q

Jean Mello

Jornalista, especialista em Planejamento de Mídias Digitais (FGV) e Web Analytics (Google Academy).

Uma criança sorriu pra mim

Estava lendo um livro técnico dentro do metrô, estação da Luz. Fui surpreendido por um sorriso genuíno, uma criança. Ela me olhava, não resisti, correspondi tentando devolver com a mesma empolgação.

Não tinha mais como continuar a leitura, aquele acontecimento era bem mais importante que qualquer início de pesquisa para melhorar a qualidade de meus textos em determinados assuntos que sou um tanto quanto limitado, sem conhecimento ou repertório para bancar a responsabilidade de comunicar, fazer de conteúdos utópicos, como os que construo, recheados de informações e conhecimentos.

É, mas minha missão teve que parar apenas nos planos momentâneos, alguém estava me olhando. Desceu do colo da mãe e veio brincar comigo, ainda com um sorriso no rosto, tentando verbalizar algumas palavras.

Não tive como resistir… Acho que um dia – que tinha tudo para ser como outro qualquer – passou a ser especial naquele exato momento. No restante do meu percurso do não tão vazio metrô de Sampa, fui agraciado. Até a estação Jabaquara uma criança, batendo em minhas mãos, pegando na alça de minha mochila, ainda falando palavras que um adulto ignorante como eu não conseguia entender, era apenas a linguagem dela, mas, ao mesmo tempo, em meio a todas aquelas pessoas, ela queria se comunicar comigo. Não sou especial, ela que é. Porém me senti especial, por um momento esqueci-me de qualquer problema, parece que o tempo parou, sem exagero.

Nem tudo está perdido, ainda existe alguma faísca acesa de amor. Às vezes penso que em meio a tantas desmotivações existentes nesse mundo – principalmente as que são voltadas às criações delirantes dos adultos gananciosos – ser surpreendido por um olhar infantil, que trouxe, pelo menos naquele instante, o Reino dos Céus para bem perto, é uma das coisas que mantém alguma esperança viva, sentimento constante e forte. Não se trata de reducionismo acerca de questões complexas. Apenas uma maneira simples de ver algo que poucas pessoas percebem, um sorriso puro e que transmite algo inenarrável.

Créditos da imagem de destaque: Franck Mckenna

Leave a Comment

Your email address will not be published.

*

CommentLuv badge

%d bloggers like this:
Read previous post:
Oração ao Deus desconhecido | Friedrich Nietzsche

Não costumo simplesmente replicar por aqui. Geralmente esse é um espaço de divulgação de textos que produzo ou de ações...

Close