q

Jean Mello

Jornalista, especialista em Planejamento de Mídias Digitais (FGV) e Web Analytics (Google Academy).

Inspirando Sonhos Tag

Um livro de conteúdo crítico social que você agora pode ter acesso de maneira rápida e fácil. A versão física está na promoção e você pode adquirir clicando aqui. Já no formato digital, você pode fazer o download gratuito na Amazon.

Recebemos relatos de que se trata de um livro que retrata com cautela as mazelas sociais. O tempo passou e muitos dos conteúdos expostos por este cronista/contista/poeta ainda são relevantes. Fim de tarde é um livro de metáforas e realidades descritas de modo concreto, compromissado com uma sociedade que ainda está em processo de descoberta, de assumir que ainda temos muito para mudar.

Por Jean Mello

Um guitarrista referência na música brasileira, Juninho Afram.

Reconhecido, principalmente, pelo trabalho realizado no Oficina G3. Presenteou o rock nacional com complexidades técnicas e arranjos muito bem elaborados, além das reflexões poéticas trazidas em inúmeras letras. Pessoalmente, admiro toda a discografia da banda. Agora, não posso deixar de destacar os álbuns que ouço com mais frequência.

Equipe Inspirando Sonhos

Neste ano, o portal Inspirando Sonhos completa seu terceiro ano de existência. Um projeto que nasceu na base da entrega e do sonho de divulgar amplamente a trajetória de pessoas que estão imersas no universo da arte e da cultura, intercalando com o uso das mídias digitais. Foram milhares de livros vendidos ao longo deste tempo.

Somos uma editora e uma livraria virtual.

Publicamos livros em formato físico e digital e disponibilizamos para venda em nossa livraria e na Amazon.

Realizamos este procedimento não apenas com os livros que publicamos, mas também com livros de outras editoras e autores independentes. Ao entrar em contato conosco viabilizamos esta parceria.

O que está oculto entre o dia que ilumina e a noite que termina? Alguns retratos de acontecimentos, de sonhos, desejos e sofrimentos.

As crônicas do autor nos levam para as ruas da periferia, sentimos na pele a desigualdade que sobe as ladeiras, a falta de oportunidade escrita nos bueiros, o racismo espalhado como um câncer. Os relatos são duros e ásperos, como o chão da própria vida.