q

Jean Mello

Jornalista, especialista em Planejamento de Mídias Digitais (FGV) e Web Analytics (Google Academy).

Vida Tag

O lançamento do romance juvenil “Cadu e as histórias de Bantu” de Alexandra Barcellos será realizado em conjunto com o lançamento do livro de crônicas “Fim de tarde” de Jean Mello. O evento contará com a presença de Neres José Geraldo, autor do livro “Um pedaço de chuva no bolso”, publicado pela Editora Kazuá em 2013. Os autores comentarão os processos literários de suas obras, as temáticas e opções estilísticas e autografarão livros.

Release de Fim de tarde

“Retratos de acontecimentos inesquecíveis… Sonhos comuns e incomuns de um personagem qualquer que vê a realidade de modo único. Pelo significado, subjetivo, que pode se dar às questões – atuais e antigas – que permeiam o pensamento e fazem com que tudo seja repleto de senso crítico, sem perder a veia poética e, muitas vezes, até o romantismo, que nem sempre é carregado de ingenuidade.” (Fragmento de Fim de Tarde coletânea de crônicas de Jean Mello)

O lançamento do meu novo livro, Exalando Esperança, aconteceu de maneira inesperada na Casa das Rosas em um evento simplesmente mágico, a Feira de Publicações Independentes.

Agora, novo passo. Em novembro, mês da Consciência Negra, exatamente nos dias 13 e 14, farei duas palestras na FLINKSAMPAFesta do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra, no Memorial da América Latina.

Exalando Esperança não é um projeto novo. Jean Mello, autor do livro, pensou nessa ideia em diferentes formas, musical e literária.

Mas, antes do desenvolvimento, como algo óbvio, teve de acontecer o primeiro passo. Qual foi ele? Um texto postado em seu site, em março de 2013. No conteúdo o cronista anunciou – mesmo que os leitores não soubessem – que aquele material se tratava exatamente do início da edição de seu segundo livro.

Jean Mello se define escritor-músico e ressalta que estas duas expressões criativas são indissociáveis em sua vida, embora entenda que ser músico “transcende tudo”. Ele também é educador e esta realidade o transformou em um pensador que encontra combustível na utopia para propor alternativas para repensar a formação dos indivíduos.

A vida é muito mais que momentos soltos. Um simples amanhã? Muitas coisas perdidas nos becos poluídos da solidão humana. Parecido com um livro que li – mais de uma vez – do Dostoiévski. Notas do Subsolo é o nome da obra.

Ainda bem que compus essa música. Conto uma parte de sua história em uma crônica de dias atrás.

Mas nem em minhas reflexões pessoais de profundidade imensurável poderia imaginar, Pra lembrar do amor não é apenas uma música que dediquei para um Amor Eterno. Meu amor de todos os tempos.