Como calcular a taxa de crescimento do pib nominal

Tempo de leitura: 5 minutos

Como Calcular a Taxa de Crescimento do PIB Nominal

Como já foi dito no nosso outro artigo sobre o PIB (clique aqui para ler), ele serve para medir o tamanho de uma economia em determinado período.

Repare que a todo momento, os governos do mundo inteiro se preocupam em elevar o crescimento do seu país, pois isso significa que a vida da população em geral melhorou. Se a economia se expande, o PIB também vai crescer. Se a economia declina, significa que as finanças do país não vão bem, e consequentemente o PIB vai apresentar uma retração.

Mas agora você pode estar se perguntando… Denis, eu entendi o que é um PIB e o que ele mede. Porém, como que os países calculam sua evolução? Como comparamos o PIB de 2001 versus o PIB de 2014?

Para responder a estas questões meus caros amigos, vamos ao conteúdo do nosso artigo:

Pib…período, quantidade e preço.

  • Só pra relembrar o conceito, temos que ter em mente a seguinte frase:
  • “O PIB de um país é a soma do valor de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos dentro de um certo período de tempo.”
  • Ok Denis eu entendi que ele é a soma do valor de mercado dos bens finais, mas não entendi o que é o tal do valor de mercado (VM).

Bem, este valor é a multiplicação do preço que um produto custa vezes a quantidade total de produtos disponíveis no mercado. Por exemplo, um carro novo custa R$ 25.000,00 na loja e existem 5.000 unidades deste carro para a venda no Brasil inteiro. Multiplicando o preço (p) pela quantidade (q), temos o valor de mercado deste produto, que no caso é R$ 125.000.

000,00.

Baseado nesta fórmula, podemos dizer que o VM deste carro novo é cento e vinte e cinco milhões de reais.

Como Calcular a Taxa de Crescimento do PIB Nominal

Como Calcular a Taxa de Crescimento do PIB Nominal

Você percebeu também que eu disse “produzidos dentro de um certo período de tempo”?

Isso significa que eu só vou somar os VM dos produtos que foram realmente produzidos naquele período. Por exemplo, se eu produzi um carro no ano de 2014, ele vai entrar na nossa conta final do PIB de 2014. O mesmo vale para a produção de uma máquina de lavar ou de um armário de escritório produzidos em 2014, todos eles serão contabilizados neste ano.

Já aqueles bens que foram produzidos em 2013, 2012 ou até mais tempo para atrás não são contabilizados no PIB de 2014, pois certamente eles já foram utilizados nas bases de cálculos de seus respectivos anos.

Mas pode ficar a dúvida ainda: “E se eu produzi um carro no final de 2013 e só vendi ele no meio de 2014?”

Não importa a data que o bem foi comercializado ou que o serviço foi prestado. O registro ocorre no ano em que o produto foi concebido, no nosso caso, em 2013.

Os anos passam, o PIB muda

Agora eu pergunto a você caro leitor. Você saberia me dizer como é mensurado a variação do PIB de um ano para outro?

Diferente do que muita gente com certeza imaginou, não basta subtrair o valor do ano 2012 – 2011 para saber o valor que variou. São necessários diversos cálculos e os dois principais métodos de medição são:

a) PIB Nominal:

Este tipo de PIB é mensurado em termos monetários, ou seja, ele leva em conta o preço dos bens produzidos em cada período estudado.

Como Calcular a Taxa de Crescimento do PIB Nominal

Se realizarmos o cálculo acima, teremos o valor de mercado dos produtos produzidos em 2014. Para saber o valor de mercado do ano anterior (2013), basta realizar o mesmo cálculo e chegar a seguinte conclusão:

Variação do PIB = VM 2014 – VM 2013

Certo? Sim e não.

De fato teremos a variação do valor do PIB de um ano para o outro, mas devemos observar que os preços de um ano para o outro variam devido à inflação… Então pode ser que a conta fique assim:

Como Calcular a Taxa de Crescimento do PIB Nominal

Sendo assim, o PIB não apresentou uma elevação real e sim apenas uma variação nominal. Por isso o cálculo do PIB Nominal pode nos levar a conclusões erradas. Para isto, temos o cálculo do PIB Real.

b) PIB Real:

Como o nome já nos informa, ele é avaliado em termos reais e também é conhecido comumente como PIB a preços constantes. Neste método mantêm-se os preços utilizados no cálculo do ano base para todos os outros anos, para termos com maior precisão o quanto o PIB de fato evoluiu:

Como Calcular a Taxa de Crescimento do PIB NominalNeste método, torna-se claro que o PIB de fato retraiu no ano de 2014, diferente do que nos informava o cálculo do PIB nominal. Com a fixação dos preços, eliminam-se os efeitos de suas variações (inflação) e pode-se ter maior precisão no tamanho da economia do país.

Lembrete:

  1. Para constatarmos se um país expandiu ou retraiu entre dois períodos devemos observar a variação do PIB para classificá-los como:
  2. Recessão: O PIB cai por dois trimestres consecutivos
  3. Depressão: Constantes recessões
  4. Recuperação: Retomada do crescimento do PIB
  5. Prosperidade: Crescimento constante do PIB.

Agora fica mais fácil de você saber como anda a economia do seu país! Se gostou não deixe de compartilhar com os amigos!

Até a próxima!

Como Calcular a Taxa de Crescimento do PIB Nominal

Entenda o cálculo do PIB – Home – iG

Como Calcular a Taxa de Crescimento do PIB Nominal Getty Images

Outros índices devem ser levados em consideração ao avaliar a economia

O Produto Interno Bruto (PIB) é a soma de todas as riquezas geradas por um país. No caso do Brasil, é medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) a cada trimestre. Seu resultado anual é um dos principais indicadores de uma economia, abrangendo todos os setores (agricultura, comércio, serviços, indústria e governo).

“O cálculo do PIB não mede a quantidade de bens acumulados, mas bens e serviços produzidos ao longo de um ano”, esclarece o economista da consultoria LCA, Francisco Pessoa. O PIB seria o indicador oficial que define o bem estar de uma população, de modo que um resultado abaixo do esperado pode apontar que a vida dos habitantes de uma região piorou.

Leia também:  Como aplicar stain em móveis de teca: 12 passos

O economista explica que o resultado do PIB tem um forte impacto político ao longo do ano. Apesar de influenciar a renda da população, a política monetária do governo e o mercado financeiro, deve ser visto como um indicador dentre vários outros, como o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), por exemplo.

“O PIB pode ser visto como um quadro impressionista. Visto de longe, é assimilável, mas de perto, sua imagem é indefinida e não representa um retrato fiel da realidade”, explica o economista, para explicar que outros indicadores devem ser levados em conta para entender a realidade social e econômica de um país.

Veja abaixo como o resultado anual do PIB (que cresceu 0,9% em 2012) impacta em outros medidores e na economia brasileira:

PIB NOMINAL E PIB REAL

O IBGE mede o PIB de duas formas: o nominal e o real. O PIB nominal considera a inflação do período medido. Já PIB o real desconta o aumento de preços em relação ao ano anterior, eliminando o efeito da inflação sobre os produtos produzidos e comercializados. Assim, usa-se em deflator (índice de preços) para separar o crescimento real de economia do artificial, gerado pela alta de preços.

PIB PER CAPITA

O PIB per capita indica quanta riqueza cada habitante de uma região produziu em um período específico. Ele é calculado pela divisão da população total de um país (a brasileira é de 193.946.

886 em 2012) pelo resultado do PIB (R$ 4,403 trilhões no ano passado). Em 2012, o PIB per capita do Brasil fechou em R$ 22.

402, um crescimento de apenas 0,1%, ante uma alta de 1,8% medida em 2011, segundo o IBGE.

SALÁRIO MÍNIMO

O resultado anual do PIB também entra no cálculo do reajuste do salário mínimo.

O coordenador de relações sindicais do Dieese, José Silvestre, explica que a regra do governo federal estabelece o aumento do salário mínimo com base em dois fatores: a variação do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do ano anterior e o crescimento do PIB nos últimos 24 meses. Com um crescimento do PIB brasileiro em 2012 de 0,9%, e projeção da inflação para 2013 em 6%, o salário mínimo em 2014 deve ser reajustado dos atuais R$ 678 para cerca de R$ 725, acredita Silvestre.

CÂMBIO E JUROS

Para Pessoa, da LCA, a alta de 0,9% do PIB em 2012, apesar de baixa, já era esperada pelo mercado. Deste modo, acredita, o resultado não deve gerar grande impacto na percepção da economia atual. “O resultado reforça a ideia de que o governo não vai permitir uma apreciação do câmbio este ano e deve manter por mais tempo a atual taxa básica de juros (Selic) em 7,25%”, analisa.

Leia tudo sobre:

PIB Nominal e PIB Real: Entenda a diferença

O PIB – Produto Interno Bruto – tem como objetivo medir a atividade econômica e o nível de riqueza de uma região, a partir da produção realizada.

Ou seja, É a soma de todos os bens e serviços finais produzidos em um período, geralmente em um ano. Então, o que muda entre PIB Nominal e PIB Real? Vem com a gente e entenda aqui a diferença.

PIB Real × PIB Nominal

Antes de mais nada, quando se procura analisar o comportamento do PIB de um país ao longo do tempo, é preciso diferencia-lo entre PIB Nominal e PIB Real.

Dessa forma, o Nominal refere-se a somatória da quantidade produzida, multiplicado pelo preço de mercado(o preço no qual é comercializado) em um determinado período.

Já o Real é calculado a preços constantes de um ano-base. Eliminando assim o efeito da inflação. Veja um exemplo:

Vamos supor que, em um determinado país só exista dois produtos: arroz e feijão. Logo, vamos calcular o PIB Real e Nominal em dois anos diferentes a partir da tabela abaixo.

Tabela 1 – PIB Nominal de 2017, medidos a preços de 2017

Preço (R$) Quantidade Produto (RS)
Arroz 2,00 700 1.400,00
Feijão 5,00 300 1.500,00
TOTAL 2.900,00

Portanto, podemos analisar que o PIB nominal em 2017 do nosso exemplo foi de R$ 2.900,00. Logo, entendemos que o cálculo do PIB nominal de forma bem simplificada é a somatória quantidade produzida, multiplicado pelo preço de mercado.

Continuando…

Tabela 2 – PIB Nominal de 2018, medidos a preços de 2018

Preço (R$) Quantidade Produto (RS)
Arroz 3,00 875 2.625,00
Feijão 6,00 330 1.980,00
TOTAL 4.605,00

Dessa forma, o preço do PIB Nominal em 2018 do nosso exemplo foi de R$ 4.605,00, calculado da mesma maneira do ano de 2017 (quantidade X preço).

Contudo, para analisarmos o PIB Real vamos precisar deflacionar. Ou seja, manter o preço de um ano-base, pode ser qualquer um, vamos usar o de 2017.

Tabela 2 – PIB Real de 2018, medidos a preços de 2017

Preço (R$) Quantidade Produto (RS)
Arroz 2,00 875 1.750,00
Feijão 5,00 330 1.650,00
TOTAL 3.400,00

Portanto, mantendo os preços de 2017 (ano-base) com a quantidade produzida de 2018, deflacionamos o PIB. Dessa forma conseguimos calcular o PIB Real de 2018 que totalizou em R$ 3.400,00.

Veja também: Renda extra: 5 formas de ganhar dinheiro em casa

PIB Nominal

Calculamos o PIB Nominal com base nos preços de cada ano. Contudo, a comparação entre anos nos fornece uma informação imprecisa a respeito da produtividade da economia.

Para evitar qualquer interpretação errônea, os economistas calculam o PIB Real. Ou seja, a medida do PIB que remove o efeito da mudança de preços no PIB nominal.

PIB Real

Economistas indicam a utilização do PIB Real para avaliações mais consistentes da variação do PIB. Já que este leva em conta apenas as quantidades produzidas dos bens, e não as alterações de seus preços no mercado.

Leia também:  Como ajudar um amigo a lidar com a rejeição: 14 passos

Para o cálculo do PIB são utilizados diversos dados, alguns produzidos pelo IBGE e outros de fontes externas.

Como Calcular a Taxa de Crescimento do PIB Nominal

  • A análise da variação do PIB exige o uso de um Deflator, ou seja, um índice utilizado para descontar o aumento dos preços, isolando o crescimento real das riquezas produzidas.
  • O deflator do PIB é uma estatística simples. O calculo é feito da seguinte maneira:
  • DEFLATOR = PIB Nominal ÷ PIB Real × 100
  • A divisão do Nominal pelo Real multiplicados por cem.
  • Como o Nominal e o Real serão iguais nos anos base, o deflator do PIB neste ano deve ser igual a 100.
  • Nos anos subsequentes, o deflator mede a variação do PN (PIB Nominal) sem atribuir variação no PR (PIB Real).
  • A importância do deflator do PIB é refletir as mudanças que ocorrem nos preços do mercado e, portanto, é usado para controlar o nível médio de preços na economia.
  • O cálculo da taxa de Inflação de um determinado ano leva em consideração, geralmente, o deflator do PIB deste ano em relação ao ano anterior.
  • Veja mais: Direita e esquerda: principais diferenças econômicas

Importância do Cálculo

Em resumo, o uso desses cálculos não é obrigatório no dia a dia. Entretanto, estar ciente deles tem sim sua importância.

É necessário ter o conhecimento de como caminha os números que nos afetam diretamente, afinal, a Economia é para todos. Conhecê-la e fazer seu uso faz dela uma grande ferramenta em nossos dias, mesmo nos mínimos detalhes.

Conte sempre conosco para aprender mais sobre Economia e seu vasto campo no conhecimento. ????

Dúvidas ou sugestões? Comente abaixo e te ajudaremos.

Veja mais: Taxa Selic: O mínimo que você precisa saber.

O que é PIB e como é calculado?

O Produto Interno Bruto (PIB) é usado para medir a atividade econômica do país. Quando há queda de dois trimestres consecutivos no índice, a economia está em recessão técnica.

Os economistas costumam dizer que o PIB é um bom indicador de crescimento, mas não de desenvolvimento, que deveria incluir outros dados como distribuição de renda, investimento em educação, entre outros aspectos.

É possível calcular o PIB de duas maneiras. Uma delas é pela soma das riquezas produzidas dentro do país, incluindo nesse cálculo empresas nacionais e estrangeiras localizadas em território nacional.

Nesse cálculo entram os resultados da indústria (que respondem por 30% do total), serviços (65%) e agropecuária (5%). Entra no cálculo apenas o produto final vendido, ou seja, um carro e não o aço e ferro da produção.

Evita-se, assim, a contagem dupla de certas produções.

Outra maneira de medir o índice é pela ótica da demanda, ou seja, de quem compra essas riquezas. Nesse caso, são considerados o consumo das famílias (60%), o consumo do governo (20%), os investimentos do governo e de empresas privadas (18%) e a soma das exportações e das importações (2%). Esses dois cálculos devem sempre chegar ao mesmo resultado.

No Brasil, o cálculo do PIB é feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), instituição federal subordinada ao Ministério do Planejamento, desde 1990. Antes disso, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) era responsável pela medição.

Quando o PIB é divulgado, junto, também podemos ouvir sobre a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que é justamente a conta de investimentos do PIB e mede o quanto as empresas aumentaram os bens de capital – aqueles que servem para produzir outros bens, como máquinas, equipamentos e construção civil.

PIB nominal, PIB real e PIB per capita

O PIB nominal é calculado a preços correntes, ou seja, considera os valores do ano em que o produto for produzido e comercializado. Já o PIB real exclui os efeitos da inflação.

Já o PIB per capita é calculado a partir da divisão do PIB pelo número de habitantes da região e indica quanto cada habitante produziu em determinado período.

Produto Nacional Bruto

Existe também o Produto Nacional Bruto (PNB), no qual entra toda a produção nacional, em território do Brasil ou não. Assim, empresas brasileiras que tenham fábricas no exterior também se somam a este indicador.

Em geral, países desenvolvidos possuem PNB maior do que o PIB, mostrando assim que a soma da produção nacional é mais forte do que a soma da riqueza produzida em território nacional, que inclui as empresas estrangeiras localizadas ali.

O primeiro cálculo de produção nacional foi publicado em 1953 nas Nações Unidas, baseado em um documento do economista Richard Stone. O título era 1ª Versão do Manual de Contas Nacionais. Stone foi eleito em 1984 o Prêmio Nobel de Economia.

PIB: entenda o que é e como é calculado

Escrito por: Redação em 11 de março de 2020

O PIB (Produto Interno Bruto) é o conjunto de riquezas gerado em um país. Trata-se de um índice econômico que engloba praticamente toda a cadeia produtiva brasileira.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) calcula trimestralmente o que o país produz num período, na agropecuária, indústria e serviços.

Comparando o PIB atual com o dos anos anteriores, podemos saber se a atividade econômica está crescendo ou diminuindo. O índice também permite comparar o desempenho da nossa economia em relação ao desempenho da economia de outros países.

O Banco Central e o governo federal utilizam o PIB para tomar diversas decisões que influenciam diretamente a sua vida.

As empresas e os investidores estudam o PIB antes de tomar decisões de investimento, antes de contratar ou demitir, antes de ampliar ou retrair suas atividades.

O primeiro cálculo de produção nacional foi publicado em 1953 nas Nações Unidas. Ele foi baseado em um documento do economista Richard Stone, que recebeu o Prêmio Nobel de Economia em 1984.

Quanto mais as pessoas gastam, mais o PIB cresce

Fórmula para calcular o PIB

Existem duas formas mais usadas para calcular o PIB e ambas chegam ao mesmo resultado. A primeira é contar tudo que se produz, na chamada “ótica da oferta”.

Leia também:  Como armazenar cabides: 8 passos (com imagens)

Nessa conta, entram os resultados da agropecuária, da indústria e dos serviços. Aqui estão produtos finais, que é tudo aquilo que é vendido ao consumidor, como pães, carros e brinquedos.

Também estão nessa conta os serviços, como o salão de beleza e os gastos com empregados domésticos. A segunda forma de calcular é somando o que se gastou no país. Esse método considera a visão da demanda.

  • Entram nessa conta o consumo das famílias, os gastos do governo e os investimentos das empresas e do governo. De maneira simplificada o PIB é calculado através da fórmula:
  • PIB = C + I + G + (X – M)
  • Onde:
    C = Gastos das empresas do setor privado
    I = Investimentos
    G = Gastos dos governos e empresas públicas
    X = Exportações
    M = Importações

O que faz o PIB crescer?

Um dos fatores que mais influencia o crescimento do PIB é o consumo das famílias. Ou seja, quanto mais as pessoas compram, mais as empresas precisam produzir e investir para produzir mais.

  1. Uma forma de estimular o crescimento do PIB é estimular o consumismo. Veja quando o PIB cresce:
  2. – A população compra mais e as empresas investem (constroem fábricas, inauguram lojas, compram máquinas, contratam mão de obra) para produzir mais e assim atender toda a demanda;
  3. – O governo gasta mais, constrói escolas, estradas, postos de saúde e etc;
  4. – As empresas exportam mais;
  5. – Quanto importamos menos.

Quais são os tipos de PIB

1- PIB nominal

Ele é calculado a preços correntes. Ou seja, considera os valores do ano em que o produto for produzido e comercializado. Já o PIB real exclui os efeitos da inflação.

2 – Per capita

Esse é calculado a partir da divisão do PIB pelo número de habitantes da região. Portanto, indica quanto cada habitante produziu em determinado período.

Qual a diferença para o Produto Nacional Bruto?

No Produto Nacional Bruto (PNB) entra toda a produção nacional, em território do Brasil ou não. Assim, empresas brasileiras que tenham fábricas no exterior também se somam a este indicador.

Em geral, países desenvolvidos possuem PNB maior do que o PIB.

Mostrando assim que a soma da produção nacional é mais forte do que a soma da riqueza produzida em território nacional, que inclui as empresas estrangeiras localizadas ali.

Onde investir com o PIB em alta?

Com a economia aquecida, o governo encontra espaço para reduzir juros. Muitas pessoas resolvem empreender pela primeira vez.

  • Investir em algo produtivo se torna mais lucrativo que deixar o dinheiro rendendo juros baixos no banco. São oportunidades para o investidor:
  • Empreendedorismo: abrir uma nova empresa assumindo riscos para ganhar mais;
  • Investimento no mercado em ações: você se torna sócio de uma empresa grande;
  • Investimento em imóveis: juros menores, renda maior e mais crédito aumenta a demanda por imóveis valorizando imóveis usados e imóveis na planta.

Como o índice interfere nos seus investimentos?

  1. A alta ou a queda influenciam os resultados dos seus investimentos em renda fixa e variável.
  2. Se você investe em títulos públicos, LCI, LCA, CDB, fundos de investimento, mercado de ações, previdência privada e até na poupança precisa aprender mais sobre o PIB.

  3. Portanto, é importante que você entenda como ele impacta positivamente ou negativamente nos resultados dos seus investimentos.

Ou seja, antes de investir é muito importante observar o comportamento do PIB nos últimos anos e trimestres.

Além de buscar informações publicadas por economistas e analistas que fazem previsões para o futuro do índice.

Uma forma de saber a tendência do PIB (de queda ou de alta) é através da pesquisa feita pelo Banco Central que resulta em um relatório semanal chamado Boletim Focus.

Resultado do PIB brasileiro em 2019

Em 2019, o índice cresceu 1,1%, totalizando R$ 7,2 trilhões. Contudo, a alta foi menor do que nos anos de 2017 e 2018, quando o crescimento foi de 1,3%.

A coordenadora das Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, explica A maior contribuição para o avanço do PIB vem do consumo das famílias.

“Ele cresceu 1,8%. Pelo lado da oferta, o destaque foi o setor de serviços, que representa dois terços da economia”, ressaltou Rebeca Palis.

Para 2020 a projeção é e alta. De acordo com o relatório Focus do Banco Central, o PIB brasileiro em 2020 deve ser de 2,24%.

No entanto, o coronavírus continua se expandindo pelo mundo e afetando a economia global. No Brasil, o impacto será negativo segundo o economista e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Mauro Rochlin.

Ele diz que o avanço da moeda estadunidense pode ser negativo para a economia brasileira porque pode resultar em um aumento da inflação e na queda nos investimentos.

“Com a virtual paralisação da economia chinesa, o nível de exportações [brasileiras] pode sofrer um revés”, diz o professor da FGV. “A expectativa é de um PIB pior esse ano.”

Redação

Criado em 2003, o FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa.

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) fez com que a economia do estado do Rio de Janeiro perdesse o fôlego que ganhou em 2019. Ano em que a reg…

Você provavelmente já ouviu falar sobre as fintechs, mas sabe o que elas significam? Quais são as melhores fintechs brasileiras existentes no merca…

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil registrou queda de 1,5% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados apr…

Com o dólar a quase R$6, como fica seu bolso e seus investimentos? Essa é a pergunta que muitos brasileiros fazem em meio a pandemia do coronavíru…

Em função da pandemia do coronavírus, alguns prefeitos decretaram o lockdown. Mas o que significa essa expressão em inglês que tem gerado bastan…

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*