q

Jean Mello

Jornalista, especialista em Planejamento de Mídias Digitais (FGV) e Web Analytics (Google Academy).

Blog

 

Conheço muitos jovens que gostam de caminhar de noite, encontrar nestas idas e vindas a liberdade. Mas não me contento com isso, pois a realidade não demonstra jovens tão livres assim.

No Grajaú, bairro chamado Cantinho do Céu, participei de um projeto social em que fui educador de alguns jovens, em oficinas de comunicação comunitária.  Essa foi uma iniciativa do Cenpec junto com a Cidade Escola Aprendiz, num programa chamado Jovens Urbanos, em parceria com banco Itaú – o projeto é muito maior, mas essa era a parte de minha responsabilidade.

Era apenas uma experimentação, com encontros pontuais em que tínhamos o objetivo de através da comunicação descobrir e divulgar o que os moradores daquele lugar consideram como cultura e quais eram os lugares, ou mesmo as práticas, quando não aspectos da própria história do bairro, que tinham relação direta com a cultura local. Para falar disso, a fim de que outras pessoas soubessem das coisas que lá fizemos, usamos algumas ferramentas de comunicação. Os depoimentos dos próprios moradores eram o nosso alicerce…

 

Em sua maioria, vítimas são migrantes, homens, que partiram do Nordeste. E, em 80% dos casos, negros ou mestiços.

@jeanmello12

Em 2004 o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) criou um mecanismo — nomeado Lista Suja – para registrar empresas flagradas na ilegalidade do trabalho infantil e trabalho escravo. Em 2011 o Brasil bateu o infeliz recorde de pessoas físicas ou jurídicas constantes da lista: houve 52 novos autuados, totalizando 294 empresas ou empregadores individuais envolvidos nesta prática criminosa.

Embora sem destaque na mídia, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) — lançou, em outubro de 2011 o perfil das pessoas que estão sob regime escravo. Constatou que mais de 50% do contingente é composto por homens com até 30 anos. Em sua maioria, são migrante do Nordeste. Dentre todos, 80% são negros ou pardos. Será a continuidade daquilo que o país viveu desde o período colonial?

Cento e vinte anos após a “Lei Áurea”, as manchas da segregação continuam presentes na sociedade brasileira. O fenômeno não é exclusivo dos grotões: repete-se mesmo nas grandes capitais, conforme anuncia Eloi Ferreira de Araujo, presidente da Fundação Cultural Palmares: “Esse sistema é um modelo abominável adotado por segmentos de latifundiários e capitalistas, para acumulação de riqueza em detrimento da qualidade de vida dos trabalhadores”.

 

 

Não é possível falar de Literatura Marginal sem mencionar Ferréz, sua obra que salta para novas mídias, seu compromisso duradouro com a periferia

@jeanmello12

“A conclusão que eu tive é que achei muito ridículo o discurso oficial [midiático e político] que defende que ‘podem voltar todos ao normal’. São Paulo está vivendo um novo período e ainda não descobriram. Muitas vezes me perguntam se caminhamos para uma guerra. Eu acho que isso já é uma guerra”. Neste trecho, de Ninguém é Inocente em São Paulo, Ferréz expõe sua visão sobre os conflitos que marcam a cidade — para usar a expressão de Mano Brown, outro desbravador das culturas periféricas – “a garoa rasga a carne”.

Não dá para pensar na ascensão da Literatura Marginal, e em sua visibilidade no cenário nacional e internacional, sem relação direta com os livros de Ferréz (no cartório, Reginaldo Ferreria da Silva). Ele estreou em 1997, com a Fortaleza da Ilusão, e permanece ativo e provocador desde entãoSerá mera coincidência ter surgido no mesmo ano do Sobrevivendo no Inferno, disco dos Racionais de mensagem contundente e um milhão e meio de cópias vendidas?

No livro Capão Pecado, seu primeiro romance (primeira edição, de 2000, esgotada em apenas dois meses), a relação entre o escritor e o rap fica ainda mais evidente. Poetas, cantores, escritores e articuladores do movimento hip-hop intercalam suas contribuições, registradas no livro, com a história, de tirar o fôlego e prender a atenção até o momento em que o enredo finalmente se resolve.

 

Relacionei no post Caminhos Cruzados… O que 2011 foi pra mim? alguns dos meus artigos que foram publicados na blogosfera. Algumas pessoas que entraram em contato com o conteúdo pediram pra que eu relacionasse outros textos do meu próprio blog, separando-os por temáticas. Como aprecio a ideia de comunicação compartilhada, mesmo em seu modo mais simples, acato a sugestão e farei o máximo para nortear àqueles que desejam ler alguns dos textos. Boa leitura!

 

Ano de parcerias, participando de um pedaço da história. Promovendo comunicação que a velha mídia, aliançada com os donos do dinheiro e do poder, não proporciona às pessoas. Resta apenas aos que estão utilizando a internet para algum fim não apenas crítico, mas que ultrapasse a barreira da criticidade, chegando às proposições, fale algo para quem já está cansado de ver notícias montadas e compradas. Quem tem que dizer algo somos nós mesmo, através dos meios que temos. 

Um ano de muito trabalho e novas parcerias que contribuem para a continuidade e maior alcance dos escritos e outros tipos de produções culturais. Uma delas que nesse ano nasceu e teve milhares de acessos foi esse site, JeanMello.Org.

Uma ferramenta virtual que inspira ações presenciais de Comunicação Comunitária e consultoria pedagógica, que vem acompanhada de uma infinidade de ações educativas que desenvolvo e de outros educadores que usaram alguns dos posts em salas de aula – em menos de um ano temos mais de cinquenta textos publicados, todos direcionados a contribuir, de modo informal e livre, para que os que nos acessam saibam que a educação pode ser informal, mas, de modo algum não profunda.

Ano em que pude vislumbrar um processo comunitário com jovens do Centro Comunitário Castelinho, Vila Joaniza, zona sul de São Paulo. Não dá para mensurar tudo que lá aconteceu. Podemos ao menos acompanhar alguns relatos de coisas que eles consideraram principais em menos de três meses de projeto. O presencial que dialoga com o virtual e vice-versa. Em breve escrevo um artigo sistematizando importantes aspectos desse processo.

 

Muitos escritores que escrevem de maneira mais livre e aparentemente descompromissada, por não seguir certas regras acadêmicas, não por desconsiderá-las, mas por achar que existe outro espaço que seja ideal para fazer isso, são tratados como não capacitados para se dedicar ao “ofício” da escrita. É assim que consigo escrever, de modo opinativo e convidativo.

Quando criei esse site pensei em fazer desse ambiente um lugar “informal”. Assim posso revelar através de qualquer coisa aqui escrita opiniões, às vezes até carregadas de obviedades e certezas coletivas, mas, mesmo assim, são coisas que alguém está dizendo com toda sinceridade e espera que o leitor possa permear esses escritos com seriedade. Só que a seriedade não consiste em uma cara fechada, sem a presença do sorriso que dá formosura ao rosto. Seriedade significa compromisso com o que está se comprometendo. É com comprometimento que o educador conquista o respeito dos educandos.

Geralmente quem se compromete com um modo mais “informal” de produzir conhecimentos, também faz isso na prática. Ou seja, na execução das ideias. Isso também não vale para todos. Seria leviano da minha parte afirmar com todas as letras algo que padronizasse os seres humanos.