Como alimentar um recém‐nascido com mamadeira

Pode ser aquela saidinha rápida até o mercado, ou algum compromisso do trabalho, ou a ida até o salão, e sim, com certeza na volta ao trabalho, você irá precisar de alternativas para oferecer o leite materno ao bebê.

Então surgem as dúvidas que as mamães sempre me perguntam! Como oferecer o leite materno sem ser na mamadeira? Que alternativas são interessantes para o bebê não desmamar? Quanto devo deixar de leite para meu bebê?

Ah, mas a mamadeira é tão fácil! Por que não posso/devo usar? A mamadeira é uma opção, sim, mas muitas vezes a mãe vêm de uma história de amamentação tão turbulenta e com tantas dificuldades que “perder o jogo” para a mamadeira nesse momento não é uma opção. Ou então justamente por essa “facilidade” da mamadeira é que o bebê acaba desmamando, pois o bebê escolhe a mamadeira ao invés do peito!

A volta ao trabalho não é sinônimo de desmame, como muita gente pensa. Ordenhar leite materno exige dedicação, persistência e paciência, mas é possível sim! Mas além disso, o como oferecer também é importante.

Quais são as opções de como oferecer leite materno? Veja!

???? Copinho aberto

Como Alimentar um Recém‐Nascido com MamadeiraComo Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira

esse é o famoso “copinho de pinga” que usamos também em recém nascidos para oferecer leite materno ordenhado. O bebê em posição semi-sentado sorve o leite que é trazido próximo da borda do lábio inferior da boca.

Vantagens: não tem bico que possa causar a tal da confusão de bicos. Rápido e fácil de higienizar.

Desvantagens: o bebê pode engolir muito ar, e com a agitação, acaba desperdiçando uma boa parte do leite. Os pais ficam inseguros e com medo do bebê engasgar.

???? Copo de transição com bico de silicone firme

Esse copo pode ter alças laterais ou não.  É recomendado que se retire a válvula, pois a idéia é o bebê não precisar fazer a sucção para beber o leite e sim tomar o leite que é derramado do copo sem muita força. O ideal é oferecer pausadamente o mesmo.

Vantagens: desperdiça menos leite, um pouco mais fácil de administrar.

Desvantagens: tem o bico de silicone, que mesmo não sendo mamadeira, pode causar uma certa confusão ao bebê. Muitos bebês em aleitamento materno não aceitam nenhum tipo de bico e pode não funcionar para eles.

  • ????Copo 360:
  • Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira
  • Como Alimentar um Recém‐Nascido com MamadeiraComo Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira

esse copo consiste num copo sem bicos, que apresenta uma vedação com silicone na sua parte superior, na qual o bebê precisa pressionar para sair líquido. Pode ter alças laterais para facilitar o bebê de pegar.

Vantagens: Não tem bicos e menor possibilidade de confusão com o peito. Às vezes bebês aceitam e assimilam bem a forma do seu uso.

Desvantagens: Não é muito fácil de usar para bebês que estão iniciando a introdução alimentar, e exige um pouco de treino. Pode desperdiçar leite.

????Colher dosadora:

Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira

Trata-se de uma colher acoplada a um recipiente de silicone originalmente usado para papinhas líquidas, mas que encontrou seu uso hoje para oferta de leite materno. O leite materno é oferecido na colher, com a vantagem que ter um recipiente acoplado que enche a mesma.

Vantagens: Não tem bico, com menor possibilidade de confusão com o peito.

Desvantagens: Pode desperdiçar leite no início, pois bebês podem não aceitar bem e não assimilar direito seu uso. Exige um pouco de treino do cuidador.

Tentei de tudo e meu bebê não aceita o leite de nenhuma forma! O que eu faço?

Muitas vezes o bebê em aleitamento materno exclusivo não aceita nenhuma forma de leite que não do peito, e é preciso calma e paciência para que essa aceitação ocorra.

O bebê faz uma espécie de “protesto”: como assim não tem mais peito livre demanda? E agora vou comer o quê? Não quero esse troço de plástico!!! Mesmo a mamadeira pode ser uma dificuldade, ainda que nem seja uma opção! (após esgotar todas essas alternativas!).

Leia mais sobre greve de peito em bebês

É preciso dar tempo ao tempo, e não forçar para que o bebê não crie ”traumas” desse período de transição. Ofereça quando o bebê não está com muita fome, nem muito cansado. Deixe-o explorar o copinho/colher.

Quanto devo oferecer?

O cálculo do tamanho do estômago do bebê é de 20 a 30ml/kg, mas nem sempre é o que eles tomam logo de início. Geralmente o bebê toma bem menos, pois ainda está aprendendo. A minha dica é você começar oferecendo em torno de 80 a 100ml de leite, e ir aumentando aos poucos, até chegar a quantidade que seu bebê costuma tomar. Esse volume é por volta de 150ml aos 6 meses.

Leia mais sobre como retirar leite materno

Leia mais sobre como armazenar leite materno

Muita calma e paciência, aguenta coração! Esse momento de volta ao trabalho é difícil para ambos, mãe e bebê, mas vai dar certo! É possível manter a amamentação mesmo com a mãe voltando a trabalhar sim.

  1. Que tal compartilhar o conteúdo para aquela mãe que já está sofrendo com a volta ao trabalho?
  2. Um bjo
  3. Dra. Kelly Marques Oliveira

Este é o MELHOR jeito de alimentar bebê que não mama no peito (NÃO é mamadeira)

Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira happybas/Shutterstock

Quando a mãe retorna ao trabalho ou por algum motivo não há produção de leite materno, entra em cena o uso de outros artifícios para alimentar o pequeno. Mesmo sendo o instrumento mais utilizado pelos pais, a mamadeira não está entre os métodos mais recomendados.

Segundo o Ministério da Saúde, a mamadeira além de ser uma grande fonte de contaminação pode influenciar negativamente a amamentação, causando o desmame precoce. Como o leite flui em abundância da mamadeira na comparação com o peito da mãe, o pequeno começa a estranhar a lentidão e preferir a maneira mais fácil de matar a fome.

Problemas no uso da mamadeira

Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira vchal/istock

A Sociedade Brasileira de Pediatria acredita que o uso de mamadeiras e chucas confundem o bebê, já que a forma de sugar ao seio é completamente diferente dos bicos artificiais. Como consequência, existe um risco maior do bebê recusar o peito, diminuindo o contato mamãe-bebê que é tão importante para seu crescimento emocional.

Além de interferir na amamentação, a mamadeira pode prejudicar o desenvolvimento do bebê: seu uso prolongado favorece problemas na arcada dentária, mandíbula e palato – o que leva a prejudicar também a fala. A curto prazo, o bebê que usa a mamadeira tem mais dificuldades na adaptação aos alimentos sólidos, que são introduzidos na rotina dos pequenos a partir dos 6 meses de idade.

Copinho é a melhor opção

Utilizar um copinho com bordas arredondadas é o método mais prático e recomendado para dar leite ao bebê quando a mãe estiver ausente e não pode amamentar. O copinho não interfere no aleitamento e ainda estimula a sucção e deglutição, com movimentos que são similares àqueles realizados ao mamar no peito.

Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira Ivolodina/Shutterstock

Com a língua, o bebê realiza estes movimentos de sugar o leite dentro do copo, exercitando todos os músculos da face. Desta forma, não há comprometimento em processos futuros como mastigação e fala.

O copinho pode ser usado por recém-nascidos e bebês maiores, que ainda não começaram a utilizar os chamados copos de transição para se alimentar. Segundo especialistas, mesmo os bebês menores conseguem pegar o leite com a língua e descansar, diminuindo inclusive as chances de engasgos na comparação com a mamadeira.

Como utilizar o copinho?

A recomendação é que a mãe utilize o copinho exclusivamente com leite materno até os seis meses e, de maneira complementar, incrementando a alimentação com sucos e chás até os dois anos de idade.

A Sociedade Brasileira de Pediatria dá as seguintes orientações para o uso do copinho na alimentação do bebê:

  1. Despertar o bebê, massagear os pés e a face. Não deixar que o bebê esteja agitado de fome ou outro desconforto porque pode dificultar o processo;
  2. Acomodar o bebê na posição sentada ou semi‐sentada em seu colo, sendo que a cabeça forme um ângulo de 90º com o pescoço;
  3. Encostar a borda do copo no lábio inferior do bebê e deixar o leite materno tocar o lábio lentamente;
  4. O bebê fará movimentos de lambida do leite seguidos de deglutição;
  5. Não despejar o leite na boca do bebê para evitar engasgos.

Conselhos úteis para a alimentação do bebê

Alimentar ao bebê com mamadeira sem remorsos

Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira

Todos nós sabemos que o aleitamento materno e o leite da mãe é o melhor alimento para o recém-nascido. Assim que muitas mães de primeira viagem vivem atemorizadas nos primeiros dias de contato com o seu filho pensando se conseguirão fazê-lo bem, obrigando-se até extenuar em dar o peito. 

Existem mães que têm problemas (porque o bebê não se agarra ao peito, ou não sobe leite a tempo, não tem leite suficiente ou por alguma doença). Isso gera estresse, ansiedade e terminam recorrendo ao aleitamento misto, sem se dar conta de que se condenam por muito tempo a um sacrifício quase desumano. Vale à pena?  

Leia também:  Como baixar arquivos em um cartão sd no windows ou macs ou mac

Talvez já te tenham dito que todas as mulheres podem dar o peito. E você acabe se desesperando para consegui-lo. Talvez você consiga. Talvez não. Nem todas as mulheres conseguem das o peito ao seu filho, seja por qualquer motivo que for. 

Para mim demorou sete dias para o leite subir. Antes disso, nenhuma gota. Depois, uma gota e meia. Tinha duas bombas para tirar leite, uma manual e outra elétrica. Eu me colocava constantemente para dar o peito à minha filha. Aguentava uma hora, mais ou menos. Mas, minha filha chorava. Tinha fome.

Então eu optava em usar a bomba para tirar o leite. Após uma hora só conseguir umas poucas gotas. Enquanto isso, eu preparava a mamadeira com leite artificial. E, por fim mamava com gosto. Seus olhinhos logo ficavam brilhantes e se encontrava com os meus.

Ela apertava a minha mão com o seu dedinho e suas lágrimas eram de emoção, de amor, de devoção. Nesses momentos eu me lembrava das palavras da minha ginecologista: ‘Tente por todos os meios o aleitamento materno, mas se não conseguir, não se desespere. O mundo não vai acabar por isso.

Sua filha vai te amar da mesma forma se você der mamadeira a ela. Basta que você tente dar um pouco de leite seu os primeiros três meses’. E assim eu o fiz.  

Com o segundo filho eu voltei a tentar. E voltou a ocorrer a mesma coisa.

Mas, dessa vez já não tinha remorsos em dar-lhe a mamadeira, porque já tinha vivenciado a experiência anterior e me dei conta que o vínculo afetivo entre o bebê e sua mãe não depende do peito e sim dos olhares, do tato, da voz e de todos os sentidos que são despertos ao pegar e abraçar o seu filho nos braços. E nisso tudo tinha uma grande vantagem: o pai também podia participar do aleitamento e fazer parte do vínculo que une toda a família. 

Assim, o meu conselho é este: tente. Claro, sempre a gente deve fazer o possível para dar o melhor alimento para o nosso filho. Mas, se não conseguirmos na primeira semana, não se chicoteie, nem se torne escrava do aleitamento misto. O seu bebê crescerá féis se você estiver bem e feliz. Lembre-se que você transmite tudo o que sente a ele, mesmo já tendo cortado o cordão umbilical. 

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com

Puedes leer más artículos similares a Alimentar ao bebê com mamadeira sem remorsos, en la categoría de Recém Nascido en Guiainfantil.com Brasil.

Alimentar o bebê com leite extraído: as respostas às suas perguntas

Quando você pode começar a alimentar o bebê com leite materno extraído? Qual a melhor forma de fazê-lo? E você deve se preocupar com a “confusão de mamilos”? Vamos responder às suas perguntas sobre alimentação com leite extraído

Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira

Se seu bebê for saudável e a amamentação estiver indo bem, não é preciso ter pressa para alimentá-lo com leite extraído.

Nas primeiras quatro semanas, vocês atuam em conjunto para iniciar e desenvolver sua produção de leite materno, enquanto o bebê aprende a mamar de maneira eficiente.

Embora ainda existam poucos dados,1 acredita-se que introduzir mamadeira sem necessidade no primeiro mês, que é fundamental, pode interferir nesses processos.

Mas se, por qualquer motivo, seu recém-nascido tiver dificuldade de pegar a mama ou sugar, comece a extrair leite assim que possível após o parto. Leia nossos artigos sobre como superar problemas na primeira semana e alimentar seu bebê prematuro ou com necessidades especiais com leite materno, e peça ajuda aos seus profissionais de saúde.

Existe uma gama de soluções de alimentação desenvolvidas por especialistas, que ajudam na alimentação com leite extraído conforme as necessidades da mãe e do bebê.

Por exemplo, o inovador bico Calma Medela só permite o fluxo de leite quando o bebê cria vácuo ao sugar. Isso significa que o bebê pode usar a mamadeira com a mesma técnica e movimentos da língua e dos maxilares que usaria na mama.

2,3 Desenvolvido por especialistas em amamentação da Universidade da Austrália Ocidental, o Calma permite que o bebê sugue, engula, faça uma pausa e respire como faz ao mamar no peito.

4 Mantendo o comportamento de sucção natural do bebê, o Calma foi desenvolvido para facilitar a alternância entre o peito e a mamadeira.

A Medela também fabrica bicos de mamadeira convencionais com duas versões de fluxo. E todos os nossos bicos podem ser encaixados diretamente nos frascos em que você extrai o leite, diminuindo o risco de derramamento.

Se seu recém-nascido precisar de leite extraído, mas você não quiser dar mamadeira até ele se acostumar com a amamentação, use um copo graduado para alimentação do bebê, desenvolvido para uso em curto prazo.

Com o copo o bebê pode bebericar ou lamber seu leite extraído – mas tenha cuidado para não derramar! É aconselhável que um profissional de saúde a acompanhe na primeira vez que você usar o copo graduado para alimentação do bebê, para garantir seu uso correto.

Um sistema de nutrição suplementar (SNS) pode ser útil no caso de bebês que precisam de complemento de leite extraído além da amamentação regular.

O sistema contém um tubo de alimentação fino e flexível que é fixado no mamilo, para que o bebê receba leite extraído enquanto mama.

Isso permite que o bebê fique mais tempo no seu peito, o que estimula seus seios a manter a produção de leite e melhora a habilidade do bebê para mamar. O sistema também é útil para mães com baixa produção de leite, mães adotivas e mães de aluguel.

Se seu bebê não conseguir fazer os movimentos de sucção necessários para mamar – devido a uma incapacidade, fragilidade ou condição congênita – experimente um alimentador desenvolvido para bebês com necessidades especiais. Esse alimentador permite que o bebê que não consegue sugar se alimente por meio de uma leve compressão.

Se a amamentação estiver indo bem e você decidir que é a hora certa de alimentar o bebê com mamadeira de leite extraído, siga estas dicas:

Não tenha pressa

Não espere por uma saída especial à noite ou o dia de voltar ao trabalho para dar a primeira mamadeira. Comece experimentando com uma pequena quantidade de leite extraído, de forma tranquila e sem pressa, com algumas semanas de antecedência. Continue de forma gradual, até fazer uma sessão completa de leite materno na mamadeira.

  • Escolha o momento
  • Na primeira vez que você der mamadeira de leite extraído, o ideal é que o bebê esteja alerta, mas sem muita fome, para que fique bem descontraído.
  • Peça que outra pessoa cuide da alimentação

Seu bebê pode ficar confuso ou frustrado quando você oferecer a mamadeira, pois ele está acostumado com a sua mama. Pode ser mais fácil se outra pessoa der a primeira mamadeira enquanto você estiver em outro ambiente, para que o bebê não a veja nem sinta seu cheiro.

  1. Nem muito quente, nem muito frio
  2. É mais provável que o bebê aceite o leite extraído numa temperatura próxima à corporal, 37 °C.
  3. Molhar e bebericar

Experimente molhar o bico da mamadeira em leite extraído antes de oferecê-la ao bebê, para que ele sinta o sabor e o cheiro do seu leite. Depois, estimule suavemente o lábio superior do bebê com o bico, para que ele abra a boca.

Posição para alimentar com mamadeira

Alimente seu bebê por livre demanda, colocando-o em posição semivertical. Nunca dê mamadeira com o bebê deitado, nem o ajeite na cama com mamadeira para evitar que se engasgue. Siga o ritmo dele, com as pausas de que ele precisar – você pode até mudar de lado durante a alimentação.

Seja paciente

Não se preocupe se ele não aceitar logo a mamadeira – pode ser preciso fazer várias tentativas. Se ele empurrar a mamadeira ou ficar inquieto, acalme-o e espere alguns minutos antes de tentar novamente. Se mesmo assim ele não quiser a mamadeira, espere mais alguns minutos e amamente-o no peito normalmente. Tente outra vez com a mamadeira em outro horário.

Os bebês são todos diferentes. Pesquisas mostram que, em bebês de um a seis meses, um pode ingerir apenas 50 ml durante uma sessão, enquanto outro pode chegar a 230 ml. Comece preparando uma mamadeira com cerca de 60 ml e veja se o bebê precisa de maior ou menor quantidade. Logo você vai saber quanto ele toma normalmente – mas nunca o pressione a tomar toda a mamadeira. 

Sempre limpe e desinfete seu equipamento de extração de leite e os frascos de acordo com as instruções, e lave as mãos antes de extrair, manusear o leite e alimentar o bebê. Siga as nossas orientações para armazenamento e descongelamento seguro do leite extraído.

Leia também:  Como aplicar base em bastão: 10 passos (com imagens)

Para aquecer o leite extraído, coloque a mamadeira ou saco de armazenamento numa tigela de água quente ou aquecedor de mamadeira, ou coloque embaixo da torneira de água quente (máx. 37 °C). Nunca aqueça leite materno no micro-ondas ou no fogão.

As mães às vezes se preocupam que, se derem mamadeira cedo demais, o bebê fique acostumado ao bico artificial e tenha dificuldade de voltar a mamar no peito. Outras se preocupam com o contrário – se não acostumarem o bebê com a mamadeira cedo, ele pode nunca aceitá-la mais tarde. Esses dois problemas são normalmente denominados “confusão de mamilos”.

Nem todos os especialistas concordam que a confusão de mamilos seja mesmo um problema.

1 Certamente, sugar o bico de mamadeira convencional, que não precisa de vácuo, exige menos esforço do bebê do que sugar os mamilos da mãe, pois o leite flui mais livremente e a gravidade ajuda.

E alguns bebês preferem mesmo o peito ou a mamadeira, e nunca se adaptam ao outro. Mas muitos alternam facilmente entre os dois. 

Se você continuar tendo dificuldade para alimentar seu bebê com leite extraído, procure um consultor em aleitamento ou especialista em amamentação.

Esqueça as mamadeiras; aprenda a dar leite para o seu bebê no copinho

Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira

Pai dá leite materno para o filho usando copinho (Foto: Gabi Trevisan)

Voltar ao trabalho e continuar a amamentação do bebê somente com o leite materno é o desejo de muitas mães. As mulheres fazem a ordenha, preparam um bom estoque antes de voltar ao trabalho, mas há algo que elas precisam fazer também: treinar o bebê a tomar o leite materno no copinho.

Para dar certo, é preciso muita persistência da mãe e também de quem vai oferecer o leite para o bebê na sua ausência.

Uma dica é a mãe começar o treinamento como se fosse uma brincadeira, ou seja, dá um pouco de peito e depois fala para o bebê para ele experimentar tomar um pouco no copinho.

Dica importante: não desista na primeira tentativa pois é preciso paciência e tranquilidade para e treinar o bebê.

A obstetriz e consultora em aleitamento materno, Ana Garbulho, diz que dar o leite no copinho é muito fácil e, para mostrar como é simples, ela fez um vídeo da sua filha tomando leite desta maneira (veja o vídeo abaixo).

Ana aconselha os pais a usar um copo de vidro (para poder ver se o leite está chegando até a boca do bebê) e utilizar copos pequenos (aqueles usados para servir pinga ou qualquer um que tenha a borda gordinha para não machucar a boca do bebê).

A consultora explica que o bebê deve estar semi-sentado  e então o adulto leva o copinho até a sua boca. “O importante é encostar as bordas do copinho no canto da boca do bebê. Ele fará o restante pois vai movimentar a língua entrando e saindo do copo, buscando o leite, igual a um gatinho”, diz Ana.

Os pais devem encher o copinho com leite até a metade e inclinar o copinho até que o nível do líquido chegue à borda.  No livro Manual Prático de Aleitamento Materno, o pediatra Carlos González diz que o erro mais frequente é não introduzir bem o copo, mas apoiar a sua borda no lábio o que faz com que o líquido derrame.

O copinho também pode e deve ser usado em recém-nascidos caso a mãe precise se ausentar ou por prematuros em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) neonatal que já estão aprendendo a sugar o seio materno.

Em casos de bebês pequenos, o melhor é fazer um cueiro (charutinho) no bebê pois como ele se mexe muito pode atrapalhar as mãozinhas batendo no copinho.

É recomendado também ferver o copinho antes de servir ao bebê por aproximadamente 20 minutos.

OFEREÇA O LEITE ANTES DA FOME

Ana diz que é importante a mãe oferecer o copinho antes do bebê estar com muita fome pois desta maneira ele ficará impaciente e não aceitará tão bem a novidade.É preciso também um pouco de paciência pois o bebê demora um pouco mais para se alimentar do que se estivesse usando uma mamadeira convencional.

E qual o motivo de não dar a mamadeira? Qualquer bico artificial, seja mamadeira ou chupeta, é prejudicial ao aleitamento materno. A tendência do bebê que é introduzido precocemente à mamadeira é que ocorra o desmame já que os movimentos de língua são bem diferentes quando ele mama no peito e na mamadeira.

Se o bebê for para o berçário, o ideal é começar o treinamento cerca de um mês antes para ele se adaptar bem ao copinho. Se o bebê for maiorzinho, é comum ele recusar o leite materno servido no copinho pela própria mãe e, por isso, o aconselhável é pedir para o pai ou outro cuidador iniciar o treinamento.

dstq-amamentação maternidade ativa

Alimentar o seu bebé com leite extraído: as respostas às suas perguntas

Quando pode começar a alimentar o seu bebé com leite materno extraído? Qual é a melhor forma de o fazer? E deve preocupar-se com a “confusão de mamilos”? Respondemos às suas perguntas sobre a alimentação com leite extraído

Como Alimentar um Recém‐Nascido com Mamadeira

Se o seu bebé for saudável e a amamentação estiver a correr bem, não precisa de ter pressa para lhe dar leite extraído.

Durante as primeiras quatro semanas, vão estar a trabalhar em conjunto para iniciar e desenvolver a sua produção de leite materno, enquanto ele aprende a mamar de forma eficiente.

Apesar de existirem poucos dados,1 pensa-se que introduzir o biberão sem necessidade durante este primeiro mês crucial pode interferir com estes processos.

Mas se, por qualquer motivo, o seu recém-nascido tiver dificuldade a agarrar a mama ou na sucção, então comece a extrair leite logo que possível após o parto.

Leia os nossos artigos sobre como ultrapassar os problemas na primeira semana e como alimentar o seu bebé prematuro ou com necessidades especiais com leite materno, para obter mais conselhos, e peça apoio aos seus profissionais de saúde.

Existe uma gama de soluções de alimentação concebidas por especialistas, que podem ajudá-la a dar leite extraído ao seu bebé, dependendo das necessidades de ambos.

Por exemplo, a inovadora tetina Calma da Medela só permite o fluxo do leite quando os bebés criam um vácuo através dos movimentos de sucção. Isto significa que podem alimentar-se com um biberão usando a mesma técnica e os mesmos movimentos da língua e dos maxilares que utilizariam na mama.

2,3 Desenvolvido com especialistas em amamentação da Universidade da Austrália Ocidental, o Calma permite que o seu bebé sugue, engula, faça uma pausa e respire como faz quando mama.

4 Mantendo o comportamento de sucção natural do bebé, o Calma foi concebido para fazer com que seja fácil alternar entre a mama e o biberão.

A Medela também fabrica tetinas de biberão convencionais com duas versões de fluxo. E todas as nossas tetinas podem ser acopladas diretamente aos biberões para os quais extrai o leite, minimizando os riscos de derrames.

Se o seu recém-nascido precisar de leite extraído, mas não lhe quiser dar o biberão até ele se ter habituado à amamentação, pode utilizar um copo graduado para alimentação do bebé concebido para alimentação a curto prazo.

Isto permite ao seu bebé beberricar ou lamber o seu leite extraído – tenha cuidado para evitar derrames! É aconselhável ter um profissional de saúde consigo na primeira vez que usar o copo graduado para alimentação do bebé, para se certificar de que estão ambos a utilizá-lo bem.

Um sistema de nutrição suplementar (SNS) pode ser útil no caso de bebés que precisam de suplementos de leite extraído além da amamentação regular. Tem um tubo de alimentação fino e flexível que pode ser preso ao lado do seu mamilo para dar ao seu bebé leite extraído enquanto mama.

Isto permite que o bebé fique mais tempo na sua mama, dando mais estímulo aos seus seios para ajudar a manter a sua produção de leite e ajudando, também, a melhorar a habilidade do bebé para mamar.

Pode ser útil para mães com uma baixa produção de leite e para mães adotivas e maternidade sub-rogada.

Se o seu bebé não conseguir fazer os movimentos de sucção necessários para mamar – talvez devido a uma incapacidade ou a uma fragilidade ou condição congénita – pode experimentar um biberão concebido para bebés com necessidades especiais. Estes biberões permitem que os bebés que não conseguem sugar se alimentem usando, em vez disso, uma leve compressão.

Se a amamentação estiver a correr bem e tiver decidido que é a altura certa para dar ao seu bebé um biberão de leite extraído, siga estas dicas:

Não tenha pressa

Não espere pela sua saída especial à noite ou pelo primeiro dia de regresso ao trabalho para dar o primeiro biberão ao seu bebé.

Comece por experimentar com pequenas quantidades de leite extraído, de uma forma descontraída e sem pressas e com algumas semanas de antecedência.

Vá continuando de forma gradual até fazer uma sessão de alimentação completa de leite materno extraído, com um biberão.

  • Escolha o momento
  • Na primeira vez que lhe der um biberão de leite extraído, o ideal é o seu bebé estar desperto, mas não com muita fome, para estar tão descontraído quanto possível.
  • Delegue as tarefas de alimentação
Leia também:  Como aplicar base no rosto: 13 passos (com imagens)

O seu bebé pode ficar confuso ou frustrado quando lhe der um biberão, pois está habituado à sua mama. Poderá ser mais fácil se for outra pessoa a dar-lhe o primeiro biberão e se não estiver na sala, para ele não a ver nem sentir o seu cheiro.

  1. Nem muito quente, nem muito frio
  2. É mais provável o seu bebé tomar o leite extraído se estiver perto da temperatura corporal – 37 °C.
  3. Mergulhar e beberricar

Experimente mergulhar a tetina do biberão em algum leite extraído antes de o oferecer ao seu bebé, para ficar a saber e a cheirar ao seu leite materno. Depois, estimule suavemente o lábio superior com a tetina, para o encorajar a abrir a boca.

Posicionamento para alimentação com biberão

Alimente o seu bebé a pedido e aconchegue-o numa posição semi vertical. Nunca o alimente com o biberão se ele estiver completamente deitado, nem o endireite quando estiver com o biberão, para evitar que se engasgue. Siga o ritmo dele, com as pausas que ele precisar – pode mesmo experimentar mudar de lado durante a alimentação.

Seja paciente

Não se preocupe se ele não aderir logo ao biberão – pode ter de fazer várias tentativas. Se ele afastar o biberão ou ficar inquieto, reconforte-o e espere alguns minutos antes de tentar de novo. Se, mesmo assim, ele não beber do biberão, espere mais alguns minutos e depois amamente-o como é costume. Tente de novo com o biberão noutra altura do dia.

Todos os bebés são diferentes. A investigação mostra que, nos bebés com um a seis meses, um bebé pode tomar apenas 50 ml durante uma sessão de alimentação, enquanto outro pode tomar 230 ml.

Comece por preparar um biberão com cerca de 60 ml e veja se o seu bebé precisa de mais ou de menos.

Em breve, terá aprendido quanto leite ele toma, em geral – mas nunca o pressione a beber todo o biberão. 

Limpe e desinfete sempre o seu kit de extração de leite e os biberões de acordo com as instruções e lave as mãos antes de extrair, de manusear o leite e de alimentar o seu bebé. Siga as nossas orientações para o armazenamento e descongelamento em segurança do seu leite extraído.

Se aquecer o seu leite extraído, coloque o biberão ou saco numa tigela de água quente ou num aquecedor de biberões ou passe-o debaixo da torneira de água quente (máx. 37 °C). Nunca aqueça leite materno no micro-ondas ou no fogão.

Por vezes, as mães preocupam-se que o seu bebé se habitue à tetina artificial e depois tenha dificuldades em voltar a mamar, se lhe derem o biberão demasiado cedo. Outras preocupam-se com o contrário – se não habituarem o seu bebé ao biberão cedo, ele pode nunca vir a aceitá-lo mais tarde. De uma forma geral, estes dois problemas são referidos como “confusão de mamilos”.

Nem todos os especialistas concordam que a confusão de mamilos seja mesmo um problema.

1 A sucção de uma tetina de biberão convencional que não precise que seja criado vácuo implica, certamente, menos esforço por parte do bebé do que a sucção nos mamilos da mãe, pois o leite flui mais livremente e a gravidade dá uma ajuda. E alguns bebés preferem mesmo ou a mama ou o biberão e nunca se adaptam ao outro. Mas, muitos bebés alternam facilmente entre os dois. 

Se continuar a ter dificuldades a alimentar o seu bebé com leite extraído, fale com um consultor em aleitamento materno ou especialista em amamentação.

"Uma mamadeira teria salvado meu filho"

  • WhatsApp
  • Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • Linkedin
  • Copiar Link

Landon Johnson (Foto: Arquivo pessoal)

Cinco anos após perder seu bebê, a norte-americana Jillian Johnson resolveu postar um desabafo que serve de alerta a todos os pais.

Desde que Landon Johnson nasceu, em 2012, ela passou dias tentando amamentá-lo, continuamente. Mas o menino só chorava e chorava e chorava. Jillian sentia que havia algo errado, mas os médicos garantiam que tudo estava normal no comportamento do pequeno. E assim, três dias após o nascimento, Jillian e Landon foram para casa.

Leia também

Algumas horas depois de chegarem, ela encontrou o filho inerte e desacordado, azulado e com pulso fraco. O bebê não respondia a nenhum estímulo.

Jillian e o marido, Jarrod, levaram o pequeno imediatamente para o hospital. Os médicos tentaram reanimá-lo, mas não foi possível.

O bebê precisou ficar ligado a máquinas para continuar respirando e, 19 dias depois, os pais optaram por desligar os aparelhos.

A suspeita dos médicos se confirmou por meio de uma ressonância magnética: Landon estava tão desidratado que sofreu uma parada cardíaca. “Você sabia que os recém-nascidos não deveriam chorar o tempo todo? Eles devem comer e dormir e sujar suas fraldas.

Eu não tinha ideia de que ele estava inconsolável porque ele estava morrendo de fome – literalmente. E quando um bebê está apenas mamando no peito, como podemos avaliar quanto está realmente saindo de leite??”, escreveu Jillian no post.

No texto ela conta também que foi só mais tarde, com o nascimento da filha, que percebeu como o comportamento de Landon era, de fato, anormal. “Ainda tenho muitos, muitos dias de culpa e perguntas – e se eu tivesse dado uma mamadeira? E raiva por me perguntar como eu teria adivinhado.

Lembro-me quando Stella (minha segunda filha) nasceu, e ficava sempre quieta. Eu perguntava às enfermeiras o que havia de errado com ela. E elas respondiam que não havia nada errado. Ela fazia o que tinha que fazer. Dormia. Comia.

E foi então que eu percebi que não era normal que um recém-nascido chorasse tanto como Landon. Ele estava apenas chorando de fome. Mas eu não sabia. Eu deveria saber. Eu ainda luto todos os dias com o sentimento de que falhei com ele”, escreveu a mãe.

A pediatra Flavia Oliveira, de São Paulo (SP) explica que esse, é claro, é um caso gravíssimo, mas não impossível.

“É um caso extremo em que um profissional orienta mal e a mãe acha que se não amamentar vai ser uma péssima mãe. Eu acredito no aleitamento materno, que todo mundo sabe ser a melhor opção.

Mas nem toda mãe consegue ter uma produção suficiente e isso é algo que provoca muita polêmica”, diz.

Quando o bebê nasce, a mãe produz o colostro, que parece uma água de arroz. É um leite pouco volumoso e com pouca gordura, mais ralo. É só no 3º ou 4º dia após o parto é que desce o leite maduro. “Nesse período do colostro, há bebês que não se satisfazem e precisam receber um complemento durante dois ou três dias.

Depois, voltam à amamentação normalmente. Complementar não quer dizer que o bebê não vai ser amamentado nunca mais. E é possível oferecer o complemento em um copinho, para não dar a confusão de bicos”, explica a pediatra.

Ela ressalta ainda que às vezes o leite pode demorar até mais para descer após o parto e os bebês ficam, sim, com fome.

Por isso, é preciso acompanhar de perto a quantidade de vezes que o recém-nascido urina (devem ser quatro por dia, pelo menos) e monitorar o peso.

Se um bebê no segundo dia de vida está há duas ou três trocas sem xixi na fralda, já é preciso fazer uma avaliação médica. Quanto ao peso, vale lembrar que recém-nascidos perdem 10% da massa que nasceram até 3 dias após o parto.

“Mas a partir daí, não podem mais perder, têm que estabilizar e no 10º ou 12º dia precisam chegar ao peso que nasceram”, alerta Flavia.

Outra forma de garantir que o bebê está bem alimentado é, depois das mamadas, a mãe sentir que o peito “esvaziou”. Assim, dá para saber se o bebê realmente está sugando todo leite de que precisa ou se há algum problema na sucção, como pega incorreta. 

Outros sinais de que o bebê está desidratado:

  • – a moleira mais funda do que o normal;- boca seca;- saliva grossa;- irritabilidade;- sonolência excessiva – alguns bebês ficam hipoglicêmicos por causa da fome e, para poupar energia, desaceleram;
  • – choro sem lágrima (já é um sinal extremo de desidratação).

Leia também

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*