Como Calcular Quanto Recebo Por Dia?

A regra “padrão” é a do pagamento de um salário integral relativo a 30 dias de trabalho, independente de variações no número de dias de cada mês. Entretanto, não é sempre assim. Você sabe calcular salário proporcional?

Existem diferentes situações em que o pagamento de um salário proporcional se aplica. É o caso de alguns recém-contratados e, eventualmente, em razão de um cálculo que faz parte do processo de rescisão contratual.

Continue a leitura do post para entender melhor essas situações e descobrir como calcular pagamento proporcional!

O que é salário proporcional

Antes de aprender como calcular salário proporcional, você precisa entender bem do que estamos falando. Uma boa forma de fazer isso é por meio de uma comparação com o salário integral.

Para tanto, recorremos ao artigo 64 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). O texto indica que “o salário-hora normal, no caso de empregado mensalista, será obtido dividindo-se o salário mensal correspondente à duração do trabalho, a que se refere o art. 58, por 30 (trinta) vezes o número de horas dessa duração.

  • Parágrafo único – Sendo o número de dias inferior a 30 (trinta), adotar-se-á para o cálculo, em lugar desse número, o de dias de trabalho por mês”.
  • Tudo isso quer dizer que, para o trabalhador mensalista, o cálculo do salário sempre vai considerar o mês comercial de 30 dias, ainda que estejamos falando de fevereiro ― com seus 28 ou 29 em anos bissextos ― e de meses com 31 dias.
  • Ainda com base na interpretação do texto legal, o que foge à regra são situações em que o funcionário trabalhou menos de 30 dias no mês, o que demanda que o Departamento Pessoal (DP) saiba calcular salário proporcional.

Assim sendo, o salário proporcional é aquele que corresponde ao número de dias trabalhados quando estes somam menos do que 30 dias. Algo que nos leva à necessidade de fazer o cálculo do salário por dia.

Situações em que se calcula o salário proporcional

Calcular salário proporcional é algo que deve ser feito em situações específicas em se tratando do trabalhador mensalista. Na prática, trata-se de algo muito parecido àquilo o que o DP já faz para definir os valores devidos ao trabalhador diarista.

Existem quatro situações em que o cálculo de salário parcial ou proporcional se faz necessário. São elas:

  1. admissão ― quando o funcionário é admitido no “meio do mês” e, portanto, não tem direito ao salário integral referente ao mês de sua contratação;
  2. demissão ― quando o funcionário é demitido também no “meio do mês”, tendo direito a receber o valor proporcional pelos dias trabalhados desde o último pagamento de salário;
  3. início do período de afastamento ― quando o funcionário é afastado do trabalho e tem direito a receber proporcionalmente pelos dias trabalhados;
  4. retorno após o fim do período de afastamento ― quando o funcionário retorna às suas atividades e também tem o direito a receber proporcionalmente pelos dias trabalhados no mês.

A seguir, veremos como o calcular salário proporcional para aplicá-lo a qualquer uma dessas situações.

O cálculo do salário proporcional

A verdade é que calcular salário proporcional não é muito difícil. Apesar disso, a tarefa está sujeita a erros porque há uma questão importante que precisa ser observada.

Quando falamos de salário integral ― e o texto da CLT a respeito já foi destacado e comentado ―, entendemos que o cálculo do valor devido em uma situação comum considera sempre 30 dias de trabalho.

Com isso, é possível inferir que, para calcular o salário proporcional, basta dividir o valor total por 30 e, então, multiplicar essa quantia pelo número de dias trabalhados em cada caso. Entretanto, não é sempre assim!

O cálculo do salário proporcional deve observar o número de dias do mês em questão ao invés de seguir a referência do uso do mês comercial de 30 dias. Acompanhe!

Mês com 28 dias

Suponhamos que Jonas tenha sido contratado pela sua empresa no dia 10 de fevereiro de um ano comum, ou seja, em que o mês tem 28 dias. Seu salário normal é de R$ 1.820.

  1. Já que Jonas não trabalhou durante todo o mês de fevereiro, o DP deve calcular o salário proporcional considerando o total de dias em que o funcionário de fato atuou: 19 dias. O cálculo do valor devido é feito da seguinte forma:
  2. (Salário normal / 28) x número de dias trabalhados =(R$ 1.820/28 ) x 19 =R$ 65 x 19 =
  3. R$ 1.235(valor devido a Jonas)

Perceba que a ideia a ser seguida é a mesma para as outras três situações em que é necessário calcular salário proporcional. Basta contar o número de dias até a demissão ou trabalhados antes e depois do afastamento do funcionário.

Mês com 29 dias (bissexto)

Agora, dando sequência aos exemplos, vamos ao caso de Marcela, uma funcionária que foi demitida pela empresa no dia 12 de fevereiro de um ano bissexto. Seu salário normal é de R$ 1.885.

Assim como no caso anterior, Marcela não trabalhou durante todo o mês em que foi admitida. Por isso, cabe ao DP fazer o cálculo do salário proporcional seguindo a fórmula que você já conhece. A saber, ao todo Marcela atuou por 12 dias. Veja:

  • (R$ 1.885/29) x 12 =R$ 65 x 12 =
  • R$ 780(valor devido à Marcela)
  • Note que, neste exemplo, o valor devido à Marcela correspondente ao salário proporcional é o seu saldo de salário, verba que compõe o cálculo do acerto trabalhista.

Mês com 31 dias

Para fechar os exemplos, vamos à história de Tiago, um funcionário que havia sido afastado de suas atividades e retornou à empresa no dia 13 de agosto. Seu salário normal é R$ 1.860.

A essa altura, você provavelmente já entende bem o que precisa ser feito para calcular salário proporcional. É preciso considerar o número de dias trabalhados por Tiago em agosto, 19, para descobrir quanto a empresa deve a ele. Acompanhe:

  1. (R$ 1.860/31) x 19 =R$ 60 x 19 =
  2. R$ 1.140(valor devido a Tiago)
  3. Novamente, vale dizer que a fórmula seria a mesma caso estivéssemos calculando o valor devido a Tiago pelo período que ele trabalhou no mês antes de ser afastado de suas atividades.
  4. Mostramos exemplos para meses com diferentes números de dia apenas para deixar claro que essa é uma variável importante para calcular salário proporcional.

Como você deve ter percebido, a contagem de dias trabalhados inclui sábados, domingos e eventuais feriados. Isso porque, para calcular o salário de um trabalhador mensalista, o DP não deve considerar apenas os dias úteis ou de atividade na empresa.

Por fim, destacamos que o cálculo do salário proporcional pode acrescentar outras variáveis como a realização de horas extras ou a contabilização de faltas não justificadas por parte do funcionário. Possibilidades que exigem mais atenção.

Salário proporcional e controle de jornada

Anteriormente, apresentamos a legislação que trata sobre o salário-hora normal. O texto faz referência ao artigo 58 da CLT que merece destaque por ter como tema, entre outras questões, a duração normal do trabalho e o pagamento de horas extras.

Segundo o artigo, “a duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de 8 (oito) horas diárias, desde que não seja fixado expressamente outro limite”.

Além disso, o referido artigo também determina que “as horas suplementares à duração do trabalho semanal normal serão pagas com o acréscimo de 50% (cinquenta por cento) sobre o salário-hora normal”.

Com destaque para a questão do pagamento pelas horas extras realizadas, há uma observação importante a ser feita quanto o cálculo do salário proporcional. Nas situações em que a proporcionalidade se aplica, o valor definido para os dias de trabalho também implica na jornada extraordinária e em eventuais faltas não justificadas. Vamos a um exemplo.

Como Calcular Quanto Recebo Por Dia?

Voltemos ao caso de Jonas, primeiro exemplo que apresentamos neste post. O funcionário foi contratado pela empresa em 10 de fevereiro de um ano comum e seu salário normal é R$ 1.820.

  • Salário proporcional com horas extras

A lei define que a jornada diária máxima, salvo em casos de exceção, e de 8 horas. Além disso, o trabalhador pode realizar até 2 horas extras por dia. Então, suponhamos que a jornada de trabalho de Jonas seja de 8 h e que durante cinco dias do mês ele realizou 1 hora extraordinária diurna.

Para calcular hora extra, devemos seguir a seguinte fórmula: Valor da hora normal + 50% = valor mínimo da hora extra. É preciso, portanto, determinar qual é o valor da hora de trabalho de Jonas.

  • Esse valor é determinado com base no salário e na jornada mensal normal que corresponde a 220 horas. Sendo assim:
  • Salário normal / 220 h = Valor da hora normalR$ 1.820/220 =
  • R$ 8,28(valor da hora normal de Jonas)
  • Com isso, podemos calcular o valor devido pelas horas extras que o funcionário realizou em fevereiro, dando sequência ao exemplo:
  • Valor da hora normal + 50% = valor mínimo da hora extraR$ 8,28 + 50% =R$ 12,42
  • (valor da hora extra de Jonas)
  • R$ 12,42 x 5 (horas extra realizadas por Jonas) =R$ 62,10(valor devido a Jonas pelas horas extras)
  • Ao final, basta somar os valores para se chegar à quantia total devida, veja só:
  • Salário proporcional + valor das horas extras = valor devidoR$ 1.235 + R$ 62,10 =
  • R$ 1.297,10(valor devido a Jonas com as horas extras)
  • Como você pode perceber, as horas extras são pagas de forma integral ainda que haja diferença no cálculo do salário por ser proporcional.
  • Salário proporcional com desconto por faltas

Voltemos ao cenário inicial do exemplo de Jonas. O trabalhador, contratado em 10 de fevereiro de um ano comum tem seu salário normal definido em R$ 1.820. Acontece que, nos 19 dias contados da admissão até o fim do mês, Jonas teve duas faltas não justificadas.

Vale lembrar que o artigo 473 da Consolidação das Leis do Trabalho define as situações em que um funcionário pode se ausentar do trabalho sem prejuízo ao seu salário.

Quando falamos em falta não justificada, fazemos referência àquelas que não possuem respaldo legal e que, por isso, resultam em desconto na remuneração do trabalhador.

Com base no cálculo de salário proporcional feito anteriormente, sabemos que, caso tivesse comparecido regularmente ao trabalho, Jonas teria o direito de receber R$ 1.235 em fevereiro. Mas é dever do DP descontar as faltas do trabalhador.

  1. Salário normal / 28 = Salário por dia de trabalhoR$ 1.820/28 = R$ 65
  2. Salário por dia x dias de ausência não justificadas = Desconto aplicado ao salário proporcionalR$ 65 x 2 =R$ 130
  3. (valor a ser descontado do salário de Jonas)
Leia também:  Como Ver Quem Esta Usando A Netflix?

R$ 1.235 – R$ 130 =R$ 1.105(valor devido a Jonas com o desconto pelas faltas)

É válido ressaltar que, como no cálculo do valor devido pelas horas extras, o cálculo relativo aos descontos a serem aplicados também consideram o valor do salário integral como base.

Isso porque a proporcionalidade não afeta em nada o quanto a empresa deve pelo funcionário por cada dia de trabalho. Em verdade, é justamente essa quantia que determina todos os valores que o DP deve observar no que diz respeito ao salário do trabalhador.

DICA: Se prepare e se especialize em Departamento Pessoal

Gostaríamos que conhecessem nosso treinamento completo e totalmente na prática de departamento pessoal e eSocial para contadores. Aprenda todos os detalhes do departamento pessoal de forma simples e descomplicada.

Saiba tudo sobre regras, documentos, procedimentos, leis e tudo que envolve o setor, além de dominar o eSocial por completo.

Essa é a sua grande oportunidade de aprender todos os procedimentos na prática com profissionais experientes e atuantes no segmento, clique aqui acesse já!

Conteúdo original Tangerino

Calcular dias trabalhados: Entenda o cálculo proporcional

Calcular dias trabalhados – Quem começou em um novo emprego ou que acabou de ser demitido sempre tem uma dúvida a respeito do valor que receberá de salário, uma vez que ele não trabalhou os dias todos do mês.

Veja também:

  • Como calcular aposentadoria
  • Calculadora salário líquido

Quando isso acontece o empregado tem direito de receber uma salário proporcional ao dias que foram trabalhados, ou seja, ele precisa receber pelos serviços prestados, independente dos dias que ele trabalhar.

Se você quer saber como calcular os dias trabalhados e saber quanto vai receber continue lendo esse artigo!

O que é salário proporcional

  • Ao começar um novo emprego é acertado o valor da remuneração por aquele trabalho, essa remuneração é calculada com base nos dias que serão trabalhado durante o mês, a função a ser desempenhada.
  • No geral é utilizado 30 dias trabalhados para fazer esse cálculo, mas nos meses como fevereiro, que pode ter 28 ou 29 dias é necessário usar o número exato de dias para calcular os dias trabalhados.
  • Porém, quem foi contratado para receber por horas e não por dias, não precisa se preocupar com o número divisor a ser utilizado, pois os seus ganhos serão baseados de acordo com o número de horas ou dias inteiros que foram de fato trabalhados, independente de meses com 28, 30 ou 31 dias.
  • Quando os empregados vão receber o salário integral, ou seja, eles trabalharam todos os dias do mês, a base para calculo do trabalho são 30 dias corridos, incluindo os sábados e domingos.

Como Calcular Quanto Recebo Por Dia?

  1. O cálculo de salário proporcional é realizado tanto para admissões, demissões, afastamento no meio do mês, retorno, e outras eventualidades expressas em contrato.
  2. Nesses casos deve ser usado o número certo de dias dos mês, uma vez que em meses com 31 dias usar o 30 como divisor poderá geral um valor de salário maior do que deveria, da mesma forma utilizar 30 dias como divisor em meses com 28 dias pode gerar valores menores.
  3. Utilizando os dias certos do mês tanto funcionários quanto empregados são beneficiados.
  4. Lembrando que esse calculo só é necessário em meses de admissões ou demissões os outros meses são calculados normalmente e o salário recebido conforme o contrato.

Como calcular dias trabalhados

Para calcular dias trabalhados e saber quanto você vai receber é muito fácil e você pode fazer isso sozinho mesmo. Primeiramente você precisa saber o valor integral do salário que consta no contrato de serviço.

  • Depois basta saber quantos dias trabalhou no mês que você quer saber o valor da sua remuneração.
  • Com esses dados basta você dividir o seu salário pelos dias do mês e saber quanto você ganha por dia, depois multiplique o valor do dia pelo número de dias trabalhados.
  • No exemplo, vamos supor que tenha trabalhado por 16 dias.
  • Confira o exemplo abaixo:

Calcular dias trabalhados: Para saber o valor do salário em outubro:

  1. Salário total de R$ 1.

    200,00s

  2. Dias no mês de outubro: 31 dias
  3. Dias trabalhados: 16
  1. Valor por dia trabalhado: 1200/31 = R$ 38,71
  2. Valor a receber por 16 dias trabalhados = 38,71 X 16 = R$ 619,36
  3. O valor do salário será de R$ 619,36.
  4. Vamos agora fazer calculo de dias trabalhados durante o mês de fevereiro que como já citamos pode ser de 28 ou 29 dias

Calcular dias trabalhados: Para saber o valor do salário em fevereiro

Como este mês é atípico pela quantidade de dias, o valor será menor. Neste exemplo vamos supor que João trabalhou 25 dias, vamos ai cálculo.

  1. Salário total de R$ 1.500,00s
  2. Dias no mês de fevereiro: 28 dias
  3. Dias trabalhados: 25

Valor por dia trabalhado: 1500/28 = R$ 53,57

Valor a receber por 25 dias trabalhados = 53,57 X 25 = R$ 1.339,25

O valor do salário será de R$ 1.339,25.

E assim deve ser feito o cálculo, levando em consideração o numero de dias no mês de referencia e a quantidade de dias trabalhados.

Cálculo de Rescisão de Contrato de Trabalho: Guia Completo

O cálculo de rescisão de contrato de trabalho faz parte das demandas rotineiras do RH. Porém, em algumas empresas, os profissionais dessa área têm dificuldades em entender como realizar essa conta. A consequência disso podem ser ações judiciais trabalhistas que causam prejuízos tanto nas finanças quanto na imagem da empresa.

Para evitar essas situações, neste artigo, explicaremos como calcular, os tipos e o que a legislação diz a respeito da rescisão de contrato de trabalho. Acompanhe os próximos tópicos!

O que é rescisão de contrato de trabalho?

A rescisão do contrato de trabalho é um documento que formaliza o fim de uma relação empregatícia. Nesse documento, estão redigidas informações importantes sobre o vínculo trabalhista, como: data da admissão, demissão e os valores a serem pagos ao funcionário. 

No entanto, a rescisão do contrato só se torna oficial por meio da assinatura do Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho (TRCT).

Como os contratos de trabalho estão previstos pela CLT?

De acordo com a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), após a efetivação do contrato de trabalho, o colaborador começa a ser amparado pela legislação e ingressa no regime CLT. Sendo assim, em uma futura demissão, a rescisão de contrato será regida por essas regras legais.

Após a Reforma Trabalhista, ficou definido que não importa se o aviso prévio é trabalhado ou indenizado, solicitado pelo empregado ou empregador, o prazo para o pagamento das verbas rescisórias será de 10 dias a contar do término do contrato. 

É importante destacar que esse prazo é computado em dias corridos e sem levar em consideração o dia inicial e o do vencimento. Houve mudanças na rescisão de contrato com a Reforma Trabalhista?

Com a aprovação da Reforma Trabalhista, novas regras foram criadas para o processo de rescisão do contrato de trabalho. As principais mudanças foram:

  • Demissão consensual: o colaborador não recebe os valores rescisórios integrais, mas 80% do Fundo de Garantia do Tempo de serviço (FGTS), 20% de multa do FGTS e metade do valor referente ao aviso prévio;
  • Termo de quitação anual: esse documento declara que as partes consentem que as obrigações trabalhistas do contrato foram cumpridas mensalmente e apresenta também a quitação anual dessas verbas;
  • Pagamento das verbas rescisórias: a quitação pode ser realizada em dinheiro, cheque ou depósito bancário. Além disso, como dito, foi estipulado o prazo de 10 dias corridos a partir do término do contrato. Esse pagamento será feito não importa de o aviso prévio for trabalhado ou indenizado e se o pedido veio da empresa ou do funcionário;
  • Homologação sindical: não é mais preciso que o sindicato homologue a rescisão de contrato. A menos que exista uma cláusula contratual definida em uma convenção coletiva ou acordo que obriga a homologação sindical, 

Quais são os principais tipos de rescisão de contrato de trabalho?

De acordo com a legislação trabalhista brasileira, os tipos de rescisão de contrato de trabalho são:

  • Demissão sem justa causa: quebra do contrato por vontade da empresa;
  • Demissão com justa causa: rompimento do acordo por descumprimento das regras legais ou contratuais pelo colaborador;
  • Demissão consensual: fim do contrato sem justa causa, mas por vontade das partes;
  • Pedido de demissão: o funcionário solicita o desligamento da empresa;
  • Rescisão por culpa recíproca: a finalização do vínculo trabalhista ocorre por que tanto a empresa quanto o funcionário descumprem as regras legais ou contratuais.

Como é o cálculo de rescisão em demissão sem justa causa?

A primeira distinção a ser feita é o tipo de desligamento em questão. O funcionário dispensado sem justa causa, logicamente, tem mais a receber do que quem é desligado por justa causa. Seguem os cálculos de alguns dos itens aos quais têm direito os colaboradores que passaram por uma demissão sem justa causa.

Saldo do salário 

Corresponde à quantidade de dias trabalhados no mês do desligamento, os quais, consequentemente, não foram remunerados. Esses dias devem ser pagos ao colaborador na rescisão.

Para fazer o cálculo, basta dividir o salário do colaborador por 30 (correspondente à quantidade de dias no mês da dispensa) e multiplicar o resultado pelo número de dias trabalhados no mês.

Exemplo: um colaborador que tem salário mensal de R$ 3.000,00 e trabalhou 17 dias no mês na dispensa. Fazemos R$ 3.000,00 / 30 dias do mês x 17 dias trabalhados = R$ 1.700,00.

Férias

  • O colaborador desligado sem justa causa deve receber em dinheiro o valor correspondente ao saldo de férias que ele possui no momento da dispensa. Existem três cenários possíveis:
  • 1° – no momento da dispensa ele já adquiriu o direito a férias mas ainda não usufruiu delas: nesse caso, o empregador deve pagar a ele um salário + 1/3 desse salário;
  • 2° – no momento da dispensa ele já adquiriu o direito a férias mas há mais de um ano que ainda não usufruiu delas (ou seja, não gozou das férias dentro do período concessivo), então o empregador deve pagar férias em dobro: nesse caso o empregador considera o salário + 1/3 do salário e multiplica esse valor por 2;
  • 3° – no momento da dispensa ele ainda não adquiriu o direito a férias: nesse caso, o empregador divide o salário do colaborador por 12 (meses) e multiplica pelo número de meses que o colaborador trabalhou dentro do período aquisitivo  (aqui vale a regra de que 15 dias trabalhados durante o mês são equivalentes a um avo de férias, o que consiste em um mês completo).

Exemplo: um colaborador que ganha R$ 3.000,00 e se enquadra no primeiro caso (adquiriu direito a férias mas ainda não usufruiu delas). O cálculo é: R$ 3.000,00 + 1/3 de R$ 1.000,00 = R$ 4.000,00. 

Horas extras

O empregador não pode se esquecer de pagar as horas extras devidas ao colaborador dispensado. Portanto, é necessário saber o valor da hora trabalhada, obtida dividindo o salário mensal por 220 — que correspondem a 5 semanas trabalhadas x 44 horas semanais trabalhadas (esses são os valores que constam na CLT).

O valor da hora extra regular é calculado da seguinte forma: usamos como base o salário do colaborador por hora e multiplicamos esse valor por 1,5 (o que corresponde a 50% da hora extra regular).

Cabe aqui uma informação adicional: esse valor é variável de acordo com decisões feitas em acordos coletivos.

Caso a hora extra aconteça aos domingos e feriados, multiplica-se o salário-base/hora por 2; e caso a hora extra seja cumprida entre as 22:00 e as 5:00, multiplicamos por 1,8.

Exemplo: um colaborador ganha R$ 3.000,00 de salário e cumpriu 6 horas extras regulares no mês da dispensa. Dividimos R$ 3.000,00 por 220, obtendo R$ 13,64, e multiplicamos esse valor por 1,5, que resulta em R$ 20,46 (esse é o valor da hora extra desse colaborador). Então, multiplicamos R$ 20,46 pelas 6 horas extras cumpridas no mês e chegamos ao valor de R$ 143,22.

Aviso prévio

Período que o colaborador dispensado deve continuar trabalhando para a empresa mesmo após a notificação de seu desligamento. O aviso prévio, em vez de trabalhado, pode ser indenizado, de modo que o empregado receba um pagamento correspondente ao período no lugar de permanecer trabalhando.

O aviso prévio é proporcional ao tempo de casa do colaborador, sendo que não pode ser menor do que 30 dias ou maior do que 90 dias.

Funcionários com menos de 1 ano no serviço têm direito ao aviso prévio de 30 dias, e, a cada ano trabalhado, ganham direito a mais 3 dias, não podendo exceder o limite máximo de 90 dias — considerando que a contagem do prazo começa no dia seguinte ao da notificação de uma das partes.

Para calcular o valor do aviso prévio indenizado, é só dividir o salário do colaborador por 30 (dias) e multiplicar o valor pela quantidade de dias que ele teria que trabalhar caso o aviso prévio fosse trabalhado.

Exemplo: um colaborador que ganha R$ 3.000,00, trabalhou 3 anos na empresa e vai cumprir aviso prévio indenizado. Os seus 3 anos trabalhados são convertidos em 39 dias de aviso prévio, então fazemos R$ 3.000,00 / 30 (dias) e multiplicamos esse valor por 39, obtendo R$ 3.900,00 de aviso prévio indenizado.

Abrindo um parêntese em relação a esse exemplo, é bom lembrar que o aviso prévio indenizado pode ser uma indenização a favor do empregador. Porém, no caso citado, trata-se de um desconto feito pelo empregador que tem o limite de 30 dias de aviso prévio. Sendo assim, se deve indenizar os dias restantes, no exemplo, 9 dias. Essa proporcionalidade é válida apenas a benefício do colaborador.

13º salário

Salário extra que o funcionário recebe do empregador. Seu valor é proporcional ao número de meses trabalhados a partir de janeiro, sendo que a CLT considera 15 dias trabalhados como um mês completo e ignora meses nos quais menos de 15 dias foram trabalhados.

Para calcular o 13º salário, dividimos o valor do salário mensal do colaborador por 12 (meses) e multiplicamos os resultados pelo número de meses trabalhados a partir de janeiro.

Exemplo: colaborador com salário de R$ 3.000,00 que trabalhou até maio, ou seja, 5 meses. Dividimos R$ 3.000,00 por 12, obtendo R$ 250,00. Então, multiplicamos R$ 250,00 por 5, resultando em um 13º salário equivalente a R$ 1.250,00.

Saque de FGTS

A empresa deve recolher 40% do montante depositado no FGTS do colaborador dispensado sem justa causa. Essa é uma novidade trazida pela lei 13.932/19 que entrou em vigor no dia 1 de janeiro de 2020. Outra nova regra é a extinção da multa de 10% que a empresa precisava recolher ao Governo Federal.

Como funciona o cálculo de rescisão em demissão por justa causa?

Em situações de demissão por justa causa, o colaborador mantém os seguintes direitos:

  • Saldo do salário;
  • Horas extras ou pagamento de saldo de banco de horas (se houver);
  • Salário-família (se aplicável);
  • Férias vencidas com acréscimo de 1/3. 

Como calcular horas extras na rescisão?

Para calcular as horas extras na rescisão é necessário se atentar aos dias e horários trabalhados, pois podem ter diferença na conta. O primeiro passo é dividir o salário do empregado pela quantidade de horas trabalhadas durante um mês: 220 horas ou de acordo com a jornada do colaborador.

Feito isso, o próximo passo é acrescentar, no mínimo, 50% (o percentual é variável de acordo com o que estiver estipulado na convenção coletiva de trabalho) a mais do que o valor do cálculo anterior para cada hora que ultrapasse as 220 horas. O grande detalhe tem relação ao período em que o colaborador trabalhou a mais, pois, caso o trabalho tenha sido no período noturno, entre às 22h00 e às 5h00 é obrigatório incluir o adicional noturno, adicionando mais 20% na conta.

Quando a empresa se preocupa em realizar o cálculo da rescisão do contrato da maneira correta, demonstra respeito por todo o esforço e dedicação do colaborador durante o período que trabalhou internamente. Essa atitude é recompensada com boas recomendações dos profissionais desligados e a melhoria da marca empregadora.

Aprendeu como fazer o cálculo da rescisão de contrato de trabalho? Quer realizar essa conta com rapidez e eficiência? Para descomplicar, a Convenia preparou a Planilha Cálculo de Rescisão. É só baixar e otimizar esse processo na sua empresa!

Como Calcular Quanto Recebo Por Dia?

como se calcula os dias trabalhados?

P/ o cáuculo dos dias trabalhados divide-se o salário por 30 e multiplica-se pela quantidade de dias trabalhados, mas para esse cálculo inclui-se o sábado e o domingo?

Aviso: O portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo ou mensagens veiculados nesse espaço.

izabel cristina
respondeu

8 anos

  • Salário (dados)800,00Dias no mês de agosto31Valor por dia25,81XDias Trabalhados 27Salário 27 dias696,87S EM TODOS OS MESES UTILIZA OS SÁBADOS E DOMINGOpara descobrir o valor em horas divide o salário por 220
  • 800:220 = 3,63 a hora

Pedro henrique da silva
respondeu

1 ano

Trabalhei 18 dias quanto devo receber ganhava um salário de R$1400 e trabalhei no feriado de sete de Setembro e tenho uma folga na casa

Pedro Henrique da Silva

Lilian Maria de Jesus Farias
respondeu

1 ano

Entrei no meu trabalho no dia 5 de agosto mas não era registrada agora no mês de outubro sai do emprego no dia 19 peguei um vale de 400 reais tenho ainda alguma coisa a receber ou sai devendo

Lilian

Lilian Maria de Jesus Farias
respondeu

1 ano

Entrei no meu trabalho no dia 5 de agosto mas não era registrada agora no mês de outubro sai do emprego no dia 19 peguei um vale de 400 reais tenho ainda alguma coisa a receber ou sai devendo

Lilian

Maynara Gomes da Rocha
respondeu

1 ano

  1. Sim
  2. Fonte: Empresa
  3. Mgrocha

Graziela de São Pedro Lopes
respondeu

1 ano

Ok

Fonte: Não entendi

meu salario é de 1800, comecei a trabalhar dia 11/11/ 2019, recebi 1.032 de pagamento.decimo 1 e 2 parcela 300, esta certo?

Eu trabalho 20 dias meu salário e 1453 quantos vou receber no mês do pagamento

Sheila Magalhães rondon
respondeu

1 ano

  • Eu recebo 950,00(Preciso saber como cálculo dias trabalhados a 36 dias)
  • Fonte: Salário de 950,00 Dias trabalhados 36 dias
  • Sheila Magalhães Rondon

NÃO, segunda à sexta.

Jessica

Breno henrique da silva santos
respondeu

8 meses

  1. Trabalhei 13 dias Meu salario e 1045 Tenho 88$ de desconto do almoço
  2. E tenho 17 hora extra no valor de 9.50 cada hora quanto devo receber

lucas rubes
respondeu

7 meses

  • Sim, trabalho 6 dias pela semana incluindo sábados e domingos
  • Fonte: Trabalhos 8 horas por dia e tenho 1folga na semana
  • Lucas Rubens de Souza mocambite

lucas rubes
respondeu

7 meses

  1. sim, trabalho aos sabados e domingos e tenho 1 folga na semana
  2. Fonte: gostaria de saber quanto esta dando os meus dias trabalhados
  3. Lucas Rubens de Souza mocambite

Joanderson
respondeu

5 meses

Não trabalho ao sábados i domingos i nem feriados

Alessandra Santos
respondeu

80 dias

  • Inclui só o sábado
  • Fonte: Não inclui o sabado
  • Alessandra Santos

Alessandra Santos
respondeu

80 dias

Eu tenho 14 dias trabalhado quanto que eu recebo

Alessandra Santos

Alessandra Santos
respondeu

80 dias

Eu tenho 14 dias trabalhado quanto que eu recebo

Alessandra Santos

Como calcular o salário por dias trabalhados?

Para calcular o salário por dias trabalhados é só dividir o valor do salário mensal pelo número de dias do mês em questão e multiplicar esse valor pelos dias que foram trabalhados. O resultado é o salário proporcional. 

O que vale na conta são os dias corridos. Por exemplo, se você trabalhou do dia 1 ao dia 16, tem direito a 16 dias de salário, mesmo que haja dois finais de semana não trabalhados no meio. 

Para saber quanto você ganha por dia, de maneira genérica, você pode usar o mês comercial, de 30 dias. Se seu salário é de R$ 3.000, por exemplo, você ganha R$ 100 por dia (3.000/30). Para calcular sua hora trabalhada, divida o valor total do salário por 220.  

Como calcular desconto de salário?

O cálculo do quanto será descontado do salário depende do valor que o trabalhador recebe. Os dois principais descontos são a contribuição do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e o IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte). 

Em janeiro de 2021, foi atualizada a tabela de contribuição do INSS. Os valores descontados variam de acordo com o salário. O trabalhador que recebe até um salário mínimo, de R$ 1.

100,01 tem desconto de 7,5%. Na faixa salarial de R$ 1.100,01 até R$ 2.203,48, a alíquota é de 9%; de R$ 2.203,49 até R$ 3.305,22, 12%; e de R$ 3.305,23 até R$ 6.433,57, 14%. Quem recebe acima de R$ 6.

433,57 paga R$ 751,99. 

A alíquota é progressiva, ou seja, cada “pedaço” do salário tem o desconto correspondente àquela faixa salarial. Por exemplo, se a pessoa ganha R$ 1.600, vai incidir 7,5% sobre R$ 1.100, 01 e R$ 9% sobre R$ 499,99.

Já a tabela do imposto de renda não é atualizada desde 2015. Quem ganha até R$ 1.903,98 é isento. A partir desse valor, a alíquota varia. Para o trabalhador que tem salário de R$1.903,99 a R$2.826,65, o imposto é de 7,5%; de R$ 2.826,66 a R$ 3.751,05, 15%; de R$ 3.751,06 a R$ 4.664,68, 22,5%; e a partir daí, 27,5%. 

Qual o salário líquido?

O salário líquido é o valor que o trabalhador realmente recebe no dia do pagamento e ele é calculado depois que são subtraídos todos os descontos do salário bruto. 

Obrigatoriamente, são descontados o Imposto de Renda e a contribuição do INSS, mas também pode haver subtração de outros benefícios oferecidos pelo empregador, como vale-transporte, vale-refeição e plano de saúde, de acordo com o que foi combinado no contrato de trabalho. 

Como calcular o salário proporcional?

Para calcular o salário proporcional, você deve dividir o valor do salário bruto pelo número de dias do mês

De maneira geral, você pode usar o mês comercial, de 30 dias, mas se você quiser calcular o salário proporcional de algum mês específico (quando sai ou entra na empresa no meio do mês), é preciso levar em conta a quantidade de dias que aquele mês tem. 

Como fazer cálculo de salário mensal?

Para calcular seu salário mensal, você deve levar em conta os descontos do INSS, IR e benefícios, como vale-alimentação e vale-transporte. Esses valores devem ser debitados do que é recebido com as horas trabalhadas. 

Caso tenha feito hora-extra em dias de semana, elas têm acréscimo de 50% sobre o valor da sua hora. Aos sábados e domingos, o acréscimo é de 100%. 

O que eu recebo com 1 mês de trabalho? Com 1 mês de trabalho, você recebe apenas seu salário. Dependendo da data em que foi contratado, esse primeiro salário vem proporcional aos dias trabalhados. É bastante comum que, no primeiro mês, o trabalhador não receba o adiantamento, mesmo que a empresa divida o salário em duas datas.   

Caso você se desligue da empresa com um mês de trabalho, você provavelmente ainda estaria no período de experiência, que pode durar até 90 dias.

Se for demitido durante o período de experiência, o funcionário recebe salário, 13º e férias proporcionais, as guias para sacar o FGTS e a multa de 40%, além da metade do valor que seria pago da demissão até o término do contrato.

Caso o empregado decida sair durante a experiência, ele terá de indenizar a empresa com o valor máximo equivalente à metade do que receberia até o fim do contrato.    

O que a pessoa tem direito a receber quando é demitida?

Quando o funcionário é demitido, ele tem direito a receber férias (salário acrescido de seu um terço) vencidas, se tiver, férias e do 13º proporcionais aos meses trabalhados depois de ter recebido esses benefícios pela última vez, além do salário referente aos dias trabalhados. 

Se a demissão não for por justa causa, ele também recebe uma multa no valor de 40% do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) depositado pelo empregador durante todo o período que trabalhou na empresa e, caso não tenha optado pelo saque-aniversário, pode sacar o FGTS. 

O trabalhador ainda tem direito ao aviso prévio, período de 30 dias em que ele está ciente que será dispensado. A empresa pode definir que o funcionário trabalhe esses dias ou indenizá-lo, pagando um mês de salário e os proporcionais.

Como Calcular o Valor Hora – Vendus

O valor hora é a quantia recebida por cada hora de trabalho realizada. Normalmente, o cálculo do valor mínimo por hora, serve de base para determinar o valor que o trabalhador deve receber de subsídio de férias ou das eventuais horas extraordinárias.

Exemplos de Salário Mínimo por Hora

Fazer o cálculo da remuneração horária é simples, apenas precisa de saber algumas dados e efetuar algumas contas rápidas. Existem duas formas de calcular o valor por hora, uma mais simples, que permite ter uma ideia geral e outra que permite conhecer a quantia recebida com mais rigor.

Cálculo Simples do Valor Hora

Utilizando esta forma de calcular apenas é possível identificar o valor hora recebido em cada mês e não a quantia hora auferida ao longo do ano.

Assim, se o vencimento do colaborador da empresa for de 800€ e tiver trabalhado durante um mês (5 dias por semana e oito horas por dia), o cálculo do valor hora será o seguinte, dependendo dos dias do mês:

  • Janeiro (22 dias úteis) – 800€/(22X8) = 4,54€
  • Fevereiro (20 dias úteis) – 800€/(20X8) = 5,00€
  • Março (18 dias úteis) – 800€/(18X8) = 5,55€

Fature no seu escritório, restaurante ou loja desde 4€/mês? Experimente 30 dias Grátis!

Experimentar Grátis

Cálculo Complexo do Valor Hora

O artigo 271º do Código do Trabalho contempla uma fórmula que permite calcular o valor da hora normal de trabalho de forma mais rigorosa. Este cálculo é utilizado porque a maioria dos trabalhadores contratados de uma empresa não recebe em função das horas que trabalha. Pelo contrário, recebe todos os meses o mesmo vencimento, independentemente dos dias do mês.

  • Salário Mínimo Hora= (Remuneração base mensal/horas semanais)X (12 meses/52 semanas)
  • Assim, utilizando o mesmo valor base (800€), para um horário full time (40 horas semanais), o valor hora é calculado da seguinte forma:
  • Salário Mínimo Hora = (800/40)X (12 meses/52 semanas)= 4,60€

Valor Hora do Salário Mínimo

Desde janeiro de 2020 que o salário mínimo é de 635€ (666,75€ nos Açores e 650,88€ na Madeira). Com base nestes valores, e aplicando a fórmula do artigo 271.º do Código do Trabalho, o salário mínimo por hora (num horário de 40 horas semanais) é o seguinte:

  • 3,65€  em Portugal Continental;
  • 3,83€ nos Açores;
  • 3,74€ na ilha da Madeira.

Como calcular o valor da hora trabalhada

Para saber o valor da hora trabalhada, a conta é simples. Existem duas formas de cálculo, uma mais simples e a outra menos simples. Saiba o que diz a lei sobre como calcular o valor da hora trabalhada.

Opção 1 –  Forma simples

Comece por saber qual é o seu salário bruto e qual o número de horas semanais que trabalha. Pode simplesmente dividir o seu vencimento pelo número de horas trabalhadas numa semana ou num mês.

Exemplo prático:

Se ganha € 1000 e trabalhou 160 horas (8 horas por dia, 5 dias por semana, durante 4 semanas) num mês, o valor da hora trabalhada é € 6,25.

Esta forma de cálculo não é muito rigorosa e não lhe dá uma visão geral do valor da hora trabalhada ao longo do ano. Se utilizar este método de cálculo em meses diferentes, obterá resultados diferentes, porque alguns meses têm mais dias (e mais horas) do que outros.

Para alguém que trabalhe de segunda a sexta, com um vencimento mensal fixo de € 1000, e faça 8 horas por dia, esta seria a variação dos valores:

  • Janeiro 2019 (22 dias úteis) – € 1000 / (22 x 8) = € 5,68
  • Fevereiro 2019 (20 dias úteis) – € 1000 / (20 x 8) = € 6,25
  • Junho 2019 (18 dias úteis) – € 1000 / (18 x 8) = € 6,94

Opção 2 –  Forma legal

A maioria dos trabalhadores por conta de outrem não recebe em função das horas que trabalha. Tem um vencimento fixo, igual todos os meses do ano, independentemente de o mês ter 28, 29, 30 ou 31 dias. Se dividirmos o salário bruto pelo número de horas trabalhadas (que são mais nos meses com mais dias) obteremos valores diferentes de mês para mês. 

  • Para contornar esta situação, o valor hora deve ser calculado com recurso à seguinte fórmula, prevista no artigo 271.º do Código do Trabalho: 
  • Salário hora = (Rm x 12 meses) / (52 semanas x n)
  • Rm é o valor da retribuição mensal e n o período normal de trabalho semanal (horas). 
  • Exemplo prático:
  • Se ganha € 1000 e trabalha 40 horas semanais:
  • (€ 1000 x 12) / (52 x 40) = € 5,77, em que:
  • € 1000×12 corresponde à remuneração anual; 
  • 52×40 corresponde ao número de horas anuais de trabalho, nas 52 semanas do ano.

Valor hora do ordenado mínimo

Em 2020

Em 2020, o salário mínimo nacional chegou aos € 635, para o setor privado, e o nível mais baixo da tabela remuneratória da função pública, aos € 645,07. Com base nestes valores, e aplicando a fórmula do artigo 271.º do Código do Trabalho:

  • O salário mínimo por hora para o privado é € 3,66, no caso de um trabalhador que trabalhe 40 horas semanais.
  • O valor hora do ordenado mínimo dos funcionários públicos é € 4,25 para um horário de 35 horas semanais.

Em 2021

Em 2021, o salário mínimo nacional é de € 665, para o setor privado, e o nível mais baixo da tabela remuneratória da função pública, é agora igual ao salário mínimo, isto é, € 665. A diferença no valor hora do ordenado estará apenas no número de horas semanais. Com base nestes valores, e aplicando a fórmula do artigo 271.º do Código do Trabalho:

  • O salário mínimo por hora para o privado é € 3,84, no caso de um trabalhador que trabalhe 40 horas semanais.
  • O valor hora do ordenado mínimo dos funcionários públicos é € 4,38 para um horário de 35 horas semanais.

Para que serve o valor da hora trabalhada?

O valor da hora trabalhada serve de base para o cálculo de algumas prestações pagas ao trabalhador, como sendo o subsídio de férias ou a compensação por trabalho suplementar (horas extraordinárias).

Licenciada em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto. Experiência profissional em Banca de Investimento (corporate finance, fusões & aquisições e mercado de capitais), direção financeira e controlo de gestão. Atualmente presta assessoria financeira independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*