q

Jean Mello

Jornalista, especialista em Planejamento de Mídias Digitais (FGV) e Web Analytics (Google Academy).

Utopia é apenas o amanhã que espera o utópico

Um processo de escrita que nasce de modo inusitado, como quase sempre.

São palavras não entendidas na plenitude, apenas por alguns poucos poetas e depressivos que enxergam esse mundo de um modo que muitos encaram como pessimista e que eu considero como algo próximo de uma interpretação daquilo que Freud descreveu com tanta densidade.

Longe de mim achar que entendi as contribuições teóricas e práticas que ele, com brilhantismo, propôs ao mundo. Mas, qualquer leigo que entrar em contato com qualquer um de seus livros verá que, ainda hoje, fazem um sentido que parece que foram publicados ontem.

Isso vale para muitos clássicos filosóficos, até livros bíblicos, que ainda nos brindam com holofotes de sabedoria.

Eu infinitas vezes pensei em desistir de escrever. Não deu, tentativas não tão bem sucedidas, já que as frases chegam completamente prontas sem que eu mesmo queira.

Chega uma hora que descobrimos algum pedaço da missão pessoal. Daí pra frente, não por egoísmo, apenas por amor ou por não ter como escolher, não se para, nem por um segundo, de tentar dar alguma contribuição existencial, ou que poderá ser imortalizada, para outros seres humanos.

Bem, pra mim escrever não é uma fuga doentia ou alguma saída desesperada diante dos problemas. Consiste apenas em uma das formas de expressar o que está na sangria da alma ou nas elucubrações daquilo que nasce depois de algumas análises, algumas superficiais e outras mais profundas, do que está a minha volta, do que ouço as pessoas dizerem.

Muitos dos meus escritos não nascem da dor, mas da saudade, inexplicável. Outros emergem em meio à fraqueza que eu mesmo gostaria que não existisse em meu interior. Outros, difícil admitir, nascem de traumas que me fizeram – aí digo com toda humildade do mundo – abrir os olhos para o hoje ou o amanhã. Resumi em meu post anterior, que chamei, singelamente, de Palavras.

Imagem de destaque: HyperLyght

No Comments

Leave a Comment

Your email address will not be published.

*

CommentLuv badge

%d bloggers like this:
Read previous post:
Uma criança sorriu pra mim

Estava lendo um livro técnico dentro do metrô, estação da Luz. Fui surpreendido por um sorriso genuíno, uma criança. Ela...

Close