q

Jean Mello

Jornalista, especialista em Planejamento de Mídias Digitais (FGV) e Web Analytics (Google Academy).

Crianças Tag

Diariamente busco com afinco as palavras mais próximas de resumir sentimentos, acontecimentos, realidades, fantasias, premissas observadas pela sensibilidade afiada que o ato de escrever e de ler o que está em cada esquina de minha existência só faz crescer, multiplicar em meu ser. Entre as inúmeras...

Meu último texto do ano… Só o Rap mesmo para me fazer sentar e escrever – mesmo quando tinha prometido me concentrar na finalização da gravação de meu disco – para fechar com chave de ouro.

São várias belezas nas quebradas, principalmente as musas de pele preta. Nossos olhos adultos, carregados de vivências, não conseguem enxergar. Mas como enxergávamos as coisas quando éramos criança? Tudo, até as maldades, como víamos?

Não, elas não complicam, simplesmente andam em direção à confiança que elas depositam nos adultos. Ou vão, simplesmente, de encontro ao que o coração diz. Imagine este mundo atual interpretado pelo olhar infantil? Não o infantilizado, mas o perfeito, simples, puro, herança de um reino que longe está de nós todos.

Aos olhos de uma criança

Foi o que o novo som de Emicida nos mostrou. Aos Olhos de uma Criança, trilha sonora do filme O Menino e o Mundo, constitui-se em uma chuva de palavras e imagens que só faz com que a saudade da infância aumente. Não se trata de saudosismo, nem de arrependimentos por falta de aproveitamento da fase.

Estava lendo um livro técnico dentro do metrô, estação da Luz. Fui surpreendido por um sorriso genuíno, uma criança. Ela me olhava, não resisti, correspondi tentando devolver com a mesma empolgação. Não tinha mais como continuar a leitura, aquele acontecimento era bem mais importante que qualquer...

O documentário Frutos do Brasil possui aproximadamente 54 minutos de duração e retrata 8 histórias de grupos de jovens de diferentes regiões do país. São práticas democráticas protagonizadas por aqueles que cansaram de esperar e resolveram atuar, participar. As imagens colocam cor e relevo na...

Como direi para meus filhos, que ainda nem nasceram, mas com certeza serão negros, porque sou descendente de africanos, que eles serão discriminados por conta da sua cor de pele e origem étnica, marcada historicamente como inferior e inculta – a história chamada oficial diz suas mentiras, apesar de outras interpretações históricas existirem, mas não são divulgadas por pessoas que teriam formas de fazer isso de um modo que a maioria da população mundial tivesse acesso.

Quais palavras usarei para explicar a existência de tamanha calamidade? Desde já reflito sobre isso e tenho vontade de chorar e gritar.

Em minha modesta avaliação, isso não é sofrer por antecipação, é apenas tratar a realidade como ela deve ser tratada. Pessimismo? Creio que não, porque, por mais que eu queira ver uma realidade de um modo mais justo, e outras muitas pessoas espalhadas pelo Brasil e pelo mundo também queiram, o racismo ainda vai demorar muito tempo para ser superado, sinto na pele e é bem provável que as futuras gerações também o sintam. A diferença é que terão mais mecanismos para se defenderem deste câncer.