q

Jean Mello

Jornalista, especialista em Planejamento de Mídias Digitais (FGV) e Web Analytics (Google Academy).

Negritude Tag

“Exalando Esperança” é um dos livros de minha autoria. Em breve terá nova edição da publicação. Novo projeto gráfico e nova linha editorial.

Divulgo por aqui uma música, completamente instrumental, que compus enquanto estava escrevendo o livro. Junto com ela alguns passos que tenho dado nessa minha nova fase enquanto escritor.

Nunca entendi os olhares acusatórios quando falo que sou adepto do bom rock. Palavras ainda mais duras me são ditas quando mostro que sou vocalista e compositor desse estilo musical.

Acredito que a maioria das pessoas não sabem que o rock é negro. Sim, com raiz de negritude, suas origens consistem no blues, talvez até remonte outras épocas, distintas formas, sem as distorções conhecidas, os longos e lisos cabelos de quem promove o som hoje em dia e, lógico, bem longe desse rótulo de rebeldia exacerbada que os artistas contemporâneos e os mais antigos se submeteram. O bom rock não é nada disso.

Pode ser que ele tenha alguma ligação com as brisas que estimulam a criatividade. Mas isso não dá o direito de dizer que ele está em sinergia completa com o uso de substância ilícitas ou lícitas. É, sobretudo, a derivação da dor de indivíduos que viam a realidade de forma diferente, ou sofriam preconceitos, discriminações ou investidas de racistas, que expressavam seus sentimentos através da arte. Escravizados que estavam a todo tempo mostrando que aquilo era uma condição imposta, e não a realidade que mereciam viver ou gostariam de estar.

Seres humanos como qualquer pessoa. Não eram santos, gostavam de algo qualquer que surgiu em uma plantação de algum país e sofreu as alterações humanas para, através da venda proibida, transformarem em alucinógenos. Sem contar a ‘cagibrina’, uma bebida ou outra, para combater o frio e a dor de perpetuar as mensagens pelas ruas. Pelo asfalto bem depois de “livrarem-se” da escravidão norte-americana. Artifícios para anestesiar a dor.

Na boca de gente que despreza ou não entende a luta dos movimentos negros no Brasil, racismo virou complexo de inferioridade. Não é raro ouvir acusações dizendo que os negros se colocam sempre em um lugar de inferioridade, ou que quando reivindicam algo cometem o famoso racismo às avessas:

Compreendo amigo que o Brasil é um país racista, mas vocês estão sendo mais racistas ainda quando falam da discriminação. Parem de ser racistas ao contrário, ouvi um dia em uma conversa de dois jovens num ônibus.

Em outro momento, nem faz tanto tempo assim, concentrado em minhas leituras no Centro Cultural São Paulo, ouço o diálogo:

Nossa, você viu aquela menina da nossa sala? Só foi o professor falar de cotas na universidade, mesmo todos se mostrando contra, ela se levantou e falou que era a favor e que essa é uma importante medida não apenas para sanar a dívida que o Brasil tem com os negros, mas, também, para dar condições de igualdade de oportunidades. Como ser igual tratando os outros com diferença? Ai amiga, faz tempo que venho observando ela e tenho nojo desse racismo que está sendo promovido por quem diz participar desse tal Movimento Negro.

– Concordo, acho que ela nem está preparada para entender o que é universidade. Com essa mentalidade nem compreendo como ela chegou até o ensino superior. 

– Cotas né amiga! Ela com certeza tirou a vaga de alguém mais capaz.

 – Verdade, o mais sensato a fazer é ignorar. Quanto mais você fala pior fica, ela tem argumento pra tudo.

 

Texto originalmente publicado em minha coluna de crônicas no Baoobaa

Depois de férias não avisadas – pelo menos das crônicas por aqui – volto mais viajante que nunca.

Nesse site me descobri cronista e por aí dizem que o bom filho a casa torna. Pode parecer um pouco de exagero usar uma expressão assim. Com essas poucas palavras no começo desse escrito posso dar a entender que estou evocando aquela famosa parábola do Filho Pródigo, que andou pelos caminhos do mundo e depois, ao voltar tem direito a uma festa e um anel de ouro no dedo.

Não, nada disso! Quem está fazendo festa por conseguir parar e escrever algo que vem do coração, ao site que aceitou publicar textos que para muitos soam até como produções carregadas prolixidade, sou eu mesmo.

Alegria por discorrer sobre discriminação racial na blogosfera e ter a honra de também percorrer rotas rebeldes como quem está à margem dos cânones editoriais vigentes e pautados pela mídia tradicional. As escritoras e escritores da literatura afro-brasileira que leio sempre, até hoje não estão nos holofotes midiáticos. Denunciar o racismo estrutural tem seu preço, quem entra nessa tem de estar disposto a ser colocado no lado B.

Ainda bem, porque em alguns casos, e a história não me deixa mentir, os revolucionários aos poucos são esquecidos pela multidão e lembrado por alguns poucos que dão continuidade às transformações.