você, tem mais alguma dica que poderia ajudar pais que estão “sofrendo” com filhos e suas notas baixas? Deixe o comentário logo abaixo compartilhando suas dicas! E se você quiser saber como a I Do Code pode ajudar no desenvolvimento de habilidades essenciais, como raciocínio lógico e matemático, entre em contato em contato com a gente. Aguardamos a sua mensagem!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*