Como beber chá verde da forma correta: 14 passos

Beber chá verde proporciona muitos benefícios a nossa saúde e, por isso mesmo, se tornou um fator ideal na dieta de muitas pessoas.

Melhor do que comprar uma caixinha pronta, aprender como fazer chá verde é muito útil para seu dia a dia, além de ser mais saudável, pois é uma boa maneira de evitar todos os tipos de conservantes que vêm com as opções prontas, aproveitando todo o bem-estar que esta bebida pode oferecer.

Aprender como fazer chá verde é bem simples e é uma tarefa que pode ser facilmente adicionada a sua lista de trabalhos rotineiros.

Além disso, aprender como fazer chá verde é uma ótima maneira de entreter e servir seus convidados para botar o assunto em dia, durante um lanche vespertino.

Confira com o Westwing tudo que você precisa para aproveitar seu dia a dia com muito bem-estar e praticidade, tanto em sua casa quanto fora dela.

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 PassosPowered by Rock Convert

Aprenda Como Fazer Chá Verde

É importante saber como fazer chá verde da maneira correta para aproveitar todos os benefícios que a erva pode oferecer.

Evite preparar o chá com os típicos saquinhos, pois muitas das propriedades são perdidas, além de possuírem resíduos do caule da planta, que não possui tantos nutrientes.

Não há nenhum grande segredo na receita de como fazer chá verde, assim, além de fácil, é muito rápido e você pode seguir com o procedimento em qualquer horário do seu dia sem atrapalhar suas tarefas. Confira o passo a passo de como fazer chá verde na galeria abaixo:

  1. Em uma panela ou chaleira aqueça água filtrada e assim que começar a borbulhar, desligue o fogo.
  2. Acrescente uma ou duas colheres de sopa da erva do chá verde (Camellia sinensis) para cada litro de água quente e tampe o recipiente.
  3. Deixe em infusão por cerca de 3 a 5 minutos.
  4. E está pronto, você aprendeu como fazer chá verde! Basta coar e servir!

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Benefícios do Chá Verde

Agora que aprendeu como fazer chá verde da melhor maneira, você, sua família e convidados podem usufruir de todos os benefícios que esta bebida pode oferecer.

O chá verde é um poderoso antioxidante e contém quantidades generosas de manganês, potássio, ácido fólico e vitaminas C, K, B1 e B2, nutrientes que contribuem para o bom funcionamento do organismo e aceleração do metabolismo, por isso ele é conhecido como um chá para emagrecer.

Ao aprender como fazer chá verde, e inclui-lo em sua dieta diariamente, você ainda terá outros benefícios como redução do estresse, proteção contra câncer e doenças do coração, fortalecimento do sistema imunológico, redução do colesterol ruim e proteção contra radicais livres que causam o envelhecimento precoce das células.

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Maneiras e Horários para o Consumo

O chá verde tem um gosto amargo bem característico, que pode tornar sua ingestão um pouco mais difícil. Para fazer com que ele desça mais tranquilamente, você pode adoçá-lo com um pouquinho de mel, ou ainda durante o seu preparo, na infusão, adicionar frutas, gotas de limão ou ervas mais suaves.

Ele pode ser servido quente ou como chá gelado, mas é importante que apenas seja tomado meia hora antes das refeições ou duas horas após elas, para não intervir na absorção de nutriente provenientes destas.

Aprenda como fazer chá verde e tenha um dia a dia mais saudável!

Westwing: O Extraordinário Mundo da Sua Casa!

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 PassosPowered by Rock Convert

Como tomar chá de hibisco para emagrecer

Tomar diariamente o chá de hibisco é uma ótima forma de facilitar a perda de peso, pois esta planta contém antocianinas, compostos fenólicos e flavonóides que ajudam a:

  • Regular os genes envolvidos no metabolismo dos lípidos, facilitando a eliminação de gordura;
  • Atenuar a hipertrofia dos adipócitos, reduzindo o tamanho das células de gordura.

No entanto, esta planta não parece ter efeito sobre o apetite. Assim, no caso de pessoas que têm muito apetite, que acaba dificultando o processo de emagrecimento, deve-se completar o uso de hibisco com outra planta que ajude a reduzir o apetite, como a Caralluma Fimbriata ou o Feno-grego, por exemplo.

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

A forma mais correta de usar o hibisco e garantir os melhores resultados é tomando as cápsulas para garantir uma dose mais exata, no entanto, também se pode preparar chá da planta, utilizando-se a espécie Hibiscus sabdariffa, que pode ser encontrado em lojas de produtos naturais, farmácias e drogarias. 

Além do chá puro, o hibisco também pode adicionado a sucos e vitaminas na alimentação. Saiba como fazer a Dieta do chá de hibisco para emagrecer.

O hibisco, diferentemente do chá verde, tem um sabor mais agradável e é rico em antioxidantes que previnem doenças do coração e o envelhecimento precoce, podendo ser uma ótima opção por quem não gosta de tomar chá verde.

Como fazer o chá de hibisco

Para fazer o chá de hibisco e manter as propriedades da flor, deve-se colocar a água para ferver e, quando começar a levantar fervura, deve-se apagar o fogo. A seguir deve-se acrescentar as flores de hibisco, tampar o recipiente e deixar repousar por 10 minutos antes de coar e beber.

A proporção correta de hibisco e água é:

  • 2 colheres (de sopa) de hibisco seco ou 2 sachês de chá de hibisco;
  • 1 litro de água em início de fervura

Deve-se tomar 3 a 4 xícaras deste chá diariamente, meia hora antes das principais refeições. O chá deve ser ingerido sem adicionar açúcar para que alcance o efeito esperado e melhores resultados no emagrecimento quando associado a uma dieta equilibrada e à prática de exercícios físicos.

Veja um exemplo de dieta para fazer e emagrecer mais rápido.

Como usar Hibisco em sucos

Além do chá quente e do chá gelado, o hibisco também pode ser adicionado em sucos de frutas ou vegetais. Para preparar os sucos, deve-se substituir a água pelo chá de hibisco gelado, batendo juntamente com frutas ou vegetais no liquidificador. Boas ideias para fruta são maracujá, abacaxi ou morango. Veja como preparar as 5 melhores receitas de suchá de hibisco.

Quando não tomar o chá de hibisco

O chá de hibisco está contraindicado em casos de gravidez, para mulheres durante a TPM porque pode agravar seus sintomas e também não é indicado para pessoas com problema de pressão baixa. Além disso, o chá de hibisco pode causar alterações hormonais e prejudicar a fertilidade, por isso está contraindicado para mulheres que estejam tentando engravidar.

O excesso de chá de hibisco também pode causar intoxicação do organismo, alterações da pressão e causando fraqueza muscular, por isso, a dose máxima diária deve ser de 2 a 3 gramas por dia ou cerca de 6 xícaras de chá.

Como emagrecer rápido

O hibisco é uma boa estratégia para tentar acelerar o processo de emagrecimento, mas além disso, também se deve apostar nos alimentos ricos em nutrientes e evitar ao máximo tudo que contenha açúcares e gordura. Começar a caminhar também é muito importante, dessa forma, quem não pratica qualquer tipo de atividade física deve procurar algum tipo de exercício físico para fazer, pelo menos 3 vezes por semana.

Mas se o seu problema é ficar comendo toda hora e estar sempre com fome, dá uma olhada nesse vídeo para saber como vencer a fome e cumprir a dieta: 

4 receitas com hibisco para emagrecer

Além do chá, o hibisco também pode ser usado de outras formas. Confira 4 receitas fáceis e práticas para utilizar o hibisco no processo de emagrecimento:

1. Picolé de melancia com Hibisco

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Cada picolé tem apenas 37 calorias, e pode ser usado como sobremesa das refeições principais, por exemplo.

Ingredientes

  • 2 fatias grandes de melancia com sementes
  • 1 xícara de chá hibisco com gengibre
  • 1 colher de folhas de hortelã em pedaços.

Modo de preparo

Bater todos os ingredientes no liquidificador e encher as forminhas de picolé. Como alternativa, também pode-se colocar pedaços de fruta, como kiwi e morango, dentro das forminhas antes de enchê-las, pois isso vai trazer mais nutrientes para o picolé e deixá-lo com uma aparência ainda mais bonita.

2. Refrigerante saudável de hibisco

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Cada copo de 240 ml deste refrigerante tem apenas 14 calorias, e uma boa dica é tomá-lo durante o almoço ou o jantar.

Ingredientes

  • 1 xícara de chá de hibisco;
  • Água com gás.

Modo de preparo

Fazer o chá utilizando 3 colheres de sopa de hibisco seco para 500 ml de água. Deixar a água iniciar a fervura, desligar o fogo e adicionar o hibisco, tampando a panela por 5 minutos. Colocar o chá na geladeira e quando for beber, encher ⅓ do copo com chá e completar o restante com a água com gás.

3. Suco light de verão

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Cada copo de 200 ml de suco tem apenas 105 calorias, e pode ser tomado no lanche da tarde, juntamento com algumas bolachas tipo cracker ou Maria.

Ingredientes

  • 500 ml de chá de hibisco frio;
  • 500 ml de suco de uva tinto sem açúcar;
  • 2 limões;
  • 3 ramos de hortelã.

Modo de preparo

Fazer o chá de hibisco com 5 colheres de sopa da planta para 500 ml de água. Colocar o suco de uva em uma jarra, o suco de um limão, o chá de hibisco, os ramos de hortelã e o segundo limão em rodelas. Deixar na geladeira para resfriar e acrescentar mais gelo na hora de servir.

4. Gelatina de hibisco

Como Beber Chá Verde da Forma Correta: 14 Passos

Uma taça com 100 ml de gelatina de hibisco tem 32 calorias, e pode ser consumida como sobremesa do jantar, por exemplo.

Ingredientes:

  • Chá de hibisco;
  • Gelatina sem sabor;
  • 3 colheres de açúcar ou adoçante stévia.

Modo de preparo

 Dissolver a gelatina de acordo com as orientações do rótulo, utilizando o chá de hibisco no lugar da água. Adoçar com açúcar ou com adoçante, e levar para a geladeira até que fique na consistência de gelatina.

Para que serve o chá verde? Benefícios e propriedades

Todas as variedades de chá pertencem à planta Camellia sinensis, da qual utilizam-se os seus brotos, geralmente recolhidos à mão. Depois da sua colheita os brotos de chá seguem diferentes passos para dar lugar às diferentes variedades de chá:

O chá verde obtém-se da planta  Camellia sinensis de determinadas zonas geográficas e as suas folhas são protegidas da oxidação para conservar os seus polifenóis.

Leia também:  Como aplicar protetor labial: 10 passos (com imagens)

Para o mesmo, as folhas são rapidamente submetidas a calor de forma que se inativam as enzimas que destruiriam estes compostos fenólicos. Existem vários processos como mediante vapor ou calor seco. Posteriormente, as folhas são prensadas e logo cortadas, obtendo o tamanho e a forma desejada.

O sabor do chá está condicionado pela presença de teanina e da sua alta proporção de compostos fenólicos.

O chá verde é utilizado tradicionalmente como diurético, para aliviar a dor articular, prevenir doenças, dores de cabeça, etc. Em países como o Japão, aceita-se o seu uso como prevenção de alguns tipos de cancro.

A capacidade estimulante do chá verde é menor em relação à do chá preto. Uma chávena de chá verde normalmente contém menor quantidade de cafeína, e inclusive apresentando a mesma quantidade de cafeína, a grande presença de compostos fenólicos reduz a sua capacidade estimulante. (20-50 mg de cafeína/chávena). Os extratos de chá verde encontram-se disponíveis com e sem cafeína.

Compostos fenólicos do chá verde

Os principais compostos fenólicos do chá verde são as catequinas (flavanóis) e constituem cerca de ? do peso seco do chá verde. Os polifenois principais do chá verde são a epicatequina, epigalocatequina, epicatequina-3-galato e a epigalocatequina galato (EGCG).

A catequina maioritária é a epigalocatequina galato que representa mais do 50% das catequinas presentes no chá. Uma chávena de chá verde (4-5 g de chá verde) contém normalmente entre 400 e 500 mg de catequinas. Os extratos de chá verde contêm altas doses de catequinas.

Quimicamente, as catequinas estão formadas por 15 átomos de carbono e contêm dois núcleos fenólicos unidos por três átomos de carbono, que junto com um átomo de oxigénio formam um terceiro anel.

As diferentes catequinas recebem o seu nome dependendo das cadeias laterais e consoante a posição espacial dos grupos químicos, diferenciam-se entre enantiómero + (catequina) ou enantiómero – (epicatequina).

Os polifenóis do chá aumentam a capacidade antioxidante e em modelos animais observou-se que aumentam a atividade das enzimas desintoxicantes da fase II (UGP-glucuronosil transferase), o que tem sido relacionado com a sua possível capacidade de prevenir certos tipos de cancro ao melhorar a eliminação de substâncias que poderiam ser cancerígenas.

Em estudos in vitro, observou-se que as catequinas, na sua forma galato, têm a capacidade de inibir a enzima alfa-5 reductase que é a responsável da conversão da testosterona em dihidrotestosterona.

Este derivado da testosterona foi relacionado com uma maior incidência de hiperplasia benigna da próstata, cancro da próstata e queda do cabelo, pelo que a redução da atividade desta enzima mediante o consumo de polifenóis de chá verde poderia em teoria ajudar a reduzir estes transtornos.

Além da sua capacidade antioxidante são também atribuídas diferentes possíveis mecanismos anticancerígenos aos polifenóis do chá como uma melhora da comunicação celular ou a inibição de promotores tumorais, embora na atualidade ainda não se conheça com exatidão os mecanismos pelos quais atuam estes compostos na possível prevenção do cancro.

Benefícios da sua contribuição

O consumo de compostos fenólicos de chá verde apresenta diferentes benefícios à saúde tanto se forem consumidas em forma de infusão, como em forma de extrato de chá verde.

Os princípios ativos principais do chá verde são as suas catequinas (EGCG, EC, EGC e ECG), e parece ser que a epigalocatequina galato (EGCG) é a de maior atividade de todas.

O extrato de chá verde é mais estável do que subministrar EGCG em forma pura graças à presença de outros antioxidantes presentes no chá.

Melhora da composição corporal

Sempre se pensou que o chá verde era capaz de melhorar a composição corporal graças ao seu teor de cafeína, no entanto, hoje em dia sabemos que a sua eficácia deve-se também à presença de compostos fenólicos como as catequinas.

As catequinas do chá, especialmente a EGCG, reduzem a atividade da enzima catecol-o-metil-transferase que degrada a noradrenalina, aumentando o seu tempo de ação.

A noradrenalina atua sobre os recetores β-3 adrenérgicos das células de gordura parda aumentando o gasto energético, a termogénese e a oxidação das gorduras.

As catequinas do chá também reduzem a atividade das enzimas digestivas (lipases e amilases) reduzindo a absorção de nutrientes.

Adicionalmente, a cafeína presente no chá verde também aumenta o gasto energético e ativa a lipólise. Os polifenóis do chá verde e a cafeína, atuam de forma sinérgica potenciando assim os seus efeitos.

Outras hipóteses sobre o mecanismo de ação do consumo de chá verde sob a composição corporal, incluem maior saciedade, redução da ingestão de alimentos, diminuição da formação de células de gorduras e menor acumulação de gordura nos adipócitos.

Existem diferentes estudos de demonstram que os extratos de chá verde mantêm a eficácia dos polifenóis presentes no chá verde:

  • O consumo de um extrato de chá verde (90 mg de polifenóis) com 50 mg de cafeína aumenta o gasto metabólico basal e a utilização das gorduras em maior medida do que o consumo da mesma quantidade de cafeína mas sem os polifenóis do chá.
  • A combinação de um suplemento à base de extrato de chá verde com uma dieta hipocalórica, consegue melhores resultados do que a dieta de forma isolada (14 kg vs 5 kg).
  • O consumo de um extrato de chá verde em combinação com exercício físico consegue perdas de gordura abdominal.

Estudos recentes in vitro, observaram que os polifenóis do chá verde têm capacidade de reduzir a atividade da enzima UGT2B17, esta enzima realiza uma ação chamada glucuronização que torna a testosterona mais hidrossolúvel e que facilita a sua segregação. Desta forma o consumo de chá verde e dos seus polifenóis poderia aumentar os níveis de testosterona de forma pontual após o seu consumo (1-2 horas aprox).

Os polifenóis de chá verde também mostraram ser úteis na luta contra a sarcopenia. Consumir 540 mg de polifenóis de chá verde ao dia de forma combinada com um plano de treino de força, ajuda às pessoas de idade avançadas e não só, a manter a massa muscular e inclusive a aumentar a mesma.

No caso destas pessoas, a musculatura exerce um papel muito importante, já que está relacionada com uma melhor qualidade de vida, funcionalidade, vitalidade e maior índice de sobrevivência.

Além disso, as pessoas de idade avançada necessitam maior estímulos de treino para conseguir melhorar a sua composição corporal, de modos que resulta muito interessante a combinação de treino com os polifenóis de chá para a melhora da qualidade de vida das pessoas de idade avançada.

Poder antioxidante e redução do risco cardiovascular

Os polifenóis do chá verde têm um poder antioxidante que contribui para proteger as diferentes moléculas do corpo contra a sua oxidação.

Os compostos fenólicos poupam antioxidantes endógenos como o alfa-tocoferol ou o betacaroteno, reduzem a oxidação induzida pelo cobre e outros metais e neutralizam os radicais livres.

O consumo de chá verde também aumenta a atividade das enzimas antioxidantes como a superóxido dismutase ou a catalase.

O consumo de 2 gramas de chá verde protege contra a oxidação causada pela realização de exercício físico em indivíduos saudáveis.

As catequinas do chá verde protegem a oxidação das lipoproteínas LDL, diminuem a absorção do colesterol e os níveis plasmáticos de colesterol, reduzindo o risco cardiovascular.

As catequinas do chá também podem reduzir a absorção das gorduras ao reduzir a sua solubilidade e também a atividade das enzimas digestivas.

Estudos observacionais descreveram como o consumo habitual de chá produz também uma redução dos níveis de colesterol e um coeficiente menor de risco cardiovascular (LDL-colesterol/HDL colesterol).

O consumo de chá verde reduz a formação da placa de ateroma graças ao seu teor de EGCG e ECG (ao reduzir a adesão dos monocitos à parede endotelial).

O chá também pode reduzir a agregação plaquetária e reduzir a formação de trombos. Embora seja ainda necessário realizar mais estudos, crê-se que o consumo de chá verde e dos seus antioxidantes pode ajudar a prevenir o dano oxidativo causante de alguns casos de hipertensão arterial.

Sistema imune

O consumo de chá verde fortalece o sistema imunológico graças à sua capacidade de neutralizar os radicais livres e compostos pró-oxidantes. Diferentes estudos relacionam o consumo de polifenóis de chá verde com a possível capacidade de proteger o organismo contra doenças neurodegenerativas como o Parkinson ou o Alzheimer.

Outros benefícios

O consumo de chá está relacionado com uma menor incidência de alguns tipos de cancro como o cancro de cólon, boca, estômago, rins, mama, pulmões ou pâncreas.

Em modelos animais, também observou-se que o consumo de chá verde tem a capacidade de controlar o crescimento de tumores hepáticos e de proteger contra o cancro de mama, atuar como imunomodulador e proteger contra o stress oxidativo e de alterações neurológicas.

Também crê-se que o seu consumo pode reduzir o risco de osteoporose, pedras nos rins, cataratas e promover a diurese (eliminação do excesso de líquidos).

Embora os resultados não são concluintes, alguns estudos observaram que o consumo de chá verde em pessoas diabéticas pode melhorar a glicemia pós-prandial (depois de consumir alimentos), melhorar a capacidade de controlar a glicose no sangue e reduzir a hipertensão arterial. Além disso, estudos recentes realizados com ratos demonstraram que os polifenóis do chá verde reduzem a atividade da α-amilase, contribuindo para reduzir a glicemia depois de ingerir alimentos com carboidratos.

Estudos recentes também parecem indicar que o consumo de chá verde pode ajudar a reduzir os sintomas da artrite, constipação, menopausa ou afeções hepáticas. No entanto, considera-se que são ainda necessárias mais investigações para conhecer mais a fundo os mecanismos para poder fazer recomendações concretas.

Alguns estudos relacionaram também o consumo habitual de chá verde com um melhor estado de humor, mais facilidade para a aprendizagem e redução dos sintomas depressivos. Por último, as catequinas do chá verde apresentam atividade antimicrobiana e inibitória como por exemplo de Helicobacter pilory, Herpes simplex, e do fungo Candida albicans (em combinação com o tratamento micótico).

Dosagem

Para beneficiar-se do seu efeito antioxidante, recomenda-se consumir pelo menos 1 chávena de chá verde ao dia.

Os estudos indicam que o consumo de 7 chávenas de chá verde ao dia pode ajudar a prevenir doenças cardiovasculares sempre que se leve uma dieta correta e hábitos de vida saudáveis.

O consumo de 1,5 gramas de chá verde ao dia, melhorou o metabolismo da glicose num estudo realizado em humanos saudáveis.

Os extratos de chá verde estandardizados ao 80% de catequinas, costuma-se consumir em doses de 500-1500 mg/dia. O consumo de 2 gramas de chá verde em pó em forma de suplemento dietético, resultou ser eficaz para ajudar a reduzir o peso corporal, assim como de 750-1.500 mg de extrato seco de chá verde (estandardizado ao 25% de catequinas) tomado de forma dividida em 2-3 tomas ao dia.

Leia também:  Como baixar jogos de ps3: 15 passos

Precauções

O consumo de chá verde não está aconselhado para pessoas com um sistema cardiovascular debilitado, alterações renais, hipertiroidismo ou alterações nervosas. Embora seja pouco frequente, em altas doses (geralmente mais de 10 chávenas ao dia) podem aparecer efeitos adversos sob o sistema nervoso como tremores, insónia, falta de descanso ou irritação gástrica.

As pessoas muito sensíveis à cafeína devem consumir os produtos de chá verde com cafeína durante as primeiras horas do dia.

As mulheres grávidas ou em período de lactação, deve ser o seu médico quem indique se devem o não consumir infusões de chá verde de forma moderada. No entanto, nos suplementos dietéticos à base de chá verde desaconselham-se durante estes estados fisiológicos, assim como também em crianças.

O chá verde é fonte de vitamina K e pode alterar a eficácia de medicamentos como a warfarina. E o seu elevado teor em taninos pode reduzir a absorção da teofilina que se aplica como broncodilatador.

Os taninos em excesso também podem reduzir a absorção de vitaminas e minerais como o ferro, sendo assim, não se recomenda a crianças nem a pessoas com anemia. Pela mesma razão, recomenda-se tomar os suplementos de chá verde fora das refeições.

Se toma algum tipo de medicamento, aconselha-se consultar com o seu médico antes de consumir produtos à base de chá verde (como por exemplo medicamentos que alteram a pressão arterial, diuréticos, benzodiacepinas ou medicamentos que podem aumentar o risco de hemorragias).

Também não é recomendável que as pessoas que devem abster-se do consumo de estimulantes consumam extratos de chá com cafeína.

Embora o consumo de polifenóis de chá verde tenha diversos benefícios à saúde, quantidades excessivas podem ter efeitos prejudiciais. De modos que é importante não superar a dose diária recomendada que aparece no rótulo de cada produto.

Chá verde, de alho e gengibre ajudam no sistema imunológico; veja receitas – Verso – Diário do Nordeste

Entre os cuidados de saúde mais comuns que recebemos de nossas mães e avós, por exemplo, está o preparo de um “chazinho” para melhorar algo não vai bem com nosso organismo.

Gostar dos sabores não é unânime, mas depois que sentimos os efeitos curativos desses “remédios naturais”, fica fácil tomar algumas doses generosas por dia.

Em tempos de coronavírus, aumentar a imunidade é uma busca constante do mundo inteiro e essa bebida também pode ser aliada neste processo. 

A comprovação científica dos benefícios terapêuticos das plantas medicinais usadas no preparo dessas infusões é algo que atrai pesquisadores como Mary Anne Medeiros Bandeira, diretora do Horto de Plantas Medicinais e coordenadora do Programa Farmácias Vivas da Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora do curso de Farmácia da referida instituição, ela aponta o alho, o gengibre e o chá verde como fontes garantidas de imunoestimulantes. 

Imunidade é o nome que damos à capacidade do organismo de se defender de invasores, no caso vírus, bactérias ou fungos que possam causar doenças. Quando ela está baixa, ficamos muito mais propensos a ter pequenas e grandes infecções e quadros como gripes”, complementa a pesquisadora. 

Mary Anne admite que, na prática diária, os profissionais de saúde constantemente se deparam com pacientes que se queixam do que consideram uma frequência elevada de infecções respiratórias; e buscam uma maneira de diminuí-las, aumentando a função do seu sistema imunológico com imunoestimulantes. 

“No cenário atual, os compostos naturais continuam em foco, permitindo assim o desenvolvimento e planejamento racional de novos medicamentos. Este é um sinal do avanço e do grande progresso que tem havido nos últimos anos na busca de terapias alternativas e no uso terapêutico de plantas medicinais”, observa. 

Sistema imune

No que se refere ao alho (nome científico: Allium sativum L), planta de origem asiática, Mary Anne compartilha que várias propriedades antibacterianas, antivirais e antifúngicas têm sido atribuídas a ele.

Seus princípios ativos, de acordo com ela, são compostos sulfurados, que lhe conferem odor característico, sendo os principais a alicina, a qual possui ação antioxidante. “Promove o aumento da proliferação dos linfócitos T, que destroem organismos estranhos e células infectadas.

Atua ainda no combate às infecções e inflamações”, pontua a pesquisadora. 

Ela destaca ainda que, curiosamente, a população utiliza o alho (pelo menos dois dentes), em estados gripais, na forma de chá, por infusão, associado ao limão (1 bulbilho/ dente triturado com metade de limão para uma xícara de água). Como o limão, além de vitamina C possui também ácido cítrico, ele estabiliza o princípio ativo do alho, e o mesmo não perde seu efeito terapêutico. 

Já no que diz respeito ao gengibre (nome científico: Zingiber officinale L.), de modo geral, ele atua nos problemas de garganta e em outras patologias que possuem o mecanismo de inflamação envolvido.

“É também rico em vitaminas C e B6, que ajudam na defesa do organismo, ou seja, imunoestimulantes.

É expectorante, reduz inflamações e dores, podendo ser utilizado para tratar gripes, resfriados, febre, tosse, garganta, congestão nasal, sinusite, asma e bronquite”, reforça a pesquisadora.

Legenda: O gengibre é expectorante, reduz inflamações e dores, podendo ser utilizado para tratar gripes, resfriados, febre, tosse, garganta, congestão nasal, sinusite, asma e bronquite

Foto: Foto: Ione Pioner

 

Na preparação do chá caseiro por infusão, Mary Anne orienta colocar um copo de água para ferver na panela. Logo após, apaggue o fogo e acrescente um pedaço de gengibre ralado (aproximadamente 10g). Depois de esfriar, recomenda-se tomar três vezes ao dia. 

A pesquisadora incentiva ainda, para este período, o chá verde (nome científico: Camellia sinensis), um dos mais consumidos no mundo, fato que o levou à inclusão no grupo de bebidas com propriedades funcionais.

O que poucos sabem é que, além de acelerar o metabolismo e contribuir para a queima de gorduras, ele também é rico em compostos que conferem à bebida uma boa atividade como antioxidante, ajudando no combate dos radicais livres, auxiliando na prevenção de diversas doenças, agindo como imunoestimulante, ou seja, fortalecendo o sistema imunológico. 

Para a preparação do chá por infusão, Mary Anne orienta colocar a água para ferver e, logo depois de apagar o fogo, acrescentar a erva, deixando-se em infusão por três minutos. Ele pode ser consumido morno ou gelado, três vezes ao dia. “Entretanto, é muito importante ressaltar que o chá verde também pode apresentar efeitos adversos, quando consumido prolongadamente”, alerta. 

Com os devidos cuidados, portanto, encontramos o caminho para um viver saudável naquilo demais natural que os seres humanos têm acesso, desde que existem neste planeta. Basta saber aproveitar aquilo que nos é oferecido sem se perder em excessos. De certa forma, é também sobre isso que a pandemia vem ensinar.

Propriedades

  • Tempero: O alho deve ser imediatamente utilizado depois de cortado, considerando que a trituração e o cozimento decompõem rapidamente o princípio ativo; 
  • Raiz: O gengibre é responsável pela inibição de diversos agentes inflamatórios e pela modulação de algumas vias bioquímicas acionadas no processo de inflamação crônica; 
  • Folhas: O chá verde é rico em magnésio, potássio, ácido fólico, vitaminas C, K, B1 e B2, que são importantes para o funcionamento do organismo.

Receitas

  1. Chá de alho com limão
     
  2. Ingredientes 
  • 1 copo de água 
  • 2 dentes (bulbilhos) de alho 
  • Meio limão com casca 

Modo de fazer

Em uma panela coloque a água para ferver. Logo após adicione o alho com o limão triturados. Deixe esfriar e coe. 

  • Consumo
  • Beba o chá três vezes ao dia. 
  • Chá de gengibre
  • Ingredientes
  • 1 copo de água 
  • 1 colher de sopa de gengibre ralado. 

Modo de fazer

Em uma panela coloque a água para ferver. Logo após, desligue o fogo e acrescente o gengibre ralado (aproximadamente 10g). Deixe esfriar e beba. 

  1. Consumo
  2. Beba o chá três vezes ao dia. 
  3. Chá Verde
  4. Ingredientes
  • 1 copo d’água 
  • 1 sachê da especiaria 
  • Modo de fazer
  • Para a preparação do chá por infusão, coloque a água para ferver, logo desligue o fogo e acrescente o sachê contendo a erva. Deixe na infusão por três minutos
  • Consumo
  • O chá pode ser consumido morno ou gelado, três vezes ao dia. 

Dieta do chá verde: perca 5 quilos em 15 dias

Ele desintoxica, desincha, acelera o metabolismo e queima gordura. O chá mais falado do momento tem ainda outros poderes a favor da saúde e contra o excesso de peso. Descubra, então, como colocá-lo no seu dia a dia. Melhor: combine-o com um cardápio leve para detonar as gordurinhas muito mais facilmente!

O sabor é amargo, mas logo você vai descobrir que o sacrifício de beber algumas xícaras de chá verde todos os dias vale a pena. Só para começar a lista de benefícios: ajuda a secar gordurinhas. É sério! Essa bebida milenar (e tão na moda atualmente) tem o poder de emagrecer. E existe comprovação científica. Uma pesquisa publicada no American Journal of Clinical Nutrition, conceituada revista da Sociedade Americana de Nutrição, acompanhou dois grupos de gordinhos. Os dois seguiram um cardápio de baixa caloria. Mas só o primeiro bebeu de seis a oito xícaras de chá verde por dia. No final do estudo, esses pacientes queimaram 4% a mais de gordura que o grupo que passou longe do chá. A explicação é que a bebida tem ação lipolítica. Não só isso: “O chá verde acelera o metabolismo, desintoxica e facilita a digestão”, diz a nutricionista Vanderlí Marchiori, especializada em fitoterapia e colaboradora da Associação Paulista de Nutrição. Mas não vale dar um ou dois golinhos – você tem de se comprometer a, diariamante, tomar pelo menos cinco xícaras. Emagrecer é apenas uma das vantagens do chá verde. Estudos feitos em importantes centros de pesquisa dos Estados Unidos e da Europa mostraram que também faz bem para a pele. Extraído da planta Camellia sinensis, tem altas concentrações de antioxidantes, considerados até mais potentes que os carotenos e as vitaminas C e E, substâncias que atuam contra as rugas precoces. Outra pesquisa, dessa vez realizada na Universidade de Tohoku, no Japão, e publicada recentemente no The Journal of the American Medical Association (Jama), mostrou que a erva é eficaz na prevenção de doenças do coração. Seus compostos reforçam as artérias, diminuem as taxas de colesterol ruim e bloqueiam o acúmulo de gordura na parede dos vasos sanguíneos. O consumo habitual também previne inflamações na gengiva e até tumores malignos de boca e mama. “Substâncias como as catequinas e os bioflavonóides são capazes de impedir alterações no DNA das células, o primeiro passo para o desenvolvimento de um câncer”, diz Vanderlí. Um teste de laboratório apontou mais um efeito positivo do chá verde: melhora a memória. Mas os estudos para comprovar mais esse efeito estão só no começo. É muito fácil preparar o chá verde, mas há alguns segredinhos importantes para você preservar os princípios ativos da erva. Vamos lá: coloque a água para ferver e assim que surgirem as primeiras bolhas de ar (antes de começar para valer o processo de ebulição), apague o fogo. Acrescente a erva (o ideal são 2 colheres de sopa para 1 litro de água, mas comece com apenas 1 colher, pelo menos até você se acostumar com o sabor do chá) e abafe por 2 ou 3 minutos. Depois é só coar e tomar. Para deixar o chá verde mais gostoso, coloque nossas dicas em prática: 1. Na hora de preparar o chá verde, não exagere na dose da erva. Use 1 col. (sopa) rasa para 1 litro de água – fica menos amargo. Só depois que você se acostumar ao sabor, acrescente mais uma colher para a mesma quantidade de água. 2. Preparar o chá verde com uma outra erva (fresca ou em saquinho) também melhora o sabor. Pode ser erva-cidreira, hortelã, erva-doce. Ferver a água com um pedaço de casca de abacaxi ou de manga é outra tática para deixar o chá mais gostosinho. Ou, ainda, pingue algumas gotas de limão no chá pronto. 3. Beber o chá em jejum é muito sacrifício? Troque de horário. Deixe para consumi-lo meia hora antes das refeições e duas horas depois. Ou seja, evite tomar o chá de estômago vazio ou muito cheio, diminuindo o risco de sentir enjoo ou azia. 4. Você está tomando algum medicamento? Não beba o chá sem consultar seu médico. Combinar o chá de Camellia sinensis a uma dieta equilibrada e de baixa caloria (esta tem 1300) é do que você precisa para emagrecer 5 quilos em 15 dias!

Leia também:  Como calcular custos fixos: 11 passos (com imagens)

1 xícara (200 ml) de chá verde (de preferência puro e morno, todos os dias)

Opção 1: 1 copo (200 ml) de leite de soja com 6 morangos, 1 col. (sopa) de granola light e 1 col. (chá) de mel (se necessário) + 1 torrada integral com 1 col. (chá) de requeijão light

Opção 2: 1 copo (200 ml) de leite desnatado com café + 1 fatia de pão integral light com 1 col. (chá) de margarina light e 2 fatias de peito de peru light + 1/2 papaia com 1 col. (sobremesa) de semente de linhaça triturada

Opção 3: 1 pote de iogurte light de fruta com 1 col. (sobremesa) de farelo de trigo + 1 fatia de pão integral light com 2 col. (sobremesa) de queijo cottage + 1 fatia média de melão

Opção 4: 1 copo (200 ml) de leite de soja batido com 1 col. (sobremesa) de cacau em pó + 1 col. (sobremesa) de farelo de trigo + 2 biscoitos integrais + 1 maçã média

Opção 5: 1 taça de salada de frutas (mamão, maçã e morango) com 2 col. (sopa) de iogurte natural desnatado, 1 col. (sopa) de aveia e 1 col. (chá) de mel (se necessário) + 3 torradas integrais com 1 col. (sopa) de cream cheese light

Opção 6: 1 pote de iogurte natural desnatado com 1 fatia pequena de mamão picado e 1 col. (sopa) de farelo de trigo + 1 tapioca com 2 col. (sopa) de geleia diet de frutas vermelhas + 1 copo (200 ml) de suco de uva (sem açúcar)

Opção 7: 1 prato (sobremesa) de salada de rúcula, cogumelo e rabanete + 1 espeto de carne magra grelhada + 2 canelones de ricota ao molho sugo + 1 espeto de morango com chocolate meio amargo

  • Opção 1: 1 pera + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com maçã seca
  • Opção 2: 1 barra de cereais light + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-cidreira
  • Opção 3: 1 maçã + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de abacaxi
  • Opção 4: 4 biscoitos de polvilho + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de laranja
  • Opção 5: 1 Polenguinho com Fibras + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-doce
  • Opção 6: 2 cookies de soja light + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de manga
  • Opção 7: 1 fatia fina de bolo simples + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com hortelã

Opção 1: 1 prato (sobremesa) de salada de escarola e pepino com 1 col. (sobremesa) de castanha de caju + 1 pedaço de frango (sem pele) grelhado com alecrim e tomate seco + 2 col. (sopa) de arroz integral + 1/2 concha de feijão + 3 col. (sopa) de abóbora refogada + 1 fatia de abacaxi

Opção 2: 1 prato (sobremesa) de salada de alface com 4 ovos de codorna e 1 col. (sobremesa) de ervilha fresca + 2 col. (sopa) de arroz integral + 1 porção média de cação ao forno + 2 col. (sopa) de abobrinha e shimeji grelhados + 2 figos (ou 1 fruta da sua preferência)

Opção 3: 1 prato (sobremesa) de salada de almeirão e palmito polvilhada com 1 col. (sobremesa) de queijo parmesão + 2 panquecas de frango com molho ao sugo + 4 col. (sopa) de espinafre refogado com milho verde + 1 fatia média de melancia

Opção 4: 1 prato (sobremesa) de salada de alface com 2 col. (sopa) de grão-de-bico + 2 pegadores de espaguete ao alho e óleo + 3 col. (sopa) de brócolis refogados com azeite e alho + 2 pedaços pequenos de quibe assado + 5 uvas verdes (tipo itália)

Opção 5: 1 prato (sobremesa) de repolho roxo e cubos de maçã + 2 col. (sopa) de arroz integral + 4 fatias finas de lombo magro assado + 2 col. (sopa) de farofa com couve-manteiga + 1 fatia de abacaxi com hortelã e capim-cidreira picadinhos

Opção 6: 3 col. (sopa) de soja ao vinagrete + 2 rodelas de ricota grelhada e temperada com molho de ervas finas + 2 col. (sopa) de purê de mandioquinha + 3 col. (sopa) de seleta de legumes refogada com azeite + 1 taça de mosaico de gelatina diet

Opção 7: 1 prato (sobremesa) de salada de rúcula, cogumelo e rabanete + 1 espeto de carne magra grelhada + 2 canelones de ricota ao molho sugo + 1 espeto de morango com chocolate meio amargo

Opção 1: 3 damascos secos + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com maçã seca

Opção 2: 1 banana amassada com 1 col. (sobremesa) de aveia e 1 fio de mel + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-cidreira

Opção 3: 5 castanhas-do-pará + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de abacaxi

Opção 4: 1 saquinho pequeno de soja tostada + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de laranja

Opção 5: 3 biscoitos integrais com 1 col. (sopa) de geleia light de morango + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-doce

Opção 6: 1 pote de iogurte natural desnatado com 2 col. (sopa) de extrato de soja sabor baunilha (ou chocolate) + 1 xíc. (chá) de chá verde com casca de manga

Opção 7: 1 pacote médio de pipoca sem manteiga + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com hortelã

Opção 1: 1 prato (sobremesa) de salada de brócolis e couve-flor + 1 filé pequeno grelhado acebolado + 2 col. (sopa) de arroz integral + 2 col. (sopa) de cenoura refogada + 1/2 banana assada com canela e cacau em pó

Opção 2: 1 prato (fundo) de sopa de abóbora com agrião + 1 sanduíche com pão ciabatta (sem miolo) recheado com queijo cottage, sardinha escabeche, alface e tomate + 1 laranja-lima

Opção 3: 1 prato (sobremesa) de salada de rúcula e erva-doce + 1 batata assada e recheada com atum e cogumelo + 3 col. (sopa) de vagem refogada + 2 fatias de manga

Opção 4: 1 prato (fundo) de sopa de legumes + 2 col. (sopa) de arroz integral + 2 col. (sopa) de frango xadrez + 3 col. (sopa) de chuchu e tomate ensopados + 1 rodela de abacaxi

Opção 5: 1 prato (sobremesa) de salada de alface com cenoura e rabanete em rodelas finas + 1 pastel assado de frango desfiado com requeijão + 2 ameixas vermelhas

Opção 6: 1 prato (sobremesa) de salada de escarola com tomate-cereja e azeitona preta picada + 1 fatia média de quiche de ricota com espinafre, mussarela light e orégano + 1 mexerica

Opção 7: 1 prato (fundo) de creme de mandioquinha + 1 cachorro-quente com 1 salsicha de frango, tomate picado, 1 col. (chá) de mostarda e 1 col. (chá) de catchup + 1 taça de musse light de limão

  1. Opção 1: 1 iogurte light de fruta + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com maçã seca
  2. Opção 2: 2 cookies integrais pequenos + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-cidreira
  3. Opção 3: 1 fatia média de papaia com semente de linhaça triturada + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de abacaxi
  4. Opção 4: 1 copo (200 ml) de suco à base de soja + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de laranja
  5. Opção 5: 1 fatia pequena de melão + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com erva-doce
  6. Opção 6: 1 rodela de abacaxi com hortelã picada + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com casca de manga
  7. Opção 7: 1 copo (200 ml) de iogurte batido com banana e ameixa + 1 xíc. (200 ml) de chá verde com hortelã

Tudo sobre Aliados da DietaAlimentação saudávelBloco_BOAFORMA_DietaDietas anti-inchaçoDietas com chásDietas detox

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*