Como agir perto dos pais da sua namorada (com imagens)

Se tem algo que a gente pode ter certeza em matéria de relacionamento é que todo mundo carrega uma bagagem.

Essa bagagem pode ser tanto emocional, como as feridas e aprendizados que carregamos de outros relacionamentos, quanto algo mais físico: como são os filhos.

É aquela história: existe ex-marido, ex-esposa, ex-namorado(a) – mas “ex-filho” não existe não!

Já que a vida não acaba na primeira desilusão amorosa (ainda bem), esses pais e mães solteiros naturalmente voltam a namorar. Mas uma coisa é certa: o novo(a) namorado(a) vai ter que se adaptar ao terceiro componente dessa relação! Se você já esteve nessa posição, vai se identificar com essas 10 situações que só quem namora alguém que tem filho(s) pode entender:

1. Namorar alguém com filho(s) é ter que conquistar em dobro!

Achou difícil conquistar sua namorada(o)? Boa sorte tentando conquistar o(s) filho(s) dela(e)! Afinal, se essa parte tão importante da vida do seu parceiro não te aceitar, dificilmente as coisas vão pra frente.

2. Assistir a filme romântico agarradinho no sofá? Nada disso: a televisão não sai do desenho infantil!

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Prepare-se, pois em pouco tempo você vai saber a musiquinha de todos os desenhos da Discovery Kids.

3. E no fim você vai descobrir que gosta de vários desses desenhos

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Quem é que não vira um pouco criança perto de uma, não é mesmo?

4. A programação em casal constantemente vai depender das vontades do(s) filho(s)

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Quem nunca teve que sair às pressas de um lugar porque a criança colocou na cabeça que iria para casa, não sabe o que é isso.

5. Afinal: crianças são bem imprevisíveis

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Num momento felizes, no outro fazendo birra…

5. Mas o que ninguém te conta é que essa também é uma ótima desculpa para não ir a algum evento chato

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

“Ah, não vamos poder ir, o filho da minha namorada(o) tá um pouco febril…”

6. Se tem algo que você tem que aprender é que, neste caso, ex não faz parte do passado

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Afinal, quando sua namorada(o) tem um filho com outra pessoa, não dá para cortar todos os laços com o passado. A mínima convivência sempre será necessária!

7. E apesar de você não ser o pai/mãe, acaba aprendendo também lições valiosas sobre como cuidar de uma criança

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Do assoar do nariz até a negociação para conseguir fazê-lo comer seus vegetais.

8. Datas que antes não significavam nada para você, passam a ter a maior importância

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Dia das Crianças, Halloween, Páscoa, Natal – pode preparando o bolso para comprar muitos brinquedos e chocolates!

9. E, muitas vezes, terão intrusos na cama de vocês..

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Que podem até atrapalhar sua noite de sono, mas você não vai ter muito o que fazer em relação a isso.

10. Mas no fim você descobre que o(s) filho(s) de alguém são só motivos extras para amar ainda mais a pessoa!

Mais pedacinhos da sua namorada(o) para dar muito amor e atenção ♥

Veja 10 maneiras de impressionar os pais do namorado

Você pode ter passado por isso diversas vezes, mas conhecer os pais do namorado é sempre uma ocasião especial. Independentemente do estilo da família, existem algumas atitudes que ajudarão a transformar o encontro em sucesso. Veja 10 delas listadas pelo site da revista Cosmopolitan.

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Leve um presente: não dê ouvidos às pessoas que dizem que não é preciso. Em geral, os pais dele não esperam ver você de mãos vazias. Se for conhecê-los durante um jantar, leve flores ou uma garrafa de vinho. Se o encontro for mais longo, prefira chocolates ou um livro sobre algo que lhes interesse.

Preste atenção às roupas: se os pais dele forem mais conservadores, não apareça usando jeans skinny e camiseta estampada. Prefira um vestido na altura dos joelhos ou saia com blusa sem decote exagerado. Se não tiver certeza do estilo deles, sempre use roupas mais discretas.

Elogie a mãe dele: você vai estar no ambiente dela, portanto elogie o que ela criou, como as cores, a decoração, a comida oferecida. E não deixe de fazer comentários positivos por todo o trabalho que ela teve.

Tente se aproximar das irmãs dele: mostre que se interessa pelos gostos, hobbies das irmãs, perguntando como andam as aulas de balé, por exemplo. Um assunto fácil de ser inserido é sobre as preferências esportivas, os times do coração…

Elogie o filho deles: é importante para os pais terem certeza de que você gosta tanto do filho deles como eles próprios. Elogie como ele a trata e diga como está orgulhosa de algo que ele tenha feito recentemente.

Nada de amassos: eles querem saber o quanto você gosta do filho deles, mas isso passa longe de demonstrações de afeto que envolvam carinhos, beijos, amassos. Contente-se em ficar de braços dados ou apenas com o braço ao redor da cintura.

Ofereça ajuda: ao fim da refeição, ajude a tirar os pratos, limpar a mesa, lavar a louça. Isso demonstra que você se importa com todo o esforço empregado na preparação do ambiente para te receber, além de que está tentando se inserir na rotina da família.

Siga a rotina familiar: procure seguir todas as atividades ou hábitos, mesmo que sejam estranhos a você. Se eles dormem até o meio-dia, jantam às 16h30 ou gostam de agendar todas as atividades do dia, mostre-se feliz em participar e não tente mudar nada.

Conte sobre sua vida: não entre em temas polêmicos, mas não tenha medo de mostrar quem você é, contando sobre o trabalho, escolha, hobbies e pergunte a eles sobre os mesmos temas. Se estiver sem assunto, faça perguntas sobre a família, sobre onde se conheceram, como foi o nascimento dos filhos, temas que com certeza serão agradáveis ao encontro.

Agradeça: não se esqueça de enviar um cartão agradecendo os momentos, a atenção, elogiando como os pais dele foram excelentes anfitriões e que não vê a hora de desfrutar de novos encontros com eles. Se eles forem frequentes usuários de internet, vale mandar o agradecimento por e-mail.

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Fonte: Ponto a Ponto Ideias Ponto a Ponto Ideias

Eu me comprometi com você, não com a sua família

Você pode escolher a pessoa com quem quer passar o resto da sua vida, mas não as pessoas que a acompanham. Os familiares e amigos do cônjuge podem ser um problema na vida do casal, contribuindo até para o término da relação.

  • “Todas as famílias felizes se parecem entre si;
  • cada uma das infelizes tem a sua própria desgraça”.
  •  – León Tostói –

Uma frase que justifica as más relações ou a distância que se cria com os parentes do cônjuge é “eu não me comprometi com a sua família, e sim com você”.

Contudo, é preciso saber que quando nos comprometemos com alguém também o fazemos com o mundo que o rodeia.

Não somos obrigados a ter uma ótima relação com as pessoas desse mundo, mas devemos tentar manter uma relação cordial.

Por outro lado, dar-se bem ou mal com outra pessoa depende de vários fatores, porque cada família é um mundo. Uma coisa é viver a muitos quilômetros dos sogros e cunhados, e algo muito diferente é compartilhar a mesma casa ou estar a duas quadras de distância.

As mulheres costumam estabelecer um vínculo mais estreito com a família do marido (de forma geral). Este vínculo pode ser uma grande fonte de felicidade quando compartilhado e cuidado mas, por outro lado, a proximidade também aumenta a probabilidade de que surjam mais faíscas.

A pior situação que podemos enfrentar neste sentido é quando uma das partes, seja o cônjuge ou a família, pressiona a pessoa para que escolha entre um dos dois “lados” que se formaram. Não nos atrevemos a dar uma solução única para este conflito já que ele requer uma análise profunda de cada situação, mas podemos dizer algumas coisas.

Mesmo depois deste momento crítico as coisas podem ser reencaminhadas. Não é raro que as pessoas que demandam essa escolha o façam como uma última cartada, como forma de demandar mais atenção ou de ganhar um pouco mais de espaço frente à outra pessoa. Se conseguem, irão retirar a sua demanda sem maiores complicações.

Por outro lado, quando há na mesa uma escolha deste tipo, ela costuma ter por trás um longo caminho de disputas com as quais não se soube lidar no momento oportuno.

Como dissemos antes, podem existir mil situações e a que vou descrever agora com certeza não é igual à sua, mas é das mais comuns.

Em muitos casais, mesmo quando as duas pessoas que o formam já alcançaram a maioridade, algum ou vários dos progenitores continuam pensando que seu filho ou filha é um doce pimpolho indefeso diante de um mundo cheio de perigos.

E assim, continuam com a intenção de cuidar deles de uma forma superprotetora, controladora e em alguns casos até ditatorial. É difícil que o cônjuge da pessoa que tem um progenitor assim se sinta confortável.

Imagine que planejam suas férias e informam aos seus respectivos pais. e que algum deles se opõe ao plano que fizeram, manifesta-se abertamente e procura sabotá-lo utilizando estratégias psicológicas pouco nobres.

(Por exemplo: a chantagem emocional).

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

De qualquer forma, um pai ou mãe intrometidos não costumam ter muito afeto a não ser que o filho ou a filha consinta. Normalmente, os problemas sérios surgem quando os progenitores e filhos não amadureceram.

Assim, um quer proteger e o outro quer ser protegido.

Desta forma, devem ser os filhos a estabelecer distância com seus pais quando perceberem que, mesmo com boas intenções, estão se intrometendo na sua felicidade.

Por outro lado, crer que uma má relação com a família do cônjuge sempre é culpa de seus membros seria faltar com a verdade. Há muitos outros casos em que a pessoa que não age corretamente é o cônjuge.

Uma situação comum costuma acontecer quando há filhos pequenos envolvidos, e o cônjuge não quer que eles compartilhem tempo com a sua família sem uma razão justificada.

Ou quando há feriados de celebração e a pessoa usa estratégias psicológicas pouco nobres para que sempre as datas sempre sejam comemoradas com a sua família, e não com a do cônjuge.

Leia também:  Como agir em uma situação que envolva um cliente difícil

É possível se dar bem com a família do cônjuge?

Salvo em raras exceções, a resposta é sim. Não há um motivo específico que impeça você de se dar bem com a família de seu cônjuge Agora, é bem verdade, como já dissemos anteriormente, que há pessoas que fazem as coisas serem mais difíceis do que outras.

Para simplificar, vamos nos colocar na situação de uma garota jovem que já está faz algum tempo com seu namorado, e juntos decidiram que é o momento de começar a fazer as apresentações familiares. É verdade que esta situação costuma causar tensão nas primeiras vezes, porque as pessoas que participam dela assumem que estão diante de um contexto de avaliação.

Esta interpretação do contexto pode desaparecer juntamente com a ansiedade, mas também pode se manter firme e forte.

Há garotos que já compartilharam muitas vezes a mesa e a toalha com seus “sogros” e ainda continuam temendo que, a qualquer momento, o pai da sua companheira irá mostrar a espingarda.

Entenda-se isto como uma pequena piada, mas também como um retrato do que as vezes acontece em menor escala.

Se esta sensação nunca desaparece, é muito complicado manter uma boa relação entre o casal e os “sogros,” já que ninguém gosta de estar continuamente em um contexto em que se sente avaliado.

Nesta situação a maioria dos nossos comportamentos são artificiais e não nos sentimos nós mesmos.

Além disso, em uma situação como esta é muito difícil a comunicação sincera e aberta, fundamental para resolver um conflito.

Assim, uma relação tensa sem motivos de enfrentamento se mantém, mas é muito difícil manter uma com motivos de enfrentamento, pois não se criaram os canais de comunicação adequados para resolvê-lo.

O que costuma acontecer, se a situação se torna dramática, é que ambas partes terminam apontando o enfrentamento na sua lista de coisas pendentes, caso alguma vez seja preciso enfrentar uma batalha.

Em situações como esta, a pessoa que está no meio da “briga” tem um papel realmente desagradável. Por um lado e por outro, tem que ouvir coisas das quais não gosta e que lhe causam tristeza, vindas de pessoas que ama. Mesmo assim, o fato da situação melhorar ou piorar vai depender muito das suas habilidades sociais, da sua capacidade para ser um bom canal de comunicação.

Só você terá essa resposta dependendo da sua situação em especial. Você deve se lembrar que é muito importante manter uma boa relação com a família do esposo/a, antes de dizer o sim no altar ou assinar a certidão no cartório.

Não se trata de uma obrigação, de colocar um sorriso falso no rosto toda vez que eles vêm almoçar em casa, ou de odiá-los em segredo, e sim de aprender a aceitar que essas pessoas estavam na vida do seu cônjuge há muito mais tempo, certamente antes de você conhecê-lo.

Talvez fosse bom “calçar os sapatos do outro”. Isto quer dizer, como você se sentiria se o seu companheiro fizesse você escolher entre a sua família ou ele? Como você gostaria que fossem os domingos familiares, as celebrações de aniversário ou as festas de fim de ano? O que aconteceria se o seu cônjuge dissesse que não suporta seus pais?

É bom sermos objetivos e assumirmos que todos temos qualidades e defeitos. Não podemos ter a intenção de que os outros mudem se nós mesmos não o fazemos primeiro. Então, se a família do seu cônjuge não é a “ideal”, aprenda a identificar aquelas coisas que são positivas (todos temos algo que se destaca).

Além disso, se você realmente ama o seu esposo/a, talvez devesse saber que você aceitou estar com ele/a pelo resto da sua vida, independentemente das adversidades. Claro, porque uma família intrometida ou muito presente pode ser incluída dentro do grupo de “problemas a superar em casal” e que os ajudará a reforçar os vínculos entre vocês.

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Como ter uma boa relação com a família do cônjuge?

Podemos aceitar a família do nosso cônjuge até um ponto no qual parece que também nos casamos com eles? Os extremos nunca são bons.

Não se trata de não vê-los nunca, nem de mantê-los dentro de nossa casa o tempo todo.

Independentemente do afeto que você tenha por eles, o casal deve estar suficientemente “impermeabilizado” para não deixar que terceiros se intrometam nas decisões da vida a dois.

Contudo, existem alguns conselhos para que você possa se dar bem com eles e para que nem tudo seja uma batalha, uma discussão, ou um silêncio tenso:

Em primeiro lugar você deveria estabelecer certos limites. Saber o que pode aceitar e o que não quando você visita a família do seu cônjuge ou eles vão à sua casa. Deixe claro desde o início quais são esses limites sem negociação.

Com quem você deve falar sobre este tema? Com seu esposo/a, com certeza. Talvez você tenha suficiente abertura para conversar diretamente com a pessoa implicada, mas isso nem sempre é uma boa ideia. Alguns podem ser bastante suscetíveis e gerar problemas adicionais.

Tenha cuidado.

Não coloque o seu cônjuge “entre a cruz e a espada”, obrigando-o a decidir entre a sua família ou você. Todos temos o direito a manter os nossos vínculos. Além disso, os pais são pais e isso não se muda por nada. Se a situação se torna insuportável, não passe tempo junto com eles, mas não obrigue o seu cônjuge a renunciar a eles salvo se estiverem lhe causando mal.

Outra maneira para se dar bem com a família do seu cônjuge é pensar em quem você tem ao seu lado, e não em si mesmo o tempo todo. Isto quer dizer que se você tem que ir almoçar com seus sogros, faça-o pela felicidade do seu cônjuge. Será um detalhe que ele/a provavelmente valorizará.

Procure ser você mesmo. Não seja alguém artificial. Os seus “sogros” não deixam de ser pessoas com interesses, necessidades e muita vontade de que seu filho/a tenha o melhor.

Se você for você mesmo, provavelmente o seu cônjuge o reconhecerá mais nos momentos que você passar com a família dele, e terá uma maior sensação de felicidade.

Se normalmente você é uma pessoa alegre e nesse momento você é a mais amarga do planeta, é complicado para o seu cônjuge reconhecer você como a pessoa pela qual você está apaixonado e, por conseguinte, que o transmita a seus pais.

O que fazer quando família dele(a) não gosta de mim?

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)É necessário reconhecer que a felicidade no relacionamento não depende apenas do casal

Nem sempre as pessoas gostam da família do parceiro, da parceira. Por outro lado, não são raros os casos em que é a família do outro que não gosta da gente. Todo mundo conhece alguém que o sogro “não vai com a cara”, que a sogra vive “pegando no pé”… Há casos, inclusive, em que a rejeição é completa. E esse enredo é conhecido há muito tempo. A história clássica é a de Romeu e Julieta.

É bom ser amado, admirado. Ser bem recebido, ter a aprovação da família do outro, faz bem pro coração. É uma delícia quando se é o “queridinho” da sogra, quando se tem o sogro como parceiro, quando a cunhada está sempre ali pra dar uma força… Porém, fica tudo muito difícil quando a família rejeita. E até persegue.

Por isso, uma amiga perguntou: e daí, o que fazer?

Não existe manual para essas situações. Na verdade, tudo que envolve relacionamento depende muito da dinâmica, das circunstâncias. E, se houver perseguição, tem que considerar a dimensão que isso pode tomar. Ainda assim, algumas coisas, porém, podem servir de balizadores para enfrentar esse tipo de problema.

Primeira coisa, é preciso reparar como o parceiro lida com esse cenário. Ele percebe a rejeição da família ou acha que tudo é coisa da sua cabeça? Se o outro não nota, a luta está perdida. Esquece e vá viver sua vida.

Não vai dar certo. Se percebe que você é rejeitado, como administra isso? Se a pessoa que diz te amar se sente insegura, a chance de dar errado também é grande.

Porém, se está do seu lado, fechado contigo, dá pra apostar no futuro da relação.

Segunda questão, tendo como premissa que o parceiro reconhece que a família não gosta de você, mas ainda assim reafirma confiança e faz planos de viver contigo, a dinâmica desse relacionamento passa a depender muito de como vão lidar com isso. Principalmente, você.

Porque, se agir com retaliação, enfrentamento ou mesmo ignorá-los, vai alimentar todos argumentos ruins que já utilizam contra você. Quando a família do outro não gosta da gente, só nos resta mostrar que não somos o que eles pensam. Agir com gentileza, educação, respeito e tolerância é fundamental.

Isso não significa perder a autenticidade; significa ser alguém de bem, alguém que exercita a bondade, sem se preocupar com o que vai receber em troca.

Essa atitude com a família do parceiro é investimento no romance. Trata-se de preservação do próprio relacionamento.

Isso porque, por mais que o companheiro saiba da rejeição, ele provavelmente deseja viver em paz contigo. Se você entra em confronto com a família dele, o romance vira um inferno.

O casal vai sofrer tanta pressão que vai chegar um momento que uma das partes não vai resistir.

É por isso que eu digo: quando a família do parceiro não gosta da gente, é necessário ter, primeiro, o outro ao seu lado. Tem que ser alguém disposto a te preservar, a te defender.

E com forças pra fazer isso. A briga, nesse caso, é dele com a família; e não sua. É ele quem tem que administrar a situação. Seu papel é não dar lado para as acusações que vai sofrer.

Por fim, e talvez o mais importante, é: você está disposto/a a viver isso? Afinal, não existe garantia alguma que um dia vai conquistá-los. O amor de sua vida também tem consciência disso? Ele também acha que dá conta de administrar a situação e ser feliz, mesmo assumindo uma relação que contraria a família?

É fundamental entender que talvez as coisas nunca mudem nessa relação. Estariam dispostos a pagar o preço? Querem viver em “pé-de-guerra”? Desejam se isolar deles “pra sempre”?

Essas são perguntas que, individualmente, o casal precisa responder. Um relacionamento é muito maior que as duas pessoas diretamente envolvidas. Não dá para ignorar o impacto que o ambiente, inclusive familiar, tem na felicidade do casal.

Leia também:  Como aquecer o saquê (com imagens)

Jornalista diplomado, especialista em Psicopedagogia, mestre em Letras, doutor em Educação. Coordenador dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da Faculdade Maringá. Colunista das rádios Band News e Novo Tempo, também do Jornal do Povo. Ver todos os posts por Ronaldo Nezo

Publicado setembro 4, 2014outubro 27, 2017

12 sinais de que ele ama a família dele mais do que você | Familia

Cada caso é único, mas geralmente pode haver razões por trás da relação do seu marido com a família dele.

Como Agir Perto dos Pais da Sua Namorada (com Imagens)

Ele colocar a família em primeiro lugar pode ser apenas resultado da mudança natural na dinâmica familiar que ocorre em torno de qualquer casamento. Casais recém-casados podem ter problemas em deixar o ninho e se adaptar à nova vida.

Se o seu marido tem uma relação estreita com a família, ele pode acabar sentindo-se distante deles e com saudade da convivência com os pais e irmãos, o que não quer dizer que ele não a ama, ou que você não seja agora a família dele.

Esse tipo de sentimento pode levá-lo a exagerar nas demonstrações de afeto e no quanto eles são importantes para tentar manter a mesma proximidade de antes.

Se for só isso, logo o comportamento muda à medida que ele se adapta à nova realidade – esposa, lar, filhos.

No entanto, existem situações em que claramente a esposa sente que é deixada para trás quando se trata da família dele. Veja abaixo os sinais de que há algum problema:

1. Ele fala com eles todos os dias

Não só todos os dias, mas várias vezes ao dia para nada, às vezes apenas para fofocar. Se não é o caso de um pai ou mãe solitários, fique atenta.

2. Ele liga primeiro para eles

Quando ele tem alguma novidade, ou foi promovido, alcançou algo que queria ou tem um problema sério, seus familiares ficam sabendo antes de você.

3. Sua mãe é perfeita

Você começa a notar que tudo que você faz, a mãe dele faz melhor. Ela o trata melhor que você. Ela faz coisas para ele mais que você. Enfim, em qualquer situação você é menos que a mãe dele.

4. Ele compara

Além dela ser perfeita, ele ainda compara o que você faz com o que a mãe dele faz. Talvez ele não o faça claramente, mas frases como: “minha mãe faz assim”, ou “nada se compara à comida da minha mãe”.

5. Aprovação

Ele se preocupa mais com a aprovação de sua família para o que ele quer fazer ou planos futuros e decisões do que a sua aprovação.

6. O bom filho

Fique antenada se ele parece mais interessado em ser um bom filho do que ser um bom marido.

7. Presentes

Os presentes mais caros ele compra para a família dele e não para você. Além disso, ele é negligente com as contas ou responsabilidades financeiras para poder presentear sua mãe ou irmãs.

8. Recusa-se a sair de perto

Vocês viveriam melhor em outra cidade ou têm oportunidades de trabalho melhores em outro estado, mas ele se recusa a sair de perto da família.

9. Fofo demais

Com a mãe e os familiares ele é todo fofo, amoroso, cheio de apelidos carinhosos e brincadeiras, o que não é um problema, mas fique atenta se esse comportamento é só com a família dele e para você são só farpas e frieza.

10. Preocupado

É bom que seu marido se preocupe com seus pais e irmãos, desde que você e seus filhos sejam a prioridade dele. Se há inversão nessa ordem é um péssimo sinal. Se, por exemplo, ele se preocupa com o que dará de presente à sua mãe no Natal e diz que está sem dinheiro para dar algo a você e às crianças, isso já é um absurdo.

11. “O que eles vão pensar?”

Ele se preocupa mais com o que seus familiares pensam do que com o que você está sentindo. Como por exemplo obrigá-la a ir a uma festa de aniversário quando você não se sente bem usando o argumento de que isso magoaria o/a aniversariante.

12. Conflitos

Quando surge algum problema entre você e os familiares dele, você é sempre a culpada. Você é quem está errada e ele toma partido da família.

O que fazer?

  • Converse seriamente com ele, exponha seus sentimentos e o que você gostaria que mudasse no relacionamento de vocês.
  • Sugira um comportamento que seria adequado para ele como, por exemplo, contar as coisas para você primeiro antes deles, ou como ele poderia mostrar que você também é importante para ele.
  • Busque um tom amigável, mostre que você entende que ele ama a família e que você sabe que ele a ama também.
  • Jamais demonstre ser contra a família dele, isso só iria piorar a situação. Afinal, agora eles são sua família também.
  • Tenha paciência, e aguarde que o tempo o faça mudar. Se as coisas não funcionarem considere buscar uma terapia de casais.

LeiaComo agir e superar os problemas com os sogros Toma un momento para compartir …

Dicas para a hora de conhecer os pais da namorada

por Leonardo Filomeno

Quando o envolvimento com a garota estiver ficando sério o passo que se segue é oficializar o namoro e conhecer a família dela. O segundo passo é uma situação delicada e que envolve planejamento, já que a primeira impressão é a que demora mais a sair da cabeça.

+ Como ganhar a família da sua namorada

O grande problema aqui é que você irá se encontrar com o outro homem que gosta mais da garota que você e que sempre a protegeu: o pai dela. É por isso que muitos desentendimentos acontecem nesta situação.

Para evitar desentendimentos e tornar o processo mais fácil, com ajuda dos nossos parceiros da Fox – que vão estrear a quinta temporada da série Prison Break em 4 de abril -, reunimos alguma dicas de como você pode causar boa impressão nesta situação que #NaoDaPraFugir que é conhecer os pais da namorada.

Prepare o terreno

Antes do encontro em si você precisa reunir muitas informações do lado de lá, ao contrário você pode cometer gafes no modo de se comportar e falar que comprometerão o evento. Para isso, pergunte a sua namorada como os pais são? (mais conservadores ou liberais) Como é a liberdade que proporcionam aos filhos? Como foram criados?

Essas são perguntas mais macros, mas questões mais pessoais também são importantes para causar uma boa impressão. Saber qual a bebida favorita ajuda a entender a relação do pai com o álcool e você pode levar como presente no encontro. Descobrir o time favorito evita criar animosidades em assuntos futebolístico (caso o seu seja o rival).

Descubra o máximo que você puder sobre os pais de sua namorada. No que eles trabalham? Vocês tem algum interesse em comum? Existe algum assunto que não pode ser tocado? Essa atitude lhe dá dicas sobre quais assuntos você pode escolher numa conversa, e quais nem devem ser tocados.

Cuide da sua aparência

A aparência causa uma boa impressão não é só na hora de chegar em uma mulher, conta pontos também ao conhecer os pais dela.

Deixe o tênis rasgado em casa, assim como aquele jeans velho e a camiseta com uma piadinha sobre sexo, drogas ou álcool. Não vista algo impolado que pareça artificial e não combine com você, como um terno.

Camisas, polo ou camisetas lisas garantem uma boa impressão. Opte por um visual fino, mas casual. O mais importante, certifique-se que está tudo limpo e ajustado (nem apertado e nem folgado demais).

Corte o cabelo e as unhas, faça ou apare a barba e tome um bom banho. Se estiver em dúvida do estilo, pergunte para a sua namorada a opinião dela, ela conhece os pais melhor que você.

Seja pontual

Não vai querer chegar atrasado no primeiro dia de conhecer os pais dela, certo? Isso vai passar uma imagem pouco responsável para os pais dela. Seja pontual ou antecipe-se para chegar um pouco antes no lugar e não dar margem para o azar.

Saiba ouvir e falar

Um dos pontos importantes na hora de conhecer pessoas é estabelecer uma boa conversa, tanto no modo como fala como ouve os outros.

Você não é preciso falar como um advogado ou político, mas dizer expressões que são próprias a um jogo de futebol conta pontos negativos. Gírias como “tipo assim”, “mano” e “tô ligado” podem passar a imagem errada sobre você.

Tente iniciar assuntos que não levem a respostas simples, como um sim ou não, introduza na sua conversa algumas piadas (apropriadas claro). Ter o timing é a chave de tudo, e um bom comentário na altura certa, pode fazer a diferença entre uma boa ou má impressão de si.

James Houran, psicanalista consultor do site “Online Dating Magazine”, recomenda nunca dar respostas curtas, pois elas demonstram que você não estar aberto ao diálogo. Por outro lado, evite falar demais e sobre assuntos que não deveria ou não tem tanto conhecimento.

Se lhe pedirem a sua opinião, seja honesto. Se por alguma razão a conversação ficar presa, pergunte aos pais da sua namorada como ela era quando criança. Os pais adoram discutir estes assuntos e isso mostrará que você tem interesse em saber mais sobre ela.

Evite falar sobre sexo

A não ser que os pais dela seja liberal, evite ao máximo fazer referência ao sexo. Por mais que ele pratique, o pai da garota não gosta de pensar nesse assunto, sobretudo na frente da filha que ele cuidou com carinho por anos.

Então, não comente sobre idas à motéis, sarras dentro do carro ou pegações que deram em festinhas.

Antecipe perguntas difíceis

Existem alguns temas tradicionais no primeiro encontro com os pais da namorada que, por mais clichê que seja, são rebatidos. Sobre seu futuro (carreira, estabilidade financeira), seu compromisso com a filha deles (futuro casamento, filhos), e sua vida (religião, educação, raça). Às vezes pode vir como uma pergunta direta ou em um assunto que leve a isto.

Leia também:  Como aplicar gel para sobrancelhas (com imagens)

Se você fizer o exercício de pensar nelas antes do encontro e desenvolver respostas responsáveis e habilidosas, estará muito mais à vontade para responder no momento. Tente responder de uma forma verdadeira e sensata sem polemizar.

Evite muitos contatos íntimos

Durante o encontro com os pais dela, evite contatos íntimos mais incisivos, como agarrões, encoxadas, beijos quentes e apertões no bumbum. Reserve isto para os momentos a dois.

Segurar na mãos, selinhos, abraços são bem vindos. Deixe para namorar depois, a sua missão ali é convencer o pai dela de que você é uma pessoa respeitável e confiável.

No caso de refeição

Procure avisar com antecedência a sua namorada quais são os pratos que você não gosta, assim a família dela pode evitá-los no dia de sua visita.

Caso isso não seja possível e o cardápio seja algo que você não goste, faça um esforço para comer pelo menos um pouco, sem fazer cara feia. Mexer na comida, pelo menos, é um sinal de que você aprovou a dedicação deles pela sua alimentação. Lembre-se de elogiar o cardápio.

#NaoDaPraFugir da nova temporada de Prison Break na FOX

Terça-Feira, dia 4 de Abril, estreia as 23h, na FOX, a nova temporada de Prison Break. O novo capítulo da série começa quando Lincoln Burrows e Sara Tancredi descobrem evidências de que Michael ainda está vivo e preso em Marrocos.

Os dois reúnem então Sucre, C-Note e T-Bag para tentar fazer a fuga mais arriscada do bando até hoje. Se antes, eles tiveram que fugir de uma prisão, dessa vez eles devem fugir de uma nação inteira.

Quem quiser acompanhar a nova temporada, vai poder assistir ao vivo na FOX ou pelo aplicativo Fox Play, no dia seguinte de sua exibição.

Jornalista, Sommelier de Cervejas, fã de esportes e um camarada que vive dando pitacos na vida alheia

O que não fazer ao conhecer a família da namorada

Quando o namoro com a sua garota estiver ficando sério e ela quiser que você conheça a sua família é importante atentar a alguns detalhes que podem fazer a diferença. Por isso, o que não fazer ao conhecer a família da namorada é fundamental, pois vai evitar que você cause uma má impressão.

Lembre-se que é a primeira impressão a que fica, por mais que ela não seja a verdadeira. Se você cometer um erro grave é assim que a família da sua namorada vai se lembrar de você. Para não se comportar de forma inadequada, saiba exatamente como se portar no “dia D”.

Saiba o que não fazer ao conhecer a família da namorada

Contar vantagem

É preciso ser humilde na hora de conhecer a família da sua namorada.

Por mais que a sua ideia seja a de mostrar que a gata escolheu a pessoa certa, pois você é um cara inteligente, simpático, com um bom emprego e um bom salário, isso pode ser confundido com arrogância.

O melhor, portanto, é esperar que a família da gata pergunte o que você faz da vida antes de começar a falar sobre si mesmo.

Não confunda os parentes

Se você chegar cumprimentando a mãe da sua namorada como se ela fosse a vó, é bem provável que eles demorem muito mais do que o normal para começar a  gostar de você. Por isso, deixe que a sua namorada faça as honras de apresentar você aos parentes dela. Mesmo se você tiver informações sobre os parentes, fulano é assim, ciclano é assado, não corra o risco de pagar mico.

Não seja indiscreto

Na hora de falar sobre o seu namoro cuide para não falar demais, dando a entender que você e a sua namorada já são bem íntimos.

Por mais que os pais dela saibam disso – inclusive que ela não é mais uma garotinha – a conversa pode ficar constrangedora.

Por isso evite assuntos sobre o acampamento que vocês foram e ficaram na mesma barraca, aquela vez que você estava tomando banho e a sua namorada entrou no banheiro, etc.

Não fale demais

Mais um caso em que menos é mais: procure não falar demais, isso vai evitar uma série de coisas.

Sem falar muito você não corre o risco de parecer arrogante, nem que é uma pessoa que faz o tipo que sabe de tudo, nem dar mancadas confundindo os parentes, nem falando demais sobre o seu namoro com a garota.

Deixe que os pais da sua namorada falem, se mostre um bom ouvinte… com certeza, eles vão admirar isso em você.

Ficar distraído

Também é importante que você evite momentos de distração, ainda mais se isso é da sua personalidade, porque vai ficar muito chato se os pais ou outros familiares da sua namorada perguntarem alguma coisa a você e a sua resposta for “o quê?”.

Vestir-se mal

Mesmo que o seu estilo seja algo “largadão”, evite chegar à casa da família da sua namorada muito largado. Penteie os cabelos, tome banho, vista uma roupa que não esteja amassada e prefira um visual básico: calça jeans e camiseta, de preferência uma sem imagens estranhas ou palavrões, e um calçado que não esteja todo furado.

Por mais que o importante seja a sua namorada gostar de você e do seu jeito de ser, não custa nada evitar alguns looks e mesmo conversas que podem atrapalhar o primeiro encontro com a família da sua gata. Assim, será uma coisa a menos com a qual você vai ter que se preocupar, pois embora a sua gata seja bastante independente é desnecessário que ela fique ouvindo coisas do tipo “esse cara não serve para você”.

Não gosta da pessoa que seu filho namora? Veja o que fazer

Nem todos os ex-namorados da profissional de marketing Gabriela, 27, foram aprovados pela mãe dela, a administradora Ruth, 53. Bem diferente disso, vários deles, segundo Gabi, não eram bem-vistos nem bem-vindos na família.

“Os pais sonham com o futuro de um filho e quando a gente se depara com alguém que não se encaixa nesse futuro, não gosta quando percebe algo errado”, diz a mãe. Na casa dos pais de Gabi, os namorados eram bem-vindos, mas com um pé atrás.

Veja também

“Nunca fizemos nada contra. Dávamos nossa opinião, mas deixando as coisas acontecendo. Com o tempo, ela acabava vendo por si só que não estava certo”, lembra-se Ruth.

Numa das vezes, um namorado ciumento deixou os pais de sobreaviso. “Mesmo ela morando longe, procuramos ficar por perto. Ele não combinava com ela, não tinha os mesmos objetivos de vida. Não confiava nela e morria de ciúmes. Chegava a ir na sala do cursinho para ver se ela estava lá”, conta.

O sexto sentido da mãe estava em alerta total. “Acompanhamos de perto, criando oportunidades para mostrar o outro lado”, comenta Ruth. A relação não durou muito e, hoje, Gabi está feliz ao lado do marido, superaprovado pela família.

Respeite a decisão do seu filho, mas seja franco

Ruth não errou no posicionamento que adotou nos relacionamentos da filha Gabi. Segundo o psicólogo Arthur Cortez, esse é um dos pontos-chaves de uma relação familiar saudável. “Respeite a decisão do filho, mas exponha sempre a sua opinião. Só não esqueça que, por mais que a gente não goste da pessoa, a decisão final é sempre dos filhos”, pontua.

De acordo com ele, se os pais não aprovam o namoro devem dar a opinião com muito cuidado e respeito. “Normalmente o filho vai pressupor que os pais estão errados ou com ciúmes. E se os pais são muito duros nessa conversa, o filho pode estender o relacionamento só para fazer birra, o que não é bom para ninguém”, cita o psicólogo.

Para evitar isso, pais e mães devem deixar claro ao filho que respeitam a decisão de ficar ou sair desse namoro, mas que acham que a relação não faz bem a ele ou aos pais, se for o caso.

Outras dicas, de acordo com o profissional, são:

Procure entender o que você não gosta no namorado: É folgado? Deixa tudo bagunçado? Ou está sempre brigando, tem muito ciúme, é inadequado ou mal-educado? “Entenda de quais características você não gosta e o porquê.

Tente afastar a possibilidade de ser apenas ciúmes e procure opiniões de outras pessoas. Ou seja, tenha objetividade na sua avaliação.

Caso contrário, vai ser muito difícil mostrar que esse par não 'presta', já que filhos têm dificuldades de ouvir os pais e isso é muito relevante no quesito relacionamento”, comenta.

Tente conversar diretamente com o namorado: Foque nas atitudes, nunca no caráter da pessoa. Frases do tipo “Eu não gosto que você não se propõe a lavar a louça” dão muito mais resultados do que “Acho você folgado e ninguém gosta de alguém assim”. “Fale do concreto o máximo possível”, diz Arthur.

Responda: o namoro é ruim para meu filho ou para mim? Às vezes, não gostamos da pessoa porque não faz bem ao filho, pois o coloca para baixo, o deixa magoado ou triste. Ou porque não é legal com os sogros, ou é mal-educada, folgada, entre outros defeitos.

“É preciso saber diferenciar os dois casos porque envolvem duas soluções diferentes.

No primeiro, quando você sente que o filho está sendo maltratado no relacionamento, é possível se posicionar contra o namoro; no segundo, é preciso explicar a forma como os pais são tratados”, argumenta o psicólogo.

Seja humilde: É fácil ver aquilo que nos incomoda e difícil enxergar o que deixa os filhos felizes. “Talvez a pessoa não seja tudo que você sonhou mas, para seu filho, tem mais qualidades do que defeitos”, observa o profissional.

Lembre-se de que a maior parte de um namoro se passa na intimidade do casal, à qual os pais não têm muito acesso. “Se você quer ser ouvido pelos filhos, deve aprender a ouvi-los também. Faça um esforço de ouvir o que dizem sobre os namoros”, sugere.

Dê tempo ao tempo: Todo mundo vive relacionamentos ruins e aprende com isso. “Se você entende que a pessoa não serve para seu filho, tenha paciência. Conforme a paixão passa, as partes ruins do namoro começam a ganhar destaque. Não se afobe, aguarde o momento certo para expor a sua opinião”, diz Arthur.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*